O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


sábado, 5 de outubro de 2013

A ratice

 ●  14 comentários  ● 
Portugal, 5 de Outubro de 2013

Há tempos atrás circulou por aí uma carta aberta ao Presidente Vieira, subscrita pelo sócio Arrobas da Silva, onde a “páginas tantas” explica a derrota no campeonato anterior, com um (!) lance ocorrido no fatídico FCP – Benfica. Segundo ele, o 2º golo do FCP nasce da falta de ratice de André Almeida que num lançamento lateral, optou por tentar servir Cardozo, o qual estava emparedado por 2 defesas, tendo começado aí a jogada que deu o 2º golo. E o fim do sonho do 33º título.
Os adeptos do Benfica têm o coração junto à boca quando falam, e junto ao cérebro quando pensam. Por isso nem falam, nem pensam com a objectividade que o contexto competitivo viciado em que o Benfica participa. Um campeonato não se perde num lance, não se perde num jogo... um campeonato ganha-se e perde-se em 30 jogos. Não perceber isto, é não perceber que o Benfica fez muito bom trabalho para chegar ao estádio do FCP com o título na mão, caso o FCP tivesse os pontos que o valor da sua equipa merecia.
Não podemos pedir mais “ratice” aos jogadores do Benfica quando jogam, e não termos nós próprios, a “ratice” de pensar o futebol como o FCP pensa. Porque o FCP nunca questiona a sua equipa de futebol quando não ganha, nunca questiona as opções do treinador quando não ganha, não questiona a qualidade do jogo que fizeram, não questiona se mereciam ganhar ou não. Questiona os erros dos árbitros, como se viu no Estoril!
O FCP enquanto estrutura e os analistas ligados ao clube, nunca questionam a equipa. Nunca dão azo a que a comunicação social entre por caminhos que desestabilizam, porque apontando a causas internas. Mexem com os níveis mentais e emotivos de todos. Mas o povo portista sim, esse critica, assobia e manifesta desagrado. Que curiosamente são ignorados pela mesma comunicação social que anda atrás dos adeptos do Benfica para falarem mal do treinador, e não estou a pensar no Jesus.
Ser “rato” nestas coisas é ver para além da nossa equipa. Havendo 3 equipas em campo, temos de pensar à FCP, se isso significa pensar “à campeão”. Ou seja como atrás exemplifiquei. Isto para contestar a ideia do Bruno Carvalho, candidato derrotado, que afirmou que “no Benfica há uma cultura de segundo lugar”, quando Jesus disse após a derrota em Paris que íamos concentrar-nos na luta pelo 2º lugar do grupo. Pois deixemos para trás o discurso dos coitadinhos e joguemos ao ataque como o FCP faz.. não temos de nos rever nos melhores?
A não ser que nestas questões de “discursos”, não possamos adoptar o discurso deles, porque são um clube que tem um presidente condenado por corrupção.. mas então em que ficamos? O que é pensar em função de uma cultura de primeiro lugar?
Vou tentar dar um exemplo. Mais uma vez ligado com a comunicação social. Após o gamanço do jogo com o Belenenses, a 1ª parte da semana começou com o habitual branqueamento de que “houve erros, mas o Benfica jogou mal”. Alguns “fidalgos de bolsos vazios” (adeptos totós) ilustraram com a grandeza de outros tempos, que “afinal tivemos 60 mn para marcar 1 golo e não marcamos”. É que o Benfica quando é gamado pelo árbitro, tem de marcar mais do que 1 golo... Por acaso quando fomos campeões, só ganhamos 1-0 ao Belém.. sorte a nossa não termos sofrido golos em fora de jogo...
Veio a 2ª parte da semana, e passou-se o motivo das criticas, para a “fraca exibição” e o mau resultado contra o PSG, adjectivando-se da pior forma possível, o que já não era agradável. Num espaço de dias, passamos de um jogo gamado em que o treinador não soube por a equipa a corrigir os erros do árbitro, para um jogo em que o treinador não soube contrariar o poderia adversário. Não sei se repararam, mas o objectivo foi sempre o treinador. Que até serviu (dá dentro) para lavar os erros do árbitro. Para lavar o trabalhinho do “sistema”.
Ora bem, o adepto ingénuo seguramente vai pensar que sim, que todo este chorrilho de criticas é natural, desinteressado e justo. O adepto com “ratice” vai pensar que nada disto acontece por acaso, que o FCP quando é goleado na Champions nunca aparece nos destaques ou capas dos jornais de Lisboa, que o SCP quando levou 7-1 não teve ninguém a pedir a cabeça do treinador Paulo Bento, a falar em depressões e mau ambiente no balneário, etc. Então terá de haver mais qualquer coisa para além da função “informativa” agressiva da comunicação social. E de facto há. Chama-se Manuel Mota e vai arbitrar o jogo de amanhã no sempre difícil campo do Estoril.
O Sr.º Manuel Mota arbitrou o Beira-Mar – Benfica da época passada, onde por acaso assinalou 1 penalty a nosso favor, existente, mas em contrapartida não viu outros dois, sendo que um foi da responsabilidade do árbitro assistente, mas outro foi da sua responsabilidade. Foram 2 penaltys na mesma jogada e ambos sobre Lima. Não marcou. Associado a estes lances havia a punição disciplinar que condiciona o jogador, ou pode levar à expulsão se já tivesse um cartão amarelo.
Ora bem, o Sr.º Mota foi escolhido e esteve no passado domingo, no FCPB 2 – Santa Clara 1. Se a coincidência da nomeação para um jogo do Benfica, depois de um jogo do FCP B, pode passar em claro aos ingénuos, talvez a sua actuação não. O que vos deixo para verem bem, talvez explique porque foi escolhido. Depois a culpa vai ser do treinador (é o que dizem os jornais):



Um mistério por explicar...

 ●  6 comentários  ● 
Será, acredito eu, comum a todos os benfiquistas a noção que, depois do início da década de 90 o SLBenfica sucumbiu e não voltou ao Benfica que muitos de nós têm idade para recordar.

Portanto, vistas as coisas serão seria de duas décadas de insucesso, marcadas por uma primeira década de declínio total e uma segunda década de muita incompetência e incapacidade.

Ora, instalou-se a ideia que a incompetência e incapacidade pelo menos não são o declínio total, ou seja, preferimos todos dizer que "já foi pior", enfiando a cabeça na areia e encontrar sempre culpados "fora de casa".

Mas se na primeira década se sucederam presidentes (João Santos, Damásio, Vale Azevedo...), a ultima década é marcada por um único Presidente e dezenas de treinadores, centenas de jogadores...

O mistério que não consigo explicar é: Porque será que no final desta ultima década continuamos a cometer os mesmos erros do início, alguns erros piores até que na primeira década, os títulos são poucos e inconsistentes... E nada muda?

Um dia talvez encontre a explicação desta "Pinto da Costização do Benfica", em versão light (de títulos).

Está na tua mão, benfiquista.

Avatar
 ●  10 comentários  ● 

                                                         Peste e Sida - Está na tua mão.

Ser benfiquista nunca foi nem será ser carneiro ou seguidista.

Ser benfiquista nunca foi comer o que está no prato só porque sim.

Ser benfiquista nunca foi odiar os outros. 

Ser benfiquista sempre foi festejar os nossos valores.

Ser benfiquista nunca foi colocar alguém acima do clube.

O clube ser novamente dos sócios e para os sócios e adeptos só depende de ti, benfiquista.

Está na tua mão.

Reclama o que é teu.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

É ganhar e mais nada...

 ●  28 comentários  ● 


Portugal, 4 de Outubro de 2013

Como alguns repararam, sou um adepto (ex. 18 anos de sócio) muito preocupado com o que a comunicação social escreve sobre tudo que diz respeito ao Benfica, a forma como são arranjados títulos nos jornais, destaques nas TV’s, rádios e onlines, porque admito a extraordinária influência que isso tem nos adeptos.
A conclusão que já tirei há muitos anos, é que o Benfica não tem boa comunicação social, ao contrário de FCP e SCP. Isto é: a equipa de futebol do Benfica não tem bom tratamento dos “média” mas o Presidente sim, tem. Nunca vimos plasmado num título ou destaque de jornal, rádio ou televisão, qualquer notícia que seja desfavorável à ideia que se criou de que Vieira é o melhor dos melhores presidentes do Benfica, mas em contrapartida, os sucessivos méritos da equipa de futebol e deste treinador em particular, são postos em causa com destaques negativos e em alguns casos, humilhantes.
Ora neste contexto, esperar que os adeptos do Benfica pensem com frieza no que é melhor para a sua equipa, é escusado. Desde os adeptos anónimos, aos adeptos notavelmente conhecidos da comunicação social (sempre os mesmos), a esmagadora maioria pensa e actua com base no estímulo exterior. As páginas do blogue NovaGeracaoBenfica estão cheias de exemplos de textos que nascem a partir de referência daquele dia mediático. Textos escritos procurando passar a ideia de uma originalidade que não têm, porque abordam temas que outros já lançaram nos “média” nacionais.
A derrota por 3-0 em Paris é o pretexto, apenas um pretexto, mas é o último que está em cima da mesa. 4 dias depois de sermos gamados no jogo com o Belenenses que nos impediu de ganhar o jogo, 5 dias depois de vermos o FCP ser ajudado a ganhar 1 jogo pelo árbitro do costume e pelo penalty do costume, falsificando-se jornada a jornada a pontuação na tabela classificativa, eis que o treinador que mais pontos fez pelo Benfica, que mais alto levou o nome do Benfica nos últimos 30 anos, é colocado no centro de uma crise que não existe. A comunicação social diz que sim, mas o que existe é uma classificação “batotada” em que o Benfica não está em primeiro lugar devido a erros monumentais de arbitragem. Caso estivesse, obviamente que a derrota em Paris era secundária, mesmo que a exibição não convencesse os críticos exigentes.
O grau de exigência dos “média” em relação ao Benfica, sempre foi (e será até que alguém perceba que não nos beneficia), muito exigente e muito mais que para FCP ou SCP. Qualquer jogo do Benfica é para jogar bem, ganhar e de preferência por muitos. Menos que isso, há sempre o risco de se falar de “nuvens negras”. Coitado do treinador (alguns pseudo intelectuais do futebol esquecem que todos os treinadores do Benfica, têm passado este calvário e por isso não surpreende a média de 1 treinador por época, no mandato de Vieira).
Vejamos um exemplo do mesmo jornal a BOLA que não considerou preocupante a derrota em casa do FCP com o Atlético de Madrid, o mesmo jornal que não considerou humilhante a goleada sofrida pelo FCP contra o Arsenal por 5-0, o mesmo jornal que equipara, pelo título, a derrota do SCP com o Bayern por 7-1 com a derrota do Benfica com o PSG por 3-0. Na antevisão ao jogo Lyon-Benfica, Outubro de 2010, num texto escrito pelo benfiquista Fernando Guerra e que o jornal intitulava na edição de 20/10/2010: É GANHAR, MAIS NADA!
Fase crucial para se desenhar a passagem aos oitavos-de-final. Empatar em Lyon e vencer em Lisboa será uma solução interessante. O treinador benfiquista "calou" os jornalistas franceses ao elevar a fasquia ao limite...
Interpretando à letra, percebe-se que a prudência aconselha um Benfica menos romântico do que o de Liverpool - em que dominou, intimidou, assustou e... saiu de Anfield a engatinhar, sem força anímica para reagir a expressiva goleada - e mais ousado do que perdeu na Alemanha diante do Schalke, com toda a gente a seguir o jogo na televisão em Portugal e a sentir o incómodo por uma derrota que cheirou a injustiça e podia muito bem ter sido evitada.
É precisamente entre o oitenta de Liverpool e o oito de Gelsenkirchen que mais logo deve posicionar-se a exibição benfiquista...”.
O texto do jornalista tem algumas incoerências, que vão do 8 ao 80. O Shalke04 nessa época atingiu as meias-finais da Champions, mas para ele a derrota podia ter sido evitada, porque ele não chegou a perceber com quem o Benfica estava a jogar. Há 3 anos, como agora, a teoria destes gajos é que se o Benfica tivesse outra “atitude” (ou o treinador alinhasse outros jogadores), o resultado podia ter sido outro. Claro. Se tivéssemos a atitude de Anfield Road, se calhar trazíamos um “cabaz” de Paris e depois era o fim do mundo. Como em Vigo (porque foi o que se passou: boa atitude do Benfica, muito ataque, e muitos golos sofridos em contra ataque).
Se destrocarmos por “miúdos” o que Guerra escreve, podemos ver que para estes gajos, tanto dá que o Benfica jogue com o Shalke04, como contra o Belenenses ou o Cinfães: é GANHAR E MAIS NADA.
Como é possível gerir o futebol do Benfica com serenidade e sucesso, neste contexto de ilusões, incompetências e ignorância sem limites, que depois se passa para os adeptos? Não é!

Quando todos falam de arbitragens, porque não o faço?

 ●  21 comentários  ● 
"Entretanto, dava jeito acabar com as más companhias. Haverá algum motivo para não ser capaz?"

A sensação que tenho quando vejo toda a gente a apontar ao sistema e à arbitragem fico sempre com a sensação que estão a "malhar em ferro frio". É como quando, num clube como o Benfica andam a discutir os treinadores, como se fosse a responsabilidade de um homem só não conseguirmos vencer...

Sabem que gosto de fazer analogias e a que mais me ocorre é alguém que quer despedir o cozinheiro por este alegadamente ter cozinhado um jantar estragado, quando na verdade quem compra ingredientes estragados é precisamente o dono do restaurante que despede o cozinheiro e com o próximo irá fazer o mesmo.

Isto para dizer, numa frase, de que nos serve preocuparmo-nos com a corrupção do futebol nacional se, mesmo que se resolvesse isso, continuaríamos a cometer erros de palmatória na gestão desportiva.

Está (re)encontrado o "Salvador"

 ●  13 comentários  ● 

Estes últimos anos do SLBenfica parecem dignos de um guião de filme, ou como diz o Shadows "parece que andamos a jogar à Cabra Cega, andando vendados a apalpar terreno, esperando acertar com o caminho.

A figura do "vilão" e do "salvador" está sempre presente. Reparem:

Vale Azevedo - Vilão, o culpado de tudo!
Quique Flores, Fernando Santos, Camacho, Koeman, (até Trapattoni) - Vilões, obviamente vilões... mas não sem terem começado por serem todos apresentados como Salvadores, pois claro!
Luis Filipe Vieira - Salvador, aliás "O Salvador", sem ele o que seria a vida na Terra!


António Carraça - Salvador e logo depois Vilão
Jorge Jesus - Salvador, menos salvador, um bocadinho salvador, Vilão e agora "o grande Vilão"
Cardozo - Salvador, Carrasco, Vilão, Salvador, Salvador, Vilão... e Salvador universal
Rui Costa - Salvador, depois Vilão... e a caminho de Salvador outra vez brevemente como podem ver pela capa do Record de hoje, os nossos novos parceiros/amigos.


Se há duvidas que isto deixa claro que O MAIOR PROBLEMA DO SLBENFICA é de Liderança, Organização, Estratégia e Competência ao nível da gestão desportiva (e não falo apenas do futebol), a dúvida que coloco aos que pedem a cabeça do Jesus é:

- Quando chegar o próximo "Salvador", que irá partilhar essa distinção com Rui Costa temporariamente, quanto tempo realmente acreditam que irá demorar a seguir o mesmo caminho que os anteriores treinadores e serem oficialmente constituídos como "Vilões"!?

Quantos mais treinadores iremos queimar até reestruturarmos a SAD? Eu já deixei a minha sugestão de mudança e para os mais sensíveis, sem sugerir novos nomes e acima de tudo apontando à liderança superior que entendo melhor, a do actual Presidente. Quem quiser recuperar o tema, está no tópico abaixo:


Aos que pedem a cabeça do Presidente Luis Filipe Vieira, o acho absurdo, por favor não entrem em loucuras insanas! Se alguém quiser que o Presidente saia, pelo menos tenham a dignidade que ver como única alternativa o Dr. Rui Gomes da Silva, que me parece ser a melhor alternativa a Luis Filipe Vieira.

Perguntas aos benfiquistas:

Avatar
 ●  33 comentários  ● 

- Um mau resultado no Estoril deve resultar no despedimento de Jorge Jesus?

- Deve ser apenas o treinador a assumir as responsabilidades do insucesso do futebol das últimas 3 temporadas?

- O 'chicote' deve também chegar a alguns jogadores?

- O falhanço da aposta em Jorge Jesus é também a falência do projecto de Luis Filipe Vieira?

- Vê alguém capaz de se assumir como alternativa a Luis Filipe Vieira dentro dos atuais dirigentes do clube?

Benfica e JJ sempre a melhorar nesta arte: Tiros nos pés!

 ●  27 comentários  ● 
Há uns dias partilhei o tópico Dar tiros nos pés é uma arte, a propósito da entrevista do Presidente, porventura das mais mal preparadas que lhe vimos nos últimos anos. Media Training precisa-se urgentemente! (aliás, não é só o Presidente...)

Hoje, a propósito da entrevista do Jorge Jesus ao L'Equipe (viva a bazófia, eu dou entrevistas ao jornal desportivo mais prestigiado do Mundo!!!), chamo a vossa atenção para o resumo feito pelo nosso companheiro de blogsfera benfiquista "Fura-Redes" no seu blog, bem mais completa do timido resumo que faz hoje o jornal O Jogo. Ficam as frases chave escolhidas pelo nosso companheiro, os destaques a bold são meus...:


“Não entendo a visão de que a época passada foi terrível. O Benfica perdeu seis jogos, quatro na Europa e dois em Portugal. A verdade é que fomos brilhantes, simplesmente isso não foi suficiente para conquistar os títulos que merecíamos.” 

O treinador encarnado falou ainda do golo sofrido no Estádio do Dragão a poucos segundos do final do encontro com o FC Porto e que acabou por ditar o desfecho do campeonato:

“O que senti? Vinte segundos antes e após quase 30 jornadas de campeonato, nós éramos os campeões. Os adeptos do Porto já estavam a sair do estádio, os jogadores baixavam a cabeça, o treinador e o seu banco choravam. E depois, numa situação de jogo normal, tudo mudou”, sublinhou. 

Sobre a final da Taça de Portugal: "Era um jogo que pensávamos ganhar, tínhamos vencido 4-0 e 3-0 no campeonato mas, moralmente, os jogadores estavam em baixo. Para viver momentos marcantes é preciso estar nas finais. É isso que conta. Para serem reconhecidas e importantes, as equipas têm de marcar presença nas finais. Por exemplo, o PSG para ver o seu trabalho reconhecido tem de lá chegar: às finais! Em futebol, as equipas que contam são as que vão às finais." 

Para vocês, jornalistas, o meu nome (Jesus) é uma bênção. Se a equipa ganha é porque foi um milagre, mas se perde Jesus é crucificado. E ao terceiro dia posso ressuscitar. (...) Mas na verdade não sei de onde vem este nome que me deram os meus antepassados.»” 

"Os treinadores têm de entender que só importa o interesse do clube. Cardozo marcou muitos golos pelo Benfica, é um jogador muito importante. O clube não conseguiu a venda. OK, ele fica, avançamos. Falámos, como duas pessoas responsáveis." 

"A única diferença para Real Madrid ou AC Milan é o dinheiro. Em Portugal, treinador tem dois objetivos: ganhar títulos e contribuir para o equilíbrio financeiro do clube, trabalhando na progressão dos jogadores. Nesse aspeto, rivalizamos com as melhores equipas do Mundo no terreno. Mas apenas no terreno, não financeiramente. Talvez, por isso, o Benfica, no final da época, tenha sido sexto no ranking da UEFA." 

Na entrevista o jornal L’Equipe quis saber que jogador Jorge Jesus gostaria de treinar. «Messi e Ronaldo», respondeu, referindo que as estrelas de Barcelona e Real Madrid «podem jogar juntos» na mesma equipa: "Os grandes jogadores acabam sempre por se entender, não importa em que equipa. Os que não se entendem e provocam disputas entre eles, esses não são grandes jogadores." 

«Sim, existe uma escola portuguesa de treinadores. Temos uma metodologia de treino muito refinada, que muitos treinadores no Mundo inteiro tentam imitar. Tal como Mourinho e Villas Boas, não me limito apenas às vertentes técnicas ou táticas. Se não temos uma ideia bem precisa nas nossas cabeças, se nos contentarmos com o que fazemos em campo, não teremos uma carreira longa.» 

«Tenho algo de que me orgulhar: tenho resultados, os meus dirigentes estão contentes comigo», assinala ainda Jesus quando questionado com o tempo que já leva ao comando dos encarnados, «um dos grandes clubes do mundo», em que a «diferença para Barcelona e Real Madrid está apenas no dinheiro».

Conclusão: Bem... nem sei que concluir disto! Eu que o considero um excelente treinador... será que ninguém lhe pode pedir que apenas treine a equipa e não diga baboseiras?

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

30 anos... 3-0...

 ●  29 comentários  ● 

Portugal, 3 de Outubro de 2013


Recentemente e após uma brilhante vitória em Guimarães por 1-0, com 2 penaltys claros não assinalados a favor do Benfica, uma entrada por trás a Luisão aos 30 segundos, não sancionada disciplinarmente e um fora de jogo mal assinalado a Enzo Peres aos 3 mn que o deixava na cara do guarda redes, o “faz-que-é-presidente” do Benfica decidiu dar sinais de vida a um órgão de comunicação social, a CM TV.
Como aliás faz sempre, o Sr.º Empreiteiro só costuma aparecer quando as coisas correm bem ou dão indícios de começarem a correr bem.
No caso, a escolha da CM TV terá a ver com a “coincidência” de dois ou três dias depois, ser anunciado que esta TV irá divulgar alguns minutos dos jogos do Benfica em casa. Acordos com a Benfica TV, ou seja, mais umas borlas que a Benfica TV dá a um órgão concorrente, para que essa estação fale menos dos sucessivos erros de gestão e da incerteza do actual projecto empresarial do Benfica, aprovado em AG a 21 de Fevereiro de 2001. Há mais de 12 anos portanto...
Nessa entrevista, o Sr.º Empreiteiro falou de muita coisa. Falou de coisas interessantes e que dignificam o lugar de Presidente do Clube, mas falou também de algo mais que me levou a concluir que essa entrevista era apenas mais do mesmo: promover o culto do líder.
Entre outras coisas (e repare-se que estávamos numa fase boa após a vitória em Guimarães), Vieira falou que este “é o melhor plantel dos últimos 30 anos” e que “não é proibido sonhar com a presença na final da Champions que se joga no estádio da Luz”, lançando até alguns recados a Jorge Jesus, como aquele de que a “próxima final é para ganhar”.
Menos de oito dias depois, contra o Belenenses somos gamados pelo árbitro Jorge Joaquim Martins de Barros Tavares, nascido em Vila Nova de Gaia, embora residente no distrito de Aveiro, mais um que sendo consultor de empresas (site da Liga) se dedica a esta actividade “ingrata” como é a arbitragem, e que foi assistido pelos árbitros José Oliveira e Luís Castaínça.
Não é pois coincidência, qualquer semelhança com as entrevistas que deu em 2012 à RTP2, quando tínhamos 5 pontos de avanço sobre o FCP (logo a seguir gamados por Carlos Xistra em Guimarães e Hugo Miguel em Coimbra, e depois por Proença), ou quando em Abril de 2013 apareceu na TV após eliminação do Fenerbahce e acesso à final da Liga Europa, a dizer “Jesus é o meu treinador” e logo de seguida empatamos em casa com o Estoril 1-1 em que o golo adversário é precedido de um fora de jogo de posição com intervenção na jogada, o FCP ganha em Paços com 1 penalty, de uma “não falta” fora da área e perdemos a final da Taça com 1 golo em fora de jogo de quase 1 metro. Ele fala, nada diz que atemorize quem manda, e com isso quem paga é a equipa de futebol...
O Sr.º Empreiteiro é um impostor, um farsante e um charlatão.
Impostor, porque não consegue mostrar a edição do jornal Benfica onde aparece o nome dele como águia de prata, tendo em conta a data de filiação que diz que tem. Farsante, porque discursa num sentido, mas a sua actuação vai no sentido oposto, quando não chega a dizer hoje uma coisa e desdizer-se pouco tempo depois. Charlatão, porque desde que criou o slogan “equipa maravilha” no inicio da época 2001/2002 para justificar os muitos milhões de contos gastos em Simão e Mantorras, entre outros ex-jogadores do FCP com salários elevados e nunca mais deixou de promover a ilusão de sócios e adeptos com as suas “mezinhas” que tenta comparar aos mais poderosos remédios. Agora é a história do “melhor plantel dos últimos 30 anos”, para justificar os 32 milhões de euros gastos com contratações, e respectivas comissões, tudo desnecessário como se tem visto em matéria de arbitragem...
Sabendo que existe pressão externa sobre o treinador do Benfica, pelos interesses de FCP e SCP na comunicação social, (ler meu texto de 16 de Agosto intitulado “a pressão”), o Sr.º Empreiteiro afirmou também que “recusou propostas de 130 milhões de euros, para manter uma equipa competitiva que permita atacar todas as provas, incluindo a Champions”. Não teve problemas em mentir para reforçar a sua tese e justificar os 32 milhões de contratações, tal como fez há uns 4/5 anos quando afirmou (em campanha eleitoral) que “não estou preocupado com o passivo, pois vendo 2 ou 3 jogadores e deixo o passivo a zero”, quando tínhamos Di Maria, David Luis, etc, que já saíram... e o passivo aumentou!
A arte do Sr.º Empreiteiro é enganar, iludir e alimentar os sonhos dos incautos adeptos, não porque saiba que se podem concretizar, mas porque precisa que os sócios e adeptos lhe dêem o dinheiro das quotas, do merchindising, da Benfica TV, etc., para poder continuar a gastar nas contratações de jogadores (e comissões), mantendo em alta o volume dos empréstimos bancários... Os sonhos da Champions enquadram-se nessa estratégia...
O Benfica perdeu 3-0 com PSG, e perdeu bem. Aplauda-se a nossa equipa como fizeram os belgas quando perderam cá 2-0. Tivemos o azar de sofrer um golo cedo que derrubou o plano de jogo Tivemos o azar do Ibrahimovic (8 milhões de salários por época enquanto nós pagamos 20 milhões de juros ao BES por ano), ter feito um grande jogo e marcado 2 golos. Tivemos o azar do PSG ontem ter tido um início de jogo quase perfeito onde tudo lhe saiu bem, e a nós quase tudo saiu mal. Glória aos vencedores, honra aos vencidos.
Ao contrário de Leonor Pinhão que hoje admitiu que pensou em Vigo durante o jogo de ontem, eu nunca tive dúvidas que isso não aconteceria. Porque sei quanto vale esta equipa, este treinador e a relação entre o treinador e os jogadores. Eu confiei e confio, mas haverá jogos que iremos perder pois temos 2 sérvios (Djuricic e Suljamni) a mais e qualidade global a menos do que no ano passado. É a minha percepção do nosso futebol. Pinhão lá terá a sua...
Recordo o 1º parágrafo do texto que escrevi em 16 de Agosto: Sob pressão é uma das mensagens mais utilizadas hoje nos títulos do RECORD online, e que demonstra uma estratégia de comunicar desse jornal, assumida, enquanto os outros dois jornais optam por outras formas menos assumidas mas que procuram o mesmo objectivo: colocar o Benfica sob pressão”.

Será que viraram todos portistas?

 ●  20 comentários  ● 
Que raio! Então porque perdemos contra uma equipa que só um jogador recebe quase o orçamento do futebol do Benfica agora apareceu o pânico?

Da minha parte nada mudou e continuo a "bater na mesma tecla" que batia quando muitos destes que agora "pedem a cabeça" do Jesus ficavam maravilhados com as notas artísticas.

O Benfica tem treinador e, espantem-se, tem até Presidente... Mandarem embora o treinador e os jogadores que noutros momentos vocês idolatraram não vai resolver o elevadíssimo grau de impreparação e falta de competência e qualidade da estrutura mal pensada, pouco sólida e nada estratégica do SLBenfica.

Não despeçam o treinador, peçam sim uma estrutura no futebol que tenha um líder autónomo (dentro dos limites orçamentais e operacionais definidos pelo Concelho de Administração da SAD) e competente, que saiba o que é o Benfica e seja remunerado pelos nossos sucessos desportivos.

Até quando Benfica?


Rescaldo: "'Tá lá? Olhe, afinal não vamos aí ter a Vigo"

 ●  12 comentários  ● 
"Mas pelo andar da carruagem, passamos mesmo por aí um dia destes."

Quanto mais custarão '8 milhões de euros'?

Avatar
 ●  14 comentários  ● 

"Antes do jogo começar, Rui Esteves na Benfica TV dizia "Atenção que eles têm o Ibrahimovic que recua no terreno, confunde o adversário e mete a equipa a jogar"; no final do jogo, Jorge Jesus diz "O Ibrahimovic fez um movimento diferente, em que recua, que não o vimos fazer nos jogos que observámos".

Pois." - O Meu SLBenfica.


Algo em que tenho criticado Jorge Jesus desde há muito tempo é o facto de ele não preparar tacticamente a equipa para bloquear os movimentos habituais dos adversários. Jogos europeus então nem pensar. 
Pensar só no esquema atacante desvalorizando a capacidade do adversário é sempre o erro costumeiro de Jorge Jesus.
Juntando isso à falta de rotinas defensivas, em que especialmente os centrais andam perdidos sem saber quem marcar, é o convite aos golos sofridos.

Por muito bons que sejam os jogadores, se não actuarem em bloco, em equipa, de nada servirá.
Criticar os jogadores? Pela falta de chama e entrega claro que sim. Quem não for capaz de aceitar a responsabilidade que é vestir a camisola do Benfica está a mais.

Criticá-los por falhas colectivas não. A responsabilidade por essas falhas é totalmente do treinador. 
O jogador X não está a jogar bem? Então porque é titular? 
Jogamos numa marcação à zona onde na prática ninguém marca ninguém. A culpa é dos jogadores?

A questão é que nos primeiros tempos Jesus surpreendeu. Mas apenas durante a primeira temporada. Depois disso, repetiu as mesmas ideias, soluções, ou escolhas.
E não passou disso. Não evoluiu.
A prova está no seu discurso.
Depois do discurso mais 'humilde' dos últimos tempos, eis que ao L'Equipe esteve em grande na sua bazófia. 
Depois assume a pele de treinador de equipas pequenas como o seu amado Felgueiras e após uma derrota inequívoca, assume que vamos lutar pelo segundo lugar quando o PSG ainda tem que vir à Luz.
Corrigir os erros e a estratégia? Não. 

Este treinador foi vítima de si próprio. Durante muito tempo achou-se acima do clube, mais importante que qualquer outro e que o Benfica não passaria sem si. Tipo a 'última bolacha do pacote'.
Ninguém é insubstituível. 
O Alto de S.João está cheio de gente que era insubstituível. E o mundo continuou a existir... 

Pergunto eu: qual será o prejuízo de mais uma época perdida? De uma eliminação precoce na Champions, em ano de final na Luz? Não custará isso muito mais que 8 milhões de euros?

Mas não se iludam. O treinador é apenas o elo mais fraco. O problema do actual Benfica passa pela liderança.

A patranha dos últimos 30 anos.

Avatar
 ●  33 comentários  ● 

Ora vejamos:

1983: Bento, Pietra, Humberto Coelho, Bastos Lopes, Veloso, Carlos Manuel, Stromberg, Shéu, Chalana, Nené e Diamantino. E um banco com Filipovic, João Alves ou José Luis.

1988: Silvino, Dito, Álvaro, Dito, Veloso, Mozer, Elzo, Chiquinho, Pacheco, Shéu, Magunsson. E Diamantino, Wando ou Hajry.

1990: Silvino, José Carlos, Ricardo Gomes, Aldair, Samuel, Vitor Paneira, Hernani, Thern, Valdo, Pacheco e Magnusson. E ainda com Paulo Sousa, Vata ou César Brito.

1994: Neno, Veloso, Mozer, Hélder e Kennedy; Abel Xavier, Vítor Paneira, Isaías e Schwarz; Ailton e João Pinto. Com Rui Costa, Rui Águas, Kulkov ou Yuran.

De 1994 para cá, os melhores plantéis foram os de 2005 e os de 2010. Foram campeões nacionais. Merecem esse título de melhores. Mas qualquer um dos anteriores acima mencionados arrumavam qualquer um deles.

Tudo o resto é folclore para enganar benfiquista.
Grandes não são aqueles que dizem que o são. São aqueles que o provam em campo.

O plantel desta temporada, e mais que eles, a liderança do futebol do Benfica, quer a técnica quer a sua hierarquia, são até agora medíocres. 
Os jogadores, ou alguns deles, ainda agora chegaram. Como comparação, apenas 3 dos jogadores que tinham defrontado o PSG da última vez jogaram ontem. 

Mas a equipa técnica e o presidente que é o responsável do futebol, já cá estão há muito tempo. 
Sem resultados desportivos visíveis.

A conferência de imprensa do JJ no fim do jogo foi típica do Felgueiras ou do Amadora depois de levar 3 do Benfica. 
A humilhação do Benfica e dos seus adeptos não terá fim?

E agora uma opinião nova!

 ●  15 comentários  ● 
Tenho lido muitos blogs e comentários sobre o jogo de ontem e todos pedem "a cabeça" de Jesus, Vieira e uns quantos jogadores.

Pois é, eu não me revejo nessa "onda"...

Será que Jesus escolheu mal o 11? Será que Jesus poderia ter evitado o "agachamento" da equipa perante um PSG cheio de estrelas, como faz com o FCPorto?

Na minha opinião, claro que poderia fazer algo... Mas pouco. 

O que não quer dizer que não haja quem devesse ter trabalhado nesse aspecto, e não... Não estou a falar daquele brasileiro que arranjou o tacho de psicólogo motivador.

Continuo a insistir que o futebol do SLBenfica... Não tem líder! Não tem liderança porque na verdade o Presidente não tem essa capacidade, por diversos motivos que aqui ja expliquei.

Ou seja, enquanto andarmos "a navegar à vista" sem saber preparar bem os nossos objectivos e sem saber reagir e agir rapidamente e em qualidade às incidências da temporada...

... Enquanto isso acontecer, vamos ter várias destas!

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Sem arte, sem chama e paixão e o mais grave: sem estratégia.

Avatar
 ●  31 comentários  ● 

«Tenho algo de que me orgulhar: tenho resultados, os meus dirigentes estão contentes comigo»

São as palavras de Jorge Jesus ao jornal L'Equipe.
Se os dirigentes estão contentes...não me surpreende. Os resultados, só se forem em ginásticas estatísticas que não trouxeram títulos relevantes nos últimos 4 anos.
Provavelmente refere-se ao salário milionário que aufere.

Não sei é que adeptos podem estar contentes com um treinador que nada tem para dar mais ao Benfica.

O que se passou hoje com o 'melhor plantel dos últimos 30 anos' foi a vulgarização de um grupo de trabalho.  
E mais uma confirmação de que o treinador do Benfica não tem ideias diferentes, capacidade de improviso e adaptação.

Tanto Jorge Jesus como Luis Filipe Vieira têm consequências a tirar de mais uma noite de desilusão.
Ainda acha que o sonho de ir à final da Luz é realista, LFV?

Sem raça, sem querer nem ambição

 ●  5 comentários  ● 
Sem nada a acrescentar...

Quem deve jogar hoje? Cardozo ou Lima? Ou os dois?

Avatar
 ●  4 comentários  ● 

 

São as perguntas a que Jorge Jesus responderá quando soubermos o 11 inicial.

Penso que os dois de início estará fora de causa. Fora de casa e perante uma equipa com um meio campo fortíssimo, JJ apostará mais em consolidar o controle do meio campo.

Assim sendo, Cardozo ou Lima?

O regresso de Cardozo não foi o que muitos antecipavam. 'Falta um finalizador', ouvia-se muito.
Viu-se que as exibições e resultados do Benfica não melhoraram por aí. 

Tanto Cardozo como Lima nas oportunidades que já tiveram esta temporada não têm estado brilhantes na finalização. 
Cardozo será melhor a fixar os defesas e no jogo físico com os centrais do PSG.
Lima com mais velocidade e capacidade de desmarcação que o paraguaio, poderá responder de outra forma em contra-ataques rápidos quer com Markovic(joga ao meio, ok JJ? Não inventes!) quer com Gaitan ou Djuricic, dependendo de quem jogar.
Gaitan, vindo de uma lesão, não me parece que deva ser opção a titular.

Escolha difícil.

Eu ía mais pelo Lima, num esquema de contra-ataques rápidos.

Seja qual fôr a escolha, quero é que marque golos e que o Glorioso vença.

O suposto ataque de Rui Costa ao SCP e o jogo de hoje.

Avatar
 ●  5 comentários  ● 


Confesso que após ler ontem as citações das declarações de Rui Costa, comentei entre os meus companheiros de blogue que essas mesma declarações mostravam mais do mesmo. 
Falar do Sporting é fácil, mas atacar o FC Porto, chamando os bois pelos nomes, ninguém fazia.

Ora, após ver as reportagens nas TV's, a minha opinião mudou.
Não só não vi Rui Costa atacar Bruno de Carvalho, como muita imprensa insiste (até os 'parceiros') como o vi contornar uma pergunta que pretende acicatar ânimos entre o Benfica e o Sporting, com muita classe.
De facto o presidente do Sporting já treinou com o plantel leonino e os presidentes são para presidir. Certíssimo Rui! 

Este esforço de alguma imprensa tem sido notório a partir do momento que perceberam que o caminho do Sporting era diferente do habitual nos últimos 15 anos. E por isso continuarão a querer criar casos entre Benfica e Sporting. Basta sermos inteligentes para que isso não aconteça.

Voltando às declarações de Rui Costa, oportunas e incisivas. Gostei de o ver ao lado de Luis Filipe Vieira em Paris, e espero que isto marque o regresso de Rui Costa ao topo do futebol do Benfica. Com margem de manobra, com influência nas decisões, e acima de tudo, como hierarquia de Jorge Jesus.
Como disseram e bem Rui Costa e Bruno de Carvalho, os treinadores são só pra treinar. 
A defesa do clube tem que ser feita a outro nível.

Esta noite está em causa muita coisa. O 'melhor plantel dos últimos 30 anos' tem possibilidade de o comprovar jogando contra um PSG que tem um excelente plantel mais ainda não tem uma excelente equipa.

O trajecto do Benfica na Champions, sob a batuta de Jorge Jesus, não tem sido famoso, com a excepção do ano em fomos aos quartos-de-final com o Chelsea.
De resto, as exibições são fracas e a capacidade táctica do treinador do Benfica nesses jogos também.

Neste jogo a doer, Jorge Jesus tem que provar que ainda tem mais algo a dar ao clube, sob pena de comprometer ainda mais a sua imagem perante os adeptos e as ambições da equipa para esta temporada.

Teremos uma massa humana portuguesa nas bancadas fantástica.
Saibam jogadores e equipa técnica tirar proveito disso.

Deêm-nos uma noite europeia 'à Benfica'!


terça-feira, 1 de outubro de 2013

A matemática do título

 ●  5 comentários  ● 
Portugal, 1 de Outubro de 2013

O último fim-de-semana desportivo, no que diz respeito ao futebol profissional, deu mais uma lição da “matemática do título”, a quem continua a pensar que é campeã, a equipa que menos erros cometer. Não é só isso...

Acho que essa lição fica bem resumida no “sumário” feito por um conhecido meu, adepto portista: o FCP não merecia ganhar, e ganhou por causa do árbitro. O Benfica não merecia ganhar e não ganhou por causa do árbitro.

Como se sabe, o FCP beneficiou de 1 penalty claramente inexistente para ganhar 1-0. Como também se sabe, o Benfica foi prejudicado com um golo adversário claramente em fora de jogo de posição com intervenção na jogada, e por duas grandes penalidades (uma em cada parte) cometidas sobre Cardozo, embora a Benfica TV apenas tenha dado destaque à que aconteceu na 2ª parte que é aceite por toda a comunicação social.

Com base na teoria das probabilidades, podemos extrapolar que sem o penalty, muito dificilmente o FCP ganharia o jogo. Da mesma forma podemos extrapolar que sem o fora de jogo, dificilmente o Belenenses marcaria 1 golo ao Benfica. Probabilidade maior para a vitória do Benfica do que para o empate do FCP, porque o Belenenses com pouco mais de 30% de posse de bola, não fez um remate perigoso à baliza do Benfica, defendendo muito atrás em cerca de 90% do tempo de jogo, ao passo que o FCP tinha ainda 40 mn para marcar (embora também pudesse sofrer, pois com 0-0 tudo está em aberto, ao contrário do 1-0 para a equipa mais forte).

Ou seja, se a lógica das probabilidades prevalecesse, era provável que o FCP perdesse 2 pontos, assim como era altamente provável que o Benfica fizesse 3 pontos. Traduzindo isto para a “matemática do título” teríamos então que, sem outros factores de jornadas anteriores, o Benfica estava a 1 ponto do 1º lugar. E não a 5 como resultou depois desta jornada n.º 6.

Quem ainda não percebeu como é que o Benfica perdeu o título do ano passado, deveria reconsiderar as suas análises.

Entretanto, e para “variar”, sempre que perdemos pontos em jogos onde há erros grosseiros e graves de arbitragem com interferência directa no resultado, a generalidade da comunicação social não dá grande destaque, excepto em letras pequenas e apoiando-se normalmente nas frases de jogadores e treinador do Benfica. Façamos a comparação do RECORD na jornada anterior e nesta. Na jornada anterior, o erro do penalty não assinalado a favor do SCP contra o Rio Ave, foi destacado em 1ª página com título principal (letras garrafais) “NÃO VIU” com foto do lance. 8 dias depois e perante a anormalidade de 1 penalty e 1 golo mal validado ao adversário do Benfica, essa mesma 1ª página refere-se ... ao resultado do SCP em Braga: INDOMÁVEIS!

Ou seja, a comunicação social no caso do SCP teve opinião e actuou em função da sua opinião sobre os erros de arbitragem, valorizando-os ao nível da 1ª página. No caso do jogo do Benfica, onde houve mais erros de arbitragem, a comunicação social não teve opinião, optando por destacar frases dos intervenientes ao jogo, do Benfica.

Alguns leitores devem estar lembrados do texto que escrevi “a arte da mentira” onde fiz igual comparação dos critérios editoriais de BOLA e RECORD a propósito dos dois últimos jogos entre Benfica e SCP. Num jogo valorizaram os erros de arbitragem a favor do SCP, desvalorizando os que também houve a favor do Benfica (a Liga Capela, tal como foi intitulada pelo sportinguista Rui Santos em artigo de opinião), noutro valorizaram o grande golo do Markovic “esquecendo-se” dos erros de arbitragem a favor do Benfica. Pois o critério agora manteve-se...

Seja pela pressão que a comunicação social faz com estes destaques noticiosos, seja porque temos uma natural tendência masoquista que resulta da falta de cultura desportiva, em particular da falta de entendimento de como o futebol é jogado (continuamos a achar que ele deve ser jogado como “nós” pensamos que deve ser jogado), lá se ouviram as habituais vozes dos radicais, de que “não jogamos nada”, ou os mais suaves “temos equipa para muito mais”.

Ou seja, mais uma vez apareceu um coro razoável de gente benfiquista, bastante “audível”, criticando a qualidade do jogo benfiquista e assim, ajudando a branquear os erros grosseiros, e de “manual”, da arbitragem contra o Benfica. A tal gente que continua sem perceber que o que importa é marcar golos! E marcar pelo menos mais um que o adversário. O jogar bem ou menos bem, é uma questão lateral. E subjectiva!

Surpreendentemente, desta vez o Presidente do Benfica falou do assunto, com alguma contundência, convenhamos. Ao fim do 6º jogo a ver o Benfica, nuns jogos mais, noutros menos, ser prejudicado por decisões grosseiras de árbitros, o Sr.º Vieira falou. Criticou. Referiu que as faixas estão encomendadas. Disse muito mas o efeito, para variar é pouco e folclórico.
Entrou alguma queixa na FPF contra o árbitro, como por exemplo, fizeram FCP e SCP contra Bruno Paixão, há 2 épocas atrás? Acho que não! Então...

Então fiquemos com um exemplo de um golo invalidado por fora de jogo de posição, em que, com se pode ver, os dois jogadores deslocados não têm qualquer intervenção na jogada. Foi em 1994. Hoje, em 2013, 19 anos depois, os critérios são os mesmos: decidir a favor do FCP:


BRAVO! António Melo na BolaTV

Avatar
 ●  2 comentários  ● 



Programa "treinadores de bancada" na BolaTV em 27-9-13
António Melo considera brutal a intervenção policial sobre o adepto benfiquista, e acusa a policia de ter dois pesos e duas medidas. Insurge-se contra a impunidade que gozam os dirigentes e adeptos do FCPorto, e dá exemplos de "invasões de campo" ocorridas no passado onde a postura da Policia foi muito diferente daquela que se assistiu no Guimarães-Benfica. O representante do FCPorto, como sempre, não gostou do que ouviu! Temos pena.

Excerto de um artigo de António Melo sobre o Benfica. (perfeitamente actual)

(...) É que de facto o Presidente do nosso querido clube, não pode dizer que vai dar o tal "murro na mesa". O Presidente do Benfica tem que dar o "murro", sem aviso prévio e sem temer ninguém.
E sem temer porquê?
Porque tem razão. Porque é presidente do Maior clube do país.
Porque este clube tem princípios de nobreza únicos e uma história gloriosa, que não podem ser beliscados e muito menos atropelados por javardos que o poder politico e o judicial teimam em deixar à solta e com quem não têm vergonha de comer à mesa, tratem-se eles de executantes efectivos ou mentores e autores morais de crimes de corrupção e deste destilar de ódio ao Benfica, transformado nestas acções que tão bem conhecemos e de que estamos fartos.
(...) Mas, para isto, tem de haver estratégia.
O clube tem que ser pensado de uma maneira, não só comercial, mas essencialmente desportiva e na sua intransigente defesa. O Benfica, não é uma "marca". O Benfica é um movimento associativo, que se fundou em 1904 e junta milhões de pessoas. O Benfica são as pessoas e o seu amor ao clube. Isso é o Benfica. Sem paixão, não há Benfica. E quando há paixão, primeiro que tudo defende-se sem tibiezas a razão de tudo: O SPORT LISBOA E BENFICA.

Quando temos um grande exemplo em casa...

 ●  6 comentários  ● 

Hoje Rui Gomes da Silva voltou a arrasar quem prejudica o SLBenfica e através da pagina do Facebook, voltou a apontar ao fiscal de linha que não viu o escandaloso fora de jogo do jogador do Belenenses.

Infelizmente continua a ser mal aconselhado/influenciado o nosso Presidente, quando tem um grande exemplo, dentro de nossa casa, de alguém que defende o SLBenfica e que está disposto a ir à luta, como ele disse em tempos "Olho por Olho, Dente por Dente" (carreguem no link para recordar o texto publicado no Facebook de RGS...).

Aqui está alguém que o Presidente deveria capitalizar e dar dimensão para ser o rosto público da SAD e do Clube. Mas infelizmente o Presidente não é da mesma opinião.

Em nome do NGB, gostaria de agradecer ao Dr. Rui Gomes da Silva o imenso serviço ao SLBenfica que tem feito publicamente. Um exemplo, infelizmente, seguido por muito poucos colegas de Direcção e menos ainda valorizado por quem teve a coragem de o excluir da SAD e o pressionar a afastar-se do mediatismo, segundo foi publico quando deu conta publica que não abandonava, por principio, a sua presença no Dia Seguinte para discutir o defender publicamente o SLBenfica.

Qual a equipa para o 'Parque da Luz'?

Avatar
 ●  9 comentários  ● 

"O presidente da casa do Benfica de Paris, Manuel dos Santos, assegura que a equipa vai sentir-se na Luz. “O Parque dos Príncipes enchia só com benfiquistas”, afirma com orgulho o adepto encarnado, que explica como será possível ter 25 mil portugueses nas bancadas do recinto desportivo: “O Benfica só tem direito a 2.200 bilhetes mas há muitos portugueses que são sócios do PSG. Cerca de 10 mil já garantiram as duas entradas a que têm direito por isso a equipa vai sentir-se em casa.”

A comunidade portuguesa em Paris tem acompanhado o mau início de temporada das águias com alguma preocupação, mas acredita que o encontro de amanhã pode originar o ponto de viragem. “O mais importante é que vai ser uma festa muito grande. É certo que o Benfica não começou bem o campeonato, mas há muitos jogos para conseguirmos recuperar o atraso”, vinca.

Hoje à noite, na véspera do jogo, Luís Filipe Vieira e Valdo vão participar num jantar convívio com os benfiquistas, uma forma de compensar os milhares de adeptos que não conseguiram ingressos. A festa, independentemente do resultado que se vier a registar no final do jogo, já está garantida." - Record.

Os benfiquistas que vivem fora do país também merecem ser felizes!

Amanhá esperamos aquilo que ainda não vimos esta temporada: um Benfica ao melhor nível.

Esta seria a minha escolhaArtur, André Almeida, Luisão, Garay, Siqueira, Matic, Fejsa, Markovic, Djuricic, Enzo Perez, Lima.

Qual a equipa que colocaria a jogar?

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Sinais claros para Luis Filipe Vieira

Avatar
 ●  7 comentários  ● 




Juntando estes 3 resultados à sondagem que decorre neste momento, e aos sinais dados pela massa associativa do clube, pela ausência de grandes multidões nos jogos do Benfica, quer em casa quer fora, penso que Luis Filipe Vieira não pode mais 'chutar para canto'.

Não basta responsabilizar os jogadores e o treinador pelo que corre mal. As referências nos últimos dias à 'incompetência' não podem tentar obter bodes expiatórios para o insucesso desportivo.
O único elo comum aos últimos anos de gestão desportiva no Benfica é o presidente. Luis Filipe Vieira.

Assim sendo, é o primeiro responsável por todos os resultados e deverá ser o primeiro a retirar consequências se as coisas continuarem a não correr bem.

Os sinais dos últimos dias, embora contraditórios, têm alguns pontos positivos. Se Luis Filipe Veira esteve melhor que o costume nas declarações no fim do jogo com o Belém, e o preço dos bilhetes sofreu um ajuste quer para sócios que para o público, como já escrevi antes isso não chega. É preciso muito mais que palavras.

É preciso um Luis Filipe Vieira activo e não reactivo.
Que tenha a humildade de reconhecer os pontos em que não consegue fazer melhor e vontade de colocar gente no Benfica que o saiba fazer.

Eu não acredito que o faça, mas seria uma excelente surpresa.

Outra carta aberta... mas ao sócio 11.770, Sr. Virgílio Duque Vieira

 ●  5 comentários  ● 
Exmo. Sr. Vice Presidente da Mesa da Assembleia Geral do SLBenfica
Exmo. Sócio do Sport Lisboa e Benfica,

Talvez V. Exa. tenha confundido totalmente as funções para as quais foi eleito, mas posso ajudar recordando o Artigo 50º dos Estatutos onde é referida a função da Assembleia Geral: "Compete à Assembleia Geral, sem prejuízo do prescrito em outras normas estatutárias e na lei, apreciar, discutir e deliberar sobre os interesses gerais do Clube".

Talvez se tenha esquecido que antes de ser Vice Presidente da Mesa, V. Exa é sócio do SLBenfica.

Talvez se tenha baralhado com as funções deixadas pelo Presidente que suspendeu funções, para efeitos eleitorais e para a qual foi ontem eleito na freguesia de Alvalade.

Não sei quem lhe aconselhou a conduzir os trabalhos daquela forma e, menos ainda, separando as intervenções de forma temática. Primeiro fala-se unicamente do relatório e contas... e depois de assuntos gerais, já depois de tudo tratado e separando por isso a análise do relatório e contas das circunstâncias a que lhe dão origem.

Porventura, V. Exa. esqueceu-se do detalhe de ler o dito Relatório e Contas. Ter-se-á esquecido também anteriormente de ler o Orçamento que suportou a execução do que viria a ser o Relatório e Contas. Possivelmente estava a "calibrar" a buzina que visava calar os sócio enquanto o Dr. Nuno Gaioso explicava os fundamentos dos resultados, muito negativos não sei se reparou, deste Relatório e Contas.

Só esta sucessão de infelizes acontecimentos pode justificar que tenha permitido conduzir uma Assembleia Geral daquela forma. Na verdade, como alguns diziam, para o que se pretendia que era obter simples comentários vazios de relevância para o facto, portanto apenas para "cumprir calendário" e avançar rapidamente para a votação... até foi muito bem conduzida.

Contudo, o SLBenfica não é nada disso. Pelo seu número de sócio, antecipo que V. Exa. saiba bem o que são e sempre foram as Assembleias Gerais do SLBenfica. Deixo-lhe um exemplo, dos mais "agressivos", antes de continuar e recomendo-lhe que veja e oiça até final antes de prosseguir nesta carta:



Lembra-se dele? João Vale Azevedo... esse judas, dizem vocês na Direcção.

Uma bagunça, dirá V. Exa.! O SLBenfica, o povo, a liberdade e a mística, respondo-lhe eu. Outros tempos, em que o SLBenfica, mesmo com Vale Azevedo, era nosso! Só nosso, dos sócios...

Quer comprar com a semana passada?



Triste não é? Reparou nos insultos que foi vitima pela sua atitude perfeitamente evitável? Bastava ter deixado as pessoas falarem livremente... era tão simples, não era? Se quiser ter o cuidado de ler o que não quis ouvir... Está aqui neste link.

Caso não tenha prestado a devida atenção, toda a justificação do Dr. Nuno Gaioso, e o Sr. Presidente Luis Filipe Vieira apontou a vários temas, e muito bem, pela sua directa relação com os resultados do Clube. Contudo, esse foi definido como sendo um privilégio... da Direcção, pois os sócios NÃO!

Esta nova "invenção" de limitar o conteúdo das contribuições dos benfiquistas é totalmente despropositada. Não só o é porque diferencia o que pode fazer e falar a Direcção e o que é permitido aos sócios. Recordo que numa AG... somos todos sócios.

Além do mais, o Relatório e Conta do SLBenfica é precisamente o mote para falar de praticamente todos os temas, pois é precisamente aí que tudo tem influencia. Não se pode falar da SAD? Então mas não é o Clube dono da SAD? Não somos nós donos do Clube? Então os sócios falam da sua empresa quando? Nas AG da SAD? Então abram-nas aos sócios e não apenas aos accionistas... E mesmo nesse contexto é absurdo isso não ser assunto na AG do Clube sobre o R&C. Não se pode falar dos resultados desportivos? Sabe V. Exa. do impacto que tiveram nas contas do Clube? Não se pode falar da Direcção? Então mas quem é que fez o Orçamento e apresenta um R&C que não cumpre com o orçamentado?

Separar as intervenções dos sócios, e mais ainda com segundas intenções, é baixo e despropositado.

Ficou claro para todos que o objectivo é tornar uma AG numa especie de uma "missa" onde V. Exa. fez o favor de desempenhar o papel de pastor dessa missiva, ao garantir que todos ouviamos a "voz do Senhor" e agiamos em conformidade.

Ficou mais claro ainda que V. Exa. não estava para gerir a reunião, mas sim para garantir a tranquilidade da Direcção... e sobre isto deixe-me dar-lhe uma péssima notícia: A Direcção só foi criticada acima do que é normal, a AG só veio para as capas dos jornais e para os blogs... devido à sua atitude inaceitável.

Criticas à gestão? Meu caro, não se se teve oportunidade de ir a Assembleias Gerais antes de ser eleito dirigente, mas sempre houve, sempre hão-de haver... e mal vai o Benfica no dia que fizermos o que desejam: Abanar com a cabeça e seguir adiante.

Perdoe-me, Sr Virgilio Duque Vieira... mas V. Exa. não conhece o SLBenfica e, pior que isso, não conhece os sócios do Sport Lisboa e Benfica.

Fica, por isso, a recomendação para a próxima AG: Voltem ao passado, aliás toda a Direcção precisa de um "banho de passado" para perceberem o que é o SLBenfica e porque somos diferentes de todos os clubes do Mundo.

Talvez seja boa ideia começarem a pensar em chamar os sócios à Assembleia Geral e não apenas as casas. Façam apelos à presença dos sócios e não apenas aos Presidentes e Delegados de Casas do Benfica que votam valendo mais que qualquer sócio.

Talvez seja interessante também alargar os períodos de exposição dos sócios! Fica até de madrugada? E então...? Se precisa de se deitar cedo, aproveite para suspender ou cessar funções como o Dr. Luis Nazaré. Bem me lembro quando era miúdo de o meu pai ter que convencer a minha mãe a deixar-me ir às AG porque acabavam já muito tarde e a horas menos próprias para jovens.

Permita a pluralidade. Incentivem a contínua resposta dos orgão sociais às principais interpelações dos sócios. Incentivem para que os sócios saibam que as suas criticas e elogios são ouvidos.

Saiam do pedestal! Esse pedestal que glorifica os conquistam, mas que tornam humilhantes os que perdem. Deixem de parte esse culto do Presidencialismo que, como digo, nem sequer faz sentido quando se ganha, quanto mais quando se acumulam derrotas como vem sendo, infelizmente para todos nós, o caso do nosso Benfica.

Pois é, caro sócio do SLBenfica, lembre-se que é sócio antes de se lembrar que é dos orgãos sociais ou que tem que proteger seja quem for ou seja o que for.

Um bem haja V. Exa. e Viva o Benfica!

Carta Aberta a Luis Filipe Vieira por Fernando Arrobas da Silva

 ●  7 comentários  ● 


Exmo. Sr. Presidente do Sport Lisboa e Benfica e da SAD, 

Exmo. Consócio e Águia de Ouro Luís Filipe Vieira, 

Assunto: Resposta à união pedida entre os benfiquistas

Os benfiquistas pediram. E a promessa foi cumprida. Os bilhetes de sócio para a partida de ontem, frente a um histórico rival da cidade de Lisboa, chegaram a custar 9 Euros. Quando cheguei ao interior do estádio qual não foi a surpresa ao ver as bancadas despidas. Desta feita, tão pobre era a casa que nem foi anunciada a lotação, como acontece habitualmente no início da segunda parte e constitui-se sempre como um momento em que os benfiquistas presentes têm a oportunidade de se aplaudir entre si pelo esforço depositado em mais uma presença no seu templo. 

Com toda a sinceridade, espero estar errado. Já o escrevi na 3ª jornada e, infelizmente, mantenho a opinião. À semelhança do campeonato espanhol, numa competição tão pouco competitiva como a liga nacional, disputada essencialmente por duas equipas, 5 pontos de desvantagem não são fáceis de recuperar. Acresce ainda que seria aconselhável recuperar pelos menos 9 pontos até à penúltima jornada, dada a deslocação ao estádio do Dragão no último jogo. Ademais, para se ser campeão em Portugal existe uma necessidade imperiosa de 100 % de vitórias nos jogos em casa, o que já se ia tornando praticamente impossível frente ao Gil Vicente e se confirmou ontem com os azuis de Belém. 

É certo que não existem campeonatos iguais. No entanto, lembrando a falta que os 6 pontos perdidos em casa com Braga, Porto e Estoril na época passada, estes 2 pontos (mais aqueles já perdidos na Madeira e em Alvalade, que não se verificaram na época passada) farão muita falta até ao final. 

Serão estas contas de prova real na cabeça dos benfiquistas que os têm afastado do seu querido estádio? Embora a crise, a chuva torrencial e o aumento do número de assinantes que podem ver o jogo na Benfica TV tenham sido certamente fatores de contribuição, é importante não esquecer que o primeiro jogo da Liga dos Campeões, frente ao Anderlecht em casa, também registou uma fraca moldura humana. 

O que será que se passa? A verdade é que no Benfica cada vez há mais sócios e cada vez há menores assistências. No Benfica as assembleias gerais já são novamente às sextas feiras e há menos militância. No Benfica cada vez há mais vendas de camisolas e menos crença. 

Deambulo pela internet e por outros meios sociais onde pairam benfiquistas e, em cada frase, em cada página, em cada comentário, lá estão os parágrafos da moda: “Isto não é o MEU Benfica...”, “COSME DAMIÃO teria vergonha...” e o “Benfica deixou de GANHAR e morreu a partir de 1994”. 

De facto, o nosso clube abriu o seu museu ainda este ano. Porém, ao ler estas frases penso que sua a história permanece por contar. Em primeiro lugar, o Benfica não é de ninguém. Bem sei que o termo o “MEU Benfica” não tem esse intuito de auto-empoderamento e pretende significar “isto não foi o que aprendi a gostar” e “estes não são os valores que aprendi a cultivar”. A história do Benfica está contada sob a forma de lenda (e que bonita que ela é!), mas talvez não fizesse mal conhecer-se os textos de Paulino Gomes Júnior sobre “abutres”, ter conhecimento de alguns amuos e certos autoritarismos dos dirigentes mais conceituados e fazer uma análise do comportamento dos associados nas assembleias gerais, dos processos eleitorais e sistemas de votação do clube ao longo do século. 

COSME DAMIÃO foi, sem dúvida, aquele que melhor personificou o que é a mística benfiquista. Escandalizam-me a utilização de expressões populistas invocando o seu nome. Entender que a concepção que Cosme Damião deu ao Benfica nos seus primeiros anos de vida foi tão importante, para o futuro do clube, como o momento da sua saída, torna-se fundamental para se evitarem discursos que não são maduros, preparados e que não deveriam usar, à viva voz, espíritos benfiquistas em vão, sem conhecer a sua verdadeira história. 

Terminando pelo GANHAR até 1994, as notícias da “morte são manifestamente exageradas”, como escreveu Mark Twain.Importa lembrar que o Sport Lisboa e Benfica nas duas últimas vezes que disputou finais europeias, em 1988 e 1990, não conquistou esses dois campeonatos nacionais, nem sequer as duas Taças de Portugal, ficando, respectivamente a 15 e a 4 pontos do FC Porto, deixando também as taças ser conquistadas pelo mesmo clube e pelo Estrela da Amadora. 

O Sr. Presidente pede, mais do que nunca, a união entre os benfiquistas. Todos quanto me conhecem sabem o quanto fui aqui uma voz crítica de algum do seu trabalho nos últimos mandatos e, sobretudo, do seu estilo. Mas desta vez acho mesmo que tem razão. Infelizmente, mais na forma do que no conteúdo. 

Os benfiquistas precisam de se unir, é verdade. Mas não é em torno de estar bem posicionado no Top 10 do rankingeuropeu. Os benfiquistas, sobretudo os mais jovens, precisam de se unir mais do que nunca no sentido de aliviarem a pressão da quimera que conceptualizaram como Benfiquismo, sob pena de nunca se reverem em algo que não existe, de tão perfeito que imaginam. 

Os benfiquistas precisam de se unir, sim. Mas não é à procura da vitória na Liga dos Campeões, envaidecendo-os deste ano ser jogada em Lisboa. 

Os benfiquistas precisam de se unir em torno do escudo de campeão nacional e ser a conquista desse ceptro a sua principal prioridade. Os benfiquistas precisam de se unir, concordo. Mas não é à volta do “melhor plantel dos últimos 30 anos”. Os benfiquistas precisam de se unir à volta de um clube com identidade, deferência institucional e que seja um baluarte na defesa dos interesses do desporto em Portugal. 

Os benfiquistas precisam de se unir, nada mais importante. Mas não é através do endividamento, na esperança de continuar a gerar mais e mais receitas. Os benfiquistas precisam de se unir através de uma gestão coesa, responsável e responsabilizante da sociedade. 

Os benfiquistas precisam de se unir, já! Mas não é com ofensas e a criação de um clima de guerrilha entre os adeptos que pensam de maneira diferente. É com ensinamento e associativismo. 

Os benfiquistas precisam de se unir, tem toda a razão. Mas não é com desculpas. É com boas práticas e competência. 

O que o treinador do Belenenses ordenou ontem os seus jogadores fazerem nos últimos minutos no estádio da Luz era aquilo que Jorge Jesus deveria ter feito no Porto no final da época passada, em vez de permitir que André Almeida fizesse o lançamento de linha lateral para Cardozo no meio da grande área, encurralado por 4 defesas, e permitindo um contra ataque onde Roderick não soube fazer falta (Enzo Perez tinha sido encostado à direita) e ainda hoje ninguém sabe onde andava Maxi. 

Não acho justo, nem tenho crucificado ninguém por termos perdido daquela forma inglória depois de uma época que parecia destinada. Mas não aceito que tenha sido só azar! 

O mesmo se pode dizer em relação à final da Liga Europa. As finais não são ganhas, na maior parte dos casos, por quem mais se entrega ao jogo e “joga melhor à bola” (e que elogio merece o Benfica a esse respeito!), mas sim por quem joga com alguma “ratice” e sabe fazer as leituras certas nos momentos cruciais. Infelizmente, desde 1962, em que Béla Guttmann se apercebeu do cansaço físico dos jogadores do Real Madrid ao intervalo, que o Benfica tem sido sempre um pouco amador e inexperiente nas finais que disputa. Continua a ser necessário jogar mais com a “cabeça” e não tanto com a “língua de fora” nos jogos decisivos e nas finais. É só isso que a maldição significa. Não uma macumba de azar. 

Com este tipo de conteúdo e com uma verdadeira aprendizagem sobre os erros cometidos – algo que prometeu –, da minha parte poderá contar com a união que, de forma modesta, ao longo da minha jovem vida sempre fui dando e que, de forma indissociável daquilo que sou, tudo farei para continuar a dar: pagar todos os meses as quotas de associado e continuar a frequentar o estádio com a voz levantada e o cachecol nos braços. 

E Pluribus Unum é uma frase demasiado forte para ser desprezada. 

Subscrevo-me atentamente e com as mais cordiais saudações benfiquistas, 

Fernando Arrobas da Silva

Porque Luis Filipe Veira não consegue?

Avatar
 ●  18 comentários  ● 

Quero começar este post por cumprimentar aquele que para mim é o blogger mais brilhante da blogoesfera desportiva portuguesa: o Geração Benfica.
O post 'Pelo Poder...ou Pelo Benfica?' é um exemplo da sua objectividade, capacidade de análise de pensar o Benfica e, acima de tudo, de um benfiquismo à prova de bala.
Devo dizer que subscrevo 99% do que ele escreve e do que escreveu neste post em particular.

Mas com uma diferença substancial: não acredito que Luis Filipe Vieira queira mudar o rumo da sua gestão.
Foram já várias as vezes que o presidente do Benfica pareceu estar a adotar um discurso diferente, uma postura diferente, mas nunca passou disso.

As oportunidades para o fazer têm acontecido nos 12 anos que já leva de Benfica. Nunca o fez.
Não nos aspectos chave.

Por exemplo, a gestão do futebol do Benfica.
Já se percebeu que LFV não tem disponibilidade para estar a acompanhar diariamente o futebol do clube, nem a habilidade e capacidade para o gerir. 

Pode tentar tapar o sol com a peneira, atirando nomes como Shéu, Lourenço Coelho ou Rui Costa para o ar, mas a realidade do dia a dia revela que Jorge Jesus não responde a nenhum deles. Só ao presidente.
E JJ não tem também capacidade para ser um manager 'à inglesa', nem o futebol português essa vocação.
  
E a falta que faz um responsável máximo que simbolize o poder do clube, que tenha esse poder, todos os dias junto do futebol. 
Todos os dias apoiando, protegendo mas também disciplinando e orientando equipa técnica e jogadores nos valores do clube, e no superior interesse do Sport Lisboa e Benfica.

Já que falou no Bayern, não temos o que eles têm há anos a gerir o futebol: gente do balneário e com capacidade de gestão.
Rummenigge, Sammer, ou ainda antes Beckenbauer.
Os mais novos que não sabem que foram estes senhores pesquisem na net e no Youtube.

Outra razão pela qual não acredito em Luis Filipe Vieira, é por ainda na passada terça-feira ter perdido mais uma oportunidade de se demarcar do poder azul que asfixia a liderança do futebol português.
Não o fez, vindo pela enésima vez lamentar-se depois do mal feito ao Benfica, como se viu na última jornada.

Nós últimos 4 anos, várias foram as vezes que conflitos de interesses colocaram LFV entre as relações pessoais e o benfiquismo. O que escolheu?
A resposta vem com nomes: António Salvador(o amigo), Joaquim Oliveira(o amigo do Benfica) ou Fernando Gomes(manchado pelo Apito Dourado). 
São nomes e argumentos já mais que citados, mas que permancecem actuais.

Luis Filipe Vieira rodeia-se das pessoas erradas? Então o que o impede de corrigir esses erros de casting? 
Um gestor que acumulou uma fortuna de milhões de euros, um património imobiliário invejável, não é capaz de escolher 5 ou 6 pessoas para consigo tornarem o Benfica novamente no clube português mais forte?

Ainda outra razão pela qual não acredito em Luis Filipe Vieira, é que ele próprio não se revê  nos valores que sempre nortearam todos os presidentes do Benfica: ganhar!
Na sua última entrevista à BTV, afirmou com todas as letras que não o podem julgar por ser ou não campeão. Continuou a atirar para o futuro os triunfos desportivos, reclamando como sucessos segundos lugares e finais perdidas. Isso nunca foi apanágio do Benfica.

Mas o Geração Benfica levantou outra questão muito pertinente:
A falta de alternativas visíveis e credíveis.
Não é que não existam, mas por várias razões não dão a cara. Não se assumem publicamente.
Alguns deles poderão até estar actualmente dentro do próprio Benfica.

Isso no entanto, não é desculpa para que os benfiquistas não possam exigir um novo rumo em qualquer altura.
As alternativas aparecerão, em qualquer altura. 

Os benfiquistas demonstram semana após semana o desencanto com a sua liderança, quer no banco quer na direcção. 

Caso Luis Filipe Vieira insista em não tomar as medidas adequadas para, de uma vez por todas, colocar o Sport Lisboa e Benfica no caminho dos títulos, os benfiquistas têm que de todas as formas obrigar o clube a tomar outro rumo.

ranking