O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


sábado, 19 de janeiro de 2013

Ai...mar que ainda não foste e já deixas saudades!

Avatar
 ●  21 comentários  ● 

AIMAR JÁ SE DESPEDIU DO GRUPO
VIAJA PARA O DUBAI NAS PRÓXIMAS HORAS

sexta-feira, 18 janeiro de 2013 | 07:27

"Pablo Aimar já se despediu de Jorge Jesus, dos jogadores do Benfica e do restante staff do clube da Luz, estando iminente a viagem para o Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, onde vai alinhar temporada e meia. O seu cacifo no Centro de Estágios do Seixal também já se encontra vazio, outro claro sinal de que a partida acontecerá dentro de poucas horas.


O argentino, de 33 anos, dá novo rumo à carreira numa altura em que estava a seis meses do final de contrato com o Benfica. Ingressa no Al Ahli, atualmente orientado por Quique Flores (dirigiu-o no emblema da águia, em 2008/09), a troco de 3 milhões de euros. Com ele leva a mulher e os três filhos, deixando sem dono a camisola 10 do Benfica. O seu último jogo em Portugal teve lugar no passado dia 13, diante do arquirrival FC Porto."


Fazendo fé nesta notícia - sei que não deveria, tratando-se do Record, mas tal como no caso do Lance Armstrong em que sempre disse que "onde há fumo há fogo" também neste caso começam a ser demasiadas as notícias sucessivas - tenho que deixar de estar neste estado de negação em relação à partida deste génio, para ver se custa menos se realmente se confirmar a sua saída.

Quem leu o meu último post ficou a par da minha admiração pelos últimos n.º 10 que o Benfica teve. Tanto o Rui Costa como o Aimar, que curiosamente têm em comum o facto de serem verdadeiros senhores tanto dentro como fora de campo, merecem toda a minha admiração. Se o primeiro teve direito a camisola personalizada na minha coleção, o segundo merece pelo menos esta pequena homenagem (gosto particularmente do golo aos 05:01 neste vídeo).

Resta-me dizer: o meu Muito Obrigado a este senhor que me deu o privilégio de ver ao vivo a magia que espalha com aqueles pézinhos... Volta sempre!


PS: Como é que estes gajos do Record sabem pormenores como: "O seu cacifo no Centro de Estágios do Seixal também já se encontra vazio, outro claro sinal de que a partida acontecerá dentro de poucas horas."??? Querem ver que o outro trafulha verde chegou mesmo a pôr lá as câmaras de segurança????

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Campanha "EU VOU AO JAMOR DE BIGODE"

Avatar
 ●  5 comentários  ● 
"Quero alertar, mais uma vez - e vão ser alertados muitas vezes nos próximos meses -, que está em andamento a campanha "EU VOU AO JAMOR DE BIGODE" (ideia original do excelentíssimo senhor Diego Armés, que, dois anos depois, eu recupero com muito orgulho e muito amor), que serve simultaneamente para pressionar a lesma do nandinho das facturas - que nestes próximos tempos deverá receber muito telefonema do senhor do robe e do senhor dos peidos - e, claro, para lembrar aos gajos sem barba (estranhíssimos seres, claro) que têm de começar já hoje a deixá-la crescer até ao ponto em que fiquem com belíssimas, estrondosas, frondosas e elegantes bigodaças para apresentar na final da Taça de Portugal. A menos que o Paços nos dê um bigode." - in 'Ontem vi-te no Estádio da Luz'.


Devo dizer que neste blogue quase ninguém tem bigode. Alguns têm uma barba mal semeada, outros algo parecido com bigode ao fim de semana, mas nada tipo polícia dos anos 20 ou Groucho Marx.
Seja como for, o NGB também lá estará!

O clássico do dia 13 (parte III)

 ●  7 comentários  ● 

Portugal 18 de Janeiro de 2013

Não tinha intenção de me voltar a referir à fase “durante o jogo”, depois do texto anterior, mas dado que o FCP enfatizou a arbitragem e até já pretenderam dar uma “directa” a Jorge Jesus com a treta do fair-play, vou escrever umas linhas sobre a componente “treinador que recusou um contrato milionário para treinar o FCP” e a arbitragem do “major do exército que expulsou 3 jogadores ao Benfica de Fernando Santos no Bessa” numa derrota por 3-0.
Quanto à forma como Jorge Jesus geriu o plantel antes e durante o jogo, para mim teve nota de excelência. Como já referi, não é fácil suster os contra ataques do FCP quando jogamos em 4-4-2 (losango ou clássico) e isso tem-se visto nos últimos 12 anos. Jorge Jesus posicionou os jogadores de tal forma que conseguiu ser eficaz nesta matéria e ao mesmo tempo a “proeza” de marcar 2 golos de bola corrida. Não é fácil, porque regra geral aparece uma apitadela do árbitro a ver uma falta qualquer, que por vezes nem a televisão do sistema consegue ver.
Outro aspecto, a inclusão de Jardel na equipa titular em detrimento de Luisão, recuperado de lesão, na minha maneira de ver, permitiu ao treinador não só ganhar um jogador, como ganhar uma equipa. São pequenas decisões como esta, que mostram a liderança ao grupo de trabalho e criam regras de reconhecimento e valorização de cada jogador.
Faço notar que a opção de Aimar por Lima ao mn 69 consubstanciou uma alteração ao 4-4-2 losango, tornando-o num 4-2-3-1. Ou seja, recuou uma unidade de meio campo, deixando um ponta de lança sozinho na frente. Alguns irão defender que foi só coincidência que a melhor situação de golo do Benfica, tenha surgido nessa fase... Mas não foi. Esse movimento, na altura contrariou algum domínio do FCP, obrigando a subir as linhas defensivas (tinham menos avançados para marcar) e dai ter permitido ao Benfica alguns lances de contra ataque.
Por último a arbitragem. O FCP fez crer, através das suas movimentações no palco mediático, que não ganhou o jogo por causa dos erros do árbitro. Erros que resumem a, 3 foras de jogo e 2 expulsões perdoadas a Matic e Maxi Pereira. Já o Benfica, através do presidente e do treinador, atabalhoadamente elogiaram a arbitragem (há burros e burros), que no futebol português é o pior que se pode fazer. Por cá está estatuído que, quem elogia um árbitro não o faz para sublinhar uma arbitragem correcta, mas sim uma arbitragem que o favoreceu. Adiante.
O FCP pode-se queixar com razão, de um fora de jogo muito mal tirado no 1º minuto, em que Defour ficaria isolado perante Artur e com possibilidade de golo. Se ainda não tinham percebido porque é que fiquei furioso com Carlos Xistra na 2ª mão da meia-final da Taça de Portugal, agora já sabem porquê. É que ao Cardozo, desses, foram 3 só na 2ª parte!
Quanto aos demais foras de jogo, penso que dificilmente originavam perigo uma vez que os nossos defesas tomaram rapidamente conta das jogadas. São erros dos árbitros assistentes, nem sempre inocentes...
E quanto à componente disciplinar aplicada pelo árbitro principal? Vamos por partes. Moutinho com 7 faltas, Maxi com 5 e Matic com 4 foram os jogadores mais faltosos. Todos 3 escaparam à expulsão, queixando-se o FCP, de faltas não sancionadas disciplinarmente – e deviam ter sido - aos 79 mn sobre Matic e aos 86 mn sobre Maxi.
Mas o jogo não começou aos 79 mn como o FCP propagandeia. Se começarmos desde o início, temos a primeira falta grosseira do encontro de Moutinho aos 5 mn e 33 segundos (tesoura sobre Enzo). Não sancionada – e devia! A treta que o árbitro não quis estragar o jogo logo de início, é mesmo isso: treta. O Jorge Sousa mostrou cartão amarelo ao Coentrão, no ano do título, em Braga, por uma falta menor junto à linha lateral de que nasce o 1º golo do Braga.
Depois Mangala dá uma “trouxada” de cotovelo nas costas/cabeça de Cardozo ao mn 42. Mais um cartão perdoado. Aos 47 mn é Fernando que pisa Gaitan, sem falta nem cartão, sendo de recordar que este árbitro expulsou André Gomes no jogo com Guimarães por jogada igual. Se o critério se mantivesse, o FCP ficava com 10 desde o mn 47 e lá se ia a história das faltas do Matic e do Maxi.
A “cereja no topo do bolo” foi o penalty sobre Garay ao mn 93 que, inteligentemente, o árbitro transformou em falta atacante. Mas não é esse o manual? Quando Aimar levou uma “trouxada” em Coimbra no ano passado, o árbitro Capela não marcou falta contra o Benfica? Quando o Coentrão foi atropelado pelo Sapunaru no jogo da Supertaça de há 2 épocas, este mesmo João Ferreira não assinalou falta contra o Benfica (estava 0-1)?

Posto isto, o FCP foi claramente beneficiado pelo árbitro principal com uns quantos truques de “manual” (e recorrentes neste “artista”). O Benfica mais uma vez saiu prejudicado pelo critério disciplinar, com implicação negativa na dinâmica do seu jogo e por tabela, com implicação indirecta no resultado.



Afinal, o Benfica está fora do Jamor.

Avatar
 ●  37 comentários  ● 
Sim, ao contrário dos planos que muitos já estão a fazer, provavelmente o Benfica não estará em Maio no Jamor.

Isto porque o 'Nando das Facturas' está a preparar-se para escolher outro local para a realização da Final da Taça de Portugal.

Aliás, a lista dos estádios que poderão acolher a final da Taça já está feita.

O mito de que o Jamor não tem condições de segurança tem sido apregoado por Pinto da Costa desde há muito tempo.

É totalmente falso, como foi exposto no post 'A mentira sobre a falta de segurança no Jamor', essa campanha para retirar do Estádio Nacional a Final da Taça de Portugal, algo impossível durante tanto tempo, que agora pode ser realidade.

Pela primeira vez, a FPF tem um portista ao leme
Algo impensável para gerações de dirigentes desportivos portugueses e de adeptos, que sempre souberam o mal que seria feito ao futebol se alguma vez um portista acedesse à cadeira do poder da FPF.

Esse portista prepara-se para dar mais uma facada nos mouros e nos lampiões(segundo eles).

Eu digo que será uma facada na festa do futebol.

Só mesmo umas mentes pequeninas e atrasadas é que podem subestimar a importância do Estádio Nacional. 
O que significa para um clube, para um treinador, para um atleta subir aquele relvado para jogar a Final da Taça de Portugal. 

Mas nada disso tem importância para Pinto da Costa, Fernando Gomes e esses odiosos seres que empestam o ar do desporto nacional.

Qual a reacção dos clubes? Dos treinadores? Dos atletas? 
Para já, nenhuma. Silêncio total perante algo que é quase uma realidade garantida.

O que diz o Sport Lisboa e Benfica sobre isto? 
Não saberá o mesmo, ou até mais, o presidente do nosso clube?

Rui Gomes da Silva disse qualquer coisa deste género no 'Dia Seguinte': "Não vou criticar publicamente o trabalho de Fernando Gomes porque sei que isso iria irritar o presidente do Benfica."

É assim, caro Luis Filipe Vieira? 
Prefere o presidente do Benfica assistir calado a mais esta imposição do sistema à festa do futebol ou irá reagir publicamente e energicamente contra isto? 

André Lima sem papas na língua.

Avatar
 ●  14 comentários  ● 
"O selecionador de futsal da China, André Lima, afirmou, em entrevista à agência Lusa, estar feliz naquele país asiático e rejeita, para já, um regresso a Portugal, onde diz não ser desejado.

"Sou profissional, estou muito feliz na China, com um enorme projeto que me está a dar imenso prazer, está a ser muito gratificante, que é reconhecido. Regressar a Portugal? Quando sair da China, nem sei se vou regressar a Portugal. Eu quero estar onde me sinta feliz, onde seja desejado. Se não me sinto desejado em Portugal e se me sinto feliz na China, espero continuar cá por mais tempo", referiu.

Apesar da distância, o antigo treinador do Benfica tem acompanhado o campeonato português, que, na sua opinião, está "mais fraco do que em outros anos", apesar de um "Sporting que está a dominar completamente".

"Por muito mérito que o Sporting possa apresentar, quando me falam dos golos marcados e sofridos do Sporting não é um bom sinal. Há qualidade, mas o Sporting não é uma super-equipa. Já houve equipas muito mais fortes em anos anteriores e que não conseguiram fazer o que o Sporting está a fazer, mas porque não há concorrência", considera.

Para André Lima, "há um Benfica muito abaixo do que habituou e as outras equipas não têm nada a ver com as que havia há três, quatro, cinco anos", numa altura em que "havia mais dificuldades em ganhar jogos e plantéis muito mais fortes".

"Acho que o Sporting está forte, mas dentro do normal, quem está fraco é o Benfica, que é um dos culpados por o Sporting estar a fazer história. Depois há uns Leões de Porto Salvo, um Fundão, que são equipas que não me parecem suficientemente fortes para criar um campeonato mais competitivo", afirmou.

O antigo internacional português considera que seria benéfico que fosse adotada em Portugal uma regra que existe na China, que impede que mais de dois estrangeiros por equipa estejam em campo ao mesmo tempo.

"Há bons treinadores em Portugal a formar jovens, que precisam de oportunidades. Se o campeonato está fraco, se não há dinheiro, em vez de se dar 800 euros a um brasileiro, que não é muito bom, podiam investir-se 300 euros num jovem, que era melhor para o futsal português", admitiu.

Chegado à China há quase dois anos, André Lima, que assumiu recentemente o cargo de selecionador, diz que está a viver "uma experiência fantástica, muito gratificante", porque quando chegou ao país quase não havia futsal e agora fica "muito feliz" por ver o seu nome associado à evolução da modalidade.

"A China está a precisar de trabalhar muito na formação. A China lembra-me, há 12, 15 anos, o início do futsal em Portugal, com muita desorganização", lembrou.

Desde que chegou à seleção, André Lima já promoveu a alteração dos quadros competitivos, criando um campeonato com playoff, a seleção de sub-23 masculina e a seleção AA feminina, considerando que a organização coletiva é a grande dificuldade com que se tem debatido.

"As diferenças ainda são muitas. A maior é, sobretudo, em termos de mentalidade, essencialmente da forma como eles olham para o trabalho coletivo. É muito difícil trabalhar o jogo coletivo na China, porque eles são muito fortes individualmente, mas não são tão fortes em termos coletivos", referiu André Lima, que recordou o "choque" que foi para os chineses a sua forma de trabalhar.

Para André Lima, a China pode ser, dentro de dois, três anos, uma das grandes potências do futsal asiático, devido à profissionalização que se tem verificado nas últimas épocas." in Record.

André Lima: um exemplo dos bons profissionais que não têm lugar no Benfica. Porquê?

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Entrem na A5 e depois saiam para:

Avatar
 ●  6 comentários  ● 


Esta ganância pela bola, pelo golo...pena que não se veja sempre.

Parabéns por terem dizimado um adversário que se tornou fácil, por vosso mérito!

Ismailov e Liedson em Alvalade....

 ●  4 comentários  ● 
Os meus amigos sportinguistas que me desculpem....mas de tão trágico até dá vontade de rir....

Já antevejo o momento....Sporting vs Porto, Liga Portuguesa, 2012/2013....SCP a precisar de ganhar para se qualificar para a Liga Europa....Livre contra o SCP....vai bater Ismailov...bola para a área....aparece de rompante Liedson....é golo do .....FCP....

Grande SCP...com estes dirigentes tudo é possível....até mesmo destruir um clube centenário....

O clássico de dia 13 (parte II)

 ●  24 comentários  ● 


Portugal 17 de Janeiro de 2013

Como referi antes, os ditos clássicos com o FCP normalmente dividem-se em 3 partes distintas: 1) antes do jogo, 2) o jogo propriamente dito, 3) o pós jogo...
Abordando agora a 2ª parte temos então o jogo, que mais do que um “choque” de duas equipas, é o “choque” de duas culturas de jogo e dois modelos tácticos distintos: o “proactivo” 4-4-2 do Benfica contra o “reactivo” 4-3-3 do FCP. Uma equipa a fazer tudo para ganhar, outra a fazer tudo para não perder. Benfica vs FCP é sempre assim, pelo menos desde que Pedroto treinou o FCP.
No final de cada jogo com o FCP, no estádio da Luz, fica sempre a ideia que o Benfica não atacou bem, com qualidade e acutilância, como costuma fazer com outros adversários. Vai daí, parte-se para a conclusão que o FCP fez melhor exibição do que nós. Há muitos anos defendo que esta perspectiva está errada. Nem o Benfica joga assim tão mal, nem o FCP joga assim tão bem.
Se repararmos bem nos últimos encontros, em particular nos jogos desta Direcção da “credibilidade” (não esquecer que as equipas do pouco “credível” Vale e Azevedo ganharam 2 e empataram 1 jogo em casa com o FCP), o FCP não precisa de se esforçar muito para manietar o Benfica. E regra geral há sempre um herói do lado deles, e um vilão do nosso lado. Foi assim com McCarthy, foi assim quando Deco marcou o golo que nos derrotou e Ricardo Rocha “fez-se” expulsar, foi assim quando Quaresma fez um “nó” ao Léo e partiu para o golo que nos derrotou, foi assim com Roberto e Hulk num ano, Hulk e Emerson no outro. E assim será enquanto não percebermos de onde vem o problema.
O problema vem precisamente da estrutura física do 4-4-2 e do 4-3-3. Dê-se as voltas que se derem, o Benfica colocando mais unidades de vocação ofensiva, os 2 jogadores de área (mais móveis, mais fixos ou um de cada tipo), tem sempre, mas mesmo sempre, menos jogadores no meio campo. A versão clássica do 4-4-2 ainda agrava mais a coesão da equipa, pois empurra dois médios para as alas, deixando os dois médios interiores “abandonados” à sua sorte, talento e capacidade física. A distância entre os jogadores é pois maior neste modelo.
Já o 4-3-3 é um falso modelo de ataque, pois ao prever um único ponta de lança, a equipa tem mais uma unidade no meio campo, pelo que até os médios que jogam nas alas, ou “asas” como em determinada altura os portistas gostavam de falar, esses médios estão mais próximos uns dos outros. E estando mais próximos, as tarefas de recuperação de bola são mais eficazes porque há menos linhas de passe favoráveis ao adversário. E há mais espaço nas costas da linha da bola, ou seja, o risco do contra ataque ser eficaz, é maior.
É pois tudo uma questão de densidade natural de jogadores no segundo terço do terreno: o 4-4-2 (clássico ou em losango) tem menos do que o 4-3-3 (com qualquer das suas variantes). Daí a vantagem de quem joga em 4-3-3, apresenta em jogos contra o Benfica. E se como é o caso, se trata de uma equipa com bons jogadores, com historial, com pretensões ao título, tudo se complica para nós.
Se não percebem desta maneira, dou outro exemplo. Temos uma planta com 100 m2 de área. Se utilizarmos 5 pilares para a suportar, temos uma área de influência de 20 m2 para cada um. Se na mesma área utilizarmos 6 pilares, a área de influência diminui para 16,7 m2. Ou seja, cada pilar está menos carregado...
O futebol, independentemente dos actores (treinador, jogador, etc.), tem uma componente científica que raras vezes é considerada. Os “papagaios” que têm explicação para tudo, em particular depois do jogo terminar, nunca conseguem ligar os seus pensamentos desportivos às questões mecânicas do movimento de jogadores e da sua interacção com um bloco oponente. Porque dá trabalho...
Em face desta componente esquecida na análise desportiva, atrevo-me a dizer que o FCP (reforçado pela actuação da arbitragem) jogando no seu modelo preferido, contra o Benfica, no seu modelo habitual, em 10 jogos ganha 4, empata 5 e perde 1. Seja qual seja o treinador e os jogadores do Benfica, e do FCP. Porque o modelo de jogo os favorece do ponto de vista mecânico, com mais compacidade própria, menos linhas de passe oferecidas ao adversário, mais reactividade ao erro adversário, mais facilidade de contra atacar o adversário de pendor ofensivo, etc.
As estatísticas não enganam: nos últimos 13 jogos na Luz para o campeonato (onde a componente “arbitragem” acentua os defeitos do nosso modelo e maximiza as virtudes do deles), o FCP ganhou 5 vezes, perdeu 3 e empatou 5 ... Eles tiveram 6 treinadores distintos, nós 8 ... Perante estas evidências, só um imbecil ou um brincalhão pode acusar o treinador (Jesus, neste caso, como antes os outros sete) de ser casmurro, de não saber escalar a equipa, de não saber fazer substituições, etc. Porque o próximo vai jogar no mesmo modelo táctico e vai ter os mesmos resultados, pelo menos contra o FCP que é o adversário interno mais forte a jogar em 4-3-3.

Eis o que penso:

Avatar
 ●  68 comentários  ● 

Sendo o mais recente reforço do NGB, é natural que ainda ninguém tenha opinião formada sobre o meu ponto de vista sobre o nosso Benfica e outros assuntos relacionados. Assim, e para me “posicionar” no mapa das divergências e concordâncias das opiniões dos vários escribas deste blogue decidi escrever este “pequeno” texto de forma a expor os traços gerais do meu pensamento em relação a alguns temas. Aqui vai:

BENFICA

Ninguém tem dúvidas que é o maior clube português. Nem mesmo os lagartos e os corruptos, não fosse essa a génese do complexo de inferioridade que têm e o ódio (potenciado pelo pinto da costa e amigos) que nutrem ao nosso clube.

É das marcas portuguesas (se não A marca) mas apetecidas comercialmente, mas infelizmente mal aproveitada. Basta dar um exemplo muito rápido para demonstrar este facto: o preço das camisolas. Pessoalmente, tenho uma pequena coleção de equipamentos alternativos que, dado o preço incomportável que é praticado pelo clube, me obriga a adquirir nas bancas que se encontram fora do estádio em dias de jogos o equipamento alternativo de anos anteriores a um preço 70% mais barato. Quem ganha? Eu e o vendedor. Quem perde? O Benfica. Preferia obviamente ajudar o meu clube comprando as camisolas na loja oficial, ou no site, mas fruto dos tempos atuais, e como não sou propriamente rico, esta é a única alternativa que tenho para obter um produto que desejo. Além disso, já ajudo o meu clube pagando religiosamente as quotas, sem qualquer falta.

Dizem que somos 6 milhões. Em tempos afinei pela mesma tecla, mas agora penso de forma diferente. Para mim, como somos 200 mil e tal sócios, somos 200 mil e tal benfiquistas. Todos os outros são meros simpatizantes e representam o potencial de crescimento do clube.

Quanto ao futuro, aguardo por uma política verdadeiramente consistente para o crescimento do clube (dentro e fora de Portugal), aguardo por uma política verdadeiramente incisiva por parte do departamento de comunicação do clube, aguardo por uma política verdadeiramente responsável das finanças do clube, aguardo por uma verdadeira aposta na nossa formação, e aguardo pacientemente pela minha velhice, para passar tardes inteiras a ver os jogos dos putos, das modalidades e de tudo o que mexa no Estádio da Luz… J

Resumindo, o meu clube é um monstro adormecido, com um poder enorme, que atrai um sem-número de oportunistas que só se querem servir dele para proveito próprio. Infelizmente, os sócios deixam…

PRESIDENTE

O que dizer de um ex-sócio do fcp, de um apoiante do “fernando das facturas”, de um amigo do oliveirinha, de uma pessoa que promete e não cumpre? É certo que nem tudo tem sido mau, mas há determinados gestos que são imperdoáveis. Por muitas coisas boas que possa ter feito, qualquer associação a elementos do tal “sistema” torna-o vulnerável a críticas e a determinadas suspeitas. Para mim, essas associações combinadas com o silêncio GRITANTE em ocasiões em que devia ter defendido o clube com unhas e dentes, e não o fez, é sintomático.

Eu ponho várias hipóteses para o caracterizar:
- Ou ele é realmente mercenário e enriqueceu ainda mais à custa do Benfica com os tais negócios do betão e outros mais (acredito mais nesta);
- Ou é simplesmente um mau presidente e é incompetente (não acredito muito);
- Ou tem o rabo preso em algum segredo do conhecimento dos de lá de cima (rezo para que não seja esse o caso) sendo ele próprio instrumentalizado pelo “sistema”;

Seja qual for das hipóteses, estas ou outras que não contemplei, não é claramente o presidente que quero para o meu clube. Eu quero um presidente que, acima de tudo e contra tudo e contra todos DEFENDA ATIVAMENTE OS INTERESSES DO CLUBE e não os seus.

RUI COSTA

Ninguém pode pôr em causa o benfiquismo deste senhor. Eu, admito, já o fiz e não me custa nada a admitir que estava errado. Sempre o admirei como jogador (ao ponto de ser o único jogador que teve a honra de merecer a compra de uma camisola personalizada para a minha coleção), e até nas minhas jogatanas tentava imitá-lo sendo sempre a minha referência.

Lembro-me do golo que ele marcou ao Benfica, pela Fiorentina. Eu estava lá no velhinho Estádio da Luz. Vi que aquilo realmente o afetou. Cada vez o admirava mais nessa altura.

Quando ano após ano se falava do seu regresso ao Benfica, e eu via que não se concretizava, pensava “És igual aos outros! Não passas de um mercenário! Não és benfiquista!”. Obviamente que era a minha frustração a falar e quando finalmente ele regressou, voltei a errar quando disse “Para quê?”. Engoli todas as minhas críticas ao primeiro jogo que o revi com o Manto Sagrado. Foi um regalo para os meus olhos. J

Como dirigente começou muito bem, tendo inclusivamente trazido outro grande ídolo meu – Pablo Aimar. Outro deus com n.º 10 nas costas. A seguir? Não sei o que se passou. Não sei que papel desempenha atualmente. Não sei se realmente o LFV conta com ele. Sei, e não tenho dúvidas, que o LFV se serviu dele quando quis mas suspeito que não o manda embora por receio. Sei que os benfiquistas gostam muito dele. Sei que o trabalho que ele começou, como dirigente, e que suspeito que não o deixaram continuar, daria muitos e bons frutos. Sei que, tal como toda a gente, ele tem defeitos, mas sendo o seu benfiquismo inquestionável, é para mim uma peça fulcral no futuro do clube.

Espero que se mantenha no Benfica e que ajude verdadeiramente o clube com um papel mais ativo no futuro. Duvido é que seja como presidente, como apregoou convenientemente o LFV…

JORGE JESUS

Eis o “mestre das tácticas” que já está “há muitos anos a virar frangos” e que manda “cada macaco no seu mangalho”… lol

Tenho sentimentos contraditórios em relação ao JJ. Digamos que é uma espécie de relação amor-ódio. Se me entusiasmou a primeira época dele, pois vi o Benfica jogar futebol como nunca, já a repetição, na segunda e terceira épocas, do erro cometido na primeira época – falha na gestão do plantel, quer seja por falta de confiança nas opções, quer seja por falta de tomates para apostar na formação – demonstrou o grau de casmurrice e de inflexibilidade no carácter dele.

Pontos positivos:

- Gosto da forma castiça dele, e até me divertem as gafes que comete (língua portuguesa). Isto não é bem um ponto positivo, mas é algo a que acho graça;
- Gosto da capacidade que tem de retirar o que de melhor os jogadores têm, e de consequentemente os valorizar (independentemente da discussão de ele receber, ou não, comissões com as transferências que o Benfica faz, resultado dessa valorização);
- Gosto da forma como pôs o Benfica a jogar. Não me esqueço de como era sofrível ver o Benfica jogar antigamente;

Pontos negativos:

- F#§$-s€ que és CASMURRO como o raio que te parta pá!!!;
- Falta de humildade. A caganeirice chega a atingir valores estratosféricos;
- Falta de tomates para valorizar e utilizar os valores da casa. A árvore das patacas sul-americanas está a secar, tendo em conta que no mercado vão começar a escassear os negócios milionários (pelo menos com a frequência que foram efetuados até agora);
- A forma como descartou, e ainda descarta, jogadores (por vezes até mesmo os contratados a pedido dele) que mereciam mais oportunidades. Se os toma de ponta, já não há nada a fazer…;
- Amizade que tem com o pinto da costa;

O problema principal é que o seu narcisismo o impede de aprender com os próprios erros e já se sabe, burro velho não aprende línguas…

Se o quero ver à frente do Benfica muito mais tempo? Sim, se começar a apostar nos putos e a apresentar títulos no currículo. Não, se nada mudar ou se não começar a conquistar campeonatos sucessivos. O tempo escasseia, e oportunidades já ele teve mais do que suficientes para demonstrar que é capaz.

O que eu não gostava mesmo era de o ver no fcp. Seria demasiado perigoso ter um treinador como ele à frente do clube que, de forma suja, domina atualmente o futebol português. E o velho fedorento está doidinho para o ir buscar.

Alternativas? Gostava de ver o Paulo Bento, o Peseiro ou o Rui Vitória no Benfica. Sim, sim. Já sei que vêm aí os comentários “Peseiro??? Rui Vitória??? Estás doido, ou quê?”. Não. Não estou doido. O Paulo Bento só peca pelo lado tático, mas é fiel aos seus princípios e até conseguiu pôr os lagartos a jogar bem (é um feito! lol). O Peseiro só peca pela falta de autoridade, mas poderia pôr o Benfica a jogar muito bem mantendo a ordem no balneário se fosse devidamente apoiado (além disso, conseguiu pôr os lagartos a jogar como nunca tinha visto antes, o que também é um feito!). O Rui Vitória só peca pela falta de experiência, mas é da casa. Ainda assim, preferia qualquer um deles a uma sumidade estrangeira que venha para cá a ganhar milhões para fazer pouco mais do que aquilo que o JJ está a fazer.

FUTEBOL – EQUIPA A

Nem vou sequer analisar os jogadores. Se o fizesse, estaria aqui até amanhã…
Digo apenas que numa escala de 0 a 10, sendo ZERO o sporting e DEZ o Barcelona, classifico o Benfica atual com nota 7.

FUTEBOL – EQUIPA B

Este é um projecto que me surpreendeu pela positiva. Está aqui muito potencial que só não vê quem não quer, não é assim JJ???

MODALIDADES

É com muito agrado que vejo o meu clube a lutar pela vitória nas diversas modalidades em que participa. Este é talvez o trabalho que mais valorizo na direção do LFV. Não sei apontar exatamente os “culpados”, mas o que é certo é que nós estamos lá na frente, na luta, seja em que modalidade for. Esta semana até a equipa de triatlo foi muito bem reforçada…

FINANÇAS

Ora aqui é que a porca pode vir a torcer o rabo… O nível de endividamento é BRUTAL, e apesar de os ativos consolidados do clube terem estado sempre (em média) a cobrir o passivo consolidado do Grupo Benfica, o que é certo é que é tudo à rasquinha e sem grande folga para erros, com a agravante de termos sempre a necessidade de vender constantemente 1 ou 2 jogadores para equilibrar as contas. É verdade que a situação é comum com a dos outros “grandes” portugueses, mas com o mal dos outros posso eu bem.

A única coisa que me acalma é que os proveitos operacionais do Benfica chegam, segundo li, para cobrir os custos operacionais. Ou seja, é quase o mesmo que dizer que as quotas e as receitas fixas do clube pagam os custos para manter as portas abertas. Já o mesmo não podem dizer fcp e scp…

DIREITOS TELEVISIVOS

Neste tema, não há para mim qualquer dúvida: BENFICA TV!

Pior do que temos atualmente, é quase impossível. Atualmente, sustentamos o “sistema” e ganhamos uma miséria. Se temos canal próprio, se temos os recursos, se temos a audiência, se temos potencial de crescimento, então… QUAL É A DÚVIDA????

Um simples exercício (com alguma margem de erro) supondo que a forma seria pay-per-view por jogo, seria:
Se imaginarmos que 100.000 famílias em Portugal (se considerarmos que cada família tem em média 4 pessoas e que somos 10 milhões de portugueses, fora os emigrantes, a amostra é representativa de 4% da população portuguesa) têm acesso à BTV e que para ver um jogo teriam que pagar 5 Eur, então teríamos:
100.000 x 5 = 500.000 Eur/jogo. Ora, 15 x 500.000 Eur = 7.500.000Eur!!
Fora Taça de Portugal, Liga Europa, Taça da Liga e Pré-Época.

Sim, eu sei que não seria uma receita fixa. Sim, eu sei que é um exercício demasiado simplista. Sim, eu sei que há outras variáveis a ter em conta, mas apesar de saber que muitos outros exercícios diferentes se poderiam realizar, quanto a mim chegar-se-á sempre à mesma conclusão.

Além disso, e em última instância, prefiro ganhar menos dinheiro do que financiar chulos e corruptos.
Será assim tão descabido seguir esta via?? Ou há falta de vontade? Ou há interesses pessoais atrás disto? Infelizmente é o que parece…

SPORTING

Tenho amigos sportinguistas, e conheço lagartos anti-Benfica. Esta é a separação que faço da “raça” leonina.

Sinceramente, tenho saudades do tempo em que era puto e ia para a escola, no início de cada ano lectivo,  conhecer os novos colegas e de lhes perguntar: “És do Benfica ou do sporting?” Agora, e consequência do “projeto roquette”, infelizmente o ódio que os anti-Benfica verdes nos têm uniu-os aos corruptos e a rivalidade saudável que cheguei a conhecer, e que sinto falta, desapareceu. Foi a grande maioria deles que escolheu essa via. Pois então que vão para o raio que os parta! E se isso significar descerem de divisão (nunca acreditei que isso fosse acontecer, na atual crise deles)… tanto melhor. 

Só tenho pena dos meus amigos sportinguistas, que gostando verdadeiramente do seu clube não são anti-Benfica e abominam a merda que vem em tons de azul e branco tanto quanto eu.

Sinto falta da tal rivalidade saudável…

PORTO

Não os suporto. Odeio tudo aquilo que representam: corrupção, violência, intimidação, arrogância. Abomino o ódio que destilam, e cada vez mais incentivam, em relação ao Benfica. Não suporto ouvir o sarcasmo do velho fedorento. Enoja-me a impunidade que têm e o à-vontade que têm para implementar os seus estratagemas. Sinto asco pelo clube. Sinto pena dos ignorantes que os seguem cegamente e digerem todos os mandamentos do “papa”.

Enfim, eles são para mim o alvo a abater e a fonte de quase todos os problemas que o desporto em Portugal tem. E mais não digo que começo a sentir-me enjoado…



Uma última nota. Para mim as opiniões/críticas que realmente valorizo são as dos sócios do meu clube. Quem não é sócio, não tem moral para criticar. Quem não é sócio, não tem o direito de exigir seja o que for. Quem não é sócio, devia passar a ser antes de abrir a boca… J

Por isso, amigo benfiquista, se queres comentar este post e ainda não és sócio, tens bom remédio:


PS: Não contem comigo para voltar a escrever um post assim tão grande novamente… É demasiado cansativo! LOL



quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

E se Jorge Jesus não renovar?

Avatar
 ●  57 comentários  ● 
O Gordo falou hoje no assunto.

Os nomes que aparecem são mais que muitos.

Michel Preud'Homme, Laudrup, David Moyes, Vítor Paneira, Leonardo Jardim, Rui Vitória, Paulo Fonseca, Lippi, Luciano Spalletti e muitos mais.

Mas as questões que quero trazer são: 
Qual deve ser a única razão pela qual não deve ser renovado o contrato a Jorge Jesus?

Terá Jorge Jesus já algum compromisso com outro clube?

Nota: Alguns têm tido problemas com a caixa de comentários de alguns posts. Eu inclusivé. Penso que o problema tem a ver com o Firefox, pois entrei com o Chrome e tudo funcionou bem. Seja como fôr, estamos a ver o que se passa.

Eh pah calma, isso não é assim!!!!

 ●  4 comentários  ● 

O clássico do dia 13 (parte I)

 ●  9 comentários  ● 


Portugal 15 de Janeiro de 2013



Os jogos ditos “clássicos” com o FCP normalmente dividem-se em 3 partes distintas: 1) antes do jogo, 2) o jogo propriamente dito, 3) o pós jogo...

Na 1ª parte temos a comunicação social evocando um conjunto de dados ou factos que são favoráveis ao FCP, e só ao FCP. Desde “só terem perdido 2 vezes na Luz nos últimos 12 encontros”, ao “Lucho que nunca perdeu na Luz”, às “relações entre quem ganha o clássico e quem é campeão”, etc, regra geral, as noticias escritas ou faladas são sempre enquadradas a favor do FCP.

Na véspera do jogo tive o azar de fazer zaping para a RTP Informação, e só se falava do que o FCP era capaz de jogar, de como os seus jogadores são “isto e aquilo”, das virtudes do esquema de jogo, da força do meio campo, de que cada um sabe bem o papel que tem de desempenhar, etc.... A muito custo lá ouvi também falar do Benfica, mas já estava tão amofinado com aquela “chachada” toda, que nem me lembro do que disseram.

E assim foi durante os últimos dois dias. Felizmente houve Taça da Liga a meio da semana e o impacto dos “mídia” foi dividido com esta competição. Sobraram “apenas” 2 dias para intoxicar a opinião pública e criar um clima subjectivo, de superioridade do FCP.

Nem sei para que estou a dar ênfase e a escrever sobre isto, porque tem sido assim nos últimos 15/20 anos. A questão mais difícil de explicar é porque razão isto acontece e porque razão os “mídia” tratam de forma tão diferenciada o Benfica e o FCP. Porque razão há este interesse em colocar o FCP a “vencer” antes do apito inicial do árbitro?

Não sei, mas do ponto de vista do FCP, terá seguramente começado por ter que ver com questões de afirmação de poder. Um clube da província (como alguns lisboetas gostam de apoucar quem não vive na capital) que luta de forma tenaz contra os poderosos clubes da capital, um clube que tem de impor a “batota” no campo para poder ganhar mais que os outros, um clube assim precisa de manietar a comunicação social para tornar a batota num acto legitimo de resistência. Posteriormente terão percebido que dessa forma, entram em vantagem psicológica no jogo, pois já se percebeu que a capacidade mental de um jogador pode ser muito superior se o seu “ego” for devidamente “municiado” pelas notícias dos “isentos e imparciais” jornalistas.

Quem não gosta e não se sente estimulado por fazer parte de uma equipa vencedora? Uma equipa que ganha mais que as outras? Uma equipa que até nas estatísticas publicadas, comentadas, faladas, é melhor que as outras? Perguntem ao “Izmaylob” que ele explica...

A outra questão que podia interessar, e para a qual também não existe uma explicação simples, é, como é que o FCP alcançou este domínio no plano mediático. Podemos invocar vários argumentos. Um deles é óbvio. Os próprios resultados. Mas estes deviam apresentar-se ao público de várias maneiras, procurando respeitar as partes e a verdade dos factos. E não é isso que vemos. Por exemplo, não se pode dizer que o FCP quando ganha na Luz é campeão, porque isso não é verdade, e porque depende se o jogo é na 1ª ou na 2ª volta.

Não se confirmou quando o FCP ganhou na Luz, 1ª volta, a Trappatoni e o Benfica foi campeão. O FCP ganhou 5 vezes na Luz (nesses 12 anos) mas foi “apenas” 4 vezes campeão. Dessas 5 vezes que ganhou, 3 foram na 2ª volta em que o Benfica leva pontos a menos ou, como no ano passado, apresenta-se com os mesmos pontos. É um Benfica que precisa de pontos, que precisa de encurtar distâncias, que precisa de arriscar. E depois perde em jogos normalmente recheados de casos de arbitragem.

Para além dos resultados há outros factores? Sim, um deles é o poder que o Sr.º Joaquim Oliveira alcançou no mundo da comunicação social, politica e economia, um poder que foi necessário quando Gilberto Madaíl candidatou Portugal à organização do Euro2004. O semanário Expresso diz que o papel de Oliveira, “abrindo uma porta aqui e outra ali” (entendamo-nos: “untando” as mãos de uns e outros), foi determinante para a escolha do nosso país. Ora quem tem este “poder” de influenciar nas comissões da UEFA, mais facilmente terá capacidade de influenciar cá em Portugal, onde por acaso até é dono de uma vasta cadeia de órgãos de comunicação social que têm prevalência sobre quase todos os demais, pelo facto de receberem em exclusivo as imagens dos jogos. As imagens que todos querem.

Ora sendo Joaquim Oliveira accionista de referência das SAD’s de FCP e SCP, que clubes serão privilegiados com esta influência? O Benfica de Vale e Azevedo é que não era seguramente.

Mas que pensará Vieira de mim e das minhas ideias sobre tudo isto?



terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Paga e não bufa!

Avatar
 ●  7 comentários  ● 


O Sporting vai recorrer para o Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol da decisão do Conselho de Disciplina, ontem anunciada, que o condena a pagar 360 mil euros (mais precisamente 359.338 euros) ao Benfica pelos prejuízos provocados no Estádio da Luz no Benfica-Sporting da época passada, jogado a 26 de novembro. O derby terminou com a vitória por encarnada 1-0 e com o incêndio de várias cadeiras na zona destinada aos adeptos do Sporting, protegida, recorde-se, pela polémica caixa de segurança que muitas críticas motivou por parte do leão.




Será que o cheque vem devolvido e ainda temos que suportar as despesas da devolução???


Mais um a provar que há Benfica para além dos blogues

Avatar
 ●  57 comentários  ● 
Sem rodeios há que assumir: Era um jogo decisivo e foram dois pontos perdidos. Bardamerda para a conversa de que eram só três pontos e que na frente continua tudo na mesma. Não, não continua tudo na mesma. Num campeonato fraquíssimo em que dois clubes conseguem completar uma volta de campeonato com apenas 4 pontos perdidos (descontando o jogo entre si), só um tolinho não entende que os 6 pontos em disputa nos confrontos diretos entre Benfica e Porto são absolutamente decisivos. E por sabermos isso, sabemos também todos desde já que estamos obrigados em teoria a ir pelo menos empatar ao Covil do Dragão para manter as contas na mesma.

Ora, como todos sabemos, embora já lá tenhamos conseguido alguns bons resultados, sempre que jogamos naquele Covil, psicologicamente entramos sempre a perder. Aliás, até na Luz entramos já sempre a perder, sempre com um terrível complexo de inferioridade, como se inconscientemente na cabeça dos jogadores haja o pressentimento de que do outro lado está uma locomotiva a larvar carvão e pronta a carregar em cima deles.

E neste aspeto, e desculpem-me aqueles que não perdoam a um Benfiquista um elogio ao adversário mas, nestes jogos a doer, o FCPorto consegue mostrar quase sempre onde está a equipa dos homens e onde está a equipa dos meninos. É nestes jogos que se vê quem assume e quem se esconde do jogo, quem mostra os dentes e quem está com medo de levar uma pazada e fazer dói-dói, sabendo nós que os jogadores oriundos daquele covil jogam sempre na base da intimidação.

Daí, claro, as palavras irritadas de Vítor Pereira sobre Maxi Pereira, porque, de facto, estes tripeiros não estão habituados a ver os adversários jogarem com as mesma armas deles. Porque Maxi Pereira é daqueles que cerra os dentes e não se esconde, nem perde para ninguém em rispidez nem no ímpeto com que disputa cada jogada. Fossem todos assim, porque é aí que o Porto ganha quase sempre, é os jogadores portistas a mostrarem os pítons e os benfiquistas a encolherem-se, não sendo raro chegar ao fim dos jogos e perguntarmos: “Foda-se, mas nós estivemos em campo?”

Explicar este complexo de inferioridade que revelamos quase sempre nestes jogos seria conversa para especialistas mas, tem de estar forçosamente relacionado com três décadas de derrotas copiosas (umas mais justas que outras) e ainda com o sentimento inconsciente de que mesmo dentro do campo, as regras não são iguais para todos.

Nem no campo nem fora dele. Alguma vez o Benfica vai jogar ao Dragão sem pedradas às vidraças da camioneta, sem barulho à porta do hotel ou envolvido em clima de terror desde que entra até que sai daquele estádio? Alguma vez os nossos jogadores se passeiam pelo Porto em tranquilidade como os jogadores do Porto fazem em Lisboa, ou se vê Luís Filipe Vieira a ver o jogo tranquilo no camarote como Pinto da Costa o faz na Luz? Tudo isto são pormenores que explicam muita coisa, e que mostram claramente que para vencer aquela gente não é possível sermos sempre “bons rapazes”, é preciso jogar com as mesmas armas.

Mas sobretudo, é preciso primeiro derrotar estes pequenos estigmas mentais e este medo que o nosso leitor Conde de Vimioso um dia inteligentemente definiu como uma doença do cérebro, para formar uma mentalidade realmente campeã. É preciso os jogadores encherem-se de brio e disporem-se a morrer em campo, e ir de facto com tudo para cima deles! Porque estas manobras paralelas ao jogo que a nós sempre diminui, ao nosso adversário parecem sempre dar-lhe ainda mais força! E isso faz uma diferença de todo o tamanho!

E por isso discordo mais uma vez da análise demasiado simplista do meu colega de blogue Shadows. Porque para ele isto é sempre culpa do treinador. Resume-se tudo a isso. Resume-se à tática, como ele diz, ao 4-4-2, porque era preciso colocar mais um homem no meio campo. Ok, então e entre os 65 minutos e os 90, sem Lima e com Aimar e Carlos Martins em campo, passámos porventura a dominar o jogo?

Isto faz-me lembrar Scolari e o Europeu 2004. Diziam os críticos que foi preciso perder com a Grécia no primeiro jogo para o Brasuca apostar finalmente no meio campo do Mourinho que nos levaria ao Olimpo. Pois bem, e quando perdemos a final com a mesma Grécia, não estava já em campo Maniche, Costinha e Deco?!

É que quando o Shadows refere que Jorge Jesus mostra medo (argumento que não aceito porque mostrar medo era alterar um modelo de jogo consolidado em função do adversário), ou que Jorge Jesus não sabe o que é o Benfica, apetece-me perguntar-lhe em que mundo vive ele. Porque o Shadows, não tenho duvidas nenhumas, viveu tardes gloriosas a assistir a vitórias épicas do nosso clube, vitórias essas que eu, em função da idade, não tive oportunidade de assistir.

Mas esse Benfica não existe mais caro Shadows. Eu acho que tu hoje, e isto sem ofensa, é que não sabes o que é o Benfica. Porque o Benfica de hoje não é o mesmo de há 40 anos, por muito que isso te custe. O Nothingham Forest também foi Bi-Campeão europeu e hoje joga na segunda divisão. A hegemonia do FCPorto não começou com Jorge Jesus caro Shadows. A hegemonia dura há 30 anos!

Se vens explicar com Jorge Jesus os erros individuais que cometemos sempre contra o Porto, as tremideiras do Artur, do Garay, do Roberto ou do David Luís, então caro Shadows, vais continuar a contratar camiões de treinadores sem chegar nunca à raiz do problema. Porque não duvides, vais continuar a perder!

Ou se vais continuar a publicar dois e três posts por dia, a invocar o sistema, os penaltys fantasma sobre o Yebda, os foras de jogo do Maicon, as amarelinhas e os cozinhados da Liga Portuguesa, para depois, quando perdemos (ou não ganhamos) um jogo, esqueces todos esses posts e deixa de haver equipas levadas ao colo e outras que têm de lutar contra toda uma série de coisas, para passar a ser tudo culpa do treinador, mais uma vez, vais continuar a disparar tiros à toa sem acertar nunca no porta-aviões.

Porque o Sporting este ano, por exemplo, também foi capaz de anular o Benfica durante a primeira parte. Mas na segunda já não foi capaz, porque ninguém aguenta correr durante 90 minutos como os lagartos correram nos primeiros 45. Tu é que falas na amarelinha, mas de facto, se aquilo é só preparação física tiro o chapéu à equipa técnica do Porto, porque Fernando, João Moutinho, Lucho e Mangala pareciam toiros possuídos a correr sem o mínimo sinal de desgaste.

Uma palavra final para Matic, que grande jogatana do Sérvio. O tal, que à semelhança de Lima, Olá John, Enzo Péres ou Jardel por exemplo, por aqui foi arrasado bem antes de ter tido oportunidade de mostrar o que valia. Este era o tal que não era 6 nem era 8 e era um erro de casting de todo o tamanho.

Felizmente aí está mais um para provar que ainda há Benfica para além dos blogues. 

ranking