O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


sexta-feira, 14 de outubro de 2011

I Love Sport TV

Avatar
 ●  11 comentários  ● 
Portimonense-0 Benfica-2
Num jogo onde nunca esteve em causa a vitória do Benfica, (dono e senhor do jogo) contra um adversário fechado lá trás com 10 jogadores, e o comentador/narrador da SportTV diz assim:
(minuto 89) - "E o Benfica assim livra-se do prolongamento e dos penaltis"
(minuto 93) - "Parece-me que a vitória já não deve fugir ao Benfica"

SportTV um exemplo de competência, profissionalismo e tudo e tudo...!!

"Benficando" pela Taça de Portugal

 ●  4 comentários  ● 
A Taça de Portugal, aos benfiquistas, é uma prova que diz muito. Em particular, a sua tradicional festa no Jamor! E já por 24 vezes a festa completa. Para nós, ao contrário de outros, essa reunião que acontece no Estádio Nacional traduz em boa parte o que é ser português e o que é ser do Benfica! Um "ajuntamento" de massas, no agradável convívio, alimentado por uma enorme variedade de "comes e bebes", onde estão representadas todas as regiões gastronómicas do nosso país! É quase como que um regresso a Berna, quando os jogadores do Benfica festejaram o título europeu com os adeptos em pleno relvado com vinho tinto e frango frito! E o Benfica é isso mesmo. Para o Benfica, jogar a final da Taça tem que ser um desígnio fortíssimo em cada temporada! E antes do jogo, os jogadores deveriam passar pelo meio da festa que rodeia o Jamor. Se o fizessem, não tenho dúvidas que a motivação e o calor humano lhes ia dar uma força extra para ganhar o "caneco".


Em 92/93, o Benfica esteve presente no jogo decisivo. Adversário: Boavista. Ou "Boavistão". Equipa que no ano antes havia ganho a prova e que era sempre um forte candidato ao jogo decisivo. O Benfica vinha de uma temporada relativamente frustrante e o jogo do Jamor era a chance de brilhar naquele ano. Mas desfecho era uma incógnita... Eis senão quando Vítor Paneira e Águas realizam uma jogada de sonho e... golo! Eu, à frente da TV, vibrava! Mas o melhor ainda estava para vir. O "sócio" Futre, que até tinha feito uma época discreta (excepção feita no jogo frente ao Sporting) abriu o livro e destroçou os axadrezados, que galhardamente lutaram pela Taça! Acaba o jogo com o fantástico 5-2 e começa a 2ª parte da festa! O troféu é nosso. Os adeptos vibram e saltam de contentamento! Schwarz, lembro-me tão bem, passeia-se com o caneco à frente dos adeptos extasiados, quase como que "gozando" com eles por ele ter a Taça e ela ser dele! Mas ao mesmo tempo, nota-se no sueco uma vontade de ir para o meio das massas encarnadas! Sim, a Taça também é vossa parecia querer dizer o nosso jogador! Aliás, Stefan Schwarz foi um dos meus ídolos de meninice! O protótipo do jogador à Benfica! Para além da qualidade, nunca desistia, o jogo tinha mesmo 90 minutos e para lutar até ao fim! Esteve ofuscado dentro do plantel, mas soube ser preserverante até chegar o seu tempo e depois tornou-se num dos nossos mais populares jogadores! Aliás, a comunhão entre ele e os adeptos no final desse jogo mostra bem isso!


Lembro-me de João Pinto dizer, já no balneário, que a Taça parecia andar atrás dele, já que no ano antes a tinha ganho pelos portuenses. Lembro-me de me ter parecido muito mal a intervenção de Paulo Sousa, junto do cacifo, a não querer falar, com aquele ar acabrunhado tipicamente dele, como qua a anunciar a sua traição meses depois. Mancha menor. A festa era nossa...


Antes deste jogo com o Portimonense era bom de se mostrar esta festa aos jogadores para que estes percebam que a Taça de Portugal não é "apenas" um troféu a ganhar, um título. É comunhão com os adeptos! É mais que um título, é um abraço sentido por parte da equipa aos adeptos. O campeonato é uma maratona, daí a sua importância, é uma onde que cresce. A final da Taça é um momento. Em que os jogadores que a ganham se entregam aos adeptos. É imediatamente nossa! É um momento em que parece que não houve momentos menos bons ao longo da temporada... É onde as feridas saram rapidamente! É um momento em que nós, os tais de 6 milhões, também estamos lá sobre a relva!


PS: Gostaria que o SLB, quando jogar fora com equipas que não sejam da 1ª Liga, cedesse totalmente a receita do jogo ao adversário. Nós somos maiores que essas minudências e devemos ser uma força de bem neste futebol e não de estrangulamento. Não sei qual a política que o SLB vai seguir, mas gostaria mesmo que fosse esta! Porque em Portimão há de certo mais benfiquistas que portimonenses, como tal...

Portimonense vs. Benfica

 ●  6 comentários  ● 



Eu iria colocar o Ruben Amorim no lugar do Máxi, que jogou pela sua selecção, mas face á lesão decidi colocar Miguel Vitor na direita, posição que não estranha.

Aimar e Javi Garcia estão lesionados, embora a minha aposta recaisse sempre sobre David Simão para jogar no lugar de Aimar. Para o lugar de Javi, que não fosse a lesão jogaria a titular, coloco o Matic que nos dá garantias de qualidade naquele sector.

Na frente, Rodrigo teria a sua estreia no onze inical ao jogar ao lado de Saviola. Caso Rodrigo aguente os 90 minutos, Nelson Oliveira entraria para o lugar de Saviola. Isto também depende de como estaria a correr o jogo como é óbvio.

Penso que esta equipa nos dá garantias para conseguirmos uma vitória, podemos não ter a melhor nota artistica mas é mais que suficiente para vencer, com o devido respeito pelo Portimonense.

Finalmente, amanhã...

 ●  3 comentários  ● 
Na Gloriosasfera Benfiquista há escribas que, não só escrevem com maestria, como também acertam no tema e na oportunidade. É o caso do ÀBIDOS que nos dá a conhecer a sua visão sobre o jogo de amanhã, com o qual estou certo, todos os Benfiquistas concordarão.
----------------------------------
Alerta
Finalmente, amanhã, após duas semanas, o Benfica regressa à competição. No último jogo, a equipa convenceu... os adeptos ficaram um pouco mais crentes. É possível obter sucesso nesta época desportiva? Sim, até agora os resultados têm sido positivos. Um ou outro empate 'desnecessário', mas a equipa tem demonstrado consistência, qualidade, vontade e crer. Além disso tacticamente o nosso treinador parece estar mais pragmático - o que é muito positivo.

Dito isto, não ganhámos nada. Um ou dois maus resultados, e tudo será posto em causa. Todos os jogos são muito importantes, independentemente da competição. Os abutres estão impacientemente à espera!!!

Assim, é necessário manter, a concentração total. Não podemos baixar a guarda. Todos os jogos são finais. Amanhã em Portimão será mais um jogo decisivo no sucesso da época, na Taça de Portugal, mas também no Campeonato - uma onda negativa, contamina todas as competições. Logo de seguida, os jogos com o Basileia podem decidir o nosso sucesso na Champions...

Rotação no máximo, ambição total... e é preciso evitar a euforia. Por outro lado é obrigatório manter o apoio incondicional e apaixonado à equipa, como aconteceu naqueles minutos finais do jogo com o Paços...

por abidos em INDEFECTÍVEL

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Inequivocamente II

 ●  21 comentários  ● 
Portugal, 13 de Outubro de 2011

Através de uma declaração formal na inauguração de uma Casa do Benfica, o Sr.º Vieira anunciou ao mundo benfiquista que “o Benfica apoia inequivocamente o Dr.º Fernando Gomes à Presidência da FPF”. Esta declaração gerou uma onda de comentários desfavoráveis, em particular na blogosfera, pela incompreensão da estratégia que lhe está subjacente.

Como referi no texto anterior, tudo isto só pode surpreender quem acreditou que as eleições de 2000 vinham colocar o Benfica no trilho do sucesso, fosse desportivo, fosse económico. Quem analisou essa campanha eleitoral ao pormenor, percebeu desde logo que a alternativa que desafiou, com sucesso, a recandidatura de Vale e Azevedo, era uma mão cheia de incertezas. Porque a maior parte dos vectores principais da campanha eram incongruentes com as acusação que se fizeram a quem durante 3 anos, tentou fazer o melhor que pôde, depois dos desastrosos e ruinosos 4 anos e meio da gestão de Manuel Damásio.

Adiante. Ao fim de 5 meses o Dr.º Manuel Vilarinho, o tal que ia “ensinar futebol” a Vale e Azevedo, admitia a derrota e convidava o Sr.º Filipe Vieira para gestor do Futebol. O descalabro desportivo tinha vindo para ficar ...

A minha dúvida sobre esta fase da vida do SL Benfica resume-se a isto: será que o Sr.º Vieira já estaria destinado a ser presidente do Benfica, quando Manuel Vilarinho se candidatou, ou se o Sr.º Vieira foi candidato a Presidente porque foi escolhido, ao acaso, Gestor do Futebol? Dadas as ligações que posteriormente se vieram a conhecer, do Sr.º Vieira ao BES (através da sua empresa de construção) e ao Sr.º Joaquim Oliveira (através da SAD do Alverca), começo a pensar que o Sr.º Vieira já estava destinado a ser Presidente do Benfica do BES, da PT e da Olivedesportos. Ou seja, nesta hipótese o Dr.º Manuel Vilarinho foi um cavalo de Tróia que trouxe no seu interior, tudo aquilo que hoje domina e condiciona a liberdade económica e desportiva do Benfica!

Foi assim que o ex - Presidente do Alverca e ex-sócio de FCP e SCP, chegou à Presidência do Benfica: com apoio de muita gente de dentro e de fora do Benfica, sendo que os de dentro fazem parte daquele grupo de românticos que continuam a pensar que é possível regressar ao élan dos anos 60, e os de fora que habilidosamente alimentam o ego dos românticos, a troco do controlo dos interesses económicos e rumo desportivo do Benfica. O Sr.º Vieira é a figura que aglutina todas estas vontades! Todos estes interesses!

Poderia o Sr.º Vieira conquistar a confiança dos benfiquistas mais dados a pensar no futuro do Clube e menos dados a ir na onda do marketing e propaganda que acompanhou a sua chegada? Acho que sim, se os actos de gestão demonstrassem sagacidade, visão, humildade, pureza e amor ao clube!

Mas aconteceu o que eu esperava. O oportunismo instalou-se, a estratégia desapareceu ou era ininteligível, o clube rendeu-se aos preconceitos instalados na comunicação social e o 6º lugar já vinha a caminho.

Primeiro erro de Vieira: associar a equipa de futebol do Benfica a uma equipa de Vale e Azevedo. Isto foi premeditado e abriu portas para fazer desaparecer muitos jogadores de qualidade que foram ter sucesso noutras paragens. A que preço fosse!

Van Hooijdonk foi vendido por 240 mil contos, meses depois de ter custado 1,2 milhões de contos! Marchena dizem-me que foi vendido por 1 milhão de contos. Maniche, Poborsky, Ronaldo, Kandaurov, Calado, tudo saiu de borla. João Tomás vendido por, dizem, 800 mil contos. Convenhamos que na situação difícil que o Benfica se encontrava, foi preciso muita falta de amor ao clube para optar pelo caminho da total renovação do plantel, vendendo ao desbarato para eliminar Vale e Azevedo dos tais sucessos que acreditavam que iam ser alcançados.

Os jogadores em questão vieram a brilhar noutros clubes: Van Hooijdonk foi campeão da Taça UEFA pelo Feynoord, taça nunca ganha pelo Benfica! Marchena foi campeão espanhol, da Taça UEFA e Supertaça Europeia, finalista derrotado na Champions, onde o Benfica ainda nunca esteve no actual modelo. Ronaldo foi campeão pelo Fenerbahce. Maniche ganhou tudo no FCP. Poborsky jogou ao mais alto nível mais uma meia dúzia de anos.

O tempo encarrega-se de colocar as coisas no seu sítio. Inequivocamente! (cont)

A Piada da Semana - Carvalhal

Avatar
 ●  9 comentários  ● 
«O Quaresma significará na Turquia, o mesmo que o Maradona quando chega a Argentina!»
Carlos Carvalhal na RTP (sem se rir!)


LOOL... o mesmo brincalhão de sempre!

"Benficando" em 1994

 ●  16 comentários  ● 
Ontem, a Benfica TV transmitiu um programa especial sobre o jogo Leverkusen x Benfica de 1994 para a Taça das Taças. Antes de mais, dizer que isto sim, é serviço público aos benfiquistas! Para os mais velhos que nos lembramos desse jogo, para os novos serve para verem como era o Benfica europeu. Schwarz, Abel Xavier, Vítor Paneira (entrevistado no pós jogo por Miguel Pratas), Abel Silva e Paulo Madeira relembraram esses fabulosos 90 minutos. Foi bom rever aquelas imagens e para além da enorme qualidade de dos intérpretes (João Pinto, Kulkov, Yuran, Paneira, Rui Costa, Isaias e Schwarz), aquele Benfica era solidário! Era feito da raça que tornou o nosso clube famoso. Eram um grupo de jogadores que sabia do seu valor e não vergava. Apesar de ter sido fustigado por problemas laterais (as deserções de Paulo Sousa e Pacheco, entre outras questões), foi uma equipa notável, comandada com mestria por Toni, que soube gerir as emoções e a raça daquela gente. Mais que treinador, foi um pai. Anos depois, quando Vilarinho fez regressar Toni, de certeza que a ideia era a mesma, mas o futebol, o Benfica e a tipologia dos jogadores eram outros... E era de um Benfica assim que falei há uns tópicos atrás. Com esta gana, esta solidariedade... Com esta qualidade e sobretudo com este querer constante que, "against all odds", nos deu o título de campeão nesse ano!

Off topic: Diz o Record que Eduardo quer sair. Verdade ou mentira, não sei, mas sei que não me espanta essa posição do guardião. Aliás, nem sei porque o Benfica o contratou... Não se percebeu mesmo!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Acabe-se a selecção do Jorge Mendes, siga o Benfica.

 ●  6 comentários  ● 
Na próxima 6ª-feira o SLB joga em Portimão a 1ª etapa do percurso para o Jamor. E o destino tem mesm0 que ser este. Obviamente, que todos nós queremos a Liga. Porém, desde 2004 que não vencemos a Taça de Portugal, como tal desejo ardentemente a vitória nessa final! Aliás, definiria que a prioridade deste ano deveria ser a "dobradinha".

Como disse, a Taça é 50% da prioridade este ano e como tal não podemos "brincar"! A questão da rotação, que tanta celeuma levanta, só pode ser interpretada de uma maneira, creio: Os jogadores do plantel principal do Sport Lisboa e Benfica todos eles devem estar aptos a qualquer momento a entrar no 11. Todos sabem que existem titulares indiscutíveis, porém isso não deve toldar a oportunidade que deve ser dada a outros jogadores mais discutíveis, em certos momentos competitivos, contra certos adversários. Tudo para que o titular do lugar não chegue a Março completamente "roto". E também para manter viva a chama da competitividade dentro do plantel! E já agora, para que caso aconteça algum azar, o habitual suplente está pronto a cumprir sem que equipa se ressinta demasiado!

Assim, em Portimão será normal existirem mexidas! E será aconselhável também para manter os habituais suplentes prontos para "a guerra"! E motivados. Agora... há o reverso da medalha! Ao contrário do que se possa pensar, o Portimonense é um adversário que merece atenção redobrada. Era primodivisionário na temporada passada e está em recuperação na II Liga. Mas isso não pode ser impeditivo das tais mexidas, pois os nossos suplentes terão de OBRIGATORIAMENTE chegar para uma equipa da II Liga, pois só assim teremos uma estrutura para sermos campeões! Também me parece claro que não podem ser mudados os 11 jogadores! Luisão, por exemplo, terá de jogar. Não teve selecção e é o comandante da equipa.

E que mexidas serão essas? Gostaria de ver Bruno César no meio. A sua velocidade, tipo motor a diesel, bem como a sua habilidade na condução da bola, procurando ou linhas de passe ou um "balázio" de meia distância teriam lugar para este jogo, para verificarmos se Aimar pode "dormir" descansado. Quero ver Capdevilla. E gostaria de ter Miguel Vítor ao lado de Luisão. E já agora, a propósito da conversa que JJ vai ter com ele, quero Rúben Amorim a titular para ele se mostrar ao técnico! E no final, conversem de novo, para ver quem tinha razão!

E siga a festa da Taça!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Alguns considerandos rápidos sobre a "Selecção"

 ●  38 comentários  ● 
- Não gosto da selecção portuguesa! Esta simboliza em pleno o pior que há no futebol português, onde o compadrio dos chulos que gravitam na FPF se manifesta! Que se permite claramente a ser conivente com um presidente cujo clube foi condenado na justiça desportiva. Porque é um espaço de promoção de meia dúzia de jogadores medianos! Porque tem um presidente e um vice que cada vez que abrem a boca é para explanar a sua parvoíce e falta de categoria! Porque é um antro onde as responsabilidades morrem solteiras, onde ninguém sabe/explica nada! Onde os erros (Carlos Queirozs) são resolvidos com fugas para a frente.
- Por falar em mediania, Rolando! Só mesmo no campeonato português é que este vulgar central pode ser considerado como um jogador de categoria! Só mesmo com a protecção habitual é que este cabo- verdiano pode ser titular num candidato ao título! O mesmo serve para Bruno Alves, embora em menor medida! Quem poderia jogar? A mim parece-me que até Tonel é melhor que Rolando... Porém, a entrada no grupo FPF não é para todos!
- Eliseu voltou à sua condição de anónimo... E mostrou o que é! Depois de dias de histerismo à sua volta, onde até JJ foi falado, onde até comentadores houve que afirmaram que seria uma boa hipótese avançar Coentrão para Eliseu jogar, vemos que este Eliseu nem um mediano médio é!
- Também não gosto da Selecção porque uma equipa que tem Cristiano a capitão não é uma equipa, é um bando! Alguém que não dá o exemplo e não se aplica não pode ser capitão! Ter o "melhor" jogador a capitão só porque é o melhor é de equipa pequena, vulgar! À medida de Portugal, portanto...
- Nani, que vive com a sombra de CR, aplica-se! Mesmo que as coisas não saiam bem, ele não se esconde!
- João Moutinho jogou? Estranho como os craques do CRAC se apagam totalmente pela selecção...

O Sr.º Joaquim - parte II

 ●  7 comentários  ● 
(os comentários entre parêntesis e itálico, são da minha autoria e não visam desvirtuar o conteúdo do texto escrito por Jorge Fiel em 25 de Março de 2005)

Em 1984, deitou para trás das costas o cheiro a fritos e assados, passando a dedicar-se à exploração da publicidade nos estádios. Nascia a Olivedesportos, com o capital dividido em partes iguais pelos dois irmãos de Penafiel, a empresa que organizou, profissionalizou e ajudou a revolucionar os negócios do futebol no nosso país (com os empresários de Lisboa a “dormir”, temos de saudar o lado positivo desta revolução “made in” Porto: um aumento de receitas para os clubes, obtida de forma organizada, através da negociação dos direitos televisivos).

Antes dos Oliveiras, a publicidade à volta dos campos era uma actividade amadora. Como a soma das receitas conseguidas com a bilheteira e as quotas dos sócios nunca chegavam para fazer face às despesas, os dirigentes dos clubes pediam ajuda aos empresários da terra, oferecendo-lhes em troca espaço nos painéis publicitários.

A Olivedesportos arrancou com as concessões do Chaves (por isso a SIC foi impedida de filmar os resumos que legalmente tinha direito, com a conivência do Major Valentim Loureiro, Persidente da Liga na altura) e do Sporting (como se vê, o SCP pertence ao grupo desde o seu inicio) mas rapidamente cresceu. Dez anos depois já controlava a publicidade estática de 14 dos 18 clubes da primeira divisão (por essa altura aconteceu algo “insólito”. Desceram de divisão Leiria, Tirsense e Estoril, os únicos 3 clubes que ainda não tinham contratos com a Olivedesportos. Não foi coincidência). No início, dedicou-se à compra e venda de jogadores, actividade em que se estreou em 1984 importando os paraguaios Alonso e Cabral para o Rio Ave. Chegou a criar uma sociedade para este negócio, a Futinvest, que tinha como director-executivo José Veiga, antigo presidente da Casa do FC Porto no Luxemburgo, que à época vivia nas boas graças de Pinto da Costa. Posteriormente abandonou esta área de negócio, passando a empresa a Veiga.

A opção era clara. Tratava-se de focalizar a actividade do grupo na exploração da publicidade estática e das transmissões televisivas, negócios que implicavam estar de bem com os clubes a quem compravam os direitos. E as compras e vendas de jogadores podiam introduzir um ruído desnecessário num negócio que deslizava sobre rodas.

Em 1985, intermediou a sua primeira transmissão televisiva de um jogo de futebol (Checoslováquia - Portugal). No ano seguinte, foi visto em Saltillo a carregar painéis de publicidade e a dirigir a sua colocação à volta dos campos em que a selecção portuguesa disputou os três jogos no Mundial do México. Com a sua facilidade em fazer amigos e influenciar as pessoas, o negócio prosperava até ser sacudido pelo sobressalto do nascimento da televisão privada.

O aparecimento da SIC e a vitória de Vale e Azevedo nas eleições do Benfica ameaçaram seriamente o equilíbrio ecológico em que medrava o negócio dos irmãos Oliveira (nessas eleições obviamente terá apoiado a lista do Prof.º Tadeu, continuidade da gestão de Manuel Damásio). O novo canal privado escolheu o futebol para levar os portugueses a sintonizarem o canal 3 nos seus aparelhos, o que agitou o doce e reservado mundo das transmissões, até aqui reserva de caça exclusiva da Olivedesportos.

A SIC abriu as hostilidades, quebrando o monopólio ao pagar 400 mil contos (a preços de 1997, imagine-se quanto ganhava a Olivedesportos) por três jogos (Porto-Benfica, Sporting-Benfica e Sporting-Porto). Seguiu-se o ataque de Vale e Azevedo que mal chegou à presidência do Benfica rasgou os contratos (isto já foi explicado vezes sem conta: declarou nulos os contratos, rasgar foi o que fez Vilarinho com a SIC em 2001) que o seu antecessor Manuel Damásio tinha assinado com a Olivedesportos, e negociou com a SIC direitos de transmissão televisiva pelos quais o seu clube já recebera (é correcto: o Sr.º Manuel Damásio tinha recebido 2 milhões de contos de avanço por um contrato que só se iniciava em 1999. Quando JVA chegou à Presidência do Benfica, não havia dinheiro nas contas. Por conta desse adiantamento, a Olivedesportos entrou na Benfica Multimédia através da Sportinvest, com 49% do capital).

No entretanto o “Record” dirigido pela dupla Cartaxana/Marcelino era a ponta de lança da campanha contra uma Olivedesportos acusada de, em coligação com o FC Porto, controlar o futebol com recurso a meios duvidosos (na altura já era assim, agora é pior desde que esta Direcção do Benfica foi eleita!)

Lá vão eles dizer que as gravações são ilegais!!

Avatar
 ●  36 comentários  ● 

Ministério Público pede 3 anos de prisão para Hulk.. (Tá bem abelha!)

Já agora, recordemos as palavras de Octávio Machado na altura dos acontecimentos: «Mas foi alguém do Benfica ou algum Stewart que foi buscar o Hulk ao balneário, para vir fazer aquilo? Não, ninguém! Deviam era ter agarrado no Hulk, levá-lo para dentro do balneário e dizer-lhe: Cala-te que levas dois estalos, já estragaste isto tudo, devias era jogar mais.»

obrigado ao JJD

Do futebol e do Benfica

 ●  14 comentários  ● 
Gosto de ler a página de Luís Freitas Lobo n' A Bola! Fala de nuances tácticas das várias equipas, dos vários campeonatos. Fala de jogadores, uns já experientes, outros à beira da revelação. Fala também de decepções, como Vonlanthen, que há 3/4 anos atrás era dos mais promissores jogadores suiços e europeus e hoje joga na... Colômbia! Gosto também do canal ESPN Classic, quando mostra as lendas da Premier League ou os golos de Thierry Henry e Alan Shearer. E gosto de folhear as páginas da história do SLB. Mas também dos outros "grandes" do futebol português. E gosto de acompanhar as Ligas Inglesa e Espanhola, a 1ª e 2ª. Porquê? Porque me retiram deste mundinho sujo que é o actual futebol português. E não se pense que o Benfica está inocente. Não, nada disso! Apenas acontece que o Benfica tem sido mais expoliado que o CRAC e não tem pugnado como deveria para limpeza deste futebol.

Calma, antes que me chamem anti-Benfica ou anti-Vieira, calma! Para já, LFV NÃO é o Benfica! Para o bem e para o mal! Não gosto do actual presidente que tenho e creio que este não tem servido o Benfica conveniente e inequivocamente (no pun intended). O facto de nos últimos 25 anos termos assistido a uma imparável ascenção do CRAC, à custa de uma justiça duvidosa e arranjos desportivos, só prova que o SLB não se tem defendido desse agora gigante polvo. Agora e antes de LFV. O problema com este presidente é que ele detém 10 anos de mandato. Só isso...

Mas calma novamente... Quando falo de pugnar pelo futebol é no campo! O rigor do futebol jogado! Pontos prévios: sou um defensor de JJ, embora tenha muitas vezes dificuldades em perceber as suas opções! Todos temos, atenção! Colocar David Luiz na esquerda, não ter alas e dispensar Urreta, enfim, são várias! Sou defensor do "Seixal", mas sei que um júnior não pode entrar nos AA a qualquer preço. Pugnar pelo futebol é pugnar por... Derlis Gonzalez. Honestamente, não sei quem é! Mas eu deveria ter a certeza, como adepto, que o SLB foi rigoroso na contratação deste jovem! E que em Portugal não existe ninguém mais talentoso! E deveria ter a certeza que este rapaz vai ser trabalhado convenientemente para chegar à equipa A, daqui por 2/3 anos! Que a estrutura técnica do futebol do SLB não depende de pessoas, mas sim de um ideal: servir o Benfica, fortalecendo-o! Seria bom que Derlis não fosse um Kaz Patafta, um Stoijanovic ou o chinês. Todos anunciados com pompa, mas que depois completam o ciclo natural de vida de um jovem no SLB. Se Derlis é parecido a Di Maria e se tem esse talento, espero que para o ano não se contrate um argentino de 19 anos para a mesma posição.

Pugnar pelo futebol seria o Benfica não contratar para a equipa principal mais que dois/três jogadores por ano. E o resto vir do futebol jovem e dos empréstimos.

O que gostava mesmo era de olhar para o 11 titular e ter lá dois ou três jogadores em que nos revissemos, porque estão no SLB desde 12/13 anos! Por isso, é que gostávamos do Moreira. O Moreira éramos nós! E por isso me irrita solenemente ver gente a apelidar alguns benfiquistas de "moreiristas"! O guardião, bom ou mau, era do Benfica e era o Benfica! Por isso, é que muitos gostavam dele! Eu gostava! Porque simbolizava mais do que o jogador em si! Era aquele percurso de vida. Quem não gostava e concordou com a saída é benfiquista à mesma, mas se calhar é de outro tipo. Mais moderno talvez...

É deste futebol e deste Benfica que eu gostaria. Só no campo! De poder assobiar o treinador porque o Benfica perdeu o campeonato, com a certeza absoluta de que ele é o único culpado do fracasso! De ver um percurso recto na formação do plantel, com jogadores que vão ficar para eternidade. Não só porque "pintavam a manta", mas porque foram símbolos do SLB. Porque estiveram cá anos a fio connosco, sem que ninguém reclamasse com eles ao primeiro erro! Um Benfica português! Mas português de qualidade e não porque sim! E que pelo meio, tivesse 3 ou 4 estrangeiros que fosse absolutamente divinais e que fizessem a diferença. E que nós, o comum adepto, andassemos com a camisola deles rumo ao estádio ou com seu o nome na ponta da língua em cada conversa de café!

PS: a propósito deste texto, há uns meses li um texto que indagava pelos "bad boys" do futebol! Os Stoitchkov's, os Cantona's e afins. Esses jogadores que não eram exemplo para ninguém, mas que davam aquele colorido ao jogo! Génios e loucos! Hoje, todos fazem anúncios televisivos e são embaixadores da Unicef. É óbvio que os futebolistas devem ser o exemplo! Mas... os "números" que Stoitchkov fazia, a sobranceria de Cantona ou as loucuras de Di Canio davam uma corzinha extra ao jogo!

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

No Benfica exige-se o dobro e desculpa-se metade

Avatar
 ●  19 comentários  ● 
No Benfica é sempre assim: jogadores e treinadores vivem sempre, ora à beira do céu ora à beira da morte. Não há meio termo. Ou são já estrelas (ainda que fictícias) pelas quais se degladeiam os colossos europeus a custo de 30 milhões por cada perna; ou são coxos à beira do desemprego, resultado de olheiros incompetentes, comissões e dinheiro mal explicado.

Esta última semana por exemplo, foi uma tristeza completa. Um jogozito da selecção contra uma equipa de carteiros, e agora um jogozito de Taça que nem aquece nem arrefece. Falar do quê? Até mesmo neste blogue houve assim um género de bloqueio: "de que falar agora que não há nada de que falar?" Felizmente lá houve o célebre apoio do Benfica a Fernando Gomes para incendiar as hostes e ressuscitar fantasmas antigos.

Mas tirando os velhos fantasmas, aí temos três jornais diários ávidos de notícias e também com pouco ou nada para escrever, e é nessas semanas que eu fico de facto preocupado, porque sei que vai sair merda seguramente, e sempre para o mesmo lado.

Ora ai estão então as grandes primeiras páginas dos pasquins lançadas à estampa, desta vez com os protagonistas Nolito e Gaitan, os quais, diria qualquer um que se limitasse a ler os jornais e se esquecesse de ver os jogos, estavam ali dois craques ao nível, e se calhar até um bocadinho acima, de Messi e de David Villa.

A categoria de ambos é de facto indesmentível. Já todos perceberam que Gaitan tem um pé esquerdo magnifico, capaz de resolver jogos e levantar o estádio num lance de génio mas, também é indesmentível que tem ainda muito que melhorar, nomeadamente aprender a estar mais tempo "dentro do jogo" e a ser decisivo mais vezes e em maiores períodos de tempo.

Muito se tem discutido aqui a posição certa de Gaitan mas, talvez Gaitan seja um desses raros jogadores sem posição fixa no terreno... Acho Gaitan um sósia de Nasri em termos futebolísticos... Parecidíssimos em termos técnicos e tácticos, mesmo Nasri reclamava que não gostava de jogar nas pontas mas não há nenhum treinador que o ponha a jogar no meio, e até mesmo Nasri teve de evoluir com Arséne Wenger para se tornar no super-jogador que é hoje.

De Nolito, já sei, marca golos que se farta, dá tudo em campo, é exuberante mas, é também irregular e sobretudo previsível, sendo a jogada quase sempre a mesma. Não me interpretem mal. Nolito tem qualidade, tem enorme potencial e foi um autentico achado tendo em conta que chegou a custo zero. Mas também já todos percebemos que este Nolito AINDA não tem qualquer hipótese de jogar no Barcelona nem provavelmente em nenhuma outra equipa de topo.

Poderá lá chegar? Sim, poderá mas, também é preciso que haja humildade e que as capas dos jornais não lhes subam à cabeça. São capas de jornais que em nada beneficiam os jogadores, são um cancro porque influenciam erradamente a opinião pública, fomentam falsos egos e acabam por colocar pressão extra nos treinadores.

Essa pressão é natural? Talvez sim mas, seria bom que essa pressão existisse em todos os clubes. Porque eu andei um ano inteiro a levar com capas de jornais venenosas sobre o Roberto, e o que sei é que hoje Roberto voltou a brilhar em Saragoça, e entretanto nunca vi jornais a martelar consecutivamente no Pongolle ou no Walter ou no Sousa que custaram mais de 6 milhões cada um e não jogaram. E já para não falar dos craques sub20 portistas pagos a peso de ouro para irem para o Dragão ser suplentes do Sapunaru. Até entendo (e concordo) que seja preciso dar tempo aos jogadores mas, caramba, se fosse no Benfica a pagar 8 milhões por um jogador que não jogasse, ou se matava Vieira, ou se matava o Jesus ou se matava o jogador.

Ao Benfica exige-se o dobro e desculpa-se metade. Por muito menos merda do que o Rolando fez no último jogo da selecção, o Ricardo Rocha e o Quim nunca mais jogaram por Portugal, e a imprensa claro, ajudou a matar. O Rolando não, esse há-de por lá andar até que o Pinto da Costa enfie o barrete a alguém e o venda por 30 milhões. Fosse o Benfica a não pagar o Witsel imaginem o estardalhaço que seria? Ainda se lembram do caso Júlio César? Como é o Porto, bardamerda, ninguém fala em nada e é deixar andar.

Dito isto, ah e tal, e já sei que muitos irão concordar com isto tudo mas, raios parta que nós (ou a grande maioria de adeptos) somos exactamente iguais. Até entre nós, ao fim de um ou dois jogos, os jogadores e os treinadores já estão à beira do céu ou à beira da morte. O ano passado matámos (ou ajudámos a matar) Roberto ao segundo ou terceiro jogo, e este ano, ao segundo jogo Matic já era dispensável, e o Bruno César já era gordo, lento e lembrava o Roger, e estava claramente a mais.

Infelizmente nós Benfiquistas alinhamos quase sempre no pagode e vamos atrás do que a imprensa diz. Elevamos e matamos os jogadores com uma facilidade imensa, e tiramos conclusões ao fim de duas ou três corridas ou duas ou três jogadas. Ainda neste Verão aqui se escreveu neste blogue sobre a necessidade de dar tempo aos jogadores novos de se integrarem convenientemente, porque isto às vezes não é chegar, ver e vencer.

Até aí todos de acordo mas, logo a seguir, os mesmos que pediam tempo para os reforços eram os mesmos que pretendiam dispensar Aimar e Saviola, para dar lugar ao tal Bruno César ou ao Nolito, ou ao Rodrigo ou ao Gaitan. Lá estava de volta o mesmo pecado de sempre, contratar jogadores para os lançar à fogueira ao fim de três treinos, e rezar para que tudo corresse pelo melhor.

Obrigado Jorge Jesus por não teres ido na conversa, por teres mantido os argentinos que permitem aos Brunos Césares, aos Nolitos e aos Rodrigos crescerem na sua sombra e sem grandes pressão. No Benfica tal não acontecia há muitos anos. No Benfica há muito que os reforços não tinham de lutar pelos lugares. Era chegar para se ser titular e encher capas de jornais que os elegia imediatamente como os novos heróis. Claro está que era um sucesso quase sempre frágil e fabricado, um sucesso estilo Sabry, e na próxima janela de transferências lá iam os pseudo-craques devolvidos à procedência com o rótulo de "falhados".

E é isto precisamente que eu não queria que acontecesse nem com Nolito nem com Gaitan, porque o potencial está todo lá e podem chegar ainda mais longe mas, era importante que quem trabalha com eles os fizesse regressar à terra e lhes dissesse que ainda não são aquilo que os jornais dizem que são.

Percebo, claro, o papel da imprensa, e sei que por exemplo, que à semelhança de Roberto o ano passado, os jornais em Inglaterra também não têm dado descanso a De Gea cujas exibições pelo United têm deixado muito a desejar. Percebo claramente a necessidade da imprensa em criar mártires e heróis mas, de uma coisa não tenho dúvidas: O Benfica sempre foi um alvo fácil e os jogadores do FCPorto sempre foram MUITÍSSIMOS mais protegidos. A imprensa é assim: capaz de levar ao colo uma equipa de moribundos rumo ao título, como é também capaz de destruir uma grande equipa. Como resistir a tudo isto? Essa é a questão.

O Sr.º Joaquim - parte I

 ●  6 comentários  ● 
Uma das minhas intenções principais aqui no blogue, é perceber como é que o Benfica evoluiu nos últimos 14 anos, quais os amigos e os inimigos do clube, e como estes foram mudando de campo ou condicionaram o poder democrático dos sócios do Benfica e por tabela, como condicionaram a gestão do clube que ainda hoje se repercute na perda do domínio futebolístico. A publicação da seguinte colecção de textos, visa tentar perceber alguma coisa desta problemática vasta e complexa. Os comentários que apareçam entre parêntesis e itálico, são da minha autoria e não pretendem desvirtuar o texto original.
O texto que se segue tem como objectivo ajudar a perceber como é que um modesto fiel de armazém de Penafiel se transformou num dos homens mais poderosos do nosso país. (Jorge Fiel, Expresso, 25 de Março de 2005).
Joaquim Oliveira começou a vida a cozinhar, lavar pratos e a servir à mesa na Pensão Roseirinha, em Penafiel. Foi a fazer amigos e influenciar as pessoas que se transformou num magnata do futebol e da Comunicação Social.
Nasceu em Penafiel, a 12 de Fevereiro de 1947, filho de Dona Lucinda, proprietária da Pensão Roseirinha, desprovido de qualquer jeito para o futebol - ao invés do que aconteceria com o seu irmão mais novo, António, que se revelou um predestinado. A prenda dele era outra. Trazia como equipamento de origem aquele sexto sentido que lhe permite adivinhar de que lado do pão está a manteiga.
No restaurante da mãe, cozinhava, servia à mesa e lavava pratos. Foi fiel de armazém antes de a tropa o levar para o Norte de Angola. Gostou dos ares da antiga colónia, onde regressou depois de regressar à vida civil. Tinha 23 anos e já era um popular comerciante de Luanda, dono de uma cervejaria e sapatarias, cómoda situação que teve de abandonar, num apressado retorno à metrópole, quando os três movimentos de libertação de Angola se envolveram numa sangrenta e prolongada guerra civil.
De volta ao Porto, o irmão deu-lhe uma mão, ajuda que ele mais tarde retribuiria, com juros, dando-lhe as duas. Vagabundeou por vários comércios – geriu um bar de “strip-tease” no Porto e uma charcutaria em Lisboa - até se instalar em definitivo na capital e deitar âncora nos negócios do futebol, fundando a Olivedesportos em 1984, a meias com o irmão.
Vinte anos depois é rico (os clubes e SAD’s não), poderoso e tem os vícios correspondentes. Fuma dois ou três charutos cubanos por dia e bebe uísque Old Parr. Habita com a mulher, Irene, uma moradia em Bicesse, que tem as paredes decoradas com uma selecção ecléctica de nomes seguros da arte contemporânea portuguesa (Vieira da Silva, Medina e Pomar). O irmão, António, é obcecado por pintura, sendo o maior coleccionador privado de obras de Júlio Resende. Ele prefere os relógios, de todos os feitios, caros e baratos. É coleccionador compulsivo - tem-nos às centenas.
A não ser que tenha um pequeno-almoço madrugador marcado para as sete da manhã, no Tivoli, com o amigo e banqueiro Ricardo Salgado (presidente do BES) prefere deixar passar a hora de ponta na A5 antes de se aventurar em guiar para o escritório nas Laranjeiras, junto à Loja do Cidadão.
A sua maior especialidade é fazer amigos e cultivar relações, artes em que é um verdadeiro mestre, como se prova pelo facto de ter reunido Santana Lopes e José Sócrates em sua casa, quando fez 57 anos. Mal reparou que o golfe era um desporto magnífico para cultivar relações, não hesitou um segundo em comprar lições e encomendar um saco.
A relação estreita de amizade que mantém com o actual (isto foi escrito em 2005) primeiro-ministro remonta ao tempo em que Sócrates foi encarregado por Guterres da campanha para trazer o Euro 2004 para Portugal. Joaquim, cuja rede de influências no domínio do futebol não conhece fronteiras (o que também explica parcialmente o sucesso do FCP lá fora), deu uma preciosa ajuda nos bastidores, abrindo uma porta aqui, desbloqueando um apoio acolá, numa acção decisiva para a vitória final (os apoios pagam-se e neste caso o Sr.º Joaquim apareceu como “financiador” privado do processo. Não foi por acaso que estava ao lado de Madaíl quando a UEFA tornou pública a decisão de escolher Portugal para organizar o Euro2004 e que a decisão de comprar o grupo Lusomundo foi aprovada sem grandes polémicas, apesar da concentração de meios de comunicação social num só grupo económico). Sócrates não esquecerá nunca esses favores. (continua)

A HORA É DE UNIÃO !!!!

 ●  4 comentários  ● 
António Barreto (não o politólogo) um Benfiquista de gema que faz o favor de nos honrar com as sua visitas, faz normalmente comentários de elevada qualidade, versando temas com muito a propósito. Porque este é actual e trata de  um assunto que nos DÓI a todos, achei oportuno publicá-lo.

É através do universo Oliveira que o FCP, alegadamente, controla todo o futebol, graças, sobretudo, às suas ligações com a alta finança, certas elites políticas e à comunicação social. O futebol Português e o desporto em geral representam um dos paradoxos mais sórdidos desta moribunda terceira República. Alcançada a tão desejada liberdade política, estabeleceu-se paulatinamente, no desporto em geral e no futebol em particular, com a cumplicidade de muitos, a ditadura portista, a título de compensação pelos falsos danos do Estado Novo, da promoção da regionalização e da afirmação interna e externa da “nova ordem democrática”. É esta a “arma” do FCP que Pinto da Costa tem sabido explorar com mestria, alimentando a sua alegada sociopatia, graças ao oportunismo de uns e à cobardia de outros e lhe tem permitido subjugar quase todos os clubes. O lobby portista, como um cancro, contaminou demasiadas estruturas locais, nacionais e políticas, com a agravante da militância ativa desde o arrumador de carros ao magistrado, ou ex-ministro. E é esta a fragilidade do nosso Benfica; somos muitos, mas desunidos e não militantes. Seja na vitória seja na derrota! E não temos dimensão política. A chave da viragem reside na capacidade de nos unirmos. De percebermos, apesar de todas as diferenças entre nós, o que temos em comum, abandonando discussões patetas que apenas servem a terceiros. Eliminar a dependência do grupo Oliveira é um passo decisivo que tem de ser dado, custe o que custar. E parece possível graças aos poderosos aliados que se perfilam no processo. Por isso também assinei a petição esperando um desfecho favorável. Viva o Benfica carago!!!ANTÓNIO BARRETO

domingo, 9 de outubro de 2011

Excelente Iniciativa

Avatar
 ●  13 comentários  ● 
«Porque este clube tem princípios de nobreza únicos e uma história gloriosa, que não podem ser beliscados e muito menos atropelados por javardos, que o poder politico e judicial teima em deixar à solta e com quem, não têm vergonha de comer à mesa... O Benfica, não é uma "marca". O Benfica é um movimento associativo, que se fundou em 1904 e junta milhões de pessoas. O Benfica são as pessoas e o seu amor ao clube. Isso é o Benfica. Sem paixão, não há Benfica. E quando há paixão, primeiro que tudo defende-se sem tibiezas a razão de tudo: O SPORT LISBOA E BENFICA.» António Melo

Petição pela não renovação dos contratos do S. L. Benfica com a Olivedesportos e Sportinveste.

Caro Presidente Luís Filipe Vieira, direcção do Sport Lisboa e Benfica e administração da Benfica – Futebol S.A.D,

Nos últimos anos diversos órgãos de comunicação social desempenharam uma enorme força de bloqueio contra renascimento do nosso grandioso Clube. Entre estes órgãos de comunicação, estão na linha da frente claramente todos os media do grupo Olivedesportos e Sportinveste, sendo a ponta de lança a indescritível SPORTTV.
É por demais escandalosa a análise tendenciosa dos jogos do Benfica e o tom jocoso com que brindam os nossos jogadores, factos claramente divulgados pela comunidade de benfiquistas na Internet.

É praticamente unânime a opinião entre os sócios e adeptos do SLB de que estes órgãos têm uma agenda anti-benfiquista e que estão ligados intrinsecamente com os diversos movimentos corruptos do futebol português.

A experiência Benfica TV foi um primeiro passo, com grande sucesso, para que o SLB possa a partir de agora transmitir os seus próprios jogos, tendo já uma boa experiência na transmissão de jogos das várias modalidades e dos vários escalões etários.

Assim, propomos que a partir do fim do contrato actual com a Olivedesportos e Sportinveste (2012) , que a Benfica TV passe a deter os direitos de transmissão dos jogos do SLB em casa e que passe a comercializar em pay-per-view e/ou mensalidade os jogos do nosso enorme clube. O SLB possui uma enorme capacidade de inovar e detemos uma grandiosa riqueza... os sócios e adeptos do maior clube do mundo! Este é um enorme mercado que o SLB pode aproveitar para se libertar das malhas da corrupção do futebol português.

O SLB tem à sua disposição o maior mercado televisivo de Portugal... os enormes e gigantescos Benfiquistas!

Caro Presidente Luís Filipe Vieira e caros elementos da direcção do Sport Lisboa e Benfica, solicitamos que ajam para o fim deste conluio, e que façam tudo para que este termine brevemente. Caro Presidente e direcção... digam NÃO à renovação dos contratos com estes grupos económicos que prejudicam gravemente o presente e o futuro do Sport Lisboa e Benfica.  -  Os signatários

Mais um para queimar. E uma duvida

 ●  1 comentário  ● 
Carlos Marta é mais um nome para enganar os parolos, mais um para queimar como foi o Seara, o Hermínio e o Soares Franco. O Gomes já ganhou isto no golpe da reunião dos presidentes que apanhou o Godinho e o Vieira desprevenidos.

A exigência do Godinho, pelo menos esse tinha alguma, era ver cair o Vitor Pereira. Para ele vir dizer que apoia o Gomes, estou curioso para saber quem é que o Duque plantou na arbitragem.

Por falar em duvidas e curiosidades, acho que isto já foi falado há uns tempos aqui no blog, mas eu não encontrei por isso pedia a ajuda de quem saiba. Estou a ver o futsal e vejo que temos finalmente um patrocinador na camisola. Mas não tinha sido a Sagres que tinha pago 3 milhões por ano para patrocinar todas as modalidades de pavilhão, a bancada a as costas da camisola do clube? O que se passou com as modalidades? Não veio o dinheiro ou eles pagam e não ganham nada com isso porque não há referência nenhuma a eles?

Carrega Oliveira!!

Avatar
 ●  11 comentários  ● 

Só para informar que foram de vela mais dois vídeos! Removidos do youtube a pedido da empresa que gere os sites do Benfica em parceria com a Controlinveste de Joaquim Oliveira.
«O seu vídeo,"Hulk - tentativa de agressão", poderá incluir conteúdo pertencente a, ou administrado por, estas entidades: Entidade: Sportinveste Multimédia» - Muito obrigado Joaquim.

ranking