O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


sábado, 12 de janeiro de 2019

A entrevista do Rui Vitória: O que ele explicou e o que não entendeu!

Avatar
 ●  36 comentários  ● 

Ouvi com atenção a entrevista do Rui Vitória.
Já vou ao que interessa e que diz respeito às responsabilidades do SLBenfica, mas começo por aquilo que infelizmente Rui Vitória ainda não entendeu: a maior responsabilidade do ex-treinador foi nunca ter trazido para o SLBenfica nada de novo.

Eu sempre o considerei, e mantenho, um treinador de qualidade. Mas tenho que aceitar a crítica de todos os que sempre defenderam que não tem mentalidade e dimensão para ser treinador de equipa grande.

Rui Vitória entra e sai e, ao contrário de treinadores como Jesus ou Conceição, não deixou a sua marca no futebol, nos princípios de jogo e na dimensão do futebol do SLBenfica. Pelo contrário, pois se assim fosse a missão de mudança trazida pelo Bruno Lage não seria assim tão "fácil" de concretizar como tem sido.

O agora treinador rival de Jorge Jesus (os mindgames via tradutor vão ser de ir às lágrimas) diz que sente que perdeu o apoio da estrutura do SLBenfica... Ora, isso foi evidente para todos. Mas o acho que ele não entendeu é que isso se deu porque se no primeiro ano se aceitou que o futebol do treinador assentasse no legado do antecessor... no ano seguinte já não e a qualidade foi sempre em queda, com opções muitas vezes duvidosas que custaram vários resultados e exibições.

Seja como for, e começando pela parte que realmente me preocupa e que diz respeito à responsabilidade do SLBenfica neste mau momento, é inadmissível que uma estrutura que se diz profissional, altamente bem paga e de grande competência deixe cair um treinador e com ele os resultados que colocam em causa os objetivos desportivos. É inadmissível que as agendas pessoais e profissionais (tipo "já não quero cá este, deixa-o torrar") se tenha sobreposto aos interesses do SLBenfica.

Outro elemento que ficou evidente na entrevista do Rui Vitória foi que no último ano e meio se perdeu o foco no que é mais relevante, ou seja, o foco e atenção da SAD está mais virada para os advogados e para os ataques ferozes do FCPorto que, ilegalmente, espiou e violou a integridade do SLBenfica... do que em dar dimensão e condições ao futebol do SLBenfica

Ora, neste particular, se os dirigentes do SLBenfica não tivessem telhados de vidro, seguramente que poderiam ter tido acesso ao que quisessem que o melhor que conseguiam seria conhecer os segredos do sucesso empresarial (contratos e afins) e nunca ilícitos que deram origem a todos os ataques que conhecemos.

Por falar em ataques... continua a intrigar-me a história do bufo! Quem não se lembra de há uns meses o presidente se indignar que algumas conversas internas fossem parar aos jornais imediatamente. Agora voltou a acontecer o mesmo há um mês e meio com o quase despedimento do Rui Vitória e também com a continuidade do Lage.

Tudo o que se passa nas reuniões da SAD acaba, invariavelmente na comunicação social.

A pergunta que me assola é simples: Se o grupo é restrito, se o presidente diz que há um bufo e se continua tudo na mesma com tudo a ser exposto, só me ocorre uma hipótese: para defender a sua "boa imprensa" o bufo é mesmo o Presidente, mais interessado em alimentar os jornalistas para o "protegerem" do que em defender e fechar o SLBenfica.

Já aqui o escrevi e volto a repetir... Luis Filipe Vieira, como Ricardo Salgado, é um gestor de grande qualidade. Luis Filipe Vieira, como Ricardo Salgado, transformou uma empresa em queda e sem recursos numa empresa de dimensão impar e geradora de valor... Contudo, Luis Filipe Vieira, como Ricardo Salgado, caiu na tentação de acreditar que o sucesso era um caminho sem retorno e que fosse como fosse acabaria sempre por sair vencedor... todos sabemos o resultado de Ricardo Salgado!

PS- repararam que o FCPorto, em tribunal, tentou chegar a acordo com o SLBenfica para não ser julgado? Ora, só faz isto quem tem noção que pode ser declarado culpado de espionagem empresarial e violação de privacidade.

Fejsa - A estatística não mente

Avatar
 ●  56 comentários  ● 

Sem querer estar aqui a repisar muito do que tenho dito do papel de Fejsa no Benfica nos últimos tempos, e em contraste com muitos que o acham um jogador fabuloso (dos melhores trincos do mundo – há mesmo quem diga), eu acho que Fejsa é um trinco à moda antiga sem grande espaço no futebol moderno e ainda menos em grandes equipas.

Participa muito pouco no jogo ofensivo da equipa, joga muito colado aos centrais, parte a equipa em dois porque se o segundo médio sobe no terreno fica um grande buraco entre os dois, e num sistema de dois médios, ao obrigar o segundo médio a recuar sempre para levar a bola, provoca um grande espaço entre a linha de meio campo e a linha avançada.

Esta é apenas e só a minha opinião, discutível evidentemente. Mas não têm sido poucos os comentários de gente em desacordo, que traz para aqui exemplos de Kantes e Casemiros e Diers e outros do género, para tentar dizer que o futebol do Fejsa e dos outros é igual.

Pois não é meus amigos, e os gráficos seguintes tirados da plataforma de estatística de futebol profissional WYSCOUT mostram exatamente isso. Poderia colocar aqui muito mais dados no que se refere a estatísticas de passes longos, passes para a frente ou para trás, passes a desmarcar, etc, etc para salientar ainda mais as diferenças, mas vou cingir-me aqui apenas às zonas do terreno que pisam. Há que ter em conta que estes gráficos correspondem aos espaços ocupados numa média que inclui todos os jogos da corrente época.



Repare-se em Fejsa. O espaço a vermelho (onde está mais vezes) é um espaço a meio do nosso meio campo, praticamente na linha dos centrais. Há que ter ainda em conta que o Benfica é uma equipa do campeonato português, em que na maioria dos jogos o adversário apenas por três ou quatro vezes passa a linha do meio campo. Mesmo o espaço amarelo, já no meio campo adversário, é muito tímido e pelo centro do terreno é praticamente inexistente. Há alguma presença nas alas, quase sempre em tarefas defensivas visto ser aí onde tenta matar a saída de bola adversária.





Agora Danilo, o jogador mais parecido com Fejsa em Portugal. A zona a vermelho estende-se até ao meio campo adversário, e mesmo o espaço amarelo cobre já grande parte desse mesmo meio campo, o que denota um jogador com muito mais participação ofensiva do que Fejsa.


Agora William Carvalho, um que alguns por aqui têm o desplante de comparar o Fejsa. Reparem na zona de acção de William, um jogador com clara dominância a vermelho mesmo no meio campo adversário, na esquerda, no meio e na direita. Um jogador todo o terreno.


Kanté, outro que por aqui comparam a Fejsa. Não sabem o que dizem. Um jogador descaído na direita, praticamente um box to box que tem participação clara no jogo ofensivo da equipa.


Casemiro, aquele que mais por aqui comparam a Fejsa, no espaço que ocupa no terreno. Mais um erro. Zona amarela calaramente já bem dentro do meio campo adversário, e mesmo a zona vermelha pelo centro, também entra claramente nesses terrenos.


Outro parecidíssimo ao Fejsa, dizem que é o Dier. Mais uma vez vejam o gráfico da participação do Dier no jogo do Tottenham e digam-se se há comparação possível. E mais uma vez destaco o facto do campeonato inglês, ao contrário do português, ser um jogo com muito mais parada e resposta em que os adversários de facto obrigam mesmo as equipas grandes a defender em muitos momentos.


Também li por aqui o exemplo do Atletico de Madrid, parecidíssimo ao do Benfica, dizem. Será? Vejam Rodri e comparem com Fejsa.


Vejam Matic


Até Claudemir do Braga, vejam os terrenos que pisa, claramente bem mais ofensivo do que Fejsa


Num outro nível, num gráfico do típico pivot defensivo moderno, jogadores de outra galáxia, vejam os gráficos de Fernandinho no Manchester City e Busquets no Barcelona. E mesmo Jorginho do Chelsea. Este é o “trinco” do futebol moderno.



Qual é o jogador mais parecido com Fejsa de um clube grande português, no que se refere aos terrenos que pisa? Acaba por ser Petrovic do Sporting. Vejam o seu gráfico, também ele um jogador que raramente passa o meio campo.


O que fez Kaiser assim que chegou ao Sporting, ele que reconhecidamente, está a tentar impor no Sporting um futebol mais ofensivo e mais moderno? Tirou Petrovic da equipa e apostou em Gudeli, e reparem como até Gudeli pisa terrenos bem mais avançados do que Fejsa, que é o que se exige a um pivot de uma grande equipa nos dias de hoje.



Até David Luiz, um defesa central, ocupa espaços mais avançados do que Fejsa!!

Vale o que vale este estudo, visa apenas sustentar muito do que tem sido a minha opinião nos últimos meses. Fejsa é um trinco sem espaço numa grande equipa no futebol moderno, e ainda menos num 4-4-2 onde os dois do centro têm de andar num vaivém constante para encurtar linhas e para a equipa jogar o mais compacta possível.

A não ser que tudo seja culpa de Rui Vitória e com Lage vejamos um Fejsa diferente a partir daqui. Mas Fejsa dos melhores trincos do mundo?! Para uma equipa como o Benfica?! Que só não o levam por causa das lesões?! Que não é chamado a uma seleção mediana com a da Sérvia por isto e por aquilo?! Eh pá, não me lixem!
  


ranking