O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


Filipe Augusto:

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

De leitura obrigatória para quem gosta de bola

Avatar
 ●  + 15 comentários  ● 

Versão integral da entrevista publicada na edição de 21 de janeiro de 2017 do Expresso
A minha sorte é que nunca te fartas de falar de futebol.
Quando começo a falar... [passa um adepto alemão que levanta o polegar na direção de Vítor Pereira] Olha, este é sempre assim. Faz-me isto quatro ou cinco vezes ao dia.
É engraçado porque eles estão aqui muito próximos da equipa, no mesmo hotel.
Eles andam aqui e andam quase dentro do campo. Se não lhes ponho um bocadinho de travão eles entram [risos].
Na Grécia e na Turquia também são intensos, mas não tinham essa proximidade, pois não?
Isto é cultural. Acho que poupam dinheiro o ano todo para andar aqui a seguir a equipa para todo o lado. Depois cria-se uma relação, porque eles gostam de conversar e ficamos a falar, e ainda por cima andam doidos com os treinos, porque nunca viram nada assim. Isto também é uma energia que vai passando e depois custa-me estar a deixá-los de lado. Mas depois quando dou por eles já estão aí a chamar os jogadores para beber cerveja [risos].
Tem de se dar qualquer coisa para haver adaptação. É a teoria do café com leite.
É isso. Não podes chegar aqui e pum! "Não quero ninguém nos treinos, não quero isto ou aquilo". Isso para eles é quase uma falta de respeito. Nem eu sou assim, a minha natureza não é essa. Mas ontem havia uns a jogar à bola já dentro do relvado. E aí, ei! [levanta a mão e ri-se] Mas está tranquilo.
Eles percebem que os treinos e a forma de jogar da equipa é diferente?
Completamente. Sabes que a metodologia de treino, então numa 2ª liga... Eles têm muito a cultura do físico. Mas os treinos... sem intensidade nenhuma, percebes? Logo no primeiro treino viu-se. Como é que eu trabalho? Com blocos de grande intensidade, onde quero ritmo no toque, bola a andar rápido, com linhas de passe constantes, toca e abre linha de passe, apoia e vai, tau, tau, tau. Na primeira semana é muita informação. A informação era tanta que acho que eles até já estavam perdidos. Mas o engraçado é chegares e trabalhares com jogadores como o Olic [Ivica Olic, internacional croata que já jogou no Bayern de Munique], que tem 37 anos, e tens de ensinar tanta coisa. A ele e a todos. Porquê? Porque o que faz a diferença são os pormenores. É o que faz diferença entre os treinadores, entre os fotógrafos. É saber o pormenor, é perceber por que razão tenho de estar mais colocado para ali e desviar mais para a esquerda ou para a direita. E para ir para outro nível é isto que faz a diferença. Sinto claramente que eles não estavam preparados. Imagina, é como se tivesses começado a guiar um carro novo que anda numa velocidade que lhes exige outra condução [risos]. Eles estavam habituados a muitas paragens, coisas muito lentas, com muito espaço, estás a perceber? Muita corrida, muito físico...
Há uns com físico de porteiros.
É a cultura deles. O jogador alto, forte, físico. O que eles me dizem sempre é "mas olha que esta segunda liga..." Mas já fui ver jogos, não é? É pumba, pumba, pumba [bater a bola longa na frente]. Mas uma equipa que realmente jogue, que procure jogar e tenha qualidade técnica para isso... É que o que contraria o físico é a técnica. Tu podes podes vir com muito físico para me bateres, para me tirares a bola, mas eu se for rápido a executar e executar bem, decidindo bem, tu quando chegas já não me apanhas. O que pode acontecer é bateres em mim, mas a bola já não está lá. É com essa qualidade de decisão e qualidade técnica que em vez de levares três toques para controlar a bola controlas a bola num toque só, é isso que faz a diferença entre jogadores de nível baixo e jogadores de nível alto.
Então na tua primeira semana de treinos em que é que te focas?
Foquei-me fundamentalmente em mudar o chip deles. O meu futebol não tem nada a ver com isto, não tem nada a ver com bolas longas e dois, três toques na bola, e bola perdida, ganhar bola, perder bola, ganhar bola, perder bola. E depois juntam-se três, quatro jogadores à volta da bola, parecem cães ali à volta e pá, pá, pá, batem uns nos outros e depois embrulham-se e eu ponho as mãos à cabeça: "Meu deus, o que eu vou ter de mudar". Mas mudo. Numa semana já tens alguns comportamentos. Contra o Vitória de Setúbal [jogo amigável que acabou 0-0] nem tanto porque já estavam algo cansados, porque andamos a treinar bem e quando o nível técnico não é alto e ficas cansado... Pfff, cometes muitos erros, falhas muitos passes. Normalmente a tua primeira decisão é para condução da bola. Quando estás cansado vais buscar os comportamentos anteriores, o que já estava acomodado lá dentro. Mas nesta semana senti claramente a vontade deles em mudar. Quero criar um impacto, quero que eles percebam claramente: "Eh pá, este não é um gajo qualquer. Este sabe o que quer". Tenho experiência suficiente para chegar e criar um impacto, com uma metodologia diferente. Mas eles ainda estão numa fase de adaptação a uma intensidade muito mais alta. E preciso também de alguns jogadores novos para lhes dar um outro aporte técnico.
Ficaste desiludido quando os viste jogar?
Quando me convidaram fui ver a equipa duas vezes ao vivo e, oh pá, confesso que me assustei um bocadinho. Gosto de desafios. Quando me dizem que estou maluco, é precisamente nessa maluqueira que vou. Fui sempre assim. Então, quando fui ver a equipa, senti que aquilo não era o meu nível, nem de longe nem de perto. Como é que vou pôr esta equipa a jogar o futebol que eu gosto? Mas depois fui a uma reunião, a duas, a três, e prometeram-me condições de reorganização do clube e reforços escolhidos por mim, dois, três, quatro jogadores nesta janela de mercado. Já o fiz e eles estão a tentar trazê-los. Qualquer dia já temos a minha impressão digital. Já se vai olhar e dizer: "Esta equipa é do Vítor Pereira".
Essa identidade passa por um jogo apoiado, de posse curta, em organização ofensiva, depois quando perde a bola, reação forte para recuperar e voltar a guardá-la...
[interrompe] A primeira intenção não é exatamente essa. Primeiro, em organização defensiva temos de perceber claramente os momentos de pressão. Quando e como pressionar. Não quero uma equipa... e aqui até tenho de lhes meter travão, porque eles querem pressionar, só que pressionam de forma acéfala. Se a tua pressão não for organizada, o que é que acontece? Se não tens uma pressão eficiente, entendida por todos segundo o que é identificado como equipa, em conjunto, então se sou o ponta de lança e identifico mal o momento de pressão e salto para pressionar, e depois há outro que vai também, o que é que acontece? Abriste espaço e a bola entra entrelinhas. Se tu vais pressionar à largura e pressionas mal porque não fechas a ligação de corredores, então a bola entra no corredor contrário e tu vais tipo limpa pára-brisas, a fazer piscinas para um lado e para o outro. Isto tudo tem de ser ensinado: "Este é o momento, tac". Não quero uma equipa a defender sempre no mesmo ritmo. Porque é impossível tu pressionares a um lado e ao outro sem abrires espaços. Tanto abres espaço à largura como à profundidade. Quero uma equipa organizada, num ritmo lento, a convidar a determinado comportamento, e de repente vum! Porque isso é que surpreende. Se a outra equipa pensa que estás lento e depois tu aceleras na pressão... aí surpreendes. E então quando surpreendes, quando roubas a bola, a primeira intenção é poc!, matares a primeira pressão que te vai surgir. E aí quero velocidade.
Mas para acelerar na frente ou para guardar a bola?
Não é para guardar bola. Quero o mais depressa possível meter o passe vertical para matar a pressão que chegar. Se não é possível, porque eles se fecharam, aí sim, é preciso guardar a bola. O que quero é que a equipa perceba os momentos em que tem condições para acelerar, se for possível acelerar. Não vamos perder tempo se a outra equipa estiver aberta e der para jogar, porque é aquele momento que temos de usar para matá-los. É ir rápido ao coração e matá-los. Agora, se nós corremos o risco de no primeiro ou no segundo passe estar logo a perder bola, lá vêm eles para cima de nós. Portanto é preciso a equipa aprender a identificar os momentos em que tem condições para ir rápido e os momentos em que tem de guardar a bola e circular e jogar à largura. Isto são comportamentos de equipa de nível elevado, que quero com uma equipa de 2ª liga [risos], que está habituada a ir, vir, ir, vir, perde bola, ganha bola, perde bola, ganha bola e não encadeia três passes seguidos. Isto é uma mudança muito grande.
Então vieste provar a ti próprio que consegues?
Tenho a certeza que consigo. Sabes porquê? Porque quando cheguei à Arábia era pior [risos]. Lembro-me do primeiro mês e antes que eles entrassem na metodologia e entendessem as coisas... [risos] Passado uns tempos tivemos um jogo em casa para a Liga dos Campeões Asiática e lembro-me perfeitamente que demos, eh pá, demos um cheirete de bola, mas a tocar, tau, tau, tau, e perdíamos e acelerávamos na pressão e estávamos com bola outra vez. E eu a pensar como é que era possível [risos]. Quando chegámos lá, os meus adjuntos assim: "Eh pá, é impossível, nós não temos nível para jogarmos assim, temos de jogar um futebol mais fácil." Oh pá, só que o futebol fácil não é para mim. O bater na frente e jogar no meio-campo ofensivo depois não é para mim. Nunca vou conseguir ter prazer com esse tipo de jogo e se não me sentir realizado com aquilo que estou a fazer, então esquece, nem vale a pena. Portanto se consegui que os árabes jogassem com uma matriz de qualidade, então vou conseguir em qualquer equipa. Também já tenho experiência para consegui-lo. Já sei exatamente onde tocar e ver quando precisam disto ou daquilo. É como um cozinheiro que prova a sopa e sabe exatamente o que é que está ali a faltar.
Isso consegue-se depois de treinar várias equipas de níveis diferentes?
Acho que se consegue porque já nos meus últimos anos de carreira como jogador pensava como treinador. Penso exercícios e reflito sobre treino e comportamentos desde que ainda jogava. Nunca fui buscar um exercício a livro nenhum na minha vida. Reflito sobre aquilo que quero. Se estiver a ver um jogo e a ver que aquela equipa tem dificuldades em fazer determinada coisa, na minha cabeça já estou a criar um exercício para aquilo, é uma coisa quase automática. Crio um exercício num instante porque treinei durante anos e anos, toda a minha vida treinei isto. Este lado criativo do futebol é o que eu adoro. Mas é engraçado. Ontem estava a falar com um amigo e disse-lhe que tinha de ir embora porque tinha de trabalhar e planear o treino. E ele perguntava-me se não era sempre mais ou menos o mesmo. E eu ri-me, porque se fosse sempre o mesmo já eu tinha deixado o futebol há muito tempo. É sempre algo novo. Agora estou a jogar numa estrutura diferente, em 3-4-3. Eh pá e está-me a dar um gozo bestial. Sabes porquê? Porque tem dinâmicas completamente diferentes daquelas que estava habituado a trabalhar.
Tens de refletir muito mais.
Mas aí é que está o entusiasmo. O andar sempre no mesmo é que me mata. A rotina mata-me. Gosto de coisas diferentes. Por isso é que não estou para estar muitos anos num sítio. Não é para mim. Quero ir experimentar outras coisas. E do ponto de vista tático é igual. Gosto de estar sempre a estudar. É o que digo aos meus filhos: "Vocês não estudam nem um bocadinho daquilo que estudo, porque estou sempre a estudar". Só que estudo aquilo que gosto. E estou a ver pormenores e nuances novas, porque é que isto sai desta forma e não sai desta.
Consegues perceber os treinadores que têm um modelo muito restrito, como o do Jesus?
Repara, devemos ter a nossa ideia e ele tem uma ideia muito própria de jogo. Só que o problema é que a ideia tem de ser evolutiva. Ou seja, com determinado tipo de jogo conseguimos bons resultados e qualidade de jogo, mas a partir do momento em que começa a entrar em falência... É como um exercício. Tu fazes um exercício numa semana. O exercício é novo e tu enquanto jogador tens de te focar, porque há coisas novas. Na semana seguinte faço o mesmo exercício. Aí já conheces e aquilo até é capaz de dar mais um bocadinho do que na primeira semana, porque já descodificaste o exercício. Na terceira semana voltamos a fazer o exercício. E sabes o que acontece? Começas a sentir que eles já fazem o exercício sem estarem focados. Ou seja, começam a desfocar daquilo porque o exercício é sempre o mesmo. É um bocadinho como o modelo de jogo. Por exemplo, quando estava no FC Porto, olhei para os meus jogadores e pensei "velocidade na frente não tenho". Mas tenho aqui muita gente que gosta de tocar a bola e gosta de tac, tac, tac, são capazes de sair de uma cabine telefónica a trocar a bola. Portanto é criando um jogo que os deixe confortáveis, é nisso que tenho de me concentrar. As minhas ideias continuam lá: um jogo de domínio, um jogo pressionante, um jogo de toque, com bola. Mas o respeito pelas caraterísticas dos jogadores é fundamental. Não posso pedir a um James Rodríguez que me faça diagonais em velocidade porque ele não tem velocidade para isso. Mas posso pedir ao James para que, dentro daquele jogo que eu gosto, me venha fazer de quarto médio, receba entrelinhas e depois se vire para a frente e defina o último passe. Isso posso. Às vezes eu era criticado porque diziam que ele devia jogar a 'dez'. Pois devia, mas os outros três que tínhamos no meio, juntamente com ele que partia de uma posição mais aberta e depois aparecia nas costas da linha média adversária, isso é que fazia a diferença. Só que ver isso não é para todos. Por isso é que eu a partir de determinada altura disse para mim próprio: "Como é que posso valorizar uma crítica se eles não entendem?" [risos] Eles não estão na mesma frequência que eu, como é que podem entender?
É lixado para um treinador ter gente que não percebe nada de treino e futebol a opinar?
Custa-me muito. Ainda ontem estava aí no hotel a passar pelos canais e até estava a ver o "Masterchef" - porque aquilo é demais, estão sempre com pressão, adoro - mas depois acabou e fui mudando de canal e encontrei dois ou três iluminados pumba, pumba, a bater no Jesus. Mas a falar de pormenores e de treino e a dizer que tinha de fazer assim e assado. E eu penso: mas quem é que eles treinaram? Nunca treinaram ninguém na vida. Nunca lideraram ninguém. Mesmo os ex-jogadores. Quem é que eles treinaram? Foram jogadores e alguns deles nem foram exemplo para ninguém. Quando é que eles tiveram de tomar decisões sob pressão? Onde é que eles foram avaliados e criticados ao mesmo tempo por tanta gente? Não foram. Mas chegam ali e o Jesus isto e isto e isto. Mas o Jesus ao pé deles dá-lhes dez a zero. Ou vinte a zero. E isso custa-me. Quer dizer, agora já não me custa tanto. Agora dá-me vontade de rir. E depois são gajos da política, escritores... Toda a gente fala de futebol e sabe de futebol.
Mas tu agora estás diferente. No FC Porto não eras assim.
Claro. Tu repara numa coisa: sempre fui um treinador que pode fazer a diferença em termos de treino e de análise do jogo. Sei que faço a diferença, porque eu estudo. Se tu vieres falar de futebol comigo, tens de vir bem preparada. Porque se não vieres bem preparada, então tu não vais saber do que é que eu estou a falar. Gostava que um dia me confrontassem com estes críticos e que eles me dizessem a mim que é assim e assim, que eu dobrava-os. Punha-os a fazer o pino e caiam-lhes as moedas todas dos bolsos, estás a perceber? Porque não têm hipótese. Passo o dia todo a pensar futebol, a refletir futebol. Tal como eu não tenho hipótese nenhuma de estar aqui a falar de política, porque eu não estudo política e não sei o suficiente. Por exemplo, gosto muito de música, mas é só de ouvir, gosto disto ou daquilo. Não começo a discutir a música como se soubesse alguma coisa daquilo, porque não sei. Tudo bem, as pessoas podem discutir futebol e dar a sua opinião, mas não podem fazê-lo sem respeito. Têm de respeitar o Jesus, independentemente da personalidade dele. É um treinador que tenho de reconhecer que tem ideias e que sabe operacionalizar as ideias que tem e pôr as suas equipas a jogar futebol, não há dúvida nenhuma. Já vi as equipas dele a jogar grande futebol. O Jesus não desaprendeu. Agora, nos momentos maus, quem está de fora, nunca treinou ninguém... Estava a dizer-te antes, quando assumi o FC Porto, eu era fortíssimo do ponto de vista... E não sou eu que digo, se formos discutir com meia dúzia de treinadores seja onde for e no final vamos ver. Não tenho dúvidas nenhumas que as pessoas reconhecem que do ponto de vista tático, do ponto de vista estratégico, do ponto de vista do treino, eu estou num nível que acho muito bom. Só que não estava preparado para lidar com a crítica e com esta gente que critica e eu não posso controlar. E eles nem sabem do que estão a falar, mas aquilo tinha impacto. Quando estava no Santa Clara, a equipa jogava um futebol de qualidade e repente estou ali no FC Porto e ganhamos aquilo tudo, também com o meu contributo. Por isso é que as pessoas me convidaram para ficar como principal, o que não é habitual.
Eras tu que planeavas os treinos nessa época do Villas Boas?
Não. Quem planificava era o André. Depois em termos de campo obviamente acho que era uma ajuda muito grande para ele e conseguimos estabelecer um equilíbrio que nos permitiu conseguir o que conseguimos. Mas eu não tenho nada a ver com o André. Ele em termos de imagem... eu não sei vender a minha imagem. Aquilo no primeiro ano, eles habituados ao André, eh pá... Andei ali um bocado a nadar. Fundamentalmente em termos de comunicação.
Lá dentro ou cá para fora?
Cá para fora. Lá dentro tinha meia equipa a querer ir embora, com promessas de ir embora. Imagina o que é ganhares a Liga Europa e depois tens o clube A e B a telefonar-te a dizer que te dão milhões. Até janeiro aquilo foi só sobreviver. Foi como se eu estivesse com a cabeça debaixo de água e só de vez em quando é que vinha cá fora inspirar um bocadinho de ar, a tentar não morrer. "Então demorei tantos anos a chegar aqui e agora vou-me afogar já?" Tive de ser um bocadinho flexível para chegar a janeiro e [suspira] tirar a cabeça fora de água. Em janeiro reequilibrámos um bocadinho a equipa e resolvemos alguns assuntos mal resolvidos de gente que não estava ali e queria ir para outras paragens. E fizemos ali uma segunda volta sempre a morder os calcanhares, até à parte final, que é quando se vê a fibra. Porque andar atrás... Andas ali a quatro pontos e o Benfica joga e ganha e tu ficas a sete. Aconteceu muitas vezes eles ganharem mesmo antes de nós entrarmos em campo e isso é terrível. Porque estamos sempre à espera que eles falhem e eles não falham e já estamos a vê-los a sete. Mas nós também não falhámos. Apesar da pressão terrível, dominávamos e ganhávamos.
Um treinador tem de ser muito forte no treino e na análise. Mas agora dás mais importância aos outros aspetos secundários?
No resto às vezes tenho dificuldades. E tenho dificuldades em lidar com meninos ricos, que não sabem sofrer, nunca sofreram na vida. Ou então que vieram de meios pobres mas de repente ficaram ricos e não sabem como é que devem gerir aquilo. Não sei lidar com gente que precisa de ser apaparicada a toda a hora. Porque nunca fui e gosto de exigência. Tive de fazer a minha vida, tive de subir na vida a pulso e provar a mim próprio e a toda a gente que era capaz. Sempre fui muito autocrítico e nunca me chega aquilo que faço. Quero sempre mais porque sei que consigo mais. É como o nosso cérebro: nós só exploramos uma parte muito pequena do nosso cérebro. E eu sinto que bem estimulado e motivado sou capaz de virar uma equipa de pernas para o ar. Sou capaz de mudar tudo e de convencer as pessoas a mudar, porque é essa a questão da liderança. Agora o lidar com clubes em que queres ir em determinada direção e eles querem outra porque é o fulano tal... Isso é o lado do futebol que eu não gosto.
Nesse caso não irias para o Real Madrid.
Claro que não é impossível, porque é um grande clube, mas identifico-me mais com outras coisas. O Real ganha porque tem de facto executantes de outro nível. Mas do ponto de vista tático não me enche nada, sinceramente. Vivem muita da criatividade individual, com alguma organização, claro, mas não é nenhuma referência.
O Guardiola...
[interrompe] Olha, aquilo que estavas a dizer há bocado do Jesus. O Guardiola também gosta de determinado tipo de jogo e cai num campeonato com equipas que tem os mesmos argumentos que ele, porque no Bayern e no Barcelona tinha argumentos um pouco diferentes. E ele para jogar o jogo que quer precisa de tempo - isso é o grande desafio. Porque não há tempo e ele tem de se adaptar e modelar os conceitos que tem para ganhar. Porque tu podes jogar um jogo muito bonito mas se tu não ganhares os jogadores não vão acreditar no teu jogo. É esse equilíbrio entre o ganhar e o jogar bem que tem de existir. Quer dizer, há treinadores que não se preocupam muito com o jogar bem, mas se a minha equipa ganhar e jogar mal, eu fico podre. Mas se a minha equipa jogar bem e perder, fico ainda pior. Criticavam-me e diziam que o FC Porto às vezes mastigava o jogo, mas mastigava porque eram as caraterísticas dos jogadores que nós tínhamos, e controlávamos o jogo do princípio ao fim. Para nos marcarem um golo não era fácil. E se nós marcássemos então eles iam ter de andar atrás da bola o jogo todo. É esse domínio e esse controlo tático que eu adoro. Oiço aí alguns "eh pá, eu ganho 5-4 e é um grande jogo". 5-4? Fazerem-me quatro golos? A uma equipa minha? Isso para mim é desorganização. É porque nós não dominamos todos os momentos do jogo. Ou que criem oportunidades de golo. Se me criarem uma eu já fico chateado. Se me criarem mais então... Até posso ganhar 3-0, mas não vou ficar contente. Isso garanto-te.
É porque é a organização defensiva que podes controlar melhor? Está mais dependente do treinador.
Tens de ter muitas preocupações com a organização defensiva, de facto. Mas, por exemplo, nós no FC Porto éramos a equipa com menos golos sofridos. Mas que defendíamos mais? Claro que não. Éramos a equipa que dava menos iniciativa ao adversário, porque tínhamos mais bola e só havia uma. Em determinada altura, éramos a equipa na Europa que concedia menos remates ao adversário. E a segunda equipa era o Bayern de Munique. Porque nós tínhamos um equilíbrio posicional, quando tínhamos bola, que nos permitia reagir quando a perdíamos. Portanto se concedes três ou quatro oportunidades ao adversário é porque estás mal organizado. Para um adepto, eu admito, porque eles gostam de ver aqueles jogos em que nos últimos cinco minutos há três oportunidades de um lado e de outro.
Liga inglesa.
E zumba e vai e vai. Vejo equipas na Liga inglesa que estão a ganhar três e quatro zero e de repente levam com três ou quatro golos nos últimos minutos. Sabes porquê? Não têm cultura tática. Não controlam o jogo e não o entendem, jogam na emoção. O adepto gosta. Mas o adepto também gosta quando começa a ver uma equipa com maturidade. Por que razão é que o Chelsea agora está na frente? Porque tem esse equilíbrio, é uma equipa que sabe os momentos certos para as coisas. Às vezes não tem tanta bola quanto isso mas o que fez o Conte? Ele chega lá e não joga como gosta. Ele vinha da Juventus a jogar com a linha de 3 e chega a Inglaterra e para não dizer que ia mudar logo tudo, não entrou da forma que gostava. E viste o que lhe aconteceu?
O Chelsea começou mal o campeonato.
Mas ele estava sedento para fazer novamente o que queria, aquilo em que acreditava. E agora vês os resultados. É como o Guardiola. Conheço-o um pouco do tempo em que estive com ele e ele é de ideias e é muito atrevido. Mete na cabeça que é aquilo e faz acreditar. Imagino-o agora a pensar que não tem lá a qualidade que quer para jogar o jogo que quer. E no próximo ano vai tentar reorganizar aquilo. Mas parece-me que ele se está a tentar adaptar às características do futebol inglês. Um treinador não se pode prostituir a si próprio, às suas ideias, mas tem de conseguir adaptá-las à realidade com que é confrontado. Isso para mim é que é um treinador de top. Isso tem sido o grande desafio dele este ano. E aqui também tenho o mesmo desafio. Porque não posso estar aqui a ter um jogo muito bonito e não ter resultados, se não passado dois ou três meses estou a jogar em casa com os meus filhos. É mesmo assim.
Como é que um gajo que gosta tanto de futebol vai para a Arábia Saudita?
Porque é um gajo que gosta muito de futebol mas que nasceu numa terra e numa família humilde, em que o dinheiro era curto e a meio do mês já havia dificuldades. Tenho três filhos e sei valorizar as coisas. Tive uma oportunidade, de repente, de a partir daquele contrato estar completamente autónomo na vida, para dizer sim ou não a tudo. Já me aconteceu com vários presidentes. Se não gosto, não faço. A Arábia deu-me a possibilidade de ganhar dinheiro a sério pela primeira vez na vida. Agora já tenho uma conta que me permite... Não digo que sou rico, mas tenho uma vida estabilizada para a minha família.
Foste comprar um Ferrari?
Que Ferrari? Andei com a mesma carrinha onze anos. Só deixei de andar com ela quando teve problemas mecânicos e já não dava mais [risos]. Se não ainda estava a carrinha em casa. Não valorizo rigorosamente nada as coisas materiais. Se me perguntares a marca dos carros que tive nem sei. Sou um alucinado da bola e acabou. Ponto final.
A tua infância em Espinho foi dura?
Com muitas dificuldades. Vim de um bairro, o bairro da Mata, em que nós todos os dias andávamos à porrada. Nós saíamos de manhã de casa e voltávamos à noite para levar nas orelhas porque vínhamos todos sujos e com as calças rasgadas. Cresci na rua, a lutar pelo meu espaço e a tentar ganhá-lo. À batatada. Ou era ao futebol ou aos pirolitos. Hoje tenho a certeza que tenho esta força interior e este espírito competitivo porque jogava de manhã à noite na rua, a pirolitos, para ganhar. E quando nos desentendíamos discutíamos à batatada. Depois meti na cabeça que ia para a faculdade e ninguém naquele meio ia para a faculdade. Mas eu fui. E tirei o meu curso e paguei o meu curso. Paguei tudo o que tinha para pagar. Jogava futebol mas se tinha de trabalhar aos fins de semana a trolha trabalhava, ia para a construção, ia carregar caixas de peixe. Não tinha problema nenhum. Foi assim que cresci e foi aí que fui buscar a minha força.
Quando é que percebeste que o futebol era o que querias?
Toda a vida. Nunca me vi noutra coisa. Vi-me sempre a jogar, apesar de perceber claramente que não tinha qualidades para pensar só no futebol como jogador, por isso queria ser treinador. Fui para faculdade, para desporto, para isso, porque era aquilo que eu queria. E fui concretizando o que queria, objetivo a objetivo. Já sei qual é o meu próximo objetivo e estou focado nele.
Qual?
Agora é a Bundesliga. A seguir, é a Premier League. É para onde quero ir. Já estive quase a ir, por duas ou três vezes. Ainda não foi o momento certo, mas vou lá ter.
Mas a Premier League não tem o tipo de jogo que aprecias.
Mas quero discutir com os outros. Quero estar lá e provar que a forma de jogar em que eu acredito vai ter sucesso. A ideia de jogo vai-se construindo. Há bocado perguntavas-me se guardávamos a bola quando a recuperávamos. Eu se tiver jogadores rápidos na frente e que decidam bem, também posso aproveitar a transição. No FC Porto não dava, pelas razões que já te disse e também porque as equipas raramente saíam lá de trás, não davam essa hipótese. O futebol é mesmo isto. O modelo de jogo não é uma coisa... "Olha, o meu modelo de jogo é este". Não, nós vamos construindo o nosso modelo. É claro que temos aquelas grandes ideias. Repara que não estou a dizer que um treinador que joga com as linhas muito baixas, à espera do erro, não tenha sucesso. Ele pode ter todo o sucesso, mas não é o jogo que eu gosto. Faz-me mal ver a minha equipa sem bola. Quero que a minha equipa tenha iniciativa e domine. Quero que seja pressionante e não fique à espera. Isto são caraterísticas gerais do teu modelo e da tua personalidade. Não tenho muita paciência. E como não tenho, tenho de ser eu a controlar as coisas. Creio que passamos algo da nossa personalidade, competitividade e agressividade para o nosso modelo, para os jogadores.
Quem foi a pessoa mais importante na formação destas tuas ideias?
Tive o Vítor Frade. Vou dizer-te o que ele me deu. No primeiro ano de aulas que tive com ele não percebia nada. Não percebia o homem. Sempre me falaram no Frade e quis ir para ali para a faculdade e aprender com aquele homem. Mas no primeiro ano... Ele só nos dava textos de filosofia, de economia, de medicina, sei lá. E eu só pensava "ó meu deus". Andei ali um ano apagado. Apontava frases inteiras dele para depois descodificar em casa. Mas o que é que ele quer dizer com isto? Não me está a entrar nada. Será que eu não consigo acompanhar o homem? Mas era eu e eram todos [risos]. Depois sabes o que é que aconteceu? No segundo ano, parece que se fez luz. Tudo começou a fazer sentido. Porque comecei a entrar numa lógica de pensamento que punha em causa muitas das coisas que se diziam. Porque é isso que ele transmite. Ele transmite a capacidade de nós refletirmos sobre as coisas. Não comermos se não gostarmos. Por isso é que eu nos cursos de treinadores era um reacionário [risos]. Era sempre uma confusão. Comigo há sempre festa garantida. Há foguetes, há tudo [risos]. Porque eu não como aquilo que me dão. Para eu comer aquilo têm de me explicar muito bem, com qualidade. É isso que ele nos transmite, a capacidade de refletir e questionar, para além das ideias sobre a metodologia. Via lá os meus colegas nos cursos a tirar exercícios. Mas para quê? Tens de criar para a tua ideia de jogo e os teus exercícios. Como é que podes ir buscar ao livro se aquela ideia não é a tua? E depois ficamos uma bocadinho como ele, porque ele torna-se às vezes... chato [risos]. Diz-nos coisas que não queremos ouvir, até ficamos chocados com o que ele diz. E depois ou tens personalidade ou ficas um papagaio.
Consegues identificar características assim nos teus jogadores? O jogador tal vai ser treinador.
Claro que sim. Dos que me passaram pelas mãos, dos mais inteligentes que vi foi o Moutinho. O Moutinho é um treinador dentro de campo. Pensa como um treinador. Consegue estar a jogar e analisar taticamente. Já lhe disse que vai ser treinador, de certeza absoluta. Imagina, ao intervalo, bastava uma palavra: "João, estás a perceber o que se está a passar ali?" Já percebeu. Mas também apanhas outros que explicas dez vezes a mesma coisa, abanam-te a cabeça a dizer que sim dez vezes e dez vezes fazem a mesma coisa. Depois começas a perceber que esses não podem ir para outro nível, não têm hipótese, porque aí é preciso mais alguma coisa.
A inteligência é o fator fundamental?
A inteligência específica. Sabes que há gente que na escola não funciona mas a jogar futebol, cuidado. Entendem tudo. Nós temos muitas inteligências. Há gente que cá fora não diz duas palavras mas lá dentro são inteligentíssimos. O que te entusiasma tu também aprendes melhor. Por isso é que eu estou aqui horas a falar de futebol [risos].
Estás satisfeito com a tua carreira? Para quem está de fora foi um percurso estranho depois de sair do FC Porto.
Se estivesse no FC Porto já me tinha fartado. Assim não. Saí a ganhar, depois fui ao Olympiakos e saí a ganhar e agora no Fenerbahçe não saí a ganhar. Saí em 2º lugar e na final da taça mas como não me identifiquei com aquilo... Já quando jogava era assim. Ou estava feliz ou mudava-me.
O Van Persie era um menino mimado?
Chegou a determinado nível e agora quer mas não consegue. Continua a pensar que consegue e a não ter bem consciência do que pode. Entre o querer e o poder vai uma distância grande. Mas para os adeptos é sempre o Van Persie. E essa cultura do endeusamento não é coisa com a qual eu lide bem. Para mim futebol é treino e rendimento. Como é que tu queres jogar sem treinar? Porque queres um tratamento diferente?
No FC Porto como lidavas com o Pinto da Costa no balneário?
O presidente ia ao balneário e ficava calado, a olhar para eles. Só a presença dele impõe respeito. Às vezes era preciso chamar à responsabilidade, porque aquilo era o FC Porto. Atenção. Nos dois anos de FC Porto, pedi para ele descer ao balneário duas vezes, mas fui eu que falei.
Quando?
No jogo contra o Shakhtar, fora, fomos lá ganhar 2-0 e pedi para ele descer para responsabilizar os jogadores. Depois no outro dia nos jornais "presidente põe a equipa em sentido". E foi um jogo no Moreirense, numa fase decisiva, que também pedi para ele ir, mas também fui eu que falei. E depois na Académica foi ele que foi lá, mas não chegou lá a insultar ninguém. Às vezes uma ou duas palavras bastam para se sentir a responsabilidade de jogar no FC Porto. E no final quando saíram notícias de que eu iria ser mandado embora mesmo que ganhássemos, aí foi por iniciativa dele e foi dizer que eu era o treinador dele e que o queriam era desestabilizar a equipa.
Como é que um treinador gere um momento Kelvin? Se não acontecesse, hoje se calhar dizia-se que o Vítor Pereira é mau.
Vou dizer-te: se aquilo não acontecesse, se nós empatássemos o jogo, eu teria estado no FC Porto duas épocas com uma derrota. Entendes? Isso ninguém pode apagar. Que venha outro e faça o mesmo.
Mas na altura não se valorizou.
Claro. Agora dá-me vontade de rir. Por todo o lado onde passo "ó Vítor, volta, estás perdoado". Mas perdoado pelo quê? Só se foi por não ter aceite a renovação de contrato. Só isso. Porque achava que tinha de mudar. Com o tempo o pó assenta e depois a verdade vem ao de cima. Isto quem tem, tem, quem não tem, não tem.
E agora consegues rir-te das tuas conferências de imprensa?
Claro [risos]. Mas digo-te que só quem passa por aquilo consegue perceber o que é. Eu sou muito emocional. Há aí um vídeo em que estou a dançar no balneário, por exemplo. No primeiro jogo na Arábia, ui, o que eu dancei no balneário [risos]. Eles se pussessem na internet, o que aquilo ia dar. Mas quando me faltam ao respeito também sou capaz de perder o controlo, porque vim do bairro. Tenho muito orgulho no meu trabalho e não admito que me faltem ao respeito. Cuidado que eu viro fera. Viro bicho. Às vezes devia controlar mais um bocadinho mas não consigo. Sou como sou. Se calhar devia ser mais ator às vezes. Mas o que estou a sentir é o que vai. Ali era o que estava a sentir e estava mas era capaz de lhe dar um banano. Não dei para não ir preso, mas a minha vontade era essa.
E alemão, já sabes falar?
[diz obrigado em alemão e ri-se] Não tem problema nenhum. A linguagem técnica é simples porque depois repetes sistematicamente as palavras chaves do teu jogo e eles depois entendem e já sabem o que queres. Se na Arábia comunicava e não falavam inglês, então na Alemanha há de ser mais fácil. Mas vou tentar aprender, por respeito ao país, claro.
Quando queres voltar a Portugal?
Quero voltar na primeira paragem para visitar a família [risos].
Depois de Premier League voltas?
Não sei. Tenho objetivos bem definidos na cabeça e já tive a minha experiência em Portugal. Não quer dizer que não volte, mas... E depois acabo a minha carreira no Santa Clara. Adorei aquilo. Sentia-me em paz em São Miguel. Gosto muito da natureza.

15 comentários blogger

  1. Quando o entrevistador é tão com o entrevistado, da-se isto. Muitos parabéns à mariana cabral e ao Vítor Pereira.

    ResponderEliminar
  2. Grande Pinto da Costa, só a presença dele mete respeito aos jogadores. E andam estes gajos aqui a falar mal dele.

    ResponderEliminar
  3. RedMoon estás lixado! O Shadows que só vê tudo com os óculos vermelhos vai-te começar a olhar de lado, porque puseste a entrevista de um treinador do Porto que analisa e elogia o Pinto da Costa e estrutura do FCP.
    Tchiii o que foste fazer, estragaste o dia ao Shadows. Ele vai já começar a dizer que Vítor Pereira foi pago para dizer bem do Pinto da Costa, só pode.

    ResponderEliminar
  4. Percebe-se que o Vítor Pereira já abriu a pestana e contratou uns assessores de imagem. Fez bem.
    es
    Acho que vai fazer milagres pela carreira dele, pois certamente tem muita qualidade como treinador (infelizmente para o Benfica, que pelo menos uma época perdeu devido em grande parte à qualidade de Vítor Pereira como treinador).tas entrevistas começam a surgir, os opinadores começam a "subitamente" começar a reconhecer o seu talento etc etc..

    ResponderEliminar
  5. Por acaso tinha lido esta entrevista hoje de manhã. Está fabulosa!

    Um dia que RV saia (espero que fique), continuo a dizer que este Vítor Pereira seria um excelente substituto. Bem como Paulo Sousa, Tuchel, Sarri, Klopp...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulo Sousa? O Piolhoso traidor? OH DA GUARDA !!!!

      Eliminar
    2. É uma bonita lista, mas desses todos penso que só mesmo o VP será exequível.

      BF

      Eliminar
  6. Á atenção de muitos dos que por aqui passam !

    " Custa-me muito. Ainda ontem estava aí no hotel a passar pelos canais e até estava a ver o “Masterchef” – porque aquilo é demais, estão sempre com pressão, adoro – mas depois acabou e fui mudando de canal e encontrei dois ou três iluminados pumba, pumba, a bater no Jesus. Mas a falar de pormenores e de treino e a dizer que tinha de fazer assim e assado. E eu penso: mas quem é que eles treinaram? Nunca treinaram ninguém na vida. Nunca lideraram ninguém. Mesmo os ex-jogadores. Quem é que eles treinaram? Foram jogadores e alguns deles nem foram exemplo para ninguém. Quando é que eles tiveram de tomar decisões sobre pressão? Onde é que eles foram avaliados e criticados ao mesmo tempo por tanta gente? Não foram. Mas chegam ali e o Jesus isto e isto e isto. Mas o Jesus ao pé deles dá-lhes dez a zero. Ou vinte a zero. E isso custa-me. Quer dizer, agora já não me custa tanto. Agora dá-me vontade de rir. E depois são gajos da política, escritores… Toda a gente fala de futebol e sabe de futebol."

    ResponderEliminar
  7. Espero que o Rui Vitoria, se torne do Sir Alex Fergusan do Benfica.

    ResponderEliminar
  8. Há tão pouca gente, que perceba, a falar de bola e é fantástico...
    Ficaria horas a lê-lo como outros bons nas suas profissões...
    Obrigado pela partilha...
    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Acho vergonhoso publicarem esta entrevista num blog de apoio ao Benfica!

    Nem me dou a trabalho de a ler.

    Lamentável.

    A. Lopes

    ResponderEliminar
  10. Este gajo ama o futebol e é inteligentíssimo. Ele, o Marco Silva e eventualmente o Paulo Fonseca, são os meus preferidos para um dia em que se equacione uma mudança.

    ResponderEliminar
  11. Excelente entrevista de uma excelente treinador...estamos bem servidos, mas num futuro não me chocava ter um trinador

    ResponderEliminar
  12. Sem dúvida, excelente treinador...
    Campeão no Porto, clube onde foram campeões Carlos Alberto Silva, António Oliveira, Co Adriaanse, Villas Boas, entre outros misters de topo.
    Despedido do Al-Ahli Jeddah.
    Campeão no Porto da Grécia, clube onde o Paulo Bento, sim o Paulo Bento, também vai ser campeão.
    Despedido do Fenerbahce.
    Vamos ver agora no TSV Munique o que ele vai fazer...
    Hoje foi eliminado da Taça da Alemanha por um colosso do meio tabela da 3.ª divisão.
    No campeonato, já começou a averbar derrotas...
    Grande treinador!! Quem aprova este tipo, percebe "bola" de bola...

    ResponderEliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.
Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado.

recentes

ranking

Em Defesa do Benfica