-->
O NOVO BLOG GERAÇÃO BENFICA é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade.

Translate

Quem acredita que sairá em Janeiro?

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

BOMBA: FIFA proibe fundos de investimento a partir da próxima época

O Comité Executivo da FIFA decidiu hoje acabar com a propriedade de futebolistas por terceiros, ou seja, por fundos de investimento, a partir de 01 de maio de 2015.

“A interdição entrará em vigor a 01 de maio de 2015”, indica o comunicado da entidade que tutela o futebol mundial, precisando que “os acordos já existentes devem ser mantidos até à sua expiração contratual” e que “os novos acordos assinados entre 01 de janeiro e 30 de abril de 2015” estarão limitados à duração máxima de um ano.

A FIFA tomou a decisão de interditar esta prática a 26 de setembro, com o seu presidente, Joseph Blatter, a considerar que a interdição não poderia ser feita de imediato.

A posse de parte dos passes dos jogadores por fundos de investimento é algo comum na América do Sul, Espanha e Portugal, com os direitos desportivos dos futebolistas a pertencerem aos clubes e a investidores.
 
 
 
O Benfica atempadamente acabou com o Benfica Stars Fund, de forma a precaver-se desta situação que já se adivinhava há algum tempo, e este verão preferiu apostar em contratações detidas a 100%.

A partir de agora será impossível assistir-se a um "verão de contratações" como o F. C. Porto teve esta época, apoiado essencialmente por fundos como o Doyen Group e a Gestifute.
 
Por outro lado, será impossível voltar a assistir-se a um Sp. Braga que tem sido apoiado pela Gestifute, e só assim consegue apresentar um plantel muito mais valioso do que as suas finanças permitem, onde jogadores como Rafa (Selecção de Portugal) e Danilo (Selecção do Brasil) apenas continuam nesse clube por causa do apoio financeiro dos fundos de Jorge Mendes.
 
Os próximos anos serão bem diferentes, e se o Sporting e o Porto já andam com problemas ao nível do Fair-Play financeiro da UEFA, a situação poderá ser ainda mais complicada para alguns clubes que estão mal estruturados financeiramente.

A culpa foi do cheque

Daquilo que eu vejo, a reação de alguns benfiquistas a cada derrota é pouco mais do que frustração, ira, vontade de partir tudo o que apareça à frente, oxalá não valha chegar a casa e dar dois pares de estalos na mulher.

Capacidade de análise? Comentários construtivos sem por de lado o nosso espírito crítico? Não. Isso é pedir muito a certa gente, e basta ler o que se comenta neste e noutros blogues para concluir isso.

Ah e tal ó Redmoon, sabes lá tu o que é o Benfica, e os anos 60 e 70, e éramos os maiores e sempre seremos, e onde está a exigência e coiso e tal...

Balelas, é o que digo...

Se queremos falar dos erros da pré-época, das deficiências que se vêm no plantel, dos culpados dessas deficiências, etc, etc, há muito post para trás, todos esses temas debatidos em devido tempo...

Mas depois temos de seguir em frente, no mesmo barco, sem ignorar as deficiências anteriormente apontadas e que urge corrigir, tentando fazer o melhor possível com as armas que temos, adaptando-nos o melhor possível à realidade que temos e que não podemos mudar.

Mas depois acontece uma derrota num jogo de Taça de Portugal, num jogo em que um Benfica de segunda dá um banho de bola do primeiro ao último minuto a um Braga forte e que se apresentou na máxima força, e os comentários de muitos Benfiquistas são o que se vê...

Nada, um redondo zero, frustração apenas...

E quando não há nada para dizer vem-se com as armas que se tem à mão, os 4 milhões do treinador, a lição que leva de um treinador de segunda, nada mais do que o aproveitar de uma derrota INJUSTA e em que nada se pode apontar à exibição, ao caráter, ao coletivo, à dinâmica ou à alma da equipa, e onde também não se vislumbrou nenhum brilhantismo tático no treinador adversário (podia ter saído da Luz de saco cheio), para destilar ódios antigos em relação a pessoas de quem não se gosta, e de quem nunca se há-de gostar por mais vitórias que se consigam.

O argumento para muitos, aquilo que têm para dizer, nunca há-de ser mais do que lembrar os 4 milhões...

E por isso, o que há para reter desta gente nas vitórias e nas derrotas, nos chavões dos dois títulos em cinco anos, e as taças da Liga que não contam, e a Taça de Portugal que foi contra o Rio Ave, e as finais da Liga Europa perdidas e as arbitragens vergonhosas de que já não se lembram, e também muitos erros e culpa própria, e culpados seguramente (nem sempre os mesmos em cada derrota), mas também muito mérito (e génio mesmo em muita vitória que aconteceu), parece que quem tudo ganhou e tudo perdeu foram sempre os 4 milhões do treinador. É tudo. É aí que a capacidade de análise começa e também onde acaba.
                                                                                    
O Braga chega à nossa baliza uma vez para além dos golos que fez, que foram, como todos sabemos, resultado de falhas individuais e não do coletivo, e o que há para falar é... dos 4 milhões de Jorge Jesus... E eu não consigo perceber onde é que os 4 milhões tiveram influencia no jogo de ontem, ou onde é que o treinador poderia ter feito a coisa correr melhor para o nosso lado, quando tudo o que falhou, pelo menos no jogo que eu vi, foi falta de pontaria na hora de rematar à baliza...

Na Alemanha a esta hora, quando o Borussia de Dortmund não é capaz de ganhar um jogo e anda numa luta desesperada pela manutenção (!!), os adeptos também devem andar nos blogues a questionar os 5 ou 6 milhões do treinador...

Felizmente naquela casa parece haver o discernimento para perceber que no dia em que libertarem o treinador dos 6 milhões que de momento não consegue ganhar um jogo, não há-de faltar clube de topo europeu disposto a dar-lhe uma oportunidade e a pagar-lhe 7 ou 8.

Quero com isto dizer que o facto de Klopp poder justificar 6 milhões (mesmo perdendo) implica que Jorge Jesus tem de justificar os seus 4? Não. Quer dizer apenas que, como poderá constatar quem for capaz de olhar para o futebol com olhos de ver, nas vitórias e nas derrotas, o argumento que justifica o resultado não pode ser o ordenado do treinador, que não é o ordenado que marca golos, e que o melhor ordenado não implica obrigatoriamente mais vitórias, quando a qualidade do plantel não permite ou quando o azar também bate à porta.

Klopp teve tomates há duas semanas para dizer aos seus próprios adeptos, que se quiserem ser de um clube que ganhe sempre, que se mudem para o Bayern de Munique. Uma frase certeira e que se aplica a muita gente, se calhar também àqueles que se acham os tais Benfiquistas de Gema, os Benfiquistas que assistiram às vitórias todas, e que nas horas das derrotas nunca são eles que perdem e agem como se o clube lhes seja uma entidade completamente alheia.

A esses, aos “Benfiquistas de gema”, aos Exigentes (com letra maiúscula), aos Benfiquistas que assistiram à glória toda, eu vou dizer que se calhar os Benfiquistas de gema não são eles, são aqueles que como eu aprenderam a ser benfiquistas e nunca deixaram de ser benfiquistas apesar de terem crescido num tempo em que a palavra Benfica significava apenas derrotas, e quando o mais fácil era ser do clube que ganhava sempre, que foi o que aconteceu com muitos deles.

Esta devia ser a hora de se ser construtivo, de apontar os erros de forma refletida, de apontar o que se vê de errado e onde se deve melhorar... Mas em vez disso o que se vê é o destilar de ódios pessoais, e essa vontade cega de aproveitar cada derrota para justificar esse ódio, essa estranha atração de certos adeptos pelo suicídio, de acharem que a cada derrota, a solução é deitar tudo abaixo e começar de novo.

Se o André Almeida se chamasse Melgarejo ou Emerson, o culpado da derrota de ontem tinha sido outro...

Se o Cristante se chamasse Rodrick, o culpado da derrota de ontem também teria sido outro...

Mas não, nem André nem Cristantes são ódios de estimação de ninguém (e também não são meus), pelo que, quando falham (sim, porque ontem factualmente falharam em lances que infelizmente deram golo), a razão da derrota tem de ser outro ódio de estimação qualquer…


Vir comentar o Benfica, fazendo dos meus ódios de estimação o fio condutor das minhas análises? É pouco. Muito pouco. Mas isto se calhar sou eu, que gosta de ver para além do óbvio.

Os Portistas Não Sabem: Ganhar, Perder, História e Fazer Contas!


Mais um contributo fantástico de um benfiquista ímpar chamado Alberto Miguéns a desmascarar as mentiras que o FC Porto e os seus apaniguados fazem por dar como verdade.

Leiam AQUI.

Obrigado Alberto!

A salvação de Joaquim Oliveira.


O post anterior do BbyGB é uma excelente descrição do que tem estado por detrás das mais recentes movimentações no futebol português. Mais um grande contributo da sua parte para que os adeptos do futebol possam ver além da bancada.

Mas diferente do BbyGB, eu não sou tão benevolente com o papel de Luis Filipe Vieira neste filme todo.
Acho que novamente o presidente do Benfica olhou mais outros interesses que pelos do futebol português.

Prejudicou o Benfica? Por ora não. 
Mas foi decisivo para que as forças que têm dominado toda a estrutura do futebol pudessem receber mais uma dose de oxigénio e recuperassem a aura de imprescindíveis.
Veremos que implicações este apoio terá no médio prazo dos interesses do Benfica.

O discurso de que o futebol esteve a semanas de parar é um argumento ridículo e sem qualquer fundo de verdade. O que esteve em causa foi que os poderes relacionados com Joaquim Oliveira secaram os rios de dinheiro que afluíam à Liga de Clubes até obrigarem os clubes que protegiam Mário Figueiredo a tirarem-lhe o apoio. 
Só conseguiram fazer isso porque Luis Filipe Vieira deu o seu apoio a Joaquim Oliveira. Contra a vontade do Benfica, nada disto teria tido estas proporções.

O encontro de ideias que acabou por ser o parecer da ADC deu a oportunidade para Joaquim Oliveira, astuto e rápido no gatilho, rapidamente "fidelizar" novamente os clubes. Quase todos num ápice preferiram assinar novos compromissos que ficar com os seus direitos na mão. O poder e a dependência continua nas suas mãos.

Continuo a discordar de que apenas a SportTv pode dar aos clubes aquilo que eles precisam. 
Esta é uma ideia muito portuguesa. Não podemos equiparar o nosso campeonato a outros em que a centralização reparte fortunas por todos. Isso é irreal em Portugal. 
Todos acham que só se vai lá com maiorias absolutas ou com um operador a monopolizar. Isso não é o mercado a funcionar.
A evolução do cabo oferece várias alternativas. Darão o mesmo retorno? Provavelmente não. Mas já é hora de os clubes portugueses ajustarem o que gastam às suas possibilidades. 

O caminho que Joaquim Oliveira traçou foi o de secar qualquer concorrência. Para isso contou com a árvora das patacas chamada BES. Só que isso terminou. 

A peça que falta nesta nova fase dos direitos televisivos e da manutenção de Joaquim Oliveira como o grande dominador do futebol português só vai estar concluído com uma vertente que tem sido pouco discutida e que tenho trazido várias vezes para cima da mesa: a parte política.

As ligações de Joaquim Oliveira aos partidos que têm governado Portugal são várias e alicerçadas em muitos anos de ajudas e benefícios mútuos.

A ligação de Joaquim Oliveira a Ricardo Salgado sempre foi conhecida e os últimos tempos têm sido esclarecedores sobre como funcionava o universo BES e a sua forma de "ajudar" quem dele precisava.

Daí que continuo convencido de que as movimentações na AR não pararam e são uma realidade e que esta renegociação dos contratos deu a Joaquim Oliveira o tempo necessário para em sede legislativa poder voltar a deter aquilo que lhe dá o maior retorno. E todos sabemos o que isso é.

A actual renegociação acaba por não trazer nada de novo a Joaquim Oliveira. 
Continua com 99% por cento dos clubes na sua mão. Então se hoje o negócio da SPortTV, com quase tudo na mão não dá dinheiro, não será o objectivo de Joaquim Oliveira recuperar o que perdeu e que fez essa diferença?

Já passei à frente! Vamos à "historia da Carochinha"

Para encerrar o tema da Taça de Portugal, chamo a vossa atenção para em prova não ter ficado nenhum clube que possa ainda, efectivamente, conquistar o título. Ou seja, com a saída do Benfica passou a ser a competição dos pequeninos...


Agora interessa-me, até porque prometi ao meu companheiro BenficaEagle, voltar ao tema dos Direitos Televisivos para explicar a minha posição, ou melhor opinião, que assenta essencialmente na tese de que o acordo/negociação (ou aliança) dos Presidentes de Benfica e Porto visou unicamente a protecção e perpetuação de Joaquim Oliveira no futebol português, num contexto em que ficou menos protegido contratualmente depois da acção imposta por Mário Figueiredo.

É só isto que está em causa e nada mais que isto. A explicação é longa para poder não ter que voltar a fazê-la em vários comentários, pelo que peço desculpa por requerer a vossa atenção e leitura cuidada para não haver más interpretações.


Recupero aqui o tópico em que comentei a questão: Comunicado AdC sobre Direitos Televisivos. Começa a ficar claro! e aproveito para resumir a minha tese e a do BenficaEagle, começando por esta última que, segundo o autor, não é uma tese são factos (não posso discordar mais!):


"Perante este aparente acordo entre as duas "facções" mais poderosas do futebol português, o que é que está em causa em termos práticos? 


- A Benfica TV vai poder continuar a gerir os seus direitos televisivos, evitando a centralização (da transmissão) de direitos televisivos na Liga, o que colocaria em risco a viabilidade do canal do clube. 

- A SportTV (próxima do FCPorto) evita males maiores, atendendo às queixas da Liga junto da Autoridade da Concorrência, que têm colocado em causa o seu quase monopólio. Mas para evitar males maiores a SportTV teve de apresentar nos últimos dias a iniciativa de alterar algumas clausulas dos actuais contratos com os clubes, removendo clausulas abusivas e anti-concorrenciais."


Ou seja, segundo o meu companheiro que muito considero (o que não me obriga a desrespeitá-lo quando divergimos na opinião e o que deveria ser algo a ter em conta para alguns) houve efectivamente um alegado acordo entre duas facções do futebol português: SLBenfica e FCPorto/Oliveira/Sporttv. Já temos aqui um princípio. Haja alguém quem concorde que houve acordos...

Porém, refere o meu companheiro BenficaEagle, o que esse acordo visou não foi nada mais nada menos que a viabilização da BenficaTV (até escrever isto me custa, quanto mais concordar) e da Sporttv (aqui sim, mas bem mais do que ele advoga).

Do lado a BenficaTV advoga-se que o Benfica fez um alinhamento para se defender da centralização da transmissão. Bom, na minha opinião, isso é demagogia pura pois ninguém aponta uma pistola à cabeça dos dirigentes para aceitarem a centralização seja do que for. Isso tem que ir a votos na Liga e só há se todos quiserem e "entrarem". O próprio Fernando Gomes da FPF já o referiu.

Do lado da Sporttv advoga-se que face às queixas da Liga - que Luis Duque faz questão de não dar continuidade excepto à da AdC que já tinha parecer preliminar em curso - a tv de Oliveira "evita males maiores"... whatever that means!

Muito bem, passemos à frente e ao que é a minha leitura desta situação e dos factos que a compõem. através da resposta a algumas questões:

1. Quem tem muita da dívida do Joaquim Oliveira e Benfica, mas também FCPorto?
Resposta correcta: BES (NovoBanco)

2. Quem é que não tem qualquer interesse em que nenhuma destas entidades "desça pelo cano", colocando em causa a sua capacidade de cumprimento das responsabilidades?
Resposta correcta: BES (NovoBanco) 

3. Quem é que tem interesse em exercer influência sobre o SLBenfica para viabilizar o core business do Joaquim Oliveira, quem sabe a troco da alguma renegociação da própria divida do Benfica?
Resposta correcta:  BES (NovoBanco)

Portanto parece-me que já identificámos aqui mais um player nesta conversa. E, digo eu que não percebo nada destas coisas, não será de estranhar que o R&C de 2014/15 já contemple alguma renegociação/revisão das condições que estavam à vista no último R&C e que implicavam dívidas à banca só em 2014 de muitos milhões e que levaram a vendas massivas - assunto amplamente analisado pelo BenficaEagle e a que todos responderam chamando-lhe profeta da desgraça.

Ou seja, talvez haja aqui pressões em cima do Benfica para ajudar a "segurar" o Joaquim Oliveira.

Continuemos... 

4. Quem é que colocou o Joaquim Oliveira na situação actual de ter que enfrentar queixas na justiça e na Autoridade da Concorrência (AdC)? 
Resposta correcta: Mário Figueiredo

5. Contra quem o FCPorto, juntando vários outros clubes, encetou uma cruzada sem paralelo procurando a destituição deste Presidente a partir do momento em que ele levou Joaquim Oliveira para a justiça e o regulador?
Resposta correcta: Mário Figueiredo

Até aqui parece claro que havia quem quisesse "matar" o actual quadro de direitos televisivos em Portugal e avançar para um novo modelo - porventura demasiado optimista - de centralização dos direitos televisivos em que Joaquim Oliveira iria fazer uma proposta tal como qualquer operador que tivesse interesse em pé de igualdade. Esse alguém era Mário Figueiredo!

Curiosamente, Luis Filipe Vieira primeiro apoiou António Laranjo quando Figueiredo ganhou já com este projecto e depois apoiou (na sombra) Fernando Seara contra Figueiredo numa candidatura manietada por Pinto da Costa e Oliveira... chegando agora ao apoio a Luis Duque, também reconhecidamente uma figura "do Sistema" como provam os factos e processos movidos pelo SportingCP e pelo processo da transferência de JVPinto para o Sporting.



Ou seja, quando Mário Figueiredo disfere o golpe fatal no Joaquim Oliveira, aquele golpe que todos pensavam que nunca aconteceria, todos o isolam: Desde os clubes pequenos que o elegeram - agora pressionados pelo Joaquim Oliveira e com a ameaça da "seca" das verbas - até Benfica e FCPorto.

No mínimo estranho, convenhamos. Com o Sporting disponível para lutar contra o Sistema, com o Benfica já autonomizado e com a Liga a ter matéria de penalização... era só garantir o maior número de apoios possível na defesa desta "cruzada" e, mesmo perdendo as eleições garantir as alternativas e a força de bloqueio ao projecto do Oliveira.

MAS NÃO! O que FCPorto e SLBenfica fizeram foi ajudar o Joaquim Oliveira de forma declarada:

- Unir os clubes em torno de uma solução unificada e da renovação dos contratos de direitos televisivos de todos os clubes da I Liga,, garantindo que não podem, antes de 2017 (3 anos), rescindir unilateralmente - as medidas proposta sem Outubro (dia 14 foram publicas) permitiriam rescindir daqui a menos de um ano, com efeitos ao final da próxima temporada.

Ou seja, primeiro resultado do alegado acordo entre os clubes (para usar a terminologia do BenficaEagle): 
1. Joaquim Oliveira garante que quase todos os clubes actualizam os seus contratos para as medidas propostas proactivamente pelo Oliveira à AdC (não foram impostas)
2. Joaquim Oliveira garante 3 anos de praticamente todos os clubes 
3. Joaquim Oliveira garante um presidente na Liga, que já anunciou que quer mexer nos modelo dos direitos televisivos

E porque acaba o Sporting isolado dessa "solução para o futebol português"? Precisamente porque, como podem ver pelo facto de estar - por enquanto - à margem da renovação com Joaquim Oliveira, o Sporting não quis uma solução que antes de olhar para o futebol português ia olhar para o bolso de Joaquim Oliveira. NDR: O Sporting acabará por, como verão abaixo, de ter que renovar com o Oliveira muito brevemente.

Ainda se lembram do que foi dito que a Sporttv ganhava com este acordo? "evita males maiores". Bom, a mim parece-me que, tendo necessidade de "fazer a vontade à AdC", escolheu os argumentos que poderia controlar e garantiu um Presidente que avance para uma revisão num contexto que lhe será favorável:

- Todos têm agora contratos até Julho de 2017 e não podem ser antecipados sem que Joaquim Oliveira seja ressarcido. Ou seja, agora tanto a Liga como Joaquim Oliveira têm interesse em negociar agora, pois... a vantagem negocial nesse caso estará do lado do Joaquim Oliveira que pode usar a seu favor as indemnizações a receber numa antecipação dos contratos, negociando por exemplo uma centralização da negociação e da transmissão e todos os clubes vão alinhar desde que tal lhes garanta uma qualquer mais-valia nos valores a receber.

- Se não avançarem para essa centralização, que na minha opinião pode bem acontecer, ele continuará a poder usar a sua influência e a gratidão que os clubes lhe dizem ter (o próprio Luis Filipe Vieira o refere) para ir renovando os contratos.

Então e o facto de perder a preferência e os contratos de longa duração? Vamos a isso também:

- Quem é que quer negociar contra o Oliveira os direitos televisivos de qualquer clube que não seja o SLBenfica, SportingCP ou FCPorto? Ninguém... porque valem zero em share e potencial de receitas televisivas.

- Quem é que consegue negociar os jogos fora dos grandes individualmente, quando o Oliveira os negoceia juntamente com outros jogos, pagando mais aos clubes.

- Então e dos conteudos interessantes ele não pode perdê-los? Bom, o Benfica já perdeu, o FCPorto nunca o perderá porque fazem parte juntos do Sistema e o Sporting a alternativa, por agora, é a BenficaTV e o Bruno de Carvalho prefere renovar com o Oliveira do que vender ao SLBenfica (mesmo que ganhasse mais).

Foi por isto que referi que, com ou sem centralização, não há NENHUM conteúdo nacional que interesse ou esteja ao alcance da BenficaTV que já não o tenhamos. Por isso discordei da história dos "packs" nacionais. Bom, na verdade os packs ou seja o que for até poderão vir a existir e o Benfica transmitir um Guimarães x Rio Ave... eu duvido é que isso tenha retorno financeiro, que é o que está em causa nesse negócio.



Para finalizar o texto que já vai longo, sobra a questão da BenficaTV. 

Temos, mérito de Luis Filipe Vieira e Domingos Soares Oliveira, o maior concorrente nacional nos conteudos desportivos. E assim vai continuar a ser porque só os operadores podem ter "cabedal financeiro" para este segmento e, como sabemos, nenhum anda a investir nesta dimensão de valores em conteudos próprios - e agora com as contas deles como estão, pior ainda. Até a NOS está ansiosa de sair da Sporttv de onde não tem qualquer proveito, como o CEO já referiu.

Portanto, a continuidade do ataque a Joaquim Oliveira só pode ser por conteudos Premium fora do contexto nacional (Liga Europa, Liga Inglesa, Espanhola, Alemã, Formula 1, NBA, MotoGP...).

E é aqui que novamente recordo o que foi dito sobre a BenficaTV? Que foi viabilizada por manter os seus conteudos!! NÃO! (ou melhor eu acho que não...)

- Os conteudos dos nossos jogos só deixam de ser da BenficaTV quando e se o Presidente quiser. 

- Os nossos jogos fora, seja em que cenário de concorrência for jamais alguém que não compre todos os jogos dos clubes pequenos será competitivo. 
- Os conteudos dos outros grandes nunca serão da BenficaTV porque isso vai contra a rivalidade dos mesmos e o status quo dos seus Presidentes.


... Sobram os tais conteudos internacionais que referi.

Agora a MILLION DOLLAR QUESTION: Porque motivo foi necessário o alegado acordo para unir os clubes em torno do Oliveira e do Presidente por si controlado para o futuro do SLBenfica e da BenficaTV - que sempre foi o que todos defenderam ser o caso?

À luz da minha leitura dos factos... não faz qualquer sentido, a não ser que tenha sido pelo que Luis Filipe Vieira sempre referiu que "não nos podemos esquecer que Joaquim Oliveira nos ajudou muito num momento importante da vida do Clube" e seja agora hora de retribuir.

Conclusão: Eu defendo, tal como o BenficaEagle e todos nós benfiquistas que a BenficaTV continue a disputar conteudos com a Sporttv. Porém, acho que não precisamos de ajudar o Joaquim Oliveira para que isso seja possível. Antes pelo contrário, bastará fazermos uma concorrência feroz nos conteudos externos acima referidos para quase esvaziar a Sporttv e os transformar no canal de conteudos não premium... pagos como tal.

A viabilização de Luis Duque abriu caminho para que fique tudo na mesma no panorama dos direitos televisivos, compensando a maior flexibilidade dos contratos com o controlo dos Presidentes da FPF e da Liga por parte de Joaquim Oliveira, o que aliado ao controlo dos Presidentes dos Clubes lhe permitirá gerir com relativo à vontade este tema dos direitos televisivos.

PS- O SLBenfica foi prejudicado pelo Presidente Luis Filipe Vieira nisto tudo? NÃO! Vou repetir: NÃO! Quem saiu prejudicado, ao contrário do que referem os comunicados e as balelas que tentam passar para a imprensa foi o futebol português... só que o SLBenfica é muito maior que o futebol português.

PS 2 - Estas linhas não se reportam a previsões, nem a informações privilegiadas, nem a acusações seja a quem for. São sim unicamente a minha leitura dos factos que são públicos. Perdoem-me se não falo coisas que não sei ou que saiba mas não digo o que são para poder alegar a defesa de "cenas" que ninguém sabe para sustentar a minha posição.

Esta temporada não vai ser brilhante.


Depois da campanha miserável nas competições europeias, agora a queda perante um dos papões de Jorge Jesus, o Braga.

Assim como foi de exaltar o comportamento da equipa e do treinador no domingo passado no Dragão, hoje não há como desculpar esta eliminação.

Começando pelas opções de Jorge Jesus, que não soube antever o tipo de jogo do Braga, em especial na segunda parte. As escolhas para dar a volta ao resultado demoraram demais, como tem sido apanágio do treinador do Benfica em tantos momentos chave.

O Braga mexeu primeiro após empatar, cresceu e marca um segundo golo inacreditável, que revelou a desorganização do meio campo e defesa e em como as sucessivas experiências no miolo do terreno não permitiram consolidar opções para quando não há Enzo. Por falta de dinheiro gasto( Pizzi + Cristante por exemplo) não foi. 

Cai muito mal a Jorge Jesus vir com o discurso do coitadinho quanto às lesões e às ausências de jogadores mais importantes. Não o vi encolher-se no domingo quando foi para recolher os louros de insistir(e bem) na manutenção do Lima no onze inicial.

Por falar nisso, a lesão de Sálvio, como ontem já destaquei, esta operação ao braço de Sálvio deixa-me com muitas dúvidas sobre o devido acompanhamento e recuperação quanto ao que lhe aconteceu no final da temporada passada. Ocasionalmente, o argentino já tinha aparecido recentemente com o braço ligado ou com uma protecção o que já revelava que algo não estaria bem. 
E aliás, desprezo quaisquer comentários que venham dizer que o rapaz pode jogar com protecções, pois isso revela pouca ou nenhuma consideração com a integridade física do Sálvio. 

A dupla Jardel/César demonstrou a sua incapacidade e dificuldade em serem opção principal para um Benfica que ataque todos os objectivos. Insuficientes.
Depois tivemos a equipa em geral num plano baixo à medida que o tempo ía passando.

Concordo com Jorge Jesus de que tivemos várias oportunidades de sentenciar o jogo, mas não podemos ter uma visão diferente conforme nos dá jeito. 
No domingo fizemos um jogo inteligente, de contenção e aproveitamos quase a 100% as poucas oportunidades que tivemos.
O Braga hoje fez algo parecido e quando se apanhou a ganhar, num jogo a eliminar, fez o que qualquer outra equipa faria.

Estamos a 19 de Dezembro e 50% dos objectivos da temporada falharam. 
Resta o primeiro objectivo e o último da lista de quatro. (Supertaça não conto para agora).

Mesmo sendo campeões, esta temporada estará longe de ser brilhante. 
Pelo contrário. Recuso alinhar no discurso de que só o bicampeonato é importante. 
É muito importante mas isso é um discurso que nada tem a ver com os pergaminhos do Benfica e que é claramente insuficiente perante a diferença de investimento em Portugal entre o Benfica e  os outros clubes, exceptuando o FCP.

Se esse argumento foi tão invocado para justificar a eliminação da Europa (onde no futebol jogado nenhuma das equipas do grupo foi um papão para ninguém) agora tem que valer para as provas internas.

Jorge Jesus soube perceber o raciocínio de Lopetegui. 
Sérgio Conceição, um treinador inexperiente comparado com o treinador do Benfica, vence Jorge Jesus num curto espaço de tempo 2 vezes. 

Não há coincidências nem azar que justifique duas derrotas.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Difícil imaginar que dê para espremer muito mais

André Almeida, Jardel, César, Cristante, Pizzi, Olá John (gostei da sua exibição de hoje) teriam lugar no 11 de algum dos Benficas dos últimos 6 anos?

Pois, é disso que se tem vindo a falar...

Escrevi aqui ontem que o jogo de hoje era dificílimo e importantissimo, que rapidamente as nuvens que se tinham dissipado no último domingo poderiam voltar a pousar sobre as nossas cabeças.

O Braga entrou com tudo, fazendo desta prova a grande aposta da época, e ao Benfica, apesar de tanto desfalque, não faltou coletivo, nem alma, nem vocação ofensiva, nem sequer pelo menos uma dúzia de oportunidades de golo...

Faltou, diria eu, talento individual, e quanto a esse o treinador pouco pode fazer...

Dois erros individuais, dois golos oferecidos, essa é que é a verdade, e a razão pela qual o talento individual ainda faz muita diferença num jogo de futebol... Falta de arte (e sorte) no momento do remate à baliza, e... Estamos fora da Taça de Portugal!

Justamente? Não creio, mas essa pouco conta no futebol.

Razões para alarme? Da minha parte não. Este Benfica 2014/2015 ainda não me fez sonhar mas também anda não me fez desistir do sonho. Estou exatamente tão otimista e pessimista como estava antes do jogo.

Estamos na luta pelo bi-campeonato - grande objetivo da época - e continuo a achar que o coletivo do Benfica tem jogado mais do que a soma das partes, e o Benfica que vimos hoje, mesmo desfalcado não perderia muitos pontos nesta liga. Essas são as boas noticias.

Mas e se Enzo tiver feito o último jogo? Bem, aí é difícil imaginar que o que fique seja um meio-campo minimamente de campeão.


Este é um Benfica bem espremido, e torna-se difícil imaginar margem para espremer muito mais.

Benfica - Braga sem Salvio.


"Salvio foi operado esta manhã [segunda-feira] «a fratura do cubito do antebraço esquerdo, no Hospital da Luz», informou o Benfica, através do seu site oficial. A cirurgia foi conduzida pelo ortopedista, Dr. António Martins.

Recorde-se que o jogador encarnado caiu num lance, durante a primeira partedo jogo com o Olhanense, e ficou queixoso. O argentino acabaria por não regressar para a segunda parte.

Esta lesão afasta Salvio dos jogos que restam da temporada - do campeonato, Liga Europa, Taça de Portugal e Taça da Liga." - 21/04/2014 - MF.

---------------

"Salvio submetido a intervenção cirúrgica ao braço esquerdo
O Sport Lisboa e Benfica informa o boletim clínico referente ao futebolista da equipa profissional de Futebol, Salvio:
O atleta foi submetido a intervenção cirúrgica a fractura diafisária do cúbito esquerdo, proximal a placa de osteossíntese. A cirurgia decorreu na passada terça-feira, dia 16 de Dezembro, no Hospital da Luz, e foi conduzida pelo médico ortopedista Dr. António Martins." - 18/12/2014 SL Benfica.

---------------

"Azar" a coincidência de ser uma lesão na mesma zona. Espero que as coisas corram melhor desta vez e que não te tornes um "crónico" lesionado. Já bastou o Mantorras.

(O Fejsa já treina?)

Gonçalo Guedes e o papel das equipas B

Diz o Record de hoje que Gonçalo Guedes vai ser emprestado já em Janeiro, e que o Belenenses e Gil Vicente se afiguram como destinos mais prováveis.

Se assim é, é uma decisão que colhe o meu apoio. O Gonçalo Guedes precisa de jogar, precisa de crescer num ambiente competitivo superior à Segunda Liga.

Mas aqui, e aqui apenas entra a minha opinião, eu acho que era assim que deveria acontecer com TODOS os jogadores em quem o Benfica vê como GRANDES apostas para o futuro.

Confesso que não sou grande adepto das equipas B, equipas B que já existiram em Portugal há vários anos atrás, depois deixaram de existir, agora voltaram, e eu duvido que durem muito mais tempo.


E baseio e minha opinião em quê?

     1. No exemplo Gonçalo Guedes, e no entendimento óbvio que a Segunda Liga não é o espaço ideal para o seu crescimento. Se não é para ele porque raio há-de ser para os outros? É porque são mais fracos? Se são mais fracos é porque se sabe desde já que não servem.

     2. No meu entendimento que se a Primeira Liga já tem um nível competitivo globalmente muito baixo, a Segunda Liga ainda mais baixo terá, pelo que não creio ser o espaço ideal de desenvolvimento a um jogador que quer um dia afirmar-se como jogador de topo no Sport Lisboa e Benfica.

     3. Nos próprios custos financeiros da participação num campeonato de segunda liga, como acontece com o Benfica B, uma competição a nível nacional, e quanto a mim com pouco retorno no que diz respeito à promoção de jogadores desse Benfica B ao Benfica A.


Daquilo que eu vejo:

     A. Continuarão a ser, hoje e no futuro, poucos os jogadores da equipa B que encontrarão o seu espaço na equipa A;

     B. Daquilo que eu vejo, há MUITOS jogadores na equipa B do Benfica sem futuro nenhum dentro do Benfica;

     C. Daquilo que eu vejo haverá 4 ou 5 jovens na equipa B com possível futuro na equipa A, mas que, e tal como se reconhece ao Gonçalo Guedes, deveriam completar esta etapa do seu crescimento num nível mais exigente, numa primeira liga e não na segunda;

     D. Daquilo que eu vejo, e tal como sempre entendi a situação, jogador que se queira afirmar na equipa A do Benfica, tem de ser capaz de se afirmar num Belenenses ou Gil Vicente. Afirmar-se num Benfica B não é um verdadeiro teste, na minha opinião.

      E. Não compreendo também que bem jogar num Benfica B fará a jogadores como Jara ou Steven Vitória por exemplo, já que a motivação deve ser bem escassa, e a equipa B parece por vezes bem mais um contentor para onde se envia o refugo do plantel principal do que o espaço de crescimento de jovens que se quer fazer crer que é.

     F. Se a equipa B não serve para fazer jogar jogadores menos rodados como Cristante ou Nélson Oliveira por exemplo, torna-se difícil, para mim pelo menos, entender o real papel das equipas B num clube como o Benfica.

     G. Aqueles jogadores medianos, com poucas possibilidades de chegarem ao Benfica A, mas ainda assim a quem o Benfica reconhece algumas possibilidades de darem um salto qualitativo a curto prazo e que o Benfica não quer perder desde logo, poderiam  continuar a ser emprestados a equipas da segunda liga nacional, e encontrarem aí o espaço competitivo que encontram atualmente na equipa B. A desculpa do poderem crescer na Luz dentro de um sistema de jogo específico, para mim não tem grande sentido, já que um dia sairá Jorge Jesus e de repente muda tudo.

     H. Se a equipa B, por exemplo em relação ao Gonçalo Guedes, só serviu para ele dar os primeiros passos, e escassos meses depois já se acha que não é o espaço indicado ao seu desenvolvimento e tem de sair para jogar a um nível mais alto (o que eu concordo), será então que as equipas B terão um papel assim tão decisivo no crescimento destes elementos? Os benefícios justificam os custos que têm?

     I. Entendo que a não existência das equipas B, obrigaria o Benfica a ser muito mais seleto e criterioso quanto aos jogadores que quer manter nos seus quadros, em vez da quase total anarquia que existe hoje, uma catrefada de elementos que chega todos os dias para tomar parte no Laboratório das Experiências, a maioria deles, sabemos nós, sem futuro nenhum na Luz, e com custos elevadíssimos.



As equipas B também têm vantagens? Sem dúvida nenhuma. Mas os benefícios, na minha opinião, não justificam os custos. E cá estaremos para ver por quantos mais anos, numa hora em que todos os clubes apertam o cinto, esta história das equipas B vai durar nos grandes clubes. O Sporting já ameaça sair, e nestas coisas, normalmente o resto vem por arrasto.



artigos recentes