O NOVO BLOG GERAÇÃO BENFICA é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade.

Translate

O SL Benfica ainda precisa de reforços?

quarta-feira, 27 de Agosto de 2014

Um "banho de realidade" na FPF

Pois é, perceberam agora o que há muito eu já tinha aqui escrito: não há pós-CR7!

Não há porque os miúdos não têm "traquejo", porque não são apostas em clubes que lutem por nada, porque andam de clube em clube, porque não treinam e jogam ao mais alto nível e com os melhores, porque não são aposta... E isso reflete-se na selecção quando deixam de jogar "entre miúdos" nas camadas jovens.

O Fernando Gomes aparece agora muito preocupado com a formação e com a transição e apareceu com duas medidas que pecam por "curtas":

- Paulo Bento assume o Gabinete Técnico Nacional: passa a coordenar o trabalho de todas as selecções em equipa com o Rui Jorge e o "mestre" Ilídio Vale. Objectivo: aproveitar os mais jovens e preparar as transições.

- Campeonato Nacional de Seniores terá mais número de jogadores formados localmente (em Portugal) do que tem hoje.

Ora, a primeira medida não serve de nada se os clubes mantiverem o desdém pela formação e pelo aproveitamento dos seus recursos. Portugal tem dos melhores "viveiros" de jogadores da Europa, um projecto realmente relevante será criar um projecto de apoio federativo semelhante a Clairefontaine.

Além disso, é preciso que este gabinete tenha maior proximidade com os clubes, que "puxe" pelos miúdos. Os clubes têm que criar estruturas de apoio à transição, atribuindo modelos de acompanhamento aos jovens mais promissores - tutores.

Os incentivos, por meio de regras, à utilização de jogadores formados localmente, tal como aqui já escrevi são bons, mas têm que ser alargados às ligas profissionalismo, onde os clubes têm mais recursos e de onde saem, na grande maioria, os jogadores para as selecções. O problema não está no CNS.

O NGB estava certo, os críticos não!

O NGB pôde apurar que não é a primeira vez que o Gonçalo Guedes integrou o treino da equipa principal.

A César o que é de César!

Ora, há duas semanas que aqui no blog escrevemos que a II Liga é demasiado "curta" para o Gonçalo Guedes. Aliás, nós defendemos que o Gonçalo tivesse sido premiado com uma chamada aos convocados (mesmo que fosse para a bancada) na ultima jornada da liga passada - basta lerem os tópicos da altura.

O Gonçalo Guedes já tem treinado com a equipa A mais vezes e por isso o mister Jorge Jesus merece o nosso elogio por isso.

Treinar na equipa A e jogar na B é uma das etapas da formação, antes de ser lançado na equipa A, como merece. Será justo considerar que o Gonçalo poderá vir a participar em alguns dos jogos deste ano - o que seria ja excelente.

Novamente "a César o que é de César"

Quando, ainda antes do inicio do campeoanto aqui escrevi que a segunda liga era "curta" para o Guedes, disseram-que ele estava lá muito bem. O tempo veio provar que eu estava certo, pois o que eu escrevi coincidia com a opinião dos responsáveis do Benfica.

Gonçalo Guedes na equipa principal

Pois, eu que há duas semanas ando a pedir isto, segundo os treinadores de bancada, não tinha razão... 

... Pelos vistos afinal tenho!

Para memória futura: eu escrevi (e repito) que o miúdo é muito, mas muito melhor que qualquer alternativa ao Salvio e Gaitan. Veremos quando começar a jogar... Talvez alguns que discordaram de mim depois sejam obrigados a ficar bem caladinhos.

Ja agora, sobre este jogador o Benfica que tenha o bom senão de não repetir o "erro Oblak", tenho para mim que menos de 40/50M€ de cláusula é arriscarmos-nos a que ele saia antes do tempo! Fica o aviso, que infelizmente no caso de Oblak não foi tido em conta a tempo.

PS- JJ, já sabes... quando precisares outra vez estamos por aqui ;)

A face da incompetência.



"Fomos incompetentes." 
É a frase chave de Fernando Gomes, presidente da FPF, sobre a campanha no Mundial do Brasil.

E como em tantas outras situações neste país, a incompetência tem com consequência...nada.

O presidente não assume qualquer responsabilidade específica nos maus resultados. Os directores não assumem directamente qualquer responsabilidade específica nos maus resultados. 

O seleccionador, o tal que escolheu os jogadores e tomou as opções com critérios de amiguismo e lealdades incompatíveis com profissionalismo e respeito pela responsabilidade que lhe foi confiada, também não retirou consequências.

Pelo contrário, o seleccionador que foi incapaz de renovar a selecção e desperdiçou uma oportunidade enorme de fazer um bom mundial num país cuja familiaridade com Portugal é única, vê a sua incompetência ser recompensada com um reforço de poderes.

A falta de liderança na FPF evidencia-se nestes momentos. Assim como no Brasil ninguém deu a cara pelas opções de estágio e preparação, e Fernando Gomes bem ao seu estilo andou fugido das câmaras e dos micofones até a "tenda estar bem a arder", como o tem feito no caso da LPFP, também agora se consiera que "fomos incompetentes" mas afinal tudo foi bem escolhido e decidido.

Então falhamos onde? Em quê "fomos incompetentes"?

Parece que o médico, que colocou em causa as opções de Paulo Bento devido à deficiente condição física que muitas dessas primeiras opções apresentavam, foi o culpado e o único a ter que retirar consequências.

O futebol português é um reflexo de parte do país que nunca retira consequências dos seus erros. Ou não os assume, ou assumindo, agarra-se aos seus lugares até a tempestade passar, acabando por culpar a má sorte pelas suas teorias não resultarem em algo grandioso e repete depois aquilo que já de mal 

Este futebol velho, corporativista e repleto de gente com vícios e lealdades mais mportantes que o profissionalismo que os largos milhares de euros que auferem exigem, continuam a estrangular o que poderia ser algo bem melhor. Alimentam e alimentam-se do entusiasmo e da crença dos adeptos para apenas continuarem a manter os seus interesses bem vivos.

Pobre adepto do futebol. Enganado, iludido e sem força para mudar seja o que fôr. 

Política de Contratações: É uma questão de prioridades!

 
César demonstrou ser melhor do que João Nunes (Internacional Sub-19 Portugal)?
César custou 3M€
 
Benito demonstrou ser melhor do que Pedro Rebocho (Internacional Sub-19 Portugal)?
Benito custou 3M€
 
Talisca demonstrou ser melhor do que João Teixeira (Internacional Sub-20 Portugal)?
Talisca custou 4M€
 
Tiago "Bebé" demonstrou ser melhor do que Gonçalo Guedes (Internacional Sub-18 Portugal)?
Tiago "Bebé" custou até 3M€ por 50% dos direitos económicos
 
Derley demonstrou ser melhor do que Nélson Oliveira (Internacional A Portugal)?
Derley custou 2,5M€


Nem vale a pena referir-me aos jogadores "contratados" Luis Felipe, Djavan e Daniel Candeias, na medida em que já foram dispensados.
 
Nem vale a pena referir-me aos jogadores da "formação" João Cancelo, Bernardo Silva e Ivan Cavaleiro, na medida em que já foram "vendidos".
 
 
Tanto os jogadores contratados (César, Benito, Talisca, Tiago "Bebé" e Derley) como os jogadores da formação (João Nunes, Pedro Rebocho, João Teixeira, Gonçalo Guedes e Nélson Oliveira) são jogadores com "potencial" e podem vir a dar jogadores.
 
No entanto, as perguntas que escrevi demonstram o que eu considero que está a correr menos bem na política de "contratações" do Benfica.
 
O dinheiro não "estica", e enquanto não sabemos a resposta a essas perguntas, foram gastos 15M€ em "suplentes" que já deveriam ter sido aplicados na contratação "atempada" de um  avançado "titular" de nível mundial.
 
O Benfica andou mais de 2 meses a investir 15M€ em "suplentes", e agora nas últimas 3 semanas do mercado de transferências é que anda a investir 25M€ nos titulares (Júlio César, Eliseu, Samaris e Avançado).

Já sabem a minha opinião:
- Deve-se investir 30M€ a 40M€/Ano em 4 titulares de indiscutível qualidade mundial.
- O resto das "alternativas"? Temos a Formação do Benfica, que é de nível internacional!
 
É uma questão de prioridades!


PS: Espero que Luís Filipe Vieira mantenha a postura de só deixar sair Enzo Perez para o Valência na mesma altura em que Jackson Martinez saia do Porto.

terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Benfica e o futuro: A pergunta em que todos têm de refletir

Um estudo mostrou que as equipas que mais gastam nos ordenados dos seus jogadores (não tanto em transferências) são aquelas que mais ganham. O que tem lógica. Mais ordenados significa melhores jogadores, estabilidade, continuidade e jogadores valorizados dentro do próprio clube.

Pode claro haver exceções, um ano em que a lógica dos números não funcione, um ano em que um Atlético de Madrid consiga ser campeão espanhol ou um Boavista chegue a campeão português, mas a regra é essa.

Em Inglaterra foi o City o campeão, na Holanda o Ajax, em França o PSG, em Itália a Juventus, na Alemanha o Bayern, na Grécia o Olimpiacos. A exceção este ano foi apenas em Espanha. As equipas que mais gastam são as que mais ganham. Ponto final.

Por isso, nós podemos sempre valorizar demasiado a parte emocional do futebol e esquecer a lógica dos números, partir do princípio que enquanto há vida há esperança, que a bola é redonda, que partimos todos com zero pontos e no relvado são onze contra onze mas, no fim, na conclusão de tudo isto, das guerras, dos piropos, dos penalties roubados e das quezílias clubísticas, quem ganha é quase sempre quem mais gastou.



Num outro ponto, outra ideia que quero deixar aqui, é que é uma ilusão achar-se que para ganharmos competições basta fazermos bem o nosso trabalho. O futebol será sempre um jogo de forças opostas, no qual o resultado final vai depender, não só daquilo que formos capazes de fazer, mas também daquilo que forem ou não capazes de fazer os nossos adversários.

Eu sei que a emoção faz esquecer tudo isto. E sei que no final, para os adeptos o que conta é se chegámos em primeiro ou em segundo. Mas por detrás desse aspeto emotivo está uma lógica indesmentível, e que é o facto de às vezes não se conseguir ganhar mesmo quando se fez quase tudo bem feito, e em outras ganhar-se quando o percurso foi marcado por erros indesmentíveis.

Trapatoni por exemplo saiu em ombros depois de ser campeão com 65 pontos. Jorge Jesus saiu em ombros depois de ser campeão com 74 pontos. Mas o Jorge Jesus dos 77 pontos quase saiu escorraçado, quando em termos numéricos e objetivos, o ano dos 77 pontos foi o ano em que o Benfica foi mais regular e mais competente.

E isto é assim precisamente por causa da variável que não controlamos, aquela que não depende da nossa competência, e que é a capacidade dos nossos adversários. E é por causa disso que num ano medíocre do FCP, um dos piores Benficas da história foi capaz de ser campeão nacional com Trapatoni, e num ano fantástico do mesmo FCP, um quase fantástico Benfica não consegue celebrar nada com 77 pontos conquistados e o seu treinador quase acaba despedido.



Onde quero chegar com isto tudo? Ao analisar o Benfica atual à luz destas duas realidades. O Benfica pode até ter a necessidade de emagrecer orçamentos, de deixar de comprar atletas de 10 milhões para começar a apostar num mercado mais barato ou na prata da casa, hoje inexperiente mas com potencial de futuro.

Mas o problema é que a politica desportiva do Benfica será sempre um camaleão, e estará sempre dependente daquilo que os seus rivais fizerem. Como anteriormente vimos, a equipa que mais gasta e que melhores ordenados paga, ganha quase sempre.  

Pode o Benfica, numa época em que o seu grande rival FCP, coloca toda a carne no assador, que contrata 4 ou 5 jogadores avaliados à volta dos 10 milhões (um deles até 20!!), reduzir o seu orçamento drasticamente e manter aspirações reais à conquista do bi-campeonato? E a resposta é que não, não pode, porque a fazê-lo só seria campeão numa daquelas épocas raras, num ano anormal do FCP em que a regra dos euros fosse quebrada.

Há uns anos atrás os campeonatos disputavam-se, hoje compram-se, ou quase. Chelsea, Liverpool, United e Arsenal já perceberam que só será possível vencer em Inglaterra com investimentos ao nível do Man City. Em França, só o Mónaco poderá roubar o campeonato ao PSG, porque só ele pode competir com o PSG a nível financeiro. Atrás de um louco outro louco vai!

É pois muito bonito, pegar em exemplos tipo o do Atlético de Madrid, e fazer disso uma imagem deturpada da realidade... É mais bonito ainda lembrar exemplos como o do Ajax, como um clube que ganha muito internamente e que tem como politica a aposta na prata da casa.

Mas a pergunta que tem de se fazer é esta: contra quem compete o Ajax internamente? E a resposta é, contra equipas de orçamento inferior ao seu. A lógica dos números por isso mantém-se.

A verdade nua e crua é que se o Porto, o PSV ou o Man City caminharem financeiramente para o precipício, Benfica, Ajax e Chelsea não terão outra opção senão ir atrás para o mesmo precipício. Porque os grandes clubes vivem de vitórias, que geram receitas e paixão dos adeptos. Os grandes clubes não sobrevivem com estádios vazios, resultado da incapacidade de disputarem a vitória nas grandes competições.

Será pois possível ao Benfica vencer internamente de forma regular reduzindo o seu orçamento drasticamente, optando por ser racional e rigoroso? Claro que sim, no dia em que o FCP também o fizer, e ambos puderem competir com as mesmas armas!

Benfica e o futuro: com emoção ou com razão? Estarão os adeptos benfiquistas dispostos a aceitar uma politica de contenção e emagrecimento do passivo se isso significar voltar aos atrasos de 20 pontos para o FCP? Antes de começar a discutir qualquer outra coisa, esta é a pergunta em que todos têm de refletir.




«Aposto que o Sporting vai ganhar à Luz»

Prepara-te, que desta vez não é na cabeça que vais ter o melão... é por outro sítio acima!

Os Mistérios da "era Jorge Jesus"

Mistério 1: 

Porque foram contratados tantos jogadores que pouco ou nada jogaram e sempre que o fizeram, não deixaram saudades?


09/10: Julio Cesar, Patric, Shaffer, Cesar Peixoto, Filipe Menezes, Keirrison, Eder Luis, Airton e Kardec
10/11: Fábio Faria, Carole, José Luis Fernandez e Jara
11/12: Mika, Emerson, Capdevilla, Bruno Cesar, Nolito, Nuno Coelho, Mora e Djaló
12/13: Luisinho, Melgarejo e Michel
13/14: Steven Victoria, Cortez, Mitrovic, Djuricic
14/15: Djavan, Candeias, Victor Andrade

São 31 jogadores em 6 anos, numa média de 5 jogadores por ano que Jesus, segundo ele, não considera contratações mas sim jogadores que vêm para o plantel e depois não se revelam melhores do que os que temos. Ora:

Mistério 2:
Porque alguns jogadores do SLBenfica nunca tiveram outro aproveitamento?

Urreta
- Nunca se percebeu porque foi opção... nem porque deixou de ser com a mesma velocidade. Começou por ir jogando com o Quique, desapareceu com  Jesus, voltou a aparecer um ou dois jogos e sempre a bom nível... desapareceu da mesma forma.

Nelson Oliveira
- Em 11/12 Nelson Oliveira foi apontado como o futuro do Benfica, mas foi afastado para clubes que o "mataram". No mesmo ano Ruben Pinto, David Simão, Miguel Rosa e Nelson Oliveira eram "apresentados" por Rui Costa como aposta forte na formação. Não fui eu que os escolhi... foi o Benfica!

Miguel Rosa
- Mais tarde destacou-se sempre no Belenenses e ao serviço da equipa B, duas vezes consecutivas o melhor da II Liga. Nunca sequer teve uma oportunidade até ser dispensado.

Miguel Victor
- Nunca teve oportunidades regulares, mesmo em jogos menos fortes ou nas taças, apesar de nunca ter tido mau desempenho antes de Jesus, quando jogou. O mesmo não se pode dizer de Roderick que nunca confirmou, tal como David Simão - dois casos onde isento totalmente o Jesus.

Carlos Martins
- Foi ele o único culpado do empate em casa com o Estoril na época de 2012/13? Foi ele o único culpado de perdermos o título? Se ele não tem sido expulso, teríamos vencido o jogo e o campeonato? Porque o Martins foi o "bode espiatório"? Houve mais alguma coisa?


Mistério 3:

Os treinos à porta fechada... fechada não, trancada!!


As pré-temporadas tem sido fechada aos sócios, os treinos ao longo da temporada são fechados aos sócios, os jogadores mais jovens do Seixal não estão autorizados a ver os treinos (nem das varandas)... O que esconde Jesus de tão importante?

Não pode abrir o primeiro treino da semana? Pronto, um treino por mês...?!
A Comunicação social tem 15 minutos de acesso ao treino, os sócios têm... ZERO!?
A generalidade dos clubes de topo partilha nas redes sociais todos todos os dias fotos e videos de momentos não críticos dos treinos. No Benfica é tudo secreto?
O trabalho do séniores não pode (e deve) ser um exemplo para os mais novos?
O Benfica não deve fomentar a interligação entre as equipas no Seixal?

Se 80% dos trabalhos forem fechados ao exterior, eu percebo e acho bem. Mas um treino por mês ou parte dos treinos uma vez por semana, eh pah... inventem uma forma... isso acho o mínimo!


Mistério 4:

Algum jogador "nascido no Caixa Futebol Campus" alguma vez terá qualidade para Jesus?


Das primeiras gerações:
- Miguel Rosa, não servia para alternativa aos titulares do Benfica em jogos menos exigentes
- Nelson Oliveira, não serve para o Benfica apesar de Jesus "não ter duvidas" que seria o futuro da selecção e do Benfica. À frente dele, estarão no entanto valores seguros do futebol europeu como Jara e Derley.

Das mais recentes:
- Ivan Cavaleiro, não consegue ser mais eficaz que Ola John e Sulejmani (várias vezes fustigado com lesões) e mesmo Bebé que centra pessimamente mal e, segundo Jesus, "tem que aprender o jogo".
- Bernardo Silva, até ser vendido/dispensado/emprestado (o que quiserem) era visto por todos como o melhor valor da formação - agora que foi "despachado" já não é! - ora, se o melhor não serve, quem vai servir?
- João Cancelo, à semelhança do Nelson Oliveira, tem muita qualidade mas precisa de um "tutor" dentro do Benfica. Perguntem ao CR7 a importância que teve o Leonel Pontes (Sporting) e o Francisco Filho (ManUtd) como tutores do Cristiano nesses dois clubes. Para o Jesus... não presta!
- João Teixeira, fez uma excelente pré-epoca, possivelmente dos melhores do Benfica durante a pré-temporada, teve como prémio descer para a equipa B com o regresso de Enzo Perez que, curiosamente não aguentou os 90' na Supertaça e o João estava a ver o jogo em casa.
- Gonçalo Guedes, um caso sério de qualidade. Com qualquer outro treinador este "menino" estava na equipa A e sem medos de o "atirar às feras" porque ele tem muita qualidade e a II Liga é claramente "curta" para ele, como o campeonato de Juniores o é para o Renato Sanches que devia subir à B.

É muito mais giro ler de "perfeitos desconhecidos" frases como:
«Obrigado ao Benfica e ao seu presidente, mas prefiro esperar uma outra oportunidade num outro campeonato.» Abel Hernandez

«Queria comunicar a todos que decidi cumprir o meu contrato com o Mainz 05 apesar da oferta muito lucrativa do Benfica» Loris Karius 


Há mais mistérios, mas se eu conseguisse perceber estes... seguramente que ficaria mais tranquilo. Os nossos leitores, especialmente os ágeis do insulto, como gostam muito de mim vão esclarecer-me os mistérios um a um e esta noite já vou dormir descansadinho... Só de saber que haverá justificação para aqueles 31 lá de cima já vai ser uma noite fabulosa!

PREPARAR PARA VENCER


Texto escrito e enviado ao NGB pelo benfiquista "Pensador Benfica" que aceitou o nosso repto para partilhar as suas opiniões com o universo benfiquista.
---------------------------------------------------------------------

Um antigo Jogador e treinador de futebol americano disse uma vez: 
"O importante não é a vontade de vencer, toda gente tem isso. O importante é a vontade de se preparar para vencer".

Utilizando esta frase proferida por um protagonista de uma modalidade distinta do futebol (europeu), começo por fazer a reflexão: Afinal o que é preparar para vencer?

Bem, existirão certamente muitas vertentes na preparação, desde económica ao treino, desde a política de contratações á construção de infraestruturas ao marketing publicitário, etc...


Vamos então pegar na vertente económica que como todos sabem é fundamental no sucesso desportivo de um clube (pelo menos a longo prazo).
Como podemos constatar a realidade económica e demográfica do nosso país impõe que os clubes portugueses procurem receita nos jogadores que, ano após ano, rentabilizam e vendem para os chamados "clubes compradores". 

Na minha opinião é a politica necessária apesar de torcionária para os adeptos dos clubes que a praticam. Então para isto precisamos de "activos" passiveis de ser rentabilizados e vendidos. Aqui temos duas características fundamentais que os jogadores devem apresentar : reduzida idade e muito potencial. E bastante evidente é a razão de ser das características acima referidas: Quanto mais novo for o jogador mais poderá evoluir e mais tempo poderá jogar e, quanto maior for o potencial, maior será a venda aquando a sua total rentabilização.

Assim, vejo com preocupação a média de idades que o Benfica apresenta esta época no chamado "onze titular". Ontem, frente ao Boavista a média de idades era de 28.3 anos o que é ligeiramente preocupante e eu explico o porquê.

Para uma melhor compreensão é necessário um enquadramento com o que se pratica em outros clubes, pelo que fui investigar a média de idades do onze inicial do Sporting(frente ao Arouca) e do FC Porto (frente ao Paços de Ferreira) por serem clubes com a mesma politica de venda de jogadores (embora a forma de chegar à equipa ser diferente). 
Mas não me limitei a investigar estes dois clubes, fui também verificar a média de Idades do onze do Mónaco, do Manchester United e do Barcelona que jogaram este domingo. Este foi o resultado:

Mónaco : 26.5 anos
Barcelona : 27 anos
Manchester United: 26.4 anos
Sporting: 24.5
FC Porto :23.8

SL Benfica: 28.3

Não me parece lógico que um clube, em que a política desportiva assenta na venda e valorização dos seus activos, tenha uma média de idades superior à do Barcelona(que não tem propriamente uma equipa jovem). 

No ano passado havia activos como: Oblak (21 anos), Marković (20 anos), Rodrigo (23 anos), André Gomes (21 anos), Matic (26 anos) e ainda nos demos ao luxo de desperdiçar (o presidente diz que não) juventude com imenso valor (digo eu que sim) como: Bernardo Silva, Ivan Cavaleiro e João Cancelo já para não falar no Estrela e em muitos outros. 

A minha interpretação é que se procura resultados imediatos em sacrifício do futuro e se me custa admitir isto ao treinador Jorge Jesus, custa-me muito mais admitir ao presidente cuja ÚNICA função, é representar os interesses do clube. 

Direi tão alto quanto a minha curta voz puder, o importante é preparar para vencer. Talvez alguém ouça..."

Douglas?

Gosto do guarda-redes do Guimarães, sim mais do que do Artur e do Wagner (que parece ser o fetiche de muitos).

Parece-me que o brasileiro, que conhece muito bem o campeonato português, só teria a ganhar em fazer uma época como suplente de Julio César e sendo ele o titular nas taças nacionais.

Pelos vistos vamos aguardar que Artur termine o contrato, mas se fosse encontrada solução para a dispensa do actual suplente do Benfica, penso que o Douglas (seria uma solução em conta e que está no auge da carreira - 31 anos).

Fica a opinião....

artigos recentes