Formação: A Responsabilidade da Liga e da FPF
O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Formação: A Responsabilidade da Liga e da FPF

Avatar
 ●  + 11 comentários  ● 

Diz a Liga Portuguesa de Futebol profissional na Secção 3, Artigo 45º do Regulamento das Competições (pag. 30) o seguinte: (versão resumida pelo GB) 

1. Podem inscrever-se jogadores de qualquer nacionalidade, desde que com contrato senior ou junior 
2. Inscrição obrigatória de 8 jogadores que tenham sido inscritos na Federação Portuguesa de Futebol, pelo período correspondente a três épocas desportivas, entre os 15 e os 21 anos de idade (inclusive) - Jogador formado localmente 
3. Não podem exceder 27 seniores e ainda 3 jogadores da categoria sénior do 1º ano que tenham sido juniores A pelo mesmo Clube na época anterior. 20 jogadores sub-23 do Clube Satélite e/ou da categoria júnior A.

Acho que não interpretei mal a lei. Assim sendo, só pode ser para rir que vejamos Fernando Gomes, Paulo Bento e outros que tais a queixarem-se da falta de aposta na formação por parte dos clubes portugueses.

Não há qualquer obrigatoriedade de ter jogadores inscritos que sejam formados NO CLUBE - isso fica para as normas da UEFA e habitualmente apenas para "encher" pois se os miúdos não jogam no campeonato, menos ainda jogarão nas provas europeias.

Portugal é, caso os "donos do futebol" não saibam o país pequeno que viu condecorar no Mundo Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo. Que viu aparecer outros nomes como João Vieira Pinto, Vitor Baía, Rui Costa, Paulo Sousa ou Fernando Couto e que agora tem jogadores espalhados por Real Madrid, Chelsea, Manchester United, Atl Madrid, Valencia, Zenit e, claro, Benfica e FCPorto (que estiveram em finais europeias nos últimos anos) e Sporting.

Portugal, em particular o SLBenfica e o SportingCP dispõe das melhores redes de prospecção nacionais e internacionais de jovens jogadores. A taxa de prática desportiva e, especialmente do futebol, é elevadíssima e das mais altas da Europa.

O potencial, portanto, para obter valores na formação de jogadores jovens e PORTUGUESES é enorme.

A dúvida é: Mas porque não acontece?!

São imensos os motivos! Podemos dispersar por onde quisermos: desde as "negociatas de comissões", os interesses dos empresários, a escolha dos caminhos mais fáceis por parte dos dirigentes, a sede de protagonismo, a comunicação social, etc. etc. etc.

Olhamos hoje em dia para jogadores em ascensão na Europa e ouvimo-los dizer que "o campeonato português não é atractivo". E a verdade é que... não é! Tirem os jogos do Benfica, Sporting e Porto à liga nacional e temos estádios vazios, mau futebol, más arbitragens, maus comentadores, muitos interesses e jogadas de bastidores.

E a tendência tem sido para piorar, piorar e piorar... os clubes têm cada vez mais dificuldades financeiras, os jogadores se não jogarem nas equipas de topo, a médio prazo deixarão de viver do futebol e passarão a ter que entrar aos 30, 33, 35 anos no mercado de trabalho depois de anos dedicados ao futebol, sem dinheiro e se valor acrescentado para trazer ao mercado de trabalho. Os presidentes/dirigentes, passam pelos clubes uns mais anos que outros, invariavelmente saem mais ricos ou melhor posicionados na sociedade... depois de terem destruído, na sua grande maioria os clubes que dirigiram.

Como muito bem refere hoje José Marinho na sua página do Facebook, sobre a ascensão de Rodrigo, a grande realidade é que tal acontece quando ao jogador são dadas condições para jogar com regularidade, sem pressão de olhar por cima do ombro para se sentir preterido à primeira falha... e os resultados estão à vista.

Ou seja, quando há qualidade (e se houver maior aposta de todos os clubes, invariavelmente o nível qualitativo irá subir bastante), o grande diferenciador passará pela oportunidade que os miudos terão de ser apostas seguras, de se sentir como tal e não como uma etapa transitória até que descubram um estrangeiro apetecível.

Dito isto, importa sim começar por quem manda!
Se os dirigentes, que são na sua maioria oportunistas sociais, não sabem liderar as suas instituições para as proteger, para lhes dar valor, para lhes acrescentar valor, para lhes dar sustentabilidade... então que sejam os orgãos que lideram o futebol a impor as regras e obrigar esses dirigentes a proteger o futebol.

O que está em causa não é proteger os miúdos... o que está em causa é proteger o futebol português. Não haja quaisquer dúvidas que sem uma inversão estratégica semelhante à que fez a Holanda já na década de 70... os nossos filhos talvez ainda possam continuar a alimentar a paixão pelo futebol, mas seguramente que os nossos netos ou bisnetos já não terão futebol português para terem a paixão que os nossos pais e avós tiveram e nos transmitiram.

O futebol português vai ter que "FECHAR PORTAS", e tal como a economia, procurar limitar ao máximo as "importações" e incentivar a produção nacional, dinamizar a "economia nacional" do futebol e fazê-lo de forma sustentada que nos possibilite alicerçar a sustentabilidade também na VENDA de activos produzidos em Portugal.

O País só começou a inverter a tendência suicída quando também ao nível macro económico apontámos à produção nacional e às exportações. É esse o caminho que o futebol português tem que seguir.

Os clubes, principalmente abaixo dos três grandes, têm que começar a ser formados na sua grande maioria por jogadores portugueses e formados muitos deles nos próprios clubes. Terá custos desportivos? talvez numa fase de transição, mas a médio e longo prazo será o alcance da sustentabilidade.



É preciso, mais do que falar, que a Liga e a FPF tenha coragem de impor regras e limites às equipas nacionais, sem excepções, de incentivo à formação. 

Falam tanto nos direitos televisivos e na centralização? Porque não indexar uma pequena parte da quota parte dos clubes ao numero de jogadores formados no clube, tal como se pretende fazer com a indexação à classificação do ano anterior?

Porque não penalizar os clubes com baixos rácios de jogadores formados no clube? Porque não obrigar à inscrição de uma quota mínima de jogadores formados no clube? Porque não impor regras na Liga que obrigue à utilização de jogadores formados no clube num contexto de, por exemplo, cinco jornadas (por exemplo ter que haver x jogadores formados no clube a actuar a cada cinco jornadas)... sei lá, são estas, poderiam ser quaisquer outras.

Fala-se muito, mas depois o modelo de base privilegia os esquemas e a manutenção do statu quo dos dirigentes e empresários que estão a matar o futebol português.

11 comentários blogger

  1. Jogar por decrerto este e o teu grande contributo ao futebol. Devem jogar os melhores e os miudos da formacao tem que se abituar a competicao. No caso do Benfica eu ficaria muio preocupado se enveredassemos por formas de facilitismo para com a nossa formacao, os os nossos jogadores devem- se nortear por certos pricipios como:TRABALHO,DEVER,RESPONSABILIDADE,SUPERACAO,DEDICACAO,RESPEITO,PERCISTECIA,DIVERSAO e principalmente BENFIQUISMO e paciencia de esperar pela sua oportunidade.

    Carlos palma

    ResponderEliminar
  2. Meu caro... sabes perfeitamente, aliás, sabes bem melhor que eu, que esta gente só olha para o próprio umbigo. Querem a solução da rentabilidade agora. Depois... os que vierem a seguir que resolvam, é a estratégia da avestruz.
    O que nos doi, acho, é que ambos sabemos que além desse ser o caminho viável, é necessário estar sempre a martelar-lhes os ouvidos, a ver se alguma coisa vai ficando, a ver se mais alguém começa a olhar mais distante.
    Parabéns pelo texto e pela energia na defesa do nosso futebol, e claro, no nosso clube.

    ResponderEliminar
  3. Parabéns Benfica by GB!

    Gostei muito deste teu artigo! Apenas acrescentava um ponto para complementar a toda a imagem que descreveste tão bem: os custos supérfluos que a nossa federação tem a alimentar uma quantidade de mamões!

    Se em vez de se gastar os milhões ganhos pelas participações da nossa selecção nacional lá fora em coisas sem nexo e fossem realmente canalizadas para o futebol a nível do clube do bairro, talvez as coisas realmente se inverteriam tal como aconteceu na Alemanha.

    A ver se escrevo algumas linhas no meu blog sobre o que eu penso da formação do futebol português.

    ResponderEliminar
  4. GB, é por artigos destes que te considero o melhor blogger da universo benfiquista. Certíssimo da primeira à última plavra.

    ResponderEliminar
  5. Mas achas mesmo que a FPF e liga estão preocupados com isso? A prioridade é manter as negociatas e o dinheiro em movimento, óbvio que depois limpam a água do seu capote dizendo que a culpa é unicamente dos clubes.
    Venham de lá os defensores dos interesses dos empresários mas considero aberrante uma equipa no campeonato português poder apresentar equipas sem um único em campo! Não é preciso extremos nem é isso que defendo mas deviam existir mínimos, depois admiram-se de estádios vazios e descaracterização e quebra de ligação aos clubes.
    Algo simples como ter que iniciar o jogo com um mínimo de 3 jogadores nacionais sendo um deles sub-21 e da formação do clube ia fazer uma grande diferença, regras iguais para todos e na Europa é fazer como bem entenderem. Será algo tão complicado de implementar ou ia isto provocar alguma quebra de competitividade no mediocre campeonato nacional?

    ResponderEliminar
  6. Portugal cada vez mais se assemelha a um país de um 3º mundo qualquer, onde o lambe-botismo e o tachismo são colocados à frente do mérito, é assim que funciona o país noutras áreas, é assim que funciona o futebol português. Enquanto continuarem a nomear pessoas para os altos cargos do futebol português, que apenas querem servir-se do futebol ao invés de servirem o mesmo (incluindo presidentes de clubes...), a situação nunca irá mudar.

    Outro grande problema é que quando se fala de futebol português, vêm logo dois nomes associados, Ronaldo e Mourinho, mas infelizmente para Portugal, um é apenas um jogador de futebol, o outro é apenas um treinador...

    ResponderEliminar
  7. É óbvio que tem de se começar a implementar quotas, nem que sejam mínimas, para jogadores da formação.
    Não concordo com x jogadores por jogo, até porque com as lesões de uns ou outros a gestão podia ser difícil, mas imagine-se que se limitavam a 26 os jogadores do plantel (haveria depois a equipa B) e que dos 26 uns 6 jogadores (para começar) tinham de ser da formação?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso não ia dar em nada porque era mais do mesmo,ter jogadores para fazr nº apenas para cumprir, algo mínimo como ter que começar o jogo com 1 sub 21 da formação e 1 jogador nacional de qualquer idade chegava bem e podia fazer uma grande diferença.

      Eliminar
    2. Essa conversa ja e otra e nao tem de jogar atletas por decreto tenham maior ou menor qualidade

      Carlos palma

      Eliminar
    3. Carlos Palma por decreto andavam a jogar o Cortez e o Artur esses titãs do futebol! Agora é o Lima!

      Eliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários.
Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.
Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado.
Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking

recentes

Mensagens populares