O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

O clássico do dia 13 (parte III)

 ●  7 comentários  ● 

Portugal 18 de Janeiro de 2013

Não tinha intenção de me voltar a referir à fase “durante o jogo”, depois do texto anterior, mas dado que o FCP enfatizou a arbitragem e até já pretenderam dar uma “directa” a Jorge Jesus com a treta do fair-play, vou escrever umas linhas sobre a componente “treinador que recusou um contrato milionário para treinar o FCP” e a arbitragem do “major do exército que expulsou 3 jogadores ao Benfica de Fernando Santos no Bessa” numa derrota por 3-0.
Quanto à forma como Jorge Jesus geriu o plantel antes e durante o jogo, para mim teve nota de excelência. Como já referi, não é fácil suster os contra ataques do FCP quando jogamos em 4-4-2 (losango ou clássico) e isso tem-se visto nos últimos 12 anos. Jorge Jesus posicionou os jogadores de tal forma que conseguiu ser eficaz nesta matéria e ao mesmo tempo a “proeza” de marcar 2 golos de bola corrida. Não é fácil, porque regra geral aparece uma apitadela do árbitro a ver uma falta qualquer, que por vezes nem a televisão do sistema consegue ver.
Outro aspecto, a inclusão de Jardel na equipa titular em detrimento de Luisão, recuperado de lesão, na minha maneira de ver, permitiu ao treinador não só ganhar um jogador, como ganhar uma equipa. São pequenas decisões como esta, que mostram a liderança ao grupo de trabalho e criam regras de reconhecimento e valorização de cada jogador.
Faço notar que a opção de Aimar por Lima ao mn 69 consubstanciou uma alteração ao 4-4-2 losango, tornando-o num 4-2-3-1. Ou seja, recuou uma unidade de meio campo, deixando um ponta de lança sozinho na frente. Alguns irão defender que foi só coincidência que a melhor situação de golo do Benfica, tenha surgido nessa fase... Mas não foi. Esse movimento, na altura contrariou algum domínio do FCP, obrigando a subir as linhas defensivas (tinham menos avançados para marcar) e dai ter permitido ao Benfica alguns lances de contra ataque.
Por último a arbitragem. O FCP fez crer, através das suas movimentações no palco mediático, que não ganhou o jogo por causa dos erros do árbitro. Erros que resumem a, 3 foras de jogo e 2 expulsões perdoadas a Matic e Maxi Pereira. Já o Benfica, através do presidente e do treinador, atabalhoadamente elogiaram a arbitragem (há burros e burros), que no futebol português é o pior que se pode fazer. Por cá está estatuído que, quem elogia um árbitro não o faz para sublinhar uma arbitragem correcta, mas sim uma arbitragem que o favoreceu. Adiante.
O FCP pode-se queixar com razão, de um fora de jogo muito mal tirado no 1º minuto, em que Defour ficaria isolado perante Artur e com possibilidade de golo. Se ainda não tinham percebido porque é que fiquei furioso com Carlos Xistra na 2ª mão da meia-final da Taça de Portugal, agora já sabem porquê. É que ao Cardozo, desses, foram 3 só na 2ª parte!
Quanto aos demais foras de jogo, penso que dificilmente originavam perigo uma vez que os nossos defesas tomaram rapidamente conta das jogadas. São erros dos árbitros assistentes, nem sempre inocentes...
E quanto à componente disciplinar aplicada pelo árbitro principal? Vamos por partes. Moutinho com 7 faltas, Maxi com 5 e Matic com 4 foram os jogadores mais faltosos. Todos 3 escaparam à expulsão, queixando-se o FCP, de faltas não sancionadas disciplinarmente – e deviam ter sido - aos 79 mn sobre Matic e aos 86 mn sobre Maxi.
Mas o jogo não começou aos 79 mn como o FCP propagandeia. Se começarmos desde o início, temos a primeira falta grosseira do encontro de Moutinho aos 5 mn e 33 segundos (tesoura sobre Enzo). Não sancionada – e devia! A treta que o árbitro não quis estragar o jogo logo de início, é mesmo isso: treta. O Jorge Sousa mostrou cartão amarelo ao Coentrão, no ano do título, em Braga, por uma falta menor junto à linha lateral de que nasce o 1º golo do Braga.
Depois Mangala dá uma “trouxada” de cotovelo nas costas/cabeça de Cardozo ao mn 42. Mais um cartão perdoado. Aos 47 mn é Fernando que pisa Gaitan, sem falta nem cartão, sendo de recordar que este árbitro expulsou André Gomes no jogo com Guimarães por jogada igual. Se o critério se mantivesse, o FCP ficava com 10 desde o mn 47 e lá se ia a história das faltas do Matic e do Maxi.
A “cereja no topo do bolo” foi o penalty sobre Garay ao mn 93 que, inteligentemente, o árbitro transformou em falta atacante. Mas não é esse o manual? Quando Aimar levou uma “trouxada” em Coimbra no ano passado, o árbitro Capela não marcou falta contra o Benfica? Quando o Coentrão foi atropelado pelo Sapunaru no jogo da Supertaça de há 2 épocas, este mesmo João Ferreira não assinalou falta contra o Benfica (estava 0-1)?

Posto isto, o FCP foi claramente beneficiado pelo árbitro principal com uns quantos truques de “manual” (e recorrentes neste “artista”). O Benfica mais uma vez saiu prejudicado pelo critério disciplinar, com implicação negativa na dinâmica do seu jogo e por tabela, com implicação indirecta no resultado.



7 comentários blogger

  1. Verifico noutros textos, que a sequelas 2 e 3 normalmente têm menos interesse para os leitores. Mas como na minha opinião, o assunto não está esgotado, dadas as várias perspectivas que podemos querer analisar, decidi reincidir.

    Se por acaso verificar que as leituras ficam muito abaixo dos 2 textos, já publicados, não sairá a parte IV que diz respeito ao "pós jogo". E assim, certas pessoas que fervem em pouca água, já não se irão aborrecer e poderão, quem sabe, arranjar motivos para desancar no Jesus, no Maxi, no Bruno César, no Roberto, etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro eagle( ? ) aqui nquem desanca és tu. Esse é o teu ' pelouro '. Leio, sim. E nem era para comentar. Mas não resisto a esse ' desancar ', tão teu, tão eagle01 e nada Benfica.

      Eliminar
  2. Uma análise de fazer inveja ao Rui Gomes da Silva

    Cumprimentos,

    Pedro Carneiro

    ResponderEliminar
  3. Caro Eagle, o Aimar entrou para o lugar de Lima e foi-se colocar a segundo avançado e não, infelizmente, como diz, como mais um elemento de meio campo.

    ResponderEliminar
  4. Eagle,

    não entendi porque falaste na parta final do testo na supertaça de 2010, o ferreira fechou os olhos a 3 espulsoes dos nossos, nesse jogo ele bem que nos ajudou neste só nao espulsou o maxi e nao espulsou o moutinho, o bandeirinha é q foi fixe nos foras de jogo do porkos e logo com o jogo no começo,,o arbitro pra nós teve bem.

    tou farto de ver a roubalheira sempre a gamar o glorioso

    ResponderEliminar

  5. Para mim não está em causa o sistema 44-2 mas sim os jogadores que tens para o interpretar e o adversário que tens pela frente.

    Nitidamente os corruptos foram à Catedral essencialmente preocupados em não perder procurando bloquear o Benfica a meio campo coisa diferente do autocarro em frente à baliza que usam a maior parte das outras equipas do campeonato.

    Penso até que +ara a estratégia dos coruptos a leão (?) do ""rames"" caiu como mel na sopa pois ainda reforçaram mais o centro do terreno tenatando assim bloquear mais Gaitan o maior desiquilibrador do Benfica.

    Os corruptos jogaram em 4-1-4-1 sendo frequente ver o seu avançado a defender perto da sua área.

    Durante a semana pedi a amigos que vestissem a pele de treinador e fizessem a sua equipa.

    A minha foi esta: Artur, Maxi, Garay e Luisão/Jardel, Matic, Enzo ((embora considere que Enzo continua uma adaptção e que renderia mais a 10 ou ala direito))) e GAITAS, Salvio Cardoso/Lima e OLA.

    E, o inicio do jogo deu-me logo razão quando o Gaitas arranca pelo centro e deixa 3 corruptos para tràs e só e parado em falta perto da área.

    Gaitan seria o grade desequilibrador, o organizador e mesmo bom concretizador, pensando o jogo, abrindo nas las ou até lançando o ponta de lança e é neste lugar que o GAITAS mais rende, mais gosta e onde mais brilhará.

    Era obrigatório procurara o desiquilibrio.

    Lima em jogos com equipas de autocarro poderá levar vantagem porque junto à áreo é mais oportuno, mais espontãneo e mais forte fisicamnete.

    Penso que JJ, que até treinou este esquema duranre a semana, teve medo de ter medo. Quero com isto dizer que nada sendo adquirido em futebol se perdesse seria acusado de medroso da troca de Lima pelo Gaitas e acusado de procurar defender. Sabemos como trabalham os avençados.

    Tanto assim que os corruptos procuraram emperrar o nsso jogo a meio campo partindo a equipa e deixando os nossos avançados isolados.

    Lima passou ao lado do jogo a daí a sua subtituição que para mim nunca seria Aimar ou Carlos Martins visivelmente sem ritmo.

    Já que JJ insistiu com Lima, que até poderia ter dados para ganhar não fosse a nossa oferta de dois golos, quando da sua substituição poderia meter o OLA e deslocar o GAITAS PARA O MEIO.

    Os corruptos só se diferenciaram de uma equipa vulgar ao adiantarem 30 metros o autocarro porque não duvidem foram para lá todos borrados embora vem vitaminados.

    Empataram sem fazer um unico remate à baliza.

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking