O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


sábado, 21 de abril de 2012

Mais umas curiosidades...

 ●  21 comentários  ● 
Dou um rebuçado a quem descobrir o nome deste menino, onde joga e que borrada fez.

Hoje foi marcado a favor dos corruptos mais um daqueles penaltis que só são marcados a favor dos corruptos ou contra o Benfica, aqueles que o Artur falou, os tais penaltis dos sopros. Mais uma exibição de encher o olho dos corruptos em que o melhor em campo foi o "Duvidoso" ou o 12.º jogador. O homem do apito só estava á espera que alguém do Beira-Mar tocasse ou soprasse em quem quer que seja para alterar o rumo que as coisas estavam a tomar. Gostei de ver a agressividade dos jogadores do Beira-Mar, para a próxima levem os juniores ou os infantis que vai dar ao mesmo...

A claque dos corruptos não o mostrou mas eu sei que eles queriam também agradecer ao Vieira todo o seu silêncio em relação á arbitragem, é que assim fica mais fácil fazer as coisas.

Acho curioso...

 ●  8 comentários  ● 
Que cada vez que se fala em Paulo Pereira Cristóvão não se fale em Sporting quando em noticias sobre Vale e Azevedo os jornaleiros não perdem tempo e dizem sempre "ex-presidente do Benfica."

Acho curioso o facto de só agora a FPF abrir um processo ao caso do Sporting, vou repetir, do SPORTING e não somente de Paulo Pereira Cristóvão.

Acho curioso a comunicado do Sporting a tentar descolar o Sporting da borrada que terá feito Paulo Pereira Cristóvão. Aliás, não é só o Sporting que o está  a fazer, toda a comunicação social pouco ou nada tem aprofundado sobre o tema.

Acho curioso que não se façam programas exaustivos a dissecar todo este processo, como foi feito com Vale e Azevedo e Veiga, por exemplo.

Acho curioso que um caso destes tão grave mereça pouco destaque por parte dos meios de comunicação social.

Acho curioso ver o Sporting, o tal clube diferente, envolvido numa coisa destas e para os adeptos parece que não se passou nada, não há nem um pouquinho de preocupação no que isto pode resultar.

O Sporting que nem pense tentar descolar-se de todo este processo porque simplesmente não o pode fazer, ou o Paulo Pereira Cristóvão não é Vice-Presidente do Sporting?

Vamos aguardar por desenvolvimentos do caso e depois veremos o que poderá acontecer. Fazendo fé no que se vai lendo e ouvindo, eu acho que o Sporting pode estar metido numa carga de trabalhos mas como também sei que vivemos num país de impunidade, de corrupção e de cobardes, acredito que não irá haver coragem para fazer valer os regulamentos disciplinares. Mas reafirmo, a confirmarem-se as coisas que têm vindo a lume!!!!

quarta-feira, 18 de abril de 2012

"A guerra ainda não acabou"

 ●  13 comentários  ● 
Como diz, e muito bem, o Makukula (onda anda esse jovem?) a batalha pela conquista do Campeonato Nacional ainda não acabou.

Faltam apenas quatro jornadas, é certo, mas ainda temos hipóteses de ganhar isto. Está bem, já sei, não depende apenas de nós. Temos de esperar pelo erro do adversário. Mas eu continuo a acreditar. Agora... uma coisa é certa. Não podemos perder nem empatar mais nenhum jogo. Se isso acontecer é o fim, definitivamente.

O Benfica tem agora quatro finais pela frente: vai receber o Marítimo, no Sábado. E depois tem deslocações a Vila do Conde e a Setúbal, com uma recepção ao Leiria pelo meio. Jogos importantes, mas relativamente simples. Só depende de nós complicar o que é fácil.

Já os corruptos têm jogos mais complicados. Uma deslocação à Madeira e a Vila do Conde e a recepção ao Beira-Mar e ao Sporting. Acredito que no jogo da Madeira e no jogo contra o Sporting haja a possibilidade de o Porto perder pontos. Da mesma forma que o Sporting nos surpreendeu, o mesmo pode acontecer com os azuis.

Benfiquistas: não é impossível. Temos de encarar estes jogos como finais. Nada está perdido. A merda é que, podemos golear 10-0 nos próximos jogos que de nada viria a adiantar se o Porto não perdesse pontos. Não interessa. Vamos para a frente! Vamos lutar pelos nossos objectivos. Lutar contra o sistema corrupto!

Esperam-nos quatro jogos a jogar contra 15. Em que, não satisfeitos e inseguros com o futuro, de tudo vão fazer para perdemos ainda mais pontos e descansar ainda mais os azuis. Se o Jesus não errar, se a equipa der tudo de si e se o Porto perder pontos, temos tudo para vencer mais um título! Vamos encher o Marquês!

FORÇA BENFICA!

Missão: Extinguir este 'portismo' - Parte II

Avatar
 ●  22 comentários  ● 
Em continuação do post que escrevi AQUI, falo agora do papel do Benfica, como clube, nesta que deveria ser parte da sua missão diária.

Esta doença chamada 'portismo' com o passar dos anos alastrou para fora dos círculos do futebol.
Empestou outras modalidades, contaminou a maioria da comunicação social, afectou uma parte da sociedade composta de gente iníqua, mesquinha, cínica, e inquinou as 'águas' em que qualquer dirigente desportivo se movimenta.
O resultado ficou à vista com o desfecho do processo Apito Dourado.

O que aprendeu o Benfica com esse processo? O clube, na pessoa dos seus dirigentes, nada. Os sócios e adeptos confirmaram tudo aquilo que era evidente.

O apoio por parte do Benfica a figuras ligadas a este doentio 'portismo' foi um exercício de masoquismo e quase de 'gestão danosa' dos interesses do Benfica. A história em 30 anos de corrupto-mor, não revelou uma única deserção de algum elemento chave do 'portismo'. Ao invés, todos os que aparentemente nada teriam já a ver com o 'portismo', revelaram-se apenas corredores com o mesmo objectivo mas que agora acompanhavam o passo dos corruptos no passeio, em vez de na estrada.

Enquanto o Benfica 'bate no peito' afirmando que 'o que interessa somos nós', que 'sabemos o caminho que temos que seguir', que 'somos o maior clube do mundo', o 'portismo' reimplantou-se nas estruturas do futebol como nunca o tinha conseguido no passado. Embora Madaíl fosse um verme sem espinha vertebral, nunca o 'portismo' tinha conseguido colocar um dos seus ao leme da FPF.
Havia um acordo histórico do passado entre SLB,SCP e CFB em que nunca um portista ocuparia essa cadeira, sabendo já nessa altura quais seriam as consequências de tal acontecimento. 

Após o esclarecimento que foram todas as provas apresentadas no 'Apito Dourado', inclusivé as escutas excluídas, foi com o apoio do Presidente do Sport Lisboa e Benfica que o 'portismo' consegue ocupar as 2 cadeiras do poder no futebol: LPFP E FPF.

Os resultados não se fizeram esperar. Quando ocupou a presidência da Liga, Fernando Facturas rapidamente relembrou quem mandava e nessa mesma época regressaram os roubos descarados ao Benfica.
Não foi suficiente, achou LFV. Então veio o apoio ao Facturas para a FPF.
Chegamos à altura crucial da época e o que acontece? Volta a arbitragem a fabricar resultados e a quase decidir um campeão nacional.

Entretanto, as virgens ofendidas de apito na boca fazem ameaças e retaliações a quem critica as suas actuações vergonhosas, com o apoio público do Facturas.
É colocado em prática o 'segredo da nomeação', que tão bons resultados produziu em Alvalade no jogo com os Leões. 

O papel do Benfica neste jogo é o de líder no combate a esse flagelo que é o 'portismo'.
Têm que ser rasgados quaisquer acordos verbais feitos de apoio seja a quem for conotado com esta doença.
O Benfica tem o direito de se defender na praça pública dos roubos de que foi vítima.
Mas isso não chega. O Benfica não tem que ter medo que colocar as 'mãos no lixo' e vasculhar a teia de interesses que tenta cercar o clube. Fala-se em Veiga, em Marinho Neves, em gente que sabe olhar por dentro para o 'portismo' que dominha o futebol. 
O Benfica precisa de jogadores obscuros, que não cometendo ilegalidades, se imiscuam no caldeirão de interesses que é o 'portismo' e o desmascarem quebrando cada um dos seus elos.

O Benfica tem uma multidão de gente espalhada pelo país e mundo que vive e defende o clube diariamente, e à prova de confiança, que são as Casas do Benfica.
O Benfica tem a rede de blogues de adeptos do clube, que divergindo nas opiniões sobre o caminho a seguir, convergem no amor ao Benfica.

O 'portismo' só se elimina com PURO BENFIQUISMO. Esse benfiquismo só pode vir do coração. 

A direcção de LFV não tem mais margem para qualquer promiscuidade com o 'portismo'. 
A decisão sobre os direitos desportivos deixará claro o caminho de LFV.
Vamos ver se finalmente LFV escolhe caminhar lado a lado com o Benfiquismo, ou se prefere dar mais uma facada no 'coração' do Benfica e apoiar essa praga que é o 'portismo'.

Termino esta segunda parte como terminei a parte um.
O 'portismo' é para isolar. E depois é deixá-lo fazer como algumas lombrigas quando atacadas pelo medicamento. Consomem-se a si próprias e morrem.

Este 'portismo' tem que morrer. É ele ou o futebol português.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Porque não ganha o Benfica IV

 ●  67 comentários  ● 

Resumo dos meus trabalhos anteriores, “Os inimigos do Benfica” e “Porque não ganha o Benfica; III”:

Defendo a tese de que, o FCP, é, hoje, uma organização de pendor eminentemente político económico, constituindo, juntamente com o seu atual Presidente, um instrumento de afirmação regional de entidades de relevância regional e nacional, que são a causa primordial de discriminação desportiva a que temos assistido nas últimas décadas, constituindo a vários níveis uma agressão à nossa lei fundamental.

Defendo ainda que, o aliado implícito político principal do FCP e, eventualmente, o mentor deste projeto é o Partido Socialista devido ao interesse comum da regionalização e a sucessivos episódios de natureza política.

Defendo também, que a fação que atualmente governa O Partido Social Democrata e o País, converge nessa estratégia, visto que defende a regionalização, constando-se que, alegadamente, está em curso, discretamente, o processo de constituição da região Porto, envolvendo várias entidades ligadas ao FCP, o que, a ser verdade, viola os preceitos constitucionais que impõem a consulta popular através de referendo.

A estrutura acionista do FCPFSAD, revela como acionistas de referência, o FCP com 40%, a Somague, A Sportinvest e António Oliveira, sendo que, quer a Somague quer a Sportinvest são acionistas, a meu ver indesejáveis, na SLBFSAD.

A consulta dos currículos dos constituintes do Conselho de Administração da FCPFSAD, revela um elevado nível de formação académica e complementaridade, bem como sinais de eventuais fortes ligações indiretas a este nível com universo Américo Amorim.

Conclusão da análise do Conselho Fiscal: Mantém-se o padrão de elevada formação académica dos seus membros, vasta experiência profissional e fortíssimo vínculo á economia regional, surgindo outras entidades relevantes: a SONAE, A AEP e a ACP.
Vejamos agora a constituição do Conselho Consultivo: Este órgão, que não tem equivalente no SLBFSAD, pronuncia-se sem caráter vinculativo sobre os temas que o Conselho de Administração entenda colocar-lhe. É constituído por dezoito membros, alguns dos quais figuras de relevo nas áreas económicas e política. No relatório não constam os seus currículos, pelo que, reportar-me-ei a informação geral e avulsa. Assim:

Alípio Dias (Alípio Barrosa Pereira Dias) é o Presidente; figura de grande relevância no setor Bancário, ex-Presidente do Banco Totta e Açores, ex-Administrador do BCP, ex-candidato à compra da SLN – em nome de investidores-, ex-Deputado pelo PSD desde 1980 até 1995, Professor Universitário, Vice-Governador do Banco de Portugal, membro consultivo do BP, ex-Vice-Presidente da Associação de Bancos, ex-Secretário de Estado das Finanças e Orçamento, ex-Vice-Presidente da Associação Industrial Portuense, ex-Vice-Presidente da Associação de Desenvolvimento do Mercado de Capitais, Administrador da Kendal - Privado Holding; acionista da brisa -, ex-arguido no intrincado caso BCP tendo como “defensores” dois ex presidentes da República, Marques Mendes e Manuela Ferreira Leite, ex-Administrador da construtora Monte SGPS, autor do opúsculo Nova Política Monetária, membro do Conselho Fiscal da Fundação Oriente, recrutado por Ângelo Correia para gestor da Fomentinveste empresa a que preside, ex-Presidente da CGD. Quanto a esta ilustre figura, fico por aqui porque isto parece não ter fim!


Américo Amorim; Dispensa apresentações, não é verdade? Com uma fortuna superior a 3600 ME, podia comprar todos os clubes de futebol e organizar uma dúzia de campeonatos só para se entreter! Segundo a Wikipédia:

Terminou o Curso Geral do Comércio e ingressou na empresa de cortiça da família, cuja origem remonta a 1870. Com os seus irmãos, participou na fundação da Corticeira Amorim, da Ipocork e da Champcork, empresas do sector dos derivados da cortiça. Posteriormente tornou-se responsável executivo da holding Corticeira Amorim, que controla as empresas corticeiras e afins. Através de outra holding, a Amorim - Investimentos e Participações, estendeu os seus investimentos aos sectores da energia, do turismo e da finança, sendo um dos principais accionistas do Banco BIC Português, a terceira maior instituição bancária de Angola. Em nome individual concentra participações sociais de relevo na Galp Energia e no Banco Popular espanhol, onde é o terceiro maior accionista. É cônsul-geral honorário da Hungria em Portugal.

Américo Amorim é o novo chairman da Galp, avança o Económico. Na lista elaborada pela revista Forbes em 2011 é o mais rico de Portugal e um dos 200 homens mais ricos do Mundo. Américo Amorim, vale 5,1 mil milhões de dólares (3,6 mil milhões de euros), mais 1,1 mil milhões (791 milhões de euros) do que os 4 mil milhões de dólares (2,8 mil milhões de Euros) que valia em 2010.

As declarações do homem mais rico de Portugal, Américo Amorim, com uma fortuna orçada em 3,6 mil milhões de euros pela revista "Forbes" em 2011, encerram uma grande verdade. Não por causa da sua suposta pobreza - com 3,6 mil milhões de euros ainda se consegue ir à Fonte da Telha beber umas cervejas -, mas por causa da filosofia que expressam. Quando lhe perguntaram se seguiria o exemplo de milionários norte-americanos e franceses que exigiam ser mais taxados para participar no combate à crise, Amorim não responde à questão, mas sempre vai dizendo: "Não me considero rico, sou um trabalhador." Esta frase é reveladora: Amorim não é rico porque trabalha. Logo, quem trabalha, regra geral, não consegue enriquecer - diz-nos o homem mais rico de Portugal e confirmam-nos as estatísticas: no mundo desenvolvido, nos últimos 30 anos, os ricos ficaram muito mais ricos e os pobres receberam uma menor percentagem do rendimento disponível. Atentemos ao exemplo da maior economia do mundo. Entre 1978 e 2008, o rendimento do segmento de 1% dos mais ricos da população norte-americana cresceu fortemente. Em 30 anos, passou de 8,95% do produto interno bruto para 20, 95% do mesmo PIB. É fácil perceber a quem eles foram tirar o dinheiro.

É criada a Amorim Investimentos e Participações (AIP) e em 1988 a Corticeira Amorim passa a estar cotada em bolsa, tornando-se líder mundial do sector em 1989, com a aquisição do grupo sueco Wicanders.

A par da cortiça, ainda hoje o “core business” do empresário, o Grupo interveio também em várias operações e actividades ligadas à banca privada, ao petróleo e às telecomunicações móveis.

Participou na fundação da Sociedade Portuguesa de Investimentos (SPI), actualmente banco BPI, projecto que abandona em 1984, ano em que avança com mais 12 empresários para a criação do Banco Comercial Português (BCP). Este surge um ano depois com Américo Amorim a convidar Jardim Gonçalves para a sua direcção.

Poucos anos depois, funda a Soserfin, hoje BPN – Banco Português de Negócios/Real Companhia de Seguros, e em 1992 o BNC – Banco Nacional de Crédito, efectuando em 2003 uma troca de acções deste banco com o BPE – Banco Popular Español. Em Maio de 2005, criava então o BIC – Banco Internacional de Crédito, em Angola.

No sector petrolífero, participou em 1995 na privatização parcial da empresa petrolífera Petrogal e em 2005 adquiriu uma participação do capital da Galp, em parceria com a Sonangol.

Como conta Miguel Judas, no seu livro “Os 10 mais ricos de Portugal”, fez também um dos melhores negócios com a Telecel e, aliado ao BES, à Centrel e à Efacec, ganhou em 1991 o concurso para as comunicações móveis em Portugal, um investimento de 15 milhões de contos que anos mais tarde veio a vender ao grupo Vodafone por mais de 100 milhões de contos.

É o português que mais relações manteve no período de 1958, até ao final da perestroika, com todos os países da ex-COMECON – a organização económica que agrupava os Estados satélites da URSS. E é um dos primeiros industriais a deslocar-se aos territórios do antigo bloco comunista, numa altura em que Portugal não mantinha com eles qualquer tipo de relação devido à natureza ideológica do regime de Salazar, conta Miguel Judas. Ainda hoje mantém relações com todos eles, independentemente seu estado político e da sua evolução.

Desculpem, entretanto, adormeci e tive um sonho mau! Imaginem só! Sonhei, que alguns dos fundadores do BPN, estão entre os fundadores do BIC, que acabou de comprar aquele, depois do Estado Português – ou seja todos os Portugueses – nele ter injectado mais de 6000 ME! E o que mais virá! Não acham que estou a ficar xoné?

Lembrei-me agora; não andam por aí uns chicos-espertos a dizer que o Benfica é o clube do regime? Mas, é que, está-se mesmo a ver, não está?

Olhem; fico por aqui por hoje, mas isto vai ser longo e tem que ser aos poucos!

Recomendo-vos porém que leiam tudo com muita atenção para perceberem muito bem…volto a dizer, muito bem, onde está a força de Pinto da Costa e quem são os verdadeiros “inimigos do Benfica”, ou seja…de todos nós! Dizem então que acabou a ditadura, não é?
Mas…é que está-se mesmo a ver, não está?


Viva o Benfica!


Viva Portugal Livre!

Portugal de luto!!!

 ●  12 comentários  ● 
Hoje o futebol Português está de luto!!! Faz hoje 30 anos que o corrupto peidoso tomou de assalto o futebol Português e o clube que oferece putas a árbitros!!!

A Taça da Liga - mais do mesmo II

 ●  9 comentários  ● 
Portugal, 17 de Abril de 2012

O Benfica venceu a 4ª Taça da Liga consecutiva, conquista relativamente desvalorizada pela generalidade da comunicação social e por alguns adeptos que são influenciados por esta máquina de fazer opiniões e moldar comportamentos. Esta máquina é a comunicação social, obviamente.
Falemos de coisas que não foram mencionadas nessa máquina de fazer opiniões e de moldar comportamentos.

Para chegar à Final, o Benfica teve de eliminar o finalista derrotado da última Taça de Portugal, e o detentor do título de campeão e vencedor da Taça de Portugal. Se para uns é coisa pouca, como o Sr.º João Querido Manha que intitulou a sua peça jornalística do CM como “sem brilho nem entusiasmo”, para outros como eu, este facto é muito meritório.

Aliás não percebo bem este tipo de comentários, porque o facto é que o FCP e o SCP, com mais ou menos brilho, com mais ou menos entusiasmo, não conseguiram chegar à Final. 

Outro aspecto que passou despercebido à comunicação social, como aliás passa sempre, foi o desempenho do árbitro do CA Porto. Só consigo entender esta apetência para varrer os erros de arbitragem para baixo do tapete, por pressões de quem manda no futebol e não quer que se perceba como é que o FCP ganha mais do que os outros clubes todos juntos.

Aqui vai o meu contributo para desmontar os erros de “manual” da arbitragem. Assinalo o tempo de jogo em que verifiquei o lance, e se houve repetição ou não, para confirmar se a decisão foi boa ou má. Só registei depois dos 18 mn e não registei a 2ª parte.

19:42 Nélson Oliveira tocado por trás, é derrubado. Não foi assinalada falta. Com repetição.
20:33 Witsel sofre rasteira, vendo-se o pé do adversário à frente do dele, sem possibilidade de jogar a bola. Com repetição. Falta não assinalada.
23:37 Assinalada indevidamente falta sobre o guarda-redes do Gil, que soca uma bola fora da pequena área, caindo em cima de Jardel que por seu lado estava a ser bloqueado pelo cotovelo do defesa do Gil. Com repetição.
28:27 Eduardo perde a bola na pequena área, aparentemente estorvado por avançado do Gil Vicente. Não é assinalada falta a favor do Benfica. Sem repetição não posso confirmar se a decisão foi boa ou má, mas pode-se comparar com o critério seguido na área do Gil Vicente.
32:07 Nélson Oliveira é tocado por trás na disputa de uma bola, desequilibrando-se e sendo impedido de jogar a bola. Falta não assinalada. Com repetição.
33:07 Witsel é agarrado pela camisola. Assinalada falta mas não mostrado cartão amarelo. Com repetição.
39:36 Aimar derrubado e desarmado, pareceu-me em falta. Nasce um contra ataque que obriga Eduardo à melhor defesa da 1ª parte. Não houve repetição logo não posso ajuizar correctamente se houve falta ou não.

Nesta 1ª parte existe um erro a favor do Benfica, um fora de jogo mal assinalado ao ataque do Gil Vicente, da responsabilidade do árbitro assistente. Quanto ao árbitro de campo acertou todas as faltas a favor do Gil Vicente.

Daqui se pode concluir que houve 3 faltas não assinaladas a favor do Benfica que mantiveram a bola nos pés dos jogadores do Gil, 1 falta não sancionada com cartão amarelo contra o Gil, 1 falta mal assinalada contra o Benfica sobre o guarda redes do Gil, 2 possíveis faltas não assinaladas sobre Eduardo e Aimar que originaram situações embaraçosas para a nossa defesa. 1 fora de jogo mal assinalado ao ataque do Gil.

5 erros contra o Benfica, que podem ser 7, 1 erro contra o Gil. É esta a aritmética dos erros de arbitragem, do “manual” que os árbitros comandados por Vítor Pereira têm de praticar se quiseram ser internacionais ou simplesmente, ser nomeados para a jornada seguinte. Cada jogo representa 1 100 euros para os bolsos do árbitro de campo.

Quem diz que os erros de arbitragem se compensam, nunca fez qualquer análise deste género. Os erros têm regra geral um padrão que indica ser um padrão pensado e implementado com uma finalidade: impedir o Benfica de jogar mais, favorecer até onde for possível o desempenho dos adversários.

Não tenho dúvidas que se em vez do Benfica fosse o FCP, estas faltas seriam todas assinaladas, e os cartões seriam mostrados. Este árbitro não teve problema em assinalar um penalty, por sopro de ar, contra o Benfica e a favor do Nacional, no último jogo para a Liga. No Rio Ave - FCP da época passada, 3ª jornada, não viu falta de Falcao sobre o guarda redes no 1º golo do FCP... Não é por acaso!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Prioridades trocadas...

 ●  25 comentários  ● 
Após a vitória para a Taça da Liga houve um pequeno grupo de adeptos que teve a "brilhante" ideia de insultar os jogadores e treinador. Isto para mim não passa de um caso de prioridades trocadas. Onde andaram estes trinta valentões quando os árbitros assaltaram o Benfica nos últimos 6 jogos para o Campeonato? Fizessem antes esperas a esses ladrões em vez de a quem defende a camisola do clube e já é atacado por árbitros sem escrúpulos, adversários violentos e comunicação social avençada.

P.S.- Quanto ao caso PPC do Sporting, apesar de achar repulsiva toda a situação, tal como repulsivo é o Apito Dourado o facto é que os verdes andam a fazer pela vida. Ou alguém dúvida hoje em dia que Domingos Paciência mantinha contactos com o Porto mesmo sendo treinador do Sporting?

Eh pah, a sério? Mais um governante para o lixo...!

Avatar
 ●  13 comentários  ● 
"As três décadas de presidência de Pinto da Costa no FC Porto "ficam marcados por relevantes sucessos que prestigiam o clube e o desporto português", disse à Agência Lusa o secretário de Estado do Desporto e da Juventude.
Alexandre Mestre enalteceu o presidente portista, que terça-feira celebra o 30.º aniversário da sua primeira eleição, sublinhando o "percurso marcante, duradouro e indissociável do caminho de um prestigiado clube, com mais de 100 anos de história e um assinalável legado desportivo e social".
Para Alexandre Mestre, a presidência de Pinto da Costa (eleito a 17 de abril de 1982) tem enfoque no futebol, "mas também em múltiplas modalidades, num contexto salutar de ecletismo".
"Esse prestígio foi, gradualmente, ultrapassando as fronteiras do País, tantas e tamanhas foram as conquistas obtidas em competições internacionais", referiu o secretário de Estado na nota enviada à Agência Lusa.
Na mesma, o governante refere que "o património do clube também cresceu muito e bem nas últimas três décadas", destacando ainda que, sob a liderança de Pinto da Costa, foi introduzido o Desporto Adaptado, em 1986.
Para Alexandre Mestre, tratou-se de uma "marca que reflete a evolução do desporto no seu todo e o acompanhamento, por Portugal, dos padrões internacionais de boas práticas a nível de inclusão social"."
- in Record 

Realmente, do Ramalho Eanes não é surpresa. Agora de um governante em exercício, com tudo o que é público, vir dar elogios ao corrupto-mor coloca-o já fora de qualquer movimento de renovação do futebol em Portugal. Pelo contrário, coloca-o dentro desse círculo de apaniguados e servidores do homem que a única revolução que trouxe a Portugal foi a implementação de um sistema mafioso ao serviço da batota, da corrupção e da mentira. 

Quanto a declarações no mesmo âmbito feitas por Ramalho Eanes, reproduzo aqui um comentário retirado do site do SOL sobre este tema:
"Lamento estas palavras,porque o Eanes não pode ignorar o que foi o Apito Dourado.O que eu sei é que o Pinto da Costa contribuiu para as campanhas do Eanes,uma ligação feita através do falecido «comendador» Gonçalves Gomes,pouco recomendável,dono de um supermercado no Porto e especialista em jantaradas em Monção,de que era natural,e almoçaradas na cave do super,em que participavam jornalistas,magistrados,inspectores da PJ,etc.Eu sei,estive numa e nunca mais voltei.A ligação terá sido feita pelo irmão de um jornalista já falecido,que era membro do PRD. GG chegou a ser contactado para apoiar a candidatura do general Soares Carneiro,mas recusou por já estar comprometido com Eanes.Enfim,todos têm esqueletos no armário."

Nico Gaitán a caminho do United?

 ●  22 comentários  ● 


A saída de Nico Gaitán parece quase certa, faltando apenas saber qual o clube de destino e os valores envolvidos no negócio. 

Pois é. Parece que surgiram novos avanços naquela que promete ser a nova telenovela do mercado de Verão. Praticamente toda a imprensa britânica dá a transferência de Nico Gaitán para o Manchester United como já consumada, referindo um negócio com valores a rondar os 20 milhões de libras (25 milhões de euros, aproximadamente) e a troca de dois jogadores: Fábio, lateral esquerdo brasileiro com enorme potencial e Frederico Macheda, avançado italiano de 20 anos que demora a mostrar aquilo que vale.

Se me perguntarem se é um bom negócio a resposta é clara: sim, é um excelente negócio. A verdade é que Nico Gaitán teve uma época inconstante, onde passou do 8 ao 80 num piscar de olhos. O que nós precisamos é de um jogador focado apenas na nossa equipa, apenas focado em ganhar e ajudar o Benfica e não de um jogador cuja mentalidade e sentido de entreajuda são, de facto, bastante limitadas. O Nico é um excelente jogador, ainda com muito para mostrar e melhorar. Ofensivamente é dos melhores em Portugal. Tecnicamente, sem dúvida o melhor. Tacticamente, comparo-o a um jogador das distritais e penso que Jesus, por sua teimosia ou por teimosia do próprio jogador, falhou em melhorar esse aspecto no Gaitán, como aliás se exigia.

Falando nos valores do negócio, 25M + 2 jovens jogadores são valores perfeitamente aceitáveis. A cláusula do Nico é de 45M, mas, sejamos realistas, ninguém estaria disposto, neste momento, em oferecer esse valor pelo jogador. Aliás, mais que 30/35M é demasiado. É por esta razão que penso que, a confirmarem-se os termos do negócio, Nico Gaitán deveria sair para o United. É excelente para ambas as partes. Para o clube, um retorno financeiro excelente e a vinda de dois jogadores jovens e com enorme potencial (Fábio pode até ser a solução para o lado esquerdo da defesa do Benfica, quem sabe! E sabemos bem como Jesus (se ficar no clube) sabe potenciar este tipo de jogadores), prontos a ajudar a equipa. Para o Gaitán, uma oportunidade de aprender com Sir Alex Fergunson e mostrar as suas habilidades, garra e toda a sua técnica num dos maiores clubes do Mundo.

Gostaria apenas de acrescentar o facto de que, dependendo da forma de como Gaitán sairá do clube, será sempre bem vindo nesta casa e no melhor clube do Mundo, o Sport Lisboa e Benfica!


Os orfãos benfiquistas

Avatar
 ●  40 comentários  ● 
1993/1994: o último título de uma era de Benfica. Uma altura em que combatíamos o sistema com a nossa qualidade e vitórias em campo.
Desde 1980 até essa época os títulos foram praticamente divididos entre Benfica e os corruptos.

A luta pelo domínio do futebol português estava no auge. Fora de campo, os corruptos através do já felizmente enterrado Adriano Pinto manipulavam os seus árbitros. Todos? Não. Mas dominavam as nomeações e isso reflectia-se em muitos jogos.

Dentro de campo muitas vezes isso não chegava. Com um departamento de futebol lutador, que cometia erros como todos cometem, mas que na defesa do plantel do Benfica fazia tudo o que estava ao seu alcance.

No plantel, tínhamos uma equipa recheada de ases de trunfo.
Mozer, Veloso, João Pinto, Kulkov, Rui Costa, Schwarz, Paneira, Rui Águas, Yuran, Isaías ou Ailton.

Na equipa técnica, Toni e Jesualdo eram os cérebros, complementados por Jorge Castelo, Manuel Bento ou o fisioterapeuta António Gaspar.

A época fica marcada pelo jogo épico dos 3-6 em Alvalade. Um hino ao futebol, como diria Gabriel Alves.

Mas o fim da época trazia uma revolução no futebol. Em Janeiro de 1994, fruto da situação financeira delicada em que se encontrava o Benfica, Manuel Damásio era eleito presidente do Benfica.
Jorge de Brito chegava ao fim no seu caminho como dirigente do Benfica. Talvez tenha sido o último grande benfiquista a estar ao leme do clube.

Revolução essa que acaba com um plantel vencedor e começa a era dos camiões de jogadores sem qualquer valor para o Benfica, mas com enorme valor para empresários e intermediários. Revolução essa que coloca no leme do futebol alguém que se revelou um ponta de lança corrupto.

E a partir daí os benfiquistas ficaram orfãos.
Orfãos de bom futebol, de liderança, orfãos de benfiquismo. Começava a travessia no deserto.
A vitória num campeonato só voltaria em 2004/2005. Sofrida, merecida mas sem o brilhantismo de outrora. Mas o que interessava era voltar a trilhar o caminho do sucesso.

Caminho esse que não teve continuação. Até entrar JJ como treinador.
Muitos benfiquistas nunca tinham visto um Benfica tão lutador, dominador e personalizado. Goleadas, notas artísticas e exibições de um futebol por vezes fantástico. Daí que quando na fase vital da época o Benfica não teve 'canetas' para tudo, os benfiquistas não estranharam. O que interessava era ser campeão.

E fomos. Com uma festa incrível e merecida.

No entanto, chegados ao fim da 3ª época de JJ no Benfica, é claro o sentimento de orfandade nos adeptos do Benfica.
Receberam um tutor como há muito não tinham. Os benfiquistas estavam orfãos de bom futebol e de um grande Benfica. 
Ele deu-lhes algo em que acreditar, mas falhou na concretização dessas expectativas.
Duas épocas recheadas de falhanços nas alturas chave deixaram a descoberto a incapacidade(ou falta de vontade) de JJ em evoluir, em crescer como treinador de um clube de topo.

Muitos dos adeptos que tanto acreditavam em JJ pensam agora: o que fazer sem JJ?
Será que sem ele poderão novamente ter aquela ilusão da invencibilidade, aquele sentimento de alegria por ver futebol espectáculo e vitórias?
Quem poderá suceder a JJ? Quem poderá tirar proveito das qualidades inquestionáveis do plantel do Glorioso? Ninguém parece estar à altura de tal tarefa.

Também como os outros, saindo JJ, fico a sentir-me como um orfão. Pois não nego que JJ devolveu em 2009/2010 um sentimento de vitórias que há muito não sentia no Benfica.

É uma questão delicada. A minha opinião é por demais conhecida de todos os que acompanham o NGB.
Jorge Jesus, da forma como se comportou nas últimas 2 épocas, não tem mais lugar no Benfica.

Um JJ sem a bazófia, sem a arrogância, com humildade e vontade de emendar os seus erros poderia continuar. Este JJ que ainda no final do jogo de sábado voltou a vangloriar-se individualmente por uma opção(Saviola), já deu o que tinha a dar. 

Nota: Os cobardes que insultaram os jogadores do Benfica na Luz deviam ter vergonha de voltarem a tirar os lenços da cara. Mas se calhar nem eram benfiquistas.

domingo, 15 de abril de 2012

O Benfica ganhou a Taça! Estou contente...mas acabar de gatas?

 ●  33 comentários  ● 
Fico sempre contente quando o Benfica ganha. Mesmo uma tal de Taça da Liga. Gosto de ver finais: e vejam com o Gil Vicente, equipa sensação e tomba gigantes desta época, se bateu. Com denodo, ambição e coragem.

O Benfica não jogou muito. O suficiente para ganhar. Mas não se livrou do susto.

 As equipas de Jesus, no Benfica, acabam as épocas de "gatas"...Porque será?

À tua ó Fiúza!!!

 ●  3 comentários  ● 

«Sabíamos que se perdêssemos 
era como se fosse a Champions League, 
mas como ganhámos 
vão tratar como a Taça da Liga. 
Mas ganhámos e a equipa está de parabéns.» Rodrigo



71.º "título" para o Sport Lisboa e Benfica

Avatar
 ●  10 comentários  ● 
SL Benfica - Gil Vicente, 2-1


Este 4.º troféu da Taça da Liga,
se querem contabilidade à Rui Santos é o 71.º "título" porque a Taça Ibérica (organização conjunta da FPF e RFEF), até "é mais oficial" que a 1.ª edição da Taça dos Clubes Campeões Europeus (organização do jornal francês L´Equipe). Como é visível no troféu onde tem a sigla FPF (pelo facto da federação nacional onde se realizou a 2.ª não ficar responsável pelo troféu). A FPF e a RFEF são entidades oficiais, qualquer jogo entre clubes, organizado por elas é sempre oficial.

NOTA:
Mais uma arbitragem “à Futeluso”. Quatro faltas inexistentes a favorecer o Gil Vicente FC. Sete faltas por marcar a favor do Benfica, com duas a dar vantagem aos futebolistas gilistas. E uma grande penalidade transformada em penalização disciplinar a Gaitán. Dualidade de critérios. É assim que se condicionam resultados e impedem boas exibições.
Alberto Miguéns

ADENDA:
Já depois de publicado o texto anterior, fui contactado (via telefone) no sentido de “esclarecer” a diferença entre troféus e títulos e o porquê da Taça Ibérica ser um troféu oficial. A explicação é simples de entender mas de elaboração - talvez por incapacidade desta alma mortal - complexa, por que quem define o que é um jogo de uma competição oficial ou não, de um título ou "apenas" troféu, não é o Alberto Miguéns (como é “mais do que” óbvio), o EDB, o Rui Santos ou os media. São as entidades que organizam os jogos. Prefiro tornar a explicação "independente" desta nossa conquista. Amanhã já há "assunto" para o EDB! Até lá!
Alberto Miguéns

ranking