A verdadeira origem do ódio no futebol português
O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


terça-feira, 7 de janeiro de 2020

A verdadeira origem do ódio no futebol português

Avatar
 ●  + 84 comentários  ● 

José Maria Pedroto: a semente do ódio e pai da corrupção.

José Maria Pedroto foi um treinador e ex-jogador de futebol, nasceu no dia 21 de Outubro de 1928 em Almacave, Lamego, e faleceu a 7 de Janeiro de 1985.

Não analiso a sua performance como jogador neste post, mas sim como treinador e estratega do ódio e guerra no futebol português.

“Em 1960, Pedroto torna-se o primeiro treinador Português com curso superior. Foi um treinador com excelentes capacidades técnicas associadas a um discurso agressivo, que viria mais tarde a caracterizar outro José (Mourinho).

Enquanto treinador, continuou a evidenciar-se nos "estudos", obtendo uma brilhante classificação num curso de treinadores efectuado em França. Estes resultados, aliados ao bom trabalho nas camadas jovens do FC Porto, levaram-no ao posto de treinador da selecção nacional de juniores.

Pedroto abandona o futebol jovem do FC Porto para ir treinar a Académica. Depois treinou o Leixões, onde foi vitíma da única chicotada psicológica da sua carreira. Treinou depois o Varzim, que estava no seu 2º ano na primeira divisão.

Em 1966 realizou um sonho: tornar-se treinador principal do FC Porto, fica até 1969 e vence uma Taça de Portugal. Depois ruma até Setúbal.

Em 1974, mudou-se para o Boavista.

Volta às Antas em 1976 para vencer dois Campeonatos (1977-78 e 1978-79) e uma Taça de Portugal.

Falha o «tri» e sai na confusão do "verão quente". Passa a treinar o Vitória de Guimarães, onde esteve 2 épocas, obtendo um 4º e um 5º lugar. Com ele esteve Artur Jorge.

Pedroto regressa ao FC Porto já com Pinto da Costa como presidente. Nesse período ainda venceu uma Taça de Portugal e foi finalista da Taça das Taças. Pedroto e Pinto da Costa criaram as bases para a série de grandes êxitos que se seguiram e que culminaram com a vitória na Taça dos Campeões Europeus. Ao "leme" estava o seu discípulo Artur Jorge, um dos dois treinadores portugueses campeões europeus de clubes, a par de José Mourinho, em 2003/04, também ao serviço do FC Porto.

José Maria Carvalho Pedroto acabou por falecer na manha do dia 7 de Janeiro do ano de 1985, com 56 anos de idade, sucumbido à doença que o corroía imparavelmente. Durante a madrugada do dia do seu falecimento, já visivelmente debilitado, tentou satisfazer os seus últimos desejos, bebendo whisky por uma colher e tentando fumar o último cigarro.” – retirado da WIKIPÉDIA

Para a maioria dos portistas, este homem é uma lenda, um herói. Mas para adeptos do futebol como eu, ele foi a semente do ódio e da corrupção dos últimos 30 anos no futebol português.

Como exemplo, relato este episódio contado pelo jornalista Neves de Sousa:

“Pouca gente soube que o muito saudoso José Maria Pedroto esteve a um pequeno passo de ser treinador do Sporting, quando João Rocha era presidente do clube de Alvalade. Tudo estava acertado, pormenor por pormenor , até à mais ínfima partícula de um documento que vinculava as duas partes, pelo menos durante uma temporada futebolistica. 

Porém, no dia em que estava aprazado a assinatura nos papelinhos, Pedroto travou o gesto e subitamente disse para o presidente do Sporting: 
“Esqueci-me de lhe lembrar, mas falta aqui uma clausula. Está tudo certo, tanto em relação aos meus prémios, como aos meus vencimentos, o caso do apartamento e do carro às ordens, tudo muito bem, mas o senhor presidente esqueceu-se de que eu lhe tinha dito logo no primeiro encontro: só vou para um clube que dê garantia de contar com os árbitros.”

“Como, não percebo!”, indagou João Rocha, nessa altura pouco habituado a saber o que era certa fatia da arbitragem, Pedroto meteu a caneta na algibeira, levantou-se e apenas disse:“Quinze mil são para mim, mas para os árbitros são precisos outros tantos, caso contrário o Sporting só ganha campeonatos lá para o fim do século.”

O contrato acabou por não ser assinado. Pedroto rumou para outra latitude, mais compreensiva. O Sporting continua a ver navios.

Ao contrário da lavagem de imagem que a imprensa avençada tem-se esforçado por fazer nos últimos anos, Pedroto era “intratável e tinha atitudes que roçavam o racismo", conforme afirmou Mário Wilson nos anos que teve que conviver com este senhor.

Assina contrato com o FC Porto, após uma investida directa de Pinto da Costa, que estava devidamente autorizado pelo Presidente Américo Sá para contratar a qualquer custo o treinador português. 

José Maria Pedroto apenas colocou uma condição que se verificou: que Pinto da Costa fosse o Chefe de Departamento de Futebol Profissional. 

Começava assim uma dupla que marcou e marcará inquestionavelmente para sempre uma época no futebol português.

Pinto da Costa e José Maria Pedroto traçaram uma estratégia que visava afrontar todos os poderes instalados no futebol português e de uma vez por todas acabar com a hegemonia bicéfala dos clubes da capital.

A temporada de 1976/77 foi altamente conflituosa. O FC Porto acabou apenas em 3º lugar no Campeonato Nacional da 1ª Divisão a 10 pontos do SL Benfica que foi o Campeão Nacional. Venceu porém a Taça de Portugal numa final onde derrotou o SC Braga por 1-0.

No ano seguinte, finalmente, foi quebrado o longo jejum de vitórias do FC Porto no Campeonato Nacional da 1ª Divisão. 

Os azuis e brancos sagraram-se Campeões Nacionais depois de um competição disputadíssima, decidida na “goal average”, com o SL Benfica, que foi 2º classificado, com a proeza inacreditável protagonizada pelo clube da Luz, que não perdeu qualquer encontro na prova e não foi campeão.

Renovou o título de Campeão Nacional na época seguinte de 1978/79 em mais um campeonato extremamente disputado com o SL Benfica. Em 1979/80 perdeu o título para o Sporting CP, quedando-se o FC Porto no 2º lugar do Campeonato Nacional da 1ª Divisão somente a 2 pontos dos leões de Alvalade.

Depois destes 3 anos a frente da equipa do FC Porto o clima de “guerrilha” no futebol português, envolvendo os principais clubes e os poderes de decisão na FPF, estava extremamente intenso e fortemente acicatado por José Maria Pedroto e Pinto da Costa. Era um chorrilho de polémicas e um constante ambiente fervente entre os protagonistas.

Mário Wilson, durante o período em que foi treinador do SL Benfica, ou mesmo na Selecção Nacional, foi sempre um alvo privilegiado de José Maria Pedroto, como se tratasse de um verdadeiro ódio de estimação.

Como exemplo do clima que se vivia e as repercussões nas pessoas destaca-se recorrentemente um episódio ocorrido na época de 1979/80. Naquele período, Mário Wilson era o seleccionador nacional que convocou vários jogadores do FC Porto para representar Portugal num jogo particular contra a Espanha que seria disputado na cidade de Vigo. Esse jogo seria realizado entre os dois jogos do FC Porto para a Taça dos Campeões Europeus frente ao AC Milan o que evidentemente prejudicava a preparação da equipa portista.

Por isso, José Maria Pedroto não se conteve, chamando “palhaço” a Mário Wilson. Os jogadores do FC Porto iriam juntar-se ao grupo da Selecção Nacional que vinha de Lisboa, na Estação da Campanhã no Porto. Aí, em vez dos jogadores do FC Porto estava uma verdadeira multidão em fúria que apedrejou o comboio que transportava a equipa de Portugal.

José Maria Pedroto foi multado pelas instâncias federativas em 500 escudos. O popular “Zé do Boné” não emendou, em jeito de reacção acrescentou: “Quando disse que Mário Wilson, como treinador, era um palhaço, não tive intenção de ofender os palhaços.”

A verdade é que este tipo de discurso era recorrente em José Maria Pedroto. Frases como “temos de lutar contra os roubos de igreja no Estádio da Luz”, ou “passamos de pombinhos provincianos a falcões moralizados”, ou ainda “é tempo de acabar com a centralização de todos os poderes na capital” eram frequentes no linguajar do técnico.

Depois do FC Porto perder o Campeonato Nacional da 1ª Divisão da época de 1979/80, não conquistando o tri, José Maria Pedroto foi afastado do cargo de treinador principal do azuis e brancos pelo Presidente Américo Sá que se dizia farto das polémicas e conflitos gerados pela dupla Pinto da Costa e Pedroto.

A saída de José Maria Pedroto e de Pinto da Costa do FC Porto foi conturbada originando o célebre verão quente de 1980, quando 14 jogadores do FC Porto, onde constavam nomes como o de Costa, Oliveira, Octávio, Sousa, Frasco, Gomes, entre outros, fizeram uma autêntica rebelião não comparecendo aos trabalhos no arranque da temporada de 1980/81.

O Presidente do FC Porto Américo Sá deixava o nome de Pinto da Costa fora das listas concorrentes aos órgãos sociais. Em forma de protesto e demonstrando estar ao lado do actual presidente portista, 14 jogadores não compareceram aos trabalhos de preparação para a nova época sob os comandos do austríaco Herman Stessl, entretanto escolhido para suceder a José Maria Pedroto.

Esses 14 jogadores trabalhavam no Pinhal de Santa Cruz do Bispo às ordens de Hernâni Gonçalves, preparador físico de José Maria Pedroto, enquanto que os jogadores do FC Porto, os apelidados de “alinhados”, prosseguiam a sua preparação em Leiria.

Desempregado, José Maria Pedroto, foi alegadamente seduzido por responsáveis do SL Benfica para assumir o cargo de treinador principal dos encarnados. Esse facto não se consumou porque, dizem, alguns dirigentes benfiquistas vetaram o ingresso do técnico no clube, outros, afirmam que foi o técnico que não aceitou rumar a Lisboa pois pretendia continuar a trabalhar no norte do país.

Para o Sporting CP acabou por rumar o britânico Malcolm Alisson, para o SL Benfica o húngaro Lajos Baroti e José Maria Pedroto permaneceu inactivo no início da época de 1980/81.

Entretanto, em Guimarães, o Vitoria SC arrancava para a época de 1980/81 com enormes expectativas de sucesso. 

O recentemente empossado Presidente da Direcção do Clube vitoriano, o jovem Pimenta Machado, tinha contratado um punhado de jogadores de inegável qualidade, desde os internacionais Damas e Blanker, a jogadores da categoria de Barrinha e Nivaldo, até aos jovens Fonseca e Ribeiro.

Depois de um início de prova algo titubeante o Presidente do Vitoria decide despedir Fernando Peres e Cassiano Gouveia, a dupla técnica que comandava a equipa, à passagem da 7ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão depois de uma derrota frente ao SC Espinho por 3-1.

Diz-se que incentivado por Pinto da Costa, o Presidente do Vitoria, Pimenta Machado, decide contratar tão só a melhor equipa técnica nacional, numa ousadia que espantou todo o futebol português. É desta forma que José Maria Pedroto, coadjuvado por António Morais e Artur Jorge, ingressa no Vitoria Sport Clube.

A entrada do treinador José Maria Pedroto revelou-se importante, pois o Vitoria melhorou significativamente de produção, alcançando resultados bem mais consentâneos com a valia da equipa.

A estratégia de Pedroto, para quando perdia, passava por imputar as responsabilidades pelas derrotas ao exterior. Quando perdia, a culpa ou era do arbitro, ou dos poderes instituídos no futebol português que teimavam em prejudicar a sua equipa.

Após a passagem pelo Vitoria de Guimarães a sua carreira no futebol prosseguiu regressando novamente ao FC Porto, já com Pinto da Costa na presidência do principal clube da cidade invicta.

O Vitoria SC e os seus dirigentes tudo fizeram para manter José Maria Pedroto no cargo de treinador da equipa principal. Os vimaranenses terão mesmo oferecido um salário de 1.500 contos por mês, quantia superior aquela que José Maria Pedroto foi auferir como técnico do FC Porto.

Foi a partir da época de 1982/83 que a dupla José Maria Pedroto e Pinto da Costa começaram a lançar os alicerces do FC Porto moderno.

José Maria Carvalho Pedroto acabou por falecer na manhã do dia 8 de Janeiro do ano de 1985, com 56 anos de idade.

Ele e o seu aprendiz, Pinto da Costa, dividiram o país, erigiram guerras sem fundamento, lançaram o ódio, a mentira e o cinismo para cima dos adeptos e do quotidiano desportivo.

Pedroto será talvez a figura, de entre todas as áreas de actividade, que mais mal fez a Portugal e à sua coesão colectiva no último quarto de século, um mal de consequências que só o futuro poderá apurar.

E o seu aprendiz é estranhamente tolerado e branqueado por uma comunicação social imediatista, superficial e reverente para com o poder, por dirigentes desportivos e agentes diversos que fazem do servilismo um modo de vida, e até por uma classe política medíocre e bajuladora, capaz de o receber, ano após ano, a expensas dos nossos impostos, nos luxos da Assembleia da República.


Deve dizer-se, de forma bem clara, que o objectivo de vida de Pedroto e de Pinto da Costa não foi atingido. 

Apesar dos títulos conseguidos pelo F.C.Porto - grande parte deles à custa das mais variadas formas de viciação, muitas delas para além das questões vindas a público no âmbito do processo Apito Dourado -, a verdade é que o clube nortenho nunca foi capaz de se afirmar como referência nacional, nem cativar a simpatia, ou mesmo o simples respeito, da esmagadora maioria dos adeptos portugueses, sobretudo fora das fronteiras da sua delimitada região.

Pedroto e depois Pinto da Costa nunca conseguiram matar a alma benfiquista, nem retirar uma pevide à gigantesca massa adepta do clube encarnado, que semana a semana, em Portugal e no mundo, vibra com os jogos do Benfica.

Mesmo tendo, ao longo deste período, ganho mais vezes, o F.C.Porto nunca venceu por si próprio, mas sim, e sempre, contra alguma coisa. 

Contra o Benfica, contra Lisboa, contra o Sul, contra os fantasmas dos seus próprios complexos. Mesmo ganhando aos grandes nunca deixou de ser pequeno. Uma pequenez do tamanho do seu presidente, que transformou uma instituição outrora respeitável num antro de rancor e podridão.

O clube do povo continua a ser o Benfica, de Norte a Sul, do Minho ao Algarve, do Continente às Ilhas, e é por isso que o ódio de Pinto da Costa ao nosso clube permanece tão vivo.

Pedroto e o seu aprendiz. O primeiro já faz tijolo à anos, e o segundo estrebucha porque sabe que já não tem muito tempo e mesmo com 30 anos de roubos, continua a liderar um clube pequeno, que não soube evoluir, crescer, tornar-se grande.

Por tudo isto, recuso-me a ver em Pedroto alguém de valor. É o responsável e a semente de 30 anos de corrupção, ódio e guerra no futebol português.

84 comentários blogger

  1. Continuas a falar de saneamento, maxmat e leroy merlin. Preocupa-me mais porque um dirigente competente da comunicação do Benfica, o único até agora, teve de se despedir e ir para as arábias. O que temos tido desde então é uma cambada curiosa de incompetentes. Os culambistas dirão que é gestão empresarial, outros dirão que é estranho que num universo de 46% de população nacional não se encontre um director de comunicação que esponha esta orgia de saneamento básico que é a corrupção liderada a Norte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Andas a ler a história da corrupção em Portugal?
      Porto: o clube assumidamente corrupto.

      Eliminar
    2. Cambada de burros

      Eliminar
    3. Não se esqueçam, só os pequenos têm necessidade de se sobrepor aos grandes. Essa canalha de pedrotos lá do norte, foram, são, e serão sempre, pequenos e insignificantes. Não lhes deiam o que não merecem: atenção.

      Eliminar
  2. Memórias de Antanho07 janeiro, 2020 17:29

    Pinto da Costa (PdC) nunca quis ter bons treinadores no FCP. Sempre quis ter treinadores que lhe servissem os propósitos: ou seja fazer o que ele manda e não serem inteligentes, para perceberem que não são eles os principais obreiros dos triunfos, mas quem joga por fora. Por isso quer treinadores medíocres em início de carreira que não percebam que o mérito das conquistas é muito mais de quem joga por fora do que quem joga por dentro!

    Parte 1 : José Maria Pedroto, Artur Jorge, Tomislav Ivic, Quinito e Carlos Alberto Silva
    Quando PdC assumiu a presidência do FCP tratou de resgatar Pedroto, pois os dois tinham sido "expulsos" pelo presidente da Direcção Américo de Sá, após findar a temporada de 1979/80 com o FCP a perder o campeonato nacional para o Sporting e a final da Taça de Portugal para o Benfica. Nas 13 épocas iniciais - mais concretamente "doze e meia" PdC contratou cinco treinadores, com dois deles (Artur Jorge e Ivic) a regressarem para um segundo período e um (Quinito) que "nem aqueceu" o lugar.

    Pedroto: O Mestre com "boa imprensa"
    José Maria Pedroto conseguiu alcandorar-se a Mestre, mas nunca obteve melhores resultados que os seus antecessores nos clubes por onde passou, com destaque para o Vitória Setúbal, onde Fernando Vaz fez melhor e por causa de Pedroto e da "boa imprensa" deste, caiu no esquecimento, até para os vitorianos sadinos. Incrível. Pedroto no FCP foi bicampeão por causa do "Sistema" (ainda que incipiente, entre eles os árbitros António Garrido, Porém Luís e Manuel Vicente). Em jogos internacionais é dos piores treinadores (piores registos) portugueses, quer na selecção nacional, quer no FC Porto!

    Pedroto: O maior mito (mentiroso) do futebol português
    Ao contrário do que se afirma, Pedroto, enquanto treinador - nos clubes e na selecção portuguesa - foi um treinador mediano. Como estratego foi grande, mas aí entra a sua veia maldosa, intriguista e maquiavélica. E corrupto porque sò começou a ganhar quando começou a pagar aos árbitros.

    Depois de deixar o futebol, enveredou pela carreira de treinador, onde obteve classificações medíocres. Seguiu-se o FCP onde não foi além de três épocas de frustrações (dois 3ºs lugares), mesmo com uma em 1968/69 em que conseguiu pressionar o Benfica manobrando por fora. Em conluio com os dirigentes da AD Sanjoanense e da FPF conseguiram anular uma vitória, por 2-0, do Benfica na 4ª jornada para obrigar à repetição do jogo entre a... 25ª e a 26ª jornada!
    Mais de sete (sete! repito) meses depois do jogo anulado da 4ª jornada, em 29 de Setembro de 1968 ser jogado em 23 de Abril de 1969). Porquê? Porque o jogo decisivo disputava-se na 25ª jornada (20 de Abril de 1969), na recepção ao FC Porto na Luz, pois na 1ª volta o FCP vencera, por 1-0, o "Glorioso".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O grande Mestre Pedroto, o maior ideologo do futebol português, sempre foi uma pedra no sapato dos tristes capangas que dominavam o futebol e se entricheiravam em Lisboa. Quiseram puxá-lo para as suas hostes, mas ele preferiu sempre o futebol, até que percebeu que só conseguiria que o futebol fosse um jogo se os combatesse através da política. Mostrou a inteligencia que no futebol demonstrava e com a sapiencia e coragem atacou os podres que minavam o futebol (mas também o desporto nacional). Nunca lhe perdoaram, mesmo derrotados continuaram a tentar denegri-lo, mas o 25 de Abril deixou-os atordoados e aí essas forças acobardaram-se. Com o advento agora das novas máfias surgem os arquitetos do futebol capitalizado e das apostas, que nada tem de futebol, mas de através dele fazerem a nova "droga" que será dominado pelas máfias do jogo ilegal onde a China tem fortes conhecedores. RIP desporto do futebol.

      Eliminar
  3. Memórias de Antanho 207 janeiro, 2020 17:33

    A "malandrice" contra o SLB não resultou... à justa"
    Após a 24ª jornada, o SLB com menos um jogo, estava empatado no 1º lugar com o FCP. Se o FCP vencesse dificilmente não seria campeão, pois mesmo que o "Glorioso" vencesse os dois jogos finais, o melhor que conseguiria era ficar empatado com o FCP, mas este tinha vantagem no confronto directo.
    O jogo foi muito difícil, porque o árbitro Manuel Fortunato de Évora permite "tudo e mais alguma coisa" aos portistas (comprado por Pedroto). Só um Benfica de aço consegue "levar e calar" para manter o 0-0, a igualdade pontual e tentar depois vencer nas duas jornadas finais: na 4ª jogada entre a 25ª e a 26ª vence, por 1-0, a AD Sanjoanense onde, em São João da Madeira, se assistiu a "tudo e mais alguma coisa" e em Tomar, na 26ª e última jornada, em 27 de Abril de 1969, o "Glorioso" venceu, por 4-0, o União de Tomar.

    Nesta o FCP também venceu, por 1-0, o CF "Os Belenenses", no estádio das Antas. Entretanto o presidente do FCP, o banqueiro fascista Pinto de Magalhães percebeu que Pedroto instrumentalizara um clube adversário (AD Sanjoanense) para facilitar o seu trabalho, despediu o treinador Pedroto, após este ter dito no balneário que estava com os jogadores contra o presidente e no gabinete do presidente que estava com ele contra os jogadores. Na Luz e na última jornada foi já o seu adjunto António Morais que orientou o FCP, com a supervisão "por fora" de Pedroto. O presidente do FCP levou ainda o assunto a uma assembleia geral que proibiu a frequência das instalações do FCP por Pedroto enquanto funcionário do clube, a menos que uma outra assembleia geral anulasse a sanção.

    Proibido de frequentar as instalações do FC Porto.
    Pedroto saiu das Antas, ameaçando vingança, rumando a Setúbal onde, com alguns jornalistas começa a construir o mito. Em cinco temporadas classifica o Vitória FC sempre acima do 5.º lugar. É o êxtase entre alguns jornalistas e seus panegíricos dos jornais da época, ignorando que o clube sadino, treinado por Fernando Vaz, era um dos melhores emblemas do futebol português da época, com presença regular na Taça das Cidades com Feiras, duas Taças de Portugal conquistadas em três temporadas (1964/65, V 3-1 com o Benfica e 1966/67, V 3-2 com a equipa da Associação Académica de Coimbra) na final mais longa do futebol em Portugal: 143 minutos) e boas classificações nos campeonatos nacionais antes de Pedroto: 1968/69 (4.º), 1967/68 (5.º), 1966/67 (5.º), 1965/66 (5.º).

    A pressão dos media - afastando o anterior seleccionador nacional, bicampeão europeu e "Magriço" em 1966, José Augusto - levou-o a seleccionador nacional, em simultâneo com o cargo de treinador em Setúbal, entre 3 de Abril de 1974 e 22 de Dezembro de 1976, já depois do Boavista FC e na primeira época de regresso ao FC Porto. Na selecção nacional foi uma desgraça, com seis derrotas e quatro empates (com quatro insucessos consecutivos) em 16 jogos, falhando-se os apuramentos o Campeonato da Europa de 1976 (derrota de... 0-5 com a Checoslováquia, por exemplo).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não esquecer que no jogo de repetição não jogaram Torres e Eusébio. Um (não me lembro qual) porque estava castigado na altura da 4ª jornada, o outro porque ficou castigado na jornada anterior.
      Não esquecer também que foi o Porto que perdeu o campeonato. Nas duas jornadas anteriores ao jogo da Luz, jogando em casa, perdeu com a Académica e empatou com o União de Tomar. Lembro-me de grande confusão no clube e julgo Pedroto ter sido contestado

      Eliminar
  4. Memórias de Antanho 207 janeiro, 2020 17:39

    1974/75: o Benfica deixa-se "comer" por Pedroto (pela 1.ª vez) e Valentim Loureiro.

    Em 1974/75, o Boavista classifica-se em 4º lugar apurando-se para a final da Taça de Portugal pela 1ª vez na sua história. Qual foi o "outro" finalista? O Benfica!
    Pedroto e Valentim Loureiro lançam o isco aos dirigentes do Benfica. E se a final não fosse em Oeiras, mas em Lisboa no estádio José Alvalade... do Sporting CP. Vamos a isso.
    Pela primeira vez na sua história o Benfica estava em desvantagem no número de adeptos. Para além dos mil boavisteiros os associados do SCP lotaram o estádio. O SLB ficou com os 33 por cento regulamentares. Será que os dirigentes do Benfica aprenderam para o que restava dos anos 70?! Nem pensar! Ah! O resultado? O Boavista FC de Pedroto venceu, por 2-1, o jogo e levou a Taça de Portugal para a cidade do Porto.

    1975/76: no café Orfeu, entre jogos de cartas, decide-se o futuro do FC Porto e do futebol em Portugal.
    Grandes amigos dos chitos ou xitos os principais dirigentes (mais Pedroto e Hernâni Gonçalves) do Boavista FC e FC Porto encontravam-se regularmente no Café Orfeu (os Benfiquistas portuenses devem saber onde fica) para umas "cartadas". Começa a lenda.
    Ao que consta Valentim Loureiro e PdC (entretanto chamado por Américo de Sá para Chefia o departamento de futebol do FCP) jogam "tudo por tudo" à volta de Pedroto. Em 1975/76, já com a AF do Porto bem instalada no Conselho de Arbitragem da FPF, o Boavista FC classifica-se em 2º lugar (o SLB foi campeão e o FCP foi 4º classificado).
    E o Boavista FC chega à final da Taça de Portugal frente ao Vitória SC de Guimarães (que eliminara, por 2-1, em Guimarães, nos quartos-de-final o... FC Porto). Local escolhido pelo dois clubes?! O estádio do FC Porto. O Jamor já era! Resultado?! Boavista FC - 2; Vitória SC Guimarães - 1.

    Pedroto, o renegado do FCP é salvo por PdC
    Eis que chega o verão de 1976. Valentim Loureiro sabia que Pedroto estava proibido de ser funcionário do FCP. PdC sabia que tinha de ter Pedroto no clube para poder potenciar, no maior clube da cidade (a par do Benfica, estamos a falar de 1976), as "qualidades" de Pedroto.
    PdC convenceu Valentim Loureiro a ceder Pedroto ao FCP. Dizendo-lhe qualquer coisa do tipo: perdes um "grande" treinador mas com esse treinador no FCP ainda vais ficar a ganhar mais do que ganhas agora! PdC convence - num engano magistral - Américo de Sá a convocar uma assembleia geral de desagravo - 21 de Março - a Pedroto e este entra para funcionário do FCP.

    Estão aqui, estão na "alheta".
    O presidente do FCP, Américo de Sá percebeu de imediato que o "bom nome do clube" iria ser afectado com a dupla "Pedroto + PdC" esperando a primeira oportunidade para os pôr na rua. Em 1976/77 o FCP classificou-se em 2º lugar (atrás do campeão Benfica) mas conseguiu chegar à final da Taça de Portugal tendo como adversário o SC Braga.
    A "dupla" sabendo que estava a prazo (tinha de ganhar algo para o presidente não conseguir pô-los na rua, pois o FCP não era campeão nacional desde 1958/59 e não conquistava a Taça de Portugal desde 1967/68) acordou com alguns dirigentes do SC Braga que a final fosse realizada no estádio das Antas para garantir mais probabilidades de sucesso.

    Dia da infâmia: começou o "Futeluso".
    Em 18 de Maio de 1977 um dos dias mais vergonhosos - uma infâmia para o SC Braga - na história do futebol português (o começo do "Futeluso"), com o SC Braga a ir jogar uma final a casa do adversário perdendo, por 0-1 e, diz-se, nunca recebendo as contrapartidas prometidas pela "dupla"! Árbitro... Porém Luís - ainda vamos ouvir falar dele - de Leiria, tal como António Garrido!

    ResponderEliminar
  5. na questão dos palhaços...Pedroto chegou a dizer que não insultava os palhaços porque esses não eram pretos...enfim...bom post para a juventude perceber o passado e compreender o presente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dia faremos a juventude perceber o passado e compreender o presente. A partir de 2003. Lá chegaremos, quando o autismo acalmar... No porto foi assim, no Benfica assim será. A história não mente, não te preocupes.

      Eliminar
    2. E no Sporting está a ser contada no Monsanto.

      Eliminar
    3. "E no Sporting está a ser contada no Monsanto."

      Felizmente. Pelo menos, ninguém se fica a rir.

      Eliminar
    4. Aqui Jota nunca vai ser contada porque está Maçonaria encarnada tem o poder político e judicial na mão...

      Eliminar
  6. Memórias de Antanho 307 janeiro, 2020 17:43

    Bicampeonato com dois árbitros: Manuel Vicente e ... Porém Luís.

    Finalmente o FCP consegue ser campeão nacional após um período em que perdeu 18 títulos consecutivos, entre 1959/60 e 1976/77, muito à custa das arbitragens controladas pelos boavisteiros - Laureano Gonçalves e Pinto de Sousa, entre outros - colocados no C. de Arbitragem.
    Pedroto era natural de Almacave, Lamego. De não muito longe veio o seu compadre Manuel Vicente, árbitro transmontano que fui subindo de categoria como reserva para o "que der e vier" e deu, na 28ª jornada de 1977/78 empurrou o FCP para cima do SLB, com o FCP a conseguir, aos 83', o golo que deu o empate a um golo no estádio das Antas, permitindo ao FCP conquistar o título que fugia há duas décadas, com o mesmo número de pontos (51) do Benfica, igualdade no confronto directo (0-0 e 1-1), mas melhor diferença de golos muito por "culpa" das goleadas de "última hora", ou seja, na segunda volta. Mais uma vez não era possível a Américo de Sá colocá-los na rua!

    Roubas tu ou roubo eu!
    Na época seguinte de novo um campeonato muito equilibrado decidido nos "pormenores" eufemismo para más arbitragens, como na 1ª volta, com António Garrido de Leiria na 2ª jornada a oferecer a vitória, por 1-0, à equipa da casa (FCP) e na 2ª volta, na 17ª jornada, na Luz, Porém Luís (eu disse que ia voltar a falar dele) de... Leiria (simples coincidência esta parelha leiriense com António Garrido) a "fabricar" o empate a 1-1, quando aos 77 minutos Duda do FCP com um "fora-de-jogo" de dois metros junto a Zé Henrique marca o golo que permite ao FCP gerir o ponto de vantagem com que conquistou o bicampeonato nacional. Mais uma vez não era possível a Américo de Sá colocá-los na rua!

    Em 1979/80 ninguém os safou!
    Campeonato perdido para o Sporting CP, Taça de Portugal (no Jamor) perdida para o Benfica. Adeus à"dupla".

    Pedroto rumou a Guimarães, não sem antes - como escreveu Neves de Sousa - não ter tentado enganar João Rocha!

    No Vitória SC nada de novo, com o 5.º e 4.º lugar: pouco melhor que nas últimas temporadas, com dois 6.ºs lugares. O presidente Pimenta Machado contava com a "amizade arbitral" de Pedroto, mas lucrou pouco!

    Pedroto doente teve pouca "amizade arbitral".

    Em 1982/83, com PdC a presidente do FCP, Pedroto regressou ao clube, não sem antes terem criado uma greve de jogadores no verão de 1981 para fragilizar Américo de Sá. Para além do Benfica de Eriksson jogar muito e bem, Pedroto estava minado pela doença que seria fatal.
    No início da temporada de 1983/84 até eu que detestava os ditos e chacotas de Pedroto tinha pena dele quando passavam imagens no Domingo Desportivo da RTP. Um farrapo humano. Dirigiu pela última vez um jogo do FCP em 4 de Dezembro de 1983, na 10ª jornada das 30 do campeonato nacional. Foi António Morais, o fiel adjunto já desde os anos 60, que concluiu a temporada.
    Em 7 de Janeiro de 1985, pouco mais de um ano depois, falecia um dos maiores vermes - que o diga Mário Wilson, ou o homem que para Pedroto era "um burro preto de vermelho aos coices" que passaram pelo futebol português, criador dos caboucos do "Futeluso" que depois, laboriosamente, PdC construiria com a "mestria" que velhos e novos sabem!

    ResponderEliminar
  7. Memórias de Antanho 407 janeiro, 2020 17:44

    Pedroto "brilhava" em terras lusas, mas na UEFA era uma nulidade
    Num tempo em que PdC controlava cá dentro, mas ainda não tinha conhecimentos para controlar os Ivanoves e outros desta vida, Pedroto era muito mau treinador nas competições da UEFA, se não vejamos:

    Em 1982/83 o RSC Anderlecht jogou a final com o... SL Benfica, vencendo a competição: V 1-0 e E 1-1.
    Os media em Portugal sempre esconderam (e escondem) que nessa caminhada o clube belga goleou, na 2ª eliminatória, o FC Porto de... Pedroto e PdC. Feitios!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Memórias de Antanho 507 janeiro, 2020 20:30

      Crónica da "Nova Ordem":

      Em 1994/95, o na altura denominado Organismo Autónomo, aproveitando uma das muitas confusões que existem no edifício jurídico português, organizou o 1º campeonato a partir do Porto onde, habilmente, o presidente da Câmara (Fernando Gomes) tinha dado terrenos para construir a sede da Liga de Clubes. Foi há 25 anos...
      No ano seguinte, resolvida a questão do Organismo Autónomo, passou a ser a Liga de Clubes a organizar a maior prova do calendário futebolístico. Pela segunda vez na história portuguesa, o campeonato era organizado fora de Lisboa e daí para cá assim tem sido sempre.

      Na altura, um dos muitos fundamentalistas que o FCP tinha e tem a escrever em jornais, Pedro Batista (o que esteve para andar à estalada com Dias Ferreira num programa de formato Trio da RTP), anunciava no jornal O JOGO que com a Liga a organizar as provas entrava-se numa “nova ordem do futebol português”.

      Percebi nas entrelinhas que aquela afirmação não era leviana nem casual. Aquela afirmação encerrava uma declaração política que só se começou a perceber quando o FCP embalou com 5 títulos consecutivos tendo por base arbitragens que obedecem a um “padrão” determinado pelos interesses do FCP (seja a seu favor, seja contra o Benfica ou outro rival que circunstancialmente possa competir com eles).

      O ciclo desta “nova ordem” iniciou-se com a Supertaça que nos foi roubada em pleno estádio das Antas quando Donato Ramos e o seu auxiliar invalidaram um golo limpo ao Amaral, por fora de jogo de posição sem intervenção na jogada. Daí para cá, tem sido sempre o mesmo.

      Nestes 24 anos da “nova ordem do futebol português”, o FCP conquistou 14 campeonatos, e só por mera indigência mental ou má formação pessoal, se pode pensar que os grandes responsáveis são os treinadores do Benfica:
      1) Artur Jorge, 2) Neca e Filipovic, 3) Mário Wilson, 4) Souness, 5) Shéu, 6) Juup Heynckes, 7) Mourinho, 8) Toni, 9) Jesualdo, 10) Camacho, 11) Trappatoni, 12) Koeman, 13) Fernando Santos, 14) Camacho, 15) Chalana, 16) Quique Flores, 17) Jorge Jesus e 18) Rui Vitória.

      Ou seja, por razões de estratégia (ou falta dela) das 4 Direcções que estão abrangidas por este ciclo, Manuel Damásio, João Vale e Azevedo, Manuel Vilarinho e Filipe Vieira, o Benfica teve 18 treinadores, sendo 13 contratados como principais e 4 adjuntos que os substituíram por motivo de doença ou despedimento.

      No mesmo período o FCP teve como treinadores 1) António Oliveira, 2) Bobby Robson, 3) Fernando Santos, 4) Octávio Machado, 5) José Mourinho, 6) Luigi Del Neri, 7) Victor Fernandez, 8) José Couceiro, 9) Co Adrianse, 10) Jesualdo Ferreira, 11) Villas-Boas, 12) Vítor Pereira e 13) Paulo Fonseca, 14) Lopetegui, (estes 14 treinadores são um número algo elevado para quem ganha tanto, mas estão “inflacionados” pelos 3 contratados na época 2004/2005).

      Se compararmos as carreiras dos treinadores depois de “falharem” no Benfica, com as carreiras dos treinadores depois de “ganharem” no FCP, teremos de reconhecer as boas carreiras de Juup Heynckes, Mourinho, Trappatoni, Koeman e Fernando Santos. E as razoáveis carreiras de Camacho e Quique Flores.

      Quanto ao FCP, exceptuando Bobby Robson e Mourinho, não houve um único que se destacasse pela positiva. Bem pelo contrário. António Oliveira foi despedido 15 dias depois de ser contratado pelo Bétis de Sevilha, Jesualdo Ferreira, o único tri-campeão pelo FCP, despedido pelo Málaga e Villas-Boas despedido e considerado o pior treinador da era Abramovitch e depois despedido do Tottenham. Nem Souness foi tão mal tratado depois de sair do futebol português...

      O Benfica não tem ganho por mudar de treinador. Pelo contrário. Novo treinador, novos métodos de treino, novos jogadores, novos esquemas de jogo e quando chegamos ao 1º terço do campeonato com as mesmas arbitragens, o FCP já vai à frente e faz a gestão da prova. A comunicação social sabe que é assim, por isso “pede” aos adeptos que façam pressão contra o treinador do momento (JJ, Rui Vitória, Lage). Para ajudar o FCP...

      Eliminar
    2. Antanho até fiquei comovido..

      Eliminar
  8. Shadows umas das razões do Pedroto odiar tanto o Benfica foi por nunca o ter sido seu treinador morreu com esse desgosto,e ainda bem que nunca o foi porque o Benfica não é para homens tipo Pedroto e pinto da costa,eu já levo uns anos de vida nunca vi no desporto português duas figuras tão repugnantes como essas duas.
    Não me venham com Vale e Azevedo e LFV por muito detestados que sejam são Anjinhos comparados com esses dois.

    ResponderEliminar
  9. Treinava Pedroto o Guimarães quando, já depois do jogo acabado, o holandês Blanker se sentiu muito mal nos balneários. O pai do jogador estranhou a demora e entrou no balneário e quis dar uma sova no Pedroto. O episódio foi mais ou menos abafado e pouco foi o que veio a público. Creio que Blanker nunca mais jogou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aposto que estava dopado. Pedroto era um ignóbil. Doping e pagamentos a árbitros, foi ele que introduziu isso no futebol português. Para além do ódio, porque era um incompetente e invejoso, mas como tal odiava quem era melhor.
      Conseguiu fazer o mesmo que os nazis fizeram na Alemanha, arranjar alguém exterior em quem descarregar o ódio que sentiam por serem mal formados e frustrados.

      Eliminar
    2. oh anónimo. .. tu não achas que te excededeste? nazi? tem.algum.juizindo.

      Eliminar
  10. Tu não vês valor em pedroto que, independentemente da forma, conseguiu troféus. Mas vês valor em vieira que, independentemente da forma, conseguiu troféus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu é mais um anti-benfiquista esejas lá quem fores, fazes pena, ó triste!

      Eliminar
    2. Ó palerma, estás a comparar um treinador com um presidente? Mas afinal tu és lagarto ou corrupto? Ah, és dragarto, tá bem...

      Eliminar
    3. Comportamento típico porquista. Primeiro fazem o assalto e despojam a vítima, e depois gritam que a vítima os roubou.

      Não existe comparação alguma possível entre um serviçal corrupto e um presidente do Benfica que nos últimos 5 anos viu o clube ir 7 vezes a Tribunal por acusações de palhaços, foi ilibado nas 7 e até teve direito a Uefa e Fifa darem recado sobre a idiotice da acusação num dos casos-

      Enquanto no mesmo período o des(clube) do serviçal Pedroto foi 2 a tribunal com o belo record de duas condenações em duas possíveis. No you tube reza a história desde Quinhentinhos a Calheiros com factura pagas por engano pelos do costume. Tal como do do aconselhamento matrimonial Pintista ao depósito de 1 milhão por acidente na conta de um dirigente do Estoril no decorrer do jogo mais longo da história.

      Resumindo em futebol 12-2 do Benfica contra a agremiação do porto

      Extra futebol em Tribunais: Benfica 7 vezes inocentado em 7. porto duas vezes condenado em duas. Comparar? Só se for a falta de tudo de quem combina coisas na Hungria e agora anda com os mail e vouchers bem entalados e um Rui na grelha com um insolvente na comunicação-

      Eliminar
    4. Os palermas não percebem o sentido das afirmações...

      Eliminar
    5. Um corrupto é um corrupto, seja treinador ou presidente.
      O que estás a dizer é que se fosses adepto do Porto tb alinhavas no esquema. Fácil

      Eliminar
    6. Um criminoso é um criminoso, não interessa se é presidente ou treinador... Percebes Dr Gohze Pablito??

      Eliminar
  11. Que grande anedota.
    Sobretudo não olham para o que esta à frente do vosso nariz.
    O vosso clube sai incolume de tantos processos que até mete noijo.
    Ja viram um treinador com as estastisticas do Lage 1ano so vitorias uma derrota no campeonato ? Não acontece em nenhum campeonato do mundo sem ser neste Portugal corrupto pelo benfica.
    Depois ve-se os resultados na europa que sao à vergonha de Portugal.
    So não ve quem não quer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. NOIJO?

      Isso é algum prato vega?

      Eliminar
    2. Nas farmácias, ralham com as pessoas porque não compram os medicamentos para a azia. Vai lá dar uma maozinha e fa uma boa ação.

      Eliminar
  12. Parabéns Shadows! Que grande post! Assim, sim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. já recebeste? Ambrósio?

      Eliminar
    2. Não respondo a dragartos! Olha, respondi... ahahahaha...

      Eliminar
  13. Deste post o que sobressai é a atitude enorme de João Rocha porque o resto já se sabe a história negra do futebol português desde Pinto da Costa e acabando no aluno Vieira!

    ResponderEliminar
  14. Parece que se está a passar ao lado de uma peça muito importante neste xadrez.
    Os industriais e financeiros do norte!
    Que a coberto dessa "guerra" Norte-Sul (chama-se agora "regionalismo", teciam loas aos trabalhadores Nortenhos e chamavam calões aos do Sul.
    E depois pagavam (e ainda pagam) menos que ganhavam (ganham) os do Sul!
    Pobres dos industriais do Sul que pagando mais aos seus trabalhadores não conseguiam comprar Porches, Lamborginis, Maseratis e outras bombas que tal!
    Como eu tive a infelicidade de os ver a sair das garagens um dia que os corruptos foram campeões e eu estava no Porto!
    Isto também contou (e ainda conta) muito nesta fictícia "guerra" e faz (felizmente) com que essa agremiação continue restrita às quelhas do Porto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Finalmente alguém que percebe está forma mentirosa e trafulha de estar na vida destes patrões do norte. Escória que passa a vida em bicos de pés a gabar-se que são o motor da economia mas roubam o estado os empregados e se pavoneiam que nem bínubos nas suas roupas parolas e Ferraris. Os fruteiros são o expoente máximo da agremiação onde reúnem

      Eliminar
  15. Parabéns pelo grande post

    ResponderEliminar
  16. Percebe-se agora o fanatismo dos vimaranenses pelo clube e pior, o ódio que têm ao Benfica
    Aquilo não é um clube, é um gang de fanáticos azeiteiros sem qualquer respeito pelos outros
    Ficasse o pedreiro no guimaraes e hoje o terceiro grande seria esse clube desprezível e não os porcos de azul

    ResponderEliminar
  17. Mas que texto, ó Shadows! Até eu que sou avençado bato palmas com todas as mãos. Assim, gosto de vir a este blogue. Venho informar-me de realidades cujo conhecimento não estva ao meu alcance, pela minha idade. Isto é História, devia ser ensinado nas escolas. Competência nos conhecimentos, alta qualidade na elaboração escrita (o Dr Silva devia ver aqui como é que se escreve em língua portuguesa), pertinência no conteúdo. Excelente! bato palmas prolongadas e com toda a força.
    No post anterior, não comentei, mas bato igualmente as palmas com todas as mãos e com toda a força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grande post do shadows
      Neste post não há aqueles comentários anti-benfica dos Jotapê, RMMD etc

      Ass. O Avençado 2 (avencado, passa-me o meu chazinho)

      Eliminar
    2. Pois não, nunca houve. Há comentários anti Vieira se confundes Benfica com Vieira a um problema teu e de muitos....

      Eliminar
  18. Apesar de ser um brilhante post, acho a sua publicação um paradoxo.
    O Pedroto não é uma pessoa lembrada por ninguém, a não ser por PdC. Nem nos OCS. Ele não foi ninguém de relevo. Porque raio estamos nós, benfiquistas, a trazer à baila esse personagem? A dar atenção póstuma a esse traste?
    Dos vivos e ativos é que temos que apregoar aos céus, a corrupção que lhes sai dos poros, a intimidação que lhes ecoa das cordas vocais. Esses sim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faz todo o sentido se pelo menos uma vez por semana o shadows escrever um post destes com os factos históricos do apito dourado, apito final, processo do BOBI acusado de corrupção, livro do macaco com relatos dos crimes, processo das rachas com invasão do campo do Estoril e pagamento de 748 mil que nunca estiveram nas contas dos dois clubes ao intervalo de um jogo que durou 30 dias, agressões e ameaças a árbitros e famílias na Maia, domicílios e locais de trabalho, as escutas do apito dourado no you tube, o roubo dos emails, a alteração dos emails, publicações dos emails, o hacker dos fruteiros, os treinadores indignados que levam socos e são cuspidos mas que se calam depois, os jogadores que choram compulsivamente por falhar um golo ao Benfica (aquele do Setúbal é o exemplo maior), a perseguição do CD ao Benfica e o silêncio dos mesmos para com os fruteiros (multa de 19 euros a Brahimi por agressão faz lembrar a libertação de um pedifilo depois de reincidência), o cashball e os 2000 Euros na conta do árbitro (sim os Lagartos tb) a SANTA ALIANÇA, a campanha sangrenta e mentirosa anti-benfica de comentadores, jornalistas e agências de comunicação, as denúncias anônimas ao MP sem provas, os processos e buscas judiciais contra o Benfica baseados em notícias no CM, o procurador que ameaça com CAPANGAS azuis pessoas nos ginásios, os árbitros que roubam indecentemente o Benfica a descarada e coagem e ameaçam jogadores em campo

      Há tanto mas tanto para escrever

      Eliminar
  19. Concordo com praticamente tudo o que foi dito. Espero, e acredito, que o Shadows diga o mesmo sobre o Benfica de Vieira se se vierem a provar as suspeitas que recaem sobre os campeonatos por vós ganhos. De qualquer das formas, mais um grande post do Shadows. Saudações leoninas

    ResponderEliminar
  20. Um tipo percebe que começa a ficar velho quando ainda pensa que o Pedroto foi treinador há "apenas" 30 anos...

    ResponderEliminar
  21. Palha para entreter alienados ao sistema!!

    ResponderEliminar
  22. Entretanto despacharam o RDT para o Espanhol...
    Devíamos ir ao mercado buscar mais um avançado de qualidade.

    ResponderEliminar
  23. Shadows são um clube que não sou be crescer a nível nacional, mas transformaram o clube reconhecido internacionalmente, tem um palmares muito mais que nos.

    O que dizes de Pedroto é Pinto da Costa eu sei pois comecei a ver o Benfica em 1972/73, agora não te esqueças de onde vem o teu presidente, de onde veio o Paulo Gonçalves, não te esqueças disso

    ResponderEliminar
  24. É por isso que eu não percebo como os benfiquistas não gostam do Vieira, é que para vencer mafiosos só alguém com métodos igualmente mafiosos.
    Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai sim? Tu apagas fogo com fogo? Há cada idiota, meu deus...

      Eliminar
  25. Ora bem, Shadows! Muito bem! Haja quem diga a verdade sobre este mito do Fruta Corrupção Pancadaria!

    Finalmente este ciclo está a chegar ao fim, quatro décadas depois...

    Benfiquista Primário

    ResponderEliminar
  26. Exelente Post Shadows!

    Off topic!Parece que para RDT vai ser vendido fala-se em 22 milhões ou possivelmente mais há alguma confirmação!

    Pelo Benfica

    Rumo ao 38

    Red 1

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 20M por 80% do passe, mais 2,5M em objectivos. Uma venda excelente! Irá dar oportunidade a quem joga na equipa B, Daniel dos Anjos por exemplo.

      Eliminar
    2. Sim Maria, a propaganda diz que ainda teve retorno financeiro...

      Eliminar
  27. Os criadores do futebol nojento que temos hoje. Porto gerido como uma organização mafiosa, cuja aposta na política da terra queimada não deixa sair o futebol português da merda.

    Infelizmente, copiámos algumas práticas. Acima de qualquer vitória estão os valores elevados do Sport Lisboa e Benfica.

    Roberto de Tomas vendido por mais de 20M€. E ainda só estamos em Janeiro. Ano de eleições on fire!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostava que explicasses que práticas copiámos. Fiquei mesmo curioso.

      Ed Bat

      Eliminar
    2. Isso fica para mim, pelo menos a este nível.

      Se quiseres que te diga, combinamos na Luz e não tenho qualquer problema em partilhar as práticas que acho que fomos buscar a essa gente.

      Eliminar
  28. quando se perde a culpa e do exterior e dos arbitros lol entao sao todos filhod do pedroto pois isso e o que vejo todos os dias na tv culpar os arbitros pelas derrotas ah desculpa agora nao e ós arbitros e o var que tem culpa ate o mourinho que agora nao ganha nada ta sempre a falar mal do var como alguem escreveu a derrota é orfao nas vitorias aparecem os paizinhos todos ah e referes que na altura os dirigentes do benfica pensaram em lhe contratar e entao duplo lol ele e que nao quis vir pa lisboa eu nao me importava nada que eles fossem anti benfica se fosse presidente de um clube contratava sempre os melhoes jogadores e treinadores e a melhor resposta era dada dentro de campo na minha opiniao o porto dos anos 90 foi muito pior pos arbitros especialmente quando a grande eqquipa do benfica dos anos 90 principo perde dois campeonatos po porto de carlos alberto silva ate no resumo da epoca 92 93 existe a famosa frase de gabriel alves na cassete bons jogadores do benfica nao foram capazes de conquistar titulo

    ResponderEliminar
  29. e desculpa shadows acho bem que o benfica tenha um rival poderoso que nao estenda a passadeira vermelha ao benfica a rivalidade e que faz o desporto tipo celtics lakers bruins canadiens prost senna nadal federer agora os fanaticos e que nao tipo seles graff mas isso graff nao teve a culpa adeptos fanaticos existem em todo o lado mas como eu ja ouvi na tv em portugal nao se gosta de desporto gosta se dos clubes clubite aguda

    ResponderEliminar
  30. a semente do ódio não sei, agora o grande impulsionador isso sem duvida.

    já agora segundo o morais o artur jorge era só um testa de ferro para ser sacrificado caso as coisas não corressem como o desejado.
    só que depois o corrupto mor escolheu o artur jorge em vez do morais.

    pelo que eu já ouvi o pedroto era o treinador que o fernando martins tinha apalavrado caso fosse eleito.
    mas o ferreira queimado antes de sair renovou com o baroti por mais um ano inviabilizando isso.
    dado o que depois o fernando martins permitiu ao corrupto mor não me parece assim tão estranha a historia.

    ResponderEliminar
  31. Agradece a está gente , não sermos um campeonato de pobrezinhos

    ResponderEliminar
  32. Resumindo , o vieira pode ganhar o que bem intender , mas o padrinho é o padrinho

    ResponderEliminar
  33. pinto da costa é o responsável por toda a violência no futebol português. foi ele que criou todo este clima de terrorismo e ódio no futebol português

    ze do benfica

    ResponderEliminar
  34. A verdadeira origem do ódio é a falta de cultura desportiva e cidadania dos adeptos portugueses em geral.

    ResponderEliminar
  35. Excelente post, Shadows! Venham mais como este.

    ResponderEliminar
  36. E o Xarope para a tosse??? Falta falar nisso. Dizem ex-logadores que era obrigatório senão não jogavam. Nao se podiam constipar. apareceram os carecas, que corriam muito e nunca se constipavam, etc, etc. Quando jogam contra o SLB nunca apanham gripe.Com Isso mais apitadores patriotas se viveu e vive ainda. A velha escola do mestre dos ares da poboas.

    ResponderEliminar
  37. Porém, no dia em que estava aprazado a assinatura nos papelinhos, Pedroto travou o gesto e subitamente disse para o presidente do Sporting: 

    “Esqueci-me de lhe lembrar, mas falta aqui uma clausula. Está tudo certo, tanto em relação aos meus prémios, como aos meus vencimentos, o caso do apartamento e do carro às ordens, tudo muito bem, mas o senhor presidente esqueceu-se de que eu lhe tinha dito logo no primeiro encontro: só vou para um clube que dê garantia de contar com os árbitros.”

    E mais antibióticos para a tosse

    ResponderEliminar
  38. À venda do raul de tomas tambem é normal de certeza...
    E comprado em julho 20milhoes não joga um tostao e em vez de perder valor como qualquer jogador este é vendido 20milhoes mais 2,5 de bonus ?
    E Isto aparece-vos normal e Sobretudo legal...

    ResponderEliminar
  39. Naquele tempo era difícil o Porto aao passar a ponte à partida estava derrotado, Norte era paisagem e como em tudo na vida quando aparece visionários como Pedroto e Pinto da Costa a normal levantar dúvidas aos comportamentos para ganhar contra o clube de Estado Benfica e dos Fidalgos Sporting, não duvido que tenham recorrido ao ódio do centro para baixo do país, aliás vê como nasceu a Escócia e faz uma análise. Agora quando o Don Vieira fizer anos faz um post idêntico como um pata rapada enriqueceu do nada, como teve o condão de falir o Alverca, e hoje ser presidente do maior clube de Portugal e do mundo. O Zé benfiquista manda cumprimentos é todos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa conversa da ponte ao sul é mais outra poeira inventada...

      O fcp fartava-se de perder a norte nos anos da decadência... o caso que ninguém fala é que a ascensão de outros clubes a norte tirou força ao fcp... o Boavista, o Vitória, o Leixões, o Varzim...

      em 61, o fcp perde em Guimarães e Matosinhos e perde em casa contra o Salgueiros. Em 62, perde em Guimarães. Em 63 perde em Matosinhos. Em 65 perde em Braga e no Varzim. Em 66 perde no Varzim. Em 67 perde em Guimarães e em Braga. Em 68 perde em Guimarães, em Matosinhos, e no Varzim. Em 69 perde em Guimarães. Em 1970 perdeu em Guimarães, Leixões, Bessa, empatou em Braga, o Varzim ganhou nas Antas. Em 72 o Vitória ganha nas Antas. Em 73 empata em Guimarães, perde no Bessa, em Matosinhos, o Vitória ganha nas Antas, e o Leixões idem. METADE das derrotas... a norte. Em 74... adivinharam... mais uma derrota em Matosinhos. É a ponte ao contrário, de pernas para cima... Em 75... perdem em Guimarães. Tal como em 76... e perdem no Varzim e empatam em Matosinhos.

      ALGUNS FACTOS DA PONTE:

      * Em 19 anos, o fcp venceu CINCO vezes em Guimarães.
      * Em 19 anos, o fcp venceu OITO vezes em Matosinhos, sendo que 6 vitórias foram pela margem mínima.

      Eliminar
    2. Ora aí está vens reforçar mais a teoria que não é minha, mas sim de um povo de uma região que era descriminada em relação ao centro nomeadamente a sua capital. Sabes quantas horas de carro ou autocarro demorava do Porto a Bragança?? 7h00 já não chegava ter que combater o clube de estado Benfica e dos fidalgos Sporting como tínhamos que combater os rivais em Ascensão e ninguém a invencível. O Benfica manda mesmo e continua a mandar alguma vez o Braga leva 6 de um Benfica morto no tempo do forçado Vitória?? Acredita quem quer este post foi descabido com tanta podridão a volta do Vieira..

      Eliminar
  40. Off-topic: Mandaram embora o RDT? Vamos buscar alguém, não? O Seferović regressou aos seus números normais e o Vinícius ainda tem que ser bem limado.

    ResponderEliminar
  41. O segundo quando bater a bota será saudado aqui em casa com uma garrafinha de champagne que tenho aqui guardada.
    Lixo desta laia não faz falta nenhuma a uma sociedade saudável.

    ResponderEliminar
  42. Havia dezanove anos que o FC do Porco nada ganhava quando, em plena Luz, o brasileiro Duda mandou o saudoso Bento para dentro da baliza agarrado à bola de o árbitro, oleado, sancionou o maior pouco da História do nosso futebol.

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking

recentes

Mensagens populares