O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


Qual vai ser o resultado do Derby?

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Avatar

As Finanças dos 3 Grandes (2000 - 2015)

 ●  + 40 comentários  ● 
As Finanças dos 3 Grandes (2000 - 2015)
Fonte: (Dados obtidos dos Relatórios & Contas dos 3 Grandes de 2000 a 2015 - CMVM)


Nota 1: Desta Análise foi removido um Proveito Extraordinário de 65M€ da Sporting SAD, considerado em 2005, que foi anulado pelas normas contabilísticas IFRS em 2007, e que estava relacionado com a venda dos direitos televisivos de diversas épocas por parte da SAD a outra empresa do Grupo Sporting, e a consideração desse proveito numa única época na Sporting SAD.

Nota 2: Esta "nova" análise já considera a época inteira de 2014/2015.

Análise dos 3 Grandes (2010 - 2015) (5 épocas)
Benfica: A Benfica SAD é a SAD dos 3 Grandes que mais facturou em Portugal, de 2010 a 2015. Em 5 anos o Benfica facturou 768M€, superando os mais de 750M€ que tinha previsto há 6 meses, o que representou uma média superior a 150M€/Ano.
Os Proveitos Operacionais representaram 470M€ (batendo certo com a previsão de há 6 meses) e os Proveitos com Atletas + Financeiros chegaram aos 298M€ (já incluindo a venda de Bernardo Silva e João Cancelo, mas ainda não considerando as vendas de Ivan Cavaleiro e Lima).

Em termos de Resultados Operacionais a situação tem melhorado, e está praticamente equilibrada com -5M€ de Resultados acumulados desde 2010. O Resultado Líquido do Exercício também ficou praticamente equilibrado com -8M€, de 2010 a 2015, recuperando dos fortes investimentos no início da década passada com a aposta nas Infra-estruturas (Estádio, Pavilhões e Centro de Estágio).

Através desta análise percebe-se claramente que neste momento, com uma aposta na valorização comercial e patrocínios, direitos televisivos, presenças na Champions League e Mais-valias com venda de jogadores, o Benfica consegue ser o clube que mais factura em Portugal e que tem a situação mais equilibrada entre os proveitos e os custos.
Porto: A Porto SAD de 2000 a 2010 foi a SAD portuguesa que mais faturava, no entanto desde 2010 até 2015 foi a 2ª SAD no ranking de facturação, estando 87M€ atrás da Benfica SAD (considerando as 5 épocas). Sem venda de jogadores no 2º Semestre de 2014/2015, a Porto SAD poderia ter alcançar os 100M€ de prejuízos nas últimas 5 épocas consideradas (2010-2015), mas com as vendas de Danilo e Jackson Martinez conseguiu reduzir o prejuízo acumulado para 35M€. A Venda de Alex Sandro apenas será considerada em 2015/2016.

Em 5 anos, a Porto SAD facturou no total 681M€, uma média superior a 135M€/Ano. Os proveitos Operacionais representaram os 407M€, e os Proveitos com Atletas + Proveitos Financeiros representaram  274M€, quando há 6 meses apenas estavam nos 205M€ (período 2010 - 2015 1º Semestre), antes da venda de Danilo e Jackson Martinez.

Em termos de Resultados Operacionais a situação tem-se agravado, e já representa 73M€ de prejuízos (407M€-480M€), em parte compensados pela venda de jogadores, que acabaram por não ser suficientes já que a Porto SAD apresentou 35M€ de prejuízos acumulados de 2010 a 2015.

Através desta análise percebe-se claramente que a Porto SAD já não consegue ser a SAD que mais factura em Portugal, mas ainda tenta ter orçamentos elevados, apresentando maiores dificuldades para manter tais orçamentos, o que tem levado a prejuízos elevados em algumas épocas, e que colocaram o Porto em risco no Fair-Play financeiro da UEFA, situação que foi temporariamente resolvida com a passagem de 47% do Estádio para a SAD de forma a cobrir prejuízos.

Sporting: A Sporting SAD é claramente a 3ª SAD do Ranking financeiro, e a diferença de facturação face a Benfica e Porto agravou-se imenso, tendo acumulado 114M€ de prejuízos de 2010 a 2015.

Em 5 anos, a Sporting SAD facturou 313M€, aproximando-se da previsão feita há 6 meses, tendo a facturação representado uma média superior a 60M€/Ano. Os proveitos operacionais chegaram aos 202M€ e os Proveitos com Atletas + Financeiros chegaram aos 111M€ no período considerado (2010-2015), pelo facto de o Sporting ter registado proveitos "questionáveis" com a venda de Rojo, e que deveria ter entregue à Doyen.

Em termos de Resultados Operacionais a Sporting SAD acumulou 77M€ de resultado operacional negativo (202M€-279M€), e ao nível dos Resultados Liquidos do Exercício é claramente a SAD dos 3 grandes em pior situação, tendo acumulado 229M€ de prejuízos desde 2000, e 114M€ de prejuízos desde 2010.

Através desta análise percebe-se que a Sporting SAD tem perdido muita competitividade nas últimas épocas. Apesar de nas 2 últimas épocas o Sporting ter baixado imenso o seu orçamento para estancar os prejuízos, a realidade é que a Sporting SAD apresenta um prejuízo acumulado brutal, e tem receitas muito baixas, já que o Porto obteve receitas 2 vezes superiores ao Sporting, e o Benfica obteve receitas 2,5 vezes superiores às do Sporting. Devido aos 114M€ de prejuízos a Sporting SAD também tem estado em risco no fair-play financeiro da UEFA, e teve de ser “salva” pela Banca com a emissão de 135M€ de VMOC’s que poderão levar à venda da Sporting SAD a terceiros.
Análise dos 3 Grandes (2000 - 2015) (15 épocas)

Período 2000-2005: Este período ficou marcado pela “era Mourinho” que permitiu ao Porto tomar a dianteira financeira, com os prémios das conquistas europeias e as vendas-milionárias de jogadores que se seguiram. Nesse período o Benfica ainda tentava resolver os graves problemas do passado e investia a sua capacidade de investimento no novo Estádio da Luz, o que condicionou a sua capacidade de investimento no futebol. O Sporting era o 3º clube em termos financeiros, mas nessa altura estava muito próximo do Benfica. Em termos desportivos este período ficou marcado por grande equilíbrio (Porto 2 campeonatos, Benfica 1 campeonato, Sporting 1 campeonato, Boavista 1 campeonato).

Período 2005-2010: Este período ficou marcado pela “era Paulo Bento” no Sporting e aliança anti-Benfica, que tinha como objectivo impedir o Benfica de alcançar a Champions League, ficando de 2005 a 2009 o Sporting sempre em 2º lugar e o Porto em 1º lugar. Em 2009 dá-se o fim da “era Paulo Bento” e o início da “era Jorge Jesus” no Benfica. Apesar dessa aliança "Anti-Benfica", o Benfica conseguiu aumentar a sua facturação em cerca de 70% aproximando-se do Porto que ainda estava na liderança das finanças dos 3 Grandes. Em termos desportivos este período ficou marcado pela aliança Anti-Benfica (Sporting & Porto) (Porto 4 campeonatos, Benfica 1 campeonato).

Período 2010-2015: Este período ficou marcado pela “era Jorge Jesus no Benfica” que foi também a era de fortes investimentos do Benfica no Plantel do futebol (devido ao Benfica Stars Fund e outros mecanismos financeiros) e o início da “era Benfica TV Premium” e o consequente final do contrato da Olivedesportos, tendo estes factores resultado num aumento de competitividade nacional e internacional do Benfica, que permitiu alcançar a dianteira financeira em Portugal. A Benfica SAD mais do que duplicou a facturação (de 2010-2015) face à facturação que alcançou nas 5 épocas anteriores (2005-2010). Em termos desportivos tem existido um enorme equilíbrio entre Porto e Benfica (O Porto conquistou 3 campeonatos, e o Benfica conquistou 2 campeonatos, sendo que 2 das conquistas do Porto foram alcançadas apenas nas 2 últimas jornadas).

Como conclusão, comprova-se claramente que o poderio financeiro é uma enorme “arma” para aumentar a competitividade desportiva, e alcançar a conquista de títulos. Se o futebol português ficou mais equilibrado entre Porto e Benfica isso deveu-se claramente a um maior poderio financeiro do Benfica, apoiado em 4 vectores diferenciadores (contratos comerciais e de patrocínio, mais-valias com transacções de jogadores, boas presenças europeias e a Benfica TV Premium com o consequente afastamento da Olivedesportos).

Perspectivas de Futuro (2015 a 2020): É expectável que o Benfica continue a negociar grandes acordos de patrocínio internacionais para as camisolas, estádio e centro de estágio, que continue também a valorizar jovens talentos mundiais como tem feito nas últimas épocas, e que continue com a BTV Premium (de preferência longe da Olivedesportos), entidade que andou a prejudicar o Benfica nos últimos longos anos, ao nunca pagar o justo valor pelos direitos televisivos. É expectável que nesse período (2015-2020) o Benfica possa continuar a ser o clube que mais factura em Portugal com receitas que poderão superar os 900M€ (média superior a 180M€/Ano), no período de 2015 a 2020, e para tal objectivo ser alcançado continuará a ser fundamental a valorização e posterior venda de jogadores, bem como as performances desportivas nacionais e performances desportivas na Champions League.


Análise 2015/2016:
Finanças: Análise dos 3 Grandes (1º Trimestre 2015/2016)
Finanças: Análise dos 3 Grandes (1º Semestre 2015/2016)
Finanças: Análise dos 3 Grandes (3º Trimestre 2015/2016)
Finanças: Análise dos 3 Grandes (Época 2015/2016)

40 comentários via blogger

  1. caro Benfica Eagle,

    Excelente análise.

    Mas porque razão esse poderio financeiro não se traduziu num maior investimento no plantel esta época? Qual a razão para a politica desportiva ter mudado de paradigma com esta aposta na formação?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O menor investimento para 2015/2016, em parte deveu-se a uma maior aposta da SAD na formação, tal como foi comunicado.
      O que não se entende, e já o escrevi, foi terem investido tanto em suplentes/emprestados e depois faltar dinheiro para 2 ou 3 bons titulares.

      Eliminar
    2. Excelente post, mais uma vez.
      Continuo em desacordo com o "investimento em suplentes/emprestados" para a época 2015/16. No orçamento desta época contrataram Mitroglou, Raúl, Ederson e Bilal (não tenho a certeza se estes 2 últimos já são desta época). Jogadores como Dálcio, Pelé, Diego, provavelmente já foram contratados na época de 2014/15.
      Até que ponto é que estas últimas contratações não tiveram o dedo do JJ. Até que ponto é que não houve só depois uma inversão da política de contratações, com aposta mais clara na formação, até que ponto é que a politica de contratações, não passa neste momento, pela contratação de 2 ou 3 bons titulares e restante aposta na formação.
      As contratações fazem-se meses antes, salvo raras excepções.

      LManuel

      Eliminar
    3. LManuel,
      Sim os mais 55M€ investidos em suplentes/emprestados aconteceram nas últimas 2 épocas... 2013-2014 e 2014-2015.
      Já tinha explicado isso em ocasiões anteriores.
      Cumprimentos

      Eliminar
  2. Bom dia,
    Obrigado pelo interesse em trazer para a reflexão temas tão importantes.
    Após o exposto gostaria de perguntar como poderemos ultrapassar um ano sem presença na champions.
    Qual o possível impacto do aumento de custos da BTV e uma eventual perda de subscrições?
    Teremos capacidade/liquidez para ultrapassar um ano menos bom?
    Acredito que estamos a trilhar um caminho estratégico correcto mas não sei se poderemos acomodar sem grandes desequilíbrios um ano menos bom.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 1ª resposta: Como escrevi no post a presença regular na Champions League é fundamental.
      Estar ou não estar na Champions, nos próximos 5 épocas, representa um incremento de proveitos superior aos 100M€.

      2ª resposta: Neste momento a BTV está bem e recomenda-se. 35M€ de proveitos/Ano e cerca de 10M€/11M€ de custos/Ano.
      Considero que a BTV tem espaço para crescer e a RENOVAÇÃO da Premier League é importante para essa estratégia.
      Nunca aceitarei de bom grado que o Benfica perca a Premier League por uma diferença de poucos milhões de euros.

      3ª resposta: O que é um "ano menos bom"? Um ano "menos bom" desportivamente pode ser um "ano bom" financeiramente (Verifique as contas do Porto de 2014/2015). Os jogadores podem valorizar em competições nacionais, competições europeias e também nas selecções.

      Eliminar
    2. Um ano menos bom é quando o dinheiro escaceia. Os jogadores não valorizaram, ou teve de se vender jogadores importantes abaixo do valor ideal para as finanças não entrarem em pré-colapso. E se isso acontecer não parece que o Benfica tenha grande margem de manobra.

      Eliminar
  3. Benfiquista preocupado06/11/15, 10:34

    é expectavel excepto se o Rui Vitoria continuar para a proxima temporada. E fingers crossed para que consigamos acesso directo à Champions esta época.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que a performance na Champions League esta época vai bater um RECORDE ao nível dos proveitos.
      Em termos de jovens já está a valorizar o Nelson Semedo, Gonçalo Guedes ... e o Renato Sanches já está na calha.

      Esta época o Benfica tem de pelo menos conseguir o acesso directo para a Champions League da próxima época, e esse é o objectivo que está para já mais distante.

      Eliminar
  4. Agora falta aparecer o quid, ou true ou lá como prefere chamar-se hoje o feirense a dizer que o fóculporto ainda tem 53% do estádio para incorporar e tal

    ResponderEliminar
  5. Comentário dirigido ao anónimo das 10h31 que tentou vir cá escrever disparates.

    As épocas consideradas em 2010-2015 são 2010-2011, 2011-2012, 2012-2013, 2013-2014 e 2014-2015.

    Como tal escusa de vir cá tentar enganar as pessoas tentando incluir números de 2009-2010 ;)

    Um exemplo: Benfica:

    Proveitos: 767,5M€
    Custos: 776,0M€
    RLE: - 8,5M€

    Arredondado deu:
    Proveitos: 768M€
    Custos: 776M€
    RLE: - 8M€

    RLE da Benfica SAD
    2010/2011: -7,7
    2011/2012: -11,7
    2012/2013: -10,4
    2013/2014: + 14,2
    2014/2015: + 7,1



    Comentário dirigido ao anónimo das 10h54: Aumento de passivo????

    A Análise nem sequer apresenta as rubricas do Activo e do Passivo.
    A Análise apresenta a FACTURAÇÂO (Proveitos) e o RLE (Lucros/Prejuízos) das 3 SAD's.


    "Anónimo" faça uma melhor análise aos números, e os seus comentários serão aprovados desde que contenham "opiniões" "factos" e sem MENTIRAS.

    ResponderEliminar
  6. Gosto muito da necessidade dos benfiquistas em apelidar como "anti-benfica" uma época em que simplesmente não têm competência para mais... lá está, a velha tendência de "culpar os outros".

    Voltando às contas, o sumo que se tira disto tudo é: o que fez "equilibrar" a balança no último período foi principalmente a "cópia" do modelo FCP para o SLB - comprar jogadores de qualidade, apostar na valorização do plantel, e com isso fazer vendas milionárias. Para isso, gostem ou não, foi extremamente útil a presença de JJ, que ajudou e muito a essa valorização, ao permitir bons resultados desportivos internos e mesmo externos - não ganharam, mas foram a finais europeias (LE), é esse tipo de visibilidade que permite vender bem, não são as Taças da Liga e Campeonatos nacionais (vide FCP no ano passado). Isso, coincidindo com algum desinvestimento do FCP (época Paulo Fonseca), permitiu a ultrapassagem. Mas convenhamos, não me choca que, em termos de faturação, o SLB tenha potencial para estar em primeiro facilmente - com exceção das vendas de jogadores, o universo de adeptos encarnados permite sempre alguma força adicional em tudo que se relacione com marketing. Na verdade, sempre estranhei a falta de aproveitamento desse fator do vosso lado... às vezes nem parece que têm "mais adeptos do que os outros dois juntos" (hahah). Chamemos-lhes "simpatizantes", vá, esses acredito que são muitos, adeptos que realmente acompanham (dos que sabem dizer o nome de 2 ou 3 jogadores do plantel) é outra história.

    Na atualidade, e já o tinha aqui referido, parece-me que a "estrutura" não terá avaliado bem o impacto da parte desportiva. A estratégia atual assenta muito no marketing. Pensaram que já tinham "o esquema montado" e a máquina já funcionava mesmo sem grandes resultados, após terem um bicampeonato no bolso como crédito. Enganam-se. Tudo por trás depende dos resultados - quotas, merchandising, patrocínios, assinaturas btv, ...
    Tudo isso PRECISA de publicidade, precisa de moral elevada por parte dos adeptos para consumirem, precisa de reportagens constantes, anúncios de TV, campanhas, propagandas, comentadores/jornaleiros de influência, mas no final de pouco valerá tudo isso se não houver RESULTADOS desportivos. Todos sabemos que os portugueses são muito voláteis nas suas emoções clubísticas, tanto está tudo fantástico e maravilhoso como ameaçam rasgar o cartão - ao contrário de países como Inglaterra, onde o apoio é incondicional, aconteça o que acontecer - isto é, receita garantida, com ou sem resultados.

    Imaginem um cenário em que a época corre mal, no limite, não se qualificam para a Champions... acham que perdiam "apenas" os prémios? Não... o interesse dos adeptos esmorece, as assinaturas btv caem, os patrocínios descem. Isso para não falar no valor dos jogadores... na verdade, está tudo interligado. E tudo roda em torno dos resultados. O Sporting percebeu isso, daí terem apostado todas as fichas num treinador que, supostamente, dava algumas garantias de sucesso. Veremos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe que o Porto já não ganha nada há 2 épocas a nível interno, e em 2014/2015 apresentou os seus maiores proveitos de sempre, pelo facto de ter valorizado jogadores na Champions League ;)

      Dá conselhos ao Benfica, mas o Porto nos últimos 2 anos precisou desses mesmos conselhos.
      No Porto, a época 2013/2014 correu super mal em termos financeiros, mas a época 2014/2015 já correu melhor.

      Esta época 2015/2016 está a correr bem ao Benfica na Champions League, e isso já ajuda a valorizar jogadores, como bem sabe.
      Aliás, estamos a fazer a melhor performance na Champions League, dos últimos largos anos (incluindo período Jorge Jesus).

      Eliminar
    2. Exatamente, o FCP conseguiu bons resultados financeiros DEVIDO aos bons resultados desportivos na Champions. Mas sem isso, teria sido desastroso. A época que refere correu mal justamente devido a terem "mudado o rumo", desinvestido no plantel (e algum risco com o treinador escolhido), daí a alteração de paradigma logo de seguida. Isto só prova que, para a estratégia do Porto, é mais relevante o desempenho nas provas europeias do que nas provas nacionais, e acho que já deu para perceber onde é que a aposta é mais forte. Não estou a dizer com isso que concorde, obviamente, sou de opinião que o campeonato é prioritário. Mas compreendo a necessidade de o fazer.

      O FC Porto sempre arriscou muito, como disse, não tem e dificilmente terá tão cedo o mesmo potencial de "marca" (a nível interno) que tem o Benfica. A acontecer, isso demoraria gerações, os últimos 30 anos mostraram qualquer coisa mas não chega, era preciso mais uns 30 de domínio completo. Daí a aposta na exposição internacional, e a vinda de Casillas não é alheia a isso. Nesse aspeto penso que está a resultar, o FCP já tem cimentado um estatuto europeu respeitável, fruto das presenças constantes nos grandes palcos. Aqui entre nós, penso que o FCP só não tem patrocínio por uma questão de orgulho - ou nos davam um valor significativo, superior aos anteriores e idêntico (ou próximo) aos rivais (rival, neste caso), ou nada feito. A conjuntura do mercado internacional (particularmente o asiático, de onde penso que vinham soluções) não o permitiu, por isso ficou sem efeito.

      A época atual está a correr bem ao Benfica, concordo. Lembro que a época passada foi atípica, o grupo onde calharam não era tão acessível, além disso foi notório que houve uma "decisão administrativa" de alguém (JJ, LFV?) para concentrar no campeonato, e a manta era curta para tudo. Quando indiquei esse cenário, referia-me a um cenário hipotético para o próximo ano, isto é, final desta época, caso tudo corra mal no campeonato.

      Eliminar
    3. Pois, quanto a isso dos patrocínios do Porto e do Sporting não entendo porque motivo não existem marcas internacionais interessadas, principalmente no Porto. Falou-se no patrocinador do Atlético de Madrid, por exemplo.

      Quanto à performance europeia, sim, tem sido um foco do Porto e é isso que tem ajudado muito às grandes vendas.
      O Benfica aproximou-se a nível europeu. Aliás tanto o Benfica como o Porto têm estado no TOP 10 do UEFA Rank, o que para um país com a dimensão de Portugal é fantástico ter 2 clubes no TOP 10 a nível europeu.

      Já a presente época do Sporting na Liga europa é algo inexplicável, e retira prestigio ao clube e aos próprios jogadores... e isso ajuda a responder à sua última pergunta, sobre quem optou por concentrar as atenções apenas no campeonato e não na europa: Jorge Jesus, como é óbvio. Fez isso no Benfica em 2014/2015 e está a fazer isso agora no Sporting 2015/2016.

      Eliminar
    4. Atenção que o Porto não é assim tão fraco comparativamente ao Benfica como marca fora de Portugal. A nossa maior força é sobretudo nacional, nos PALOPs e pelos emigrantes. Felizmente, mérito lhe seja dado, as duas finais da Liga Europa e mesmo os quartos-de-final de 2012 fizeram-nos finalmente voltar a dar nas vistas na Europa.

      Eliminar
  7. Mas e o passivo? O que acha do passivo? E em relação aos demais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Passivo tem sempre de estar interligado com o Activo Bruto e Activo Liquido.

      Ainda ontem analisei o Passivo:
      http://geracaobenfica.blogspot.com/2015/11/financas-os-3-grandes-epoca-20142015.html

      A Benfica SAD tem 430,2M€ de Activo "liquido", 429,6M€ de Passivo e Proveitos de 186,0M€
      A Porto SAD tem 359,3M€ de Activo "liquido", 276,1M€ de Passivo + 58,3M€ de Interesses sem Controlo e Proveitos de 186,8M€.
      A Sporting SAD tem 235,5M€ de Activo "liquido", 228,4M€ de Passivo + 127,9M€ de VMOC's, e Proveitos de 100,5M€.

      A Benfica SAD já investiu mais de 600M€ em Activos "brutos", a preço de custo, e deve cerca de 2/3 do investimento realizado (429,6M€).
      A Porto SAD já investiu mais de 450M€ em Activos "brutos", a preço de custo, e deve cerca de 2/3 do investimento realizado (276,1M€). Considerando Interesses sem controlo "deve" cerca de 3/4 do investimento realizado (334,4M€) .
      A Sporting SAD já investiu mais de 300M€ em Activos "brutos", a preço de custo, e deve cerca de 2/3 do investimento realizado (228,4M€). Considerando os VMOC's a Sporting SAD deve MAIS do que investiu (356,3M€) :)

      Perante estes factos, diz-me tu o que achas do passivo e em relação aos demais? ;)

      Eliminar
    2. PS: Se uma SAD tem mais "responsabilidades" do que o investimento realizado, isso significa que a actividade dessa empresa não foi capaz de gerar proveitos que cobrissem as "AMORTIZAÇÕES" ;)

      Em termos contabilísticos, todos os investimentos têm de ser amortizados, ou seja têm de perder valor ao longo do tempo na contabilidade, mesmo que estejam a valorizar.

      Se um jogador é adquirido por 10M€, num contrato de 5 anos... para a CONTABILIDADE no final do 1º ano apenas vale 8M€, no final do 2º ano apenas vale 6M€ e assim sucessivamente.
      As Infra-estruturas também são amortizadas, embora com um período temporal bem mais alargado.

      Eliminar
    3. Quanto aso passivos relembrar q o Benfica é consolidado, e o do Porto e Sporting NÃO! Porto e Sporting R&C's só da SAD futebol, enquanto na R&C do benfica bem o activo\passivo de todas as sociedades do grupo.

      Exemplo gritante é a Euroantas q servia apenas para esconder a divida do estadio do Porto, mas quando a divida do estadio passo a ser menor q o activo do mm, o Porto passou a divida e activo do estadio para o Porto SAD.

      Pelo menos os benfiquistas q tenham noção disto, os dragartos esses q continuem a gabar-se de ter menos passivo. Não é o benfica q anda a pedir emprestimos a 3 meses com juros altissimos, quem anda é o clube q supostamente tem menos passivo.



      seitudo.

      Eliminar
    4. seitudo

      As SAD's do Benfica e Porto consolidam praticamente 80% a 90% da actividade do grupo, inclusive Activos e Passivos.
      O Porto passou também a fazer isso este ano, ao incluir a EuroAntas no perímetro de consolidação da Porto SAD.

      O caso do Sporting é diferente, já que além dos 356,3M€ de passivo + VMOC's da SAD ainda tem de incluir um passivo a rondar os 100M€ a 150M€ que está no clube+sgps. Não será por acaso que o Sporting já nem divulgou no seu site o R&C Consolidado de todo o grupo relativo a 2014/2015.

      Eliminar
  8. Como tambem continua a haver muito confusão em relação à divida bancaria.

    corrente \ não corrente \ Total

    2013 115.76 + 162.662 = 278.422
    2014 126.261+191.279 = 317.54
    2015 72.549+238.915 = 311.464


    Conclusão, baixou o ano passado a expectativa é baixar mais este ano, com o aspecto positivo de da divida corrente ter baixado significativamente. E n foi preciso vender o clube a angolanos (vmocs)


    A analise da divida bancaria, é mais uma razão para os benfiquistas apoiarem 110% o Rui Vitoria. O benfica andou a endividar-se para dar a Jesus um investimento que mais nenhum tecnico na HISTORIA do futebol portugues teve, e quando lhe disseram Jesus agora é para cortar custos e apostar na formação o Jesus saltou fora. Se já é de uma ingratidão, lembrem-se q o homem n foi despedido quando devia ter sido.


    seitudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade seitudo.

      A dívida financeira (banca + papel comercial + emp. obrigacionistas, etc) já começou a baixar, e nos próximos meses é expectável que continue a baixar.

      O Benfica no médio-prazo, se tiver boas políticas de gestão, pode baixar a dívida financeira da SAD em cerca de 100M€.
      Só em jogadores contratados e emprestados + suplentes caros o Benfica tem mais de 50M€ empatados, que teve de pedir "emprestado".
      Além disso existem quase 50M€ de dívida que diz respeito ao clube e não à SAD, e essa situação também deveria ser resolvida.

      Eliminar
  9. Ganha-se pouco é com a Benfica TV. 24 milhões de euros limpos apenas prova que a proposta dos Oliveiras não era assim tão desfasada...
    Já agora, Eagle, o que acharias de os direitos do Benfica serem vendidos de novo à Oliverdesportos- Por cerca de 25, 30 milhões- mantendo o Benfica o seu canal( 15, 20 milhões de proveitos, arriscaria), com Ligas Espanhola, Inglesa e Italiana? Não seria mais-valia?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao vender à olivedesportos estás a dar dinheiro ao Sporting e Benfica, pq a Olivedesportos fez um contrato pioneiro onde sporting e Porto recebem 80% do que o Benfica recebe.

      Agora se o Benfica continuar a com os jogos na Benfica TV, a olivedesportos vai continuar a perder dinheiro pq os contratos q tem neste momento com Sporting e Porto n se justificam( Ja perdeu a liga inglesa, italiana e francesa), e quando for altura da Olivedesportos renovar com Porto e Sporting vai acontecer o q aconteceu agora com a camisolas desses clubes, n vai haver guito!

      Enquanto isso benfica continua a fazer 20 milhoes por ano.

      Voltar a vender à olivedesportos era um erro colossal.


      seitudo.

      Eliminar
    2. jorgen80, o seitudo já respondeu.

      Mais do que uma questão económica, tratou-se também de uma questão política!

      Porque motivo o Benfica deveria vender os seus direitos a uma TV (SportTV) que durante ANOS sempre foi Anti-Benfica, com analises parciais, com lances omitidos, linhas de fora-de-jogo mal tiradas, etc... tudo para prejudicar o Benfica???

      Era só o que faltava o Benfica voltar para a SportTV!!!

      Eliminar
  10. Sem dúvida o novo paradigma do clube é a formação, e à medida que o tempo passa começa-se a perceber o porquê da contratação de Rui Vitória...
    Além de treinador da equipa principal, como uma pessoa bem formada, princípios e valores, actualmente é o Gestor de quase todo o Futebol, trabalhando em conjunto com os diversos treinadores das camadas mais jovens, de forma a os preparar para o escalão principal...
    Isto que está acontecer agora, com JJ era impossível, porque ele simplesmente não queria saber da Formação, muito menos sabe trabalhar em equipa "Inteligência de Grupo"...

    O trabalho que está a ser desenvolvido vai demorar algum tempo a ser visto, provavelmente ainda este ano, e bisa essencialmente evitar a dependência de ir ao Mercado, com soluções internas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Benfica Sempre, nunca o Benfica pode apenas apostar na formação e equipa B.

      É sempre necessário contratar uns 2 a 3 titulares por época que sejam "caros", de craveira internacional e com potencial de valorização, além de alguns negócios de ocasião, como foram o caso do Julio César e Jonas.

      Eliminar
  11. Passemos então a problematizar todas essas certezas existenciais:

    • “comprova-se claramente que o poderio financeiro é uma enorme “arma” para aumentar a competitividade desportiva e alcançar a conquista de títulos.”

    NÃO É. Pelo menos, não nos termos em que colocas as coisas. Não duvido que essa seja uma conclusão razoável aquando da análise pura e dura dos números. Mas não significam, só por si, rigorosamente nada. Valem tanto como o facto de termos ganho 9 dos 10 jogos contra a equipa X: podes perfeitamente perder os próximos 300. O FUTEBOL NÃO É JOGADO POR NÚMEROS, FÓRMULAS NEM PIS, MAS POR HOMENS, SERES COM EMOÇÕES E TODO UM ESPECTRO DA CONDIÇÃO HUMANA QUE NÃO SE REDUZEM MERAMENTE A: JOGADOR/PLANTEL CARO = MAIOR RENDIMENTO DESPORTIVO.

    Permite-me exemplificar com casos concretos:

    • A época passada, tinhas o plantel mais caro? Não. Quem foi campeão nacional e venceu a Taça da Liga?
    • Garay, central de qualidade, oriundo do Real e com os custos inerentes à sua contratação e “manutenção” já relativamente conhecidos. Substituido por Jardel, 1 desconhecido oriundo da Olhanense. A equipa abanou face à troca de 2 jogadores com 1 valor tão díspar de mercado?
    • Maxi por Nélson Semedo.
    • Ou, em sentido inverso, saída de Lima para a entrada de Raul. Apesar de avaliado em €18M, o mexicano fez esquecer o velhinho Lima?
    • Quanto valiam/custaram Fábio Coentrão, David Luiz, Di Maria e por aí fora quando chegaram? Foi preciso enorme poderio financeiro para contratá-los?
    • Ou, em sentido inverso, que rentabilidade se retirou de jogadores até então de tostões e que hoje são de comprovada qualidade, como Kardec ou Nolito?
    • E de outros não tão baratos, como Roger, Cannigia, Roberto ou Djuricic?

    O que revelam então as finanças e os números em relação a estes e tantos outros casos?

    NADA.

    Eu digo-te o que todas essas estatísticas omitem: QUE É BOM TER DINHEIRO, MAS MELHOR AINDA É TER QUEM SAIBA APLICÁ-LO. TER MAIS DINHEIRO PERMITE-TE CONTRATAR/GASTAR MAIS E POR MAIS, MAS NÃO NECESSARIAMENTE MELHOR.

    MUITAS VEZES, TER DINHEIRO PREJUDICA-TE, TOLDA-TE A VISTA. QUANTO CUSTARAM AS CONTRATAÇÕES (E DESVINCULAÇÕES) DE KOEMAN E QUIQUE? POR SUA VEZ, QUANTO CUSTOU CONTRATAR JJ?

    (continua) RedMist

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso já foi por demais explicado:

      No TOP das BIG 5 Leagues, e nos 1/4 de final da Champions League mais de 90% das equipas são as que têm MAIOR ORÇAMENTO :)))

      Se fores agora analisar o UEFA RANK tens o Benfica + 9 colossos das BIG 5 Leagues.
      Apenas existem 2 colossos (Man. United e Man. City) que não estão neste momento no TOP 10, mas estão no TOP 20 do UEFA Rank.


      Em PORTUGAL:
      Os 2 clubes com maiores orçamentos (Benfica e Porto) foram os únicos que conseguiram ganhar campeonatos nos últimos 10 anos.
      Mesmo o Sporting só ganhou há 15 anos, quando na altura tinha orçamentos semelhantes ao Benfica e Porto.

      Factos, são Factos.

      Eliminar
  12. • “Se o futebol português ficou mais equilibrado entre Porto e Benfica isso deveu-se claramente a um maior poderio financeiro do Benfica”

    NÃO É VERDADE. Para além de descurar toda a envolvência pelo qual o futebol nacional desse tempo passou, tira a conclusão errada: + dinheiro = + jogadores de qualidade. O que (só por si) não é verdade, omitindo a importância de o clube se ter munido de uma organização e profissionais adaptados aos novos tempos. Pode ajudar ter “prima donas”, mas não existem milhões que suplantem jogadores que, à qualidade e dimensão física necessárias, aliem aquele “extra” associado ao carácter, compromisso, capacidade de sofrimento e por aí fora. E estes factores HUMANOS não têm de necessariamente ser dispendiosos.

    PORQUE, EM CAMPO, SERÃO SEMPRE 11 CONTRA 11.

    Olhe-se para os rivais: no FC Porto, o jogador com maior valia de mercado será, porventura, Brahimi. Qual a rentabilidade deste quando comparada com, por exemplo, com o ex-vimaranense André André? No Sporting, a estrela será, porventura, o agora problemático Carrillo. Sendo um facto que a sua produção é irrisória quando com a comparada com a do ex-setubalense João Mário. TODOS ELES (A. ANDRÉ E J. MÁRIO) JOGADORES DE TOSTÕES.

    Num outro capítulo: Gaitan não evoluiu por aí além nos capítulos físicos e técnicos. Se hoje é muito mais jogador do que era, isso deve-se a ser hoje MAIS HOMEM.

    Ou seja: PSEUDO ESTRELAS DE GRANDES CLUBES, SÓ POR SI, NÃO SÃO GARANTE DE NADA QUE NÃO DE MAIOR DESPESA. Pode correr bem quando, independentemente da razão, esses jogadores aliam compromisso/motivação à maturidade (como Júlio César, Casillas ou Ruiz), sendo que existe todo um espectro de consideráveis além dos números e com fortíssima incidência na vertente emocional e que não são contabilizáveis.

    Ainda que aquela seja aplicável (e muito útil) ao desporto, O FUTEBOL NÃO É UMA CIÊNCIA EXACTA. Tem muito de estatístico, mas É SOBRETUDO SENSORIAL, EMOCIONAL. Ex: O Chelsea, campeão indiscutível da anterior edição da Liga Inglesa, está hoje, com mesma equipa técnica e jogadores, perto dos lugares de descida. Um clube rico, com o que há de melhor no mundo. Como explicam as finanças, a matemática ou a estatística isto?

    Mesmo com o FC Porto a fazer muito dinheiro, o Benfica, por norma, sempre conseguiu chegar ao mercado de jogadores em que aquele se movia. Como, assim o soubesse fazer, o Sporting também conseguiria. A diferença é que o FC Porto, QUANDO CONHECIA O INTERESSE DO BENFICA, pagava ao respectivo clube e jogador o que podia e não podia. Porque sabe da qualidade com que o Benfica se move no mercado e porque dá uma agradável capa de jornal “roubar” 1 jogador ao Benfica. SABENDO MEXER-SE EM TEMPO, MUITOS (SENÃO TODOS) DESSES JOGADORES TERIAM SIDO DO BENFICA. MESMO COM E POR MENOS DINHEIRO.

    TODOS eles se mexem, mais coisa menos coisa, nesse mercado dos €10M/jogador como tecto máximo e pontual. Aqui as finanças têm um papel preponderante. Mas depois há tudo o resto. E é um mundo de variáveis que não é possível aqui desenvolver. De tudo aquilo que referes que “fortaleceu” o Benfica, o afastamento da Olive será porventura o mais relevante, ainda que não somente na vertente em que apontas. Socialmente, a dinâmica criada com a BTV teve repercursões que vão muito além das financeiras.

    (continua) RedMist

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em ABSOLUTO com a análise integrada do que é um futebolista. E sim é possível ter-se grandes equipas no caso do Benfica com investimentos baixos, mas é necessário ter uma equipa de prospecção profissional, porque nos atletas em ascenção com potencial jogar no Benfica é de caras... que a Direcção veja isso e aposte nesse "mercado", com essa estratégia pode conseguir-se com Joões Mários e Andrés Andrés um equilíbrio (reequilíbrio) rápido das contas! Esse deve ser o objectivo da Direcção, se quiser continuar neste lugar de prestigio e poder. Não acredito que os benfiquistas continuem a aceitar com indiferença por muito mais tempo os Robertos, Fariñas e Pizzis deste mundo...

      Eliminar
    2. Mete o 11 titular da equipa B a jogar na equipa principal e venham depois falar em sucessos desportivos :)))

      Quanto maior for o poderio económico, melhores jogadores é possível contratar, e como tal fica-se MAIS PERTO das conquistas desportivas. Não garante sempre sucesso, mas garante estar mais próximo das vitórias.

      A UEFA já fez esse estudo. 90% dos Clube que têm maior orçamento nos campeonatos europeus ganharam pelo menos 1 campeonato em 2, nós últimos anos.

      Mais uma vez, FACTOS são FACTOS.

      Eliminar
  13. EM SUMA: todos estes dados são relevantes fundamentalmente no capítulo da subsistência financeira de um dado clube, quanto ao facto de possibilitar-nos vislumbrar um futuro de crescimento financeiro ou de ruína. NÃO MAIS DO QUE ISSO. NÃO PERMITE, A QUEM FOR, PERCEBER SE VAI SER CAMPEÃO. Ajuda, pode aumentar as probabilidades nos sites de apostas, mas só. E AINDA BEM. Esse aspecto está vetado aos profissionais do futebol, aos que treinam e jogam – que, para serem melhores, não têm de ser necessariamente os mais dispendiosos.

    PODE-SE SER CAMPEÃO COM EQUIPAS DE “TOSTÕES” E FICAR COM AS FINANÇAS AINDA MELHOR. Será mais fácil ser campeão com orçamentos acima dos €100M? NÃO. Dá-te lastro para contratares aquilo que será porventura mais competente, mas o teu entendimento pode estar errado. Então, gastaste muito para nada, gato por lebre.

    Eriksson já o sabia nos anos 80: O futebol não é uma ciência, muitas das vezes o importante, o que faz verdadeiramente diferença, é SENTIR. Ou se tem, ou não se tem.

    UMA ADENDA ÀS TUAS PERSPECTIVAS:

    - Que o Benfica continue a PROCURAR parcerias para camisolas, estádio e centro de estágio, ASSIM A ALEATORIEDADE DO MERCADO O PERMITA;

    - que continue também a valorizar jovens talentos mundiais, FUNDAMENTALMENTE PARA PROVEITO DESPORTIVO PRÓPRIO PORQUE, FACE A VARIÁVEIS COMO VALORES PEDIDOS, NACIONALIDADES, POSIÇÕES PRETENDIDAS, RIVALIDADE DE OUTROS CLUBES/MERCADOS, TRANSFERÊNCIAS QUE MOVIMENTAM O MERCADO, HÁ TODA UMA ALEATORIEDADE NA QUAL NÃO PODE ASSENTAR CERTEZAS DE PROVEITOS FUTUROS E ESTABILIDADE FINANCEIRA DO CLUBE;

    - Que a BTV mantenha/aumente o n.º de assinantes, estando a sustentabilidade de todo o projecto assente neste único pressuposto.

    RedMist

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segundo a tua "teoria" o Arouca ou a Académica é que na prática são os grandes candidatos à conquista do campeonato :)))
      Afinal de contas as equipas de "TOSTÕES" podem ser os vencedores dos campeonatos :)))

      Curioso que nos últimos 10 ANOS nenhuma equipa de "tostões" foi campeão em Inglaterra, França, Espanha, Alemanha, Itália, Portugal :) Apenas referi as 6 principais ligas europeias do momento :)))

      Anda toda a gente enganada, e tu é que sabes :) "Twilight zone" :)

      Tanta teoria... mas afinal vamos a exemplos concretos!!

      Consegues dar 1 ÚNICO exemplo de uma equipa de "TOSTÕES" que tenha sido campeã em Inglaterra, Itália, Espanha, França, Alemanha, Portugal, nos ÚLTIMOS 10 ANOS?????

      As "teorias" só se tornam válidas se tiverem situações que comprovem essas mesmas "teorias" ;)))

      Eliminar
    2. 1. Aquilo a que chamas factos, são meros dados históricos. Foi assim, mas pode não ser sempre assim, como aliás essa mesma história já o demonstrou por mais de uma vez.

      2. Quanto valia em termos europeus o FC Porto de Mourinho? O Ajax de Van Gaal, Kluivert e companhia? Ou mesmo o Benfica que dominou toda uma década do futebol europeu? Esse Benfica fez-se ao comprar Di Stefanos e Puskas, ou de prospecção e superação?

      3. Por essa Europa fora, o Atlético de Simeone tornou-se recentemente campeão espanhol. Há mais tempo, o Borussia de Klop. Ambos inclusivamente muito perto de se tornarem campeões europeus. Tinham os maiores orçamentos internos ou europeus?

      4. Internamente, quanto valiam o Boavista e Belenenses campeões? O próprio Braga só não possui hoje também ele um título de campeão nacional porque teve o azar de, nesse preciso ano, apanhar o rolo compressor de Jesus. Tinham o maior orçamento?

      5. Apresentas esta matéria como uma verdade irrefutável. Não o é. Pode até ter maiores probabilidades de o ser. Porque quem tem mais dinheiro, pode comprar mais jogadores de comprovada qualidade. E o segredo está na palavra “comprovada” – quando meia Europa já conhece o valor de um jogador.

      6. Ex: Para uma dada posição, o PSG tem o Di Maria, o Real o Ronaldo e eu tenho o jogador X. Quem está pior servido? Não sei. Não tenho necessariamente de ser eu. Posso até estar melhor servido que os outros, assim aquele jogador possua características inatas ao nível da sua qualidade e cultura que lhe permita adaptar-se perfeitamente à realidade e necessidades do clube – tendo eu desse facto me apercebido antes de todos os outros. Um misto de prospecção e sensibilidade.

      7. A ÚNICA CERTEZA que decorre da tua visão é esta = + DESPESA.

      8. Esses “factos” que apresentas podem ser perfeitamente colmatados. Dá mais trabalho? Dá. Impossível? Nem pensar. Quando a opção para estarmos mais perto do sucesso passa por mais endividamento, algo vai mal. O que tem de haver é critério, competência e superação. Muito ou pouco orçamento, é preciso saber aplicá-lo.

      9. “No TOP das BIG 5 Leagues e nos 1/4 de final da Champions League, mais de 90% das equipas são as que têm MAIOR ORÇAMENTO”. Esta frase espelha bem a diferença das nossas visões: tu aspiras a entrar/estar nesses 90%, eu revejo-me nos restantes 10%. E enquanto esses 10% estiverem lá, são a prova de que é possível. Possível inclusivamente que, com competência, esses 10% se tornem nos novos 90%.

      10. Cessar despesismos não é sinónimo de ter de jogar só com jogadores da formação. Não tens de passar do 80 para o 8, existem mais números pelo meio. Mas a prova de que a sua integração e aproveitamento podem ser feitos está à vista, não é teoria. Assim se saiba fazê-lo.

      11. “Quanto maior for o poderio económico, melhores jogadores é possível contratar”. Isso é óbvio – o que interessa é ver para além do óbvio. Porque, considerando que nunca o Benfica terá o orçamento de Barcelonas ou Uniteds, não ver para além do óbvio (ou seja, orçamento dita sucesso), estaremos inevitavelmente condenados ao insucesso. E eu recuso-me a aceitar fatalismos só porque a UEFA ou a estatística assim o define.

      RedMist

      Eliminar
  14. NauBenfica06/11/15, 19:19

    O Benfica também é isto:

    El Benfica, primer club 'hiperconectado': Estadio, plantilla y seguidores
    El CEO del Benfica, Domingos Soares de Oliveira, en el evento de Huawei. M. C. M. C.
    El club de fútbol portugués dispone de su propio data center, monitoriza hasta las horas de sueño de los jugadores, utiliza pantallas led sensorizadas como paredes y aprende de sus fans analizando las redes sociales
    • MARÍA CLIMENT
    • Enviada especial
    • LISBOA (PORTUGAL)
    Actualizado 04/11/201509:49
    Con 14 millones de fans en todo el mundo, 120 jugadores, un estadio con 65.000 asientos y 500.000 suscriptores en su canal de televisión, parece lógico que la tecnología forme parte de la estrategia de negocio del Benfica. Pero no es habitual encontrar un equipo de fútbol con una visión tecnológica integral que aporte soluciones tanto a la infraestructura como a los jugadores y los seguidores. Este club conectado hasta tiene su propio centro de datos (data center), en colaboración con Huawei, para controlar desde casa toda la información que gestiona, como las personas que hay en el campo durante un partido o las horas que ha dormido cada deportista.
    La razón de este interés por la tecnología reside en que el equipo directivo del club portugués no cuenta con experiencia previa en el fútbol. «Venimos de mundos distintos y hemos intentado traer a este negocio la visión de otros sectores», afirma a INNOVADORES el CEO del Benfica, Domingos Soares de Oliveira, que ha participado esta semana en el Huawei CIO Forum and Network Congress celebrado en Lisboa. Admite que «seguro que hay clubes más avanzados en niveles más específicos, por ejemplo, en CRM, pero nuestra visión integrada es única». Y es que el equipo ha abordado con tecnología los tres puntales del fútbol: el campo, el jugador y el fan.
    Para abordar el primer foco de interés, las infrestructuras, el club ha firmado un acuerdo con la multinacional china con el fin de mejorar las conexiones del Estádio da Luz, en Lisboa, a través de WiFi de alta densidad. «Ahora nuestros seguidores pueden interactuar con nosotros mientras disfrutan del partido», indica Soares de Oliveira. Pero aún hay más. En su afán por aprovechar toda la información disponible en el campo, el Benfica ha abierto, con la tecnología de Huawei, su propio centro de datos modular en sus instalaciones. «Podríamos haberlo subcontratado, pero preferimos tenerlo en casa con la ayuda de un proveedor, que depender de un sistema que esté fuera de la ciudad o del país», explica. «No hay ningún club en Europa que tenga una infraestructura así», añade.
    El segundo grupo al que el Benfica aplica la tecnología son sus deportistas. A través de sensores, el equipo monitoriza a los jugadores y, con sistemas de aprendizaje automático, se perfilan estrategias más personalizadas. También trabaja en el análisis de vídeo para detectar los puntos fuertes y los débiles de cada uno. Y hasta controla en tiempo real las horas que duermen para que, al día siguiente, el entrenador pueda diseñar sesiones adaptadas a su descanso.
    El club ha creado una habitación interactiva donde cada pared consiste en una pantalla LED sensorizada. Esta instalación sirve para «controlar todo lo que el jugador hace a nivel físico, pero también la evolución de la calidad del pase o del disparo a puerta». La información se envía al entrenador y al preparador físico y, con el paso del tiempo, el nivel de dificultad se va incrementando para controlar su progresión.
    El Benfica también busca satisfacer a sus seguidores. En este sentido, por ejemplo, ha desarrollado una plataforma de vídeo en streaming donde retransmiten sus partidos. Ahora el club se encuentra en mitad del proyecto Benfica Fans, donde está aprendiendo todo sobre sus aficionados a través de las redes sociales (como sus intereses o jugadores preferidos) para, en el futuro, ofrecerles información personalizada y abrir nuevas vías de negocio.




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é uma boa notícia.

      Cumprimentos

      Eliminar
  15. Caro Benfica Eagle,

    Obrigado por mais um excelente post baseado em dados concretos sobre a realidade dos 3 grandes e registo ainda a admiração por explicares a todos os comentadores algumas das suas dúvidas e/ou por desmascarares tentativas patéticas de gente que pretende iludir a realidade ou porque não a entende ou porque lhe dá jeito.
    O meu contentamento pela evolução do glorioso é grande, pois aquilo que esta análise espelha é que o rumo que está a ser traçado é o correcto no que à gestão do clube diz respeito - as curvas de tendência da faturação e RLE não enganam - e que essa trajetória já teve reflexo e poderá ainda ter mais assentuada importância em termos de resultados desportivos.
    Como referes e eu sublinho o Benfica teve nestes dois últimos anos demasiados erros na contratação de jogadores e é de facto pena pois sem essses disparates o Benfica poderia ter reduzido o passivo em 50 M€ a 60 M€.
    Agora 2015 marca um corte de paradigma no Benfica - disso ninguém dúvide - e temos que estar preparados para a nível desportivo podermos não ter este ano o mesmo nível de competitividade.
    Nota: Quem pensa que há clubes sustentavelmente ganhadores sem finanças saudáveis está enganado e isso é fácil de perceber, quer pela realidade da economia das familias e dos paises, quer em clubes desportivos ( ex: Glasgow Rangers, Fiorentina, Parma, Salgueiros, Leça ....)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Óbvio, Pedro Rodrigues.

      Concordo com o seu comentário, e um dos próximos trabalhos da SAD é vender, pelo menos a preço de custo, muitos dos suplentes/emprestados contratados nos últimos 2 anos.

      Já existem várias noticias nesse sentido (possível empréstimo do cristante, possível empréstimo do Djuricic, possível venda de Lisandro Lopez, possível venda ou empréstimo do Fejsa, possível empréstimo do Taarabt, etc)

      Eliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.

Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado.

artigos recentes