Desigual
O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Desigual

 ●  + 3 comentários  ● 

Portugal, 26 de Fevereiro de 2013

Depois da última jornada da Liga de Futebol, parece-me que ficou evidente como esta é uma competição desigual, onde o Benfica tem de jogar muito mais para ser superior aos adversários, enquanto o FCP não. Vamos a factos.

No jogo contra o Nacional, com 1-1, um defesa cortou uma bola com o braço, estando o árbitro assistente bem posicionado. No jogo contra a Académica, aos 48 mn e com 0-0 no marcador, dois defesas adversários embrulham-se num cruzamento, levantando um deles o braço à altura superior à da cabeça, braço que contactou – fora do seu movimento normal - com a bola. Em nenhum dos casos, os árbitros incluindo assistentes, assinalaram grande penalidade.

No FCP – Rio Ave, com 0-1 no marcador, um remate desferido a pouca distância (2 ou 3 metros) foi cortado com o braço de um defesa do Rio Ave. Grande penalidade assinalada de pronto.

Instantes cruciais das partidas, situação de empate ou derrota que podem ser transformadas em situação de vitória ou de empate, mas curiosamente, só o FCP é que beneficia do critério dos árbitros. Desigualdade.

Mas se repararmos nos penaltys sofridos por Benfica e FCP, e reportando-nos a todo o campeonato, verificamos que também neste parâmetro há desigualdade. Enquanto Carlos Xistra e Vasco Santos não conseguiram ver remates cortados dentro da grande área do FCP, pelos braços e mãos de Alex Sandro, contra Braga e Moreirense, com 0-0 em ambas as situações, por mera coincidência (seguramente) o mesmo Carlos Xistra conseguiu ver duas grandes penalidades contra o Benfica em Coimbra, em que numa delas Maxi contacta o avançado fora do limite da grande área e noutra Garay corta uma bola antes de contactar com o avançado. E assim, com estes critérios desiguais, o Benfica sofreu 2 golos de grande penalidade (e perdeu 2 pontos) e o FCP nenhum. Quem não sabe de onde vem a melhor defesa e a boa pontuação do FCP, tem de estar mais atento.

A desigualdade continua também noutras áreas laterais ao futebol, como seja na comunicação social. Assim, vemos jornalistas com algum sentido de missão, perguntar diligentemente ao treinador e presidente do FCP, o que têm a dizer sobre a grande penalidade que deu a vitória ao Benfica contra a Académica. Mas quando se trata de sabermos o que acham Jesus e Vieira sobre os penaltys que foram assinalados a favor do FCP contra o Olhanense, com 1-1, e Rio Ave com 0-1 por duas vezes, os mesmos jornalistas esquecem-se de perguntar. Estamos a falar daqueles que depois classificam os lances e falam dos erros dos árbitros nos jogos. Que envolvem Benfica e FCP também. Será de esperar alguma imparcialidade, ou a mesma desigualdade de critérios?

Por último, e porque esta luta de Jesus e seus bravos jogadores é totalmente desigual (não é por acaso que as estatísticas de títulos ganhos pelo FCP cresceram vertiginosamente depois da Liga do Porto organizar as provas e, mais recentemente, Fernando Gomes ser eleito presidente da Liga primeiro, e FPF depois), temos também, enorme desigualdade de atitudes nos dois presidentes dos clubes. Assim enquanto o presidente do FCP fala e volta a falar de arbitragens, mesmo que há tempos tenha dito que “só fala de árbitros quem é parvo ou estúpido”, o presidente do Benfica saiu da hibernação em que estava mergulhado nestes dias que quase toda a gente falou de penaltys, excepto ele, para vir dizer aos sócios que têm de emprestar mais 80 milhões. É que o milagre económico está com umas certas dificuldades em “arrancar” e ao fim de 12 anos a divida bancária continua a crescer, cerceando a liberdade futura do Benfica e de quem vier a pegar nele, mais o património que resta do clube que fica comprometido às entidades bancárias que cobrem os prejuízos desta gestão ruinosa. A Benfica Estádio SA já se foi, falta o Centro de Estágio do Seixal.

A Vieira só faltou dizer que “tivemos cá um aldrabão e ainda hoje estamos a pagar a factura”. Se calhar esse papel vai para o agora promovido a expert de economia e finanças, Pragal Colaço. 

3 comentários blogger

  1. Em matéria de desigualdades também poderíamos falar do tempo de descanso entre os jogos. O Benfica jogou no domingo. O Braga jogou no sábado. Caso o jogo se resolva na parte final dos 90 mn, o Braga estará em vantagem seguramente.

    Já assim foi em 1998 quando disputamos lá, curiosamente,a meia final mas da Taça de Portugal. O Braga havia jogado na sexta com o Boavista. O Benfica sábado em Alvalade onde vencemos por 4-1. O jogo da Taça foi na terça de Carnaval. Apesar do bom embalo da vitória em Alvalade, acabamos por perder no prolongamento onde o Braga, independentemente do futebol jogado, se apresentou com melhores índices físicos.

    Passam os anos, a desigualdade mantém-se ...

    ResponderEliminar
  2. Não esquecer nessas contas aldrabadas dos penaltis em Vila do Conde e Barcelos que "roubaram" 4 pontos ao Porto. Isso sim coloca as contas em planos desiguais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estas contas que também percebeste, mas não consegues desmontar, não podem ser corrigidas assim como dizes. Em Barcelos o jornal O JOGO ficou a pedir um penalty para o FCP, mas porque contabilizou MAIS um corte com o braço de Otamendi como casual, ou o tal remate à queima roupa. Ora se reparares no penalty marcado contra o Rio Ave, afinal só há "queimas roupas" para alguns. Ou seja, se aplicares o mesmo critério que o Soares Dias aplicou no jogo com o Rio Ave, o FCP levava com 1 penalty ainda com 0-0. O tal penalty que o FCP reclama, aconteceu lá para o fim do jogo.

      Quanto ao jogo de Vila do Conde não sei que falas. Só tu é que viste. Tu e a Sporttv, que amplia certos lances para depois por "asnos" a fazer contas de somar e subtrair penaltys. Os lances que eu mencionei, são lances que não se precisa de recursos tecnológicos para verificar que houve dualidade de critérios. Os lances que asnos normalmente falam, são os tais das repetições.

      Só que por essa ordem de ideias, há muitos lances na área do FCP que também passam em claro às imagens da Sporttv. E se fossem analisados com a minúcia que são os dos clubes adversários, também iriam mostrar mais uns quantos penaltys não assinalados contra o FCP.

      Os factos são como o algodão, e não enganam. Mas para quem vive na mentira, vai para mais de 30 anos, é natural que os factos não contem. Só a ficção das imagens ampliadas.

      Eliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários.
Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.
Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado.
Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking

recentes

Mensagens populares