O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


11 de abril de 2012

À Benfica II

 ●  19 comentários  ● 
Portugal, 10 de Abril de 2012

Depois de 6 vitórias consecutivas sobre o SCP (4 para a Liga e 2 para a Taça da Liga), o Benfica perdeu um jogo com um penalty (dos que não se assinalam a nosso favor), e como é hábito no nosso clube a derrota foi mal assimilada. E mal interpretada.

Não deve haver muitos clubes no mundo em que cada derrota ou resultado inadequado, seja tão esmiuçada pelos adeptos ou comentadores no plano técnico - teórico, com a sofreguidão de quem tem solução para o evitar: para ganhar sempre ou conseguir resultados satisfatórios. 

Vemos os milionários do Real Madrid treinado pelo alegado melhor treinador do mundo, perderem pontos contra equipas de orçamento 2 e 3 vezes inferior, e não percebemos que de facto é possível isso acontecer em países em que a bola é redonda e rebola de igual modo para todas as equipas. Aqui como se sabe (alguns teimam em não querer dar importância) a bola rebola mais depressa para um lado do campo, do que para o outro. Logo é mais fácil viciar o jogo.

Consultando as classificações de outros países, mais ou menos importantes que o nosso, vemos como equipas de grandes orçamentos perdem pontos com outras de menores orçamentos, e continuamos a não perceber que empatar ou perder faz parte da inevitabilidade do futebol e não há que explicar isso com razões que apelem ao perfeccionismo ou ao erro zero. Porque a perfeição depois do jogo acabado, é irrelevante. Se corrigirmos aquilo que nos pareceu ter sido mal pensado pelo treinador ou mal executado por alguns jogadores, e pudéssemos recomeçar o desafio, só por inconsciência se pode pensar que dessa forma corrigida poderíamos ganhar o jogo. Errado, não há dois jogos iguais...

O que me custa a entender, ano após ano, é continuar a ver tanta gente falar de futebol sem considerar o trabalho da equipa de arbitragem, mesmo após tantos escândalos que são conhecidos, desde o tempo dos “quinhentinhos”, à “fruta” e “café com leite”, envolvendo sempre protagonistas de um clube que por acaso é o que mais campeonatos ganha desde há 20 anos para cá!
Como é que pode escapar ao extraordinário sentido crítico dos adeptos ou analistas desportivos afectos ao Benfica, esta simples pergunta: porque cargas de água a arbitragem é importante para o FCP, ao ponto de comprarem decisões dos árbitros através de intermediários, e para nós no Benfica não é?

Saber responder a esta questão e implicações carreadas para a estrutura orgânica que organiza as provas (Liga primeiro, e FPF no momento), permite perceber porque razão o futebol do Benfica perdeu a hegemonia nacional e vai continuar em plano subalterno se não se mudarem as mentalidades dominantes na gestão futebolística, ainda e sempre feita na base da lógica do cheque.

O Benfica perdeu com o SCP, com um penalty que não se assinala a favor do Benfica, como já antes tinha perdido com o FCP com um golo em fora de jogo claríssimo e com o Guimarães, com um golo resultante de falta inexistente. Três situações que nunca acontecem ao FCP como se sabe.

O ênfase que a comunicação social está a dar à superioridade do SCP, só se compreende pela também habitual forma de proceder desta gente, hoje ligada ao “sistema”, hoje de uma forma ou outra ligada à Olivedesportos. Falando da superioridade do SCP não tem que ponderar os erros de arbitragem, todos na mesma direcção, nem a posse de bola de 63% que o Benfica teve, e como se percebeu, com pouca utilidade. Compare-se os critérios desta mesma gente quando o Benfica de Quique ganhou ao Braga de Jesus. Bem diferentes e opostos aos de agora, em especial no relevo dado aos erros do árbitro.

Ora perante esta conjugação de acções “comunicação social + arbitragem”, o que fazem os adeptos e analistas afectos ao Benfica? Reagem “à Benfica”: procuram os responsáveis da aleatoriedade dos resultados desportivos, dentro do grupo de trabalho. Contribuindo assim para minar a já de si abalada confiança de um grupo que desde o inicio da época tem aguentado agressões, injustiças, ingratidões, e sempre correndo e transpirando em nome do Benfica, dos nossos interesses e da nossa história.  

Há anos que isto dá mau resultado, como comprovam as estatísticas, mas os nossos adeptos e analistas gostam de ser “originais”, repetindo a “receita” ano após ano.
(cont.)

19 comentários blogger

  1. Eagle 01 e Viritato, sei que estamos todos desiludidos mas esta notícia promete:

    http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=325594

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As coisas vão-se sabendo...desta vez é o Cardinal....outro artista
      Vou repetir-me mais uma vez.
      Há árbitros desempregados, outros a ganharem bem (Proença) outros 580 euros por mês (Paixão) outros 1.150/ano (um do Algarve que até é Advogado) etc. etc.etc.

      Quase Toda esta gente dos apitos é se vende...ainda para mais neste País onde a corrupção é castigada por 5 mil euros de multa e quem acusa essa corrupção paga multa de 10 mil. (Névoa/Sá Fernandes)

      Eliminar
    2. Este árbitro é o que expulsou o Javi em Braga no ano passado, quando os nossos adeptos (a maioria) assobiavam o Roberto. É o mesmo que invalidou o golo do Guimarães no ano passado, enquanto os adeptos (a maioria) assobiava o Roberto. Este ano já esteve num jogo que fomos prejudicados (mas ganhamos, mas não me lembro).

      É assim: a culpa era do Roberto ...

      Eliminar
  2. O resto não sei, mas aqui estou em clara sintonia!

    Mas também existem aqueles que não são capazes de perceber onde errámos e focam toda a sua culpa nos árbitros. E esses também agradam a quem comanda pois nunca os põem em causa!

    De qualquer forma, custa-me tanto silêncio da direção relativamente ao roubo de que temos sido alvo. Sim, porque não acabou, falta por o braguinha em 2º lugar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu apenas coloco a arbitragem em 1º lugar porque os erros são mais que muitos e sempre para o mesmo lado. Depois não falo de erros próprios porque na minha maneira de ver o futebol, não se pode falar de erros próprios se sabemos que o árbitro pode intervir de outra maneira, mas sempre em prejuízo da nossa equipa. Exemplo. Suponhamos que jogava o Javi em vez do Luisão. O árbitro não marcava aquele penalty. Mas marcava o 2ç de Garay sobre WW e continuava a não marcar o penalty sobre Gaitan. Entendes?

      Eliminar
  3. Os jogadores são mais vítimas destes roubos que os próprios adeptos. Muitos destes roubos de arbitragem são em situações em que a própria integridade física deles fica em risco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Correcto e afirmativo. Isso será visto na parte III.

      Eliminar
  4. Totalmente de acordo. Atirar para dentro do forte, sobre os nossos, não resolve os problemas. Nunca vi uma organização dividida, seja ela de que tipo for, a ganhar o que quer que seja. Isto é tão velho como o mundo. Mas os adeptos irracionais a primeira coisa que procuram são os CULPADOS.

    Exactamente a mesma coisa que se fazia na Idade Média. Não entendendo os fenómenos que existiam (e para os quais actualmente existem respostas) os imbecis da altura procuravam os culpados escolhendo bodes expiatórios, as BRUXAS, pessoas que por acaso até tinham mais valor e melhor compreensão das coisas do que esses mentecaptos, queimando-as vivas. E assim resolviam eles os seus próprios problemas de défice de compreensão e doenças mentais. Ou melhor, não resolviam, mas ficavam mais descansados. Mas os problemas não ficavam resolvidos. Burros que nem portas!

    Uma coisa é discutir os problemas outra, totalmente diferente, é disparar em todas as direcções de uma forma desconexa e demente. E só se deve falar e discutir aquilo que sabemos e conhecemos, de outro modo estamos apenas a especular=dividir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A teoria do bode expiatório está subjacente ao Benfica dos últimos 20 anos, por força da comunicação social. Basta repetirem a imagem de um jogador ou um treinador e aí está o adepto, a maior parte das vezes irracionalmente, a bater em alguém ou a explicar o que eles querem da forma que eles querem. Mas nunca de árbitros, porque no sistema não se pode tocar ... excepto quando aparece um Bruno Paixão que se está a marimbar e erra de forma diferente do "manual" ... Aí a comunicação social coloca-se ao lado do sistema, entenda-se, FCP e SCP ...

      Eliminar
  5. Terias razão, se não fosse o presidente do Benfica o primeiro a cultivar a desunião e a apoiar o sistema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim. Sou anti Vieira porquê afinal? Porque votei uma vez em Vale e Azevedo (precisamente quando ele perdeu)? Não meu caro, sou anti Vieira porque este Presidente é o Presidente dos Bancos e da Olivedesportos, não é o Presidente do Benfica, como nos o entendemos ... É um assalariado do sistema dentro do Benfica. É o garante do Benfica dependente, submisso, calado, enrabado e a sorrir para as câmaras de TV ...

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Obrigado. Espero continuar a merecer a concordância ... :)

      Eliminar
  7. Muito bem analisado, Eagle 01 e vem de encontro ao meu pensamento. Sabe, já sou bastante velho, feliz ou infelizmente, e já vi jogar o Benfica nos bons velhos tempos e digo-lhe uma coisa; mesmo com Eusébio o Benfica também perdia, mas julga que algum benfiquista ficava desesperado como fica presentemente? Nada disso, porque como muito bem disse no seu texto, era um dos possíveis resultados de um jogo de futebol. Quando se perdia toda a gente encarava isso com normalidade porque o jogo era limpo e, de uma maneira geral, ganhava quem era melhor. Mas agora está tudo virado e isso é que causa a revolta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Velho? Olhe eu vou a caminho dos 50 e ainda ouço Iron Maiden e Judas Priest ... a idade não conta, conta o pensamento ... na actualidade discute-se tudo muito mais porque nesses tempos havia mais decência na comunicação social. E havia menos comunicação social. 21 edições de jornais por semana, programas diários nas várias rádios, nas 3 tv's, etc. Nesse tempo haviam 2 jornais, trissemanários, havia 1 tv e 1 rádio. E havia respeito. Hoje não há. E o Benfica, pela sua dimensão e especialmente porque o tamanho das pessoas que o dirigem ou se candidatam a dirigi-lo, não acompanhou o crescimento da dimensão do clube a nível desportivo, social, económico e cultura, é um alvo potencial da nova distribuição de poderes económico-desportivos (a ascensão da região do Porto nunca foi devidamente considerada pelas forças lisboetas). O Benfica é uma referência nacional, e vemos muita gente querer pegar nele, como se tivesse direitos adquiridos. Há muita coisa a mudar no Benfica e se a comunicação social é má para nós, também a deveríamos utilizar, tornado-a "boa", para passar a mensagem que queremos e não a que eles querem ... Mas para isso é preciso saber. E amar mesmo o Benfica ...

      Eliminar
  8. Eagle,
    A este post depois de o ler, ergo-me da cadeira e ovaciono. Muito boa análise.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado. Tentarei manter o "nível" no próximo texto ...

      Eliminar
  9. Estão aqui muitos que querem manter o "status quo".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não posso comentar muito pois não sei a que status se refere ... (removi um comentário porque me enganei e era para o Johnny Rook).

      Eliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB.

ranking