O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Em sintonia

 ●  4 comentários  ● 
Bem ou mal tenho o hábito de, na impossibilidade de ver o jogo no estádio, sintonizar a Antena 1 para ouvir o relato do meu Benfica. Se acrescentar a esse pormenor que vejo o jogo na televisão em simultâneo, compreenderão portanto que sou daqueles doentes que não se preocupa com o som chegar primeiro do que a imagem, adicionando as desnecessárias palpitações contíguas ao sempre emotivo relato radiofónico. Talvez fruto destes tempos marcados pela clubite aguda no pior sentido do termo, vimos assistindo a alguns episódios degradantes que, mais do que a exclusividade do órgão de comunicação A, B ou C, parecem evidenciar um problema transversal da nossa comunicação social. Recordo a este propósito os comentários jocosos e despropositados (em off) dos jornalistas e do comentador da SportTV para com Jorge Jesus e Roberto, ou o noticiário da TSF de 29 de Agosto de 2010 com a inovadora «Roberto, que se tem dedicado nos últimos jogos à criação de aves de capoeira(...)», o qual derivando ou não de uma parte «alheia» aos quadros da estação não me permitem que desde então a sintonize.

Já hoje, para que compreendamos a degradação moral a que chegámos, os comentários monocórdicos do portista Manuel Queirós na Antena 1 deram previsivelmente lugar ao júbilo quando o SC Braga inaugurou o marcador, enquanto que por sua vez os seus colegas de emissão debatiam a decisão de Proença de uma forma tão “isenta” que até foi possível uma analogia disparatada com o Benfica «ter sido beneficiado num lance idêntico ante o Vitória de Guimarães». Isto sem que o “insuspeito” Manuel Queirós perdesse a oportunidade para dizer que o seu FCP foi espoliado este fim-de-semana num lance bem mais evidente, algo só comparável à sua auto-comiseração no Benfica-Académica como forma de justificar a sua clubite manifestada na tal expulsão de James Rodriguez no Feirense-FCP. Por muito que puxem dos galões da hipocrisia, deviam as doutas personalidades compreender de uma vez por todas que os ouvintes e os telespectadores sabem ouvir, e analisar, pelo que merecem melhor. E se se afigura como evidente que os genuínos Jorge Perestrelo e Artur Agostinho eram sportinguistas, certo é que nunca me fizeram sentir que o Benfica era uma equipa estrangeira. É a diferença entre a classe e a isenção, e o seguidismo dos mentecaptos...

4 comentários blogger

  1. Basta ler o jornal Abola, no jogo Benfica-Basileia, a considerar que não era penalti um lance em que o defesa do Basileia faz uma defesa dentro de área. Qual não é o meu espanto que ontem o triste do Mexer, que nem sequer tempo teve de reagir a uma bola que lhe foi bater ao braço, já teve direito a uma referência no jornal como um penalti por assinalar. E estamos a falar de competições europeias. Veja-se onde chega a clubite na CS

    ResponderEliminar
  2. Para acabar com todos estes problemas de mão na bola ou bola na mão, quanto a mim deveria ser assim:
    Dentro da área mão na bola ou bola na mão é igual, será portanto penalti.
    Acabava a polémica e os pés de microfone avençados já não teriam de cair no ridiculo de dizerem que este foi mais que o outro e o outro foi menos do que este, porque uma grande penalidade não pode ser mais nem menos, tem simplesmente que ser.
    BENFICA SEMPRE

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking