O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


Quem prefere ver na liderança da Comunicação do SL Benfica?

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Ora vejamos...

 ●  + 3 comentários  ● 
Primeiro vejam o vídeo: http://youtu.be/eqZKbgE9Zgg

Depois de vermos o vídeo, fica claro que a arbitragem foi uma das grandes responsáveis pela perda deste titulo. Mas como no diz o Vernelhusco no excelente post Balanço de Vieira enquanto dirigente do Benfica, Vieira é também um dos grandes responsáveis pelo não crescimento desportivo do Benfica. As amizades e apoios que Vieira fez só prejudicaram o Benfica, sem falar no seu silêncio quando a equipa do Benfica era atropelada pelas constantes arbitragens. As declarações de Máxi e de Artur são o espelho do que vai na alma dos jogadores do Benfica, os jogadores sentem-se completamente sozinhos, podendo dizer o mesmo de JJ que, no meu entender, foi completamente amordaçado por esta direcção que estipulou e ordenou que não se falassem de arbitragens.

Mas também não podemos deixar de lado o treinador JJ. O JJ é um treinador batidíssimo no futebol tuga e sabe muito de futebol mas tem um ego maior que este planeta. A critica que faço a JJ é sempre no aspecto táctico, ou seja, sabendo eu que ele sabe muito de futebol como pode ele colocar uma equipa a jogar partida em dois, em defesas e atacantes, ou seja, cinco a defender e cinco a atacar, que podem passar a seis a atacar ou até sete se ambos os laterais subirem. Para nós, meros leigos na matéria, é incompreensível, até porque não há paralelo no Mundo do futebol. Até o super Barça, o Real e ambos os finalistas da Champions jogam com uma meio campo equilibrado e com um ponta de lança e no entanto não deixam de vencer e de marcar muitos golos. Mas para JJ, sinónimo de golos é ter muita gente lá na frente e descurar a defesa, o Benfica deve ser a pior equipa a defender de todas as que vi jogar até hoje.

No jogo de ontem, por exemplo, apesar dos erros de arbitragem, o Benfica sofreu dois golos do 13.º classificado e que eu saiba nenhum foi irregular. Ao intervalo estávamos a vencer por 2-1 e o que faz JJ? Tira um médio e mete um avançado!!! Soberbo!!! O mais curioso é que em jogos em que a equipa não estava a jogar nadinha ou até a perder ao intervalo nunca, ou rara vezes, JJ fez um substituição ao intervalo, aguardou sempre até aos 15 minutos finais, ontem a vencer cometeu suicídio!!

A liga ainda não acabou e vamos com 26 golos sofridos, os mesmo que o Braga e mais cinco, imagine-se, que o Sporting. O tal Sporting que tem uma defesa de treta. A culpa será dos jogadores da defesa que não têm qualidade? Será do Emerson? Ontem jogou Cap e sofremos 2 golos na mesma. O ano passado o problema foi o guarda-redes dizem uns, então este ano com Artur só temos menos um golo sofrido do que na época passada na mesma altura. O problema, como eu sempre disse, não está na qualidade dos guarda-redes, nem na qualidade dos defesas, mas sim na forma como a equipa está posicionada em campo, ou não forma como esta se posiciona quando tem de defender ou parar os contra-ataques.

Eu sinceramente estou cansado de JJ e até irritado com o homem porque tenho consciência que ele sabe muito mais e é capaz de muito mais no aspecto táctico, principalmente no aspecto defensivo. Mas JJ quer é alimentar o seu ego colocando o Benfica a jogar ao ataque para golear mas em modo suicídio. A nossa sorte é que cá no burgo 90% das nossas equipas não têm qualidade e na maioria dos ataques não fazem mossa porque decidem mal os lances. Um Benfica mais equilibrado poderia ser campeão a esta altura, ter muito menos golos sofridos e tantos ou mais marcados.

Toda a gente vê as lacunas que o plantel tem, principalmente na lateral direita, como no meio campo e aposto que se JJ se mantiver virão uma carrada de avançados e extremos e iremos descurar a defesa. Um Benfica só com tração á frente, não obrigado!!! Eu quero que o Benfica jogue de forma equilibrada, que seja competente a defender e a atacar. Não marcamos 4 golos num jogo? Marcamos 2 mas não sofremos nenhum. Um Benfica equilibrado, personalizado, coeso e organizado jamais perderia o jogo de ontem. Lembram-se do primeiro jogo da época? Pois... Estivemos a vencer pois dois a zero e empatamos o jogo. Para mim é impensável tal acontecer numa equipa como a do Benfica.

Agora que se pense muito bem o que se quer na próxima época!! Se for este Benfica desorganizado, sem coesão, sem personalidade, uma equipa de reacção em vez de ser de antecipação, que não pressione o portador da bola e que defenda á sorte, por mim JJ pode ir.

A Vieira peço-lhe que faça o que fez o Vermelhusco, um balanço, uma auto-avaliação do que fez desportivamente no Benfica e o que não fez na defesa dos interesses do Benfica. Penso que a conclusão será óbvia para qualquer um...

Campeonato da fraude - T18 parte I

 ●  + 32 comentários  ● 

Portugal, 30 de Abril de 2012

Em 1994/95 o na altura denominado Organismo Autónomo, aproveitando uma das muitas confusões que existem no edifício jurídico português, organizou o 1º campeonato a partir do Porto onde, habilmente, o presidente da Câmara tinha dado terrenos para construir a sede da Liga de Clubes. Foi há 18 anos...
No ano seguinte, resolvida a questão do Organismo Autónomo, passou a ser a Liga de Clubes a organizar a maior prova do calendário futebolístico. Pela segunda vez na história portuguesa, o campeonato era organizado fora de Lisboa e daí para cá assim tem sido sempre.

Na altura, 1995 ou 1996, um dos muitos fundamentalista que o FCP tinha e tem a escrever em jornais, Pedro Batista (o que esteve para andar à estalada com Dias Ferreira num programa de formato Trio da RTP), anunciava no jornal O JOGO que com a Liga a organizar as provas entrava-se numa “nova ordem do futebol português”.

Percebi nas entrelinhas que aquela afirmação não era leviana nem casual. Aquela afirmação encerrava uma declaração política que só se começou a perceber quando o FCP embalou com 5 títulos consecutivos tendo por base arbitragens que obedecem a um “padrão” determinado pelos interesses do FCP (seja a seu favor, seja contra o Benfica ou outro rival que circunstancialmente possa competir com eles).  

O ciclo desta “nova ordem” iniciou-se com a Supertaça que nos foi roubada em pleno estádio das Antas quando Donato Ramos e o seu auxiliar invalidaram um golo limpo ao Amaral, por fora de jogo de posição sem intervenção na jogada. Daí para cá, tem sido sempre o mesmo.

Nestes 18 anos da “nova ordem do futebol português”, o FCP conquistou 13 campeonatos, e só por mera indigência mental ou má formação pessoal, se pode pensar que os grandes responsáveis são os treinadores: 1) Artur Jorge, 2) Neca e Filipovic, 3) Mário Wilson, 4) Souness, 5) Shéu, 6) Juup Heynckes, 7) Mourinho, 8) Toni, 9) Jesualdo, 10) Camacho, 11) Trappatoni, 12) Koeman, 13) Fernando Santos, 14) Camacho, 15) Chalana, 16) Quique Flores e 17) Jorge Jesus.

Ou seja, por razões de estratégia (ou falta dela) das 4 Direcções que estão abrangidas por este ciclo, Manuel Damásio, João Vale e Azevedo, Manuel Vilarinho e Filipe Vieira, o Benfica teve 17 treinadores, sendo 13 contratados como principais e 4 adjuntos que os substituíram por motivo de doença ou despedimento.

No mesmo período o FCP teve como treinadores 1) António Oliveira, 2) Bobby Robson, 3) Fernando Santos, 4) Octávio Machado, 5) José Mourinho, 6) Luigi Del Neri, 7) Victor Fernandez, 8) José Couceiro, 9) Co Adrianse, 10) Jesualdo Ferreira, 11) Villas-Boas e 12) Vítor Pereira (estes 12 treinadores são um número algo elevado para quem ganha tanto, mas estão “inflacionados” pelos 3 contratados na época 2004/2005).

Se compararmos as carreiras dos treinadores depois de “falharem” no Benfica, com as carreiras dos treinadores depois de “ganharem” no FCP, teremos de reconhecer as boas carreiras de Juup Heynckes, Mourinho, Trappatoni, Koeman e Fernando Santos. E as razoáveis carreiras de Camacho e Quique Flores.
Quanto ao FCP, exceptuando Bobby Robson e Mourinho, não houve um único que se destacasse pela positiva. Bem pelo contrário. António Oliveira foi despedido 15 dias depois de ser contratado pelo Bétis de Sevilha, Jesualdo Ferreira, o único tri-campeão pelo FCP, despedido pelo Málaga e Villas-Boas despedido e considerado o pior treinador da era Abramovitch. Nem Souness foi tão mal tratado depois de sair do futebol português...

O Benfica não tem ganho por mudar de treinador. Pelo contrário. Novo treinador, novos métodos de treino, novos jogadores, novos esquemas de jogo e quando chegamos ao 1º terço do campeonato com as mesmas arbitragens, o FCP já vai à frente e faz a gestão da prova. A comunicação social sabe que é assim, por isso “pede” aos adeptos que façam pressão contra o treinador do momento. Para ajudar o FCP...

Mas quem viu como o Benfica foi impedido ontem de ganhar em Vila do Conde, novamente pelo mesmo árbitro que esta época ofereceu 1 penalty ao FCP para ganhar em Guimarães, só pode concluir que o campeonato terminou como começou: com o FCP a ser ajudado por erros de arbitragem de Benquerença, pela via directa e pela via indirecta. Mais 2 pontos em Guimarães, mais 2 em Vila do Conde, 4 pontos assim oferecidos ao FCP!

Vieira como dirigente do Benfica - a razão do medo de debater?

 ●  + 36 comentários  ● 
O factor de avaliação mais pertinente para avaliar a prestação de Vieira como Presidente desportivo é o número de títulos conquistados nos seus doze anos á frente de clube. Já fiz esta avaliação de Vieira anteriormente mas acho que é essencial relembrar a "obra" de Vieira no momento das eleições. E não há melhor maneira de avaliar o estado do Benfica de Vieira do que comparativamente com a performance dos grandes rivais nesta década assim como com o período negro da história do Benfica – os anos 90.

Infelizmente, quer muitos apoiantes de Vieira e do Benfica em geral queiram quer não, para uma época desportiva ser qualificada como de sucesso não basta apenas que um clube faça imensos pontos, ganhe imensos jogos: o essencial é que conquiste títulos nas competições mais importantes e faça melhor do que todos os rivais nessa época . Basta ver o exemplo do primeiro Benfica de Camacho que fez mais pontos do que o de Trap e não foi campeão e mesmo o Braga de Domingos Paciência que no ano em que ficou em 2º atrás do Benfica fez pontos suficientes para ser campeão em quase qualquer outro ano!

Consequentemente, o período de Vieira á frente do clube fica não só marcado pelo que o clube alcançou mas pelo que alcançou comparativamente com os rivais e com o suposto período negro do Benfica.

Resultados desportivos do Benfica

Benfica com Vieira (director do futebol e Presidente)
Campeonato Nacional
1º em 2004/2005, 2009/2010 - dois campeonatos.
2º lugar em 2002/2003, 2003/2004, 2010/2011 e 2011/2012 - quatro 2ºs lugares.
3º em 2005/2006, 2006/2007 e 2008/2009 - três 3ºs lugares.
4 º em 2001/2002 e 2007/2008 – dois 4ºs lugares
6º em 2000/2001

Taça de Portugal
Vencedor em 2003/2004, - 1 Taça
Finalista vencido em 2004/2005 - uma final perdida.

Supertaça de Portugal
Vencedor em 2004/2005 - uma Supertaça
Finalista vencido em 2003/2004 e 2009/2010 - duas Supertaças perdidas

Taça da Liga
Vencedor em 2008/2009, 2009/2010, 2010/2011 e 2011/2012 - quatro Taças

Competições europeias
 Semi-final da Liga Europa em 2010/2011

Benfica de 90
Campeonato Nacional
2 campeonatos - Campeão em 90/91, 93/94
Quatro 2ºs lugares - 1991/92, 1992/93, 1995/96, 1997/98
Quatro 3ºs lugares - 1994/95, 1996/97, 1998/99, 1999/00

Taça de Portugal
2 Taças -1992/93, 1995/96
Finalista vencido em 1996/97

Supertaça de Portugal
Quatro Supertaças perdidas - 1990/1991; 1992/1993; 1993/1994; 1995/1996

Taça da Liga
Não existia

Competições europeias -
Semi-final da Taça das Taças.

Comparemos o período de LFV enquanto dirigente do Benfica com a década "negra" de 90 do clube (e estamos a dar uns anitos extra de “borla” – diga-mos que são os “aninhos da estabilidade”). Os títulos contados numa década e outra demonstram a mediocridade do clube tanto com Vieira como dirigente como nos anos 90.
Qual a diferença entre ambas as décadas? Tirando a Taça da Liga não existente na década de 90 o Benfica de 90 fez melhor que o de 2000. É caso para dizer que o caneco da cerveja é o balão de oxigénio desta Direcção!

No campeonato, com Vieira como Director do futebol e Presidente, o Benfica foi campeão e segundo classificado o mesmo número de vezes em ambas as décadas, e terceiro classificado menos uma vez que nos anos 90. Contudo, as piores classificações do Benfica no Campeonato Nacional foram com Vieira como responsável máximo: o 6º lugar de 2000/2001 e os 4º lugares de  2001/2002 e 2007/2008!
 Nem no tempo negro de Vale e Azevedo isso se verificou!
 O Benfica da década negra de 90 fez participações mais meritórias no Campeonato Nacional que o do novo milénio!

Resume-se este desastre ao campeonato? Não!! Na Taça de Portugal o Benfica venceu mais uma nos anos 90 que com Vieira no leme embora não tenha conquistado nenhuma Supertaça. 

A nível europeu? Uma diferença mínima entre ambas as décadas. Se nos anos 90 houveram os 7 de Vigo também me lembro de muitas humilhações no novo milénio, como os 5 com o Olympiakos por exemplo... Só duas meias-finais europeias em 20 anos é manifestamente pouco! E o Parma dos anos 90 metia medo a qualquer colosso da Europa. E quem é o Braga na Europa de hoje?...

Comparação do Benfica de LFV com Porto e Sporting

Sporting
Campeonato Nacional
1º em 2001/2002 - 1 campeonato.
2º lugar em 2005/2006, 2006/2007, 2007/08 e 2008/09- quatro 2ºs lugares.
3º em 2000/01, 2002/03, 2003/04, 2004/05, 2010/11 - cinco 3ºs lugares.
4º lugar em 2009/2010 e 2011/2012

Taça de Portugal
Vencedor em 2001/02, 2006/07, 2007/08 - 3 Taças.
Finalista em 2011/2012 – por disputar.

Supertaça de Portugal
Vencedor em 2001/2002, 2006/2007, 2007/2008 - três Supertaças
Nenhuma perdida e duas ganhas ao Porto.

Taça da Liga
Finalista vencido em 2008/2009

Competições europeias
 Finalista vencido da Taça UEFA em 2004/2005. Uma Final Europeia.
Semi-final da Liga Europa em 2011/2012.

Porto
Campeonato Nacional
1º em 2002/03, 2003/04, 2005/06, 2006/07, 2007/08, 2008/09, 2010/11, 2011/2012 - 8 campeonatos.
2º lugar em 2000/2001, 2004/2005 - dois 2ºs lugares.
3º em 2001/2002, 2009/2010 - dois 3ºs lugar.
Nunca ficou abaixo de terceiro lugar mesmo nos momentos mais negros desta década e verdade seja dita não tiveram muitos.

Taça de Portugal
Vencedor em 2000/01, 2002/03, 2005/06, 2008/2009 e 2009/2010 - 5 Taças.
Finalista vencido em 2003/2004 e 2007/2008.
Finalista em 2010/2011.

Supertaça de Portugal
Vencedor em 2000/2001, 2002/2003, 2003/2004, 2005/2006, 2008/2009, 2009/2010 e 2010/2011 - Sete Supertaças
Finalista vencido em 2006/2007 e 2007/2008.

Taça da Liga
Finalista vencido em 2009/2010

Competições europeias
Campeão europeu em 2003/2004
Taça UEFA em 2002/2003
Taça Intercontinental em 2004
Liga Europa em 2010/2011

Clara e notório domínio de todos os maiores troféus a nível doméstico, claramente o melhor palmarés a nível europeu nesta década.

Como bónus e para não me dizerem que não menciono os pontos fortes dos mandatos de Vieira aqui fica uma comparação do betão construído pelos três clubes:

Património construído
Benfica
Estádio da Luz: Construido por Manuel Vilarinho, com Mário Dias como responsável. Inaugurado em 25/10/03. Vieira foi eleito para a sua primeira presidência em 03/11/2003. Vieira não tem nenhum mérito na construção do estádio.
Centro de Estágio próprio,
Pavilhões para as modalidades amadoras.

Sporting
Construiu Estádio próprio aquando do Euro-2004,
Centro de Estágio próprio,

Porto
Construiu Estádio próprio,
Pavilhão para as modalidades amadoras,
Centro de estágio não é próprio mas tendo em conta o contrato de uso que têm é como se fosse.

A nível desportivo, o Sporting nesta última década fez melhor que o Benfica. Na Europa chegou a uma final e o Benfica não, ganhou bastantes mais Taças de Portugal e Supertaças mesmo várias vezes contra o Porto enquanto que o Benfica só ganhou uma Taça de Portugal e uma Supertaça.
Nem vale a pena mencionar o claro dominador do futebol português enquanto Vieira liderou o Benfica. O Porto nos últimos anos conquistou um esmagador número de 8 campeonatos, comparados com 2 do Benfica. Conquistou mais títulos internacionais que o Benfica Campeonatos e mais Taças de Portugal que o Benfica Taças da Liga. Com Vieira no Benfica, o Porto só ficou mais forte e ultrapassou o Benfica em número de títulos.


Quanto a betão qual a diferença do Benfica para Porto ou Sporting?
Todos construíram estádio, todos têm centros de estágio de alta qualidade (dos quais só o do Sporting garantiu de facto retorno financeiro em jogadores vendidos) e só o Sporting não tem pavilhão para as modalidades, algo que mudará em breve.

No balanço final da passagem de Luís Filipe Vieira á frente dos destinos do clube o que de tão bom e diferente foi alcançado? Um Benfica que no geral se afirmou como a 3ª maior potência desportiva a nível nacional quando devia ser a primeira?
Os falhanços desportivos são da responsabilidade de quem lá está á tantos anos. Tal como a obra de betão também é. Mérito seja dado a Manuel Vilarinho!!

Ou seja Vieira a nível desportivo alcançou menos que Porto e Sporting no futebol e não fez melhor que o Benfica da década de 90 apesar de estar á mais de dez anos no clube enquanto dirigente. A nível de modalidades o Porto também tem mais títulos apesar da recuperação efectuada pelo Benfica na última época.

E se no plano desportivo o Benfica não se destacou dos rivais e quanto ao património temos que agradecer a Vilarinho e Mário Dias (enquanto que o 6º e 4º lugar de 2000/2001 e 2001/2002 são da responsabilidade de Vieira como Director para o futebol) o que dizer do nível financeiro? A Benfica SAD tem um passivo hoje acima dos 400 milhões, em 2002 esse passivo estava nos 89 milhões! O Benfica Clube tem um passivo acima dos 100 milhões sem ter que gerir o futebol!!!!

De que serve (ou a quem serve...) a estabilidade directiva se não se verifica uma mudança nos resultados desportivos? O multiplicar de empresas serviços do clube/SAD quando nem se assegura os resultados desportivos não servem o benfiquista comum. Servem para dar tacho a muita gente.

Onde está o nosso Benfica? Onde está o Benfica mítico que idealizei porque mal tenho memória desses tempos gloriosos: o Benfica de 80 que vi jogar na Catedral aos ombros do meu pai que juntamente com as estórias que o meu pai contava dos anos 60 e 70 construíram em mim a imagem de um clube que era um colosso europeu e não esta anedota gozada por todos os adversários do futebol português.
O Benfica do Grande Eusébio, do Zé Gato que se atirava de cabeça a bolas onde os outros guarda-redes só iam com o pé, do Bento, do Humberto Coelho, do Chalana...
De equipas que jogavam juntas durante anos e anos e que defendiam o clube com galhardia. De uma altura em que estabilidade não era manter no poleiro um Presidente - estes passavam mas o clube ganhava - mas sim uma equipa, um balneário forte, blindado e que incutia nos novatos o espírito benfiquista.
Daqui a quarenta anos como vai ser este período analisado pelos benfiquistas? Que histórias e títulos nos irão de encher de orgulho e que contaremos aos nosso filhos/netos? Ou iremos ser o benfiquista de 2025?

Com um registo deste para defender percebem agora porque é que Luís Filipe Vieira recusa debater com Rui Rangel??

domingo, 29 de abril de 2012

Procura-se!!!

Avatar
 ●  + 47 comentários  ● 

Procura-se benfiquista que se queira candidatar à presidência do clube e que esteja interessado acima de tudo em devolver o Benfica ao seu lugar cimeiro e a alegria aos benfiquistas.

Que seja alguém honesto, humilde, mas defensor acérrimo do clube, dos seus atletas, dos seus adeptos e dos valores que tornaram este clube um dos maiores do mundo.

Que seja alguém que não pactue com com gente ligada directa ou indirectamente à corrupção que invadiu o futebol português.

Por favor, traga consigo um grupo de benfiquistas com este espírito para a sua direcção.

Será muito bem vindo.

Assobiem e finjam que não vejam.

Avatar
 ●  + 11 comentários  ● 


'Não vale a pena estar a desculpar-nos com as arbitragens' - JJ dixit.

Vale sim, caro JJ. Assim como vale a pena questionar as tuas opções nos momentos chave deste campeonato, como hoje.
Tu, juntamente com quem entregou o poder total sobre os árbitros a Fernando Gomes, são os principais responsáveis por mais este falhanço.

Não sei o que é ser do Benfica para alguns. 
Ser do Benfica, do meu ponto de vista, é lisura de processos, transparência, e VITÓRIAS!!
Não temos nada disso com este presidente e com este treinador.

E faço minhas as palavras do post anterior.

Hoje estão em festa os ladrões, os corruptos, os violadores e todo o lixo que aprecia vencer com roubos, com subornos e com chantagem.

O PORTO É MERDA!

 ●  + 1 comentário  ● 
Este é o post mais pobre que a Gloriosasfera já viu, mas simultâneamente um dos mais ricos em verdade.

Hoje os azuis sagraram-se campeões nacionais. A culpa é nossa. Culpa do Presidente, culpa do treinador, culpa da SAD, culpa dos jogadores. Culpa até do nosso roupeiro. 

Agora assumam as culpas e trabalhem para um futuro mais glorioso.

O PORTO É MERDA.

Rio Ave - Glorioso Sport Lisboa e Benfica

Avatar
 ●  + 14 comentários  ● 
O grande treinador que é o melhor do mundo e arredores e que ninguém vence nessa arte da táctica e das transições agora que tudo está quase perdido é que aposta no Capdevila e no Nolito.

TSF - Comentário de Bruno Prata
Antena 1 - Comentário de Manuel Queirós

Isenção na rádio garantida!!


E ao escrever este post, o Rio Ave marca...grande JJ! Os teus esquemas fantásticos continuam a resultar!

JJ é para continuar! Nunca ganhamos tanta coisa!!! Jesus! Jesus! Jesus! Jesus! Jesus!

O pior que nos pode fazer Sr. Presidente: Roubar-nos a ilusão

 ●  + 13 comentários  ● 

Quem foi lendo o que aqui fui escrevendo neste espaço durante o tempo em que fiz parte deste blogue, sabe que sempre fui rotulado de Pró-Vieira, sendo lá isso aquilo que fosse. Defendi-o de ataques que para mim eram injustos, e defendi-o principalmente porque entendi que muitas vezes defender o Presidente do nosso clube era também defender o Benfica.

Mas há limites. Não vou virar a agulha àquilo que sempre defendi, nem passar a ver defeitos onde antes via virtudes. Luís Felipe Vieira terá seguramente os seus méritos, terá mesmo realizado algumas coisas extraordinárias mas, cometeu também seguramente muitos pecados. Sempre acreditei que o tempo corrigiria as imperfeições, que dez anos de mandato transformariam certos erros de amadores em acertos profissionais mas, infelizmente, constato que não, que Luís Felipe Vieira é o que é, é o que sempre será, com todas as suas qualidades e os seus defeitos.

E quando falo em defeitos, estes levam-me imediatamente para o defeito principal, aquele que sempre critiquei, que critiquei sem precisar de ser nenhum génio para o descortinar, porque está à vista de todos: A Política de Comunicação do Benfica que sempre foi com Luís Felipe Vieira, é e continuará a ser absolutamente miserável.

E esta longa introdução leva-me então àquele que foi para mim o momento mais negativo da época, o momento que marca inquestionavelmente o fracasso de mais esta temporada e que leva a mais um fim de época absolutamente amargo para as nossas cores. O dia 9 de Fevereiro de 2012, onde, sem razão que justificasse, o Presidente Luís Felipe Vieira decide dar uma entrevista televisiva, à procura de um certo reconhecimento público, à procura de cultivar a vaidade que os 5 pontos de vantagem permitiam. Pois bem, essa entrevista foi o princípio do fim.

E já não quero falar da penúltima entrevista televisiva do presidente, onde entrou em concorrência directa com Pinto da Costa num canal rival, tendo levado naturalmente um verdadeiro capote. Que falta de bom senso, que falta de tacto para estas coisas! A verdade é que sempre que Luís Felipe Vieira fala, todos nós nos benzemos, porque normalmente sai borrada.

Na altura todos nos questionámos da razão daquela entrevista. O que a minha sensibilidade me diz daquilo que deve ser a intervenção pública de um presidente de um clube como o Benfica, é que, das duas uma: ou fala no final da época para celebrar um sucesso consumado e que já ninguém nos tira, ou então fala num momento conturbado da época, para dar dois murros na mesa e galvanizar as hostes, tal como António Salvador ontem fez quando apareceu para dizer que o Braga se vai qualificar para a Liga dos Campeões, apesar do momento actual.

Mas não Luís Felipe Vieira. Luís Felipe vieira apareceu num momento positivo da época mas em que nada estava ainda ganho, com um discurso que de tão humilde até soou a falso, reconhecendo erros antigos, a elogiar o caminho presente, as decisões tomadas, a assumir os erros do passado para passar a ideia de que teria aprendido algo com eles, só que... não aprendeu, essa é que é a verdade.

Aquele foi um Luís Felipe Vieira já convencido que o sucesso não lhe fugiria, foi um Luís Felipe Vieira mais uma vez a querer celebrar as coisas antes do tempo, foi um Luís Felipe Vieira que no fundo o que quis foi preparar os sócios para um acordo com a Olivedesportos que se anunciava para o final do mês, acordo esse que nunca se anunciou porque a partir daí os resultados do clube foram sempre a descer.

E agora o mais grave: Tal era o convencimento de que o sucesso já não nos fugiria, que o Presidente cometeu ainda o gravíssimo erro de anunciar nessa entrevista que só voltaria a falar dos árbitros quando a arbitragem fosse profissional. E pronto: O descalabro começou aí, porque a partir daí a roubalheira foi de tal ordem e os benefícios ao nosso maior rival tão descarados, que nós (e quando digo nós digo o Benfica) limitámo-nos a comer e calar, reféns das palavras do Presidente.

Ainda deu o Presidente um arzito tímido da sua graça quando criticou o segundo grande momento da época, o terceiro golo dos Corruptos na Luz num escandaloso fora de jogo que arrumou com o campeonato de vez mas foi tudo, de Luís Felipe Vieira nada mais se ouviu, foi comer e calar até ao fim.

E agora pergunto: quanto tempo teremos nós de esperar por uma arbitragem profissional? Quantos anos teremos nós de esperar até termos esse facto como consumado para podermos finalmente ser defendidos pelo nosso presidente? Iremos esperar quantos anos até que o nosso Presidente nos defenda e diga em voz alta aquilo que vai dentro de qualquer Benfiquista? Vamos ter de esperar pela... Arbitragem Profissional?!?! Para sermos defendidos?!

Não Senhor Presidente. Para mim o seu reinado acabou aí, nessa triste intervenção, insultuosa até para qualquer um de nós que todos os fins de semana nos deparamos com a deturpação da verdade desportiva.

O Benfica precisa de alguém com uma energia nova, precisa de alguém que fale alto, que berre, que grite, que divulgue, que faça peixeirada se for preciso, precisa de alguém sem medo de pegar o toiro pelos cornos. Se tivermos de perder e ser roubados, pois que tenhamos um Presidente com tomates para dizer ao mundo a forma como perdemos. Precisamos de alguém não conivente nem em paz com o estado actual das coisas, porque, desculpe Senhor Presidente se estou errado, mas é essa a ideia que dá.

Da minha parte repito aquilo que disse no final da época passada: Obrigado por tudo o que de bom fez Senhor Presidente. Bem sei que o futebol é paixão e que nunca deixará de ser um jogo. Que todas as tristezas da vida fossem estas. Estas atingem-nos mas passam, não são definitivas, apagam-se com a vitória seguinte. Em breve vibraremos com novas aquisições, com um novo entusiasmo, com um sem número de novas possibilidades que se adivinham.

Mas eu queria que LFV não esquecesse, e que percebesse que a certa altura são já demasiadas rasuras, demasiadas emendas e demasiados erros. E quando a borrada é muita, tem o condão de levar com ela a nossa fé e a ilusão.

E isso é o pior que nos pode fazer Sr. Presidente: Roubar-nos a ilusão.

escrito por RedMoon

sábado, 28 de abril de 2012

Parabéns LFV!! O clube dos teus amigos vai ser campeão!

Avatar
 ●  + 20 comentários  ● 



No futebol não existem vacas sagradas

 ●  + 25 comentários  ● 
O mundo do futebol ficou em choque com a notícia de que Guardiola decidiu sair do Barcelona no final desta época. Apesar de ter ganho 13 dos últimos 16 títulos disputados pelo Barcelona sob a sua orientação.

Como o Geração Benfica tão eloquentemente explicou o Barcelona agiu rápido para suprir a saída de Guardiola, apostando na prata da casa e evitando especulações o mais rápido possível.

Eu vou pegar neste tema por um prisma diferente: o treinador do clube de maior sucesso no mundo nos últimos três anos, ao não conseguir atingir o sucesso desportivo esperado esta época com a melhor equipa do Mundo e numa altura em que o melhor jogador do Mundo está a fazer a sua época mais produtiva, decidiu abandonar o Barcelona para permitir uma renovação e sangue novo para reinjectar ambição no clube.

Guardiola sempre foi do Barcelona, é um símbolo daquele clube - ganhou inúmeros títulos enquanto jogador e treinador pelos culés. No entanto, nunca adoptou o discurso de figura insubstituível. Isto porque tendo crescido enquanto Homem naquele clube ele sabe que por mais títulos que alcançasse a grandeza do Barcelona nunca se iria resumir á sua figura.

Agora vamos estabelecer um paralelo da atitude de Guardiola com a atitude de certas figuras no Benfica - Jesus e Vieira. Tanto um como outro mostram-se incapazes de assumir os seus erros em praça pública, quando as coisas correm mal ambos "desaparecem" e quando as coisas correm de feição são só basófia.
Ambos adoptaram uma estratégia de comunicação de que sem eles o Benfica está condenado ao abismo, sem eles o Benfica não é nada. Essa estratégia é evidente pela permanente defesa destas duas personalidades em praça pública em detrimento do clube - algo que só torna evidente que ambos se querem eternizar no clube.

Ora o Benfica é um dos maiores clubes do Mundo! Somos assim tão diferentes do Barcelona em termos de grandeza? Estará a existência de um clube tão grande como o Glorioso tão dependente da  permanência destas duas figuras na gestão do clube?
Na minha opinião, NÃO! O Benfica atingiu a sua grandeza sem estas duas personalidades, e depois de elas passarem o Benfica continuará a ser grande. No entanto, líderes fracos fazem fraca a forte gente, e se esses líderes fracos se eternizam então mais fraca ficará a sua gente. 

No futebol, como Guardiola demonstrou e para pânico de Jesus e Vieira, não existem vacas sagradas e se se falha em colocar um clube da dimensão do Barcelona ou do Benfica no lugar que merece então haver humildade e respeito pela História do clube e abrir espaço para o renascer da ambição e da esperança. Abram os olhos forte gente!

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Porque não ganha o Benfica V

 ●  + 14 comentários  ● 
Na continuação dos trabalhos anteriores, antes de prosseguir com a caracterização dos membros do Conselho Consultivo da FCP/FSAD, recupero parcialmente das introduções:

Agradeço desde já a colaboração de todos os que puderem completar ou corrigir os elementos contidos nesta crónica, pois admito que alguma informação, publicada, que recolhi poderá estar já desactualizada. Nesse caso, além de agradecer, peço que me desculpem.

Deixo claro que não sou um opositor da regionalização, pelo contrário, sou um feroz opositor do centralismo asfixiante e prepotente venha de onde vier. E aqui é que está o gato! É minha convicção de que, a maioria dos regionalistas, nada mais pretendem do que, deslocar o centralismo para as suas esferas de influência onde poderão exercer o poder a seu belo prazer.

Conselho Consultivo da FCP Futebol SAD.
António Lobo Xavier:

Trata-se de uma figura pública, de grande competência Técnica na área jurídico-Fiscal, referência política do CDS, opinion-maker, com atividade diversificada na área empresarial, destacando-se a sua ligação ao universo Sonae, Fundação Belmiro de Azevedo, Associação Comercial do Porto, Cerâmica Valadares e Fundação de Serralves. Confirma o padrão já referido alargado a duas “novas” entidades: a Cerâmica Valadares; patrocinadora histórica do FCP e a Fundação de Serralves; entidade de grande relevância cultural sedeada no Porto.

Biografia (fonte: Wikipédia)

Licenciou-se em Direito, em 1982, e obteve o mestrado em Ciências Jurídico-Económicas, em 1988. Assistente da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra entre 1983 e 1994. Desde então dedica-se à advocacia, tendo integrado as firmas Osório de Castro, Verde Pinho, Vieira Peres, Lobo Xavier & Associados, entre 1989 e 2005, e a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados, desde 2006. Tem o título de advogado especialista em Direito Fiscal, pela Ordem dos Advogados, desde 2004. Foi membro do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais, entre 1986 e 1991, e colaborador da Reforma Fiscal de 1988.

Na área empresarial, é gestor de topo na Sonaecom e vogal (não executivo) do Conselho de Administração da Mota-Engil. Anteriormente foi membro do Conselho de Administração do Futebol Clube do Porto e da Cerâmica de Valadares. Faz parte dos órgãos de várias instituições, sendo vogal da Direcção da Associação Comercial do Porto e dos Conselhos de Administração da Fundação de Serralves e da Fundação Belmiro de Azevedo.

Militante da Juventude Centrista e do Centro Democrático Social, foi deputado à Assembleia da República, de 1983 a 1996, candidato à liderança do CDS, em 1992, presidente do seu Grupo Parlamentar, entre 1992 e 1994. Preside à Assembleia Municipal de Penafiel, desde 2005. É comentador político na Quadratura do Círculo, na SIC Notícias, desde 2004.

(Fonte: Apritel)

É também membro do Conselho de Administração ou de outros órgãos sociais de diversas instituições públicas e privadas, entre as quais, SGC, SGPS, S.A, Fundação de Serralves, Valadares, Fundação Belmiro de Azevedo e ACEGE - Associação de Gestores e Empresários Católicos.

Artur Santos Silva

Digo já que tenho um respeito enorme por Artur Santos Silva. Não encontrei esta referência, mas sei que os seus ascendentes tiveram grande relevância na implantação da República! Apesar disso, tenho dele duas grandes mágoas; não ter posto termo ao modelo de atuação dos dirigentes do seu clube contribuindo assim para a lealdade desportiva e a coesão social dos Portugueses e eventualmente, ter proposto o agraciamento de Vitor Baia em vésperas de um dos julgamentos do Sr. Pinto da Costa, onde aquele se apresentou como testemunha abonatória do réu, que foi ilibado! Não está em causa Vitor Baia; grande profissional merecedor de tal distinção…mas, o momento…o momento, foi desastroso! Já que falei de Vitor Baía, vou fazer uma confidência; tinha por ele um tal respeito que cheguei a pensar convictamente que se demarcaria dos métodos alegadamente espúrios dos seus dirigentes!
O currículo de ASS, fala por si; É uma figura de dimensão Nacional.

(Fonte: Wikipédia)

Artur Eduardo Brochado dos Santos Silva, é um jurista e administrador de empresas português.
Licenciado em Direito, pela Universidade de Coimbra (1963), iniciou a sua carreira profissional como assistente de Finanças Públicas e Economia Política, na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (1963-1967). Deixou o ensino para ocupar o cargo de director-geral do Banco Português do Atlântico (1968-1975), após o que é chamado a integrar o VI Governo Provisório, como secretário de Estado do Tesouro (1975-1976). Depois dessa experiência é nomeado vice-governador do Banco de Portugal (1977-1978) e volta a leccionar, como regente das disciplinas de Moeda e Crédito, no Centro Regional do Porto da Universidade Católica Portuguesa (1979-1985), e de Economia Financeira, novamente em Coimbra (1980-1982).

Envolvido na fundação do Banco Português de Investimento (então Sociedade Portuguesa de Investimentos), foi presidente da respectiva Comissão Executiva (1981-1988) e do Conselho de Administração (1988-2004). Foi vogal do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian e da Partex Oil & Gas Holdings Corporation, empresa propriedade daquela instituição, e integra também o Conselho de Administração da Jerónimo Martins. É presidente do Conselho Geral da Universidade de Coimbra e da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República.[1]

Em 22 de dezembro de 2011 foi eleito presidente da Fundação Calouste Gulbenkian e assumirá as funções a 2 de maio de 2012, data em que termina o mandato de Emílio Rui Vilar.

(Fonte: Infopédia)

Gestor bancário nascido a 22 de maio de 1941, no Porto. Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, em 1963, frequentou em 1985 o Stanford Executive Program da Universidade de Stanford (EUA). Desempenhou funções de diretor do Banco Português do Atlântico (1968-1975), secretário de Estado do Tesouro (1975-1976), vice-governador do Banco de Portugal (1977-1978) e presidente da Sociedade Portuguesa de Investimentos (1981-1985). Ocupou lugares destacados na banca portuguesa, como sejam o cargo de presidente do Conselho de Administração dos bancos Borges & Irmão e Fomento e Exterior (desde outubro de 1996) e Fonsecas & Burnay (desde 1991). Em 2000 exerceu por pouco tempo o cargo de presidente do Conselho de Administração do BES.BP. Foi eleito presidente do Conselho Administrativo do "Porto - Capital Europeia da Cultura 2001", tendo sido substituído posteriormente por Teresa Lago.

Elisa Ferreira

Também uma ilustre figura pública. Peso pesado do Partido Socialista, com um currículo académico relevantíssimo na área económica, grande experiência governativa e parlamentar, militante convicta e candidata pelo PS à Câmara Municipal do Porto, nas últimas eleições. Alegadamente, amplia e aprofunda sobremaneira a influência do Grupo FCP, na política nacional, na Administração Regional, Academia Universitária do Porto a que junta a sua competência profissional em economia!

(Fonte: Wikipédia)

Licenciada em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto (1977); Mestrado em Economia pela Universidade de Reading, do Reino Unido (1981); Doutoramento em Economia, pela Universidade de Reading, do Reino Unido (1985);

Actividade Profissional:

Professora Auxiliar da Faculdade de Economia da Universidade do Porto; Vice-Presidente da Associação Industrial Portuense (AIP), entre 1992 e 1994; Vice-Presidente da Comissão de Coordenação da Região Norte, entre 1989 e 1992; Presidente da Comissão Executiva da Operação Integrada de Desenvolvimento (OID) do Vale do Ave (entre 1990 e 1992); Coordenadora da equipa técnica autora dos Estudos Preparatórios da OID do Vale do Ave; Subdirectora do Programa de Investigação sobre Gestão de Recursos Hídricos financiado pela NATO; Subdirectora do Projecto de Gestão Integrada dos Recursos Hídricos do Norte (entre 1986 e 1987); Representante do Ministério do Plano e Administração do Território na Comissão de Gestão Integrada da Bacia Hidrográfica do Ave - CGIBHA, entre 1985 e 1989; Colaboradora não permanente da Universidade Católica, no Porto e em Lisboa (desde 1986); Vogal do Conselho de Administração do Instituto Nacional de Estatística (de 1989 a 1992);

Actividade política:

Ministra do Ambiente do XIII Governo Constitucional (de 1995 a 1999); Ministra do Planeamento do XIV Governo Constitucional(de 1999 a 2002); Deputada pelo Partido Socialista à Assembleia da República (de 2002 a 2004); Deputado no Parlamento Europeu pelo Partido Socialista entre 2004 e 2009; Candidata pelo Partido socialista à presidência da Câmara Municipal do Porto (2009);

Subdirectora do projecto de gestão dos recursos hídricos do Norte (1986-1987). Coordenadora dos Estudos Preparatórios da Operação Integrada de Desenvolvimento do Vale do Ave (1989). Presidente da Comissão Executiva da Operação Integrada de Desenvolvimento do Vale do Ave (1990-1992). Vice-presidente da Comissão de Coordenação da Região Norte (1989-1992). Vice-presidente executiva da Associação Empresarial de Portugal (1992-1994).

Vogal do Conselho de Administração do Instituto Nacional de Estatística (1989-1992). Autora de diversos artigos e trabalhos publicados em Portugal e no estrangeiro .

(Fonte: Parlamento Europeu)

NO PARLAMENTO EUROPEU, NA LEGISLATURA 2004-2009:

Foi membro efectivo da Comissão dos Assuntos Económicos e da Delegação ACP-EU; Foi membro suplente da Comissão de Comércio Internacional e da Delegação do Sudeste Asiático.

NA ACTUAL LEGISLATURA:

É membro efectivo da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários, da Comissão Especial para a Crise Financeira, Económica e Social e da Delegação à Assembleia Parlamentar Paritária ACP-EU; É membro suplente da Comissão dos Transportes e do Turismo, Delegação para as Relações com a Índia e da Delegação à Assembleia Parlamentar Euro-Mediterrânica.



E por hoje fico por aqui, com a convicção de que este trabalho reforça a tese que defendo e defini no início desta série de crónicas. Espero que ajude os Benfiquistas a perceber melhor o que é o Futebol Clube do Porto e que ajude os Portistas a perceber qual é o clube do Regime.

Política fora do futebol!

Viva Portugal Livre!

Para benfiquistas comentarem.

Avatar
 ●  + 23 comentários  ● 
De uma vez por todas é preciso que todos concordem em quais são as prioridades.

Em quê? Em fazer um Benfica forte e VENCEDOR.

Leio muitos comentários apoiando que se tem que começar essa luta dentro do Benfica, outros afirmando que todos os problemas residem no sistema e que temos é que combater essa corja com o que temos, pois estamos a trabalhar bem.

Quem acompanha o NGB sabe que mesmo nos escribas deste blog a coisa não é unânime.

Pois é altura de todos contribuírem para esta discussão.
Da parte deste simples sócio, não tenho dúvidas que é dentro do Benfica que se começa a construir um Benfica forte, focado, incisivo, profissional e vencedor.

O que acham da performance do Benfica nestes itens:

- Área financeira

- Departamento de Futebol

- Resultados desportivos (incluindo modalidades)

- Marketing e Imagem da Marca

- Comunicação do clube

- Departamento e Comunicação com Sócios

- Complexo da Luz e sua rentabilização

- Benfica TV

São alguns pontos que penso serem importantes para a vitalidade do clube.
Peço comentem de forma resumida, mas sem cortarem no essencial da vossa opinião.

Para quem quer ter uma ideia clara do que é um clube com gestão profissional, e com gente do clube ao leme, consulte este link e explore a parte 'Company' e 'Club'.


Equipa de campeões

 ●  + 11 comentários  ● 

Portugal, 26 de Abril de 2012

A 2ª mão das meias-finais da Champions para além das conclusões que permitiram tirar acerca da valia das equipas e seus modelos de jogo, em particular no contrariar da lógica que apontava para uma final entre o Barcelona e o Real Madrid, mostrou – a quem esteve atento – que há diferenças muito significativas entre a arbitragem que se faz lá fora e a que se faz cá dentro. E se ainda há adeptos que não sabem como foi possível o Benfica fazer um conjunto de duas boas exibições contra o Chelsea, tem de tentar perceber melhor a influência das decisões dos árbitros no normal desenrolar dos jogos.

Em particular há 4 lances que devem ser guardados na memória, para poderem ser invocados a favor do Benfica nas competições nacionais. São eles: 1) o lance que originou a expulsão de Terry em Barcelona, provocado por um pequeno e intencional toque por trás do adversário, sem bola, 2) o desarme ilegal de Drogba, que rasteirou sem virilidade e originou o penalty falhado por Messi, 3) a intercepção com o braço de um remate a 4/5 metros de Ronaldo que originou o penalty do 1º golo do Real e 4) o desarme ilegal de Pepe, provocando o desequilíbrio do adversário, que originou o penalty e golo do Bayern de Munique. Todas estas decisões dos árbitros tiveram importâncias distintas no resultado final desses jogos, sendo a mais evidente a que origina o golo do Bayern decisivo para igualar a eliminatória e levar o jogo à lotaria dos penaltys.

Este tema vem a propósito do que assistimos durante praticamente toda esta temporada, em relação ao nosso Benfica, com uma ou duas excepções, por parte da arbitragem portuguesa comandada pelo homem de mão do FCP e sócio do SCP, Vítor Pereira.

Compare-se a 1ª destas 4 decisões da Champions com a tackle com virilidade excessiva sobre Witsel (Nacional, 1ª volta), agressão a Saviola na grande área (Luz, Académica), emparedamento de Bruno César na grande área (Paços de Ferreira, 2ª volta), pontapé nas pernas de Aimar na grande área (Académica, 2ª volta), pontapé em Rodrigo (Guimarães, 2ª volta), pontapé de Toy sobre Javi (Olhão, 2ª volta), tackle deslizante “leva tudo à frente” de Ínsua sobre Bruno César (SCP, 2ª volta), etc., onde os árbitros se “esqueceram” de mostrar o cartão amarelo, quando o adversário já tinha um, se esqueceram de mostrar cartão vermelho e/ou assinalar grande penalidade, se esqueceram de mostrar cartão amarelo sendo o primeiro ou até conseguiram marcar falta atacante contra o Benfica, no caso de Aimar. Venham de lá os árbitros estrangeiros...

Compare-se a 2ª e 4ª destas 4 decisões, com o carrinho “leva tudo à frente” do Polga sobre Gaitan (SCP, 2ª volta), desarme - pontapé sobe Gaitan (Taça da Liga), etc., onde se esqueceram de assinalar o penalty e num caso, pelo contrário, consideraram simulação e puniram com cartão amarelo o nosso jogador. Venham de lá os árbitros estrangeiros...

Compare-se a 3ª destas 4 decisões com o remate de Bruno César interceptado pelo braço do Cedric em Coimbra, o remate de Gaitan interceptado pelo braço de Alex (Guimarães na Luz), etc., onde com 0-0 não foram assinalados os respectivos penaltys e sancionados os jogadores faltosos com cartão amarelo. Venham de lá os árbitros estrangeiros...

Fica evidente que há formas bastante diferentes de analisar os lances por parte dos árbitros, nas competições europeias e cá em Portugal, sendo notório que cá obedecem a um padrão bem definido que se resume a prejudicar o Benfica e ajudar o FCP, pois os mesmos tipos de lances são decididos de forma diferente para cada um dos dois clubes.

O papel do Sr.º Vítor Pereira é alimentar este padrão. Quem o interpretar bem, na jornada seguinte tem jogo e 1100 euros, quem o interpretar mal, não tem e ganha zero. Os que se distinguirem pela excepcionalidade do objectivo alcançado poderão, como Soares Dias, ser nomeados para um jogo da Liga do Qatar em 22 de Abril último (quanto não terá ganho?), ou ser seleccionados para o Europeu de Futebol sub 21, nomeações que a comunicação social “estranhamente” não deu destaque. Ou não fosse esta uma prova de como os “media” promovem a trampice que existe no futebol português...

Com todos estes obstáculos programados para nos prejudicarem, é fantástico ver o Benfica a lutar (com dificuldade) pelo título a 3 jornadas do final. Só uma equipa de campeões conseguiria resistir tanto como a nossa ...

Ironia das ironias...

 ●  + 40 comentários  ● 
Ontem á noite ao ver a meia-final da Liga dos Campeões não pude deixar de reparar que o treinador do Real era Mourinho (já tinha reparado nisso antes...) e do Bayern era Jupp Heynckes.

O que têm ambos em comum? Passaram pelo Benfica "naquele" momento do clube. Curiosamente, e se Jupp Heynckes ganhar arriscam-se a pertencer ao restrito número de treinadores a terem conquistado duas CL's por dois clubes diferentes.

Enquanto isso nós lá nos vamos contentando sendo tetra-vencedores da Taça da Liga e a não ter uma final europeia nos últimos 20 anos. Ou termos três clubes portugueses que fizeram melhor que o Benfica a nível europeu nos últimos 10 anos.
Ao menos vendemos  os nosso jogadores por bom preço e somos parceiros de negócios respeitáveis. Que orgulho...

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Liderança fraca. E uma oposição credível?

 ●  + 25 comentários  ● 
No seguimento do meu último tópico hoje escrevo sobre a influência de Luìs Filipe Vieira nos media e sobre o que considero que seria uma lista de oposição credível.

Se existe algo que Luís Filipe Vieira faz com mestria é gerir a agenda mediática de modo a proteger-se (diferente de proteger o Benfica).
Quando o Benfica passa por maus momentos, Luís Filipe Vieira não aparece nos meios de Comunicação Social nem presta declarações significativas. Desse modo a sua cara não fica associada ao fracasso mesmo que a sua Direcção seja a responsável directa pelos insucessos do Benfica.  De igual modo, quando as coisas começam a correr mal começam a circular as notícias a pôr em causa o trabalho de treinador e jogadores de modo a criar a impressão nos benfiquistas menos atentos que a culpa se deve a defeitos destes (em parte sim, mas numa Direcção com uma estrutura construída para fazer o Benfica ter sucesso a nível desportivo esses defeitos são mitigados – um exemplo simples é como o Porto do Vítor Pereira se vai sagrar campeão ou como um Sporting com um Sá Pinto extremamente limitado como treinador está a obter sucesso ou um clube de pequena dimensão como o Braga tem tido tanto sucesso a nível desportivo com treinadores que falharam no Benfica).

Além disso, devido á amizade que tem com Joaquim Oliveira e á influência deste sobre os media em Portugal não existem meios de comunicação social que ponham em causa a gestão do Benfica por parte de Luís Filipe Vieira. É um facto que com LFV no clube as notícias que arrastam o nome do clube pela lama são muito menores do que eram com Vale e Azevedo.
No entanto, quem é que tem imensa influência sobre as notícias divulgadas em Portugal? Joaquim Oliveira. E acho que já todos repararam que Agência Lusa, RTP e TVI são antros de andrades. Pura e simplesmente LFV tem imprensa amiga porque é “amigo” e serve os interesses de quem domina o panorama da Comunicação Social em Portugal.
Muitas das notícias e assassinato de carácter de VeA deviam-se á guerra deste com quem dominava e domina o panorama da Comunicação Social em Portugal. O nome do Benfica será arrastado na praça pública apenas e só quando forem postos em causa os interesses instalados.

Muito facilmente se explica o tempo de antena dado ultimamente a figuras como Joe Berardo e Gomes da Silva  que defendem que a continuação de Vieira á frente do clube é importante enquanto que apoucam o elo mais fraco que é sempre o treinador e jogadores. Isto sem nunca explicar o porquê de tal após doismandatos seguidos de falhanço desportivo. No entanto, esta defesa constante de LFV por parte de outros levanta uma questão inquietante: porque é que LFV precisa de ser defendido na praça pública? Porque nos últimos seis anos falhou rotundamente em transformar o Benfica num clube de sucesso. Se o Benfica tivesse tido sucesso, Vieira não precisaria de defesa.

Num panorama destes como pode surgir um movimento alternativo a Luís Filipe Vieira? Tem que obedecer a vários parâmetros que esvaziem a já estafada retórica vieirista ao mesmo tempo que ofereçam garantias de diálogo com quem neste momento é “dono” do Benfica – o BES.

1 – Tem que apresentar como cabeça de lista uma personalidade conhecida dos benfiquistas e da sociedade portuguesa pelo benfiquismo puro e pela seriedade – alguém impossível de ser apelidado de aventureiro. Tem que ser alguém que já não tenha nada a ganhar em ser Presidente do Benfica por já ter uma posição estabelecida na sociedade, alguém com um forte perfil de diálogo e reputação junto do sector financeiro e que não tenha fortes inimigos de estimação;

2 – Apontar imediatamente que com a revisão dos estatutos feitos após as últimas eleições, o Benfica está hoje impermeável a aventureiros (como o Vale e Azevedo Júnior lembrou hoje);

3 - Ao mesmo tempo uma lista com esperança de ganhar terá que ter alguém com influência dentro dos meios de comunicação social de modo a prevenir assassinatos de carácter e para tentar garantir uma cobertura mediática justa.

4 – Não pode acima de tudo atacar o carácter de quem compõe actualmente a Direcção do Benfica repetindo os erros de anos anteriores ou mesmo momentos mais recentes. Os ataques a Vieira terão que ser civis e focarem-se no ponto essencial: a incapacidade de Vieira em obter resultados desportivos dignos da grandeza do clube. Se for necessário até se reconheça o trabalho na credibilização do clube a nível financeiro. Mas virem a agenda mediática para o enorme falhanço a nível de títulos desportivos sob a égide de LFV. É o ponto mais óbvio e o que mais interessa aos benfiquistas.

Para além disso, para conquistar os sócios, uma lista alternativa tem que apresentar um projecto sólido e credível e acima de tudo nomes que garantam que a execução desse projecto é possível. Deverá ser composta por uma mescla de personalidades: benfiquistas com espírito de missão e também por pessoas que conheçam por dentro os podres do futebol português e consigam prevenir ataques ao Benfica vindos de restaurantes e bares de alterne. Neste momento, não existem benfiquistas com tal capacidade devido ao afastamento do Benfica das esferas de influência no futebol português nos últimos vinte anos.

Óbviamente que também tem que apresentar um projecto desportivo interessante: com um nome forte para treinador (estrangeiro ou português),  e uma ou duas contratações sonantes.
Finalmente, terá que garantir o apoio de algumas antigas glórias do clube.

É difícil? Talvez. Mas uma lista competente e bem montada e espírito de missão pelo Benfica tornam possível oferecer uma alternativa com hipóteses de vitória.

Quais os nomes que gostariam de ver a lutar por um Benfica melhor?

terça-feira, 24 de abril de 2012

A muleta falaciosa

 ●  + 46 comentários  ● 
Na sequência da minha crónica anterior "Porque não ganha o Benfica IV", o colega Manuel fez um comentário que aqui reproduzo, por, revelar um campo de análise do futebol mais abrangente que tem sido sistematicamente ignorado, mas que é vital para um correto enquadramento e decifração dos "motores" do espúrio ascendente da supremacia desportiva Portista nesta República da Treta.

Ao futebol o que é do futebol e à política o que é da política! Afastem-se em definitivo os "trafulhas" que minam "todos os dias" os alicerces da Democracia e denunciem-se os cobardes, os hipócritas e os lambe-botas que entronizam os "fascistas" do futebol luso.

Quanto aos Benfiquistas, não tenham ilusões; nenhum Presidente por si só, fará o trabalho que compete a todos!

Eis o Comentário do Manuel com o qual estou de acordo, em geral (descontando uns excessos de linguagem):

Caro António, só conhecemos uma infinitésima parte.

Quando o António fala de regionalização do Porto "pela porta do cavalo" é capaz de ter acertado em cheio! Só espero que os portugueses não estejam a dormir.

Sei de pessoas (com nomes) que lideraram a campanha que levou Passos Coelho ao poder e que funcionam com outras pessoas como "grupos de pressão", vulgo "lobbying", a favor de interesses da cidade do Porto! Para mim, "grupos de pressão" mais não é do um pleonasmo para "tráfico de influências". O que é o mesmo que dizer: CORRUPÇÃO!!


Já repararam nas simpatias clubísticas de muitos dos membros do governo? À semelhança da CS, colocam pessoas da mesma seita. 

Eles gostam de falar do Porto como sinónimo do norte, mas isso não passa de demagogia barata, para enganar os papalvos e os pacóvios que são enganados há mais de cem anos. Eles defendem apenas os seus interesses pessoais, não apenas económicos, mas também de vaidade e de poder. 

O que eles querem é o pobo do norte calmo para os poder continuar a explorar como têm feito até aqui. É no norte que está o maior atraso em quase tudo, a maior corrupção, compadrio, tráfico de influências, ordenados mais baixos, a maior dose de ignorância no que toca a quase tudo. E não me venham dizer que a culpa é do centralismo pois isso acontece desde os tempos do fascismo. Quem os mantém nesse estado é quem os explora. E eu não sou de esquerda! Sou simpatizante da direita! Mas não sou estúpido!

A ideia de que "no Porto trabalha-se, em Coimbra estuda-se e em Lisboa divertem-se" vem do tempo do fascismo. Era uma maneira de confortar os desgraçados que, ignaros e iletrados, amouxavam a trabalhar de sol a sol por tuta e meia. Para os confortar lançavam-lhes esses "clichés". E os imbecis ainda agora repetem a ladainha como se fosse verdade. Papalvos!


Eu sei do que falo pois nasci e fui educado no norte. Por sorte saí cedo. E abri os olhos! 

As palavras do Eanes, outro imbecil que, à semelhança de outros, como o Noronha do Supremo, ainda vive dentro da redoma de vidro do século XIX, prova o que digo. São tão reaccionários que só de lá saem com os pés para a frente. Oxalá não demore.

O que ele diz, que o Porto melhorou a auto-estima das gentes do norte é mentira. Ou melhor, melhorou a auto-estima mas foi das pessoas do PORTO! Não do norte! Mas acima de tudo, melhorou a auto estima desses gestores e caciques que, com ressentimentos e complexos tremendos de inferioridade, aproveitando-se da revolução dos cravos, viram a sua oportunidade para conseguir o que gostam: relevância social e satisfação dos seus egos pessoais de visibilidade e poder. Assim como económica, claro! Sabe-se lá com que meios!


Agora o que não se pode fazer é, para melhorar a auto estima de uma cidade, utilizarem-se meios totalmente ilegais, corruptos, prostituição e tráfico de carne humana, para conseguir os seus fins. Não se pode melhorar a auto estima de uma parte da população DIMINUINDO A AUTO ESTIMA DA OUTRA PARTE. É como uma manta curta. Se a puxamos para nós, descobrimos o parceiro do lado.

Melhorou a auto estima com investimentos ilegais, com corrupção de políticos e de outros agentes, com a corrupção de juízes, da polícia, de gestores públicos, etc. Com meios ilícitos. 

Mantidas as respectivas diferenças, foi exactamente o que aconteceu aos alemães. Para aumentarem a sua baixa auto estima começaram uma guerra, assassinaram milhões de judeus inocentes até caírem em si e perceberem o que tinham feito. E só passado duas gerações conseguiram recuperar a sua verdadeira auto estima, racionalizar e esquecer a ignomínia que lhes causou todo essa vergonha da sua história. 

É o que vai acontecer aos andrades. Irão ser conhecidos para todo o sempre como OS CORRUPTOS. Os putanheiros, os mafiosos, os que filmam juízes e árbitros com putas para os chantagear. Tudo em nome da... REGIONALIZAÇÂO. A ambição final dos caciques e dos capos do Porto. Mas não do verdadeiro norte.

Insultar o Benfica já não chateia?

Avatar
 ●  + 33 comentários  ● 
Os ataques aos benfiquistas que escolheram 'cantar' um ou dois versos para expressarem a sua insatisfação têm sido muitos. Os seus motivos podem não ter sido os mais óbvios, mas mesmo muitos que não cantaram confessam que lhes apetecia tê-lo feito.

De facto, a escolha de palavras de quem 'cantou' podia ter sido outra.
Uma versão com humor tipo 'Vieira, amigão, pede a demissão!'
Ou mais séria como 'Vieira, atenção, pede a demissão!'. 
Seria mais respeitoso e ao mesmo tempo a mensagem passava e mais gente tinha acompanhado o coro.

Mas sejamos honestos: são os adeptos que pagam quotas e cativos os vilões desta história?
Quem tem insultado mais quem? 

Apoiar portistas que exerceram cargos em pleno Apito Dourado é o quê?
Amordaçar a democracia no Benfica com aquela revisão de estatutos é o quê?
Estar um dia a discursar e a apelar à unidade e no outro a jantar com o Oliveirinha é o quê?
Colocar na estrutura do clube gente proveniente do FCP e do Braga é o quê?
Calar perante os roubos de que a nossa equipa de futebol é alvo é o quê?
Calar perante a perseguição que vozes do Benfica são sujeitas na comunicação social é o quê?
Calar perante a tristeza que os atletas sentem por perceberem que não basta jogarem bem para vencer é o quê?
Calar perante mais um peão portista que foi instalado num clube da Primeira Liga(Aloísio) é o quê?
Fazer da Benfica TV um orgão oficial da visão do presidente é o quê?

Tudo isso é insultar o Benfica, a sua história e os milhões de adeptos que ao redor do mundo vivem e sofrem pelo Benfica.
Por isso, desculpem lá se não alinho no coro de condenações aos cânticos do estádio. 
Não defendo insultos, mas acho que o Benfica tem muito mais que discutir e se preocupar que com isto.

A jornada deste fim de semana deu mais um penalty 'saca-rolhas' para ajudar a desbloquear a corrupção.
O que interessou destacar para branquear mais essa prenda?
Foi dar brados de alegria por uma das melhores exibições do Benfica desta temporada.
O que mudou isso? Nada. Continuamos a 4 pontos e um dos piores treinadores de sempre da Primeira Liga está perto de ser campeão nacional.
Ali até o Luis Campos seria campeão!

 Nota a um facto curioso: A Académica está à 15 jogos sem vencer. E Pedro Emanuel, que tantas provas já venceu como treinador continua no cargo! Curioso! Ou não...
 


 

domingo, 22 de abril de 2012

Papoilas Saltitantes

 ●  + 12 comentários  ● 
Finalmente conseguimos perfumar o nosso blogue com a admissão de uma mulher e enorme Benfiquista no nosso cardápio de escribas. Ainda não tem nome de guerra porque só nos próximos dias é que vamos ao Registo Civil  fazer a sua inscrição, mas já nos  enviou um cheirinho da sua prosa.
--------------------------------------

 Faltam apenas três jornadas para o final do campeonato, e eu já sinto uma angústia... a angústia que todos os amantes do desporto rei, mas sobretudo, que nós, Benfiquistas, sentimos a partir de Maio. Que falta me faz, todos os anos, o meu Glorioso, jornada após jornada. É como se de um vazio se tratasse, até que chegue o início da pré-época e, com ela, os sonhos de sempre: “NÓS SÓ QUEREMOS O BENFICA CAMPEÃO”.

Mas mais do que o período saudosista do costume, a minha angústia é outra... faltam três jornadas, nove pontos a conquistar, cinco pontos a recuperar ao adversário... e....

Meus amigos, ainda é possível! Enquanto for matematicamente possível, nós vamos continuar a acreditar e a lutar até ao fim, com a raça e o querer do costume!

Não vamos criar (grandes) ilusões. Todos nós temos consciência do quão difícil será. Mas... “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce”. Com os pés bem assentes na terra, encarando cada jogo como se do último se tratasse, vamos fazer aquilo que nos resta: ganhar todos os fins-de-semana, lutando até ao fim. Bem sei que não dependemos apenas de nós, que há uma série de circunstâncias que nos empurram para o insucesso, mas nós somos Benfica!

Eis a resolução deste campeonato: Rio Ave vs Benfica; Marítimo vs Porto; e Benfica vs Leiria; Porto vs Sporting.

Todo este sofrimento seria evitável, é certo. Erramos onde jamais poderíamos ter vacilado. Demos o trunfo ao adversário. Como foi possível?! Depois da importante vitória frente ao Braga, tínhamos tudo para ter embalado até à vitória final. Perdemos mais do que três pontos em Alvalade: colocamos quase toda uma época a perder, pusemo-nos nesta difícil e sufocada situação. Por muito que me custe dizê-lo, estamos a quatro pontos do líder por grande culpa nossa. Uma equipa como o Benfica não pode falhar em situações decisivas deste género. Pressão? Faz parte. Jogamos ao mais alto nível, pelo que não serve de desculpa. O que passou querida equipa? Tivemos o pássaro na mão e...

Não vou entrar em grandes “arbitragens”, até porque não me foi possível ver “o tal” jogo. Vou falar daquilo que sei e vi. Sabíamos de ante-mão que o nosso Pablito Aimar falharia o jogo com o Sporting, por uma... expulsão... que lhe valeu... dois jogos... de suspensão!! Ora, e pegando desde já por aqui, lembram-se disto? Eu também! Expulsão? Dois jogos de suspensão? Inacreditável!

Não estamos ilibados de responsabilidades, por aquilo que me apercebi. A equipa falhou, é um facto. Mas não deixa de ser uma grande coincidência expulsar Aimar - pela primeira vez na carreira, segundo li, não tendo, contudo, confirmado oficialmente – e aplicar-lhe dois jogos de suspensão (por aquela entrada gravíssima, onde qualquer um, por mais vesgo que seja, consegue VER que Aimar não toca no adversário), abrangendo, casual e não intencionalmente, o jogo decisivo com os de Alvalade. O nosso El Mago é só um dos jogadores que consegue dar outro toque (leia-se magia!) e impulso ao jogo, conseguindo, muitas vezes, fazer a diferença. Coisa pouca! Estas manobras de bastidores e a maré de lesões levaram-nos ao abismo, praticamente.

Foram jogos complicados, onde superar a dor física e psicológica da equipa foi, talvez, muito mais difícil que (tentar) vencer os adversários. Isto para não falar que o calendário dos últimos jogos da equipa foi o... terror! Jogos atrás de jogos, com muita arte e engenho da gestão do plantel, enquanto outras equipas – que se dizem... grandes – tinham a árdua tarefa de jogar semana após semana. Ó memória curta!!

Em pouco tempo, num calendário tão difícil, distancia-mo-nos do primeiro lugar, fomos eliminados da Champions e conquistamos a Taça da Liga.

Uma palavra apenas para a Champions: grande, enorme Benfica!!! Fomos injustamente eliminados, depois de termos sido – arriscaria-me a dizer – unanimamente prejudicados na Luz (ainda não me esqueci da mão na bola de Terry, por exemplo!) e após termos feito uma soberba exibição em Londres, encostando o Chelsea às cordas. Acabamos por morrer na praia (“Ai se te pego”, Raúl Meireles!!!), mas de cabeça bem erguida, embora isso não chegue. Nós merecíamos ter passado, não eles, aqueles blues... por temos demonstrado em campo que fomos superiores, por toda a magia espalhada pelo relvado, mas, sobretudo, pelo grande sacrifício e espírito de entre-ajuda presente na equipa. Orgulho em vocês rapazes! Orgulho em termos um Artur, um Maxi, um Luisão, um Javi Garcia, um Aimar, um Cardozão, um Rodrigo, um Nelson Oliveira,... querem mais? E eles, o que têm?! Nada! Nada em comparação com a nossa “raça, querer e ambição”.

Depois deste desabafo, concentre-mo-nos no campeonato! “Contra os canhões marchar, marchar”! Ou melhor, “sou de um clube lutador, que na luta com fervor, nunca encontra um rival, neste nosso Portugal”!!!!

Até à próxima, Papoilas Saltitantes!


recentes

ranking

Em Defesa do Benfica