O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

O Benfica Glorioso... Como os tempos mudam! (Parte II)

Avatar
 ●  5 comentários  ● 

Ontem iniciei a questão das composições dos planteis no tópico O Benfica Glorioso... Como os tempos mudam! (Parte I)

Houve quem tentasse antecipar que se tratava de uma defesa de "nivelamento por baixo" dos planteis das equipas portuguesas. ERRADO! Não era nada disso!

Antes pelo contrário, o que defendo é precisamente a reestruturação do modelo de aquisição de atletas, podendo inclusivamente adquirirmos jogadores de valor potencial relativo mais elevado, pois o real problema não está nos jogadores que custam 10M€. Esses parecem ser unanimemente boas contratações.

Ontem quis apenas estabelecer uma base de analise onde defendo que o erro está na adopção do modelo de "mercado de empresários" e aquisição de vários jogadores/ contratações. Essa abordagem de colocar nas mãos de empresários parte da estratégia do clube é, na minha óptica, errado e insustentável. 

Portanto, o tópico não é dedicado "aos Markovics" mas sim aos que não são e possivelmente nunca serão Markovics. 

Defendi ontem que clubes como o SLBenfica, na sombra de grandes negócios com os multimilionários que "aterraram" no futebol, ligaram-se aos empresários que possibilitam esses negócios, mas que ao mesmo tempo têm interesse em fazer rodar um conjunto de jogadores menos capacitados.

Se é verdade que um plantel não se faz de jogadores medianos, também não se faz só de estrelas e nos últimos anos esses tem sido recrutados para "satisfazer quem pode trazer os wonderkids", ou seja, temos composto os nossos planteis com "camiões de jogadores" que chegam nessas negociatas e se transforam num problema futuro.

A forma como vejo a composição de um plantel, divide-se em duas camadas:

- 20% do plantel que garantem 80% da competitividade e com grandes objectivos de valorização pessoal
- 80% do plantel que não representam apenas 20% da competitividade mas também grande parte do espírito de sacrifício e dedicação a uma "causa maior" que não apenas a valorização pessoal e de transferências.

Dito isto, entendo que apenas a camada dos 20% deve ser aberta a contratações de forma preferencial. Os restantes 80% devem ser suportados, preferencialmente, em atletas de duas origens: Formação e Mercado Nacional. Notem bem... Preferencialmente.

Quero com isto dizer que o SLBenfica, no plantel de 24/25 jogadores deve ter a volta de 5 jogadores-chave que dificilmente encontrará na formação ou no mercado nacional. Se tivermos em conta que esse tipo de jogadores ficam entre ano e meio a dois anos, isto representa que de dois em dois anos temos 7 a 10 jogadores de elvadíssimo nível no plantel e depois uma composição mais estável de cerca de 12 a 15 elementos.

Isto permite-nos reduzir o orçamento anual de forma significativa pois apenas adquirimos dois/três por ano na ordem dos 7 a 10M€, mas que à partida serão sempre jogadores "valorizáveis" e que compensarão numa futura transferência não só o valor de aquisição como o dos salários. A base do restante plantel será mais estável com custos muito inferiores, na ordem global dos 5 a 7M€, ou seja, estaríamos a falar de orçamentos anuais na ordem dos 30/35M€ mas com receitas recorrentes de duas a três vezes esse valor de forma anual.

Ou seja, o problema está efectivamente não nas boas aquisições, mas naquelas outras que "tapam" o espaço aos bons jogadores nacionais e/ou da formação e que na verdade nada acrescentam ao que fariam os jogadores com custos de aquisição e salários bem inferiores, com a vantagem de serem jogadores que percebem o que é o SLBenfica, percebem o que é o campeonato nacional e sabem perceber as variáveis de cada momento da época e de cada jogo.

Isto leva-nos aquela conversa de sempre e por onde comecei o meu tópico da "Parte I". Temos uma grande tentação de cometer dois erros graves que acabam por levar os dirigentes a cair nesse caminho fácil:

- Idolatrar os tais jogadores da "Geração Youtube". Os tais que eu ontem referia que são ídolos antes de chegarem a Lisboa, percorrem as redes sociais em vídeos com momentos fantásticos que depois tardam em ser confirmados na Luz. 

- Depois acreditar que o plantel deve ser composto por 25 jogadores destes. Nunca ninguém é suficientemente bom, porque a defesa deveria ter 4 Garays, as alas 2 Salvios, os avançados serem dois Marovics, os médios centro dois Gaitans ou Djuricics, etc. etc. etc. NADA DE MAIS ERRADO! Aliás, o SLBenfica tem feito perto disso e depois vemos, passados poucos meses, os jogadores a reclamarem oportunidades, a sentirem-se insatisfeitos, etc. Em sentido complementar, com jogadores destes "parqueados"... nem sequer se pode ousar dar oportunidades a jogadores da formação ou do mercado nacional. O que se percebe - Quem vai por o Bernardo Silva a jogar... depois de pagar 6M€ (e salários chorudos) ao Djuricic? Eu não poria...

Portanto, ao nível puramente individual, o SLBenfica deveria na minha opinião reformular o modelo de gestão e construção dos planteis. Contudo, voltamos ao mesmo... isso implica uma liderança e uma gestão desportiva que não pode ser feita com base nos contactos com os empresários, mas sim com base no conhecimento, experiência e presença. Falta um líder, um CEO da SAD, um líder do futebol do SLBenfica.

Já antes aqui referi também a importância de termos quem lidere as relações internacionais com os clubes que lideram o mercado das transferências. Essa liderança retirava espaço aos empresários para dominarem o processo negocial.

Portanto, voltamos sempre ao mesmo: Falta reformular a SAD e repensar o modelo de gestão. Será possível com Luis Filipe Vieira? Tenho dúvidas...

5 comentários blogger

  1. Ainda não li a primeira parte e só li esta na diagonal (estou apertado de tempo mas tinha de fazer a visita diária) e concordo. Não podemos ter só estrelas. Por isso sempre achei que Cardozo e Luisão são dois jogadores para ficarem enquanto renderem porque não rendem aquilo que valem dentro de campo em dinheiro. E realmente, um pouco mais de estabilidade é melhor. O Ruben amorin, o André Almeida, os Jardeis e tal têm de fazer esse papel por agora (nunca vão render grande coisa se saírem e mesmo que não joguem, dois deles já chegaram ao patamar em que viram que não dão mais que isto) e esperemos que, no futuro, sejam jogadores portugueses e formados em casa. Apesar de tudo, não sou contra contratações sólidas de fora mesmo que não sejam super estrelas (tipo Luisão, Maxi Pereira ou Cardozo). Mas claro que não podemos ter jogadores a mais e estes foram jogadores que vinham com potencial para serem futuras estrelas e não passaram de bons jogadores (excelentes para o nosso campeonato). Também temos de aproveitar esses... mas realmente, os comboios é que têm de parar...

    ResponderEliminar
  2. Completamente de acordo com o modelo proposto! Será assim tão difícil de implementar, Luís Filipe Vieira?
    O passivo não baixará se não fizermos um corte radical com o atual modelo estapafúrdio de contratação de jogadores. Não é preciso ser gestor profissional para perceber isso! Basta olhar os resultados, desportivos e financeiros.

    ResponderEliminar
  3. Num plano teórico era assim que devia ser, mas como sempre, a pergunta é se isso tem aplicação prática.

    Repara, isto em POrtugal é muito por modas. Agora por exemplo é a moda do treinador português. Mas se calhar daqui a 5 anos é a moda do treinador estrangeiro outra vez.

    O mesmo com jogadores. Porque o problema é sempre o mesmo, recrutado dentro ou fora de portas, o essencial é haver boas equipas. E para haver boas equipas é preciso bons jogadores.

    Há assim tão bons jogadores em POrtugal como dizes? Os últimos números não é isso que dizem:

    Quer nas contratações do FCP do melhor que havia no Estoril e Paços de Ferreira;

    Quer nas contratações do Benfica, do melhor que havia no Estoril, Paços e Gil Vicente;

    Quer nas do Sporting do melhor que também havia no Paços.

    Quer novamente no Porto, no melhor que havia no Guimarães!

    Algum desses "internos" vingou? Josué apenas, e ainda assim, nem muito.

    Eu sou apologista da contratação do bom jogador, português ou não, caro ou barato. Mas contratar para jogar.

    Do que não sou apologista mesmo nada é de comprar ao desbarato, ter um plantel com 28 jogadores, fora a equipa B e os emprestados.

    Isso sim, é que é despesismo.

    BY THE WAY: O plantel do Chelsea tem 21 jogadores. E eles jogam todas as competições até ao fim.
    SE ELES CONSEGUEM COM 21 PORQUE PRECISAMOS NÓS DE 28?

    ResponderEliminar
  4. O GB tem boas intencoes e bom senso,mas parece que ainda acredita no pai natal....percebo e apoio a ideia e em principio existem muitos nomes de jovens a virem ao de cima.
    O primeiro passo esta dado, vamos ser se o segundo sera consistente e isso so seria palpavel em termos de resultado visiveis se aparecesse dentro de no maximo 2 anos no minimo 2/3 miudos a tempo inteiro no plantel principal cada um deles com 15/20 jogos a titular...isso seria perfeito mas para ser honesto parece-me um oasis e como nao acredito no pai natal ..confesso que so mesmo ver para crer !! Se aparecer um Rui Costa ou um Paulo Sousa quanto tempo ira ficar...?
    Qual sera o proximo Andre Gomes ou quem sabe um Hugo Leal?
    Da formacao ou nao,quando telefone tocar e eles ouvirem Manchester united, PSG ou outro qualquer ja todos sabemos como os coracoes deles vao bater... come on pessoal !!!!
    Reafirmo-Apoio mas acho de dificil concretizacao e sermos uma estacao/apeadeiro de di marias,davides luises,ramirez e etc ja nao e mau...e vamos ver se nao contratamos balboas, martin pringles e afins..

    ResponderEliminar
  5. "Quem vai por o Bernardo Silva a jogar... depois de pagar 6M€ (e salários chorudos) ao Djuricic? Eu não poria..."

    Ola John que custou milhões no banco ou nem isso e Ivan Cavaleiro a jogar... onde é que eu já vi isso???

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking