O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


sábado, 4 de janeiro de 2014

Para a imaginação e a teoria, estatísticas e factos são sempre uma grande chatice

Avatar
 ●  29 comentários  ● 
Bem, é da praxe discordar do GB quando o tema é futebol jogado, e por isso aqui vai, que ele já não estranha:

Em primeiro lugar ressalvo logo o título do seu post em resposta à minha análise ao papel dos números “10” no futebol moderno:

“O gajo”, com que me brindou logo a abrir, logo no título, no começo da sua aula de tática... O “gajo” que é para me colocar logo no meu lugar... Ressalvo o “Inteligente” com que também me catalogou... Mas para logo de seguida dizer que o gajo inteligente se “baixa”... E baixa-se perante quê? Perante obviamente a sapiência e o brilhantismo de uma mente mesmo à séria e que só os predestinados possuem, que é a mente do GB!

O Redmoon fala portanto “Futebolês” – também no título do post... Se os leitores quiserem ler posts sobre futebol à séria, leiam portanto posts à séria, que são obviamente os posts do GB, que aparecem como corretivos às asneiras do "futebolês" debitadas pelos “gajos” nos posts anteriores. 

Eh pá, com o devido respeito, o teu problema com as estatísticas é só um: É que desmentem teorias, teorias e mais teorias, mas que, e esse é o grande problema, carecem de confirmação no terreno...

E a merda toda é mesmo essa: é a merda das estatísticas... Porque é a merda das estatísticas que separa a ficção da realidade, e as teorias das verdades facilmente comprováveis...

E portanto, que disse eu no meu post anterior que tu vens agora desmentir? Eh pá, mais uma vez, NADA, absolutamente NADA, e a frustração é mesmo essa: é ler aquilo tudo e ficar na mesma! Vieste apenas com mais uma teoria, a teoria dos dois pivots, e das coroas e das placas nos dentes, muita cárie mas pouco chumbo!

Ainda pensei que viesses admitir que afinal, ao contrário do que andas a afirmar há um sem número de anos, o Gaitán não jogou sempre a 10 antes de chegar ao Benfica. Ainda pensei que te socorresses da estatística para perceber que antes do Benfica, Gaitan só teve um clube, e nesse clube o 10 era Riquelme! Mas claro, podes sempre vir com a teoria de que o Boca Juniores jogava com dois números 10!

O que eu disse e tentei mostrar com o meu post foi que no futebol moderno, e especialmente nas grandes equipas, os antigos “mágicos números 10” estão a perder peso nos sistemas táticos dessas equipas.  E socorri-me das estatísticas (que nem sequer são estatísticas, são factos) para mostrar (e sustentar) que:

No Manchester City o 10 é Dzeko, um ponta de lança puro.

No Liverpool, o 10 é Coutinho, que joga descaído na ala esquerda.

No Chelsea o 10 é Mata, um puro 10, que para Mourinho quase não conta e que deverá sair do clube ainda este mês.

No Arsenal, o 10 e pedra fundamental da equipa é Jack Wilshere, enquanto Ozil, à semelhança do que acontecia no Real Madrid, joga mais sobre as alas. Obviamente, e em saídas rápidas para o ataque, e à semelhança de Gaitan no Benfica, Ozil aparece no centro do terreno como transportador de jogo.

No Tottenham, o 10 é Adebayor.

Na Juventus, o 10 é Tevez.

No Real Madrid e Nápoles, não há sequer número 10! Havia Ozil no RM, o tal melhor 10 do mundo, mas que, dizem as estatísticas, o Real Madrid vendeu, o que parece indiciar que se vendeu é porque achou que o melhor 10 do mundo não tinha assim tanta importância no esquema tático da sua equipa!

No Barcelona, o 10 é Messi que joga descaído nas alas e por vezes como 9.5, embora, claro, o Barelona não seja exemplo, já que todos, do meio campo para a frente, são jogadores de todas as posições e exemplo máximo do jogador moderno, polivalente e taticamente evoluído.

No Manchester United o 10 é Rooney, ou seja, também aí se joga sem o típico número 10. Contratou-se o grande "10" do FCP, Anderson, que Ferguson não descansou enquanto não transformou em "8", o que só por si já quer dizer muita coisa! 

No Bayern o 10 é Robben, mais um extremo.

No FCP, o número 10 James Rodriguez também andava chateado porque o treinador insistia em pô-lo a jogar na faixa esquerda, e não era sequer um titular indiscutível apesar do seu inegável talento.

E já antes de Jorge Jesus, um tal de Quique Flores de quem o GB tanto gosta, insistia em colocar o 10 do Aimar, pasme-se, também a jogar na faixa esquerda!

Mais uma vez, a merda da estatística!

Agora podes-me perguntar:
Mas há algo de errado em jogar com um número 10 atrás do ponta de lança? Evidentemente que não! Depende sempre do que o treinador quiser fazer.

O Gaitán até pode ser um magnífico 10? Duvido mas até pode! Até o Mário Rui, o Danilo e o David Simão podem vir ainda a ser fabulosos jogadores de futebol como tu sempre adivinhaste! 

Agora, e esta é a razão do meu post, é que a estatística mostra uma tendência que as tuas teorias não desmentem: Os típicos números 10 estão a perder preponderância nos sistemas táticos do futebol moderno.

Alguns desses típicos números "10", jogadores fabulosos com a bola nos pés mas fracos sem ela, são hoje jogadores de banco nas grandes equipas, e últimas cartadas dos treinadores para desencravar jogos atados. Entram para trazer anarquia ao jogo. São jogadores úteis mas longe de serem os jogadores fundamentais que eram há não muitos anos atrás.

E neste contexto, sim GB, embora tu não gostes de ouvir, é minha opinião que o Bernardo Silva deverá tornar-se num jogador bem mais completo do que o típico “10” que é hoje se quiser singrar ao mais alto nível, porque jogadores do seu tipo não têm vida fácil no futebol moderno! E repara que não estou a dizer que não está ali potencialmente um grande jogador!

Técnica o Bernardo tem, não o nego. É um desequilibrador nato. Mas se calhar far-te-ia bem perder algum tempo a analisar estatísticas, para perceberes que o que não falta no mundo no futebol, são jogadores portadores duma técnica incrível e que nunca passaram da mediania.

29 comentários blogger

  1. "Até o Mário Rui e o Danilo podem vir ainda a ser fabulosos jogadores de futebol como tu sempre adivinhaste!" - hahahahaha, esta é de mijar a rir!!! Ainda consegue ser melhor do aquele que disse que o Lima devia ser emprestado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Zé Maria,
      O Redmoon pode não saber a diferença de resultado de integrar um jogador com potencial num plantel competitivo ou noutro menos competitivo, mas isso eu não posso mudar, pois não vem nas estatísticas.

      Mas uma coisa o Redmoon sabe: Tanto o Mario Rui como o Danilo teriam feito melhor figura do que o Emerson, o Cortez ou o Airton... E sabe outra coisa, o Redmoon, mesmo que tivessem tido a mesma utilidade que esses pinos, teriam sido erros muito mais baratos e com o mesmo resultado ;)

      Eliminar
    2. "Tanto o Mario Rui como o Danilo teriam feito melhor figura do que o Emerson, o Cortez ou o Airton."
      Como sabes? Isso é impossível de provar e portanto não passa de uma opinião como outra qualquer.
      Adivinhar depois dos factos é sempre mais fácil. Eu acerto no Euromilhões todas as semanas… aos domingos.

      Eliminar
    3. Ah está bem, GB, agora a culpa é da integração no plantel competitivo.

      Aliás, por isso é que o Mawete Junior, o Toy, o Rui Baião e o Pepa se tornaram nos craques que todos sabemos, por terem tido a chance de treinar com os craques do plantlel principal do Benfica.

      Eliminar
    4. eh pah, estas a comparar a obra prima do mestre com a prima do mestre obras. Se queres entrar por questoes irrealistas, ficas a falar sozinho. Não és tu que falas de factos? Isso é deturpa-los!

      Eliminar
  2. Bem, tanta asneira junta que nem sei por onde começar. Vamos lá:

    - sempre te considerei romântico, agora passas a ser também piegas! Ora ficas tu "afinado" com a palavra gajo? Oh meu amigo....

    - depois eu não dou lições de futebolês, antes pelo contrario. Modéstia aparte coloco-me no mesmo barco que tu sobre considerar-me mais inteligente do que as conversas de futebolês. Pelos vistos não percebeste

    Quanto ao contexto do que escreves... Então a tua brilhante consideração estatística é que os 10 são genericamente avançados? É isso!?

    E fizeste essa analise em clubes de top e cheios de títulos como Liverpool, Tottenham, City, etc? Ja agora sim incluo o City porque com aquele investimento ja deveria haver imensos títulos....

    I rest my case... Eu simplesmente não sou capaz de discutir conceitos, especialmente quando se procura discutir o mérito táctico.

    Sim, para mim o que faz sentido é jogar com dois pivots

    ResponderEliminar
  3. Vocês os dois parecem dois garotos a medir pilinhas, desculpem que vos diga!

    Essa história do "10" já cansa. Entendo ambos os pontos de vista e estão ambos errados pelo simples facto de não fazerem a devida interpretação histórica da posição.

    Deixando para trás os esquemas anteriores aos anos 60 e 70, reparamos que nos anos 80, com o advento do 4-4-2 (4-4-1-1) de Sacchi e a sua pertinência com o rigor táctico, levou a que o segundo avançado (o camisola "10") surgisse mais nas costas do ponta-de-lança, sobretudo nas transições ofensivas. Lembram-se do Gullit no Milan? Lembram-se do Platini na Juventus? Lembram-se do Maradona no Napoles? Pois é, eram os chamados "trequartistas" de serviço. Tinham liberdade para cair em todo o lado, porque as equipas tinham 8 jogadores (distribuídos por duas linhas de 4 bem compactas).

    Acontece que os outros técnicos para anular esses sistemas começaram a introduzir mais um homem no meio-campo, surgindo o pivot defensivo. Este jogando na mesma zona do terreno do "10 trequartista", iria paulatinamente acabar com a sua raça. Daí que hoje em dia não hajam tantos "10" clássicos. Na verdade, dizer-se isso é um abuso de linguagem, pois o "10" clássico é aquele que jogava na posição de avançado interior esquerdo na táctica mais primódia do futebol 2-3-5, como podem ver aqui:

    https://lh5.googleusercontent.com/83hQHtqE3eIZdY3WXj1B_yj-u1g3BzrxJg9y6S_YpJPWAoLQ4zJ_gEsdimWe8y9wu8IV4my7VQt6FsMsdWseWnjdvHEHZ27FuNhdWAsq7AO3RnAUYKg

    Reparem na imagem, pois é a forma como os ingleses, pais do futebol moderno, numeravam as posições em campo. Noutros países o sistema de numeração é diferente, mas a figura dá para perceber porque é que há tantos médios em Inglaterra com o número 4, por exemplo, quando nos países latinos, ou na numeração holandesa o 4 é o número de um central que actue do lado esquerdo do centro da defesa... curiosidades. ;)

    Até os anos 80/90, os jogadores que entravam em campo estavam numerados de 1 a 11, e os que estavam no banco de suplentes estavam dos 12 aos 18, sempre. Hoje em dia é que qualquer jogador tem um número individualizado. Antes, a maioria era escolhida de acordo com a sua posição em campo e com o sistema de numeração condizente com isso. Os primeiros a terem um sistema de numeração foram como é óbvio os ingleses, mas conforme escrevi acima, existem outros. Por outro lado, nos países latinos, começaram a fazer interpretações menos rígidas aos sistemas de numeração, daí que surgiu a ideia de dar o "10" aos jogadores mais talentosos... mesmo que esses jogassem como médios defensivos ou extremos. O "10" é agora entregue ao jogador mais talentoso e colectivo da equipa, muitas vezes o chamado construtor de jogo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PP, da minha parte (e acho que o Redmoon também) ninguém está a medir nada... limitamo-nos a brincar e divertirmo-nos com as diferenças de opinião, se não te importares com isso ;)

      Eliminar
    2. @PP,

      Tens razão que eu e o GB de vez em quando damos por nós a medir as pilinhas (da última vez que medimos a minha era maior que a dele), mas também é verdade que volta e meia também bebemos uns copos aqui na redacção :)

      Eliminar
    3. Nao e de agora que o10 e entregue aos jogadres mais talentosos ja o Eusebio jogava com o 10. Ja quanto ao Gullit ser 10 nao tem por onde se lhe pegue.

      Eliminar
    4. @Benfica by GB e RedMoon,

      Ainda bem que vocês gostam de beber uns copos juntos... é que ao ler os vossos artigos/respostas estava a ver um escalar da linguagem e estava a ficar com o receio de mais uma guerra futebolística baseada no nada... ;)

      Isto da camisola "10" tem pano para mangas, mas é como tudo na vida. Depende de cada situação. Já vi clubes em que os treinadores é que davam as camisolas segundo um critério de posição e outros que davam segundo um critério de preferências e talento. Por outro lado, já vi clubes em que os próprios jogadores faziam sorteios para ficar com o "10". E, já vi sistemas de numeração baseado em ordens alfabéticas. Por exemplo, vejam os números da selecção argentina no mundial de 70 se não me falha a memória. Por sorte/destino o Kempes foi o "10"... ;)

      Eliminar
  4. (continuação)

    De qualquer das formas, voltando ao desaparecimento do "10" trequartista, o "10" que em Portugal mais "gostamos" ou estamos mais identificados... surgiu devido ao aparecimento do "6" como pivot defensivo. Este tinha como missão proteger a defesa na zona de entre-linhas, acompanhando/marcando mais acima as movimentações do "10" trequartista. Com isso o "10" teve que procurar novas zonas no terreno.

    Uma das zonas foi descer no terreno, passando a ser um terceiro médio no tridente de meio-campo. Um pouco à imagem do Deco, Xavi e do Iniesta. Noutras equipas subiu para o ataque, sendo claramente o avançado centro da equipa, por exemplo, o Cruijf, Rooney, Forlan e o Messi são bons exemplos disso. Noutras equipas foram encostados à linha, como extremos ou falsos extremos. São os exemplos de Chalana, Futre e porque não dizê-lo de Ronaldinho.

    Reparem também numa coisa: o futebol evoluiu imenso. Antes durante todo um encontro uma equipa jogava basicamente num único sistema táctico. Hoje em dia, tal não é possível. São imensas as variações tácticas que ocorrem durante um encontro. Isso significa que o "10" moderno não pode ser apenas um trequartista, mas também um terceiro médio construtor de jogo, um segundo avançado no último terço do terreno, ou até um extremo puro/falso quando necessário. Por isso mesmo é que vemos jogadores de elite como Özil, Óscar, Ronaldinho, Rooney, Mata, Messi, entre outros a fazerem várias posições, todas ao mesmo nível.

    Reparem numa coisa, o Mourinho e muitos outros treinadores consideram o Özil como um dos últimos "10" (trequartistas) pelo sucesso que mesmo com as dificuldades dos "6"s consegue ter naquela zona do terreno. Consideram-no também um "10" moderno, pela sua polivalência dentro das quatro linhas, podendo jogar na faixa, mais atrás e mais à frente sem grande dificuldade.

    A meu ver, com o sucesso cada vez maior do 4-2-3-1 por toda a europa, penso que iremos assistir a um regresso do "10" trequartista moderno. Difere do dos anos 70/80 pelo simples facto de ter maiores preocupações defensivas que esses.

    ResponderEliminar
  5. Redmoon tu ainda não percebeste que quem utiliza o numero 10 na camisola não é propriamente o número 10 da equipa?

    Claro que tudo depende de sistemas táticos. Muitos treinadores preferem jogar com 2 na frente e outros só com 1.
    Real joga com 1 na frente e Isco (número 10) atrás. Barcelona tem o Iniesta/Fabregas. Dortmund tem o Mkhitaryan/Gundogan. Bayern Gotze. Atletico Madrid Arda Turan. Jogadores que jogam no meio a nnúmero 10 e não são o número 10. Tudo equipas que têm tido mais vitorias no ultimo tempo.

    Até Mourinho nos seus grandes anos tinha um número 10 tipico: Deco, Sneijder, Ozil. Jogadores que jogavam a numero 10 quer tenham o numero 10 na camisola ou nao.

    Agora é assim! Se há clubes que utilizam, outros que não. Se cada vez há menos, cada vez há mais. Não interessa! O que interessa são os jogadores que um clube tem.! E se o clube tem numeros 10 para jogar de muita qualidade, só tem é que se os meter lá para dentro.
    Ou caso o Benfica tivesse o Cristiano Ronaldo ia continuar a jogar em 4.4.2 com o Ronaldo a jogar no lugar do Gaitan na esquerda.? Claro que não. Nem o Jesus ia conseguir mudar o Ronaldo de maneira a que ele corra para frente e para trás o jogo todo. há que se adaptar aos jogadores que há.

    Isso do futebol moderno não ter jogadores fantasistas e jogar com 2 avançados esquece. O Guardiola ganhou tudo com o Barcelona e teve o melhor futebol do mundo sem Pontas de Lança.

    Tiago

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tiago, pode ser que assim com uma explicação mais esperta e bem feita que a minha, ele perceba...

      acho que o primeiro paragrafo o deve deixar logo a pensar, mas vamos ver o que vai dar.

      Eliminar
    2. @Tiago

      A questão não é a número da camisola. A questão é que o "10" de hoje não é um jogador só de tracção `a frente, porque esses, os que só teem tração à frente nao teem lugar no futebol de hoje.

      O Isco defende muito no Real Madrid, bem mais que o Ozil. E estás a falar do Turan do Atletico de Mardrid? Logo esse que é um mouro de trabalho? Ou do Fabregas, que é bem mais um numero 8 que um 10? Ou do Iniesta, um dos jogadores mais cerebrais e polivalentes do futebol moderno, que ataca e defende com a mesma eficácia?

      Achas que o gaitan é um jogador desse tipo? ou que o Bernardo já é hoje um jogador desse tipo, disciplinado tacticamente, forte fisicamente, e pronto para lançar às feras como alguns defendem?

      Porque razao então, nos dias de hoje, jogadores como Gaitan, hazard, Nasri ou David Silva jogam sobre as alas? Porque razão não ficou o Ferguson então com o 10 fabuloso que tinha, o Anderson e não descansou enquando não o transformou em 8?Aliás, um 8 que se perdeu, porque provado ficou que o Anderson só é jogador de futebol quando tem a bola nos pés. Sem ela, é um jogador a menos.

      Aliás, olha para o Benfica B... A quantidade absurda de golos que aquela equipa sofre... Achas que é por quê? É so azar? Com tantos jogadores, que individualmente, segundo alguns, são do melhor que há?

      Dá-me um 10 só artista, ou um bom 8, que eu sei quem escolho! Dá-me um WItsel, um yara Toure ou um Jack Wilshere,que esse sé que são nos dias de hoje os jogadores fundamentais das grandes equipas.

      Eliminar
    3. Mas O Isco é na mesma um numero 10, só que tem também outras missões, tal como o Turan. Tal como o Iniesta. É perfeitamente normal. Toda a gente sabe que o primeiro elemento a defender numa equipa é o avançado, logo o numero 10 também tem que defender. Mas isso pede-se a qualquer jogador, não só ao 10 como aos extremos.
      Isso não invalida que o Gaitan possa jogar a 10, que o Bernardo possa ser já titular. O David Silva joga descaido na direita decido ao facto do City jogar com 2 avançados centros, se jogar só com 1, ele provavelmente joga no meio. Hazard é jogar de explosão, mais de linha que de meio.

      O Anderson assim aconteceu pq Sir Alex gosta mais de um tipo de sistema tatico em que o 10 não entra.

      A quantidade de golos que a equipa sofre não é por causa do Bernardo ou por ter jogadores que só sabem atacar e não sabem defender.! Ou será que a equipa A também sofre do mesmo sindrome. A ti te garanto que se o JEsus em vez de jogar em 4-4-2 jogasse em 4-3-3 com um médio centro a ser o tal 10(mágico), sofriamos muitos menos golos e tinhamos um futebol mais de posse com mais controlo do jogo.
      Bernardo não é esse jogador, mas também nunca o será se não for posto a prova. O mesmo acontece com todos os outros que estão na equipa B. Djuricic é esse jogador? Markovic é esse jogador(disciplinado taticamente, forte fisicamente, etc)? Claro que não, mas têm oportunidades. Bernardo não as tem.

      Está na altura de deixarmos o 4-4-2 só de ataque (que agora nem de ataque é porque não jogamos nada e sofremos golos quase sempre), e passarmos a ter uma equipa que saiba o que faz lá dentro sem se preocupar com os outros.
      Outro treinador é preciso.

      Eliminar
    4. Tiago

      "O Isco é na mesma um numero 10, só que tem também outras missões" - disseste tu.

      Agora estamos a falar a mesma linguagem, e é aí que quero chegar. Os 10 que foram capazes de se adaptar ao futebol moderno e participar em outras missões viraram jogadores que valem ouro. Esse Turan que falaste está em todas por exemplo. O home defende, ataca, faz últimos passes, marca golos e faz carrinhos! È um jogador de top! Um jogador que faz o meu género, tal como aprecio imenso o Ramirez, que sem ser um 10, está também em todas!

      Agora, os 10 à moda antiga, aqueles que acham que o seu papel é apenas atacar, perder a bola e os outros que corram para a recuperar, viraram extremos (onde causam menos mossa), jogadores de banco para os ultimos minutos do jogo, ou jogadores para dispensar.

      Evidentemente, nada tenho contra os 10. O que continuo a achar é que Gaitan não é esse tal 10 para o Benfica que o GB tanto acha que ele é. (porque se não defende na linha também não vai defender pelo meio).

      Tal como acho que o Bernardo tem de ser muito mais do que é hoje para jogar ao mais alto nível. Este Bernardo, assim como o vejo hoje, ainda continua a ser um jogador de bola no pé.

      Pode evoluir? Claro que pode e deve evoluir, fisicamente e tacticamente, porque seria criminoso desperdiçar o talento que tem. Mas não acho nem de perto nem de longe que ele esteja pronto para ser lançado na equipa A.

      Eliminar
    5. Tiago.!! Eu ate tenho concordado com grande parte das tuas analises mas esta historia da relacao do 10 com o futebol moderno ja...
      Vamos ver se no entendemos os jogadores que tem de se adaptar sao tipo medianos se estivermos a falar de genios entao e a equipa que deve adaptar-se ,estas a ver o filme ou tens alguem a frente?
      Carlos palma

      Eliminar
    6. Ok RedMoon.! Assim está bem. Uma coisa é dizer que nao se deve jogar com o 10 e que agora ja não se utiliza o numero 10, outra é a que tu acabaste de dizer.

      Eu, pessoalmente, penso que o Gaitan pode-se adaptar a jogar no meio e dá-nos muita outra qualidade. Mas se nao for ele o 10, que seja outra, desde que tenhamos um magico no meio :D.
      O Gaitan acho qe em termos defensivos evoluiu muito nos anos em que esteve no Benfica, e com Jesus. Penso que se ele jogasse na posição 10 e não na 9,5 defenderia mais. Mas é tudo uma questão do que é que o treinador lhe pede.

      Esses 10 de antigamente já não existem penso eu, ou pelo menos se existem não jogam, Djuricic por exemplo. É um desses casos.

      Eliminar
    7. Ok RedMoon.! Assim está bem. Uma coisa é dizer que nao se deve jogar com o 10 e que agora ja não se utiliza o numero 10, outra é a que tu acabaste de dizer.

      Eu, pessoalmente, penso que o Gaitan pode-se adaptar a jogar no meio e dá-nos muita outra qualidade. Mas se nao for ele o 10, que seja outra, desde que tenhamos um magico no meio :D.
      O Gaitan acho qe em termos defensivos evoluiu muito nos anos em que esteve no Benfica, e com Jesus. Penso que se ele jogasse na posição 10 e não na 9,5 defenderia mais. Mas é tudo uma questão do que é que o treinador lhe pede.

      Esses 10 de antigamente já não existem penso eu, ou pelo menos se existem não jogam, Djuricic por exemplo. É um desses casos.

      Eliminar
  6. Segundo esta brilhante analise o 10 e pau para toda a obra.

    ResponderEliminar
  7. Fiquei deliciado ao ler ontem e hoje finalmente ideias sobre o core business do nosso clube.
    Ambas interessantes e com os quais concordo em absoluto apenas com uma ressalva.
    Clubes candidatos ao titulo nas principais ligas europeias para jogar com um tipico 10 têm de possuir extremos com grande capacidade no processo defensivo e talento para jogar em zonas interiores sem perder a faculdade de "ir à linha cruzar".
    Esta condicionante torna possivel a manutenção da eficacia do colectivo e esta tornou-se um "must" desde a era Mourinho no futebol mundial.
    Não sou fã do estilo do Special One mas dou-lhe esse merito, foi o catalisador de mais uma evolução no jogo.
    O problema a meu ver reside em ter no plantel pelo menos 3 extremos com as caracteristicas que referi e Ramires não existem às toneladas mas é apenas uma teoria.
    Era da opinião que Mourinho apenas provaria o seu real valor depois de conduzir um clube mítico e democratico ao sucesso, antecipei as dificuldades que sentiria no RM e aguardei pelos factos pois considero Jorge Jesus o melhor treinador português.
    Foi apenas um caso mas fortaleceu a minha convicção de que em clubes míticos, democraticos e que não recorram a manobras "a la corrupto" é muito dificil fazer o que JJ fez no seu ano de estreia (quase perdiamos para o Braginha) e posteriores no SLB, basta ter a noção que referi antes, de que o jogo evoluiu e conhecimento da historia dos tais clubes e seus adversarios de sempre.
    "Há coisas que nunca mudam"!
    A minha ideia é de que o contexto faz o artista e fazer isto no Benfica e em Portugal não é para todos tendo em conta a eficácia e recursos que possui o "Barcelona" português:

    "Águias não perderam na Luz em 2013(26 jogos), algo que não acontecia desde 1994"
    A Bola

    Ora para um treinador acusado de ser demasiado ofensivo, Jorge Jesus consegue o que Mourinho ao tentar desistiu, ter uma equipa de topo mas com futebol ofensivo no tal contexto de concorrência desleal.
    Por mim Jesus treinaria o Glorioso enquanto desejar até porque tenho a certeza que os objectivos remunerados contratualmente, seu brio profissional e competitividade garantem uma evolução que a par da gestão do clube será a estocada final no "sistema".
    Muito já foi feito mas ainda não terminou e o renascimento do SCP como clube autónomo do seu "tutor" acelerou o processo essencial para devolver o jogo às pessoas.
    Para clarificar, a continuidade de JJ não implica a continuidade do melhor presidente da historia benfiquista depois do mandato que exerce.
    Alternância democratica!

    Fernando Tomás

    ResponderEliminar
  8. É pá ó Red tu estás a falar de 10 nas costas ou de "10" posição? Que discussão sem nexo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A discussão vem de trás, e tem a ver com 10 modernos ou 10 à moda antiga.

      Os à moda antiga são aqueles que estão em campo para atacar e que são uma debilidade quando a equipa perde a bola e tem de defender. E neste contexto, é o que para mim Gaitán seria. E são estes 10 que estão a desaparecer das grandes equipas, virando jogadores de corredor (onde causam menos mossa), como são Gaitan, Nasri, david Silva, Hazard ou até Ozil.

      E depois há os 10 modernos, aqueles que participam com a mesma eficácia em todas as fases do jogo, jogadores como Isco, Jack Wilshere ou Turan por exemplo.

      Bernardo Silva é um 10 moderno ou à moda antiga? Na minha opinião AINDA é à moda antiga. E tem de ser muito mais do que é hoje se quiser singrar ao mais alto nível. Não chega ser bom jogador SÓ com a bola no pé, e isso mesmo o comprova o quase desaparecimento desse tipo de jogador dos planteis das grandes equipas.

      Eliminar
  9. Esta ideia de que o 10 ja nao se usa futebol moderno para ca futebol moderno para la, e um faz de conta que entendo de tatica de estrategia ou o diaba a quatro. Qual o treinador por mais moderno que seja que desperdica um jogador como Ozil,Iniesta,Ronaldinho,platin,deco ente outros? So se nao jogar com o baralho todo. Ja agora o Real Madrid tem o Isco como 10.
    Carlos palma.

    ResponderEliminar
  10. RedMoon

    Queres tu dizer que o Gaitas ((10) de hoje é o Rui Costa do Milan que jogava às vezes ou aos bocados.

    O DEZ à moda antiga hoje está morto.

    Porque como diz o PP também não havia o 6.

    Lembro-me da famosa equipa do Ericskon jogarem do meio campo para a frente:

    Sheu, Alves, José Luís, Néné, Chalana e Filipovic.

    E melhor ainda num jogo em Guimarães o Erickcom, a duas jornadas do fim ainda recuou o Sheu para segundo central tendo metido a meio campo um jogador de caracteristicas mais atacante do que o Sheu que ainda atava melhor que defendia. No fundo o Benfica jogou com 3 defesas, um central e dois laterais.

    Nesse jogo, treinava o Zé do Boné o Guimarães, perdemos 4-0, vale que já eramos campeões.

    O futebol mudou.

    Quanto às promessas Mawete, Baião, Pepa, e mesmo Toy poderiam ter sido todos grandes jogadores mas cada caso é um caso e muitos ficam pelo caminho.

    Acompenhri durante muitos anos as camadas jovens de outros tempos e para mim Rui Baião seria melhor que Pepa mas a sua cabecinha e a Mãe não deixaram.

    Idem para Pepa, Jorge Ribeiro, Pepa e para não falar de João Santos uma das miores promesas de sempre mas aí o caso foi mais complicou pois o rapaz meteu-se em coisas duras.

    David Simão nunca me entusiasmou verdadeiramente e embora melhor também sempre achei que Miguel Rosa nunca será aquilo que dizem. Nunca o disse mas agora que estão fora não me custa dizer.

    Idem para esse rapaz que regressa do Gil Vicente.

    Quanto ao Bernardo ainda espero para ver mais. O Cancelo é instável mas tem também grande potencial.

    Gosto do Gonçalo Guedes e do defesa direito da B, um pretinho assim como o extremo o Costa que se assentar pode ser um grande desiquilibrador e penso que o centralque na época passad jogou na B, teve uma lesão grave e está agora a regressar, poderá ter grande futuro.

    Lembram-se de um que para mim sreria melhor que Ricard e também passou ao lado:

    Bruno Caires.

    É como os melões....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É como disse num outro post: Andamos aqui a discutir a formação porque não ganhamos nada, porque se ganhássemos, ninguém se interessava por este tema. Não me parece que no Porto andem muito chateados por as camadas jovens não produzirem talentos.

      Eu não viria para aqui discutir seguramente o André Gomes se tivesse podido manter o Witsel... Eu quero é ter os melhores e que o Benfica ganhe, venham os jogadores de onde vierem.

      Mas essa é outra das minhas discordâncias com o GB. É que ele acha que um Benfica à Benfica tem de ser Made in Benfica, jogadores que conhecem a nossa história e os nossos valores.

      O problema é recordar os chutes no cu que levámos do Benfica made in benfica, do Hugo Leal, do Edgar, do Maniche, do Jorge Ribeiro, do Rui Baião e do Pepa a comemorarem golos pelo Varzim contra o Benfica. Ou de outros portugueses como Miguel ou Tiago por exemplo.

      Os jogadores do Benfica made in benfica são como os Made in Argentina ou Made in CHina, e depois de uma boa época estão a pedir para sair e para aumentar os ordenados independentemente da nacionalidade!

      Se eu gostava de um Benfica made in Benfica? Claro que sim! Mas acima de tudo quero um Benfica ganhador!


      E o Gaitan a 10... Eh pá, potencialmente é um jogador fabuloso, e poderia ser fabuloso se corresse um bocadinho mais e fosse jogador de todas as ocasiões... Que até poderia hipoteticamente vir a ser um bom 10... Sò que ao contrario do que o GB diz, o Gaitan nao era 10 na ARgentina, por isso o que vimos dele foram fogachos dele na posição 10, nao passam de suposições... Ao Benfica não interessam números 10 que perdem a bola em zonas proibidas e ficam à espera que os colegas corram para a recuperar... Esse é o tipo de 10 que eu acho que Gaitan seria... Em cada jogo dava um golo a marcar e um golo a sofrer.

      O Rui Costa era um 10 mas era um 10 moderno... Era um 10 com um sentido táctico excepcional... E aos 34 anos ainda corria no relvado da luz bem mais do que o Gaitan corre aos 25.

      Isto, embora eu ache que o que falta ao Gaitan é um treinador tipo Mourinho, que lhe espicace a auto estima e lhe faça arrepiar caminho.

      Eliminar
    2. Leiam com muita atencao o comentario das 19:29.
      Nao acrescento nada para nao estragar.
      Carlos palma.

      Eliminar

  11. ""Isto, embora eu ache que o que falta ao Gaitan é um treinador tipo Mourinho, que lhe espicace a auto estima e lhe faça arrepiar caminho.""

    Com isto resumo a minha concordância embora quanto a made Benfica eu preferisse mais portugueses mais 4 ou 5 estrageiros de top se mantivessem uma equipa altamente competitiva mas os estrangeiros desde que grandes profissionais são bem vindos.

    E para reiterar a minha opinião direi que para mim o Maxi tem sido nos ultimos anos o verdadeiro jogador à Benfica.

    Abraço

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking