O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


terça-feira, 6 de agosto de 2013

Um dos maiores de sempre de todos os tempos

 ●  8 comentários  ● 

PARABÉNS SR. MÁRIO COLUNA, DIGA LÁ 78!




Eis que chega mais um aniversário de um dos maiores emblemas do nosso clube, um jogador que carregava em campo, e fora dele, a Mística Benfiquista, e foi ele que tomou conta do nosso Eusébio, quando este chegou ao nosso clube. Falo pois do único Sr. Mário Coluna!



No tempo em que os homens tinham barba rija (neste caso era bigode) O eterno capitão será sempre uma das maiores referências do nosso clube. Foi sempre a sua presença em campo que nos impulsionava e cujo poder físico e garra nos levavam a patamares mais elevados. Numa época actual em que o dinheiro mais manda, e faltam valores de referência aos mais jovens, aqui fica o lembrete para aqui virem ver as raízes de como se transportava a vontade de vencer, e uma postura em campo digna apenas dos grandes campeões!

Futebolista português, Mário Esteves Coluna nasceu em 1935, em Lourenço Marques (atual Maputo), Moçambique.

Começou a jogar aos 16 anos na famosa equipa moçambicana João Albasini, passando pouco depois para o Desportivo de Lourenço Marques, filial do Benfica. Em 1954, aos dezanove anos partiu para Portugal, onde foi jogar para o Sport Lisboa e Benfica, primeiro como avançado-centro e depois a meio-campo.

A presença de Coluna na Luz seria preponderante na correlação de forças no futebol lusitano. Até à chegada de Coluna, o Sporting era a maior potência futebolística portuguesa, acabando de conquistar um tetracampeonato que garantia o sétimo título em oito anos. Durante os dezasseis anos que se seguiram, Mário Coluna faria parte das diversas equipas benfiquistas que conquistaram dez campeonatos. Ao abandonar o Sport Lisboa e Benfica, às águias eram as dominadoras absolutas do futebol em Portugal.

Apesar da história de sucesso, a verdade é que os primeiros tempos de Coluna no Benfica foram difíceis. Sem se conseguir impor na equipa, não convencia Otto Glória a jogar como avançado.  Raramente convocado, ponderou abandonar Lisboa, ou mudar de clube.

O treinador brasileiro resolveu então fazer recuar Coluna no terreno e o resto, é literalmente história. Com a sua força, capacidade de técnica, aliada a uma soberba visão de jogo, Coluna começou a comandar a equipa encarnada do meio do campo, tornando-se no pêndulo do futebol encarnado.

Campeão no ano de estreia, voltou a ser campeão em 1957, mas a época dourada seria a de sessenta, onde o seu Benfica conquistou oito campeonatos em dez épocas, além de ganhar duas Taças dos Campeões Europeus em cinco finais disputadas. Um feito que nem Eusébio se pode gabar.

Com o passar dos anos, recuou de dez para seis, liderando as equipas onde jogava cada vez mais de trás, com a sua voz de comando imperial, mantendo intocável a sua capacidade de leitura e distribuição de jogo.

Em 1961 e 1962, sagrou-se bicampeão europeu de clubes e, em 1966, integrou, juntamente com Eusébio, a seleção nacional que conquistou o terceiro lugar no Campeonato do Mundo, em Inglaterra. Entre 1955 e 1968, Coluna somou 57 internacionalizações

Conquistou dez títulos de campeão nacional ao serviço do Benfica (1954/55, 1956/57, 1959/60, 1960/61, 1962/63, 1963/64, 1964/65, 1966/67, 1967/68 e 1968/69) e seis Taças de Portugal (1954/55, 1956/57, 1958/59, 1961/62, 1963/64 e 1968/69).

Na seleção, depois de algumas dúvidas, foi convocado por Manuel da Luz Afonso para se tornar uma das pedras fundamentais de Otto Glória durante o Campeonato do Mundo de 1966.  Em Inglaterra, brilhou a alto nível, ajudando Portugal a conquistar o bronze e ganhando um lugar no onze da FIFA.
Abandonaria a seleção dois anos depois, após ter vestido a camisola das quinas 57 vezes.

Em 1970, foi dispensado pelo Benfica e começou a treinar os juniores, apesar do interesse manifestado no jogador pelo Belenenses e pelo F.C. Porto. No entanto, ainda trabalhou uma época no Olympique de Lyonnais, jogaria apenas por 19 vezes, acabando a carreira finalmente em 1972. Pendurou as botas e regressou a Lisboa mas logo retomou a sua função de formador, pois o cargo de treinador, como fora no Estrela de Portalegre, não o agradou.


Após a independência de Moçambique, Mário Coluna regressou ao seu país, onde foi deputado, e passou a exercer o cargo da Presidência da Federação Moçambicana de Futebol. Em 2002, foi inaugurada a Academia Mário Coluna, em Namaacha, província de Maputo.

Aqui deixamos os votos de um excelente aniversário, seguro de que ninguém se esquece de si como um dos nossos maiores emblemas!

Carrega Benfica, Sintam a Mística!

8 comentários blogger


  1. Vou guardar este post nos meus arquivos.

    Eu de forma singela cumpri o meu dever...aqui:

    http://eddglorioso.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. vamos especular:
    1- jackson vai ser transferido
    2- Cardozo vai rescindir unilateralmente com justa causa, porque a entidade patronal não o deixa trabalhar
    3- ...

    a nossa sorte é que vem aí o mori... e ainda despachamos o mora! Só falta contratarmos também o postiga e oferecer o Lima em troca.
    já não nos vamos poder queixar que temos um ataque forte e uma defesa de merda...

    ResponderEliminar
  3. Grande jogador este Sr.Mário Coluna e não me lembrava do final da carreira dele noutra equipa.O Eusébio também se arrastou por outras equipas no final da sua o que foi lamentável,pois jogadores com este gabarito nunca deviam sair da estrutura do Benfica.Julgo que estes dois atletas,foram os maiores de sempre na história do Glorioso,e reparem que hoje os Benfiquistas gastam muito tempo a falarem dos atuais jogadores do plantel,como eles chegam-se aos calcanhares dessas Glórias do passado.Onde tem o Benfica atual atletas como: Germano,José Águas,Cruz,Simões,José Augusto,Jaime Graça,Michel Perdome,Santana,Chalana,Toni,João Pinto,Mozer,Ricardo,Humberto Coelho e tantos outros.

    ResponderEliminar
  4. Águia Preocupada06 agosto, 2013 17:12

    Um grande Capitão e benfiquista! Este, é um dos que nunca morrerão nas nossas memórias e nas gerações vindouras!
    Obrigado Capitão! Parabéns Sr. Mário Coluna!

    ResponderEliminar
  5. Que mais dizer? Gloria ao Coluna

    ResponderEliminar
  6. José Oliveira06 agosto, 2013 23:13

    Cito Mário Coluna:
    "É natural [que defenda a saída de Jorge Jesus]: se ele não cumpre e não ganha o que a massa associativa exige ... que arranjem outro";
    E: "Fico sempre triste quando o Benfica perde. O Benfica está muito em baixo e já não assisto aos jogos para descansar o meu coração. É melhor saber o resultado no dia a seguir...".
    Palavras de Maio de 2012; palavras de quem ama o Benfica; ao contrário de quem garante a continuidade de JJ, e que apenas olha aos seus interesses nos negócios que o Benfica lhe proporciona.

    ResponderEliminar
  7. Lá está José, este é um Benfiquista "à antiga", não está habituado a perder, e muito menos se acostuma com isso. Tem o Vício de ganhar sempre!!

    ResponderEliminar
  8. MUITO OBRIGADA BENFICAAAAAAAAAA SEMPRE.

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking