O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


terça-feira, 9 de abril de 2013

"Alea jacta est"

 ●  3 comentários  ● 


Portugal, 9 de Abril de 2013

“Alea jacta est”, os dados estão lançados.

No espaço de 3 dias, a equipa principal do Benfica venceu o Newcastle por 3-1 e foi a Olhão quebrar um enguiço que durava há 3 épocas consecutivas, incluindo a época do último título. O plano da equipa foi pois alcançado com sucesso. 

Segue-se nova série de jogos que incluem a 2ª mão do jogo com o Newcastle, onde podemos apurar-nos para as meias finais de uma competição europeia pela 2ª vez em quatro anos, e depois a 2ª mão da meia final da Taça de Portugal contra o Paços de Ferreira que permite algum descanso antes da entrada na recta final da época. O jogo seguinte contra o SCP só acontecerá no fim-de-semana o que garante um período mínimo de 6 dias de descanso.

A nossa equipa tem vindo a ultrapassar os adversários, jogo a jogo, mas continuamos na mesma: ainda não ganhamos nada, podemos não ganhar nada, como podemos ganhar tudo. A concentração da equipa e dos adeptos, o tal 12º jogador, deve pois estar no máximo.

Recuperando os últimos dois jogos, ficou mais ou menos evidente que a equipa com Cardozo é uma coisa, sem Cardozo é outra. Os 2 primeiros golos marcados contra o Newcastle tiveram a sua marca. No 1º golo, é dele o forte remate que obriga o guarda-redes a defender mal, aparecendo Rodrigo com grande sentido de oportunidade, a concretizar. No 2º golo, é ele e André Almeida que pressionam o defesa esquerdo que vendo a sua frente tapada, opta pelo passe para o guarda-redes, onde aparece Lima com sentido posicional apurado, a roubar a bola e concretizar de ângulo algo difícil. 

Estes dois golos são a prova evidente de que no futebol, os golos são resultado do colectivo embora só um possa meter a bola na baliza. Mas sem o contributo dos outros, não consegue fazê-lo. No nosso clube, infelizmente, há uma cultura desportiva que enaltece o “eusébiozinho” que faz o golo, mas não quem trabalha para criar essa situação. Depois dispensamos os que trabalham para criar situações de golo e não percebemos porque razão os nossos heróis afinal não são tanto como se pensava.

Aliás neste caso nem foi preciso esperar muito para perceber esta mecânica. Jesus escolheu a dupla Rodrigo + Lima para Olhão, na minha opinião apenas e só por gestão física. Cardozo jogara 75 mn contra o Newcastle, Lima 30 mn e Rodrigo 60 mn. Ora faltando Cardozo o que é que vimos? Mais do mesmo. Na 1ª parte várias situações de remate à baliza, todas dentro da grande área (já agora este pormenor é importante), mas nenhum golo e com algumas perdidas que se fosse com Cardozo, logo provocavam a urticária do costume, aos do costume.

Valeu na 2ª parte um golo de categoria, de Sálvio, na sequência de jogada de ... contra ataque, que prova que o 4-4-2 é um modelo muito ofensivo que por vezes não funciona. Contributo dos dois avançados do Benfica no 1º golo que decide o jogo? Zero. E no 2º golo? Outro zero. “Ah, mas eles correm e esforçam-se e até quase fizeram golo. Têm é algum azar...”. O Cardozo é que não. Quando falha é porque é lento, é porque é “isto e aquilo”...

O nosso Benfica é um clube de peculiaridades. O que incomoda é que não se aprende nada com os sucessivos erros de análise, prevalecendo sempre as convicções axiomáticas de cada um.

Vem agora dois jogos importantes antes da tal mini pausa para o jogo com o SCP. Em casa do Newcastle vamos ter muitas dificuldades contra o seu futebol atlético e linear. É desejável que Jesus esqueça o 4-4-2 (cada vez menos losango, pelas características de Matic) e aposte no 4-2-3-1, reforçando o meio campo para tentar controlar o ritmo do jogo. Se deixarmos o Newcastle pegar na bola e obrigar-nos a correr atrás deles, vai ser muito complicado.

De seguida sai um mais acessível, pelo resultado da 1ª mão, jogo com o Paços de Ferreira. Do que tenho observado de Jesus, será um jogo sem facilitismos mas com grande rotação de plantel. Não me admiraria ver Aimar, Jardel e Roderick na equipa principal.

Compreende-se: contra o SCP iniciamos o ciclo do ataque ao tudo, ou quase tudo desta época.

3 comentários blogger

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Pois o quase tudo celebraizado pelo Peseiro e que tanto me faz pensar e me mantem com os pés bem assentes no chão...

    ResponderEliminar
  3. O curioso disto é que passam os anos, mas mantém-se a tendência. Porque será que quando vemos um clube com boas possibilidades de ganhar vários títulos, se cria uma euforia irracional e injustificada, que acaba por jogar contra a equipa que é enaltecida? A famosa pressão o que é se não isso? A obrigação de gahar o que os outros também querem ganhar?

    Porque razão jornais e jornalistas enfatizam o que pode ser ganho, mas nunca evidenciam o que pode ser perdido?

    Portugal é mesmo um país de tontos? Ou será que isto não é defeito, é feitio que não leva a lado nenhum mas gostamos de repetir?

    Eu tenho sempre os pés no chão, e pelo contrário, insurjo-me contra a pressão que os midia em conjunto com os adeptos, criam em cima da equipa. E funcionou tão, mal há 2 anos, na meia final com o Braga ... Todos queriam a final, ninguém perdoou a vitória escassa na Taça da Liga sobre o mesmo Paços de Ferreira que depois, com um empate 3-3 roubou ao FCP a possibilidade de igualarem a melhor época de sempre de um campeão, o Benfica de 1972. E depois a equipa jogou tão pressionada que levou um golo de azar, porque nisto (lembremos o exemplo do SCP) quando os adeptos viram as costas à equipa, corre tudo mal ...

    E com esse golo lá se foi a final ...

    Mas não aprendemos, somos pouco inteligentes e o que gostamos mesmo é de alinhar os nomes da equipa que joga amanhã, qual a táctica ou a marca de pastilha elástica que JJ vai utilizar, etc.

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking