O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


30 de dezembro de 2011

Ironias

 ●  7 comentários  ● 
1. O jogador português. O que dizer do iluminismo resultante das Comissões do Relvas, donde ressalta a defesa do futebolista português por via de se dificultar a entrada de estrangeiros em Portugal? Que ignorância a minha em assumir que o mercado sul-americano é uma das fontes de equilíbrio financeiro de Benfica e FCPorto dos últimos anos, muito por culpa dos valores irrisórios das transmissões televisivas... Felizmente o país respira saúde por via da perspicácia da classe política portuguesa, senão era caso para estarmos preocupados com esta medida...

2. Candidatos à LPFP. Triste sina a nossa, agora que o Benfica está finalmente na eminência de descolar dos seus adversários em matéria de valores das transmissões televisivas, nascem como cogumelos os candidatos à LPFP a ostentar a bandeira das negociações colectivas. Deve ser coincidência.

3. Bruno Paixão. Bruno Paixão é o árbitro nomeado para o próximo V. Guimarães-Benfica. Uma das estrelas secundárias do Youtube baptizará assim o regresso do Benfica à competição e dar-nos-á as boas-vindas em 2012. É obviamente um previlégio, desde 4 de Julho de 2003 que deve inspirar confiança a todos os benfiquistas, em particular depois daquela conversa em que Pinto de Sousa dava conta a Pinto da Costa de que também iria tentar alterar a classificação do árbitro de Setúbal de forma a que ultrapassasse Carlos Xistra; «Vamos ver se o pomos a internacional», enquanto que o «grande timoneiro» se mostrava satisfeito e de peito feito dizia «Ele merece».

Dissipadas ficaram as minhas dúvidas em 1 de Março de 2004, mais concretamente quando Jorge Nuno o escolhia para as meias finais da Taça de Portugal; «Acho que pode ser o Bruno (...) Não nos apita há muito». E não é que venceram mesmo em Braga por 3-1? E como esquecer quando a 20 de Setembro de 2010 teve a infelicidade de não ver a mão na bola de Rolando no Nacional-FCPorto e ainda anular 2 jogadas de perigo aos anfitriões por supostos foras-de-jogo que não chegaram a existir?

Um dos «heróis» de Pinto da Costa? Certo é que dias depois desse mesmo Nacional-FCPorto, em 25 de Setembro de 2010, o CM noticiava que o estimado Bruno estivera reunido num bar em Lisboa com Lourenço Pinto, Carlos Ribeiro e Pinto de Sousa, uma constelação de bons rapazinhos como sabemos, reunidos a propósito... da gala dos 100 anos da AF Lisboa, claro está...

7 comentários blogger

  1. O Bruno Paixão e o Carlos Xistra são árbitros temidos por qualquer amante do bom espectáculo. Tantas são as vezes que estragam espectáculos através do seu protagonismo... Podem ser internacionais, mas nunca foram nada de especial...

    ResponderEliminar
  2. A protecção ao jogador português é necessária...mas só para os jovens jogadores.
    E claro que o modelo de negócio actual, em que os clubes portugueses servem de placa giratória entre continentes, não sai beneficiado por esta medida proteccionista....

    ResponderEliminar
  3. Por isso é que quando me vêm com a história de que o que interessa é olharmos para nós e que assim venceremos tudo, eu só posso achar que vivem num universo paralelo.
    O PC já falou mais nos últimos 15 dias que nos 6 meses anteriores. O 'sistema' que tantos dizem não ser motivo suficiente para o deserto de vitórias do nosso futebol profissional, está aí outra vez.
    E agora tem um ponta de lança na FPF. Querem ignorar isso? Ou é apenas por acaso que um dos piores FCP's dos últimos anos tem o mesmo número de pontos que nós na viragem do ano?

    Quanto ao proteccionismo do jogador português, só nos vai prejudicar se fizermos algo que não tenha acção idêntica lá fora. Aplicar algum proteccionismo nas camadas jovens, faz sentido. Mas tentar impor restrições nos juniores, equipas B ou seniores não. Sem haver medidas idênticas nos principais campeonatos europeus, não acho que nos vá beneficiar.

    ResponderEliminar
  4. A unica coisa que o Benfica pode fazer é:

    vigiar e denunciar os paus-mandados que ocupem cargos de decisão nas estruturas com influencia nos resultados. Sem deixar nenhuma de fora. E não ir em manifestações de virgindade de xifrudoa e similares.

    ResponderEliminar
  5. Profissionalizar arbitros?

    E ficam sob controle/responsabilidade de quem?

    Autonomia ou à conta do Estado?

    Se à conta da FPF o que é que muda?

    ResponderEliminar
  6. Acho bem que se estimule a presença de futebolistas portugueses nos campeonatos nacionais, designadamente com a implementação das Equipas B em que todos ganham, os jovens que sobem a seniores e assim conseguem uma transição mais fácil, as assistências nos estádios que aumentam exponencialmente para ver os jovens craques, a visibilidade das ligas secundárias que também aumenta e logo repercute-se nos valores da publicidade, até mesmo as receitas relativas às transmissões televisivas.

    Agora, dificultar a entrada de estrangeiros em Portugal parece-me contraproducente, para mais quando clubes como o SLB investem muito dinheiro na prospecção de modo a que se consiga comprar bom e barato no mercado sul-americano, para se vender caro. Assim foi com Di Maria, David Luiz, seguir-se-á certamente Gaitán. É também bom não esquecermos que as convocatórias para a Selecção Nacional desde há muito deixaram de previlegiar jogadores do Benfica, e debruçando-nos sobre a era Scolari e Paulo Bento, vemos o ex-presidente Madaíl lamentar a “mundialmente famosa” não convocatória do Baía, ainda tecer loas ao Pinto da Costa e por último ver Nuno Gomes e Quim convocados logo que deixaram o Benfica, isto enquanto por lá andavam (e andam) Rolandos e Rúben Micael. Se tivermos de sobreviver dessa montra passamos fome, digo eu.

    Se olharmos para a Estrutura de Proveitos Totais do Relatório & Contas 2010/2011 podemos ler «o peso das receitas geradas com transacções de atletas tem vindo a reforçar a sua importância na estrutura de proveitos totais do Grupo, correspondendo no exercício corrente a 30% do montante das receitas», o que de certa forma demonstra como o Benfica tem vindo a suplantar as migalhas dos contratos televisivos, que representam 7% quando deveriam andar nos 40% de acordo com a média europeia. Agora que estamos na eminência de contar com ambos resolvem acabar-nos com o ganha-pão? Ser do Benfica não é nada fácil...

    ResponderEliminar
  7. O relvas que vá comer na peida mais os seus grupos de trabalho.

    Então agora e com o futebol é que quer/querem condicionar a livre negociação?

    E nos outros sectores, tambem impedem a importação para proteger o produto nacional?

    Cheira a merda esta "divulgação" de intenções não desmentidas.

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB.

ranking