O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Neofascismo

 ●  14 comentários  ● 
Vivemos um tempo de mudança de paradigmas à escala global. Depois da implosão do socialismo soviético, assistimos hoje, à emergência, há muito esperada, dos novos potentados económicos constituídos pela China, Índia, Rússia, Brasil e outros países resultantes da fragmentação soviética. No médio oriente, as convulsões sociopolíticas sucedem-se imparavelmente libertando as respetivas sociedades civis de regimes ditatoriais, dinásticos e alguns teocráticos, rumo, presume-se, à emancipação política das populações, abrindo caminho à instauração de regimes democráticos. Tal realidade, associada à evolução regulamentar do comércio internacional, impõe gigantescos desafios de superação tecnológica e financeira ao mundo ocidental, cujos resultados tardam em surgir. A crise das dívidas soberanas na Europa confronta os respetivos líderes com a imperiosidade de novo salto na integração política europeia, não havendo mais lugar à feira de vaidades e nepotismo em que a europa se transformou nos últimos tempos. 

É neste contexto adverso que o nosso Portugal enfrenta a sua própria crise, consistindo, no curto prazo, no controle da dívida externa e na execução das reformas estruturais que hão-de conduzir, no médio prazo, à promoção do tão ansiado crescimento económico. No entanto, mudanças mais profundas e mediatas terão de ocorrer, sem as quais, eventuais êxitos próximos serão, inexoravelmente, comprometidos no futuro. Tais mudanças, deverão resultar no amadurecimento cívico e político da generalidade da população, com destaque para os nossos líderes; políticos, económicos, judiciais e policiais. Terminado o flagelo da tenebrosa guerra colonial, ultrapassados os excessos do PREC, que, irresponsavelmente, conduziram o País às portas de nova guerra civil e deixaram cicatrizes económicas e sociais que ainda perduram. Instituiu-se, finalmente, uma Democracia política que recolocou o País na rota de crescimento económico e progresso social, iniciado em 1950. 

Consagrou-se a liberdade de expressão, de associação, de ação política, a igualdade de género, de religião e de raça. Liberalizou-se condicionadamente o aborto, legalizou-se o casamento homossexual, massificou-se o ensino, instituiu-se o Serviço Nacional de Saúde, alargaram-se e diversificaram-se os apoios sociais, criaram-se as Regiões Autónomas, procedeu-se à adesão e integração na UE, etc. etc. Tudo isto é verdade, mas, tal como as límpidas águas dos rios arrastam o lixo e a lama das margens, também esta torrente de progresso está toldada de paradoxos e contradições que têm de ser ultrapassados, para que possamos ascender a novo patamar socioeconómico. Não há progresso, mas vergonha e indignação, perante cerca de dez mil pessoas sem-abrigo, perante cerca de dois milhões de pobres, perante uma das maiores assimetrias económicas do mundo, perante a inversão da pirâmide demográfica, perante a continuada desertificação e abandono do interior, perante a fragilidade dos nossos idosos e a impotência e desespero dos nossos jovens, perante o nepotismo que, alegadamente, corrompe, transversalmente, as estruturas do Estado, perante o jacobinismo, o egoísmo, a intolerância, a caça às bruxas, o ódio, que oportunisticamente se estabeleceram em mentes doentias, rancorosas, em permanente “acerto de contas” com o passado, incapazes de conviver com a sua própria incapacidade e com a dignidade alheia. E é neste âmbito que se insere o desporto em geral, o futebol em particular e o nosso Benfica em especial. O fim da “Primavera Marcelista” destapou a “caixa de pandora” e os hipócritas poderes de facto trataram de se vitimizar, espezinhando todos os outros. 

É a isto que eu chamo neofascismo; à semelhança do que se verifica noutros sectores, nomeadamente, religião e economia, também o Benfica e os Benfiquistas têm sido, crescentemente, alvo de intolerância social e institucional, com origem bem conhecida. Os episódios são já demasiados para serem ignorados. O mais recente, do miúdo Benfiquista “aconselhado” a desistir da sessão de autógrafos de atletas do Braga, é mais um episódio sórdido a juntar a tantos outros. Não vou aqui, agora, mencionar todos os que recordo, pois a crónica já vai longa e são mesmo muitos. Mas convido todos os leitores a darem o seu contributo reunindo, pacientemente, todos os episódios que recordem, sustentados em factos documentados ou testemunhados, de intolerância social e discriminação institucional exercida sobre os Benfiquistas ou o Benfica. Poderemos, eventualmente, elaborar um manifesto “antineofascista” ou um “livro negro do neofascismo”, detalhado, o qual poderia ser disseminado pela comunicação social.

Temos que fazer ouvir, a nossa voz perante a impotência ou passividade cúmplice das instituições democráticas. Nenhum progresso será possível tolerando a corrupção, a aldrabice, o chico-espertismo, o roubo do suor alheio, a negação dos direitos alheios e o falso sucesso de que, alegadamente, o futebol é exemplo, suscitando o afastamento inexorável do público. Quem está habituado a ver futebol não necessita de escutas nem de outros testemunhos, para perceber o que se passa num jogo ou nas instituições que o superintendem. Os preciosismos formais que, por vezes, propiciam “convenientemente” a não condenação de alguns arguidos, não impedem que a população formule o seu próprio juízo, quer destes, quer do sistema judicial, quer do próprio regime, sentindo-se defraudada perante a regressão aos métodos do castrante Estado Novo. Os valores Benfiquistas, da excelência, da lealdade, da bravura, da tolerância, da determinação, do respeito e do patriotismo, são os instrumentos do tão ansiado progresso económico e social. Em Portugal ou em qualquer outra parte. Não o ódio, o rancor, a intolerância, a inveja ou a violência. Sejamos, cada um de nós, todos os dias, em nossa casa, nas nossas empresas, com os nossos amigos e adversários, Benfiquistas. Questionemo-nos no final de cada dia, se merecemos o estatuto de Benfiquista.

Um abraço a todos,

14 comentários blogger

  1. Nao ha paragrafos.. doi me a vista de ler.

    ResponderEliminar
  2. Excelente post e espero que todos aceitem este desafio de enumerar todos os atentados e ataques ao nosso Benfica.

    Claro que fazer ouvir a nossa vós nesta organização desorganisada que e a GLORIOSASFERA não é facil.

    Há algum tempo tive a ideia mais alguns Benfiquista que os bloguesse organizassem numa Associaçao ou coisa do genero, que se congressassem forças para em unissono defendermos o clube de todo o sistema mafioso que nos rodeia.

    A ideia não vingou, não sei se por alguns terem receio de perder protagonismo, se por comodidade e outra razão que não descortino.

    Em tempos a união das Casas do Benfica conseguiu levar a efeito algumas tomadas de posição que surtiram efeito e hoje na era da internet onde é possivel sem grandes custos organisar iniciativas a velocidade de um clique, nada se faz. É muito blablabla, cada um por si mas com efeitos nulos.

    Foi só uma ideia, e mesmo sem ter blogue acho que a união faz a força.

    Ainda vamos a tempo.

    ResponderEliminar
  3. Excelente tema.

    E até vem mesmo na hora certa...para desanuviar e falarmos de outras coisas.

    ResponderEliminar
  4. E nem um Post sobre a situação do Carlos Martins?? Um grande Abraço para ele!

    Será que não haverá guerra de empresários? quantos jogadores existem na selecção sem ser do Jorge Mendes??


    O Futebol Bipolar onde a análise da actualidade futebolística é feita por 2 amigos de Clubes Rivais e gostariamos de propor a troca de link.
    Fica o Link para partilha:

    http://futebolbipolar.blogspot.com/

    Os nossos cumprimentos,

    ResponderEliminar
  5. "...instituiu-se o Serviço Nacional de Saúde, alargaram-se e diversificaram-se os apoios sociais, criaram-se as Regiões Autónomas, procedeu-se à adesão e integração na UE, etc. etc...."

    O grande problema é que tudo isso foi edificado sem sustentabilidade económica, sem criação de riqueza e sem produtividade do país. Um dia teria de estoirar.

    Quanto ao resto? São: 16 anos de Republica facínora; 48 de Republica de ditadura; 36 de republica democrática de LADRÕES!!!

    Almada-ZAu

    ResponderEliminar
  6. bem visto, haveria tanto para dizer...
    morte ao neofascismo!

    ResponderEliminar
  7. 4 séculos de uma monarquia decrépita, intolerante, provinciana, que perseguiu judeus e árabes, que ostentava com as riquezas exploradas no novo mundo e em vez de desenvolver o país nos condenava ao atraso sócio-económico

    ResponderEliminar
  8. António Barreto17 novembro, 2011 18:42

    Obrigado a todos pelos comentários;

    Caro anónimo das 1001; Arrisquei, excepcionalmente, um texto extenso a troco de maior amplitude e extensão da contextualização do futebol. É que, anda por aí muita “gandulagem” que age como se o futebol fosse uma ilha de atrasados mentais.

    Caro Conde; Julgo que devemos insistir na denúncia do Neofascismo. Parecem-me boas as ideias que sugere; constituir, ainda que a título experimental, a União dos Blogues Benfiquistas ou, a União das Casas do Benfica. A questão seria a de como fazê-las funcionar com eficácia. Já em tempos propus na “Tertúlia” o Movimento de Cidadania Benfiquista, que poderia integrar tudo isso.

    Caro Viriato; obrigado.

    Caro Bruno; Carlos Martins merece toda a nossa solidariedade e apoio. Esta crónica foi iniciada anteriormente. Se não sair uma crónica a propósito, fá-la-ei eu. Quanto à “nossa” Seleção, gostei da vitória, apesar das trapalhadas que por lá se verificam. Parece-mo óbvio que há certos “figurões” que se apoderaram dela em seu próprio benefício razão pela qual muita gente está de “pé atrás”.

    Caro Almada; Até 2000, os ganhos de produtividade mantiveram-se em linha com a média geral. O que falhou foi a competitividade devido ao maior aumento relativo dos encargos correntes. E os Governantes não foram os únicos responsáveis; sobretudo, as corporações que detêm algum poder de rotura não hesitaram em garantir para si regalias incomportáveis, e injustas face aos restantes trabalhadores. Quanto aos “ladrões”, a nossa justiça está totalmente descredibilizada, na opinião dos Portugueses.

    Caro António Maia: Fim do neofascismo.

    ResponderEliminar
  9. Este autẽntico manifesto de cidadania,tem muito que se lhe diga,e sobretudo serviria como um excelente motivo para uma discussão muito mais abrangente !

    Sinceros parabens pela clareza e lucidez como expós uma matéria tão sensível mas que carece cada vez mais de ser discuta com verdade!

    ResponderEliminar
  10. As novas vestes do fascismo já circulam e... há muito.

    Aliás nunca sairam do guarda-fato.

    ResponderEliminar
  11. Excelente artigo de opinião que resume com grande factualidade a história recente do mundo e do nosso país. A conclusão que envolve o Benfica, é de elevado nível analitico, pois é uma realidade que se constata a olhos vistos.

    Contudo não vejo o problema apenas fora do Benfica. Entendo que qualquer instituição, agremiação, associação etc, para se respeitar, tem de se dar ao respeito. O que as pessoas que mandam no Benfica têm feito é precisamente o contrário.

    E como não quero manchar pelo debate, a excelência do texto, fico-me por aqui, pois sei que iria ferir muitas sensibilidades. Mas repito, parabéns ao autor de tão eloquente e de fácil leitura, texto.

    ResponderEliminar
  12. Ainda em relação a este excelente artigo do António Barreto, e no sentido de complementar o mesmo, gostaria de partilhar convosco um excelente comentário do enorme bernfiquista Pedro Ribeiro que numa crónica muita assertiva retrata-nos uma Europa,que está no seu "Final Countdown".

    Um dia, contaremos aos netos histórias do tempo em que a Europa tinha uma moeda única, e não era preciso passaporte para viajar de Portugal até à Ucrânia, atravessando toda uma Europa Única.
    Essa Europa faleceu, paz à sua alma.
    Eu, que sempre acreditei no projecto europeu, com respeito pela idiossincrasias de cada país, claro, mas também com uma noção vasta de pertença, tenho pena É uma tragédia. Faz-me alguma impressão concordar com Sarkozy, mas ele dizia, um destes dias, que a União Europeia é antes de mais uma garantia da Paz no Velho Continente, e eu acho isso também. Claro que ele disse isto no intervalo de mais uma conversa com a Sra. Merkl, a combinar as regras de uma Europa de 1ª,classe clube privado, no eixo Paris-Berlim.
    Penso que os cientistas políticos, sociólogos, historiadores, jornalistas, economistas e filósofos têm muito para estudar, daquilo que esta Europa foi, sonhou ser e afinal será, daqui para a frente; quando deixar de ser esta coisa nenhuma que agoniza a cada dia.
    Impressiona que, por essa Europa fora, não haja um Líder politico que inspire, mobilize, tenha uma visão humanista e ao mesmo tempo realista, para salvar a ideia da União Europeia. Só temos, em Estrasburgo, Bruxelas e por toda a Europa, políticos amorfos, cinzentos, todos uns iguais aos outros, com um pé na política e outro na alta finança; cada um com o seu altar de adoração à entidade "mercados", politicos que, na sua esmagadora maioria, parecem viver a sonhar com o que vão fazer quando deixarem de ser só políticos. E neste marasmo não vejo nem direita nem esquerda, só uma enorme massa de gente conformada demais. No fundo só há ou espertalhões ou ingénuos.
    E depois há os próprios cidadãos. Impassíveis. Numa Europa que nos deu a cultura, a arte, o conhecimento, séculos a fio, agora não há ninguém ao nível dos chefes europeus, que se distinga pela inteligência, capacidade de acção em tempo de crise, rasgo. Não há ninguém que "vire a mesa".
    A Europa como a conhecíamos já morreu e ninguém lhe disse.

    ResponderEliminar
  13. António Barreto18 novembro, 2011 18:27

    Caro Red: Importa não perder a perspetiva da floresta. O descalabro a que o país chegou já se anunciava, há muito, no futebol. Não partilho da visão do nosso Pedro Ribeiro sobre a Europa. A integração Europeia e a moeda única colocaram novos problemas para os quais se procuram soluções, que acabarão por chegar, propiciando novo salto qualitativo. É próprio do progresso das sociedades humanas. O grande salto a dar é a integração política. Mais tarde ou mais cedo terá que ocorrer. Quanto a Portugal, venceremos mais esta crise, saindo dela com maior maturidade política. Importa minimizar os danos sociais.

    Caro maltês: Tais protagonistas saíram do guarda-fato logo em 74 e andam por aí travestidas de democratas, como é o caso do Costa.

    Caro eagle: Obrigado. Não se coíba de criticar o nosso Benfica. É com ela que se evolui desde que inteligente e construtiva.

    Um abraço a todos

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking