O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. novogeracaobenfica@gmail.com


quarta-feira, 6 de julho de 2011

A questão "Torre de Babel"

 ●  6 comentários  ● 
O plantel de futebol do Sport Lisboa e Benfica é um "chorrilho" de nacionalidades, com predominância para argentinos e brasileiros (cerca de 13 jogadores ao todo). Portugueses são uma minoria. É lógico que a lei do futebol dita a internacionalização dos plantéis. Porém, o Benfica, e é isso que nos importa, tem estrangeiros a mais, o que vai obrigar a uma redução a eito no grupo e com isso ir-se-ão perder bons elementos. Isto demonstra, a pouco tempo da Champions League, uma total desorganização! Ter de emagracer o plantel não por imposição técnica, mas sim por imposição legal é a demonstração cabal de uma total falta de critério no que toca à escolha de jogadores. Adquirir jovens estrangeiros de 19/20 anos para o plantel em catadupa em vez de abrir vagas para jovens portugueses, formados no Seixal de preferência, é um gasto desnecessário e limita as nossas hipóteses no âmbito técnico! Dou um exemplo: o tal de Mário Rui. Qual a diferença entre ele e Carole indago. Entre Melgarejo/Kardec e Nelson Oliveira. Ou até mesmo entre Matic e Nuno Coelho. Entre Jardel e Miguel Vítor. Estrangeiros teremos de ter sempre, é lógico. Mas não podemos viver encurralados no seu elevado número e obrigar o treinador a escolher um português só porque sim! Por exemplo: supondo nós que José Moreira seria indubitavelmente um guarda redes menos capaz que Júlio César (algo que não acredito), o brasileiro vê o seu espaço no plantel diminuido porque é... estrangeiro. E porque os demais quarda redes são... estrangeiros. O mesmo se passa com Urreta por exemplo. Teve um bom empréstimo. Mas... as hipóteses são reduzidas. Não porque não tenha capacidade, mas sim porque é... uruguaio. É bem verdade que é bom a dificuldade na escolha. Indica alguma qualidade! Mas não em todos. Mas também é verdade que alguns dos estrangeiros são desnecessários, porque um português faria o seu lugar na perfeição. Caso de Carole, Jardel ou de Matic...

É uma questão importante esta. Estamos à beira de adquirir Garay (algo que ensombra o "poder negocial" de LFV) e o titular da faixa esquerda também será estrangeiro! Catorze meses depois dos festejos do Marquês ficámos sem meio 11 titular. Com ganhos de tesouraria é certo (não tantos como os que poderiam ter sido), mas sem substitutos à altura. Tínhamos tido tempo de acautelar todas as posições. Porém, optou-se pelo desbragado gasto de dinheiro sem critério! E entende-se agora, por exemplo, no ano passado a dispensa de Urreta, ficando assim sem extremos. Muitos não compreenderam JJ. Mas explicação pode ter passado por aqui! O mesmo sucedendo com Rodrigo. Por exemplo... E outros que tais!

A mim decepciona-me a visão de o Sport Lisboa e Benfica, um clube enraizado no povo português, entrar em campo sem um único luso (algo que certamente será recorrente). Não pretendo 11 nacionais. Mas metade, metade seria exequível! Ou no mínimo 3...

Chegar ao estágio sem ter definido cerca 80/85% do plantel, estando com um excedente enorme, com jogadores que só lá vão encher e outros que só lá estão porque não há centrais... É mau! muito mau! E temo que JJ invente de novo, ao apostar em Javi para central, tendo Miguel Vítor e Roderick. Se é para isso, não valia a pena chamar Roderick dos sub20! Ter mais do que uma solução no plantel e apostar numa adaptação (temporária) é falta de confiança nas próprias escolhas!

6 comentários blogger

  1. Sangue Vermelho06 julho, 2011 20:30

    Pois. Eu nunca vi o Nuno Coelho jogar nem o Matic. Mas ontem no treino eu vi Matic e Nuno Coelho esse nao o vi. E o Matic até mostrou dois ou três bons pormenores. o Mi.Vitor estou de acordo com sigo tem capacidade para tirar o lugar ao Jardel mas o Carole pode ser emprestado guardando assim peixoto ( --' ) e outro estrangeiro ( --' )

    ResponderEliminar
  2. nao, nao seria exequivel.

    quem e que teria la lugar?

    o miguel veloso? o duda? o hugo viana?

    ha cada vez menos jogadores portugueses com nivel para o benfica, devido a ridicula regra que permite os brasileiros serem equivalentes a portugueses na nossa liga. ha menos de 45% de portugueses nos planteis da liga.

    ResponderEliminar
  3. Bom post, embora não concorde com algumas coisas, como por exemplo a "embirração" com o Carole. De resto, e de acordo com o regulamento da liga, creio que no caso do Urreta poderá ser inscrito como jogador formado localmente, já que para tal necessitaria de ter sido inscrito na liga 3 anos entre os 15 anos de idade e os 21(inclusive). Assim, como esta seria a sua 3ª inscrição pelo benfica, acho que ficamos com menos essa limitação.
    Quanto ao Garay é mesmo esperar para ver, e depois sim poder considerar bom ou mau negócio.
    cumps

    ResponderEliminar
  4. que nervosismo.!!!
    andais a ler muitos pasquins. Calmex.

    ResponderEliminar
  5. Águia Preocupada06 julho, 2011 23:01

    A questão dos estrangeiros sempre me causou engolhos! (Lembro de num já longínquo 1º de Abril a mentira ser a inclusão de um estrangeiro no Benfica! Isso doeu-me até às lágrimas!)

    Mas desde que o futebol se tornou nesta máquina infernal de fazer dinheiro e que surgiu essa classe execrável que são o empresários, tudo se desmoronou! Desde empresários, presidentes e jogadores, tudo gira à volta do vil metal e todos se tornaram mercenários.
    Com a legislação que deu dupla nacionalidade aos brasileiros, a coisa baralhou-se por completo e a formação e propecção em Portugal deixou de ter qualquer valor porque não as comissões são nulas!
    É facto que o país é pequeno e que não oferece por isso uma escolha muito alargada. Mas se prospeccionarem com atenção e profissionalismo, será que não encontram mais: José Augusto, Simões, Bento, Humberto Coelho, Pietra, Toni, João Alves, Chalana, Nené, Diamantino, Carlos Manuel, Victor Paneira, João Pinto, Rui Costa, Coentrão, António Oliveira, Jaime Pacheco, Fernando Gomes, Fernando Couto, Ricardo Carvalho, Manuel Fernandes, Jordão, Futre, Figo, Ronaldo, Dani e tantos, tantos outros que fizeram e fazem história e em nada desmerecem o valor de outros craques estrangeiros?!
    Aqui nestes nomes, estão diversas gerações que só tiveram hipóteses porque lhes deram a oportunidade de mostrar o seu valor e evoluir!
    E quantos valores não se perderão, porque hoje mais depressa se procura um jogador mediano na América do Sul, com todos os riscos e barretes e não se arrisca NADA! NADA! no jogador português!?
    Procurem, que encontram...
    Devia legislar-se como há uns anos em que havia a barreira de utilização de 4 (salvo erro) jogadores estrangeiros e em que os brasileiros deviam contar como estrangeiros! Veriamos se surgiriam ou não grandes jogadores portugueses!

    ResponderEliminar
  6. Não se percebe muito bem o porquê de tanto alarido por se ter chamado o Roderick...enfim preocupam-se com coisas que nao tem qualquer tipo de importancia, para mim o MVitor mas ao que parece o JJ embirrou com ele mas pronto o que interessa agora é se contratar um bom lateral esquerdo que é o que falta neste momento!!!

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking