Reverter um Acordo com... um Reconhecimento
O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Reverter um Acordo com... um Reconhecimento

 ●  + 3 comentários  ● 
Há uns meses atrás, fruto de uma referência que já vinha de Jorge Jesus, e também de uma excelente iniciativa de Jorge Mendes, o Sport Lisboa e Benfica, pela mão de Luis Filipe Vieira contratou Javi Garcia, oriundo do Real Madrid e pela "galáctica" verba de 7M€.

Todos, absolutamente todos sem excepção, e podem agora vir os mais puritanos "yes man" e os mais prestativos "lambe cús" vir dizer o contrário, mas todos os benfiquistas questionaram a elevada verba como despropositada e um investimento excessivo.

Do Benfica, e avisadamente face a desaires passados, ninguém se atreveu defender o valor investido, deixando o tempo rolar e, talvez, compreendendo a dúvida que deixaria o passado recente de Javi Garcia, perante tamanho investimento.

Os mais prestativos rapidamente inventaram que os 7M€ incluiam os salários e mais não sei o quê, procurando antecipar justificações que não faziam qualquer sentido. O facto é que o jogador custou 7M€ e em boa hora alguém teve a coragem de o fazer, pois tudo o que o ex-jogador do Real Madrid e Osasuna precisava era de um Clube da dimensão do Benfica e um treinador da categoria de Jorge Jesus par fazer despontar todo o talento que tem enchido os relvados onde o Benfica joga.

Como li hoje num blog, sim... Javi está ao nível do ENORME Jonas Magnus Thern, aquele nº6 colossal que enchia o campo do Benfica e da selecção sueca no final década de 80 e início da década de 90. Javi é, possivelmente, o que de melhor vimos passar na posição de nº6 nos últimos anos em Portugal e na Europa.

Confirma-se, com Javi Garcia, a teoria de são os grandes treinadores que fazem os grandes jogadores. São treinadores como Jorge Jesus que potenciam abissais craques como DiMaria, Aimar, Javi Garcia, Saviola, Cardozo, David Luiz, Coentrão, etc... como Trapattoni fez com Luisão, Simão ou mesmo a outro nível inferior com jogadores medianos como Bruno Aguiar, Karadas, mesmo Fernando Aguiar. Ou ainda, voltando a excelentes jogadores, como Mourinho fez com Paulo Ferreira, Bosingwa, Maniche, Costinha, Deco, Ricardo Carvalho, etc.

Destes treinadores em diante... tudo muda para estes jogadores. Os mais efémeros sabem beber desta dádiva mas não a sabem fazer perdurar (Paulo Ferreira, Maniche, Costinha, Quaresma, etc.), mas outros há que estes treinadores são apenas o que os separa de uma carreira de topo no futebol Mundial.

Diz-se à boca pequena (logo, não confirmado) que do compromisso com o "predador mercenário" Jorge Mendes faz parte um Acordo de Cavalheiros assumido por Vieira de que a partir de 22M€, o Javi Garcia terá a porta de saída facilitada para Inglaterra ou mesmo para o regresso a Espanha.

É certo, no momento actual, que o Benfica tem matéria-prima (treinador e jogadores) para ir longe nos próximos três anos. O desejo de Eusébio de reviver a vitória numa final Europeia está mais perto. Não está, de todo, atingido... muito longe disso. Mas está mais perto...

Está à distância de darmos a este grupo todas as condições necessárias para em três anos lá chegarem. Por condições entendo, principalmente, dois vectores:

1. Continuidade da política de antecipação das necessidades e expectativas dos jogadores em termos, essencialmente, financeiros. Quer queiramos quer não, um jogador que ganha, pode ganhar ainda mais e é bem pago... é um jogador estável e menos sujeito a pressões de empresários e clubes estrangeiros.

Este factor, durante muitos anos prometido por Vieira, mas poucas vezes cumprido é hoje uma realidade e o Presidente merece o meu aplauso por isso. Em boa hora o viu ou permitiu ser convencido por Jorge Jesus desse facto.

Essa política é para ter continuidade e não podemos de todo nesta hora fechar os olhos a esta realidade, num quadro nunca superior a 3 anos, momento em que teremos que estar já, numa óptica de continuidade (o 2º ano de cada ciclo é o ano onde se introduzem as "novas peças") estratégica. Ou seja, 1º ano de estruturação, 2º de consolidação e preparação, 3º de glória total e abertura de portas à renovação (nunca superior a 1/3) do plantel.

Há, neste ponto, muitas variantes que podemos considerar, como seja a saída anual de 1 ou 2 jogadores, mas eu prefiro a abordagem de ciclos de vitória acima descrita.

2. Organização interna do Clube, inteiramente orientado para a protecção, controlo e gestão dos activos (treinadores e jogadores). É absolutamente vital garantir mecanismos de protecção e gestão dos jogadores perante os adversários, os inimigos e... eles próprios, os jogadores.

O activo "jogador de futebol" é alguém naturalmente exposto a muitos oportunismos e experimenta, se quiser e/ou deixar(em), praticamente todos os "sete pecados mortais".

O SLBenfica é cada vez mais um empresa/clube que tem que evidenciar uma efectiva preocupação com a gestão dos seus activos. Em tempos aqui falei amiudadas vezes dos mecanismos a implementar, definir e comunicar. Estão disponíveis e consultáveis no Dossier Benfica by GB na barra lateral do blog.

São factores como esses que fazem a diferença entre um Fábio Coentrão focado na maximização do rendimento ou... na maximização do "estatuto" de futebolista. E quem diz o Fábio diz outros que já por cá passaram e se perderam ou outros que ainda não chegaram.

São factores como esses que fazem a diferença entre sermos vítimas em terreno hostil e inimigo, como fomos em Braga, ou sairmos desses sítios como vencedores.

É absolutamente vital que também esta vertente de organização seja cada vez mais da atenção da estrutura do Clube. É algo que Rui Costa conhecerá bem, talvez (ainda) não tão bem como é necessário... mas que tem que ir cada vez mais longe, que tem que ir cada vez mais fundo, que tem que ser cada vez mais pro activo e menos reactivo.

Traçados estes dois vectores que, acredito, levarão o Sport Lisboa e Benfica a, pelo menos, uma final Europeia até Maio de 2012, regresso a este propósito ao tema do Javi Garcia para pedir ao Presidente que, como fez com os demais pilares da equipa, e incluindo sempre o Jorge Mendes neste enquadramento, possa alterar esse alegado Acordo dos 22M€ (que ainda assim representaria uma valorização de 300% do nosso investimento) pelo reconhecimento da valia do jogador, introduzindo no enquadramento contratual do Javi Garcia um incentivo de permanência (não necessariamente um "aumento" directo) no clube por mais 2 anos.

Javi Garcia não será, porventura nenhum dos outros, o último e melhor do Mundo na respectiva posição. No futuro do Benfica passarão seguramente outros jogadores que no nosso Clube crescerão e demonstrarão toda a sua classe...

... Mas o meu ponto de análise é que o enorme esforço e dedicação demonstrada por estes para quem o saboroso título nacional se começa a tornar uma proforma... e começam a demonstrar merecer a curto prazo voar mais alto e inscrever o seu nome e o do Benfica na história do futebol Europeu e Mundial.

É NO BENFICA QUE OS QUEREMOS VER VENCER!
É esta maravilhosa onda vermelha que os Benfiquistas têm de continuar a ajudar e a engrandecer o Clube. É do pequeno contributo de cada benfiquista que se fará sócio, que marcará presença na Luz e que utilizará os serviços dos nossos parceiros (e lojas) que o Benfica irá suportar (também) a capacidade de tornar este meu desejo possível.

VIVA O BENFICA!

3 comentários blogger

  1. Boas.

    Quero dizer que gosto da forma como falas do nosso Benfica, não escreves só para apontar erros, fundamentas a ideias e apontas soluções, sejam as certas ou não já é outro assunto. Por isso parabéns, é um prazer passar por aqui diariamente.

    Dizes "mas eu prefiro a abordagem de ciclos de vitória acima descrita."

    Só quero acrescentar que se somarmos títulos consecutivos será mais fácil manter os bons jogadores, nessa óptica não precisávamos de perder 2 jogadores por ano. Neste mandato do LFV nota-se diferenças, mas será que são obra dele? Lembro de nas últimas 4 apresentações de treinador ele dizer que este era o treinador para o futuro e para este projecto, projecto esse que se foi vendo que não havia, pelo menos no futebol para ser campeão. Será obra do Rui Costa?

    ResponderEliminar
  2. Boas GB,
    Mais uma vez um grande post!!!
    Só um aparte, sabes alguma coisa do Ibrahim Rabiu da lagartagem estar a caminho do nosso GLORIOSO??'é que tenho ouvido para ai uns boatos...

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários.
Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.
Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado.
Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking

recentes

Mensagens populares