Talento Made In Escolas da Luz
O Novo Blog Geração Benfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


sábado, 16 de fevereiro de 2013

Talento Made In Escolas da Luz

Avatar
 ●  + 78 comentários  ● 

A cena repete-se. De cada vez que o Benfica aparece interessado em algum jogador Sul Americano, Chinês ou Sérvio, aparecem os patriotas lusitanos para lembrar todos os craques portugueses que temos cá dentro e espalhados por esse mundo fora, à espera de uma oportunidade de brilharem.


A ideia que querem passar é que talento “Made in Escolas da Luz” não falta, o que falta é coragem de apostar neles. Eu, sinceramente, continuo curiosíssimo em saber onde anda esse talento. Tal como num post que escrevi aqui há tempos, continuo à espera que me digam o nome de UM jogador português que o Benfica tenha tido nos seus quadros nos últimos anos, dispensado por nós e que depois tenha singrado ao mais alto nível noutro clube.

Se os houvesse, então sim, teria de dar muito maior credibilidade às criticas do que defendem tais ideias, mas a verdade é que não há. NÃO HÁ UM! A não ser que um jogador jovem talentoso dos quadros do Benfica só possa singrar no Benfica. A não ser que jogadores como Nélson Oliveira, se são realmente os craques que muitos vaticinam, só estivessem destinados a ser craques se jogassem na Luz e não tenham obrigação de se impor num clube como o Corunha, aliás, para onde foi porque pediu.

Nada tenho contra o rapaz e continuo, claro, a desejar que o seu talento desabroche mas, às vezes é mesmo preciso ir buscar estes exemplos para que alguns críticos percebam que o defeito não estava cá dentro, quando estes “craques” jogavam menos do que os críticos julgavam que mereciam jogar. Foi assim com Nélson Oliveira, foi assim com Roderick, foi assim com Nuno Gomes, foi assim com Quim, foi assim com Moreira, foi assim com Ruben Amorim. Tão bons que eram e tão alvos de injustiças eram quando jogavam de vermelho, que saíram pois para outras paragens mas a sua sina não se alterou.

Mas quando o Benfica aparece interessado num jogador como Di Maria ou Djuricic aparece então a lenga lenga do costume: Ah e tal, não apostamos nos nossos jovens “craques” mas apostamos depois em jovens craques de outras paragens! É as comissões, sempre a merda das comissões! E é aí que estas criticas perdem toda a credibilidade: Porque esta gente quer comparar um jogador de 21 anos português que nem no Corunha consegue fazer um jogo a titular, com outro jogador de 21 anos já “figura” na sua equipa e presença habitual na seleção do seu pais, ou com um argentino que aos 18 anos já tinha 36 jogos jogados pelo Rosário Central.

É que muita gente não percebe que os tempos mudaram. Muita gente ainda vem para aqui lembrar os Chalanas e os Ruis Costas, como se, jogadores como esses não tivessem hoje oportunidade de jogar no Benfica. Pois claro que teriam, como oportunidade tiveram André Gomes, André Almeida ou Fábio Coentrão. O talento tem sempre oportunidade, o que não tem é de ser forçosamente português.

Esta gente é injusta e devia ser mais séria quando aborda tais temas e compara realidades incomparáveis. Porque esta gente sabe bem que há 20 ou 30 anos o Benfica era maioritariamente português porque assim TINHA de ser. Esta gente sabe bem que nesses tempos ainda não havia Lei Bosman! Esta gente sabe que no 11 do Benfica só podiam jogar 3 ou 4 estrangeiros e apenas 6 poderiam ser inscritos. MAS NÃO ERA ASSIM SÓ NO BENFICA. ERA ASSIM NA EUROPA TODA! Esta gente sabe que se o Eusébio fosse 60 anos mais novo a estátua não estava na Luz! Estava em Madrid!

Esta gente sabe que no passado, o máximo que um jogador português poderia aspirar era a fazer carreira num grande clube português. Esta gente sabe que a Europa do futebol só estava aberta aos jogadores realmente de eleição, ao contrario do que acontece agora, em que qualquer miúdo que dê meia dúzia de pontapés na bola, tem as portas abertas em qualquer clube do mundo.

E se aqueles que mais críticos são em relação a estes assuntos parecem ser quase sempre mais velhos que eu, parece-me mais grave ainda. Porque isto é gente que sabe que durante anos, a jogar na Europa rica do futebol só andava um português solitário de nome Paulo Futre, ao qual se seguiu um outro de nome Rui Barros. Antes tinha sido Chalana mas, os emigrantes acabavam aí. Eram dois!! Pois onde jogavam então os outros portugueses, os Paneiras, os Rui Águas, os Velosos ou os Jaimes Magalhães? Em Portugal evidentemente, pois onde raio poderiam eles jogar?

E por isso eu chamo de desonestidade intelectual querer misturar tempos tão diferentes em quase tudo. É que até parece que foi só o Benfica que se internacionalizou. Até parece que no Arsenal e no Manchester City jogam muitos ingleses ou que no Real Madrid jogam muitos espanhóis. Jogam alguns sim mas, são poucos e são a elite, porque de facto são clubes que podem segurar os seus melhores talentos, que não estão a pedir para sair para outras paragens assim que o primeiro avião carregado de euros lhes zumbe ao ouvido!

E não perceber isto, não perceber os sinais dos tempos, é não perceber porra nenhuma! Porque esta gente julga que um Nélson Oliveira é diferente de um Di Maria. Esta gente julga que o Nélson Oliveira, ainda que fosse o craque que ainda não mostrou ser, ficaria no Benfica toda a vida só porque o Benfica lhe corre nas veias! E é aí que está o engano, porque na hora em que os tubarões europeus apertam o cerco (que nem precisa de ser tubarão, basta ser um qualquer clubezito russo desde que "bata o carcanhol"), tanto faz chamar-se Nélson Oliveira, como Fábio Coentrão ou Di Maria... Ou Miguel, Manuel Fernandes, Hugo Leal, Tiago ou Edgar: Dão-nos um pontapé no cú à primeira oportunidade! Esta gente julga sempre que o clube deve tudo aos jogadores e os jogadores nunca devem nada aos clubes!

Se eu quero mais jogadores portugueses no 11 do Benfica? Claro que quero! DESDE QUE O SEU VALOR JUSTIFIQUE A SUA PRESENÇA. Se sentirem o Benfica desde pequeninos tanto melhor, mas tal não tem de ser obviamente um requisito.

É hora de perceber que os tempos mudaram. É hora de perceber que a cultura do Benfica é ganhar, bem mais do que a nacionalidade dos seus jogadores.

78 comentários blogger

  1. Pedir aos outos para serem sérios, e acusá-los de desonestidade intelectual, depois dum post destes, é, no mínimo, risível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rirrrrrrrrr és tu que me fazes rir com este comentário que não acrescenta nada... apenas vejo um tonto a rir sem saber de quê.

      Eliminar
    2. Ok, talvez o termo seja um pouco forte mas, isto como sabes é um blogue, nada tem de pessoal porque ninguém se conhece, não tem por objectivo ofender ninguém.

      Eliminar
  2. Concordo plenamente. Nunca estive tanto de acordo, como estou agora

    ResponderEliminar
  3. Concordo plenamente. Nunca estive tão de acordo, como estou em relação a este post.

    ResponderEliminar

  4. Se o Javi e o Witsel não tivessem saído nunca terias visto a qualidade dos Andrés.

    Assim como dizer que não há qualidade na equipa B é não perceber nada de futebol como já uma vez aqui confessaste.

    Olha, o nosso melhor defesa esquerdo joga na B e fico por aqui porque ainda lá há mais mas se não saírem da equipa B munca saberás da sua qualidade.

    O Di Maria andou a primeira epoca a pastar como poderia andar o Nelsom e andarão outros.

    O Rodrigo já vai na segunda e não encaixa e quantos tiveram tantas oportunidades????

    Do que JJ gosta vê-se à vista desarmada mas há alguns que não querem ver.

    Que tal o Rodorigo Mora????

    Só ao fim de 3 anos viu a qualidade do Urreta????

    Se JJ não fosse parvo não tinha vindo mais uma vez reclamar a tecnica do golo que o Cardoso marcou agora no Bayer.

    Deixem-no lá estar que vão vendo titulos e euros a fugir do Benfica.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Piada do ano: Olha, o nosso melhor defesa esquerdo joga na B e fico por aqui porque ainda lá há mais mas se não saírem da equipa B munca saberás da sua qualidade.

      Eliminar
    2. No caso do Javi e do Witsel, não me importaria de não ver tão depressa as qualidades do André Almeida e do André Gomes.

      Eliminar
    3. Concordo com o Simões. Não me importava de não ter visto ainda os Andrés se o Benfica fosse um clube com capacidade de manter o Witsel, o Javi e todos os seus melhores jogadores.

      O Di Maria andou a pastar com 19 anos. Não andou a pastar com 21! O DI MAria aos 21 anos tinha 100 jogos de futebol senior! Quantos tem o Nelson Oliveira?

      Quanto às análises que fazes de jogadores, são sempre subjetivas: Eu também vejo qualidades em Rodrigo Mora e gostava que tivesse ficado mas, são opiniões. Sinceramente, defesas esquerdos na B... não vejo, mas isso sou eu que não percebo nada de futebol.

      De futebol percebes tu. Aliás, já mudaste de opinião em relação ao Lima? Ou ainda continua a não passar de um chavelho como aqui escreveste?

      Eliminar
  5. Sublinho.

    Já agora, aos defensores dos excelentes jogadores portugueses (que são excelentes porque são portugueses): onde é que anda esse guarda-redes fenomenal que dá pelo nome de Moreira e que o Jesus encostou tão injustamente?

    E a gente vai ver onde é que vai chegar o Nélson Oliveira, o Miguel Rosa, o David Simão e o Roderick...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Craque Moreira foi para o Swansea e não jogou um jogo que fosse. Depois saiu do Swansea e ficou desempregado! Parece que agora voltou a assinar por um clube qualquer, não sei se é O Manchester United ou Barcelona. Ainda está no segredo dos Deuses.

      Eliminar
  6. Excelente post. Conciso, objectivo e muito bem fundamentado.

    ResponderEliminar
  7. Só um acrescento porque anda por aí muita confusão... O André Gomes e o André Almeida não são da formação do Benfica. O André Gomes veio com 17 anos e o André Almeida com 20...

    ResponderEliminar
  8. Brilhante Redmoon. Assino por baixo mas já sabes vais levar uma serie de criticas dos muito entendidos do futebol que sabem tudo.

    P.S- Temos alguns talentos nos jovens isso é obvio mas estão muito longe de poderem ser titulares da actual equipa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este blogue podia ser mais pacífico? Eh pá, poder podia, mas não era a mesma coisa:)))

      Eliminar
  9. mais uma vez red, estou contigo! Os tempos são outros e o SLB tem que tirar partido do tempo presente... abraço

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  11. Discordo totalmente do post...eh pá, não temos talento aos pontapés mas vamos tendo...um jogador para evoluir tem de jogar, de pref em campeonatos competitivos e ter uma excelente preparação mental...casos práticos:
    João Peixe: Excelente jogador que teve uma carreira mediana...porquê? Lesão num momento crítico e a infelicidade de o Benfica não o deixar sair na altura para Inglaterrra..
    Bock: Bastantes vezes melhor marcador das divisões secundárias..nem uma oportunidade na 1ª liga (o mesmo ia acontecendo com o Pauleta, mas esse emigou a tempo)
    M. Vitor: jogador que correspondeu (quase) sempre que foi chamado...quantas chances teve?

    Existem milhares de jogadores que não singram muitas vezes porque não tem oportunidades ou o devido acompanhamento psicológico...as vezes uma má decisão na carreira pode estragar tudo (e nisso os empresários tem muita culpa)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos nós vamos ter as nossas opiniões em relação ao jogador A ou B.
      O que temos é de saber se acreditamos ou não no conhecimento daqueles que treinam os jogadores todos os dias e os conhecem bem melhor do que nós.

      Claro, os treinadores também se enganam, não tenho dúvida nenhuma disso.

      Mas diz-me, no caso do Nélson Oliveira, quantos treinadores já teve o Corunha este ano? Enganaram-se todos? Oxalá que sim, porque é um jovem a quem eu também vi um dia talento. Mas 3 treinadores?! Dá para desconfiar.

      Eliminar
    2. Sabes um jogador do Benfica que, era eu miudito e apreciava imenso quando o via nos treinos do Benfica?

      Era o Mostovoi! Eu baldava me às aulas só para o ver treinar!

      Mas ele nunca jogava. Só se falava no Iuran e no Kulkov, e o craque era o Mostovoi, aliás, como demonstrou quando chegou ao Celta de Vigo.

      Mas claro, há razões que a razão desconhece, e o Toni, para o nao por a jogar, lá teria as suas razões.

      Era provavelmente indisciplinado, treinava mal, sei lá... Mas lá que era um super jogador lá isso era...

      Olha, lembro-me de um jogo, uma taça de portugal contra o Porto, em que com o benfica a perder, o Mostovoi entra e faz o golo do empate. O jogo foi desempatado nas Antas, e o artista do Mostovoi nem convocado foi.

      isto para dizer o quê? Havia coisas más no Mostovoi que eu provavelmente não via. Só quem andava lá dentro. Mas só um cego não via que aquilo era um super super jogador.

      Eliminar
    3. Sim, o que respondeste é verdade...Concordo ctg!

      No caso do Nelson, penso que não existe grande dúvidas...Ele talento tem, mas tem de evoluir e para isso precisa de ter vontade para isso...E sinceramente, acho que ele tem-se andado a perder...Fama muito cedo, também pode dar nisso, e o Nelson sabe que era considerado a esperança de Portugal muito cedo...

      Mas tem que se dar oportunidades ao jovens com potencial,senão nunca mais aparece ninguem...

      Da nossa equipa B, por exemplo, não existe ninguem com capacidades para um lugar no 11 da principail, mas existem jovens interessantes nomeadamente Mika, Cancelo, Cardoso, Ivan e Rosa...

      Eliminar
  12. Concordo totalmente. E repito aquilo que ja disse aqui uma vez. Sou contra esta actual limitação da UEFA e da Liga relativa ao numero de estrangeiros nas equipas. Estamos, na maioria, a falar de SADs. De Empresas. Conhecem alguma empresa onde haja condicionantes quanto à nacionalidade dos seus trabalhadores? Porque há-de haver no Futebol? Acho mesmo que esta medida é inconstitucional seja à luz da Constituição portuguesa, seja das leis europeias. Os únicos critérios na escolha de jogadores e no que ao Benfica diz respeito na minha opinião são apenas dois: carácter e qualidade. Independentemente da nacionalidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que mais que tudo, isto são problemas geracionais.

      Aceito que os de outras gerações, habituados a outros tempos, recordem certas coisas com saudosismo.

      Mas os tempos mudaram, e os clubes ou mudam também ou ficam para trás.

      Eliminar
  13. Já nos estamos a aproximar da verdade... mas a grande questão não será bem essa de "ser ou não ser" português ou "ser ou não ser" um fora de série que treina mal, português ou estrangeiro. Num país com meia dúzia de gatos pingados federados é normal que os "grandes talentos" sejam - em proporção - meia dúzia. E na verdade estão (quase) todos fora do país, em clubes que facturam centenas de milhões de euros por época ou têm um Sultão a distribuir fruta (não daquela, não sejam assim) fora de época, sempre que é preciso contratar um qualquer Drogba da vida no tão conveniente mercado de Inverno.

    De facto, não acredito que haja um "gene" português que dê mais técnica ou porte atlético ou visão de jogo, clarividência e predestinação a qualquer miúdo dos "nossos" do que a um... austríaco, a um esloveno ou a um brasileiro. O meu contributo para esta discussão é muito mais delicado e prima pela excelência :) ...apenas neste sentido:

    - Que diferença tão grande haverá entre um Nelson Oliveira em forma - porque poderia estar motivado e a jogar regularmente numa MÁQUINA OLEADA / EQUIPA ROTINADA (...ou mesmo jogando 90m num qualquer Benfica-Aves para a Taça...) e - por exemplo - um Cardozo com os mesmos 20 anos? Ou - ainda - com um Lima já homem-feito, com 27 anos e a jogar no Avaí e no Belenenses (2009), antes de dar o salto para o Banco do Braga (2010)?

    Ninguém vê a questão? Para além do Timing / Sorte / Oportunidade A, B, ou C?

    Quem é que arriscava dar muito mais do que 300 paus e 2 pega-monstros por eles ...não por serem maus jogadores, mas por não terem ainda provado -então - "nada" para além do médio/bom/razoável, como há milhões.

    Ou seja: quantos jogadores já não se perderam (não só no Benfica obviamente) apenas e só por essa razão?

    Jogar com 10 pernetas espanhóis num clube aflito para não descer, com trocas constantes de treinador, interferências extra-futebol (agentes & etc), lesões constantes, entradas a frio com o jogo decidido e um contrato a prazo (um empréstimo é um empréstimo) é bem diferente do que ter continuidade, confiança e acompanhamento constante. Isto sim, seria "dar oportunidade aos putos portugueses" Ou Tchetchenos ou Australianos (Kaz Patafta, volta que estás perdoado). Se podem entrar todos de uma vez? Claro que não (veja-se o caso do SCP).

    É por isso é que concordo apenas em 75% com o (excelente) post. Os 25% com os quais discordo são contudo fundamentais para elevar a questão a um patamar digno de ser pensada uma solução em conjunto ou tida uma discussão - essa sim - pertinente: quantos grãos de areia (miúdos com talento acima da média dos que temos a jogar na nossa rua, que não costuma ser mau) na engrenagem pode ter uma grande máquina / grande equipa, para os poder triturar tranquilamente (no bom sentido) e os fazer crescer ao ponto de passarem de promessas a certezas, com calma e subtiliza, passando a fazer parte - eles próprios - dessa grande equipa que os fez grandes jogadores?

    Quantos jogos completos terá porventura o Roderick (mero exemplo) fazendo dupla com o Luisão ou com o Garay? Ou jogará apenas com o Jardel e com o Miguel Vitor, à vez (... e eu gosto de ambos, atenção...) quando a equipa TAMBÉM RODA TODA e joga a feijões? Ou veremos apenas 30 ou 40 jogos a titular nas pernas de um Emerson (Cristo, Salvai-nos!)? Algo, de facto, fica sempre por explicar nestas excepções.

    Resumindo: Há que definir uma (boa) estratégia, clara e concisa e se no futuro é de facto para apostar na dita "formação" há que ter tomates e inteligência - ao mesmo tempo - para se poder manter a palavra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eh pá, eu acho que num clube grande, seja o Benfica, o Porto ou o United, não dá para andar a fazer experiências.

      Experiências sim, mas sustentadas e com um minimo de garantias.

      Porque experiencias custam pontos, pontos custam campeonatos e campeonatos custam lugares de treinadores.

      O Roderick não dá garantias a ninguém. Nem a ti nem a mim nem ao treinador nem ao Luisão nem ao guarda redes.

      E se não dá garantias mas se há potencial, que cresça noutras paragens e que regresse um dia se tiver mostrado ser capaz de estar à altura.

      Repito, os jogadores estrangeiros contratados pelo benfica para a equipa A são novos. MAS NÂO SÃO CALOIROS. Não sao miudos a dar os primeiros pontapes no futebol senior. Até o Di Maria que chegou com 18 anos já tinha 36 jogos de futebol senior nas perdas.

      É bem diferente apostar num miudo com 21 anos que já é figura na Holanda (se vier), ou apostar num miudo de 21 anos que anda no Corunha e que com 3 treinadores diferentes nunca calçou.

      Eliminar
    2. Certíssimo: não dá para andar a fazer experiências quando se joga a um certo nível, apenas - como disseste - se forem sustentadas. Mas o MÍNIMO de garantias DEVERIA estar dado quando um jogador assina um contrato profissional com o Benfica. Depois é só ver se cresce / cumpre o que se espera, profissional e pessoalmente. Portanto, numa equipa a jogar bom futebol (EXPERIÊNCIA SUSTENTADA) não dá para fazer entrar UM miúdo (não importa a nacionalidade) EM VEZ de andar a adaptar um César Peixoto ou um Bruno César "que até ia jogar a lateral esquerdo se não saísse para a Arábia" (WTF!?) Não tenhamos a memória curta, lá porque saíram agora (por exemplo) 2 Andrés da cartola (e ainda bem). Veremos no que isto tudo dá este ano, porque a coisa não tem corrido bem mesmo sem investimento no produto interno (do clube, não do país).

      Eliminar
  14. muito bom sou da opniao da qualidade e nao da nacionalidade se realmente estes dois servios vierem para o benfica exelente nos ultimos 5 anos nao temos falhado muitas contrataçoes so tenho pena de nao darem uma oportunidade ao miguel rosa mas e uma opniao minha

    ResponderEliminar
  15. muito bom sou da opniao da qualidade e nao nacionalidade acho que se for verdade a contrataçao dos 2 servios e exelente so tenho pena de nao dar uma oportunidade ao miguel rosa opiniao minha mas temos que estar atentos a tudo o que mexe de jogadores e tambem sou da opniao que deviamos renovar com o jj o pessoal gosta muito de cascar mas a verdade e que temos tido eqipas muito competitivas e continuo com a minha opniao se nao fossem os arbitos o ano passado tinhamos sido campeoes

    ResponderEliminar
  16. REDMOON, queres UM nome de um jogador português que o Benfica tenha tido nos seus quadros nos últimos anos, dispensado por nós e que depois tenha singrado ao mais alto nível noutro clube:

    Maniche.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. benfiquista a serio16 fevereiro, 2013 23:17

      caro zhora,
      desculpe mas está enganado em relação a esse traidor. esse triste ainda tinha dois anos de contrato com o benfica e já estava comprometido com os corruptos (o empresario dele era o celebre paulo barbosa - o mesmo empresário que levou os russos do benfica para os corruptos.

      Eliminar
    2. Certo. Mas foi formado no Benfica, estava no Benfica e saiu para singrar noutro clube. Só saiu no final do contrato e não foi dispensado antes porque o Benfica, e bem, face a essa traiçao obrigou-o a treinar sozinho e à parte até final do contrato.
      No entanto, para a questão em causa é um exemplo de um jogador português talentoso (cabrão, mas talentoso) que o Benfica teve mas que saiu para singrar ao mais alto nível noutro clube. Satisfaz o pedido do Redmoon... :)

      Eliminar
    3. Maniche?!?!?!?!?!?!

      O tal que jogava na equipa principal do Benfica e depois foi relegado para as reservas porque em Dezembro já tinha acordo assinado com o FCPorto?! Aliás, como o irmão?

      Essa não Riccardo, saiu-te mal.

      O Maniche foi aposta na Luz. Deixou de ser pelas razões que todos os benfiquistas conhecem.

      Eliminar
    4. Epá, os motivos da saída não estavam contemplados no teu pedido... :)

      Eliminar
    5. :)))

      Mas tem de estar. Porque o pedido era jogadores DISPENSADOS pelo Benfica, que depois vingaram em outro clube superior.

      O Maniche não foi dispensado. Espetou-nos a faca nas costas e foi à vidinha dele:)))

      Eliminar
    6. Isso do dispensar depende o ponto de vista. Nós dispensámo-lo para as reservas quando soubemos da traição!

      Agora, com essa do clube superior é que já me tramaste... lol

      Retiro o reles exemplo.

      Eliminar
    7. Eu acho que essa história do Maniche está mal contada... mas, também poderei ser eu que estou a confundir coisas...

      Do que me recordo, o Maniche era elemento preponderante no Benfica de Mourinho. Depois das eleições do Benfica, já com o Manuel Vilarinhos, e acho que pouco tempo depois do Mourinho ter saído... penso que houve umas bocas da nova direcção para o corpo técnico/jogadores encarnados e com o apoio de certos associados, no qual a reacção do Maniche, não foi das melhores... Toda a gente sabe como é a personalidade do tipo... picaram-no, ele não gostou e deve ter mandado o troco.

      A direcção soube disso e meteu-o de castigo na equipa B. Recordo-vos que nessa época houve imensos problemas no balneário, muito por culpa da nova direcção, que meteu um "nhaca" chamado Roger, que também teve um "tete-a-tete" com o van Hoijdonk...

      Enfim, o que quero dizer é que às vezes os jogadores são levados a tomar certas decisões, que nós aqui de fora podemos apelidá-los de "traidores", mas que se calhar na pele deles, faríamos o mesmo para sobreviver como futebolistas profissionais...

      O Maniche foi para o Porto a pedido do Mourinho, isso eu sei, porque foi o Mourinho o primeiro treinador que soube lidar com o rapaz e sabia o potencial que ele tinha.

      O que eu quero dizer com isto, não é inocentar o Maniche! É apenas fazer-vos ver que não há apenas um lado da história. E acho que esse é um erro que vejo frequentemente fazerem.

      Nem todos os formados do Benfica são Hugos Leais... o Manélélé, foi vendido a um fundo quando foi para o Everton, regressou porque o Benfica tinha metade do passe e estava à espera que os investidores do tal fundo, metessem o resto do dinheiro para ficarem com o miúdo. Entre o dar as garantias bancárias e não darem, demoraram a pré-época toda, até que no último dia lá apareceu a nota e o miúdo teve que bazar. A única coisa que fez sururu, foi o facto de o Manuel Fernandes não querer ser tratado pelo mesmo médico que fez o que fez com o Mantorras...

      Eliminar
    8. Seja como for, o Maniche não foi um jogador que saiu porque os técnicos eram cegos e não viram nele o potencial que existia.

      O potencial foi detectado, a aposta foi feita e foi jogador titular na equipa A.

      Depois saiu por outras razões alheias ao valor do jogador.

      Eliminar
  17. "Esta gente é injusta e devia ser mais séria quando aborda tais temas e compara realidades incomparáveis. Porque esta gente sabe bem que há 20 ou 30 anos o Benfica era maioritariamente português porque assim TINHA de ser. Esta gente sabe bem que nesses tempos ainda não havia Lei Bosman! Esta gente sabe que no 11 do Benfica só podiam jogar 3 ou 4 estrangeiros e apenas 6 poderiam ser inscritos. MAS NÃO ERA ASSIM SÓ NO BENFICA. ERA ASSIM NA EUROPA TODA!"

    Outro "friendly reminder":
    Infelizmente o fcp foi campeão europeu há 9 anos atrás com 8 portugueses no onze inicial (9, se considerares o Deco como português, o que eu não considero)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um facto o que dizes. O Porto ganhou com muitos portugueses no 11.

      Mas eu não disse que o Benfica não pode ganhar com Portugueses. Se houver jogadores portugueses de qualidade espalhados neste campeonato, acho bem que o Benfica os contrate. SE HOUVER E SE TIVEREM QUALIDADE. O COentrão não era portugues e nao foi contratado ao Rio Ave? O Luisinho não foi contratado? O Paulo Lopes? O Ruben AMorim? O Carlos Martins?

      Mas que eu saiba, nem o Nuno valente, nem o Paulo Ferreira, nem o Costinha, nem o Maniche vieram dos juniores do FCPorto. Já eram jogadores feitos e experientes, apenas jogavam em outros clubes menores.

      E o Mourinho teve, claro, a capacidade de visualizar esse talento e aproveita-lo em beneficio proprio.

      Mas sinceramente não percebo o que é que aquilo que escreveste tem a ver com o post.

      O Porto, que é uma equipa ganhadora, quantos jogadores das suas camadas jovens lançou nos ultimos 10 anos?

      Eliminar
    2. Tem a ver com o post porque tu acusas de desonestidade intelectual quem compara realidades diferentes, quando existe este infeliz exemplo de que mesmo após a Lei Bosman foi possível ganhar a Liga dos Campeões com 8 portugueses num onze.

      Eliminar
    3. Tem a ver com o post porque tu acusas de desonestidade intelectual quem compara realidades diferentes, quando existe este infeliz exemplo de que mesmo após a Lei Bosman foi possível ganhar a Liga dos Campeões com 8 portugueses num onze.

      Eliminar
    4. Quando o talento existe é sempre possivel, obviamente.

      Neste momento não acho que haja em Portugal materia prima portuguesa para se vencer uma taça europeia com 8 portugueses no 11.

      No entanto há que dizer, o que Mourinho fez foi absolutamente extraordinario, reflecte sem duvida o genio do treinador, por alguma razão ele é melhor.

      mas também é preciso dizer que o Porto já tinha uma base que permitiu a Paulo Ferreira ou Nuno Valente por exemplo acrescentarem valor à equipa.

      O Porto já tinha Jorge Costa, Ricardo Carvalho, Deco, Baia ou Costinha, por sinal portugueses. E essa foi uma boa fornada, sem duvida alguma.

      Mas ainda assim, o Mourinho não fez apostas no escuro. Apostar num Nuno Valente ou num Derlei que já tinha sido seus jogadores em Leiria, tem muito menos riscos do que apostar num jogador que vem dos juniores ou da B ainda com tudo para aprender.

      Eliminar
    5. Então eu faço a pergunta, se o FC Porto descobriu o caminho ideal porque não o manteve?

      Eliminar
  18. Tendo a leve suspeita que este post vem na sequência do meu (será?), digo-te já que a mim não me serve a carapuça. Por dois motivos:

    1. Eu defendi TODOS os nossos jogadores, e não só os da formação;

    2. Tal como escrevi num post anterior assinado por mim:
    "eu não defendo, nem exijo, um Benfica 100% português. Nem 50%. Exijo sim um Benfica com jogadores que honrem o clube, que lutem por ele, que suem a camisola e que dêem alegrias aos adeptos. Se esses jogadores forem portugueses, por mim tanto melhor. Se forem estrangeiros, mas cumprirem com o que se lhes exige, também fico satisfeito."

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Errado:))

      Ou melhor, o teu post foi aquilo que me fez escrever porque me espicaçou:))

      Mas acredita que não foi pessoal. A tua opinião é partilhada por muitos (escribas e leitores), por muitos que já fizeram e fazem parte deste blogue desde há muito, e é claro uma opinião válida, mas com a qual eu discordo.

      Tal como acho errado quando depois das contratações feitas, se vem lembrar aquelas que sairam erradas. Depois é sempre fácil, já se viu os resultados, lembra-se o falhanço de um Eder Luis mas ignora-se o sucesso de um Witsel por exemplo.

      O problema é prever estas coisas antes: Sim, falhámos em muitas contrataçoes, especialmente ultimamente naqueles que foram para a equipa B. Mas claro que tem de haver falhanços. Para se acertar num Melgarejo e num Derlis e num Urreta, há sempre outros que se perdem no caminho.

      Isso parece-me obvio, tanto no Benfica como em qualquer clube do mundo.

      Eliminar
    2. Eu vi logo... lol

      Mas lê lá outra vez o que escrevi:

      "Como parece que não temos bons jogadores portugueses (e mesmo sem ser os portugueses, até mesmo os atuais estrangeiros com contrato com o Benfica, mas que jogam na B ou emprestados a outros clubes)"

      Eu até tive o cuidado de pôr a bold e sublinhar o seguinte:

      "Mas o verdadeiro cerne da questão não é o facto dos jogadores serem sérvios ou não. Nem sequer é a qualidade dos jogadores em questão. É a falta de respeito, de confiança, de atenção e sobretudo de interesse nos jogadores que já temos na nossa folha salarial e aos quais não damos oportunidades."

      Eu falei dos NOSSOS jogadores. Não falei da NOSSA FORMAÇÃO, pois não? :)

      Exemplos de jogadores que me faz confusão ainda não terem sido REALMENTE aproveitados, ou melhor, cuja aposta não é nem de perto efectiva: Kardec, Mora, Miguel Rosa, David Simão, entre outros... E o Urreta só agora parece Urreta ter uma real oportunidade.

      O problema é que se compra e depois, não se utilizam.
      O problema é que se formam e depois, não se utilizam.
      E depois... voltamos a comprar, sem que se tenha dado uma real oportunidade aos que temos. Portugueses ou não!

      Eliminar
    3. acertar num melgarejo? A serio? Eh uma pergunta sem malicia pq nao tenho visto todos os jogos mas quando vejo o melga fazme lembrar o emerson.
      Tiago Pereira

      Eliminar
    4. Riccardo,

      Estou de acordo se me disseres que em relação à equipa B, isto tem sido um pouco comprar aos contentores e muitas vezes sem critério.

      Por ser o primeiro ano da equipa B, consigo de certa forma "aceitar" esse desacerto, por exemplo em relação aos guarda redes contratados, sobre os quais o Snortinho escreveu um post bem interessante.

      Sinceramente, na equipa A tenho visto mais rigor. E espero que esse rigor se extenda também à B a breve prazo.

      Eliminar
    5. O teu post tinha muitas coisas certas.

      Eu peguei apenas naquela "linhazita" com a qual não concordei.

      Sabes que às vezes faltam ideias sobre o que escrever, e depois ao lermos algo pensamos logo: "Pronto, é isto":))

      Eliminar
    6. Mas não te esqueças que há ainda os casos de jogadores como o Hugo Vieira, o Nuno André Coelho, entre outros que nem à equipa B foram. Se não é para os utilizar, então para quê ir buscá-los? Para não irem para o fcp??? Parece-me algo.... estúpido e irresponsável. Ou então há outros factores por detrás destes negócios.

      Quanto à "linhazita", a vingança tarda mas não falha... MUAHAHAHAHAH :)

      Eliminar
  19. benfiquista a serio16 fevereiro, 2013 23:46

    oh meus amigos,

    o que interessa é que os jogadores sejam mesmo bons, acima da media.
    agora serem portugueses, chineses, brasileiros, argentinos ou servios isso lá interessa.
    eu quando me lembro de alguns portugueses da nossa formação que foram grandes apostas do nosso clube e à 1.ª oportunidade deram-nos uma facada fico tolo quando vem gente puxar pelo patriotismo. querem exemplos: edgar, paulo sousa, hugo leal, pepa, rui baiao, maniche, jorge ribeiro, kenedy, pedro henriques, ruben amorim, etc, etc.

    além disso gostaria de colocar uma questão no ar: quantos portugueses da seleção A e da sub-21 têm lugar no plantel do benfica? a minha resposta é um - cristiano ronaldo. quanto aos outros temos melhores jogadores no nosso plantel que os da seleção do pinto da costa e do jorge mendes. agora gostaria que o forum se pronunciasse sobre esta tematica: que jogadores da selecção do mendes e do pintinho gostariam de ver no benfica?

    ResponderEliminar
  20. Ponto prévio... estou completamente de acordo com o texto do RedMoon !

    Depois,gostaria de fazer uma pequena correcção,e ao mesmo tempo informar factos que são desconhecidos para a maioria dos " doutores da bola " e que tem a ver com esta passagem...

    "Porque isto é gente que sabe que durante anos, a jogar na Europa rica do futebol só andava um português solitário de nome Paulo Futre, ao qual se seguiu um outro de nome Rui Barros. Antes tinha sido Chalana mas, os emigrantes acabavam aí."

    É que foi no ano de 1906 que um jogador portugués se tornou no primeiro emigrante do futebol.
    Chamava-se Francisco Santos, e foi jogar para a Lázio de Roma.

    Em 1947, o nosso querido e famoso Rogério Lantres de Carvalho (PIPI) tornou-se no primeiro jogador portugués a vestir a camisola do Botafogo do R.Janeiro.

    E para finalizar, recordemos Jorge Humberto, jogador nascido em Cabo Verde que se transferiu em 1961 da Académica para jogar no Inter de Milão onde permaneceu durante 1 época, tendo ainda jogado nas duas épocas seguintes na equipa do Vicenza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E segundo dizem, o Eusébio não foi porque o Salazar não deixou.

      Já ouvi várias pessoas dizerem isso.

      Eliminar
  21. Não sei se já responderam à questão de "apenas um nome nos últimos anos de um jogador de classe mundial que o Benfica formou"? Mas aqui vai ele: Maniche!

    Quer se goste ou não, ele foi fundamental para o Porto do Mourinho e na selecção nacional na era Scolari.

    Quanto ao resto do artigo... há muitas meias verdades... há muita falta de conhecimento sobre como as coisas se passam verdadeiramente no meio futebolístico, dos seus esquemas, dos "business" laterais... há muitas ideias mal pré-concebidas... tudo isto que pode e deve ser rebatido, mas não numa caixa de mensagens como esta.

    Apenas deixo ao autor, uma pergunta final: o facto do Benfica ter sido apenas campeão duas vezes com este actual modelo de gestão desportivo, não significará que o mesmo está errado e desajustado?

    É que se a cultura do Benfica é ganhar... então quando é que ganhará?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se acho o modelo do Benfica errado e desajustado? Não, não acho.

      Apesar de não termos ganho tanto como gostaria, acho que recuperámos terreno e temos evoluido em varias áreas.

      Peço desculpa em bater na mesma tecla, mas acho que Jorge Jesus tem sido pedra fundamental. No futebol do Benfica hoje há conhecimento, e não acho que seja o conhecimento de Vieira.

      E também acho que não podes fazer depender dos resultados toda uma linha estratégica. Se acreditas no rumo deves ir em frente, se estás certo que o rumo que escolheste acabará por dar os seus frutos mais tarde ou mais cedo.

      O Ferguson também não entrou a ganhar em Manchester.

      Também quero realçar que é muito mais dificil construir algo de positivo, quando em cada ano tens um treinador que perde os seus melhores jogadores. O Ferguson não teve esse problema.

      Quanto ao Maniche, não saiu porque os tecnicos do Benfica sandavam cegos e nao viram o talento que ele tinha. O Maniche foi titular da equipa A. Saiu por razoes alheias ao seu valor futebolistico.

      Eliminar
  22. RedMoon! o post é sensacional! Para mim, confesso, é óbvio e trivial o que é descrito. No entanto, a simplicidade de escrita e argumentação poderá, espero, abrir os olhos a toupeiras que não vêm um palmo à frente. Recorda, RedMoon, que existem muitos benfiquistas "quinjajero" (tipo gato fedorento, cartoon RAP) e são um saco de cimento com dois olhos... mas o saco é vermelho e temos que respeitar a sua ignorância.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, mas tenho de agradecer estar palavras:)))

      Eliminar
  23. A arbitragem de Pedro Proença no jogo Tottenham-Lyon (2-1) da Liga Europa recebeu notas críticas tanto por parte da Imprensa francesa como da inglesa. "O Lyon estará neste momento a remoer certamente sobre a arbitragem muito discutível, sobretudo na primeira parte, quando ocorreram dois factos que tiveram peso no resultado", escreve Jean-Baptiste Renet, enviado especial do diário "L'Équipe".

    O jornalista refere-se a um penálti não assinalado contra o Tottenham (por alegada falta de Vertonghen sobre Gomis) e ao livre direto que deu origem ao primeiro golo do Tottenham - "uma pretensa falta sobre Dembélé que foi muito, muito pouco evidente", escreve Renet. Estes dois casos do jogo deram origem, naturalmente, a comentários muito críticos por parte do treinador e do presidente do clube francês.

    "Vamos ver que tipo de árbitro nos calha na segunda mão. Vamos ver se ele marca os livres que são mesmo livres, se marca os livres que não são livres ou se marca um penálti que é penálti descarado. Vamos esperar para ver", comentou o treinador Rémi Garde. O presidente Jean-Michel Aulas, por sua vez, deixou no ar uma insinuação: "Não gostaria de referir a ligação entre o árbitro português e a nacionalidade do treinador do Tottenham, mas a verdade é que existiu um penálti flagrante sobre Gomis", disse Aulas

    ResponderEliminar
  24. BENFIQUISTA DO CORAÇÃO17 fevereiro, 2013 11:41

    assino por baixo

    ResponderEliminar
  25. BENFIQUISTA DO CORAÇÃO17 fevereiro, 2013 11:47

    COPIADO DO BLOGUE DO
    MANUEL

    O JUIZ TEM TODA A RAZÃO

    ARRASOU A DECISÃO DE COLOCAR
    O FCP NA TAÇA DA LIGA

    "Mais uma opinião sobre as 72 horas

    «Segundo as boas práticas e as mais saudáveis técnicas de interpretação das normas jurídicas, o intérprete da lei não pode dizer mais do que aquilo que o legislador quis dizer ou pensou. Os elementos de interpretação da lei são os elementos literal, sistemático, racional ou teleológico e o elemento histórico.


    A interpretação não deve cingir-se à letra da lei, devendo ter em conta a unidade do sistema jurídico, as circunstâncias em que a lei foi elaborada, as condições específicas do tempo e o pensamento do legislador.


    O intérprete não deve considerar o pensamento legislativo que não tenha na letra da lei o mínimo de correspondência. Todavia, nenhuma lei está livre de ambiguidades e de incertezas.


    Vem tudo isto a propósito da sui generis interpretação que o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol fez acerca do artigo 13º, nº 1, do Regulamento que foi elaborado para disciplinar a criação e participação na segunda liga da designada Equipa B dos Clubes que disputam a 1.ª Liga.


    O citado normativo é claro quanto à única interpretação possível no que concerne à observância do período de 72 horas que deve ser respeitado, relativamente à participação dos jogadores da equipa B na equipa principal, ou na equipa B após terem jogado na principal. Não é ambíguo, não é confuso e nem com o recurso àqueles elementos de interpretação da lei é possível concluir que tal preceito é omisso no que se refere à participação de jogadores da Equipa B nos jogos da Taça da Liga, estipulando regras apenas relativas às 1.ª e 2.ª liga.


    O Regulamento em causa – repete-se – foi elaborado para disciplinar a criação e participação na segunda liga da designada Equipa B dos Clubes que disputam a primeira liga. A norma em causa surge integrada no Regulamento com um objectivo específico, bem preciso, de proteger os jogadores, nos seus aspectos físico e anímico, impedindo a sua sujeição a um esforço que ponha em causa o seu equilíbrio.


    As 72 horas, claro como água, foram fixadas para defender o jogador e a pensar neste e não nos interesses dos clubes, sendo de todo irrelevante se se trata de jogo da 1.ª ou da 2.ª liga, da Taça da Liga ou até da Taça de Portugal. O preceito em causa não é omisso, no que se refere à utilização de jogadores. Poderão ser realizados jogos mediados por um período inferior a 72 horas, observadas determinadas condições. O que não significa que possam ser utilizados jogadores da equipa B em ambas as partidas separadas por tempo inferior àquele.


    O Conselho de Disciplina da FPF deu um verdadeiro golpe de rins na interpretação que sustentou, apenas com o objectivo de defender os interesses do FCP, violando o Regulamento. Pensou apenas no clube e ignorou os jogadores. A situação é tanto mais estranha quando está em causa um Regulamento da Liga interpretado pela Federação... É mais uma manifestação da confusão que paira no futebol português. A Lei (Regulamento) deve ser rigorosamente interpretada e aplicada e não subvertida e submetida aos interesses dominantes no momento.


    Claro e inequívoco é que o FCP ficou sujeito à sanção prevista para a irregularidade por si cometida. Com o Acórdão proferido, o Conselho de Disciplina da FPF tropeçou e prestou um mau serviço à causa do desporto.» (Juiz Rui Rangel, in Record)"

    ResponderEliminar
  26. Concordo com este post... em absoluto.

    xico caçador

    ResponderEliminar
  27. Concordo... dos Portugueses com potencialidade real vejo: o Almeida, quem sabe este Gomes, o Rosa, o Cavaleiro e o Cancelo ( a extremo)...

    ResponderEliminar
  28. E é isto. Obviamente que é isto. Sem remendo nem acrescento. Excelente, redmoon.

    ResponderEliminar
  29. Completamente de acordo com o post. E sou do tempo do José Augusto, Santana, Águas, Coluna, Cavem... Essa de se dizer que os mais velhos é que criticam, não lembra nem ao diabo e faz-me pensar em discriminação geracional, ó rapaziada!
    As vitórias que queremos não se compadecem com experimentações a-ver-o-que-dá. Dar oportunidade aos nossos jovens, claro. Mas há qualidade para experimentarmos vários jovens da formação ao mesmo tempo na nossa primeira equipa, e para deixarmos de fazer contratações de jovens estrangeiros que já provaram o que valem? Não será melhor deixá-los rodar e vermos depois o que podem valer efetivamente? Essa é que é a questão! No Sporting pensava-se que com a formação iriam longe. Olha no que deu!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não quis obviamente ofender os mais velhos... Não posso obviamente colocar tudo no mesmo saco. Mas quando referi as gerações mais velhas, referi-me àqueles que conheço (sem conhecer) deste blogue, alguns que partilham comigo este espaço há mais tempo, e que sei, esses sim, que são mais velhos que eu.

      Mas olha que eu já estou nos trintas:))

      Eliminar
  30. Assim sim ter um clube teoricamente Português com 11 estrangeiros, e nenhum jogador na Seleção , concordo acabar com a formação assim podemos pagar a 30 jogadores nos quadros para emprestar,vamos buscar as muidas japonesas ou americanas para fazer uma equipa feminina Desculpa LuaEncarnada NUNCA estarei de acordo neste ponto, tenho orgulho dos Portugueses e como em tudo de um Medíocre podes fazer uma estrela depende da situação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não tenho nada contra portugueses. Tomara eu ter uma equipa de luxo só com portugueses, Paulos SOusas e Ruis Costas.

      Só que há dois problemas:
      - O primeiro, onde estão esses portugueses de luxo?
      - O segundo, os Paulos SOusas e os Ruis COstas só cá ficavam um ano e depois tinhas de arranjar outros para os substituir.

      Eliminar
    2. Os Paulos Sousa e Rui Costas estão nas formações por ai, em segundas ligas e no estrangeiro em campeonatos de 2ª. Vê o caso do Lima, do Liedson, do Vitor etc... Eu acho que se pode substituir o Kardec que hj jogou que se farta por um Nelson ou outro miúdo que ande por equipas menores e dar oportunidade. Vê o caso de Costinha, Manhiche, Milito etc .. de jogadores perdidos fizeram grandes profissionais

      Eliminar
  31. Roberto, Júlio César, Emerson, Jara, Sidnei, Airton, Felipe Menezes, Balboa, Fernandez, Weldon, Moretto, Schaffer, Sepsi, Felipe Bastos, Yebda, Keirisson, Eder Luis, Binya, Suazo, Edcarlos, Zoro, Bergessio, Adu - Tens aqui uma série de talentos, só dos últimos 5 anos, que obviamente tiveram carreiras fulgurantes depois de estarem no Benfica.

    Se tens razão que os jogadores podem não ter carreiras fulgurantes, claro que esqueces um João Pereira (não menciono o Sílvio ou o Miguel Lopes por não serem titulares absolutos mas as suas carreiras não são tão más como isso tudo), mas em geral os jogadores que foram dispensados do Benfica não tiveram grande futuro. E não tiveram se calhar porque nas épocas em que deveriam dar o salto entre a formação e o profissionalismo estiveram encostados.

    Quanto à lista de craques que apresentei e se formos a 10 anos teríamos muitos mais, muitos deles eram jogadores já formados que pouco ou nada poderiam crescer no Benfica, muito menos assegurar rendimento desportivo e mesmo assim tiraram lugar a jogadores que poderiam ter evoluído no plantel principal do Benfica.

    Hoje em dia o nível é muito alto, ao contrário do que acontecia até à poucos anos e acredito que hoje em dia seja mais difícil para um jogador da formação se afirmar, mas depois quando se olha para a equipa b e se vê já uma chusma de jogadores medianos/medíocres estrangeiros que nenhum potencial têm para jogar na equipa principal, como se pode esperar que os jogadores da formação possam aspirar a chegar à equipa principal ?

    A minha principal crítica é que há muito lixo que tem ocupado lugares no plantel que poderiam ser ocupados por portugueses da formação que seriam pelo menos iguais no rendimento. À tua semelhança, acho que o principal é o talento, mas entre jogadores de nível igual prefiro os portugueses.

    Mas numa coisa tens razão, a nossa formação tem tido muito poucos resultados, independentemente de andarem a alardear a quantidade de jogadores nas selecções jovens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. falhanços haverá sempre. Tens uma lista extensa de falhanço e obviamente nao vou dizer que nao foram falhanços.

      No entanto, prefiro valorizar que os falhanços para a equipa A teem descido drasticamente nos ultimos anos, o que associo a dois factores:

      1. Jorge Jesus, que sabe melhor aquilo que compra
      2. Compras com mais dinheiro disponivel, o que permite comprar primeiras ou segundas escolhas em vez de quintas ou sextas como acontecia antigamente.

      O barato sai muitas vezes caro, não há duvida disso.


      Quando ao Joao Pereira e ao Silvio. De acordo em parte. Em parte porque para mim sao jogadores que ainda hoje, com toda a rodagem que tiveram, com todo o periodo de aprendizagem que tiveram e com a idade que ja hoje teem, acho que nenhum deles seria titular no Benfica. iam para la um ano, jogavam pouco, e no ano seguinte eram emprestados outra vez.

      Temos melhor que eles

      Eliminar
  32. Quanto ao maniche, foi um jogador lançado cedo na primeira equipa com algum sucesso. Quando a sua forma decaíu, em vez de ser protegido, foi exposto e criticado de forma dura. O problema chamou-se Paulo Barbosa, que estando em conflito com o Benfica devido a casos anteriores, fez a cabeça ao Maniche para ir para o Porto. Quando o Benfica se apercebeu disso, já depois de ele ter perdido o lugar há muito, decidiu encostá-lo definitivamente até ao fim da época. Na altura casos mal geridos como o Maniche foram vários e se os outros não tiveram o sucesso deste, foi porque se calhar não tiveram atrás deles a estrutura que lhes permitiu continuar o crscimento como jogadores, algo que ao contrário do que a maioria pensa não acaba aos 21 ou 22 anos, mas muito mais tarde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas isso foram tempos de incompetencia total:

      Não foi so o Maniche. Houve mais processos que foram muito mal geridos.

      Queres outros dois? Deco e Mostovoi.

      No entanto, o Maniche não saiu por razoes tecnicas. Nao pode ser dado como um exemplo de um jogador dispensado pela estrutura.

      Quando o Maniche foi encostado, foi porque ja tinha assinado pelo Porto. E sao celebres as divergencias entre o Benfica e Paulo Barbosa que haviam na época.

      Eliminar

  33. A discutir o sexo dos anjos o Red é o maior.

    CoNclusão----ZERO

    ResponderEliminar

Atenção: O NGB mantém um registo completo de todos os comentários. Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado. Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado. Comente o assunto do post, salvo algum off-topic que se enquadre no âmbito do NGB

ranking

recentes

Mensagens populares