O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


Qual vai ser o resultado do Derby?

terça-feira, 3 de maio de 2016

Avatar

A resposta, como aqui sempre disse, tinha de ser dada dentro do campo

 ●  + 18 comentários  ● 
Balanço da época antes do términos de uma semana decisiva?! Sim, talvez seja o mais justo sim, pelo menos o mais racional, com 95% da época cumprida e sem a carga emocional adjacente aos resultados dos três últimos jogos, jogos esses que para muitos serão os únicos que acabarão por contar no fim, jogos esses muitas vezes marcados por uma bola no poste ou um penalty mal assinalado, e que levam muitos adeptos às conclusões mais absurdas.


RUI VITÓRIA
Não era a minha escolha. Ponto. Mas teria sempre o benefício da dúvida e o meu apoio como qualquer outro.

Em termos objetivos, o Benfica tem neste momento 82 pontos, com a possibilidade de somar 88. O ano passado o Benfica foi campeão com 85 pontos. Em termos numéricos pois, este é um Benfica ao nível dos melhores da história.

Como dizia no passado e volto a dizer agora (vale para todos os treinadores), sempre fui apologista que uma equipa para ser campeã depende não só de si e das suas performances (Trapatoni que o diga) mas também muito do que os adversários são capazes de fazer, sendo essa uma variável que nenhum treinador controla. A verdade é que há este ano um Sporting a fazer muito melhor do que num passado recente, uma equipa com possibilidade de somar 86 pontos esta época contra os 76 da época anterior.

Na Liga dos Campeões o Benfica chegou onde era humanamente possível exigir.

Na Taça da Liga estamos na final.

Na Taça de Portugal caímos contra um grande português, o ano passado foi com o Braga.

Houve aposta na formação como se exigia a Rui Vitória, um dos motivos da sua contratação. Houve jogadores lançados e que evoluíram.

Houve um encontrar de soluções constantes para os problemas do plantel.

Houve um treinador que fez algo que aprecio e não via há muito tempo: “O azar de uns é mesmo a sorte de outros”, e aqueles que entraram não foram apenas apostas circunstanciais nem soluções temporárias até que os titulares com lugar cativo voltassem a estar disponíveis. Jovens ou menos jovens, quem entrou sentiu sempre a confiança do treinador, confiança essa que se sente no campo.

Rui Vitória para continuar? Evidentemente! Em termos objetivos (objetivos, repito, porque em termos subjetivos mil interpretações se podem fazer), não há nada que possa sugerir sequer que a aposta Rui Vitória foi uma aposta falhada!


APOSTA NA FORMAÇÃO
Aposta ganha? Claro que sim! Contradiz algo que eu tenha sugerido ao longo do tempo sempre que me referi a este tema?

Há algo sim: De facto, os miúdos não tremeram! Do ponto de vista mental (aquele que me preocupa sempre mais nestas idades) os miúdos do Seixal estiveram sempre preparados. Mérito deles e mérito também de quem os trabalhou e os soube lançar.

E de facto também, os miúdos não custaram pontos esta época. Não se pode dizer que o Benfica perdeu aqui ou ali porque tinha miúdos da formação a jogar. Perdeu-os com os miúdos, tê-los-ia perdido com os graúdos da mesma maneira.

Mas também há pontos que confirmam aquilo que sempre defendi: Guedes por exemplo mostrou não estar preparado do ponto de vista mental. Perdeu confiança sem que se saiba bem porquê. Um jogador com talento (nota-se) mas que passou a jogar sempre com os olhos no chão como se tenha medo de encarar as bancadas. Um empréstimo talvez lhe tivesse feito bem.

Nélson Semedo é neste momento uma incógnita depois de um início promissor. Em Setembro e Outubro era um jogador cheio de confiança. Desde a lesão (e essa já aconteceu há muito tempo), não mais foi o mesmo e a aposta André Almeida tem-se justificado.

João Teixeira e Victor Andrade não se impuseram em Guimarães, e quem não se impõe em Guimarães pode não estar ainda preparado para se impor no Benfica.

Lindelof e Renato Sanches são certezas e apostas ganhas a 100%. Renato Sanches é aos... 18 anos... a pedra MAIS fundamental da equipa... Se é o que é aos 18 anos, como será aos 23 anos?, se tiver ao seu lado um treinador que o saiba corrigir os pontos fracos e tornar um “puro sangue” num jogador mais objetivo e refinado?

Éderson não engana, mas este sim, representa o percurso que sempre defendi como o ideal para a grande maioria dos miúdos da formação (exceto para os génios como Renato Sanches): empréstimos a clubes da primeira liga, e o regresso a casa com a confiança e a maturidade que Éderson demonstra nesta altura.

Mas também se confirma aquilo que sempre defendi, que o Benfica nunca seria um Barcelona por muitos bons jogadores que o Seixal produzisse: No Barcelona, Renato Sanches ficaria a vida toda. No Benfica joga sete meses e agora irá brilhar para outro lado qualquer.

Ter bons jogadores na formação é ótimo, mas mais ótimo seria se pudessem ser mantidos pelo menos dois ou três anos. Mas não. O dinheiro manda, de dinheiro precisa-se, e como aqui sempre disse, os génios sairão sempre, e na Luz ficarão apenas as dores de crescimento, o refugo ou aqueles jogadores que ainda não foram capazes de virar certezas.


LUÍS FILIPE VIEIRA
Aqui escrevi no início da época, que aqui estaria no final a reconhecer finalmente o olho desportivo de Luís Filipe Vieira se o Benfica fosse capaz de ser campeão esta época.

E assim é, independentemente do que acontecer nestas últimas duas jornadas do campeonato. O que vale para Rui Vitória vale para o Presidente.

Posso continuar a apontar erros óbvios. Posso continuar a provar que o motivo da troca de treinador para reduzir custos é uma falácia, provar por a+b que esta época se gastaram milhões a mais e que não se “veem”, e que mesmo na equipa B há jogadores a custar 7 e 8 milhões, e que um dia poderão dar jogadores... ou não.

Posso continuar a achar que LFV em nada ajudou Rui Vitória no início, tal como não esqueço que em Novembro lá andava LFV a alterar o seu discurso vitorioso para o discurso do “ah e tal, este é um projeto que precisa de tempo para crescer.”

Mas no essencial (e sim, isto era de facto o essencial), este ano provou que haviam no Seixal grandes talentos que TINHAM de ser aproveitados, e que quer o treinador se chamasse Zacarias ou Facadas, esses jogadores tinham de fazer parte do projeto.

Aqui sim (e este não é um ponto menor, bem pelo contrário) esta é uma aposta ganha por Luís Filipe Vieira a 100%, até porque, como sabemos, a aposta formação não é um capricho do momento, mas um projeto que se iniciou há 10 anos atrás, resultado de uma visão, e que hoje permite ao Benfica começar a colher os seus frutos.

Independentemente dos gostos quanto a treinadores, nunca um projeto desta envergadura (Seixal) e fruto de uma visão Presidencialista, poderia ser posto na gaveta por causa da visão (também essa legítima) de um treinador, fosse ele quem fosse.

O que sempre aqui lamentei (e este foi para mim o grande erro da época) foi a incapacidade do Benfica em assumir a rutura antes da “fuga”, e querer ter sempre passado a ideia de que afinal foi o “outro” que tinha fugido, posição essa que deu sempre ao Benfica um ar de fragilidade e que contribuiu para o tom sujo dos discursos da presente época.


Que estas últimas duas semanas tragam ao Benfica a glória que todos ansiamos (mas para mim, nesta altura, e mesmo que o Benfica perca, não há razões para por nada em causa), e que essa vitória de um título de Tri-Campeão num ano tão importante, ajude também a legitimar o projeto, que ajude o Benfica a focar-se ainda mais dentro de portas e a ignorar o ruído que vem de fora.

A resposta, como aqui sempre disse, tinha de ser dada dentro do campo.



18 comentários via blogger

  1. E a cereja no topo do bolo:
    Mais 3 vitórias.
    JP

    ResponderEliminar
  2. Concordo quase a 100% com o que escreves, excepto a questão da ruptura com o Judas. Se o presidente quisesse efectivamente desfazer-se dele, que sentido teria ser o judas e o Mini os dois "rostos" da apresentação do patrocínio da fly?

    ResponderEliminar
  3. Sendo a aposta na formação a chave para se ter mudado o paradigma, a principal avaliação de RV seria sempre "apostar na formação e manter o Benfica a ganhar". Como dizes e muito bem, o acabar em primeiro ou segundo vai depender e muito do que outros fazem ou não fazem, da nossa sorte ou do nosso azar, mas o Benfica acaba o ano na discussão de dois troféus. Curiosamente os mesmos com que acabou a época transata.

    Ou seja, RV será avaliado naquilo que conseguir dar aos jovens "promovidos" e se as circunstâncias lhe dão um balão de "benfício da dúvida" (afinal, ao contrário de outros, o contrato estava pago na totalidade com prémios desportivos antes do Natal...), não me parece que se possam fazer desde já grandes considerações sobre o seu impacto neste aspecto. Eu, a ser imediatista, faria mesmo uma avaliação negativa. Renato é importante, mas continua a ser um jogador a menos quando a equipa não tem a bola; Nélson Semedo volta da lesão com piores rotinas do que quando se lesionou, sem sinal de melhorias; Guedes eclipsou-se depois de muito fulgor, apesar de não parecer ter piorado; Lindelöf está ao nível do que fazia nos Bs e que faziam com que muita gente clamasse por oportunidades no início da época, quando Lisandro demonstrava claras falhas...

    Enfim, ainda não se percebeu, para lá da confiança que os minutos podem trazer, o que pode RV dar aos putos e se "apostar na formação", num clube como o Benfica, é simplesmente pô-los a jogar, ou se é transformar potencial de "15 milhões" (número fetiche das negociatas da direcção) em potenciais "30 ou 40 milhões".

    RV é a minha opção? Não. Fez o suficiente para merecer o benefício da dúvida? Pela forma como foi corrigindo os sues erros ao longo da época, sim. Pode-se dizer que a aposta na formação está ganha? Acho que longe disso, pela própria natureza do que é formar jovens.

    BF

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. BF

      Totalmente de acordo com o teu comentário e destaco o teu último parágrafo

      Eliminar
  4. Continua a mentalidade derrotista que nos tem custado dissabores no decurso das últimas 3 décadas. Bayern, humanamente possível? Poupa-me, o SLB é um grande da Europa e um bocado mais de autoestima e teríamos eliminado os bávaros. Essa do ir para a guerra já derrotado porque os outros são muito grandes irrita-me desde 1986 contra o PSV. Mas acho que é defeito do país e não apenas do clube. O Leicester deu uma boa lição.Não há cá pequenos ou diferenças de planteis quando é a competência que manda.Foi bom, saímos dignamente é o mínimo exigível. Obrigados a vender?Não somos o Barcelona? Poupa-me. O SLB sempre vendeu um ou dois jogadores.O drama não está aí. O drama está nessa mentalidade de se achar que tem de se vender. Que é inevitável. Que raio, o clube dá assim tanto prejuízo que tem de se vender tudo o que surja de bom? As contratações para a B são um investimento, mas não é preferível investir o dinheiro a manter mesmo com tectos salariais, os nossos bons jogadores, a ter que os vender porque querem ir para fora?Isto tem de ser pensado e tem de se tomar posição. Andar a pagar a comissionistas, perder bons jogadores para tubarões e depois dar palmadas nas costas porque perdemos nos quartos de final contra os tubarões porque somos pobrezinhos é uma mentalidade que quanto a mim está a mais no meu país e no meu clube.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom comentário. No entanto penso que essa mentalidade está mais presente na massa adepta do que na estrutura e plantel do clube.
      O Benfica e os benfiquistas devem manter a sua auto estima quando enfrentam adversários mais ricos. Descomplexadamente.

      João Diogo

      Eliminar
    2. Caro Joca concordo consigo quando diz que temos que perder o medo aos grandes se queremos voltar a ser grandes. Mas as (ainda evidentes e inegáveis) carências da nossa actual equipa obriga(ra)m-nos a ser assim com o Bayern tal como com qualquer outro peso-pesado da Europa. Agora com os plantéis que tivemos há 2, 3 e 4 anos não deveríamos ter tanto respeito pelos mais fortes de facto. Isto sem querer tirar mérito ao treinador da altura que potenciou atletas que com outros não passam de jogadores assim-assim.

      Eliminar
    3. O PSV foi em 88. Acho qie o historial do Benfica em jogos com o Bayern fala por si. E jogámos de igual para igual. Não os eliminamos por detalhes ( falhanço jonas, penalty lahm, quase 2 0 do raul, nao expulsão do javi), tal como podiamos ter levado mais golos. Foi futebol e a equipa e tecnicos não podem ser acusados dessa mentalidade derrotista.

      Eliminar
    4. Meus caros, permitam-me como Sportinguista dar a minha opinião, não há impossíveis,na Inglaterra ficou demonstrado.
      Mais, o Benfica só não passou, porque o árbitro deu uma grande ajudinha ao Bayern.
      Sem influências da árbitragem se calhar estariam agora a jogar contra o Atlético.

      Em relação á venha dos melhores jogadores penso de outra forma, porque não aguentar os melhores jogadores e investir na Champions League, como foi o caso deste ano em que o sonho teve perto!

      No futebol já não há papões, depois da regulamentação anti doping os clubes mais poderosos, já não apresentam grande diferença, veja o Chelsea que depois de ser campeão estava todo roto, e está a meio da tabela.

      Para concluir, penso que para o futebol se tornar mais competitivo deveria ser imposto um limite de estrangeiros e jogadores nacionais, e digo isto também em forma de debate, pergunta.

      Eliminar
  5. OFF TOPIC:


    Shadows, afinal o 4ª Escolha está vivo!!!!

    Parece que o Bruno anda ocupado a tentar encontrar Milhões para segurar o Jesus e enviou o Aliado para falar...

    Estranho!!!!

    Mais estranho também é até ao momento ainda ninguém do Guimarães ter vindo falar...

    Pergunto eu:

    Mesmo não gostando do Guerra, será que ele tem razão?

    E tendo razão, ele pode ser uma besta mas burro não é para ter lançado tamanha farpa, será que tem provas?


    Quanto ao Post foi muito bem escrito, concordo com tudo e claro... Rumo ao 35!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se é verdade ou não uma coisa é certa o Benfica têm em Guimarães 2 jogadores emprestados nossos é só falar com eles.

      Eliminar
  6. " Renato Sanches é aos... 18 anos... a pedra MAIS fundamental da equipa "

    Por enquanto ainda NÃO É FUNDAMENTAL e os últimos 3 jogos tem sido provas indesmentíveis que o jovem Renato ainda não possui capacidade TÉCNICA e estrutura MENTAL para merecer o estatuto de titular indiscutível !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o que até é natural num puto de 18 anos e com muitos jogos nas pernas este ano.
      o que deveria ser analisado é que ele é o único que não tem um concorrente para o lugar, como se viu neste ultimo jogo, mais ainda quando ele nem era para fazer parte do plantel principal é que começamos a época sem um único oito no plantel , alias desde a saída do enzo que não temos nenhum.

      Eliminar
  7. 1. Confesso que me deixa um bocado atordoado balanços de época a 08ABR2016. Aliás, boa sorte em manteres todas essas certezas absolutas em caso de 3 derrotas consecutivas. Mas ok: em prol de uma saudável discussão, vamos a isso.

    2. Rui Vitória foi a minha primeira escolha. Não posso dizer que esteja deslumbrado com o trabalho desenvolvido, mas merece, independentemente do que aconteça daqui para a frente, um 2.º ano à frente da equipa. Apesar do arranque medonho e das pobres prestações na Supertaça e Taça de Portugal, o desenvolvido, sobretudo, no campeonato e LC (as competições que verdadeiramente interessam) coloca o balanço do saldo num patamar francamente positivo.

    3. Eu não diria tanto que houve uma aposta na formação: esta terminologia pressupõe uma acção deliberada e livre em, perante iguais circunstâncias, os jovens serem a 1.ª aposta. Ora, à excepção de Semedo (pois já não havia Maxi), isso não aconteceu com nenhum deles.

    4. Ederson andou a aprender com Júlio César até aquele se lesionar. Lindelhof era a 4.ª opção e esteve de malas aviadas para Midlesborough. Renato estava na B quando, após os 0-3 em casa frente ao SCP, avançou directamente para Braga como titular. Guedes andou a fazer de Salvio enquanto Pizzi não convenceu.

    5. Repito: não houve uma aposta deliberada na formação. Houve sim, uma atribuição natural de oportunidades em virtude das vicissitudes do momento. Ao caso de Guedes, sem sequer a devida preocupação pela particular evolução do jogador: sempre encostado para zonas do campo que castravam o seu jogo. Guedes não é Salvio nem Gaitan, como também Jonas, o melhor jogador do plantel, não o é.

    6. As soluções para o plantel sempre lá estiveram. Ficava completamente pregado à parede de cada vez que se dizia que não foram dadas condições a RV para o sucesso, que não éramos sequer candidatos tal o poderio do investimento e plantéis adversários. Que as armas eram desiguais e estávamos em inferioridade.

    7. Ninguém transforma um pepino num craque. N-I-N-G-U-É-M. Podem sim criar as condições, a envolvência para, devidamente enquadrados, potenciarem todas as suas qualidades inerentes. Mas tem de existir qualidade. E essa, está lá. E muita. Como já no ano passado estava (desbaratada).

    8. Manter a miudagem a titular (ao caso actual, Ederson, Lindel e Renato) não se trata de uma questão de aposta na juventude, mas antes do reconhecimento da qualidade e trabalho desenvolvido, com a consequente aplicação de um acto lógico de justiça, como o é o da atribuição da titularidade.

    9. E para que se perceba a volatilidade de tudo isto, tempos não muito idos houve em que eram Semedo e Guedes os titulares e os outros nem da convocatória constavam.

    10. Finalmente, começa-se a chegar à conclusão de que os orçamentos não constituem uma verdade absoluta e universal de sucesso: veja-se o Benfica, veja-se o Leicester. Quanto GASTOU o FCP em Casillas, Maxi (mesmo a custo zero), nos centrais, no Imbula ou no extremo mexicano que para lá têm? E de que lhes valeu? De nada, porque não investiram: desbarataram.

    11. Quanto INVESTIU o Benfica em Ederson, Semedo, Lindel, Renato e Guedes? Quanto já lucrou e quanto virá ainda mais a lucrar?

    RedMist

    ResponderEliminar
  8. 12. Não é o barato que custa pontos, é a falta de qualidade. E o plantel do Benfica, asseguro-vos, tem muita qualidade. Independentemente de não terem sido investidos os milhões de outros tempos. E ainda bem!

    13. É errado pensar sobre quantos pontos nos custou a utilização dos jovens. Importa antes analisar se, com a capacidade de investimento do Benfica, poderiam ter sido captados melhores recursos humanos do que os já existentes. Se haveriam milhões para encontrar melhor que Ederson, Semedo, Lindel, Renato ou Guedes.

    14. Assim como será correcto analisar em quantos jogos auxiliaram aqueles nas vitórias. Provavelmente, em todos.

    15. Mais: aqueles que são tidos hoje como “as pérolas da formação” – Ederson, Lindel e Renato – ainda que tratando-se sem dúvida de belíssimos valores, não vão valer o que Guedes e Semedo, se devidamente potenciados, um dia valerão nas suas posições.

    16. Certo. As posições são diferentes, as comparações não são aplicáveis. O próprio valor de mercado varia consoante as posições. O que defendo é que, nas respectivas posições, e contrariamente aos anteriores 3, Guedes e Semedo reúnem condições ímpares para serem assombrosos, referências de top mundial.

    17. O que vi Semedo fazer na B e até ao momento da sua lesão na equipa principal não é obra da “sorte”. Semedo é uma locomotiva. Um lateral explosivo. Com uma capacidade técnica, habilidade e agilidade que fariam corar muitos extremos. Olho para o Semedo e vejo um Alaba em potência.

    18. Guedes, como 2.º avançado num 4-4-2 ou o avançado mais à esquerda em 4-3-3, vai ser A-S-S-O-M-B-R-O-S-O. Nunca o remeteria a uma linha, como extremo da linha média. Nunca. Perde a equipa em qualidade de jogo, perde o jogador em rentabilidade e confiança. Para que se perceba: olho para Guedes e não vejo um Salvio nem um Gaitan, vejo um Cristiano Ronaldo em potência.

    19. E quem é Guedes hoje? E onde está o lateral direito explosivo ao qual Guardiola se referiu, mesmo não tendo jogado contra a sua equipa? Pois… Nem tudo são rosas no Benfica de RV e importa estar atento ao que será feito relativamente a Guedes e Semedo. A ideia de emprestá-los a outros clubes é absolutamente inconcebível. Têm tudo para revelar-se marcantes na próxima época.

    20. Interessante as referência às prestações do Teixeira e do Andrade no Guimarães. Concordo que ambos não reúnem, actualmente, condições para ingressar no plantel. Tendo dito isto, à luz do que vimos do Guimarães na Luz e ao longo do campeonato, acham mesmo que ambos não têm lugar naquele 11? Certo…

    21. Que se perceba a diferença entre jogadores sem a qualidade necessária e treinadores retrógrados e sem maõzinhas que acham que o futebol é luta, agressividade e outras tretas bélicas. Esses, podendo, entravam em campo de chaimite. E por isso é que não se aguentam em lado nenhum.

    RedMist

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No ponto 12 vai investigar quanto se gastou este ano no total e compara com os últimos 7 anos, ou pede ao eagle que ele diz-te! É muito fácil enganar até pessoas esclarecidas.

      Eliminar
    2. Esse tema dava pano para mangas...

      Compreendo o que dizes, mas isso leva-nos para outros caminhos que 1 dia desenvolverei com o devido critério. Prometo.

      Abraço, RedMist

      Eliminar
  9. Basicamente concordo com tudo o que escreves. Quanto a LFV tenho real desprezo pelos negócios ininterruptos de compra e venda de jogadores com critério desconhecido, em termos desportivos quero dizer. E isso sendo legitimo (legitimado por 83% de votantes) é de um ponto de vista da razão, uma forma estúpida de gerir, mas cada um sabe de si (falo do dito senhor).
    Venha o tri e a sétima, nós merecemos, os que amamos o clube, os jogadores e os técnicos, merecem e muito!

    ResponderEliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.

artigos recentes