O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


Qual vai ser o resultado do Derby?

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Avatar

José Maria Pedroto e Pinto da Costa - refrescar a memória dos esquecidos.

 ●  + 26 comentários  ● 


Pela segunda vez vou recolocar um post que escrevi em 2011 sobre quem foi a semente do clima de ódio e corrupção que invadiu o futebol português nos anos 80.

Há uma certa amnésia em alguns benfiquistas sobre quem foi Pedroto e sobre quem é Pinto da Costa.
Mas é uma amnésia de que não partilho.

------------------------------------------------

José Maria Pedroto – a semente do ódio e pai da corrupção

José Maria Pedroto foi um treinador e ex-jogador de futebol, nasceu no dia 21 de Outubro de 1928 em Almacave, Lamego, e faleceu a 7 de Janeiro de 1985.

Não analiso a sua performance como jogador neste post, mas sim como treinador e estratega do ódio e guerra no futebol português.

Em 1960, Pedroto torna-se o primeiro treinador Português com curso superior. Foi um treinador com excelentes capacidades técnicas associadas a um discurso agressivo, que viria mais tarde a caracterizar outro José (Mourinho).

Enquanto treinador, continuou a evidenciar-se nos "estudos", obtendo uma brilhante classificação num curso de treinadores efectuado em França. Estes resultados, aliados ao bom trabalho nas camadas jovens do FC Porto, levaram-no ao posto de treinador da selecção nacional de juniores.

Pedroto abandona o futebol jovem do FC Porto para ir treinar a Académica. Depois treinou o Leixões, onde foi vitíma da única chicotada psicológica da sua carreira. Treinou depois o Varzim, que estava no seu 2º ano na primeira divisão.

Em 1966 realizou um sonho: tornar-se treinador principal do FC Porto, fica até 1969 e vence uma Taça de Portugal. Depois ruma até Setúbal.

Em 1974, mudou-se para o Boavista.

Volta às Antas em 1976 para vencer dois Campeonatos (1977-78 e 1978-79) e uma Taça de Portugal.

Falha o «tri» e sai na confusão do "verão quente". Passa a treinar o Vitória de Guimarães, onde esteve 2 épocas, obtendo um 4º e um 5º lugar. Com ele esteve Artur Jorge.

Pedroto regressa ao FC Porto já com Pinto da Costa como presidente. Nesse período ainda venceu uma Taça de Portugal e foi finalista da Taça das Taças. Pedroto e Pinto da Costa criaram as bases para a série de grandes êxitos que se seguíram e que culminaram com a vitória na Taça dos Campeões Europeus. Ao "leme" estava o seu discípulo Artur Jorge, um dos dois treinadores portugueses campeões europeus de clubes, a par de José Mourinho, em 2003/04, também ao serviço do FC Porto.

José Maria Carvalho Pedroto acabou por falecer na manha do dia 7 de Janeiro do ano de 1985, com 56 anos de idade, sucumbido à doença que o corroía imparavelmente. Durante a madrugada do dia do seu falecimento, já visivelmente debilitado, tentou satisfazer os seus últimos desejos, bebendo whisky por uma colher e tentando fumar o último cigarro.” – retirado da WIKIPÉDIA

Para a maioria dos portistas, este homem é uma lenda, um herói. Mas para adeptos do futebol como eu, ele foi a semente do ódio e da corrupção dos últimos 30 anos no futebol português.

Como exemplo, relato este episódio contado pelo jornalista Neves de Sousa:

“Pouca gente soube que o muito saudoso José Maria Pedroto esteve a um pequeno passo de ser treinador do Sporting, quando João Rocha era presidente do clube de Alvalade. Tudo estava acertado, pormenor por pormenor , até à mais ínfima partícula de um documento que vinculava as duas partes, pelo menos durante uma temporada fotobolistica. 
Porém, no dia em que estava aprazado a assinatura nos papelinhos, Pedroto travou o gesto e subitamente disse para o presidente do Sporting: “Esqueci-me de lhe lembrar, mas falta aqui uma clausula. Está tudo certo, tanto em relação aos meus prémios, como aos meus vencimentos, o caso do apartamento e do carro às ordens, tudo muito bem, mas o senhor presidente esqueceu-se de que eu lhe tinha dito logo no primeiro encontro: só vou para um clube que dê garantia de contar com os árbitros.

”“Como, não percebo?”

Indagou João Rocha, nessa altura pouco habituado a saber o que era certa fatia da arbitragem, Pedroto meteu a caneta na algibeira, levantou-se e apenas disse:“Quinze mil são para mim, mas para os árbitros são precisos outros tantos, caso contrário o Sporting só ganha campeonatos lá para o fim do século.

O contrato acabou por não ser assinado. Pedroto rumou para outra latitude, mais compreensiva. O Sporting continua a ver navios.
------------------------------------------


Ao contrário da lavagem de imagem que a imprensa avençada tem-se esforçado por fazer nos últimos anos, Pedroto era “intratável e tinha atitudes que roçavam o racismo", conforme afirmou Mário Wilson nos anos que teve que conviver com este senhor.

Assina contrato com o FC Porto, após uma investida directa de Pinto da Costa, que estava devidamente autorizado pelo Presidente Américo Sá para contratar a qualquer custo o treinador português. José Maria Pedroto apenas colocou uma condição que se verificou: que Pinto da Costa fosse o Chefe de Departamento de Futebol Profissional. Começava assim uma dupla que marcou e marcará inquestionavelmente para sempre uma época no futebol português.

Pinto da Costa e José Maria Pedroto traçaram uma estratégia que visava afrontar todos os poderes instalados no futebol português e de uma vez por todas acabar com a hegemonia bicéfala dos clubes da capital.

A temporada de 1976/77 foi altamente conflituosa. O FC Porto acabou apenas em 3º lugar no Campeonato Nacional da 1ª Divisão a 10 pontos do SL Benfica que foi o Campeão Nacional. Venceu porem a Taça de Portugal numa final onde derrotou o SC Braga por 1-0.

No ano seguinte, finalmente, foi quebrado o longo jejum de vitórias dos FC Porto no Campeonato Nacional da 1ª Divisão. Os azuis e brancos sagraram-se Campeões Nacionais depois de um competição disputadíssima, decidida na “goal average”, com o SL Benfica, que foi 2º classificado, com a proeza inacreditável protagonizada pelo clube da Luz, que não perdeu qualquer encontro na prova e não foi campeão.

Renovou o título de Campeão Nacional na época seguinte de 1978/79 em mais um campeonato extremamente disputado com o SL Benfica. Em 1979/80 perdeu o título para o Sporting CP, quedando-se o FC Porto no 2º lugar do Campeonato Nacional da 1ª Divisão somente a 2 pontos dos leões de Alvalade.

Depois destes 3 anos a frente da equipa do FC Porto o clima de “guerrilha” no futebol português, envolvendo os principais clubes e os poderes de decisão na FPF, estava extremamente intenso e fortemente acicatado por José Maria Pedroto e Pinto da Costa. Era um chorrilho de polémicas e um constante ambiente fervente entre os protagonistas.

Mário Wilson, durante o período em que foi treinador do SL Benfica, ou mesmo na Selecção Nacional, foi sempre um alvo privilegiado de José Maria Pedroto, como se tratasse de um verdadeiro ódio de estimação.

Como exemplo do clima que se vivia e as repercussões nas pessoas destaca-se recorrentemente um episódio ocorrido na época de 1979/80. 
Naquele período, Mário Wilson era o seleccionador nacional que convocou vários jogadores do FC Porto para representar Portugal num jogo particular contra a Espanha que seria disputado na cidade de Vigo. Esse jogo seria realizado entre os dois jogos do FC Porto para a Taça dos Campeões Europeus frente ao AC Milan o que evidentemente prejudicava a preparação da equipa portista.

Por isso, José Maria Pedroto não se conteve, chamando “palhaço” a Mário Wilson. Os jogadores do FC Porto iriam juntar-se ao grupo da Selecção Nacional que vinha de Lisboa, na Estação da Campanhã no Porto. Aí, em vez dos jogadores do FC Porto estava uma verdadeira multidão em fúria que apedrejou o comboio que transportava a equipa de Portugal.

José Maria Pedroto foi multado pelas instâncias federativas em 500 escudos. O popular “Zé do Boné” não emendou, em jeito de reacção acrescentou: “Quando disse que Mário Wilson, como treinador, era um palhaço, não tive intenção de ofender os palhaços.

A verdade é que este tipo de discurso era recorrente em José Maria Pedroto. Frases como “temos de lutar contra os roubos de igreja no Estádio da Luz”, ou “passamos de pombinhos provincianos a falcões moralizados”, ou ainda “é tempo de acabar com a centralização de todos os poderes na capital” eram frequentes no linguajar do técnico.

Depois do FC Porto perder o Campeonato Nacional da 1ª Divisão da época de 1979/80, não conquistando o tri, José Maria Pedroto foi afastado do cargo de treinador principal do azuis e brancos pelo Presidente Américo Sá que se dizia farto das polémicas e conflitos gerados pela dupla Pinto da Costa e Pedroto.

A saída de José Maria Pedroto e de Pinto da Costa do FC Porto foi conturbada originando o celebre verão quente de 1980, quando 14 jogadores do FC Porto, onde constavam nomes como o de Costa, Oliveira, Octávio, Sousa, Frasco, Gomes, entre outros, fizeram uma autêntica rebelião não comparecendo aos trabalhos no arranque da temporada de 1980/81.

O Presidente do FC Porto Américo Sá deixava o nome de Pinto da Costa fora das listas concorrentes aos órgãos sociais. Em forma de protesto e demonstrando estar ao lado do actual presidente portista, 14 jogadores não compareceram aos trabalhos de preparação para a nova época sob os comandos do austríaco Herman Stessl, entretanto escolhido para suceder a José Maria Pedroto.

Esses 14 jogadores trabalhavam no Pinhal de Santa Cruz do Bispo às ordens de Hernâni Gonçalves, preparador físico de José Maria Pedroto, enquanto que os jogadores do FC Porto, os apelidados de “alinhados”, prosseguiam a sua preparação em Leiria.

Desempregado, José Maria Pedroto, foi alegadamente seduzido por responsáveis do SL Benfica para assumir o cargo de treinador principal dos encarnados. Esse facto não se consumou porque, dizem, alguns dirigentes benfiquistas vetaram o ingresso do técnico no clube, outros, afirmam que foi o técnico que não aceitou rumar a Lisboa pois pretendia continuar a trabalhar no norte do país.

Para o Sporting CP acabou por rumar o britânico Malcolm Alisson, para o SL Benfica o húngaro Lajos Baroti e José Maria Pedroto permaneceu inactivo no início da época de 1980/81.

Entretanto, em Guimarães, o Vitoria SC arrancava para a época de 1980/81 com enormes expectativas de sucesso. O recentemente empossado Presidente da Direcção do Clube vitoriano, o jovem Pimenta Machado, tinha contratado um punhado de jogadores de inegável qualidade, desde os internacionais Damas e Blanker, a jogadores da categoria de Barrinha e Nivaldo, até aos jovens Fonseca e Ribeiro.

Depois de um início de prova algo titubeante o Presidente do Vitoria decide despedir Fernando Peres e Cassiano Gouveia, a dupla técnica que comandava a equipa, à passagem da 7ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª Divisão depois de uma derrota frente ao SC Espinho por 3-1.

Diz-se que incentivado por Pinto da Costa, o Presidente do Vitoria, Pimenta Machado, decide contratar tão só a melhor equipa técnica nacional, numa ousadia que espantou todo o futebol português. É desta forma que José Maria Pedroto, coadjuvado por António Morais e Artur Jorge, ingressa no Vitoria Sport Clube.

A entrada do treinador José Maria Pedroto revelou-se importante, pois o Vitoria melhorou significativamente de produção, alcançando resultados bem mais consentâneos com a valia da equipa.

A estratégia de Pedroto, para quando perdia, passava por imputar as responsabilidades pelas derrotas ao exterior. Quando perdia, a culpa ou era do arbitro, ou dos poderes instituídos no futebol português que teimavam em prejudicar a sua equipa.

Após a passagem pelo Vitoria de Guimarães a sua carreira no futebol prosseguiu regressando novamente ao FC Porto, já com Pinto da Costa na presidência do principal clube da cidade invicta.

O Vitoria SC e os seus dirigentes tudo fizeram para manter José Maria Pedroto no cargo de treinador da equipa principal. Os vimaranenses terão mesmo oferecido um salário de 1.500 contos por mês, quantia superior aquela que José Maria Pedroto foi auferir como técnico do FC Porto.

Foi a partir da época de 1982/83 que a dupla José Maria Pedroto e Pinto da Costa começaram a lançar os alicerces do FC Porto moderno.

José Maria Carvalho Pedroto acabou por falecer na manha do dia 8 de Janeiro do ano de 1985, com 56 anos de idade.

Ele e o seu aprendiz, Pinto da Costa, dividiram o país, erigiram guerras sem fundamento, lançaram o ódio, a mentira e o cinismo para cima dos adeptos e do quotidiano desportivo.

Pedroto será talvez a figura, de entre todas as áreas de actividade, que mais mal fez a Portugal e à sua coesão colectiva no último quarto de século, um mal de consequências que só o futuro poderá apurar.

E o seu aprendiz é estranhamente tolerado e branqueado por uma comunicação social imediatista, superficial e reverente para com o poder, por dirigentes desportivos e agentes diversos que fazem do servilismo um modo de vida, e até por uma classe política medíocre e bajuladora, capaz de o receber, ano após ano, a expensas dos nossos impostos, nos luxos da Assembleia da República.

Deve dizer-se, de forma bem clara, que o objectivo de vida de Pedroto e de Pinto da Costa não foi atingido. 
Apesar dos títulos conseguidos pelo F.C.Porto – grande parte deles à custa das mais variadas formas de viciação, muitas delas para além das questões vindas a público no âmbito do processo Apito Dourado -, a verdade é que o clube nortenho nunca foi capaz de se afirmar como referência nacional, nem cativar a simpatia, ou mesmo o simples respeito, da esmagadora maioria dos adeptos portugueses, sobretudo fora das fronteiras da sua delimitada região.

Pedroto e depois Pinto da Costa nunca conseguiram matar a alma benfiquista, nem retirar uma pevide à gigantesca massa adepta do clube encarnado, que semana a semana, em Portugal e no mundo, vibra com os jogos do Benfica.

Mesmo tendo, ao longo deste período, ganho mais vezes, o F.C.Porto nunca venceu por si próprio, mas sim, e sempre, contra alguma coisa. Contra o Benfica, contra Lisboa, contra o Sul, contra os fantasmas dos seus próprios complexos. Mesmo ganhando aos grandes nunca deixou de ser pequeno. Uma pequenez do tamanho do seu presidente, que transformou uma instituição outrora respeitável num antro de rancor e podridão.

O clube do povo continua a ser o Benfica, de Norte a Sul, do Minho ao Algarve, do Continente às Ilhas, e é por isso que o ódio de Pinto da Costa aos encarnados permanece tão vivo.

Pedroto e o seu aprendiz. O primeiro já faz tijolo à anos, e o segundo estrebucha porque sabe que já não tem muito tempo e mesmo com 30 anos de roubos, continua a liderar um clube pequeno, que não soube evoluir, crescer, tornar-se grande.

Por tudo isto, recuso-me a ver em Pedroto alguém de valor. É o responsável e a semente de 30 anos de corrupção, ódio e guerra no futebol português.

26 comentários via blogger

  1. André Gomes06/01/15, 17:48

    Eu gosto de vir ca mas de vez em quando sai cada pérola... A serio? Sou portista claro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, a sério! E ficou muito mais por contar.

      Eliminar
  2. O que é que isto interessa?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Interessa porque faz 30 anos que o mostrengo morreu e a brigada do branqueamento já saiu à rua para lhe limparem a imagem!

      Eliminar
  3. Uma foto deveras interessante não são duas personagens são 3 com o domingos "bombas" gomes...o verdadeiro seringador do futebol português que encobriu tudo sobre o doping em Portugal devido às suas influências nos laboratórios de análises,acabando mesmo por fazer parte da delegação europeia anti doping ...o jeito que aquele lugar lhe deu...o povoas na altura dessa foto ainda andava longe....

    ResponderEliminar
  4. Haverá alguém capaz de relembrar os detalhes do episódio Pedroto/pai do jogador Blanker quando este jogava no Guimarães e quase foi "desta para melhor" por causa da ingestão de qualquer coisinha esquisita?
    Se calhar o André Gomes aqui de cima, como é portista, possa fazer o favor...

    João A.

    ResponderEliminar
  5. Eu venho cá todos os dias também por textos como este.

    ResponderEliminar
  6. está bem é enterrado. agora falta o outro.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Este Post SIM! Não tenho amnésia e como já era homenzinho nessa altura, lembro-me bem do ódio que Pedroto nutria pela Benfica.

    ResponderEliminar
  9. Que tenha ardido no inferno!

    No mesmo onde espero que arda o peidolas!

    ResponderEliminar
  10. Oh caro Shadows... e tu a dar-lhe com o esquizofrénico e anti-portista-pintista primário Neves de Sousa.
    Quando será que aprendes que essas'fontes' que citas não são válidas pois não são neutras, imparciais,
    sérias, honestas. Esses tais Neves de Sousa é que destilam ódio por todos os poros.

    E quando será que aprendes que na Wikipédia qualquer um pode ir lá distorcer o que quiser.

    Mas já que falas em Wikipédia... vai lá ler.

    Massacre de Lisboa de 1506
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    "No Massacre de Lisboa de 1506, também conhecido como Pogrom de Lisboa ou Matança da Páscoa de 1506, uma multidão perseguiu, violou [carece de fontes], torturou e matou centenas de judeus, acusados de serem a causa de uma seca, fome e peste que assolavam o país. Isto sucedeu antes do início da Inquisição e nove anos depois da conversão forçada dos judeus em Portugal, em 1497, durante o reinado de D. Manuel I.

    Como consequência, homens, mulheres e crianças foram torturados, massacrados e queimados em fogueiras improvisadas no Rossio, mais precisamente junto ao largo de São Domingos. Os judeus foram acusados entre outros "males", de deicídio e de serem a causa da profunda seca e da peste que assolava o país. A matança durou três dias - de 19 a 21 de Abril, na Semana Santa de 1506 - e só acabou quando foi morto um cristão-novo (mas não judeu) que era escudeiro do rei, João Rodrigues Mascarenhas,que foi morto por engano por cidadãos exaltados, que acharam que ele era criptojudeu e as tropas reais finalmente chegaram para restaurar a ordem."

    Ou seja..... Sombras, por essa ordem de ideias... eu também, qual Neves de Sousa, eu posso dizer que tu
    Sombras, também és um herdeiro dos tais que em 1506 mataram, esborracharam homens, mulheres e
    crianças contra a parede?!

    Por essa ordem de ideias eu também posso dizer e escrever o que me apetece...

    Mas, não é assim. Sabes, Shadows... nos anos oitenta quem começou a espalhar o ódio até foram
    os Diabos Vermelhos. Agora adivinha lá de que clube eram os Diabos Vermelhos?!

    Já te disse Shadows... que nem vale a pena tentar sequer abrir-te os olhos. Tu já não tens cura.

    És apenas mais um 'Neves de Sousa' ou um Viriato de Viseu que julga, acredita que o futebol era
    puro ANTES de PC e que só começou a haver corrupção e ódio com PC.

    Como se nos anos 20, 30, 40, 50, 60, 70 não houvesse corrupção, não houvesse 'ódio'... COMO
    se nos anos e décadas anteriores o futebol fosse um Paraíso na Terra, um Eden Celestial l!!!

    Oh Shadows... o meu pai tem 80 anos e o meu sogro tem 84 anos... se tu ouvisses as estórias
    que eles contam dos tempos em que o FCP mal atravessava a Ponte da Arrábida em direcção ao Sul
    o FCP já estava a perder ANTES do jogo começar.

    Explica-me lá isso.

    E explica-me porque raio os Presidentes da FPF só podiam ser à vez do SLB e do SCP?!

    Já sei... antes dos anos 80... era tudo sério, santo, honesto.

    E em 2005, 2010, 2014, a corrupção fez um intervalo... não houve corrupção nesses anos!!!

    Paulo Pereira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Detecta Broncos Acéfalos & Frutados07/01/15, 07:34

      Esqueceste-te de mencionar que o Benfica foi a causa da peste bubónica na Idade Média.
      Os complexos do teu FCP são tão grandes que voltaram a perder sempre que atravessam as pontes para sul.
      Os complexos não vos largam e vão piorar! A culpa é de Lisboa e do Benfica!
      E no Porto nunca houve Inquisição nem perseguição aos judeus, porque a Inquisição foi inventada em Lisboa e no Porto nunca houve judeus, só há galegos!

      Eliminar
    2. Estas respostas do tipo: "faço porque os outros também fazem mas não sei se é verdade, é que que oiço dizer" são completamente ridículas. O que aqui se fala, pelo menos para pessoas nascidas antes dos anos 80, é a realidade e como se conseguiu inverter um domínio repartido por SLB e scp, ás custas de falcatruas que só num país de "Sócrates" e afins é que vingam. Este caro adepto rival (atenção: rival não inimigo), fala de coisas que podem ser verdade mas que não têm escutas, como o Apito Dourado teve, que as possam provar, e isso, caro Paulo Pereira, não há adepto portista que possa esconder por mais que tente.
      António F.

      Eliminar
    3. Muita burrice e idiotice mostras no que aqui escreves. Respeito o teu pai e sogro pela linda idade que têm mas essa conversa de que eles te contam estórias terriveis é conversa tua. Foi a arma que o pintinho e o pedroto usaram para vos convencer de que sofriam roubos do tamanho da Torre dos Clérigos e assim justificarem toda a máquina de corrupção que criaram. "Se eles fazem nós tambem vamos fazer"...diziam eles ,mas totalmente falso.Nunca ninguem montou uma máquina de corrupção, terror e se apoderou de todos os lugares de controle da FPF. Quanto aos Presidentes que rodavam eram dos três clubes de Lisboa, SLB,SCP e CFB...mas tinham pessoas da AFP (escondidos ligados ao fcp). Por isso apoderaram-se da AG da FPF e começaram a nomear pessoas controladas mesmo sendo de outros clubes.
      Trouxeram o ódio e a violência para para o Desporto (não foi só para o Futebol)Essa dos Diabos Vermelhos só pode ser para rir. Aconselho-te a leres a obra prima publicada pelo Macaco em que ele descreve as acções feitas pelos SD em Portugal e no estrangeiro.
      DEIXA DE SER PAROLO

      Eliminar
    4. ENGRAÇADO ,QUAL É A TACTICA DO VIEIRA??FALAR DO APITO DOURADO??E DO PINTO DA COSTA??MAS NAQUELE TEMPO DO SALAZAR E DEVIA SER TUDO VERDADE DESPORTIVA...O CALABOTE DEVE TER SIDO INVENTADO...MAS NÃO FOI POR NÓS,PORTISTAS...ODIO E VIOLENCIA??QUERIAM QUE O PORTO FICASSE QUIETO COM OS ROUBOS DE IGREJA??AHAHAH...TIVE DE ESPERAR 33 ANOS PARA VER 1 EPISÓDIO DE O CARLOS MANUEL DAR 1 SOCO EM 78 NAS BARBAS DO ARBITRO ASSISTENTE DEPOIS FALAM QUE FOI PORTO QUE TROUXE ODIO??AHAHAH...FOI O JOÃO PINTO QUE COMEÇOU AS ESCARAMULAS COM PAULINHO SANTOS E FOI O PORTO QUE TROUXE ODIO??QUEM FEZ 1 BENFICA SPORTING PORQUE O CANNIGIA FOI MAL EXPULSO??DEVE TER SIDO O FC PORTO??AHAHAHA

      Eliminar
    5. ENGRAÇADO ,QUAL É A TACTICA DO VIEIRA??FALAR DO APITO DOURADO??E DO PINTO DA COSTA??MAS NAQUELE TEMPO DO SALAZAR E DEVIA SER TUDO VERDADE DESPORTIVA...O CALABOTE DEVE TER SIDO INVENTADO...MAS NÃO FOI POR NÓS,PORTISTAS...ODIO E VIOLENCIA??QUERIAM QUE O PORTO FICASSE QUIETO COM OS ROUBOS DE IGREJA??AHAHAH...TIVE DE ESPERAR 33 ANOS PARA VER 1 EPISÓDIO DE O CARLOS MANUEL DAR 1 SOCO EM 78 NAS BARBAS DO ARBITRO ASSISTENTE DEPOIS FALAM QUE FOI PORTO QUE TROUXE ODIO??AHAHAH...FOI O JOÃO PINTO QUE COMEÇOU AS ESCARAMULAS COM PAULINHO SANTOS E FOI O PORTO QUE TROUXE ODIO??QUEM FEZ 1 BENFICA SPORTING PORQUE O CANNIGIA FOI MAL EXPULSO??DEVE TER SIDO O FC PORTO??AHAHAHA,,,E QUEM TROUXE ODIO E CORRUPÇÃO FOI SALAZAR E OS 2 CLUBES DO REGIME...ESPERO QUE SEJA METIDO ESTE TEXTO,PORQUE SOU PORTISTA,MAS NÃO GOSTO DE MENTIRAS SOBRE O MESTRE PEDROTO...

      Eliminar
  11. O primeiro post to sombras que leio e apluado!!! Afinal deves ter algo de Benfiquista em ti...talvez comece msm a converter me...

    ResponderEliminar
  12. Só uma dúvida me assalta.
    Os alinhados treinavam em Leiria?
    Onde??
    Tens noção o que era Leiria á data dos factos??
    Não vale a pena mentir,porque vivo em Leiria e assisti aos factos.

    ResponderEliminar
  13. André Gomes06/01/15, 20:27

    Pérolas? Pérolas e no o anti lampião!

    ResponderEliminar
  14. Eu sou do Sporting, e sim, isto interessa e muito...

    ResponderEliminar
  15. Nao vou rtesponder muito ao texto,porque o mesmo ja foi publicado algum tempo o Shadows voltou a publica-lo e fez bem e daqui por mais alguns anos se andares por ca volta a publicar porque esta geracao e a futura tem que saber como nasceu a divisao norte sul por quem a criou e alimentou o odio que ainda hoje vigora e nao se vai dissipar assim tao rapido dos coracoes portistas assim tao facil,sou Portugues Benfiquista assumido cidadao do Mundo conheco os 4 cantos do mundo e nunca vi gentinha tao mesquinha tao dura tao casmurra tao odiosa como os adeptos Portistas,falar-lhes do Benfica e como se falarem do diabo pois nao surpreende tiveram dois excelentes professores do odio,um ja desaparecido o outro ainda vive um ja vio que nao valeu a pena ter fomentado o odio o outro devido a sua idade tambem o sabera nao daqui por muitos anos,Shadows fizeste bem em trazer este texto de novo os portistas nao gostam que se toque nos seus mestres e nao aceitam para eles e tudo tao limpinho como foram as aguas do Douro e do Tejo hoje ja nao sao assim porque estao poluidas esses dois senhores tambem poluiram o futebol Portugues para sempre.

    ResponderEliminar
  16. Era importante explicar o ódio de Pedroto a Mário Wilson.

    Quando este foi treinador da Académica, Mário Wilson deixou de jogar e foi convidado por Pedroto para seu adjunto, e o agradecimento deste foi "atraiçoá-lo" à primeira oportunidade, acabando por ficar com o seu lugar de técnico principal.

    Este episódio foi-me contado por um antigo jogador da Académica dessa época.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez alguem que ainda está vivo possa explicar porque era adjunto do Pedroto em Guimarães
      e abandonou a equipe técnica. Hoje faz declarações tecendo loas a Pedroto mas podia explicar porque abandonou o Vitória sob o comando do mesmo. Talvez assim se entendesse porque o GRANDE CAPITÃO não quiz colaborar mais com ele. Perguntem ao Artur Jorge ...

      Eliminar
    2. O ARTUR JORGE??AQUELE QUE FOI INDICADO PELO MESTRE PEDROTO PARA SUBSTITUIR??AHAHAHAH

      Eliminar
  17. Excelente post, está aí tudo assino por baixo, Cumprimentos benfiquistas

    ResponderEliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.

artigos recentes