O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Um balneário fantástico e um treinador cujo grande mérito é não complicar

Avatar
 ●  + 25 comentários  ● 
Das muitas opiniões que aqui fui dando ao longo do tempo, se há uma que se o pudesse fazer hoje apagava, foi a acusação de que no Benfica não havia estrutura.

De facto, este último ano e meio provou (a mim pelo menos, que era cético em relação a esta ideia) de que no Benfica há estrutura. Aliás, é ela que nos tem valido:

1. Há estrutura diretiva, há recursos humanos, há capacidade de inovação e de antecipar o futuro, e de chegar antes dos outros ao "amanhã";

2. Há Seixal e sangue e muito cimento e betão como base de um projeto desportivo, e que até ao momento tem dado bons frutos e que nos garante o futuro;

3. Há projeto desportivo, uma linha traçada ao nível da política de aquisições e vendas de jogadores, com recursos humanos adequados ao que se pretende;

4. Há estrutura comunicacional, com a qual discordo em grande parte, mas que foi pensada claramente para cumprir determinados propósitos;

5. Há um balneário forte, há história, há caminho, há cultura de vitória, há líderes, há gente perfeitamente identificada com o símbolo da Águia e com o que ele representa, e que torna mais fácil a vida daqueles que chegam, e que tem sido uma vantagem fundamental sobre os nossos rivais.


Este último ponto é o FUNDAMENTAL e aquele em que me quero focar neste texto.

Porque a estrutura do balneário é o suporte de todos os outros pontos. Sem balneário, sem jogadores, sem vitórias domingo após domingo, a política comunicacional perde argumentos e torna-se ineficiente; o Seixal passa a ser muito lindo no papel mas com putos não se vai a lado nenhum; o projeto desportivo passa a ser uma tanga; o passivo do clube passa a ganhar outra importância e a ser motivo de debate; e em consequência disso as Direções tremem!

E este, quer se queira quer não, é o B-A-BA do futebol: com golos está tudo bem, mesmo aquilo que está mal; sem golos, o foco das luzes coloca-se noutros lados e há sempre muito lixo para descobrir debaixo dos tapetes.

Em suma, este último ano e meio, um período difícil como sabemos em face de uma transição complicada mas que acabou por nos sorrir, tem sustentação no balneário, nos jogadores que lá andam, e claro, no seu treinador.

Sem aquele balneário, sem aquela união que transparece a cada jogo e que nos tem permitido atravessar tanta tempestade, sempre à base do suor, da crença e do deixar sempre tudo em campo, Luís Filipe Vieira poderia estar neste momento numa situação bem diferente. Obviamente, o balneário da Luz é também obra dele, pelo que não se podem ver as duas entidades como coisas separadas!

Onde entra Rui Vitória no meio disto tudo?

Bem, antes de ir a este tema convém lembrar aquilo que já aqui escrevia ainda nos tempos de Jorge Jesus: Não creio que haja no mundo nenhum treinador milagreiro (até Mourinho e Guardiola têm anos bons e anos maus), e acredito até que hajam bem poucos treinadores no mundo capazes de dar um cunho tão vincado às suas equipas que os tornem quase uma “marca”, até porque, diga-se em abono da verdade, raramente têm tempo para o fazer, e andam sempre a trabalhar – em Portugal pelo menos – sob a espada das Direções que todos os anos têm de vender os melhores jogadores e obrigam os treinadores a recomeçar do zero uma e outra vez, e por isso, com muitíssimas mais probabilidades de errar.

Mas, na maioria das vezes, a importância do treinador nas equipas de futebol está na minha opinião sobrevalorizada, e quando se muda (muito rapidamente na maioria das vezes), quase sempre o que se procura é um renovar de estímulos emocionais bem mais do que qualquer mudança de fundo, embora, claro, se faça sempre aquele aparato nas apresentações com a chegada do Salvador e do Agora sim é que é, e se exiba com pompa e circunstância contratos de longa duração (rasgados ao fim de 4 meses), como se a chegada de um treinador signifique na maioria das  vezes  alguma mudança de paradigma.

Rui Vitória para mim enquadra-se neste grupo de treinadores sem grande marca, alguém cujo grande mérito é não complicar nem querer mudar aquilo que de bom já foi feito, no grupo de treinadores facilmente substituíveis porque nunca terão passado de uma pequena peça da engrenagem (isto não tem de ser visto pelo lado negativo), e no dia em que Rui Vitória sair tenho a certeza de que não haverá na Luz nenhum choque de massas como aconteceu com o treinador anterior, isto porque, e isto vale para o “bom” e para o “mau”, este Benfica tem muito menos de Rui Vitória do que o anterior tinha por exemplo de Jorge Jesus.

Mas isto não é também diminuir o seu papel: Rui Vitória soube inserir-se na estrutura sem criar qualquer ruído, trouxe ao Benfica tranquilidade, um discurso sereno, foi inteligente(íssimo) em trocar o discurso do “eu” pelo “nós” para marcar com isso um certo corte com o passado, e tem sabido manter (o que nem sempre é fácil) os jogadores motivados e sempre do seu lado.

A juntar a isto (porque estas são coisas que amanhã poderão ser "facilmente" replicáveis por muitíssimos outros treinadores), Rui Vitória trouxe a tal aposta na juventude que a Direção pretendia (esta já uma característica que nem todos os treinadores possuem), e que no fundo é a característica que tem dado cunho ao seu trabalho.

Jogadores lançados, jogadores que se têm afirmado sem grandes sobressaltos, jogadores que chegaram a um patamar exibicional “aceitável” (com Renato mais acima) muito rapidamente – tudo isto méritos de Rui Vitória.

A nível tático pois, já tenho muito mais dúvidas quanto ao nível de excelência de Rui Vitória, quanto à sua capacidade para fazer alterações de fundo se necessárias, e tenho por exemplo muitas dúvidas se, Rui Vitória, tendo sido um treinador EXCELENTE a lançar certos miúdos, seja a pessoa certa para os levar a um patamar de excelência, nomeadamente ao nível de conhecimento do jogo e daquilo que devem fazer a cada momento.

Discordo pois da opinião do meu colega de blogue BenficaByGB que vê neste Benfica um plantel fantástico, uma equipa fantástica, e que a nível de qualidade de jogo aparece logo a seguir àquele nível de equipas como Barcelona, Bayern Munique ou Real Madrid.

Não creio de todo que estejamos nesse patamar (pelo menos quando o adversário "pesa" um pouco mais do que a mediania do nosso campeonato), e em face do plantel que vejo no Benfica neste momento, estou muito longe de achar que Rui Vitória fez já deste Benfica mais do que a soma das partes, este para mim o verdadeiro selo de qualidade e o barómetro pelo qual se pode avaliar o trabalho de cada treinador...

Há deficiências no plantel óbvias, e sinceramente nunca vou entender como é que se vende Renato Sanches sem comprar um “OITO”, escolhendo-se voltar à fórmula já experimentada no início do ano passado e que tão maus resultados deu, mas creio também que a afirmação de Rui Vitória terá de passar por aí, por mostrar a todos ser capaz de resolver problemas que a equipa tantas vezes denota a nível tático, felizmente não tão visíveis porque as vitórias vão escondendo certas insuficiências que se percebem a olho nu.


25 comentários blogger

  1. Se Rui Vitória ficar 6 anos no Benfica talvez tenhas que reformular "no dia em que Rui Vitória sair tenho a certeza de que não haverá na Luz nenhum choque de massas como aconteceu com o treinador anterior, isto porque, e isto vale para o “bom” e para o “mau”, este Benfica tem muito menos de Rui Vitória do que o anterior tinha por exemplo de Jorge Jesus".

    Achas que se vê melhor a estrutura desde que lá está RV, coisa que não acontecia com JJ? Olha para o Sporting. Aquilo lá não tem qualquer estrutura e vê-se o que JJ (não) tem conseguido. Jesus fez o que fez no SLB (as coisas boas, sublinhe-se) precisamente porque tinha a estrutura a apoiá-lo mas também a controlá-lo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Correcto!
      E não esquecer que fez o que fez, tendo ao seu dispor os melhores planteis que há memória...
      e mesmo assim, conseguiu perder 2 campeonatos para o vitó Pereira e um dos piores portos dos últimos tempos!
      Burro velho não aprende!
      E este já está bem velho, e parece ainda mais burro!

      Eliminar
  2. Treinador mediano, sem fio de jogo, professor de ginástica, pena não termos o catedrático, mestre da táctica que vai a 8 pontos e que transformava qualquer manel em ouro, pena é futuros jogadores do Barça terem que nascer 10 vezes e rumar a outras paragens, concerteza o Rui Santos no final da época irá ver a injustiça que se vai passando e atribuirá o seu troféu ao dono.

    Ridículo é achar que o Benfica tem a falta de um 8 e depois atacar RV por não fazer milagres, não ver que Gaitán nunca se exibiu a um nível tão bom como no ano passado até à lesão, não perceber que no ano anterior o jogador que melhor começou a época tinha acabado de sair das suas mãos (André André), não perceber que JJ no último ano não ganha um jogo sem gaitán e RV perde metade dos titulares mantém-se em primeiro, veja-se Adrien este ano, achar que RV é o treinador que faz os jogadores "dar as mãos" no sentido figurado é redutor para o trabalho fantástico que se tem feito no SLB.
    Estamos por dois anos consecutivos nos oitavos e leio aqui do passado europeu glorioso deixado pelo JJ.

    ResponderEliminar
  3. Águia Preocupada19 dezembro, 2016 15:13

    Of topic: Peço imensa desculpa, mas não resisto a plasmar aqui o azedume de uma sportinguista de Aveiro, patenteado no programa "discurso Directo" da TVI 24. Dizia ela:
    "Gostava muito do Sporting, mas agora com aquele TRIPÉ que lá está - que é o treinador o Jesus, o patrão e aquele senhor manco velho que já tem idade para ter juízo e ter outra linguagem para respeitar mais os jogadores e o público em geral"
    Digam lá que isto não é divertido! Ah! Ah! Ah! HILARIANTE!

    ResponderEliminar
  4. Gosto da ideia do post na sua generalidade, no entanto discordo um pouco da ideia que Rui Vitória não é treinador para levar jogadores a patamares maiores ou cultura/perspicácia táctica.

    Para mim tal como jogadores têm uma margem de aprendizagem e melhoramento o mesmo se passa com treinadores, e também treinadores merecem que se lhes seja dado uma margem de manobra

    O JJ quando veio para o Glorioso já tinha experiência em clubes de segunda liga e também de clubes na 1a liga, o Rui caiu no SLB numa altura em que trocamos um treinador que esteve 6 anos na casa, que tinha conquistas para mostrar etc

    Ele aguentou pressões de dentro e fora do clube, agarrou uma equipa com o peso de conquistas recentes e com adeptos sedentos de mais - No entanto foi campeão e fez uma época de excelência

    Este ano além de ter perdido jogadores importantes por motivos de venda, as lesões varreram o plantel

    Ainda assim seguimos na frente

    Ninguém nasce ensinado e ele irá aprender e tornar-se melhor naquela que é a sua profissão, o Benfica não joga futebol de rolo compressor como nos tempos de outros vamos esperar pla 2a volta para ver se com o plantel mais composto se joga melhor futebol

    Acho simplesmente prematuro afirmar que ele deixa a desejar a nível táctico

    ResponderEliminar
  5. Águia Preocupada19 dezembro, 2016 15:34

    Não li o texto todo. O RedMoon escreve bem, mas é demasiado é demasiado extensivo e a paciência esgota-se...
    Mas pelo que li, cheguei à feliz conclusão que no Benfica reina a PERFEIÇÃO! Segundo a opinião do autor, "há" tudo de muitas coisas no Benfica... Até será verdade! Mas esqueceu o autor, de dizer que há MUITAS COMPRAS, MUITAS VENDAS E MUITAS COMISSÕES DESNECESSÁRIAS que enchem os bolsos a uns enquanto aumentam o passivo do clube! Manda a verdade que se mencione tudo e não se branqueie o mau!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando não se sabe trepar, até as "bolas " atrapalham !
      O texto do RedMoon é longo sim, é maçudo sim, mas anda à volta do triunvirato direcçao/estrutura-treinador-jogadores e nada mais do que isto. Pretender apoucar ou amesquinhar o cerne do que o RedMoon tentou explicitar, é de muito mau gosto...penso eu de que!

      Eliminar
    2. Em abono da verdade, o águia já se queixou da extensão dos meus posts em outros textos.

      Em minha defesa, se eu conseguisse dizer o mesmo em menos linhas, faria-o.

      E o águia está com sorte, já que acabo sempre por cortar alguns parágrafos :)

      ... e ainda ponho alguns a bold para se ficar com uma idéia sem ter de ler tudo :))

      Eliminar
    3. Águia Preocupada19 dezembro, 2016 17:00

      RedMoon, Não quis de forma alguma apoucar ou amesquinhar o que escreve, como o Catedrático interpretou. Aliás, digo no meu comentário que escreve bem - se bem que faça alguns erros como o caso de "faria-o" que deverá escrever: Fá-lo-ia -!
      Devo confessar, RedMoon, que padeço do mesmo mal, ou seja, tenho muita tendência para escrever textos longos.
      Mas continue a escrever porque são sempre temas de discussão da maior utilidade para o nosso Benfica!

      Eliminar
    4. Águia,

      Quando se está fora do país há 10 anos, é mesmo "faria-o" :)

      Sempre que vou a Portugal, nas primeiras horas e no primeiro dia, quase nem me sai um "Obrigado" ou um "Bom dia"... Passadas 24 horas sim, o disco rígido formatado em português volta a funcionar...

      Mas a tendência não é para melhorar :)))

      Abraço

      Eliminar
  6. O plantel tem muita profundidade. O Benfica está nas 16 melhores equipas da Europa e lidera o campeonato com jogadores como Jonas, Rafa e Grimaldo-em grande parte da competição- e Jardel de fora. Contra o campeão turco e russo. Só peca no meio-campo, mas aí há a questão Danilo- Tem que dar o salto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não esquecer o Horta!
      Ainda vai ser muito útil até ao fim do campeonato, para ir "descansando" o Pizzi
      Ou mesmo para jogar com 3 no meio, nos jogos mais difíceis...

      Eliminar
  7. Subscrevo, belo artigo. Parabéns pela análise !

    Se para todas as posições temos alternativa, qual a nossa alternativa para a posição 8 ?
    Será Danilo ? Precisamos urgentemente de alguem fiável para substituir o Pizzi até porque este está á bica do 5º amarelo e o próximo jogo fora de portas é em Guimarães, todos saberão da dificuldade de passar neste campo !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Marega ainda deve jogar esse antes de ir para a taça das naçoes africanas infelizmente...
      Vamos a ver....às vezes esses jogos teoricamente mais difíceis até são os mais fáceis...O Jonas está de regresso...Pode ser que jogue a titular na cidade berço...com ele em campo fica tudo mais fácil...E o RV conhece bem o Guimarães...tem sempre ao seu peso...

      Eliminar
  8. ""Rui Vitória para mim enquadra-se neste grupo de treinadores sem grande marca, alguém cujo grande mérito é não complicar nem querer mudar aquilo que de bom já foi feito, no grupo de treinadores facilmente substituíveis porque nunca terão passado de uma pequena peça da engrenagem (isto não tem de ser visto pelo lado negativo)""

    Não só não tem nada de negativo, como é assim que tem que ser, a função do treinador está bem descrita na nome, treinar. Só não é assim em clubes incompetentes, clubes incompetentes é que andam a reboque do treinador, nem vou falar de como o Csrvalho anda a reboque do Jorge, basta lembrar como o Damasio destruiu uma equipa fortissima e depois a culpa foi do Artur Jorge.

    Quanto ao Rui Vitoria... alguem se lembra da anedota que era o Jorge defensivamente quando chegou ao Benfica? Alguem se lembra inclusive dos recados na comunicação social que o Benfica tinha que melhorar defensivamente? MAs o Jorge que saiu do Benfica tem alguma coisa a ver com o que chegou? Eu não tenho memoria curta. O Rui Vitoria ainda vai crescer muito como treinador, o brilhante trabalho que tem feito já ninguem o tira.

    ResponderEliminar
  9. No meu entender a tua análise é correctíssima. Pessoalmente gosto que o Benfica vença, mas gosto mais muito mais de futebol que gosto do Benfica apesar de gostar do Benfica há mais de 40 anos. Quando o Benfica joga um caracol, ver os jogos do clube são um suplicio para mim porque adoro futebol. Obviamente que Rui Vitória está carregado de méritos, obviamente que o futebol do Benfica depende só dos jogadores, porque o modelo de jogo é "correntes, unidade e amizade", o que é realmente o factor mais importante numa Equipa, mas é de menos.

    ResponderEliminar
  10. camarada redmoon, ora cá eu acho que o vitória é um treinador que no Porto era campeão a cagar, mas diz-me o último treinador do benfica que tenha jogado, mesmo com uma equipa de um escalão inferior, com 5 portugas??
    Taticamente? Foi campeão, mete o benfica nos quartos da champions,com miùdos....o homem não é bom? Mete-o no Porto, depois verás, já o disse aqui o benfica tem excelentes analistas de jogo a trabalhar no seixal e rui vitória alem de treinador é coordenador do trabalho, isto é bem fácil no sofá, redmoon o pessoal aqui gosta é de relatórios e contas e dívidas, no futebol está tudo bem.

    ResponderEliminar
  11. Este Redmoon quer dar uma de pseudo intelectual e escreve artigos sem conteudo...
    Anda ali à volta do mesmo...sem sair de cima...e sem concretizar...

    Recordo as palavras de RV que o imortalizaram como um grande homem, um grande benfiquista e um grande treinador.

    "Dizem que a vingança se serve fria. Que no fim é que se fazem as contas. Mas vingar o quê? O clubismo? A paixão de cada um pelo seu clube? O futebol é assim mesmo. É irracional e leva muitas vezes a excessos e exageros que se dizem com a convicção das certezas absolutas. No dia em que estivermos todos de acordo acabou-se o futebol. Nas discussões de café todos ganham e não ganha ninguém.

    Em campo só há um vencedor. É aquele que correr mais que os outros. Que quiser mais ganhar. Que falar menos e jogar mais. É quem tratar a bola com respeito e as faltas de respeito com os pés. É aquele que matar as acusações no peito e driblar suspeitas, mentiras e insultos semana após semana e acabar com as dúvidas uma, duas, três, quatro… oitenta e seis vezes. Até provarmos que somos melhores. É isso que nos torna grandes.

    Não é quando os nossos rivais estão no chão que se responde. Nessa altura já acabou. Nessa altura deita-se a rivalidade para trás das costas e cumprimenta-se o adversário que lutou como pôde, com as armas que tinha. Porque tão importante como saber perder é saber ganhar. É isso que faz de nós o maior clube do mundo".

    Um homem que escreve isto...só pode ser um grande ser humano e um grande condutor de homens...Cada vez mais para mim os melhores treinadores são os que melhor conseguem aglutinar os jogadores à sua volta...a táctica e o génio para mim tem um papel muito secundário...é um jogo de homens, jogado por homens...e o psicológico e a mentalidade contam muito mais que as tácticas...aí existem poucos segredos, tudo desvendado pela tecnologia e departamentos de informação e estudo dos clubes...o que conta mesmo...é a capacidade de aglutinar e agregar...e aí este homem tem sido um verdadeiro génio.

    As minhas desculpas ao escriba mas é o segundo artigo totalmente ao lado quanto a mim...o primeiro foi o do Fejsa...Precisa urgentemente de se formar para melhor perceber os conceitos do jogo, dos jogadores e da equipa.

    Bem haja e boas festas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António Madeira20 dezembro, 2016 03:56

      Tudo dito.

      Um orgulho ter o Rui ao leme desta nau e de ver uma equipa dizimada por lesões em primeiro.
      Se com o outro eu dizia que quando saísse seria sempre a subir, quando este voar, todos verão o quanto fará falta.

      Eliminar
  12. "A nível tático pois, já tenho muito mais dúvidas quanto ao nível de excelência de Rui Vitória, quanto à sua capacidade para fazer alterações de fundo se necessárias, e tenho por exemplo muitas dúvidas se, Rui Vitória, tendo sido um treinador EXCELENTE a lançar certos miúdos, seja a pessoa certa para os levar a um patamar de excelência, nomeadamente ao nível de conhecimento do jogo e daquilo que devem fazer a cada momento."

    Obviamente que o simpático RV é medíocre a esses níveis, como aliás muito bem já demonstrou. É um Benfica em regressão, no treino, no jogo, na técnica e na táctica. E nada pior do que estragar o que de muito bom vinha sendo feito nos últimos 6 anos de JJ.

    E, por favor, afaste-se de vez essa ideia idiota de que com RV é que os jovens começaram a evoluir... O homem tem lançado alguns jovens, é verdade. Para já não se vê qualidade particular, tirando Renato Sanches, mas daí a dizerem que RV é o responsável vai uma distância muito grande...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh lagarto que idade tem o lindelof e o semedo?

      Deves ter lá melhor na agremiação do Lumiar!!!!!

      Eliminar
  13. Já cá faltavam a me*** dos elogios ao bronco egocêntrico, e o apontar de defeitos ao treinador campeão que neste ano e meio tem comido o bronco de cebolada.

    O Benfica é mesmo muito grande, tem de tudo. Até pessoas que tenho muitas dúvidas do seu benfiquismo.

    JorgeGN

    ResponderEliminar
  14. Concordo com o texto até à parte sobre o treinador. Creio que RV tem sido subvalorizado. Acredito que o mérito do bem estar no balneário é dele. A forma como os jogadores compreendem e aceitam a rotatividade em algumas posições é de RV.
    Não creio que seja mau taticamente. A forma como o slb encara os jogos justifica o seu mérito tático.
    Há trabalho tático na defesa e nas triangulações ofensivas junto às linhas que permitem a progressão e constantes desmarcaçoes.
    Sim ele soube encaixar-se na estrutura mas trouxe cunho pessoal.
    A forma como ignorou as provocações do JJ foi de Homem. A forma como as usou para gerir o plantel foi superior.

    O slb hoje é um clube com um plano. A estrutura afinal existia e hoje é chapada nas ventas de muita gente semana após semana.

    ResponderEliminar
  15. Numa visão um pouco mais abrangente sobre a relação entre treinador e clube, acho que em vez de discutir méritos ou lacunas do RV, podemos tentar ver as coisas com os olhos da administração do clube. Em clubes como os nossos rivais, onde existe instabilidade e a organização se encontra em processo de construção, é obviamente necessário um perfil de treinador feito, um tipo com provas dadas, que tenha passado por muito (daí não compreender muito bem a escolha de NES). Foi essa a opção do Sporting. É lógico que se essa opção traz a vantagem de o clube poder queimar etapas de crescimento e de ganhar um rumo vencedor, também traz a desvantagem de no erro tudo se perder.
    No Benfica acredito que as coisas devem ser vistas de outro modo, o clube é gerido de acordo com linhas de pensamento empresariais e a gestão desportiva é efectuada com bases científicas. As opções são tomadas de acordo com os dados disponíveis, minimizando a tal "intuição ". Não é o treinador que falha ou acerta, quem acerta ou falha é o resultado do trabalho de um vasto grupo de pessoas.
    É aqui que entra este perfil de treinador, a cola que une a ciência à condução dos homens (bonito :) ). Para fechar, acho que com a saída de JJ perdemos alguma pimenta (ele tinha a sua piada), mas com a entrada de RV ganhámos uma equipa. Abraço

    ResponderEliminar
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.
Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado.

recentes

ranking

Em Defesa do Benfica