O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


Fontelas Gomes tem condições para permanecer como presidente do CA?

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Avatar

Football Leaks: os truques sujos da Doyen Sports.Parte II.

 ●  + 7 comentários  ● 

Em 2013, Arif Arif foi à procura de casa em Londres. - Encontrei uma boa - disse a Lucas. - Quero lhe mostrar. Feita à medida para orgias."A que Lucas respondeu:" Oh sim !!! " 

As suas mensagens de texto no WhatsApp sugerem que, para eles, os jogadores de futebol são apenas vacas de fazer dinheiro. Em 2014, Arif enuncia para Lucas os seus jogadores/clientes convocados naquele ano para o Campeonato do Mundo no Brasil. 

"Mangala, Promes, Defour, Januzaj, Xavi, Falcão, Rojo, Negredo, de Gea ... Doyen Sports niggas going to World Cup!" Quando a seleção brasileira de Neymar passou às meias-finais, Arif escreveu a Lucas: "Neymar bitch. Nigga making us money."

Os comentários sobre os jogadores se tornam particularmente desagradáveis ​​se um jogador de futebol escolheu seus próprios interesses antes dos da Doyen Sports. 

Um dos casos foi o atacante colombiano Radamel Falcao que, também no verão de 2013, mudou-se do Atlético Madrid para o Mónaco, uma transferência promovida por Jorge Mendes. 

A transferência foi de 43 milhões de euros, o que deu à Doyen, com uma participação de 33% no jogador, um lucro de 5,3 milhões de euros. Mas Lucas aparentemente esperava maiores retornos de Falcao. "Ele foi para Mónaco aquele cabrão", escreveu Arif, antes de insultar a mãe do jogador colombiano e concluir: "Sua carreira está acabada. [...] Ele vai acabar pagando impostos em França."

Para a Doyen Sports Investment, parece que “imposto” é uma palavra muito desagradável. 

A empresa está sediada em Malta, dando-lhe uma base respeitável na União Europeia, ao mesmo tempo que oferece o atraente compromisso de um regime de impostos simples e segredo comercial. Nelio Lucas possui duas empresas offshore registadas lá, escondidas atrás de testas de ferro. 

Um deles é WGP, que detém os 20 por cento em Doyen Sports, que lhe foram oferecidos pela família Arif. O segundo, chama-se Vela e tem uma conta bancária no Liechtenstein, e lida com os 900.000 euros anuais que remuneram Lucas e seus colegas. 

O português também tem uma conta no banco do Crédit Suisse em Zurique. A razão, nas suas próprias palavras, é "para que ninguém divulgue nada sobre nós". 

Nelio Lucas recebeu uma participação de 20 por cento na Doyen Natural Resources, uma das empresas do grupo no Panamá, que possui através de uma empresa-mãe nas Ilhas Virgens Britânicas. Quando não estava comprando futebolistas, Lucas viajou para negociar acordos de mineração no Brasil, na Serra Leoa e em Angola, três países cheios de corrupção. 

"Acha que eu deveria suborná-los ???", perguntou a Arif numa mensagem sobre os negócios no Brasil. "Sim mano", veio a resposta. O negócio desmoronou aparentemente depois que a outra parte tentou subornar Lucas.

Mas a especialidade de Lucas era, acima de tudo, ofertas de TPO(Third-party ownership). 

A Doyen Sports agiu como uma espécie de usurário no mundo do futebol, obtendo taxas de juros proibitivas para os clubes em crise financeira e que são forçados a vender suas jóias da equipa. 

O sistema era que Doyen Sports compraria a um clube uma percentagem num jogador, na esperança que seria vendido rapidamente com um bom lucro para Doyen Sports, que recebeu uma parte proporcional da transferência paga pelo clube novo. 

Oficialmente, a Doyen Sports não tem influência sobre as decisões de transferência, conforme estipulado nas regras da FIFA. Mas, na prática, era diferente. Quase todos os meios valiam a pena empregar para a Doyen Sports conseguir um acordo. 

Em agosto de 2013, Lucas organizou uma festa de sexo em Miami, numa tentativa de convencer Florentino Perez a comprar Geoffrey Kondogbia em que Doyen Sports tinha investido numa participação. 

Em 14 ocasiões entre março de 2014 e setembro de 2015, Lucas enviou mulheres jovens de Minsk, Moscovo e São Petersburgo para ajudar a resolver negócios, com os bilhetes de avião pagos por sua empresa offshore Vela. Algumas mulheres eram modelos. Outra, cujo nome é Kateryna, orgulha-se em sua conta no Twitter que ela é uma "Mulher bonita - um paraíso para os olhos, inferno para a mente e purgatório para os bolsos". 

Exceto o caso de um par de mulheres trazidas para Ibiza para dois dias de festa, Lucas usou a empresa feminina exclusivamente em viagens de negócios. Algumas juntaram-se a ele para os jogos da Liga dos Campeões, como a meia-final em abril de 2014 entre o Real Madrid e o Bayern de Munique. As mulheres também o acompanharam em viagens de negócios a Madrid, Barcelona, ​​Bruxelas e Atenas.

(continua na parte III, amanhã às 09h)

7 comentários blogger

  1. como dizia um artista num comentário a um post anterior o que temos a ver se os gajos com que nos negociamos são uns corruptos e vigaristas.
    pelos vistos nada lá esta é a mentalidade de hoje vamos lá todos negociar e comprar coisas a conhecidos ladrões como se não fosse nada connosco até o dia em que somos nós roubados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, estes esquemas estão entranhados no futebol desde sempre e o Benfica ou outro qualquer clube que se queira manter competitivo vai agora manter-se à margem disto tudo só porque sim. Se nem clubes como o Real Madrid, Barcelona ou Man Unt conseguem quanto mais os clubes com menor poder financeiro. A malta tem que decidir se quer uma equipa de futebol competitiva, numa indústria que está podre de acima abaixo com corrupção, ou se quer andar a bandeira de integridade e boa fé. Os dois ao mesmo tempo não dá.
      A não ser que queira ser um boneco como o Bruno Carvalho, entra em litígio com a Doyen para depois assinar um protocolo com a Traffic.
      Que ingenuidade.
      Mas também, atrás do teclado são só decisões fáceis, queria ver era se estivessem à frente de um clube.

      Eliminar
    2. realmente essa do atrás do teclado vindo dum gajo que nem assina de facto é de homem.

      pois lá esta também deves ser daqueles que anda a comprar artigos roubados.

      não precisas de entrar em litígio com ninguém basta não fazer negocio com eles e essa conversa de que tens de fazer e uma falácia e que se fores a ver bem por cada jogador bom, que nunca ficam tempo nenhum no clube, levas com tres ou quatro em que perdes mais nesse do que aquilo que ganhas no outro e esses arrastam-se anos e anos no clube.

      Eliminar
  2. Uma máfia, na qual colaboram futebolistas e dirigentes.

    Por isso, os clubes estão todos como estão.

    Um dia destes, esta malta destrói o futebol. Entre dirigentes corruptos, outros lunáticos, mafiosos, apostas, etc., etc., etc., o pessoal afasta-se em definitivo deste lamaçal.

    Hoje em dia, quase só vejo o Benfica, porque o amor ao nosso clube é maior do que tudo o resto, mas valerá a pena dar cobertura a este embuste global?

    ResponderEliminar
  3. Curioso que agora são os negócios da Doyen..... Paga e não bufa lagarto!

    JB

    ResponderEliminar
  4. Avisa quando tiveres apanhado alguma bruxa.

    ResponderEliminar
  5. Excelente Shadows.

    Continua.

    Wey

    ResponderEliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.
Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado.

recentes

ranking