O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


O Benfica deve vender em Janeiro?

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Avatar

É lícito agredir um cidadão sob a capa de uma farda?

 ●  + 15 comentários  ● 

Para o presidente do Sindicato Nacional de Oficiais de Polícia parece ser.

O agente que agrediu barbaramente um cidadão em Guimarães cujo único "crime" foi zelar pelo bem estar dos seus filhos foi condenado a 200 dias de suspensão, faltando agora cumprir apenas 20.

Ora, o referido presidente considera que a suspensão aplicada é exagerada. Pelo visto é lícito para um agente agredir quem quer e sem qualquer justificação como as imagens deixaram bem claro.

O próprio agente, conforme afirmou Henrique Figueiredo, presidente do SNOP, também vai recorrer.

A falta de vergonha do agente nem estranho. Mas um órgão oficial como o Sindicato desvalorizar uma agressão tão selvagem é um sinal triste da mentalidade de alguns policias do antigamente.

Deixo aqui o endereço de email do SNOP para quem queira repudiar este tipo de posturas típicas de outros tempos.

Geral@snop.pt

15 comentários via blogger

  1. Alice no País das Maravilhas

    Não é numa obra de Charles Lutwidge Dodgson que encontramos forças de segurança que servem a população e a protegem, é em países civilizados como a Noruega, Finlândia, Suécia e Dinamarca. E lá os cidadãos empenham-se na construção social, assim como na Islândia.

    ResponderEliminar
  2. Muito bem!! Parece que já esqueceram

    ResponderEliminar
  3. Por essas e por outras é que os Sindicatos estão desacreditados em Portugal.
    O referido senhor devia era preocupar-se em defender o agente que foi empurrado e humilhado há dois anos junto ao estadio das antas, por um gorila criminoso ao serviço do Pinto da Costa.
    Essa devia ser a sua função em detrimento de OFENDER todos os Policias do país, ao defender este animal!

    Margem Sul

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente é o pais que vivemos em que a ignorância e brutalidade vinda de quem tem poder e aceite como uma fatalidade

    ResponderEliminar
  5. Mais triste é a IGAI e a PSP punirem o agente, quando o inquérito ainda decorre no MP.
    Vejo muita gente comentar e falar mal, mas de certea que nenhum sabe o que se passou ao certo nem o que foi dito. Baseiam a sua crítica única e exclusivamente nas imagens de TV. Imagens essas que mostram o agente a dar 2 bastonadas. Sim, APENAS DUAS, revejam. Por acaso sabem se já não tinha sido dada voz de detenção ao adepto e o agente tentado por várias vezes através do diálogo que ele acompanhasse o agente de forma a evitar o uso da força? E, minorizando ainda mais a já fraca relevância física do acontecimento, revejam também a entrevista dada pelo adepto no dia seguinte. Nem um braço ligado tem o homem, nem qualquer tipo de lesão. Os senhores que comentam e defendem o adepto, será que sabem que esse adepto já foi detido por 2 vezes por desobediência e ofensas à integridade física a agentes de autoridade?
    Um conselho muito básico que não devia ter necessidade de dar, mas pelos vistos é necessário e coincide com um ditado muito antigo: Quem está no convento, é que lhe sabe o que lhe vai dentro. Portanto deixem-se de falsos moralismos e éticas à distância. Deixem o homem ser condenado (ou ilibado) e, aí sim, podem e devem criticá-lo. Até lá, sejam íntegros e isentos e dêem o benefício da dúvida.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só podes estar a brincar!
      Um agente a quem a sociedade autoriza o uso da força não o pode fazer com aquela brutalidade, ainda mais à frente da criança, só porque o gajo foi mal educado (que foi basicamente a resposta que ele deu no inquérito!). Os colegas dele até tentam parar a situação e proteger a criança!
      Eu concordo que o adepto devia ter sido detido se desrespeitou a autoridade, nunca mas mesmo nunca daquela forma. Já vi demasiadas vezes a brutalidade policial, o abuso da autoridade que lhe demos sobre quem juraram defender. Obviamente são só alguns, mas esses têm de perceber o que acontece quando o fazem.
      É infinitamente mais grave um polícia atacar um adepto desarmado à frente de crianças, do que esse adepto desrespeitar a autoridade (e só o fez com palavras). Que raio de sociedade seremos se permitirmos isto. A polícia deve ser o exemplo, damos-lhe o poder, mas quanto maior o poder maior a responsabilidade.

      Eliminar
    2. Dou-lhe toda a razão nas suas palavras. Contudo, poderão não ser as mais corretas para explicar o que sucedeu. Fala em brutalidade, mas o agente poderá ter cumprido como mandam os livros. Se vir as imagens, o agente tenta em primeiro lugar imobilizá-lo apenas com o uso da força física com a ajuda de um 2º agente. Vendo que o adepto oferece resistência, o agente dá uma bastonada numa perna, nessa mesma altura o agente até se vê confrontado com o adepto mais idoso. A seguir vê-se que o adepto continua a oferecer resistência, tentando-se levantar, levou outra bastonada. Supondo que o adepto já estava sob detenção e o agente terá dado as ordens verbalmente e o adepto não cumpriu, o próximo passo é o uso da força, recorrendo a armas não letais. Simples. A gravidade social neste caso em concreto é a presença da criança. Mais grave foi o que se passou nesse mesmo dia no Marquês de Pombal, com adeptos a serem pontapeados e pisados na cabeça, contudo a atenção que é dada a uma situação e a outra é aquela que se vê.
      Atenção: Não estou a defender o agente, apenas lhe estou a dar o benefício da dúvida, pois não sei as circunstâncias nem os motivos da detenção. Não sei o que sucedeu antes, só sei o que há nas imagens que são 2 bastonadas apenas em pontos não vitais do corpo humano. Se são justificadas ou não, só quem lá estava é que sabe e, quem de direito há-de julgar, pois basta que naquele momento ao adepto já lhe tivesse sido dada voz de detenção e ele estivesse em desobediência, resistência e coacção para aquele procedimento estar legitimado e previsto. Mas, como disse, a verdade há-de vir ao de cima e aí sim, ele deve ser criticado ou não conforme o caso. Até lá só podemos especular e presumir.

      Eliminar
    3. Caro Shadows, uma coisa é acharmos mal a agressão e pequeno o castigo à besta agressora; outra coisa é a missão do sindicato, que existe e só para defender os seus membros. Só é oficial no plano de uma organização legal, nada tem a ver com a estrutura policial e sua cadeia organica.
      Como qualquer outro sindicato defende os seus associados/trabalhadores.

      Eliminar
    4. Senhor Ricardo Moraes, com todo o respeito pela sua opinião, apenas posso dizer que discordo da necessidade de tamanha agressividade.
      Se fala que foram bastonadas previstas 'nos livros' e que o adepto pode ter desrespeitado o agente e que é reincidente também deve analisar a clara expressão de raiva e frustração do agente bem como o desnorte do mesmo que, assim que começou foi a torto e a direito.
      Ou vai-me dizer que o murro que deu num idoso que apenas tentou impedir que ele desfizesse o seu filho à bastonada tem justificação porque 'está nos livros'?
      Percebo que um policia não goste de ver um colega ou até a sua profissão atacada, mas pelo menos não defenda o indefensável.

      Cumprimentos,

      Miguel F.

      Eliminar
  6. Caro Miguel F., peço-lhe que reveja o seu comentário e as imagens.
    Quando diz "a torto e a direito" e "desfizesse à bastonada", tenha em consideração que as bastonadas dadas foram apenas 2. Não foram 5 nem 10 nem 15, foram 2.
    Mas sim, há fortes probabilidades de o agente ter perdido o temperamento.
    E volto a repetir: eu não o estou a defender!! Estou, apenas e só, a dar-lhe o benefício da dúvida, nada mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que quiz dizer com 'a torto e a direito' foi pelo fato de ele mandar um murro no idoso, ele atuou como se estivesse no meio de uma multidão que estava para o devorar.
      Eu não lhe dou beneficio da dúvida por duas razões:
      1 - As imagens parecem-me suficientemente esclarecedoras do abuso de força (pelo menos para o senso comum)
      2 - O agente foi julgado e condenado a 200 dias de supensão (180 já cumpridos, vai agora cumprir os 20 que faltam).
      Na altura comentei com um amigo que é policia (já passou pelo corpo de intervenção)e ele explicou-me a adrenalina que corre no sangue naqueles momentos, eles ficam 'cegos', são como cavalos de corrida quando se abrem as portas.
      Compreendo que é o treino que lhes dão e não quero ser mal entendido, não estou contra a policia ou algo assim, mas revoltou-me pensar o que seria se tivesse acontecido comigo.
      Uma coisa lhe garanto, se tivesse dado um murro no meu pai EU estaria preso hoje e o agente não teria mais suspensões a cumprir.

      Cumprimentos,

      Miguel F.

      Eliminar
    2. Para o Sr. Ricardo Moraes ler o despacho da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI), que por norma são pessoas ponderadas e gostam de dar o benefício da dúvida ao Sr. Agente da "des-autoridade".

      "No despacho, a que agência Lusa teve acesso, a ministra considera que o oficial da PSP violou o dever de "obediência, por duas vezes, na medida em que não cumpriu as instruções referentes ao seu serviço", bem como o de "correção" ao utilizar "de forma excessiva os meios coercivos" inerente aos poderes que lhes estão conferidos como agente da autoridade.

      Constança Urbano de Sousa considera também que Filipe Silva violou o dever de aprumo, por três vezes, uma vez que "a sua conduta integra a prática de ilícitos criminais", nomeadamente ofensa à integridade física simples, falsificação de documento, denúncia caluniosa.

      Ao oficial da PSP é igualmente imputada a violação do dever de zelo por não ter participado com objetividade a ocorrência."

      Cumprimentos,
      FT76

      Eliminar
    3. Caro FT76, essas punições da IGAI são da mais pura incongruência que pode haver. Conheço dezenas de situações em que agentes sáo suspensos e punidos disciplinarmente dentro das suas instituições antes do fim do inquérito do Ministério Público e/ou julgamento onde são absolvidos ou os casos arquivados. Resultado: o MAI não só é obrigado e anular a punição disciplinar, repôr todas as perdas remuneratórias sofridas pelos agentes e (óbviamente) indemnizações que os agentes requerem sempre a título cível por danos não patrimoniais.
      E, se o Sr. percebe um bocadinho do assunto, pode ler nessa notícia que o Sr. transcreveu: "Constança Urbano de Sousa considera também que Filipe Silva violou o dever de aprumo, por três vezes, uma vez que "a sua conduta integra a prática de ilícitos criminais". Então mas a Srª Ministra agora exerce funções de Juiz?? Tem competências para apreciação e tipificação de crimes? Órgãos de Estado democrático, não podem interferir com os poderes de justiça, nunca! Aliás, um dos princípios da Constituição da República Portuguesa (e em qualquer Estado Democrático) é a separação de poderes (Político, Executivo e Judiciário)
      Então e se agora no julgamento, o Juiz determinar que o agente não cometeu nenhum crime? Como é que fica esse Despacho da Srª Ministra? Fica a valer ZERO.

      Eliminar
    4. Violência gratuita. Que bastão sacou o polícia ? Um soco num idoso ? E se ninguém tivesse gravado as imagens ? O que diz o relatorio do policia que é oficial ? Esta atuação policial é de uma violência gratuita. Não era preciso tanto para fazer cumprir a lei.

      Orlando Faria

      Eliminar
  7. Bom dia

    As nossas forças de segurança têm sido muito maltratadas (até Maquiavel já sugeria ao Príncipe que seria um erro tremendo). O desespero das pessoas que as constituem pode ser perigoso, não as maltratem

    Esta paranoia securitária, bisbilhoteira, controladora estende-se a todos, e aos media

    Um Homem ultrapassou o limiar da sua lucidez (por infelicidade, clubite, psicose aguda, ????) e toda a gente viu, ouviu e sentiu (e os meninos??)

    As nossas pessoas têm sido muito maltratadas

    À noite, em Lisboa, o inconsciente colectivo estaria próximo do limiar

    Alguém se encarregou de estragar a festa com arquetipias militaróides protagonizadas por gente maltratada (quem, de quem viu, se pode esquecer de alguém com uniforme empunhando o bastãofalo em pose provocatória?)

    Todos nós nos deveríamos envergonhar porque os elegemos, os educamos

    É tudo uma questão de gente mal educada..completamente incapaz de tentar civilizar uma criança que vê aquela monstruosidade e tornar-se-á naquele que atira pedras às forças de segurança ou em agente policial

    TENHAM VERGONHA, NÃO PRECISAMOS DESTES ILUMINADOS QUE NOS DESGOVERNAM NEM DESTA REPRESSÃO

    Luis Filipe Vieira

    ResponderEliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.

artigos recentes