O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


Qual vai ser o resultado do Derby?

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Avatar

Análise à arbitragem SL Benfica - FC Porto.

 ●  + 29 comentários  ● 

Análise à arbitragem por Reborn, ex-árbitro, que muito nos honra com as suas análises imparciais.

LANCES CHAVE

Min. 12 - Após lançamento lateral de Maxi Pereira, e quando Samaris já havia recebido o esférico e embalado depois de ultrapassar Evandro, o mesmo jogador do Porto, para evitar a saída rápida do grego, rasteira de forma imprudente por trás o seu adversário. Jorge Sousa interrompe de imediato o jogo e avisa Evandro. O aviso nesta situação fica muitissimo curto. A falta do brasileiro é mercedora de advertência pela sua imprudência e pelo ostensiva que foi (decisão incorrecta - advertência por efectuar a Evandro)

Min. 18 - Eliseu ao tentar passar por Danilo com um passe arriscado, vê o lateral direito do Porto roubar-lhe o esférico, junto ao banco do Benfica, e ao perceber que Danilo se ia esgueirar em velocidade e com muito perigo pelo flanco direito do ataque, agarra de forma ostensiva pela camisola o reforço do Real Madrid. Jorge Sousa adverte e bem Eliseu por cortar um ataque prometedor do FC Porto (advertência correcta a Eliseu)

Min. 23 - Quando saia para um contra-golpe bastante rápido, Nico Gaitan, ao passar junto de Brahimi, e ao invés de prosseguir o lance quando já havia passado pelo argelino, simula, como se torna ostensivo e visivel pelas imagens televisivas, um toque no seu pé esquerdo. Jorge Sousa, perto do lance, foi lesto a analisar, e fê-lo de forma correcta. Gaitan simulou nitidamente o toque do seu adversário (advertência bem efectuada a Nico Gaitan)

Min. 39 - Golo bem anulado ao FC Porto pelo árbitro assistente Bertino Miranda. Após pontapé de canto de Danilo, a bola acaba por ser cabeceada e ir parar à cabeça de Maicon que está bastante adiantado ao penúltimo defensor encarnado quando assiste o seu colega que empurra o esférico sem oposição de Júlio César. Excelente decisão de Bertino (golo bem anulado ao FC Porto)

Min. 43 - Após cruzamento para a grande área do Benfica efectuado por Danilo, Jackson que estava no meio de Luisão e Eliseu, ao tentar disputar uma bola aérea com os mesmos, como as imagens comprovam, sofre um ligeiro toque na nuca por parte do internacional brasileiro. Este toque, parece muito ligeiro para provocar a queda do colombiano (nas imagens percebe-se Luisão a chegar-se perto de Jackson e a parecer dizer "foi só um toque". Ainda que não se entenda o movimento como uma simulação, porque efectivamente existiu um toque, o mesmo é, na minha opinião, totalmente insuficiente para provocar a vertigem da queda de Martinez. As imagens permitem também verificar que logo de seguida, também o colombiano molha a sopa na nuca de Luisão. Lance típico de avançado que ao sentir o "cheiro" do defesa, procura a grande penalidade. Pessoalmente, concordo com a decisão de Jorge Sousa. Não existe motivo para a marcação da grande penalidade (Grande não assinalada a favor do FC Porto de forma correcta)

http://www.ojogo.pt/servicos/videosliga.aspx#/video?24722 

Min. 46 - Jorge Sousa interrompe de forma incorrecta o jogo, punindo Danilo por supostamente ter tocado com o seu pé no peito de Jonas. Não só assinala a infracção técnica, como ainda adverte o brasileiro. Como as imagens comprovam, Danilo, efectivamente levanta o seu pé direito, mas, nem o faz a uma altura desproporcionada, nem sequer toca em Jonas, ficando inclusivamente muito longe de lhe tocar. Jonas, matreiro, ao ver o pé de Danilo no ar, aproveita para simular o toque, induzindo Jorge Sousa em erro. Não só assinalou mal a falta, como mostrou indevidamente cartão amarelo de forma errada ao lateral portista. Podia, seguindo o mesmo critério da advertência de Gaitan, ter antes advertido Jonas pela simulação ostensiva de falta que perpetrou (falta e advertência incorrectamente assinaladas contra o FC Porto e Danilo + advertência a Jonas por simulação por efectuar)

Min. 55 - Fora-de-jogo por assinalar a Jackson Martinez após passe de Oliver Torres que só não deu golo porque o colombiano acabou por apanhar as orelhas da bola. Álvaro Mesquita estava bem posicionado, como a repetição sustenta, não se percebendo muito bem o porquê de não levantar a bandeirola punindo a irregularidade. Jackson não faz golo por um triz. (fora-de-jogo por assinalar a Jackson Martinez) 

Min. 58 - Após lance disputado entre Ricardo Quaresma e Eliseu, colegas de selecção, Quaresma acaba por tentar tirar de esforço do seu adversário benfiquista, empurrando o mesmo na zona do peito. É verdade que Eliseu acaba por empular a situação (mesmo junto a Àlvaro Mesquita), mas também não deixa de ser verdade que Quaresma não tinha rigorosamente necessidade nenhuma para fazer o que fez. A bola estava já na posse do Benfica, Eliseu ia marcar o lançamento, e Quaresma quis apenas acicatar o seu adversário com este empurrão (advertência bem feita a Ricardo Quaresma)

Min. 60 - Num lance muito próximo do árbitro assistente Álvaro Mesquita, Jackson Rodriguez em desespero por roubar a bola a Jardel, entra em carrinho de forma totalmente imprudente sobre o brasileiro, acabando por lhe acertar em cheio na zona dos pés por trás. Falta bem evidente, e merecedora de advertência, que Jorge Sousa não deixou passar (advertência bem feita a Jackson Martinez)

Min. 71 - Quando Jonas já estava no interior do meio campo defensivo portista, e ao tentar desmarcar sobre a esquerda Lima, vê Marcano aproximar-se, e cortar a linha de passe com a mão de forma completamente intencional. Jorge Sousa aqui não tinha muito espaço para dúvidas, a advertência impunha-se. (advertência bem efectuada a Marcano)

Min. 77 - Depois de perder a bola em terreno proibido, Fejsa, que havia entrado 15 minutos antes, ao ver que Herrera se escapulia rapidamente para construir uma situação perigosa para o FC Porto a meio do meio campo do Benfica, agarra pela camisola o mexicano cortando de forma ostensiva um ataque prometedor do rival azul e branco. Jorge Sousa não teve outra opção senão puxar da cartolina mais uma vez (advertência correcta a Fejsa)

Min. 79 - A maior falha de Jorge Sousa. Fejsa, que havia sido advertido apenas dois minutos antes, comete novamente uma infracção imprudente sobre um jogador do FC Porto, Casimiro neste caso, mesmo junto ao árbitro assistente Álvaro Mesquita. Além de pisar o pé direito de Casimiro, as imagens permitem vislumbrar que o sérvio entra com o seu braço direito À frente do corpo, projectando o mesmo de forma imprudente sobre o brasileiro emprestado pelo Real Madrid. Não só o castiga no pé, como acaba por o atingir de forma imprudente no peito. Talvez por ter acabado de ser advertido, escapou à expulsão por segundo amarelo, mas, as leis são claras, e a falta era merecedora de punição disciplinar (erro grave de Jorge Sousa : Fejsa deveria ter sido expulso por segunda advertência)

Min. 85 - O público da Luz e muitos jogadores do Benfica contestar o segundo amarelo a Jackson por pontapear a bola para a baliza de Júlio César. Esteve bem Jorge Sousa ao não o fazer. Primeiro, porque é Jardel que nitidamente dá um pequeno toque na bola para a fazer deslocar apenas sorrateiramente, e não na direcção do seu colega e, em segundo lugar porque, ao ser advertido, esta infracção teria de ser englobada em retardar o recomeço de jogo. Ora na altura, com 0-0 no placar, e com o FC Porto a ser a equipa mais prejudicada com o resultado, o único prejudicado em rematar a bola para longe foi o próprio colombiano, que fez com que o jogo demorasse ainda mais tempo a recomeçar (bem Jorge Sousa ao não advertir Jackson)

Min. 86 - Na sequência do lance anterior, acabou por advertir Júlio César por retardar o recomeço de jogo. Talvez o devesse ter feito a Jardel, que na verdade foi o causador de toda a situação, mas aceita-se que o tenha feito ao internacional brasileiro, que também contribuiu para atrasar o recomeço da partida. (advertência correcta a Júlio César)

Min. 89 - Nicolas Gaitan escapava-se para um ataque perigoso no interior do grande circulo já no meio campo portista quando Maicon, ao ver que não conseguiria travar o argentino, o rasteirou de forma imprudente nas pernas. Poucas opções para Jorge Sousa - advertência evidente. (advertência correcta a Maicon)

SUMÁRIO

No apelidado jogo do título, Jorge Sousa acabou por ter um trabalho de grau de dificuldade médio, mas não alto. O jogo começou muito faltoso, mas acabou por se soltar mais na segunda metade. Fez uma arbitragem de nível médio/baixo (já fez muitissimo melhor em jogos da mesma indole), tendo algumas falhas técnicas e disciplinares. O seu trabalho fica marcado contudo, na minha opinião, pela não expulsão do sérvio Fejsa. Deixou Evandro por advertir, fê-lo de forma errada com Danilo, e deveria ter punido Jonas por simulação. Estas falhas por si só não tiveram grande influência no desenrolar do desafio, nem no resultado final. Contudo, a expulsão de Fejsa deixaria o Benfica a jogar com 10 durante 11 minutos. Não se pode dizer que tenha influenciado o resultado com esta decisão, mas foi sem dúvida um erro grave do arbitro portuense.

Quanto aos assistentes, Bertino esteve excelente, sobretudo no golo anulado ao Porto, enquanto Álvaro Mesquita por pouco ia cometendo um erro que poderia ter proporções gravissimas, ao permitir que Jackson marcasse um golo em fora de jogo evidente. 

29 comentários via blogger

  1. Análise à arbitragem por Reborn, ex-árbitro, que muito nos honra com as suas análises imparciais.

    Sem dúvida. Grande análise.. Desta vez nada a opôr, a contestar.

    Cumpts

    MPV Pinto

    ResponderEliminar
  2. Por acaso o Reborn não é o Coroado? É que devem ser os únicos antigos árbitros que acham que o Fedja devia ser expulso (pelo menos os do Jogo e do Record acham que não...

    ResponderEliminar
  3. A arbitragem foi 5 estrelas, algo mudou de facto no futebol português... e isso é estranhíssimo, mesmo muito... que terá acontecido???

    ResponderEliminar
  4. Finalmente a arbitragem no rumo certo.
    é óbvio que uma falta de Luisão dentro da área não é penalti.
    5 estrelas !

    abraço ao Rola (reborn)

    ResponderEliminar
  5. Fiquei com duvidas em alguns lances, mas na globalidade pareceu-me uma boa arbitragem e concordo com a análise. No entanto alguns casos ainda me deixam na duvida. Parece-me que na oportunidade desperdiçada pelo Jackson na primeira parte, este comete num primeiro momento falta sobre o Luisão. No lance entre o Danilo e o Jonas, só recorrendo às imagens televisivas é que se poderá ter uma interpretação diferente da que teve o juiz da partida. No lance do penalti, não me parece existir falta, mas já se marcaram penaltis em situações idênticas. Por fim, acho que no lance em que o Jackson pontapeou a bola (minuto 85) imperou o bom senso, mas não as leis do jogo. E já na primeira parte o mesmo jogador tinha feito uma acção idêntica quando pontapeou uma bola depois de ter sido assinalado um fora de jogo.

    Cumprimentos,
    VR

    ResponderEliminar
  6. cOMO É QUE JACSON não devia ter sido expulso ? Jardel dá toque na bola, árvbitro ainda não tinha apitado, logo ele podia fazer o que fez. O Jackson devia ter levado 2º amarelo sem dúvida.

    ResponderEliminar
  7. João Vilela27/04/15, 19:34

    Mais uma vez os meus parabéns, Reborn. De uma imparcialidade que muitos são incapazes de exercer (a começar por mim).

    ResponderEliminar
  8. alguém disse:

    O Cartão amarelo tem que ser mostrado quando se reúne as condições infractoras para isso e o JACKSON reuniu-as TODAS, se mostrou o cartão por o Guarda Redes do Benfica Julio Cesar por retardar o jogo, teria obrigatoriamente de o mostrar também ao Colombiano e não o fez e este jogador também retardou o jogo e os cartões não podem ser mostrados ao critério da cor da Camisola e isso aconteceu em prejuízo do jogador do Benfica, como sempre, claro está. Os Regulamentos são Claros e não especificam se é deste ou daquele clube o infractor, cometeu a falta leva amarelo, só que como um deles é do Benfica, veste Vermelho, foi-lhe mostrado, o outro é Azul do Clube que por "acaso" é do próprio "julgador, como é óbvio já não lhe mostra. Vejam os Jogos e façam as analises de harmonia com o que o Arbitro faz em campo e se o próprio arbitro respeita ou não os regulamentos ao julgar punitivamente ou não as faltas que assinala. Será que existe alguma adenda ao Regulamento que só se pode PUNIR quem em campo ou fora dele Vestir de Vermelho e traga um simbolo de uma aguia ao peito ???!!!! Foi o que aconteceu !!!

    ResponderEliminar
  9. Min. 23 falta nao assinalada sobre talisca...a bola seguiu para gaitan depois
    Min 55 tanto no passe para oliver e no passe para jackson estava fora do jogo (dois fora de jogo na mesma jogada)
    Tanto Casemiro e Evandro escaparam ao amarelo muito cedo e depois fizeram várias ....imagino o que seria já que falam tanto do fedja.
    Jackson devia ter sido expulso.

    És tu coroado?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Min 23 - Correcto - Vou estar a referir uma falta que deu lei da vantagem?
      Min 55 - Correcto - Está na análise e no sumário
      Evandro - É o primeiro lance que menciono na análise...

      Não, não sou o Coroado, mas aconselho que leia as coisas com mais atenção antes de mencionar lances que efectivamente já mencionei:

      Min. 12 - Após lançamento lateral de Maxi Pereira, e quando Samaris já havia recebido o esférico e embalado depois de ultrapassar Evandro, o mesmo jogador do Porto, para evitar a saída rápida do grego, rasteira de forma imprudente por trás o seu adversário. Jorge Sousa interrompe de imediato o jogo e avisa Evandro. O aviso nesta situação fica muitissimo curto. A falta do brasileiro é mercedora de advertência pela sua imprudência e pelo ostensiva que foi (decisão incorrecta - advertência por efectuar a Evandro)

      Fora-de-jogo por assinalar a Jackson Martinez após passe de Oliver Torres que só não deu golo porque o colombiano acabou por apanhar as orelhas da bola. Álvaro Mesquita estava bem posicionado, como a repetição sustenta, não se percebendo muito bem o porquê de não levantar a bandeirola punindo a irregularidade. Jackson não faz golo por um triz. (fora-de-jogo por assinalar a Jackson Martinez)

      Eliminar
  10. Alguns esclarecimentos:

    - não, não sou o António Rola (LOL)
    - não costumo ler as interpretações de outros árbitros, muito menos do Jorge Coroado, se neste lance concreto é a mesma, é por mero acaso. Sou benfiquista como todos sabem, mas sim, acredito que o lance do Fejsa é para segundo cartão amarelo.
    - É verdade, o lance do Danilo só na TV, que é onde eu analiso os jogos. Dentro do campo e em movimento rápido pareceu-me uma falta imediata. A repetição surpreendeu-me a mim próprio. Se fosse eu lá dentro, tenho a certeza que tinha feito o mesmo, pena seja que as repetições mostrem o contrário.

    ESCLARECIMENTO SOBRE O LANCE DO JACKSON (APENAS O DO MINUTO 85)

    Como especifiquei na análise, a acção que o Jackson teve, só poderia ser enquadrada nas leis de jogo em - retardar o recomeço do mesmo; ou, caso o árbitro tivesse acabado de marcar uma falta favorável ao Benfica, o Jackson rematasse em forma de protesto. Neste caso concreto, não foi isso que sucedeu. Se não foi isso que sucedeu só podemos enquadrar o lance em retardar o recomeço de jogo. Ao analisar-se o retardar o recomeço de jogo, existe um factor de extrema importância que tem de ser escalpelizado: se a equipa beneficia, ou se a equipa fica prejudicada pela acção. Como assim? Imagine-se: aos 80 minutos de jogo, um guarda-redes de uma equipa que perde 3-0, leva cerca de 1 minuto a repor a bola em jogo. Pergunta: o que é que aquele jogador ganha em perder tempo, quando o real prejudicado é ele próprio e a sua equipa com essa atitude? A lei não pode penalizar duplamente a equipa, quando um elemento já se está a auto-penalizar.
    Daí ter referido o seguinte: aos 85 minutos, estava 0-0. Este resultado beneficiava (ou vaticinamos que seja mais benéfico para o Benfica), e prejudicava o FC Porto nas aspirações para o titulo. Este parece um factor em que todos podemos concordar. Outro factor onde podemos concordar, se quisermos tirar a camisola, e falar também do que é o futebol moderno, é que a equipa do Benfica foi matreira, e provocou a situação. O Benfica, o Barcelona, o Porto, o Real Madrid, etc, utilizam estas técnicas. Jackson foi no engodo, e foi lá rematar a bola na tentativa de ver se o árbitro já tinha dado o jogo como recomeçado...foi óbvio que foi isso que o colombiano fez. Foi óbvio que foi isso que Jardel e Julio Cesar procuraram. Na cabeça de Jorge Sousa, e suportado nas leis, o que se retira daqui é: quem é que ficou realmente prejudicado com a situação? Quem é que viu passarem cerca de 60 segundos sem a bola rolar? Jackson, inconscientemente, prejudicou-se a si próprio e à equipa, porque rematou a bola para longe do local onde ela se encontrava. Se Jorge Sousa tivesse advertido o colombiano, estaria a prejudicar duplamente o jogador e a equipa. Optou pelo bom senso. Sinceramente, parece-me que o fez acertadamente.
    Eu compreendo que sejam permissas que levantam muitas questões e dúvidas aos leitores, e não obrigo a que as aceitem. Estas e todas as outras. Todos nós temos olhos e analisamos. A diferença contudo entre mim, e a grande maioria dos leitores, é precisamente o que aqui li...pelo paixão que tenho pela actividade, e pelo trabalho que desenvolvi dentro do campo durante muitos anos, torna-se mais fácil desligar o sentimento clúbístico das questões técnicas. Não são análises nem melhores, nem piores que a de nenhuns de vocês..são apenas um pouco mais assentes em experiência.
    Para mim, a advertência a Jackson seria uma dupla penalização à equipa. Aceito contudo outras opiniões.

    Quanto à grande penalidade do Jackson, e respondendo ao VR..sim, já se marcaram por menos..mas este lance a mim, parece-me mesmo muitissimo pouco para tal.

    Qualquer questão disponham!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A do Jakson também pode entrar no comportamento anti-desportivo, por isso, o amarelo deveria ser mostrado... O árbitro não está lá para interpretar que equipa beneficia ou não das perdas de tempo, cometeu infracção para amarelo, deveria ter levado...

      Eliminar
    2. Aqui estão os motivos que originam punições por Comportamento Antidesportivo:

      comete, por imprudência, uma das sete infrações sancionadas com um
      pontapé-livre direto
      • comete uma falta com o propósito tático de cortar um ataque prometedor
      da equipa contrária
      • agarra um adversário com o propósito tático de o afastar da bola ou de o
      impedir de se apoderar dela
      • toca a bola com a mão para impedir um adversário de receber a bola ou
      de desenvolver um ataque (à exceção do guarda-redes na sua própria
      área de grande penalidade)
      • toca a bola com a mão para tentar marcar um golo (a simples tentativa de
      marcar um golo constitui uma incorreção, quer resulte ou não)
      • tenta enganar o árbitro, simulando uma lesão, ou ser vítima de uma falta
      (simulação)
      • troca de lugar com o guarda-redes durante o jogo, ou sem autorização do
      árbitro
      • atua de uma maneira que demonstra falta de respeito pelo jogo
      • joga a bola quando vai sair do terreno, depois de ter recebido autorização
      do árbitro para sair
      • distrai de forma verbal um adversário durante o jogo ou num recomeço
      • traça marcas não autorizadas no terreno de jogo
      • utiliza deliberadamente, com a bola em jogo, um meio ilegal para passar
      a bola ao seu guarda-redes com a cabeça, o peito, o joelho, etc. a fim de
      contornar a Lei, independentemente do guarda-redes tocar ou não a bola
      com as mãos. A infração é cometida pelo jogador que tenta ludibriar tanto
      a letra como o espírito da Lei 12, e o jogo deve recomeçar com um
      pontapé-livre indireto.
      • utiliza deliberadamente um meio ilegal para passar a bola ao seu próprio
      guarda-redes, a fim de contornar a Lei, quando executa um pontapé-livre
      (após advertir o jogador, o livre deverá ser repetido)

      E ainda:

      dar ou tentar dar um pontapé num adversário
      • passar ou tentar passar uma rasteira a um adversário
      • saltar sobre um adversário
      • carregar um adversário
      • agredir ou tentar agredir um adversário
      • empurrar um adversário
      • entrar em tacle sobre um adversário
      gador que cometa uma das três infrações seguintes:
      • agarrar um adversário
      • cuspir sobre um adversário
      • tocar deliberadamente a bola com as mãos (exceto o guarda-redes dentro
      da sua própria área de grande penalidade)

      Por muito que tente não consigo enquadrar o lance do Jackson em nada destes parametros...lamento..respeito contudo a sua opinião!
      Cumprimentos.

      Eliminar
  11. Confesso que não entendo muito bem o objectivo neste tipo de anãlises às arbitragens... Nem aqui nem nos variadíssimis programas de TV, painéis de comentadores etc etc
    Shadows,
    Em termos "educacionais" até entendo, mas cuidado, não te deixes ir atrás dos "main stream" que têm por hábito passarem por vezes imagens "Over and over" sem qualquer tipo de interesse ou polémica e por vezes "esquecem-se" de outras, bem mais importantes.
    Quando disse "cuidado" queria referir-me exactamente como exemplo as faltas sucessivas do Jackson no início de jogo, nunca assinaladas e que culminou com o lance da única oportunidade de golo do Porto onde o Jackson antes de rematar faz falta clara sobre o Luisão na disputa de bola de cabeça... Ainda não vi em nenhum lado algum comentário sobre este lance... E olha que deitar ao chão o Luisão sem falta, não me parece que seja tarefa fácil...
    Sobre os lances que referes, não discordo muito do que dizes, apenas acho que o Jackson à lá xico esperto devia mesmo levar o 2º amarelo... mas pronto.

    RA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O objetivo basicamente é sucintamente NENHUM! Na televisão e nos mass media são estrategicamente colocados para defender opiniões pessoais e clubísticas completamente desactualizadas ou que já estão fora do contexto das leis de jogo.

      Neste espaço apenas se pretende não educar, mas sim dar a conhecer mais aprofundadamente as leis de jogo, e situações que muitos possam desconhecer...não são as minhas análises que vão fazer regra, nem mudar as opiniões..cada um vê com os seus olhos o que quer ver..e um par de olhos vê coisas muito diferentes em lances muito iguais...

      Não sou avençado de clubes, nem papagaio de representantes...utilizo um espaço gentilmente cedido para falar sobre um tema controverso...Não quero esfregar as opiniões em ninguem, quero apenas que depois de todos lerem, percam pelo menos um pouco e criem condições no futuro para saber um pouco mais sobre esta ingrata tarefa que, muitas vezes é mais maltratada de dentro para fora que de fora para dentro...

      Ficarei feliz se no final da época pelo menos uma pessoa tiver daqui tirado alguma aprendizagem...a analise é a minha, e vale tanto como a de qualquer outra pessoa...só espero que vão criando ferramentas para criarem, cada um por si, ferramentas que lhes permitam criar as suas próprias opiniões sustentadas na lei, e não no que jornalistas legalmente em termos arbitrais iletrados debitam...

      Cumprimentos...

      Eliminar
  12. a analíse parece-me bastante isenta, ao contrário do comentário acima não me parece que jackson carregue Luisão na disputa aérea, existe um toque nas costas do Luisão sim, mas é bem antes dos 2 saltarem para disputar a bola, o Luisão perdendo o tempo de salto deliberadamente joga o corpo para trás na tentativa de ludibriar o árbitro como se tivesse sido puxado pelo jackson, no entanto com J. sousa a não assinalar nenhuma das duas situações e ao deixar seguir o lance, parece-me a mim que dps do remate de jackson este é tocado por luisão e que este deveria ter levado um aviso da parte do árbitro uma vez que a entrada foi demasiado imprudente, por outro lado, no 2º tempo o J. sousa apita um empurrão de jackson numa disputa de bola na área, não consegui ver nenhum empurrão do mesmo nas costas do defesa, e o que se vê é que jackson acaba por ficar prensado entre o defesa e júlio césar com a bola ainda jogável, aqui a meu ver J. sousa + 1 vez (como já havia feito ao perdoar o 2º amarelo ao fejsa) resguardou-se e não quis assumir o risco do erro ao optando pela decisão mais fácil, para finalizar esse lance de Jackson ao minuto 85, quantas vezes se vê por esses relvados fora uma falta ser cobrada rápidamente? posto isto prq é que J. sousa optou por mandar marcar a falta novamente e não considerou que o toque de Jardel havia sido a cobrança da mesma? se puder esclarecer estas dúvidas ficaria muito agradecido Sr. Reborn

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Relativamente aos lances que enumera a minha opinião é a seguinte:
      o lance do Jackson sobre o Luisão, é para mim, análogo ao do Luisão sobre o Jackson minutos depois e onde se pede grande penalidade. Existe toque nos dois lances? Existe, é visivel. É suficiente para o árbitro assinalar falta? Na minha opinião e mesmo com o estilo de arbitragem que Jorge Sousa escolheu (já explicarei mais adiante), os lances estão longe de ser suficientes para punição.
      Após o remate de Jackson é verdade que Luisão na tentativa de corte o faz de forma perigosa. O perigosa aqui é o facto de poder ter cometido falta sobre o colombiano. Mas os jogadores sabem que raramente os árbitros apitam nestas circunstâncias. Verdade seja dita que pessoalmente, apesar de ter sido uma tentativa desenfreada de corte, o mesmo foi mais para tentar mesmo evitar o remate, do que para praticar alguma falta, o que provoca um contacto que se torna perante estas circunstâncias quase inevitável.

      Eliminar
    2. O lance que refere posteriormente em que Jackson é prensado.As imagens televisivas não são esclarecedoras. Não dá para afirmar liminarmente que Jackson comete falta, mas também não se vislumbra, apesar de parecer, que: Eliseu toque com a mão, ou faça ele ou Júlio César alguma infracção sobre o colombiano. Ali, Jorge Sousa apitou como o fez na maioria do jogo - de uma forma completamente defensiva - o mais fácil era apitar falta do colombiano, foi precisamente isso que fez. . Por faltoso que seja um jogo, não é natural que aos 20 minutos existam já 16 faltas. Jorge Sousa sabia para o que ia, e decidiu que não deixaria nenhum lance duvidoso que fosse poder manchar-lhe o trabalho. Quando é assim, os árbitros optam por um estilo que os defende: arbitragens defensivas e que evitem situações de decisões conflituosas ou polémicas que possam de alguma forma influir sobretudo com a obtenção de um golo.
      Neste seguimento, a mesma linha de raciocinio no lance de Jardel que já aqui mencionei. É dificil perceber, pelo menos para mim, que não estive no estádio, pois se estivesse com certeza repararia nesse pormenor, se Jorge Sousa mandou o livre ser marcado rapidamente. Sinceramente é uma zona do terreno de jogo onde o árbitro pouquissimas vezes interfere com a marcação das faltas. O que me parece, e já mencionei, é que existem aqui muita matreirice de Jardel e Júlio César. O toque de Jardel é feito de tal forma, que ninguem entende se é a marcação do livre, se é um passe para ser o GR a marcar. Por isso mesmo Jackson foi molhar a sopa para ver se passava. Por esse mesmo motivo, e como Jorge Sousa entendeu que foi uma jogada matreira, puniu o GR do Benfica por retardar o recomeço de jogo, e não o fez com Jackson. No fundo, como já expliquei, Jackson acabou por ser o prejudicado, tal como o Porto em termos de perda de tempo.
      Pela linha de arbitragem que foi fazendo, e que foi notória em diversos lances, a postura defensiva do árbitro tornaria praticamente impossivel que ele permitisse a Jackson prosseguir aquela jogada, pois o caminho mais fácil foi o atalho tomado. Advertência por perda de tempo, e uma conversa com Jackson. Sinceramente, penso ter sido a decisão correcta. As directrizes dadas aos árbitros, é que permitam tempo a quem vai marcar o livre, e para os defensores se colocaram na posição devida (a 9.15m) (isto contudo em livres perigosos). Nestas situações a meio campo, a lei é um pouco ambígua. Eu pessoalmente acredito piamente que Jardel não marcou o livre. Mas também acredito que Jackson apenas tentou vislumbrar uma janela de oportunidade que não se verificou. É como disse um lance sujeito a várias interpretações.
      Dir-lhe-ei, que pela postura tomada nos lances mais "polémicos", e pela forma de apitar, a decisão seria sempre aquela. Jorge Sousa nunca arriscou um milimetro durante o jogo. Por vezes diz-se que a diferença entre um grande árbitro e um árbitro mediano, é a capacidade que o mesmo tem de encarar o jogo com coragem. Jorge Sousa preferio o caminho preferido (passe a redundância) de muitos árbitros em jogos com elevado grau de responsabilidade - a defesa pessoal. Não é censurável. Foi um jogo que poderia/pode/poderá decidir um campeonato, e todos nós sabemos que ainda hoje algumas decisões de outros campeonatos anteriores (muitas até) são bem lembradas pelos adeptos. Umas com bastante razão, outras com menos.
      Jorge Sousa quis entre aspas agradar a gregos e a troianos...e para isso defendeu-se sempre...acredito sinceramente que mesmo achando que Fejsa devia ter sido expulso..o resultado final até poderia ser o mesmo...mas até mesmo esse lance resultou de uma notória defesa do arbitro que havia advertido o sérvio 2 minutos antes.
      Foi a forma como vi os lances em causa.
      Cumprimentos

      Eliminar
    3. obrigado pela lucidez na resposta, faço apenas um reparo nesse lance confuso da falta assinalada ao jackson, em nenhum momento referi mão na bola de eliseu, e sim o facto de que jackson ficou com a perna presa entre os corpos de julio césar e eliseu. cumprimentos

      Eliminar
  13. Renovo aqui os parabéns pela análise aos lances do jogo. Claro que agora, à posteriori e com as imagens paradas é fácil falar.

    Mas, é evidente que se a bola do Jackson Martinez tem entrado na baliza muita, muita tinta iria correr...

    E a verdade é que o lance seria legal pois na verdade Jardel marcou a falta ao tocar a bola para trás. Sim, a intenção de Jardel era
    dar para o Júlio César marcar. Sim. MAS, para todos os efeitos legais, quer o árbitro quer as equipas já se tinham posicionado para
    o recomeço do jogo.. e Jardel ao tocar a bola marcou a falta. Marcou!!

    Seria um grande 31, seria... mas a 'culpa' seria sempre do Jardel pois Jackson não cometeu nenhuma ilegalidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Continuo a pensar a mesma coisa. Discordo um pouco de Jardel ter marcado a falta, mas concordo em absoluto que Jackson apenas quis tentar aproveitar para ver se a oportunidade passava.

      Eliminar
  14. Santo Tirso28/04/15, 11:54

    Sobre o lance em que o Jardel dá um toque na bola e a mesma é chutada pelo Martinez em direção ´da baliza do Benfica, pedia que opinem sobre o motivo pelo o qual o Árbitro não considerou legal a intervenção do jogador do Porto.
    De duas uma ou não apitou para o recomeço do jogo, ou o jogador do Porto não estava á distância regulamentar, mas lembro que para a primeira situação basta um gesto do árbitro para o recomeço do jogo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é legal porque é o árbitro que manda o Jardel recuar a bola pois o local de marcação do livre é mais atrás.

      Eliminar
    2. Se é como o Nuper diz (reforço que se estivesse no Estádio conseguiria perceber melhor), então o lance é bem ajuizado. Perda de tempo e matreirice de Jardel e Julio César, mas Jackson tentou aproveitar para ver o que o árbitro diria...

      Eliminar
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  17. Santo Tirso28/04/15, 20:00

    Para mim o Jorge de Sousa considerou que o Martinez não estava á distância regulamentar ( 9,15m) e tirou proveito dessa situação, mas aqui justifica-se a exibição do cartão amarelo e o consequente livre indirecto.
    No futuro recomendo que os jogadores estejam sempre concentrados, pois ocorrem situações durante os jogos que podem ter julgamentos pelas equipas de arbitragem diferentes.
    Dou um exemplo ocorrido num jogo arbitrado pelo Rosa Santos há vários anos e num jogo em que o Porto actuou como visitante com uma equipa ? do Algarve, onde a equipa nortenha beneficiou de um livre directo próxima da grande área adversária, e quando esse ex.Árbitro estava a marcar os passos para a formação da barreira, um jogador do Porto chutou a bola e essa entrou na baliza adversária, e o árbitro validou o golo não considerando os protestos da outra equipa, e se bem me lembro não foi considerado erro de facto.
    Conclusão; nem sempre os árbitros apitam para o reinício do jogo basta que ele considere que estão reunidas as condições para o fazer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje em dia as directrizes fornecidas aos árbitros são distintas: na esmagadora maioria das ocasiões, em zona de perigo, os árbitros devem permitem aos defesas organizar uma barreira, e fazer um gesto público que o jogo se reiniciará apenas após o seu sinal. O problema deste caso concreto é a zona ambigua do terreno de jogo onde se passa a situação. O apito do árbitro apenas se torna essencial em lances que possam consubstanciar perigo evidente, e não situações banais como estas no meio campo. Nesta situação, ficará um livre arbitrío que dará sempre o poder ao árbitro de decidir de acordo com o que achar de mais bom senso.
      Vi e revi o lance: não me parece que Jardel tenha marcado o livre. Mas volto a bater na mesma tecla..Jackson não é merecedor de advertência por tentar explorar essa situação. Ele não estava à distância, mas neste caso é irrelevante, apenas devem ser punidos os jogadores que não estão à distância se algo fizerem para prejudicar a marcação da falta: nada disso aqui sucedeu...não foi por Jackson estar a 3 ou 4 metros que Jardel perde a bola...
      Enfim, continuo com a minha opinião que Jorge Sousa agiu correctamente..penso que este lance se tem empolado demasiado...

      Esclarecimento das leis de jogo:

      "Se um jogador decide executar um pontapé-livre rapidamente e um
      adversário, que se encontra a menos de 9,15 metros da bola, a interceta, o
      árbitro deve permitir que o jogo prossiga.
      Se um jogador decide executar um pontapé-livre rapidamente e um
      adversário, que se encontra perto da bola, o impede deliberadamente de o
      executar, o árbitro deverá advertir esse jogador por retardar o recomeço do
      jogo"

      Eliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.

Seja moderado na linguagem. Se não o for, não se queixe se o seu comentário não for publicado.

artigos recentes