O Novo BlogGeraçãoBenfica é agora um espaço aberto a outros bloggers benfiquistas. Um espaço de opinião individual, alheio a quaisquer interesses individuais ou colectivos.
Os autores dos textos serão os únicos responsáveis pelos mesmos, não sendo definida qualquer linha editorial ou obrigatoriedade. email: novogeracaobenfica@gmail.com


O Benfica deve vender em Janeiro?

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Pinceladas sobre uma época gloriosa II

 ●  + 14 comentários  ● 


Portugal 26 de Maio de 2014

Comecei o último texto comparando a última equipa do Benfica que ganhou com realismo a Taça de Portugal, com a equipa do primeiro onde senti que esta época tinha um elán especial, Gil Vicente, 2ª jornada. Concluí que com excepção de 3 posições, uma das quais por negócio (Matic), outra por opção da Direcção (Cortez), todos os restantes 8 jogadores foram os mesmos nos dois jogos.
Não é por acaso que faço essa comparação. Continuando no meu raciocínio, se compararmos a equipa que sofridamente ganhou ao Gil Vicente, com a equipa que perdeu a Taça de Portugal contra o Guimarães (último jogo da época anterior), constatamos que André Almeida deu lugar a Cortez e Cardozo deu lugar a Rodrigo. Apenas! Ou seja, 9 jogadores mantiveram-se! O modelo de jogo foi o mesmo nestes três jogos já referidos: 4-4-2 em losango.
Onde quero chegar é à desmistificação da teoria mais divulgada para explicar os sucessos desta época, que é a teoria “Jesus aprendeu com os seus erros”, porque não corresponde com nada.
Não só não é verdade como se comprova pela repetição do modelo de jogo e da repetição de mais de 9 dos 11 jogadores da equipa, como é uma enorme falácia bem atestada no campeonato onde fizemos menos 2 pontos e marcamos menos 18 golos! Onde é que Jesus aprendeu então com os seus erros?
Eu sei que é muito complicado evidenciar as coisas com esta brutalidade natural dos números e dos factos, mas pior para mim é ver perorar muito doutor de fato e gravata, armados em analistas desportivos nos programas de opinião (quando faço zaping), ou até ex-jogadores do próprio Benfica (fora os outros) repetir quase até à exaustão, essa teoria que não existe.
Nunca existiu, nem podia existir. Porque Jesus como qualquer treinador de topo, acredita num conjunto de competências adquiridas ao longo dos anos, fruto de observação, repetição, análise de resultados, etc. Jesus não podia mudar, porque ele acredita no seu trabalho e nas suas opções. E ainda bem que não mudou, porque ganhamos tudo cá dentro este ano e apenas falhamos o objectivo exterior porque o árbitro alemão não deixou fazer melhor.
Não foi nos erros de Jesus que se perdeu o campeonato anterior, porque como se vê ele usou sempre o mesmo modelo de jogo, repetiu em cada um dos 3 jogos referidos 8 e 9 unidades, e contudo esta época foi gloriosa e a última não. Foi sim nos erros de arbitragem que esta época não “ajudaram” o FCP e no ano passado sim! E também aqui há contas fáceis de fazer. O FCP ficou 13 pontos atrás do Benfica no campeonato. Mas, coisa rara, sofreu 4 penaltys contra, 3 dos quais em situações de jogo com 0-0 (duas vezes) e 0-1 (para o FCP, uma vez). E nestes 3 jogos perdeu 8 pontos! Se somarmos os 3 da derrota na Luz (coisa pouco frequente), temos então 11 dos 13 pontos que o FCP registou a menos que o Benfica! Por meras questões de decisão de arbitragem!
Mas também me podem recordar que eliminamos o FCP duas vezes, da Taça de Portugal e da Taça da Liga. Há aqui algumas explicações que se encaixam com facilidade. Na Taça, o Proença expulsou mal o Siqueira e depois deve ter-se arrependido, assinalando o 1º penalty de sempre a favor do Benfica em jogos com o FCP! Se tivesse tido esse critério no Nacional - Benfica da época passada, tínhamos sido campeões, e mesmo que perdêssemos a Liga Europa com o Chelsea, íamos jogar a Taça sem estar sobre “brasas” devido às duas derrotas anteriores. Porque éramos campeões.
Na Taça da Liga isso sim, houve bastante competência em aguentar o resultado 0-0 com uma equipa que Jesus colocou claramente para “oferecer” a vitória ao FCP (meter uma dupla de centrais inédita Steven Vitória + Jardel não lembra a ninguém que quer ganhar o jogo) e houve a indispensável pontinha de sorte nas grandes penalidades. Já no ano passado, em Braga, também aguentamos o 0-0 com uma equipa bem menos remendada do que a que eliminou o FCP, mas nos penaltys não fomos felizes e fomos eliminados. O Braga, esse ganhou 1-0 ao FCP na final com 1 golo... de penalty. Ora o FCP no campeonato nunca sofreu 1 penalty com 0-0...
Posto isto, sim, em face desta análise mais realista e menos fantasista, que probabilidades temos de ganhar títulos na próxima época? (continua)

14 comentários via blogger

  1. o ano passado foram muito protegidos, sim senhor. so em penaltys perdoados ao porto, o benfica era campeao a 3 jornadas do fim.

    mas nao te iludas! este ano foram tambem! nao e por acaso que sem jogar grande coisa tiveram 13 penalties a favor contra 9 nossos. que ganharam 1-0 ao guimaraes com um penalty inexistente (proença) 1-0 ao paços com golo em falta e em coimbra o capela arranjou um penalty inexistente mas eles falharam... mais o penalty inexistente contra nos na jornada 30. a arbitragem ajudou o mesmo... eles e que tinham uma pessima equipa que nem assim.

    quanto a jesus ter aprendido coisas, e obvio que aprendeu, mostrou muito maior segurança defensiva nos jogos teoricamente dificeis, sobretudo depois de dezembro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro, eu não me iludo sobre o poder que o FCP continua a ter na arbitragem. A nomeação de Proença para a 2ª mão da Taça foi um bom exemplo. Quem anda iludido são alguns inteligentes benfiquistas que dizem na CMTV que esta vitória significou o fim do ciclo portista. Nada de mais errado.

      Estou a construir este tema, que vou rematar com um terceiro e último, para dar uma ideia como se vê bem diferente sobre as razões que levaram o Benfica a ganhar tudo, e que a tentar identificar os pontos que temos de ser fortes se quisermos continuar a ganhar.

      Quanto à mudança em Janeiro, esqueces dois pormenores. Matic vendido deu lugar a Fesja, ou seja, em vez do tal 6 que era mais um 8 do que um 6 (trinco), passamos a ter um 6 puro, eu diria, um jogador certinho que não sai muito daquele lugar. Resultado? A equipa encaixa-se a trás e potencia os lances de contra ataque...

      Há ainda a lesão de Artur e entrada de Oblak. Não podemos descurar esse "acidente" que acabou por nos beneficiar...

      Eliminar
  2. Concordo no geral. No entanto parece-me que o Benfica deste ano fez mais gestão nos jogos do que no ano passado. E isso traduziu-se nos golos não marcados, mas também nos não sofridos. Mas não me parece que tenha só a ver com o treinador e sim com o estilo de jogadores disponíveis e confiança da equipa em não sofrer golos. O que levou a uma menor necessidade de matar os jogos. E foi o próprio Jesus a destacar a maturidade táctica da equipa por exemplo no clássico contra o Porto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que os jogadores é que interpretam os modelos, uma coisa é jogar com Cardozo e Lia (ou Rodrigo), outra coisa é jogar com Lima e Rodrigo. Continua a ser 4-4-2 mas a mobilidade atacante e a disposição do adversário é completamente diferente.

      Depois temos o meio campo. Uma coisa é ter Matic a 6 outra é ter Fesja. Com Matic temos mais pressão alta, com Fesja temos mais equilibrio. Com Matic justifica-se o jogo de Cardozo, com Fesja justifica-se a velocidade de Lima e Rodrigo.

      E continua a ser o 4-4-2 mas como se vê, com dinâmica muito distinta consoante jogue um ou outro...

      Como alguns aqui já perceberam, eu sou fã de Jesus e nas horas más tenho defendido a sua continuidade. Contudo nem sempre ligo muito ao que ele diz. Também disse coisas muito interessantes de Luisinho e a seguir dispensou-o. Não sei como interpretar isto excepto se ele estivesse a fazer um frete a Luis Filipe Vieira que tinha de financiar o Paços de alguma maneira, e como sempre com um jogador que não interessa ao treinador.

      Quanto a ter salientado a maturidade do Benfica contra o FCP, enfim, não dou muita importância. Prefiro destacar o apoio das bancadas que foram um autêntico 13 jogador. Já o árbitro que passou 60 mn a roubar-nos, incluindo no penalty do Mangala, depois equivocou-se grosseiramente. E se ele marcasse o penalty de Garay sobre Quaresma? Será que o jogo acabava como acabou? Será que falavamos de maturidade?

      Eliminar
    2. "nos dois jogos que fez contra nós partiu o corredor todo, criou-nos imensos problemas. Vejo nele uma possibilidade segura de fazer parte das duas opções que tivermos para lateral esquerdo"

      Não me parece que tenham sido "elogios" desmedidos. Nunca ele disse que o Luisinho seria um titular de caras. Mas alguns logo pensaram nisso porque leram para além do que foi dito. Até o Luisinho pensou nisso e depois amuou e nem opção foi. O que fazer com craques que preferem ser titulares de um equipa qualquer a suplentes no Benfica?

      Sobre a tua pergunta penso que a resposta foi dada pela equipa nas inúmeras vezes que tivemos de jogar com 10 contra 14...

      Eliminar
  3. Como sempre numa disputa a 30 jogos achas sempre que quando não ganhamos, a culpa é dos homens de preto, em campeonatos os arbitros podem influenciar alguns campeonatos, mas não influenciaram todos os que perdemos, quer dizer em muitos campeonatos ficamos quase a 20 pontos de distancia e a culpa é dos arbitros, apesar da corrupção e eu sei que é muita, houve anos que eles foram melhores que nós, tinham melhores equipas
    Os arbitros podem influenciar uma competição a eliminar como sucedeu este ano ao Benfica na final, mas como já disse primeiro perdemos por culpa proprio, imensos golos falhados e só depois vêem as outras causas.
    A razão pela qual o Benfica foi campeão este ano, foi que sofreu apenas 18 golos e ficou a maioria dos jogos a zero, principalmente a partir do momento em que Oblak foi para a baliza, e até JJ percebeu isso, que nas finais, deu a titularidade a todas ao Oblak, não houve nem tem que haver rotação.
    Para encontrares um campeonato onde o Benfica tenha sofrido menos golos é preciso recuar até 85/86, apenas 13 golos, durante este periodo houve um ou outro ano que tambem sofremos 18 golos, mas mesmo assim é preciso recuar mais de 20 anos, mais precisamente até 1992/93, de resto resto sofremos sempre mais de 20 golos, noutros 30 e até mesmo mais de 40 golos, o que para uma equipa do Benfica seja em que circunstancias for, é uma enormidade.
    A gente no Benfica bem pode andar a queixar-se se quisermos a vida toda por causa disto e daquilo, mas o que é certo é que os lá de cima, infelizmente neste periodo construiram um palmarés europeu muito superior ao nosso, e as vitorias europeias deles ajudaram a camuflar muita coisa, a meu ver eles não têm tantos titulos nacionais como nós, mas eu mesmo assim preferia ter menos titulos nacionais e muitos mais europeus, mas eu penso assim porque desde sempre percebi que o Benfica só é considerado um grande no mundo do futebol, apenas e só pelo seu percurso europeu, ainda que seja o clube europeu com mais finais europeias perdidas, do que por ganhar titulos nacionais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os de lá de cima como dizes, para mim é os de lá de baixo, porque geográficamente estou a norte deles...

      O FCP camuflou muita coisa com vitórias europeias e em particular com Mourinho o treinador que por ter sido escolhido por Vale e Azevedo, não teve vida fácil na Luz e saiu pela porta muito pequena, com episódios criados pela comunicação social e que foram favoráveis ao presidente mais bêbado que já tivemos.

      Consta que o inteligente do Vieira foi a Leiria para o resgatar, mas impondo a condição de ficar com Jesualdo com adjunto. Mourinho recusou, o FCP soube do assunto e deu-lhe as condições que ele quis.

      Mais tarde Mourinho fez uma firmação que o fez riscar da minha consideração. Disse ele, a propósito de ter estado quase a regressar ao Benfica, que "estive quase a vender a alma ao diabo". Se uns não perceberam, eu percebi e nem o facto de ter sido escolhido por JVA lhe dá perdão.

      Mourinho ganhou no FCP, com arbitragens e com competência. Será que ele sem árbitros teria ganho? Não sei. Vamos a números. Ele ganhou o 1º título com 84% de pontos enquanto Jesualdo e Camacho fizeram 74%. No 2º ano ganhou com 80% de pontos, Camacho fez 73%. Será que sem erros de árbitros teria ganho? Tenho dúvidas neste 2º campeonato...

      Por curiosidade o Villas Boas com uma equipa muito inferior à de MOurinho, ganhou com 93%, e o ex- treinador do Santa Clara ganhou com 83 e 86,4%... Uauuu.. vais-me dizer que são superiores a Mourinho ou que a arbitragem nunca esteve tão controlado como agora?

      É o que dá o apoio inequivoco de Vieira a Fernando Gomes...

      Eliminar
    2. Isso do Vieria o ter querido ir buscar a leiria é verdade, toda a gente sabe disso e qual foi o motivo pelo qual ele não veio, mas talvez a resposta do Mou tenha tido a ver com quem ainda estava no Benfica, é que o presidente era o mesmo que o tinha "obrigado" a sair, eu no lugar dele teria regressado com o mesmo presidente, não fazia sentido.
      As percentagens e os numeros não acho que os possamos analisar dessa forma, temos que olhar para as circunstancias de cada campeonato, pois as equipas que podem estar fortes num, podem não estar fortes noutro.
      O facto de eles terem sido campeões europeus, não invalidava que pudessemos ser campeões nacionais, da primeira vez que eles o foram o Benfica fez a dobradinha, mas fica mais dificil contrariar as coisas, é que depois nós Benfica não somos capazes de vincar superioridade na Europa, somos incapazes de ganhar competições europeias, e se as ganhassemos ficaria bem mais facil argumentar, assim como dizes ficamos pelo não sei, os tais ses.
      Eu acho que o objectivo prioritario, para mim sempre foi, mas atendendo à quantidade de finais europeias perdidas, o objectivo como dizia é ganhar competições europeias, seja ela a Liga Europa ou a Taça dos Campeões, esta bem mais dificil, mas o ideal era conseguirmos meter uma lança em africa e ganhar os campeões.
      Quanto aos apoios do LFV, não te podes esquecer do que ele disse em tribunal, eu era um homem de confiança do Pinto da Costa, transporta isso para a lingusagem mafiosa e sabes bem qual o significado disso, a mim nada me admira vindo do LFV

      Eliminar
  4. existiram algumas mudanças que não se tinham visto nos quatro anos anteriores existiu uma maior gestão dos jogadores que resultou no facto dos onze mais utilizados terem na sua soma menos minutos, e isto falando de cor sem ainda ter vistos os números da época, permitindo que a equipa aguenta-se até ao fim.
    depois não tendo mudado a tactica a equipa deixou claramente de ter aquela vertigem pelo golo desde o inicio ao fim do jogo e isso manifestou-se em menos golos marcados mas contribuiu muito para os menos sofridos alem de um menor desgaste dos jogadores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás a partir da hipótese que a gestão foi diferente do ano anterior... mas isso é uma hipótese que vou confirmar para somar à teoria "aprendeu com os erros". Falácias...

      O que aconteceu é que o FCP este ano teve penaltys contra,e mesmo tendo sido bastante ajudado em alguns jogos, o que é certo é que na época passada o unico penalty sofrido pelo FCP aconteceu na Madeira quando estavam a ganhar 3-0 ao Nacional... Nunca naqueles jogos em que tiveram dois jogadores.. e isto é que é um facto, não é uma hipótese!

      O Benfica perdeu o titulo por 1 ponto. Bastava que tivesse sido assinalado 1 ou 2 dos 3/4 penaltys por andebol e teríamos sido campeões. E se tivessemos sido campeões, será que perdíamos a Taça com 1 golo em fora de jogo? Acho que seria mais dificil à arbitragem contrariar o bom ambiente em torno da equipa e a própria equipa aparecia lá com o maior titulo conquistado, ou seja, com outros niveis de confiança...

      Eliminar
    2. de facto só interessam os factos que nos dão jeito os outros não interessam.

      na final da taça deste ano a arbitragem ainda foi pior a grande diferença é que os erros não tiveram influencia no resultado, isso e uma fifia do guarda redes.

      Eliminar
  5. No geral foi assim, mas não concordo quando dizes que JJ não aprendeu! Creio que JJ este ano fez algo que deveria ter feito á 3 anos atrás, rodar a equipa mais vezes, este ano percebeu que só assim poderia fazer dos "suplentes" jogadores úteis e o grande obreiro é ele claro.
    Conseguiu ter 2 sistemas de jogo diferentes e um leque de jogadores á altura.
    Quanto à resposta à tua pergunta final só para dizer que já quem lê a tua análise saberá a resposta, saberá que não dependerá de JJ, eu assumindo um papel realista não acredito no Bi-campeonato!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, a resposta está práticamente certa... mas não podemos desistir.... quanto à rotação do plantel, tenho uma opinião diferente da tua. JJ tem rodado o plantel nas competições, optando por dar mais minutos aos menos utilizados na Liga Europa.

      Exemplo? Cardozo. Este ano jogou mais vezes na Liga Europa a titular do que na época passada. Porquê? Porque ele precisava dos golos do Cardozo no campeonato. Este ano achou que precisava dos golos do Lima e assim Lima foi mais vezes suplente...

      Eliminar
  6. Pondo de parte a questão da arbitragem, concordo com o resto e continuo a insistir que a diferença entre as duas épocas não esteve no facto de o JJ ter aprendido com os erros e dessa forma ter evoiluido como treinador... Acabamos a época como no ano passado, ou seja, de rastos, por isso não houve melhor ou pior gestão do plantel... Começamos e acabamos esta época como o mesmo sistema que se usou no ano passado (pelo meio ainda se jogou em 4-3-3 nas competições europeias), por isso também aqui não existiram mudanças... Começamos com um plantel com mais soluções do que na época passada, embora tenhamos perdido o Matic e aqui sim existiu uma enorme diferença... Mas principal diferença é que no ano passado não fizemos o que nos competia e apesar de ganharmos na Madeira, perdemos pontos na 28ª e 29ª jornadas, e ganhamos na última, este ano ganhamos quando foi preciso (olhanense)...
    VR

    ResponderEliminar

Se não estiver registado, assine sempre o seu comentário. Se não o fizer, não se queixe se não for publicado.

artigos recentes